Home Operações Aéreas F-X na Índia: no outro BRIC, a disputa é muito mais acirrada...

F-X na Índia: no outro BRIC, a disputa é muito mais acirrada e… justa

320
235

No F-X da Índia, que lançou a concorrência ao mercado mundial em 2007, para o fornecimento de 126 caças multi-função, numa compra que pode chegar a US$ 10 bilhões, seis jatos estão na briga: o Boeing F/A-18 Super Hornet, o Lockheed Martin F-16, o Dassault Rafale, o Saab Grippen sueco, o russo MiG-35 e o Eurofighter Typhoon.

As propostas técnicas estão atualmente sendo avaliadas e depois todas as seis aeronaves serão submetidas a um rigoroso processo de testes em Bangalore, Jaisalmer e Leh. (que pena que a FAB não usou processo semelhante).

O primeiro teste será utilizado para medir a capacidade das aeronaves em operar nas condições úmidas do sul da Índia, o segundo nos desertos do Rajastão, e o terceiro para estudar a sua adequação nas geladas altitudes de Ladakh no Himalaia, Caxemira.

Até que o processo de avaliação seja concluído, o tamanho da encomenda pode subir a 200 caças, pois a IAF,  que está com apenas 32 esquadrões de jatos (ela tinha 39 1/2), terá uma redução ainda maior, por causa do envelhecimento dos MiG-21. A IAF quer ter uma força de 45 esquadrões.

A Dassault ofereceu na semana passada um upgrade nos 51 Mirage 2000 da IAF por US$1,5 bilhões, para elevá-los ao padrão “dash 5”, com novo radar, aviônica e mísseis MICA.

Há quem diga que o favorito no F-X da Índia é o MiG-35, por causa do preço e da compra do MiG-29K pela Marinha Indiana. Será?

Subscribe
Notify of
guest
235 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Hornet
Hornet
12 anos atrás

O que impressiona na Índia é a quantidade de aviões, ou melhor, a quantidade de modelos diferentes de aviões que a IAF tem. Tem avião pra todo gosto por lá…eles têm Mirage 2000, Su-30 Flanker, MIG-29 Fulcrum, Tejas, Mig-21, Jaguar, Mig-27 e agora ainda estão querendo comprar mais um modelo diferente, no FX deles…O senso de “justiça” deles é bem esse: não desagradar a ninguém…todo mundo tem ou terá sua oportunidade….hehehe….e ao que parece, o vencedor do FX indiano não deverá substituir muita coisa na IAF, será pra somar mesmo…ou seja, a coleção vai aumentar ainda mais… Os indianos não… Read more »

Hornet
Hornet
12 anos atrás

ops. Erro meu, o Mig-29 pertence à Marinha da Índia e não à IAF…mas tudo bem, a coleção continua grande assim mesmo…pois esqueci do PAK-FA que logo, ou quando sair do papel, será incluido na coleção também…enfim…

abraços

Iuri Korolev
12 anos atrás

Não sei quanto a aeronaves, mas li um estudo feito pelo IAE do CTA que em termos de programa espacial (lançadores)
a India foi o país que tomou as melhores decisões de todas as “potências espaciais tardias”, melhores inclusive que o Japão que teve que recomeçar um longo caminho, por decisões equivocadas.

Os indianos não são bobos não.
A FAB deveria observar o FX deles e ficar esperta…

Sds
Iuri

Hornet
Hornet
12 anos atrás

Sem querer polemizar com os amigos, mas achei meio que ao acaso um artigo sobre a compra dos novos caças pela Índia…tem várias partes deste artigo que achei interessante, mas alguns trechos são particularmente interessantes, pois parece demais com nossa situação… vamos aos trechos selecionados: “O processo indiano de aquisição é longo, desconexo e obscuro, com decisões tomadas muitas vezes por políticos e burocratas. Como diz um relato da mídia, “as decisões a respeito de aquisições são tomadas pelo Ministério da Defesa, onde freqüentemente os programas entram em impasse por causa das disputas burocráticas quanto a custos, termos de contrato… Read more »

