Skyhawks da Hey’l Ha’Avir proibidos de voar

    141
    84

    Ainda cumprindo missões de treinamento avançado no esquadrão 102, baseado em Hatzerin, os últimos A-4N e TA-4J de Israel foram proibidos de voar no início deste mês, após uma visita surpresa do comando da Hey’l Ha’Avir (Força Aérea Israelense) às instalações da Kanfei Tahzuka, que realiza a manutenção dos aviões conforme contrato com a Israel Aerospace Industries (IAI).
    A visita foi motivada por denúncias do jornal Ha’aretz de que a manutenção de vários sistemas da aeronave estava deficiente, e de que problemas nas rodas e pneus não estavam sendo resolvidos a contento. Ainda não há notícias sobre como a questão será resolvida, nem quando a proibição de vôo poderá ser revogada.

    Um pouco de história: os Skyhawks de Israel tiveram participação importante nas guerras do Oriente Médio, tendo inclusive vitórias alegadas sobre os MiG-21 na Guerra do Yon Kippur – em uma ocasião em 1973, um A-4 teria combatido 3 MiG-21, abatido dois, e estaria encaudando o terceiro quando este foi abatido por um Mirage IIIC. A história da primeira vitória ar-ar de um A-4 de Israel é no mínimo curiosa: em 12 de maio de 1970, Ezra Dotan, pilotando um Skyhawk, teria derrubado um MiG 17 disparando mísseis antitanque no caça sírio! Vale a pena conferir a história desse inusitado combate no link acima.

    Apesar da boa resistência da aeronave a danos de combate, as perdas de Skyhawks na guerra de 1973 foram altas, com 53 A-4 destruídos entre todas as 102 aeronaves de vários modelos perdidas pela Força Aérea Israelense. De qualquer forma, a taxa de perdas por missão é tida como de 0,6%, o que denota a grande quantidade de missões voadas pelo vetor durante o conflito.

    Fontes: Haaretz Israel News English e Defense Industry Daily
    Foto: IAF (Israeli Air Force – Hey’l Ha’Avir)

    Subscribe
    Notify of
    guest
    84 Comentários
    oldest
    newest most voted
    Inline Feedbacks
    View all comments
    Ozawa
    Ozawa
    11 anos atrás

    Galinho bom de briga ! Mas à sua época e ao seu tempo. O terreiro agora é outro, e pra cantar de galo é bom ter um bico maior, asas maiores, garras mais fortes…, e, na verdade o terreiro agora não é mais pra galo, é pra águia… Não à toa a “Hey’l Ha’Avir” tem muitas delas…

    RL
    RL
    11 anos atrás

    Ozawa..Concordo. Hoje, já não existe mais espaço para galos com peito estufado. Existem águias com visão apurada, que vê primeiro, atira primeiro e abate primeiro. E não adianta querer colocar bicos de águia, nem olhos de águia em galo que não muda em nada. Pode até dar uma enganada, más uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. A4 Skyhawk modernizado em minha opinião é um tremendo desperdício, ainda mais em se tratando de futuras aquisições onde um modelo de força aérea, pode também servir de modelo para força naval. Não justifica nem a curto prazo qualquer intenção… Read more »

    Edilson
    Edilson
    11 anos atrás

    qual a novidade desta notícia? os nossos A-4 também não….

    Canaris Jr
    Canaris Jr
    11 anos atrás

    Olá, Pela primeira vez faço uma postagem neste importante blog nacional. A situação dos A-4 no mundo é essa mesmo: falta de confiabilidade na operação e alto custo na manutenção, além de efetividade de combate comprometida pela obsolescência tecnológica. Mas o que me incomoda hoje é desconfiar que a MB não receberá caça naval novo (p.e. o Rafale), nem a FAB receberá o tão sonhado caça supersônico, tb o Rafale, haja vista que a tal crise econômica mundial vai ser a “desculpa” para encerrar (ou engavetar) vários projetos de modernização e reequipamento das FFAA. Obrigado.

    Tomcat
    Tomcat
    11 anos atrás

    As águias de hoje têm RCS de mosquito!

