Home Aviação Comercial Embraer participará das investigações

Embraer participará das investigações

534
0

emb-110-no-rio
A Embraer deve ajudar nas investigações sobre o acidente aéreo que causou a morte de 24 pessoas em Manaus. A empresa é a fabricante da aeronave EMB-110 Bandeirante e colocou uma equipe especializada à disposição do órgão investigador do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa). Em comunicado, a empresa diz que lamenta profundamente o ocorrido e que acompanha com atenção a evolução dos acontecimentos.

A Aeronáutica investiga se o avião estava com sobrepeso durante a decolagem. A apuração é realizada pelo Cenipa. O turboélice poderia se manter no ar com um só motor, desde que o limite de peso não fosse excedido. A aeronave estava certificada para transportar 19 pessoas, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), e estava com 28 pessoas, incluindo dois tripulantes. Somente quatro pessoas sobreviveram, incluindo dois irmãos.

Segundo a Aeronáutica, o avião sofreu pane em um dos motores e o piloto César Grieger tentou um pouco forçado no rio, a 500 metros da pista do Aeroporto de Manacapuru, a 102 quilômetros de Manaus. Esse foi o segundo maior acidente aéreo do Amazonas. O aparelho prefixo PT-SEA, caiu por volta das 16 horas do sábado. Ele seguia de Coari para a capital amazonense.

O acidente

O avião caiu por volta das 15 horas de sábado no Rio Manacapuru, próximo da Ilha de Monte Cristo. Apenas quatro sobreviventes foram encontrados. Os demais passageiros, o piloto e o copiloto ficaram presos dentro do avião, a 5 metros de profundidade.

O voo seguiria de Coari para Manaus (a uma hora de distância) e foi fretado pela empresa Manaus Táxi Aéreo. A queda ocorreu no meio do caminho, mais precisamente na área de uma comunidade chamada Santo Antônio, logo após o piloto entrar em contato com a torre do Aeroporto de Manaus e informar que voltaria para Coari por causa da forte chuva e da pane. Neste momento, o Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo da capital amazonense (Cindacta-4) perdeu contato com a aeronave.

FONTE: Estadao.com.br

FOTO: Folha de São Paulo

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Francisco AMX
Francisco AMX
11 anos atrás

vamos colocar a raposa para cuidar do galinheiro agora?

Rodrigo Cesarini
Rodrigo Cesarini
11 anos atrás

Francisco , não veja má fé onde não existe, é comum o fabricante participar de investigações de acidentes, a Airbus e a Boeing estiveram presentes nos casos da TAM e Gol, respectivamente. Das lições aprendidas é que se aprimoram equipamentos e procedimentos.

Fábio Max
11 anos atrás

Andaram falando em excesso de peso.

Bem coisa brasileira mesmo, estão transformando linhas aéreas em algo parecido com as viações que atendem os serviços de ônibus urbano e metropolitano, ou, ainda, as barcas amazonenses que já cauisaram tantas tragédias pelos mesmos motivos.

Mas é aguardar para saber…

Francisco AMX
Francisco AMX
11 anos atrás

Rodrigo, que eu saiba, lá “fora”, as empresas acompanham as investigações! não participam delas, participar é ter poder de influenciar o resultado, acho que não é o caso, porém não tem nada a ver a EMBRAER participar de tal procedimento! fica mal, e é justamente isso que não pode, para depois não manchar a empresa, caso d^^e algo errado! e caso ela tenha culpa no cartório, o amigo acha que ela não esperneará??? se sim, acho que vc é um “bom moço” para lidar com os grandes!:) – já dizia o Rauzito “para conhecer o inferno… de diabo vc tem… Read more »

Jairo
Jairo
11 anos atrás

O CENIPA não tem credibilidade, é pau mandado né, vamos chamar CSI, só tô na dúvida por qual dos três, ou quem sabe a mãe Diná não resolve?

Francisco AMX
Francisco AMX
11 anos atrás

vamos colocar a raposa para cuidar do galinheiro agora?

Rodrigo Cesarini
Rodrigo Cesarini
11 anos atrás

Francisco , não veja má fé onde não existe, é comum o fabricante participar de investigações de acidentes, a Airbus e a Boeing estiveram presentes nos casos da TAM e Gol, respectivamente. Das lições aprendidas é que se aprimoram equipamentos e procedimentos.

Fábio Max
11 anos atrás

Andaram falando em excesso de peso.

Bem coisa brasileira mesmo, estão transformando linhas aéreas em algo parecido com as viações que atendem os serviços de ônibus urbano e metropolitano, ou, ainda, as barcas amazonenses que já cauisaram tantas tragédias pelos mesmos motivos.

Mas é aguardar para saber…

Francisco AMX
Francisco AMX
11 anos atrás

Rodrigo, que eu saiba, lá “fora”, as empresas acompanham as investigações! não participam delas, participar é ter poder de influenciar o resultado, acho que não é o caso, porém não tem nada a ver a EMBRAER participar de tal procedimento! fica mal, e é justamente isso que não pode, para depois não manchar a empresa, caso d^^e algo errado! e caso ela tenha culpa no cartório, o amigo acha que ela não esperneará??? se sim, acho que vc é um “bom moço” para lidar com os grandes!:) – já dizia o Rauzito “para conhecer o inferno… de diabo vc tem… Read more »

Jairo
Jairo
11 anos atrás

O CENIPA não tem credibilidade, é pau mandado né, vamos chamar CSI, só tô na dúvida por qual dos três, ou quem sabe a mãe Diná não resolve?