Hornet
Hornet
12 anos atrás

A propósito, e sem querer “detonar” a Ìndia, país pelo qual tenho uma ligação afetiva direta (tanto em termos musicais, quanto em termos de amizades), mas se este artigo que citei não estiver totalmente equivocado, já começo a entender um pouco os motivos de os russos terem aceito a parceria com a Ìndia no PAK-FA e aceitarem a trasferir tecnologia aeroespacial pra eles e não para nós (ao menos segundo dizem, não confirmo nada aqui). Eu faria o mesmo, se estivesse na pele dos russos…se é que me entendem…É um “negocião” isso aí…pros russos…é claro.

abraços a todos

Bosco
Bosco
12 anos atrás

O Mig-29 é uma ave rara. Uma bela aeronave, com uma configuração limpa, uma elegância natural e do tamanho certo.
Parece um dos poucos produtos oriundos da tecnologia militar russa que não foi projetado pelo eminente cientista Professorovski Pardovski.

pablo
pablo
12 anos atrás

Hornet,

a India ja opera jaos Legace e futuramente os AEW 145… por tanto, ja fazemos parte da colecao indiana…

Bosco
Bosco
12 anos atrás

O F-16 (que está no páreo indiano) é o legítimo representante dos caças de quarta geração e se tornou o padrão ouro. Todos os que vieram depois, incluindo os eurocanards, o tem como referência. Sua versão C Block 50/52/60 é tão capaz quanto qualquer um dos exemplares de quarta geração e meia ou se preferirem, quarta geração seguido de algumas cruzinhas. Quanto a esta estória que sua tomada de ar é muito baixa e facilita a aspiração de detritos da pista eu acho que foi uma infeliz observação de algum oficial da FAB do setor de “rancho” e que foi… Read more »

RL
RL
12 anos atrás

200 aéronaves.

Aqui serão 36 e olhe lá.

Se tivessemos 100 A-29 para treinamento básico/avançado ao mesmo tempo sendo utilizados para vigilância de fronteira, e 60 AMX modernizados para treinamento avançado/ataque tático e uns 150 FX-II com capacidade multipla de emprego em NAe, já estariamos bem.

Não digo que estariamos 100% adequados á nossa realidade, más estariamos muito melhor do que hoje estamos, com toda certeza.

Bosco
Bosco
12 anos atrás

Correção:
“Quanto a essa estória de sua tomada de ar ser muito baixa e facilitar a aspiração de detritos…” e não “Quanto a esta estória que sua tomada de ar é muito baixa e facilita a aspiração de detritos…”

Fábio Max
12 anos atrás

A Ìndia torra dinheiro em armamentos porque tem uma quizimba histórica com Paquistão, que age do mesmo modo e porque seu governo não está nem aí para necessidades sociais de suas populações. Na Índia, previdencia social é quase um sonho e para pouquíssimos, e miséria é algo muito, mas muito pior do que a que temos aqui e há o caos generalizado em todas as áreas da sociedade. Há um sistema educacional bipolar, em certos lugares é de primeiro mundo, em outros, mal chega a igualar os piores países da África. Mal ou bem, o Brasil tem mais responsabilidade com… Read more »

Bosco
Bosco
12 anos atrás

Fábio, não se esqueça que a Índia era uma colônia até 1947 (nós somos independentes a quase 200 anos), já sofreu muito (no nosso abençoado Brasil nunca caiu uma bombinha e nem tem terremoto todo ano), tem 1 bilhão de habitantes (nós, 190 milhões), da religião hindu (nós, da generosa religião cristã) e seu PIB é só um pouco maior que o do Brasil. Se fóssemos comparar o Brasil tinha que ter pelo menos o basicão para as suas forças armadas. Eu acho que falta não é dinheiro não (que como você comentou deve ser direcionado para o bem dos… Read more »

Bosco
Bosco
12 anos atrás

Pra mim o basicão seria uma força aérea com pelo menos uns 200 vetores operacionais dentro de um conceito de baixa e alta sofisticação na base de 2 pra 1. A marinha tinha que ter pelo menos umas 20 escoltas (na maioria corvetas), uns 30 caças navais baseados em terra (viagem minha), uns 12 submarinos convencionais operacionais além de uns 30 aviões de patrulha e uns 50 P-29 (também viagem). Uma guarda costeira (imaginária) com uns 50 navios patrulha e pelo menos umas 50 aeronaves de SAR, para cobrir o extenso litoral. O exército tinha que ser altamamente profissional com… Read more »

prata
prata
12 anos atrás

Acho que falta “know how” ao autor, a respeito da concorrência nos dois países, para afirmar que a da Ìndia é mais justa

