terça-feira, maio 18, 2021

Gripen para o Brasil

Mi-35 da FAB seguirão para Rondônia

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

h-50-esquilo-formacao-foto-fab mi-35b

Assim como o Exército e a Marinha, que estão desconcentrando suas estruturas no Sul do país e no Rio de Janeiro para reforçar o controle da Amazônia, a Força Aérea Brasileira também está se adequando ao novo Plano de Defesa Nacional. Um esquadrão inteiro do Recife, formado por cerca de 200 militares e 12 helicópteros de ataque, será deslocado este ano para base de Porto Velho, seguindo a mesma estratégia de ocupação da região. Os 12 MI 35, comprados da Rússia, seguirão direto para Rondônia, e não mais para Pernambuco, como havia sido planejado inicialmente. O Comando da Aeronáutica planeja remanejar outras unidades para reforçar a base de Manaus, dentro do projeto de desconcentração geográfica das três forças.

No Nordeste, a esquadra que estava na base de Fortaleza, está sendo deslocada para Natal. Estratégicas na defesa aérea pela proximidade de Brasília e no desenvolvimento da indústria bélica, as bases de Anápolis, em Goiás, e São José dos Campos, em São Paulo, deverão ser expandidas. A prioridade do plano Estratégia de Defesa Nacional, apresentado pelos ministros Nelson Jobim, da Defesa, e Roberto Mangabeira Unger, da Secretaria de Assuntos Estratégicos, e assinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva no final do ano passado, é reforçar a estrutura das Forças Armadas na Amazônia ­ onde o contingente saltará de 17 mil homens para 25 mil ­ nas áreas de fronteira e nas regiões onde se localizam a camada pré-sal. Exército, Marinha e Aeronáutica vêm executando um criterioso projeto de remanejamento.

Fonte: JB Online

Fotos: os atuais (H-50 Esquilo – foto FAB) e futuros (Mi-35) equipamentos do esquadrão Poti, o 2º/8º GAV, atualmente baseado em Recife

- Advertisement -
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Zero Uno

Acho que deveríamos é aumentar o contigente para pelo menos 40 mil tropas. 25.000 ainda é pouco. Temos muito o que ocupar na área e melhorar a infra-estrutura para os que estão no local. Nossos PF’s não possuem e nem garantem boas condições de vida para os nossos militares do exército que lá estão. É preciso criar mais e melhores condições do que as atuais, existentes na região amazônica. Viver lá é difícil e o militar e sua família que para lá vão merecem ter um pouco mais de conforto…

marko

E nao é que os comuna conseguiram empurrar os Mi-35 pra nois. Achei q essa historia era trote…

Tiago Jeronimo

As perguntas que não querem calar são:

Quando chegarão os Mi-35?

Que tipos de armamentos vão vir junto?

12 unidades são suficientes para criar um esquadrão operacional e criar uma doutrina?

Nunão

Tiago, posso responder a terceira pergunta:

Levando-se em conta que a dotação da maioria dos esquadrões de asas rotativas da FAB é inferior a 12 unidades, a resposta é sim.

Saudações!

fernando

os helicopteros mi35 vao vir desarmados e serao armados no brasil com uns lanca foguetes e um canhao, e uma eletronica feita aqui no brasil….tudo isso para economizar, de que adianta um mi 35 com 1 canhao e lanca foguetes….acho que teria que vir com o que ha de melhor em termos de armamentos…

Paulo Renato

Seria ótimo ter pelo menos uns 20 desses helis equipados no Brasil, mas como não temos nenhum esse lote deve agradar de inicio, em relação aos armamentos acho que poderam ser adquiridos e fabricados aki msm no Brasil.
Temos muito que evoluir e com certeza isso avai acontecer e assim que essa crise passar as oisas vão caminhar de uma forma melhor.
Espero que na sucessão do governo, entre a Dilma para que continue com os projetos que estão em andamento.
Isso é fundamental para o reaparelhamento da Forças.
Abs.

Clausewitz

A Eletrônica será Nacional? Acho ótimo que seja da ELBIT.