    Hornet
    Hornet
    11 anos atrás

    Olá Canaris Jr. Seja bem vindo ao blog. Mas vc está pessimista, hein? Vamos aguardar mais um pouco…a crise é grave, mas os projetos de modernização e readequação das FAs são para médio e longo prazo. Das duas uma: a crise, mesmo sendo séria, tende a ser resolvida nos próximos meses (assim espero)….caso não seja resolvida logo, não precisamos nos preocupar com a modernização das FAs, pois um colapso na economia mundial causaria tanto estrago que certamente nossas preocupação (inclusive de sobreviv~encia pessoal) passariam a ser outras…os “mísseis” do Banco Mundial são infinitamente mais poderosos que quaisquer outros, de qualquer… Read more »

    Hornet
    Hornet
    11 anos atrás

    Já quanto aos nossos Skyhawks, eu toparia modernizar os bichinhos, mas só pra treinar no Opalão. Adquirir doutrina na operação de aviões embarcados, coisa que foi o motivo da compra tanto do Opalão quanto dos falcões, mas até agora não deu certo: um não navega, e o outro não voa…vai treinar como deste jeito?!!!

    abraços a todos

    Vassily Zaitsev
    Vassily Zaitsev
    11 anos atrás

    Hornet, concordo que os nossos Skyhawks sejam modernizados. Uma boa idéia seria modernizar todos os 23 e adquirir mais 1 biplace no mercado internacional e, tb modernizá-lo. Teríamos dois esquadrões de 12 aeronaves cada, com um embarcado e outro em São Pedro, em um esquema de revezamento. Mas para isso, antes de tudo temos que ver se A-12 Opalão voltará à operar com todas as suas capacidades ( ô eixo danado, parace que tá de rosca). Ele, pelo seu deslocamento de 32.000 toneladas, poderia levar um desses esquadrões, na função de ataque marítimo/terrestre + um de superioridade-aérea com 12 F-35.… Read more »

    Bosco
    Bosco
    11 anos atrás

    Os A-4 israelenses tinham uma tubeira de escape da turbina “alongada” para reduzir a emissão de radiação IR. Isto diminuía um pouco a potência do motor, mas pelo jeito tal perda era justificável.

    Baschera
    Baschera
    11 anos atrás

    A MB modernizará somente 12 unidades, assunto mais do que divulgado…. o restante servirá de “scrapp”.

    E para aqueles que ACREDITAM em transferência de tecnologia, por exemplo, no FX-2, dêem uma lida no link abaixo e verão porque NINGUÉM trasfere tecnologia, a não ser por um VALOR maior do que á própria e o que acontece quando somos “bonzinhos”….
    Boa leitura…!!!! e depois comentem…

    http://www.defesanet.com.br/emb1/cn.htm

    Sds.

    Hornet
    Hornet
    11 anos atrás

    Baschera, vc tem toda razão, NINGUÉM (nem nós) transfere tecnologia. Acho que já comentamos isso aqui no blog várias vezes e acho também que a coisa está meio mal entendida. No FX-2 não haverá transferência de tecnologia, especialmente se pensarmos que isto significa “know how” para fazer o avião independente do fornecedor. Isso não vai acontecer mesmo. O que a FAB quer é a abertura dos códigos fontes do avião, para poder integrar armas (as armas que a FAB usa e/ou usará) e também para fazer algumas modificações futuras no avião sem ter que recorrer ao fabricante. Mas isso é… Read more »

    Paulo Costa
    Paulo Costa
    11 anos atrás

    A Italia transferiu a tecnologia de construção do AMX,
    pagamos caro,mas a Embraer pode desenvolver toda a
    familia de E-Jets,com grande sucesso.
    Conseguimos a tecnologia dos subsonicos,e agora
    queremos a transferencia para os supersonicos,que vai ser
    mais cara ainda…

    Hornet
    Hornet
    11 anos atrás

    Sem querer polemizar sobre o que é “trasferência” e o que é “desenvolvimento em conjunto” (parceria) de tecnologia, pois continuo vendo uma diferença enorme entre uma coisa e outra, deixo aqui um link bastante interessante sobre o AMX:

    http://www.inova.unicamp.br/inventabrasil/amx.htm

    um abraço a todos

    Nelson Lima
    Nelson Lima
    11 anos atrás

    Ainda de defendo o Skyhawk, se for feita uma modernização adequada nele.Muitos chamavam o f5 de lixo também antes do f5m

    Nelson Lima
    Nelson Lima
    11 anos atrás

    A crise mundial não é desculpa nenhuma.É coisa feia mesmo.Os comandantes devem continuar os esforços em convencer o Manteiga a não contingenciar os recursos das forças armadas, mostrando a função social das FA.