Getulio - São Paulo
12 anos atrás

Na India ainda prevalece o regime de castas, pois quem nasceu para a elite, vira médico, engenheiro, piloto de caças, etc. Quem nasceu em castas humildes, se lava o chão, banheiro, que é a última das castas, não pode cozinhar, ou servir à mesa. Há conforme foi dito uma discrepância social fantástica, somente o budismo e induismo podem segurar uma pressão social por mudanças. Ou seja, se nasceu pobre é o carma. Entretanto na parte que ganha dinheiro a ïndia é de primeiro mundo, a educação, os lazeres, a tecnologia, etc. Devemos respeitá-los, pois estão a milênios à nossa frente… Read more »

Bosco
Bosco
12 anos atrás

Getúlio,
por isso me referi à nossa generosa religião cristã. Temos um PIB semelhante ao indiano para ser distribuído para “apenas” 190 milhões de generosos cristãos. Lá, uma quantia pouco maior deve ser distribuída para 1 bilhão de habitantes (5 x mais) da discriminatória religião hindu.
Falar em uma maior responsabilidade social do Estado Brasileiro com seus cidadãos e usar como comparação a Índia é no mínimo hilário.
Não está aí a resposta para o descaso crônico com nossas FA. Acho que o buraco é mais embaixo.

Getulio - São Paulo
12 anos atrás

Em tempo:

Nossos projetos são tocados por interesses pessoais e não por um projeto de nação, como na India, na China, no Japão, na Russia e nos E.U.A.

Manfred Von Richthofen
Manfred Von Richthofen
12 anos atrás

Faltou acrescentar a experiência de combate da IAF. Que experiência de combate a FAB tem? Só WWII…
Os indianos sabem o que realmente funciona numa guerra. Não adianta só ter qualidade, tem que ter quantidade também.

Galante
Galante
12 anos atrás

Prata, não precisa muito “know-how” pra saber a diferença entre testar todos os aviões em condições operacionais em todos os ambientes e condições possíveis e limar concorrentes antes de avaliá-los “in loco”.
Infelizmente, o F-X2 corre o risco de selecionar uma aeronave que não será a melhor para a FAB, mas melhor para os políticos.

Galante
Galante
12 anos atrás

Aliás, Prata, é confortável para você dizer qualquer coisa, pois está escondido atrás de um nickname. Minha bio está no link na home deste Blog, todo mundo sabe quem eu sou.
Ainda bem que a gente pode, num espaço como esse, ir contra toda a maré e enxurrada de favoritismo disseminadas pela grande mídia.

Ozawa
Ozawa
12 anos atrás

“As propostas técnicas estão atualmente sendo avaliadas e depois todas as seis aeronaves serão submetidas a um rigoroso processo de testes em Bangalore, Jaisalmer e Leh. (que pena que a FAB não usou processo semelhante)…”

1) Esse “test-drive” seria imprescindível para uma avaliação correta ?

2) Se sim, nossa comissão de avaliação pode ser figurada como negligente, ou pior, prevaricadora e, por fim, malversadora de recursos públicos ?

3) Se talvez, agora seria hora de abortar o processo e reavaliá-lo outra vez ?

4) Se não, por que a observação ?

Bosco
Bosco
12 anos atrás

Um dia desses vi um documentário mostrando a evolução social na Índia e os programas para abolir o sistema de castas. O mesmo foi proibido por lei e existe um forte movimento para a inclusão social dos párias (Dalit). Como tem um projeto de longo prazo, dentro de 50 anos provavelmente serão uma potência econômica e nós continuaremos a ser o país abençoado por Deus. Nós, seremos sempre o país do futuro, e isto desde que eu era bebê (estou com quase cinqüentinha, bem vividos). Tem quase 50 anos que estamos “em desenvolvimento”. A 30 anos a Índia e a… Read more »

Bosco
Bosco
12 anos atrás

Galante,
Quem é o “Prata”?
E porque seu “Galante” não tá vermelhinho?