Thiago Sala

Zero Uno

Parece-me que a intenção agora é transferir os militares para lá temporariamente sem mudar a família inteira do mesmo, economiizando desta forma e os militares ficariam menos tempo nos pelotões de fronteira.
Melhor para o bolso pior para os militares

João-Curitiba

Estes Mi 35 não seriam para dar apoio à PF? Daí não necessitam de armamento pesado.

Zero Uno

Tô sabendo Thiago.

Más mesmo assim os PNR’s de lá são muito ruins. As famílias iriam para cidades próximas aos PF’s entendeu? Ainda é um plano que está em planejamento…

RLobo

Este helicoptero tem um poder de fogo que impõe respeito. Não sei como ele virá pro Brasil, me disseram que o mesmo virá totalmente pelado (sem armamento), não sei, é verdade isto?
Agora o que não podemos negar é que o mesmo é um bom alvo. rsrsrsrs
Ainda não entendi esta compra, não seria melhor mais alguns UH-60 Black Hawk?

Noel

Mídia especilizada em: base de São José dos Campos??? onde fica essa Base??? esquadra que estava em Fortaleza vai prá Natal??? já temos duas esquadras???rsrsrs Ai, boa parte das notícias perde a credibilidade, mas, vamos lá…

Patriota

Pessoal não adianta apenas militarizar a região amazônica
a melhor forma de defender o norte é tambem povoar a região
somente desta forma podemos garantir a soberania brasileira lá.

saudações

Zero Uno

Povoar, desenvolver, ter poderes públicos constituídos (saúde, educação, JUSTIÇA), e etc… Isso sim é se fazer presente na região… As FFAA’s sempre tentaram fazer o seu papel. Já os governos…

Nunão

Noel, a notícia não veio de mídia especializada, mas da chamada “mídia leiga”. No caso, o JB Online – por algum motivo a referência à fonte, que sempre colocamos, ficou de fora do post na edição. Mas já está colocada lá em cima de novo.

Assim, algumas informações podem ser aproveitadas e discutidas, com o devido “filtro” e ressalvas a termos como “esquadra” e outros…

Saudações!

Billy

Há Há Há, depois do SAPO BARBUDO a BRUXA DO 71,ninguém merece…
Esquadra em NATAL??? Estes jornalistas…
Dentro dos planos petralhas, melhor entregar os Mi-35 para a FORÇA DE SEGURANÇA NACIONAL(?). Sério agora: esquadrão em RONDÔNIA? Não seria melhor em RORAIMA? Será que os “caciques” permitiriam??

Mauricio R.

“A Eletrônica será Nacional? Acho ótimo que seja da ELBIT.

Não acho nada de ótimo, mais “caixinhas pretas” p/ a Aeroeletrônica trocar as etiquetas e o contribuinte pagando.

Noel

Ok, Nunão.
Sds

Da Silva

Helicopteros de ataque não deveriam ser encaminhados para áreas de selva, estes devem ser baseados em áreas de vegetação mais aberta, pois num cenário de guerra, é neste tipo de cenário que eles devem ser empregados. Defesa na selva se faz com homens, fuzis, equipamentos de visão noturna e uma boa mobilidade de tropas, neste caso os helicopteros são muito úteis, mas não os de ataque.

Abraço.

Da Silva

Wolfpack

O Mil Mi35 terão missão CSAR, e deverão ser empregados também conjuntamente com os A29 no combate ao tráfico de drogas.

Almeida

Podiam aproveitar a desculpa da crise economica e cortar esta compra malfeita do orçamento…

GustavoB

Sobre a missão CSAR, é opinião sua?

Zero Uno, você conhece algum estudo sobre o ideal de 40 mil tropas na Amazônia? Caso contrário, por que não 50, 100 mil?

Também gostaria de obter sugestões sobre como desenvolver a Amazônia, parece coisa possível do dia pra noite, não? Por decreto, quem sabe?

Wolfpack

Não, foi divulgado quando da compra dos Elefantes Mil Mi35. Um helicóptero de ataque só se justifica se empregado pelo EB.

Almeida

Re: Wolfpack em 04 fev, 2009 às 20:01

E no sul do país, já que tanques não andam no meio de uma floresta tropical.