    Alfredo_Araujo
    Alfredo_Araujo
    11 anos atrás

    Vi uma entrevista em q um ministro, axo q foi o da fazenda, disse q se ocorrer uma recessão americana, algo q ja esta acontecendo, nos nao seriamos mto afetados pois somos(ele citando a equipe do governo) os reis do “aperta cinto”!! Cortar gastos para gerar superávit é com eles mesmo!!

    A primeira coisa q pensei?!?!?! F-X3 o retorno de Jedi!!!!
    Vejam as ultimas séries de filmes famosos!!! Todos sao trilogias!!! E o F-X, talvez, nao escape a regra!!!

    RL
    RL
    11 anos atrás

    Hornet. Concordo totalmente com você quando menciona o uso ou a interpretação errada da terminologia “transferência” de tecnologia. O próprio Brasil se nega a repassar o conhecimento tecnológico adquirido no enriquecimento de urânio para a Argentina. Aliás, é bom lembrar que o Brasil não é tido como construtor, fabricante, e sim como um grande pátio de indústrias montadoras de produtos. Exemplo é a própria EMBRAER. Ela na realidade fabrica uma porcentagem de seus componentes aqui no Brasil, no entanto, a maior porcentagem são de produtos importados o que a caracteriza como uma montadora munida de alto nível de conhecimento técnico… Read more »

    Beto
    Beto
    11 anos atrás

    Hormet
    Imagine !! as 03 celulas S2M Tracker e 23 células AF-1 Falcões todas modernizadas e embarcadas no SP, ambos em plena atividade, deixando a torre de controle do Porta-Aviões à 1000!! de tantas decolagens e aterrizagens!!!
    Imagine Hornet!! uns 100 F-5M + 100 AMX-M + 36 Rafale F3 + 12 F-2000 + 99 A-29 Super Tucano …agora me diga… Qual o país da América do Sul mexeria com o Brasil?

    João-Curitiba
    João-Curitiba
    11 anos atrás

    Prezado Beto
    100 F-5 teoricamente é possível. Mas AMX? A Embraer já não disse que a linha de produção do AMX estava encerrada? Ou estou enganado?

    Beto
    Beto
    11 anos atrás

    Na Itália tem 150 celulas AMX!!

    João-Curitiba
    João-Curitiba
    11 anos atrás

    Mas em que estado?

    Alfredo_Araujo
    Alfredo_Araujo
    11 anos atrás

    Corrigindo seus numeros Beto..

    Seriam uns 50 F-5M e 50 A-1M..

    Tmb axo uma boa força low-profile, para complementar uns 50~60 Rafales/F-18/Gripen

    RL
    RL
    11 anos atrás

    Beto. Até entendo o seu entusiasmo. Más seu comentário, que respeito, até parece uma forma enfática de consolidar a mentalidade de que o Brasil pode ser respeitado por aqui, ou por outros mais distantes tendo material velho, que apesar de terem muita qualidade, infelizmente não atendem a todas as necessidades de um país com dimensões e riquezas como o nosso. Se o Brasil possuir seus 126 Rafales ou Hornets, mais 99 Supertucanos e mais alguns AMX para treinamento avançado, com certeza iremos ter uma força no mínimo 4 vezes mais poderosa do que toda essa ai que vc mencionou com… Read more »

    Nunão
    Nunão
    11 anos atrás

    Se os 120 novos caças a jato planejados para substituir a frota atual forem compostos por 60 F-X2 e 60 LIFT / caça leve, o poder de dissuasão já será muuuuuuito maior do que é hoje, e superior a qualquer vizinho, na minha opinião, independentemente da opção entre os 3 finalistas. Uma força numerosa o suficiente para se impor, e enxuta o suficiente para poder ser operada.