RL
RL
12 anos atrás

Galante. É como eu havia dito em outro blog. Aqui tem inumeros “Experts” que sabem muita coisa sobre coisa alguma. Ao meu entender, este espaço criado por vc é antes de tudo democrático onde podemos expressas nossas idéias de forma a apenas joga-las na mesa como uma forma de debate onde devemos estar aptos a receber tanto elogios quanto criticas. No entanto, quando uma critica vem baseada em conhecimento pleno de causa, óbvio que a humildade em ler e se pré-dispor a aprender é algo sábio. Agora, quando apenas comentam por “achismo”, ou defesa de causa própria no intuito de… Read more »

Bosco
Bosco
12 anos atrás

Corrupção, propina, superfaturamento, tem em todo lugar. No Brasil é mais sério porque se rouba do essencial e não do excedente.
Em alguns países se ganha uma propina pra se fazer uma estrada, mas a estrada é construída e fica boa. No Brasil a estrada é super faturada, o dinheiro some e a estrada fica uma porcaria e às vezes não tem estrada nenhuma, outras vezes, além de ruim, vai do nada a lugar algum e esquecem de fazer a ponte no meio.
Seria cômico se não fosse trágico.

Galante
Galante
12 anos atrás

RL, é isso aí. Tô contigo e não abro! abraços…

Bosco
Bosco
12 anos atrás

Ah! Desculpe Galante.
Agora que vi o post do “Prata”.

Galante
Galante
12 anos atrás

Bosco, o Prata é um novo leitor, que fez aquele comentário amistoso logo acima. Que seja bem-vindo!

RL
RL
12 anos atrás

Bosco.

Concordo.

Por isso eu sempre defendo as FA´s e se pudesse atearia fogo nos membros de qualquer governo que esse pais já teve.

Somos uma grande nação que tem no seu povo o seu bem mais valioso, porem o orgão vital “coração” que deveria alimentar todo esse pais é muito mal administrado.

Em verdade, acredito que a nossa realidade não seria estarmos debatendo 36 aéronaves, e sim quantas dentenas estariamos a substituir, como a Índia que de grande naão tem nada, a não ser o número de habitantes.

RL
RL
12 anos atrás

Ops..prata…seja bem vindo….

Experiencia própria.
Venha más venha com calma, eu tb já disparei minhas balas no ínicio querendo me fazer ouvir.

Resultado? Levei porrada de muitos participantes que realmente teêm conhecimento de causa anos luz a minha frente.

Aprendizado? Todos. Hoje sou um participante mais tranquilho em relação as FA´s, más ainda um inconformado com o Governo.
Enfim..aos poucos vamos aprendendo.

SEJA BEM VINDO PRATA…más …..menos…menos…muitos menos.rsr..

Abraços.

Edilson
Edilson
12 anos atrás

Assin em baixo Galante e acho que o título foi bem escolhido sim. a ìndia vai testar todos os parâmetros do avião proposto nas condições as quais eles terão que operar gelo, areia, chuva e todas as condições atmosféricas contra.´ neste ponto acho que o programa FX- indiano será mais completo. Caros colegas temos um litoral de mais de 8000 km a maior floresta tropical do mundo e suas riquezas, minérios petróleo a maior fonte de águas pluviais e com certeza em momentos de crises mundiais, teremos todos os inimigos que não queremos. 36 ou 120 caças são pouco para… Read more »

Galante
Galante
12 anos atrás

Mauro, haverá o test-drive, mas provavelmente os aviões serão testados fora do país.

RL
RL
12 anos atrás

Boa pergunta Mauro. Seria mais sensato fazer este “Test Drive” não é mesmo? Em vista de que as aéronaves serão distribuidas por esquadrões em todo o pais, cada um com climas diferentes seria mais prudente ao menos realizar este “Test Drive” já que é possível. Já pensou vc vai e compra um carro que vc sabe das capacidades de ser Off Road, no entanto vc só o testou em pista de cidades e estradas. Chega na hora de realmente coloca-lo a prova, ou vc não sabe usa-lo de forma correta ou muito pior, para este tipo de cenário ele não… Read more »

Galante
Galante
12 anos atrás

Edilson, muito bom o artigo. Vou publicar lá no Poder Naval. Abraços!