Roberto CR

Estou com o GustavoB em 04 fev, 2009 às 19:50 em tudo. As vezes parece que o pessoal quer as coisas para antes de ontem e não procuram ver o objetivo que as coisas podem ter. Acho que uma boa pergunta é a do Billy em 04 fev, 2009 às 17:24. Como sugestão de resposta seria interessante a TODOS darem uma olhadinha no mapa da América do Sul e verá porque se coloca um helicóptero desses o mais perto possível da Colombia, Venezuela, Peru, a região da cabeça de cachorro, Bolívia (Sendero, Farc, T-55, narcotráfico). Foi mostrado aqui no blog… Read more »

Patriota

GustavoB

desenvolver e povoar a amazonia não e algo que ocorre da noite para
o dia porem podem ser tomadas medidas para insentivar o desenvolvimento da região temos capacidade economica para isto
alias uma descentralização da economia seria decisivo para aumentar a geração de empregos e uma vantagem estrategica para o Brasil
uma vez que em tempos de guerra uma das prioridades dos nossos inimigos seria arrasar a nossa economia e os alvos seriam o estado de São Paulo e Rio de Janeiro isto nos derrubaria como um golpe
certeiro pois a nosso potencial industrial esta centralizado na região sudoeste.

JACUBÃO

O que adianta mandar esses helicópteros para lá se o governo não faz nada com os vizinhos marrentos que tiram onda com o otário do Brasil, sem falar que até os oficiais das FA tem mêdo de fazer algo quando a soberania do país é violada nas fronteiras, pois pode prejudicar a carreira dos mesmos.
Tem gente que ainda acha que o Brasil é um país sério.

Valtinho

Colocar o esquadrão que estava em Recife pra Porto Velho é uma ótima ideia… Afinal quem nós vamos atacar perto de recife??? A Refinaria de Abreu e Lima que o chavito tem em parceria conosco???
Ótima ideia de colocar estes esquadrões na Amazônia.

Radical_Nato

Na minha singela opinião, o local mais apropriado.

SDS.

João-Curitiba

A melhor forma de povoar a Amazônia é fazendo uma redivisão territorial. Existem no Congresso vários projetos de lei para criar novos estados. Alguns baseados em estudos do IBGE. Outros que são verdadeira piada. Mas novos estados não resolverão o problema, uma vez que serão alvo dos políticos, de olho nos cargos e nas verbas e comi$$õe$. Precisariam ser criados territórios federais, onde se procurasse manter os políticos o mais distante possível. A União bancaria a infraestrutura dos mesmos, a exploração econômica giraria em torno da vocação de cada lugar e poderia ser o primeiro local onde o jogo seria… Read more »

VirtualXI

Esse 12 MI-35 são melhores que todos os outros helicópteros “enjambrados” para “ataque” na FAB.
Aliás corrigindo a FAB nunca possuiu um heli de ataque, e sim somente algo que está entre pensar em ser e nunca o ser.
É uma pena ser em somente número de 12 unidades, já que para um país das proporções do Brasil, sem estradas e sem estrutura de transporte de blindados, seriam uma melhor alternativa a aquisição dos ultrapassados leopard 1a5.

GustavoB

Como estava dizendo, por decreto…

João-Curitiba

Caro GustavoB Por decreto já foi tentado, durante o período militar, quando os governantes tinham a faca e o queijo na mão. E nem assim deu certo. Fizeram a Transamazônica e ao longo dela criaram umas tais de agrovilas, onde foram assentados agricultores principalmente do Nordeste. Depois de um bom tempo saiu na imprensa uma reportagem sobre o resultado. Apenas uma (isso mesmo, UMA) família continuava lá. Era uma família que tinha vindo do Rio Grande do Sul. Sem antes fazer toda a infraestrutura, sem a parceria de grandes empresários, sem deixar os políticos à distância, nada dará certo naquela… Read more »

Noel

João-Curitiba, em tese, apenas em tese sua idéia seria interessante, não se esqueça que a criação de um território é um primeiro passo para posteriormente ele se tornar um estado, aconteceu com o Acre, Roraima, Rondônia, Amapá; e o indicado para governar esse território, que é função política, seria um político indicado por Brasília, ou seja também um “cabide”, só que federal. A única solução, prá mim, é investimento pesado em educação nesse Estado carentes, sei que é quase um sonho, porém creio ser menos utópico. Quanto ao MI-35, ele é uma espécie de cobaia, ou seja, o primeiro vetor… Read more »

Noel

PS: “o primeiro vetor RUSSO de porte”, desculpem-me, digitei muito rápido.