    Canaris Jr
    Canaris Jr
    11 anos atrás

    O programa FX-2 será realmente concluído neste ano, com a escolha definitiva do caça supersônico? Achei interessante a colocação sobre um possível FX-3, pois 2009 é véspera de ano eleitoral, e ano eleitoral propicia decisões demagógicas dos nossos líderes (sic), como foi o cancelamento do FX “1”. Ainda acredito que a sobrevida dos F-5M será de mais 10 a 15 anos, pois não basta “comprar” aeronaves novas, o custo no treinamento de equipagens e pessoal técnico especializado é muito relevante nesse caso. Talvez a ampliação da frota de Mirage 2000-5 possa ser considerada pelo MD/FAB, aliada ao esforço político para… Read more »

    Beto
    Beto
    11 anos atrás

    RL
    Me tire uma dúvida!! Rafale F3 é considerado um caça de 4ª Geração??

    J Mitchel
    J Mitchel
    11 anos atrás

    O caça subiu no telhado, a crise externa vai matar o FX-2 e o Sub nuclear.
    At
    JM

    RL
    RL
    11 anos atrás

    Amigo Beto. Apesar de eu discordar o Rafale F3 é considerado por especialistas como caça de 4.+ geração, assim como Gripen NG, Mig-35, Super Hornet, Eurofighter. De geração 4.5 temos o caça Russo Sukhoy-35 que possui muitos elementos de um caça de 5 geração, como Materiais compostos que diminuem sua RCS, dentre outras caracteristicas. Caças de 5 geração pura, apenas dois, e norte americanos. F-22 Raptor, e futuramente F-35. O que diferencia os aviões de 5 geração para os demais, são a suite de barramento para o processamento de dados e suas carateristicas furtivas “stealth”, ou “invisiveis” aos radares em… Read more »

    Tailhooker
    Tailhooker
    11 anos atrás

    Infelizmente, a história é cruel. Não duvido nada que essa crise sirva como motivo para melar mais uma vez o processo. Por isso acredito que o “fx-2” será uma compra de oportunidade dos Mirage 2000-9 dos Emirados Árabes, que será intermediada pela Dassault. Podem achar que é fantasia, mas escrevam o que estou falando. E a Navy ficará literalmente “a ver navios”. O que vai acontecer é que a Embraer vai modernizar os A-4 “mal e porcamente” e isso será mais um passo em direção à extinção da Aviação Naval de aeronaves de asa fixa embarcadas. Haveria uma esperança caso… Read more »

    Vassily Zaitsev
    Vassily Zaitsev
    11 anos atrás

    Canaris Jr,

    Desde quando a FAB tem em seu inventário caças do modelo Mirage 2000-5???????? Aos F-2000 que equipam o 1º GDA digo uma coisa: falta muito recheio eletrônico para ele ser considerado um traço 5.

    Fábio Max
    11 anos atrás

    Os Mirage da FAB são 2000 C.

    Notaram que Israel usa os A-4 como treinadores avançados e força de reserva?

    Os nossos A-4, não servem nem como treinadores avançados, aliás, a única utilidade militar deles é matar de rir os eventuais inimigos.

    Fábio Max
    11 anos atrás

    Alguns colegas aqui do blog comentam sobre como se deveria equipar o Nae São Paulo. Eu, particularmente, cheguei à conclusão que o Brasil não precisa de uma aviação de caça embarcada pura, até porque ela só seria efetiva se pudesse patrulhar todos os mares territoriais, daí, seriam necessários 4 porta-aviões, o que é uma quimera. Penso que aviões embarcados no São Paulo devem ser ser vigilância e patrulha, eventualmente com algumas funções de caça e ataque. Seria um complemento da patrulha, a ser usado em áreas sensíveis, onde a atuação dos P3M Orion e dos Bandeirulha precisasse ser mais apurada.… Read more »

    konner
    konner
    11 anos atrás

    Conceito interessante !! Fábio Max.

    Alfredo_Araujo
    Alfredo_Araujo
    11 anos atrás

    RL,
    Só para complementar o seu comentário..

    Tmb é considerado uma caracteristica de caças de 5º geração a capacidade desse voar em supercruiser.