Bosco
Bosco
12 anos atrás

Aí você pegou pesado Edilson! Falar que a nossa marinha é pior que a do Vaticano só porque o iate papal é armado com mísseis Standard SM2 foi demais..rsrs…. O exército também. O único blindado do Vaticano é o Papamóvel. Tá certo que sua blindagem Cobham não tem similar na AL mas acho que você exagerou um pouco. rsrs… E aquelas lanças da Guarda Suíça também não são páreos para nossos FAL.rsrs…. A força aérea eu concordo! Afinal o caça do Papa, quer dizer, o jato oficial do Vaticano tem uma suíte de guerra eletrõnica sem igual e ouvi dizer… Read more »

paulo costa
paulo costa
12 anos atrás

De 1950 ate os dias de hoje,tivemos um avanço no progresso
do Brasil,como nunca na nossa historia.Varios governantes
cada um deles contribuiram de uma forma ou outra para
este desenvolvimento.Hospitais,escolas,estradas,portos,
aeroportos,ferrovias,industrias,agronegocio,comunicações,etc.
Existem erros de conduta,mas muito foi feito em prol do pais.
Nossos avos e pais,no inicio usaram traçao animal para locomoção,
com a industrialização,e industria automobilistica,o pais iniciou
a mudança.Somos o maior pais da região,com mais industrias,
maior PIB,estamos avançando mais ainda,o MinDef esta atento.
Concordo que o pais ainda tem muito a ser feito,mas será feito….

Edilson
Edilson
12 anos atrás

Caro Bosco. apesar da minha ironia e senso de humor deveras ácido, acho que devemos refletir sobre este tema. acho que estamos dando grandes passos embora muito lentos, mas acho mais importante de tudo que comecemos a pensar com nossas cabeças. pra que o brasil quer forças armadas? quem podem ser os inimigos da nação? quais as vulnerabilidades? quais as melhores soluções? qual a nossa real capacidade?entre outros pontos enquanto o assunto for tratado apenas como um problema econômico esta situação não muda. lembro-vos que à uns anos a petrobras iria ser vendida por 9 bi de dólares pois era… Read more »

Bosco
Bosco
12 anos atrás

O crescimento aparente do Brasil se deve à parte do mesmo que funciona apesar da ingerência do Estado, a iniciativa privada. O Estado como um todo funciona como uma gang que cobra proteção do cidadão comum. É claro que recebemos algo em troca sim, creio que migalhas, mas recebemos. Como na época feudal em que a popularidade dos governantes era aferida pela quantidade de sobras dos banquetes, que era jogada além do muro dos castelos. Nossa “coisa pública” (república) é incipiente. Na realidade, desde as Capitanias Hereditárias vivemos sob um regime oligárquico onde manda quem pode, obedece quem tem juízo.… Read more »

Antonio
Antonio
12 anos atrás

Discordo totalmente quando se afirma, entre parênteses, ser uma pena a FAB não usar processo semelhante na escolha dos nossos caças. Primeiro porque, e isso é o mais óbvio, a compra que aqui se almeja é para a FORÇA AÉREA BRASILEIRA. As táticas, a doutrina de emprego, o orçamento público para a compra desses aviões, as armas aqui existentes são totalmente diferentes da empregada na força aérea indiana. Segundo porque as circunstâncias que determinam de forma imperativa a escolha dos caças indianos é totalmente dissociada da realidade brasileira. A Índia, como é sabido, vive em constante clima de tensão com… Read more »

paulo costa
paulo costa
12 anos atrás

O estado tem o seu papel no desenvolvimento de um pais, vejamos a ferrovia,estatal no inicio,hoje privatizada, quem, alem do estado pode arcar com os custos iniciais de um trecho novo,o retorno demora,ate que outros requisitos sejam preenchidos.A Embraer,estatal,que arcou com custos iniciais,e hoje apresenta sucesso. A industria do aço,que começou estatal devido ao custo inicial,sem transporte correto,sem mercado,e hoje,apos o mercado interno consolidado, privatizada,até exporta o aço.O Sul,e Sudeste,ja em parte com uma boa infra estrutura,precisa de menos investimentos do governo federal,que os estados do Centro Oeste,Norte,e Nordeste. O Alaska,recebe do governo deles pesada ajuda para se desenvolver. Existem… Read more »