Pinchas Landisbergis

Sempre achei estranho o seguinte: Não temos sequer 1 (um) caça armado baseado em São Paulo !!!!!!! Será que não há nada para se defender aqui? onde fica a Embraer , Avibrás, CBC, o maior parque industrial da A.L. etc…..? Será que os F5M de SC são instantaneos já atingem a velocidade da luz ???? A verdade , meus caros, é que em termos estratégicos estão querendo barrar as formigas e deixam passar os elefantes. Um SU30 com REVO (decolando de solo boliviano por exemplo) em menos de 2 hs estaria sobre SP fazendo o que quizesse, sem oposição, pensem… Read more »

João-Curitiba

Prezado Pinchas Landisbergis Claro que estamos falando aqui hipoteticamente. Primeiro, onde a Bolívia teria SU30? Mas tudo bem. Quando o SU estivesse ainda na Bolívia, o Cindacta já terá detectado. O avião do revo já deveria estar na frente e também estaria detectado. Em pouco tempo os Mirage de Anápolis já estariam no ar, para interceptá-los, o SU e o revo. A propósito, onde a Bolívia teria o revo? Mas tudo bem. Além do que, se tal atitude fosse tomada, a Bolívia estaria assinando sua sentença de morte. Este seu temor, hipotético é claro, simplesmente diz que o Cindacta nada… Read more »

João-Curitiba

Caro Noel Você lembrou bem. Um território pode no futuro vir a ser um estado. Mas quando isso acontecesse, já estaria desenvolvido e em plenas condições de ganhar autonomia. E quanto ao governador indicado por Brasília, porque não poderia ser um militar? Lembre-se que entre os poderes executivo e legislativo, o executivo sempre mostrou muito mais responsabilidade, uma vez que é ele quem arrecada e quem executa. O outro só gasta. Qualquer funcionário público de carreira, civil ou militar, se daria muito bem na condução do território. É só manter os políticos à distância. Não acreditar nisso, então é melhor… Read more »

Pinchas Landisbergis

prezado João Curitiba,

Os SU 30 e o REVO não seriam bolivianos (pelo menos não atualmente), mas sim nesta hipótese, supostamente venezuelanos baseados lá .

O meu questionamento partiu do absurdo para salientar o óbvio , não termos defesa aérea em SP o que realmente é de se espantar.

Grato, por me responder,
abraços

João-Curitiba

Caro Pinchas Landisbergis

Sua preocupação específica quanto à defesa aérea de SP vale mesmo um debate. Por que será que as FAs até hoje não fizeram isto? Sou leigo para poder discurtir mais detalhadamente, mas pergunto se é possível um avião entrar impunemente em nosso território, ainda mais com revo?
O mais certo para invadir a região metropolitana de SP seria um caça partindo de um porta aviões, mas isto hoje muito poucos países poderiam executar. O mais fácil seria um submarino lançar tomahawk (não sei escrever certo) ou mísseis similares. Daí sim estaríamos perdidos.

Abraços e aguardo resposta

Noel

João-Curitiba, meu amigo, não se iluda em achar que por ser militar é melhor, quando o militar passa a exercer um posto político, político ele se torna, não vai ser melhor nem pior; vou dar um exemplo concreto, o Ceará foi governado por muitos anos por um grupo de Coroneis do EB, que se alternavam no poder, até os anos 80, e era um dos estados mais pobres do país, em todos os sentidos; após a eleição e posse de um empresário como Governador, o panorama e o desenvolvimento deste estado começou a evoluir. Infelizmente não temos como nos desvincular… Read more »

Roberto

Agora,será que ta sobrando tantos helicópteros assim pra mandar 4 Super-Puma para a Bolivia,revizados sem custo algum pro governo de Evo,não sei porque o bRASIL se curva tanto para esses bolivianos. http://www.defesanet.com.br/al1/bo_puma_1.htm No lado brasileiro, o transporte da carga é feito pela malha da conhecida Novoeste, comprada em meados do ano passado pela ALL do Grupo Brasil Ferrovias. A estrada de ferro sai de Bauru, no interior de São Paulo, e vai até Corumbá (MS), numa extensão de 1.300 km. Na Bolívia, a carga é transportada pelos trilhos do lendário Trem da Morte, que vai de Quijarro até Santa Cruz… Read more »

Hornet

Não se preocupem com SP. O espaço aéreo aqui está protegidíssimo pelo prefeito e pelo governador.

Se algum caça inimigo vier aqui o Gilberto Taxab taxa e o Zé Serrágio manda ele voar baixo pelo rodoanel, parando em cada pedágio é claro, tanto na ida como na volta. O caça inimigo nunca mais vai querer voltar aqui pra fazer guerra nenhuma…foge rapidinho…

E sem falar que ninguém, caça imimigo nenhum, é doido o suficiente para voar no engarrafamento aéreo de SP.

Aqui em SP tá tudo sob controle…nada com que se preocupar…

abraços a todos

Cabral

Desconsiderando um possível ataque por parte de um país latino americano, e levando em consideração um possível ataque de uma potência do norte, e a distancia de Anápolis e Santa Cruz, onde estão baseados os caças interceptores, devido a sua localização privilegiadas, devido a alguns fatores areos e navais, Recife não possui nenhum esquadrão de caça, com também toda Região Nordeste, ou seja, um PA ou uma submarino pode atacar a cidade praticamente sem qualquer mecanismo de defesa, Recife e a sede do ll Comar e do lll Sindacta, mais onde estão os aviões de combate? (supersônicos). Não estão em… Read more »

Pinchas Landisbergis

Amigos,

Puxei esta discussão a respeito da defesa aérea de São Paulo, porque realmente me preocupa como cidadão, e gostaria de saber se o fato de não termos nehum caça armado em SP tem algum “viés” de ranço revanchista devido à revolução de 1932 ou é simplesmente um erro “Crasso” do pensamento estratégico nacional ?

abraços a todos

AMX

Tomara que estejam providenciando também as defesas anti-aéreas dos novos estableicmentos e baes. Num cenário muito otimista, a meu ver, não adiantaria ter uma frota (de navios, aeronaves ou veículos terrestres) disposta nos novos locais, se estes forem suscetíveis de serem atacados de surpresa e com facilidade.
Abraços!

LeoPaiva

Caro Roberto, Não há certeza quanto ao modelo de helicóptero cedido à Bolívia, especula-se que sejam os UH-1H Huey (H-1H Iroquois, na FAB). Quanto a ação em si ela é considerada uma boa atitude do governo brasileiro, muitos reclamam da falta de liderança brasileira na AL bem como da sua falta de influência na região, então quando o Brasil resolve influenciar um país vizinho e torná-lo um parceiro aí muitos reclamam também. Esse gesto não é um apoio ao Evo e suas fanfarronices, é mais uma atitude de um país que quer ser influente, pelo menos no seu quintal. Os… Read more »

Marlos Barcelos

Pinchas Landisbergis

os caças estão sediados no Rio de Janeiro, não tem como atacar São paulo pelo ar sem passar pelo Rio ou Espirito Santo, um caça chega em poucos minutos em são paulo, e em caso de guerra há deslocamentos podem colocar caças em são paulo se for preciso.

Marlos Barcelos

Pinchas Landisbergis

acho pior é não ter nenhum esquadrão de fesa aérea no nordeste nem no norte do Brasil, os únicos esquadrões de defesa aérea, ficam no Rio, Rio grande do Sul, e Goiás.

Marlos Barcelos

Se atacarem o norte e nordeste, nem tem nada por perto é só rezar.

Reportagens especiais

John Boyd, o piloto de caça que mudou a arte do combate aéreo

A foto acima mostra os dois caças que foram projetados segundo as ideias de um piloto chamado John Boyd....
- Advertisement -
- Advertisement -