Francisco AMX
Francisco AMX
12 anos atrás

Antonio, sem querer ofender! quem é o inocente nesta estória? Amigo, o Brasil é o que é, e vai precisar muitos Planos de “Defesa Nacional”, tocados pelos fulanos que aí estão e por outros que virão , muitos FXs, muitos conchavos, que é o que acontece agora, e não é de se esperar o contrário, pois como te disse, “isso aqui.. oh oh”. Sou patriota, tenho olhos para enchergar! e saber que as palavras proferidas pelo representante máximo da FAB, é de que ele realmente acredita que somente a FAB pode entender do assunto, e não deve explicar, com mais… Read more »

Francisco AMX
Francisco AMX
12 anos atrás

Ah, e se este FX2 realmente sair, não fique decepcionado se a tranfer~encia que vier for para fabricar a fuselagem, o trem-de-pouso, manipular o software e sistemas de armas, falei manipular, que é muito distante de poder contruir o hardware que roda este software! e por aí vai!
Francisco

WAR
WAR
12 anos atrás

Bom dia parceiros! Leiam o artigo da Revista da Força Aérea sobre o FX2. Sem votar em nenhum dos tres escolhidos, o autor, muito “safo”,diz, entre outras coisas, que nem sempre o estado da arte pode ser alcançado. Não tenho parâmetros para discordar de um “expert”. No entanto, me pergunto: em 2015, quando chegarem os aviões, combateremos com Rafales ou Hornets ou Grippen contra F22 F35 ou UAvs ??? Tem que, até lá, entrar em algum programa de quinta geração. O que acham?

Galante
Galante
12 anos atrás

Edilson, por favor, envie as fotos das fragatas para alexgalante@naval.com.br

gaitero
gaitero
12 anos atrás

Não intendi, o FX-2 é tão justo quanto essa compra indiana.
A diferença é que o Brasil por ter escolhido apenas 3 finalistas poderá analizar mais a fundo cada concorrente. Ou será que isto é revolta de um torcedor do Su-35???

WAR me desculpe, mas achei seu comentario ridiculo. Afinal com que a França combaterá em 2015??
Pior, com que combatemos hoje os SH e os Rafales?

Não precisamos da vanguarda tecnologica, dos magos do ar, precisamos comprar tecnologia, e quem até hoje comprou F-22? Nem o caça foi vendido, que dirá com tranferência de tecnologia.

Manfred Von Richthofen
Manfred Von Richthofen
12 anos atrás

Antonio, gostaria que você nos explicasse porque a FAB, depois de mais de 25 anos após a Guerra das Malvinas, não possui um só míssil antinavio.
Conhecemos todos os argumentos de logo prazo do F-X2, pois acompanhamos a novela desde o F-X.

Bosco
Bosco
12 anos atrás

Paulo, concordo plenamente na função do estado e sei de sua importância, afinal meus dias de rebeldia já ficaram para trás. Acho apenas que o Estado Brasileiro, inchado e autoreplicante se tornou também um problema, cheio de vícios. Quando fala das oligarquias no poder não me refiro às tradicionais oligarquias familiares, e sim à classe política em geral e aos seus subordinados servidores públicos, que fazem da burocracia (em todos os níveis dos Poderes da República) a sua arma maior para a perpetuação de seus direitos adquiridos, tornando os que não fazem parte da panela, párias sociais. Com a derrubada… Read more »

Bosco
Bosco
12 anos atrás

É claro que me referi ao comunismo soviético e não ao comunismo ideológico, no qual o papel do estado se faz desnecessário.

Manfred Von Richthofen
Manfred Von Richthofen
12 anos atrás

Gaitero, se primeiramente, todos os concorrentes do F-X fossem analisados a fundo, os três finalistas poderiam ser diferentes…
E estranho é que no F-X1, o Sukhoi era um dos grandes favoritos, junto com o Gripen. Não havia reclamação quanto à transferência de tecnologia russa, que era total e maior que todos os concorrentes.
No F-X2, o discurso mudou totalmente.
Só pra completar: não sou viúva do Flanker, prefiro aviões pequenos e monomotores para a FAB.

Edilson
Edilson
12 anos atrás

Hornet cuidado com esta velha viúva tarada. rsrsrs
ela é pé frio, lembra-te o Flanker já foi para o beleleu e se ela resolver de ladinho no submarino com o Super Hornet o negócio pode pegar pro teu lado, e mais uma pensão para ela…
rsrrs
Galante pode deixar vou separar as fotos e umas informações sobre o navio.
obrigado.