    Tailhooker
    Tailhooker
    11 anos atrás

    Opinião: Patrulha Marítima tinha que ser atribuição da Aviação Naval. Existe até hoje uma “fogueira de vaidades” que impede que cada um tenha os meios necessários para cumprir a sua Missão Constitucional. Cito só alguns exemplos simples de programas que estão em andamento: Superioridade Aérea e Defesa do Espaço Aéreo nacional – FAB Patrulha Marítima com aeronave – Marinha Helicópteros de Ataque. Exército Claro está que não é só isso, mas acho que falta essa estruturação BÁSICA para nossas Forças Armadas. A Marinha não pode nem ter um avião de transporte baseado em terra para apoiar as suas operações, porque… Read more »

    RL
    RL
    11 anos atrás

    Alfredo.

    Obrigado pelo enriquecimento das informações.

    Abraços.

    Hornet
    Hornet
    11 anos atrás

    RL, hoje cheguei um pouco tarde na discussão, mas concordo com suas colocações, especialmente em relação ao comentário-resposta ao amigo Beto. A cojectura que o Beto fez é interessante, sem dúvida. Mas creio que o FX-2, qualquer que seja o caça escolhido, seria em tudo muito melhor que os atuais vetores da FAB, mesmo que modernizados (o que não quer dizer que não possamos modernizar o que der, até a chegada em definitivo do FX-2). Acho que hoje em dia as Forças Aéreas do mundo todo (ao menos as mais profissionais e mais capacitadas) estão se preocupando prioritariamente com a… Read more »

    Baschera
    Baschera
    11 anos atrás

    RL
    Quem “sugeriu” a venda dos A-4 e M-III para os hermanos argentinos NÃO fiu eu, e sim o colega Vassily Zaitsev…
    Outra pequena correção, o Rafale F3 é considerado de 4ª ++ geração, faltou um “+”
    Sds.

    Bosco
    Bosco
    11 anos atrás

    Na verdade estas classificações de caças em gerações, com menos ou com mais +, é muito artificial e usada pela concorrência para diminuir as qualidades dos outros e reforçar as suas. O Typhon é teoricamente de 4° geração seguido de um ou dois + e tem capacidade de supercruzeiro. O F-35 é de 5° e não tem. O grande diferencial entre os de quarta e de quinta gerações é um alto nível de “furtividade” dos últimos. Um caça da dita “quarta geração” (sem +, com + ou com ++) por não possuir um compartimento de armas interno, não pode à… Read more »

    Beto
    Beto
    11 anos atrás

    Baschera
    O F-5M é um caça de 4 + geração??

    Bosco
    Bosco
    11 anos atrás

    Beto,
    o F-5M é apenas um bom caça de 3° geração com aviônica atualizada. No que se refere à sua capacidade de operar em rede sua aviônica pode ser considerada de 4°G +, outras atualizações são compatíveis com a 4° geração, como o HUD, o conceito Hotas e as telas multifuncionais.
    Estas classificações dos caças são altamente artificiais e sujeitas a interpretações pessoais.
    Um abraço.

    Mateus_LB
    Mateus_LB
    11 anos atrás

    Diferente do q aconteceu com os F-5,os A4KU ñ valem a pena investir em sua modernização,pois são uma platarforma muito limitada,vale mais apena investir em subs,esses sim valem muito apena investir.

    Ozawa
    Ozawa
    11 anos atrás

    Galinho bom de briga ! Mas à sua época e ao seu tempo. O terreiro agora é outro, e pra cantar de galo é bom ter um bico maior, asas maiores, garras mais fortes…, e, na verdade o terreiro agora não é mais pra galo, é pra águia… Não à toa a “Hey’l Ha’Avir” tem muitas delas…

    RL
    RL
    11 anos atrás

    Ozawa..Concordo. Hoje, já não existe mais espaço para galos com peito estufado. Existem águias com visão apurada, que vê primeiro, atira primeiro e abate primeiro. E não adianta querer colocar bicos de águia, nem olhos de águia em galo que não muda em nada. Pode até dar uma enganada, más uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. A4 Skyhawk modernizado em minha opinião é um tremendo desperdício, ainda mais em se tratando de futuras aquisições onde um modelo de força aérea, pode também servir de modelo para força naval. Não justifica nem a curto prazo qualquer intenção… Read more »

    Edilson
    Edilson
    11 anos atrás

    qual a novidade desta notícia? os nossos A-4 também não….

    Canaris Jr
    Canaris Jr
    11 anos atrás

    Olá, Pela primeira vez faço uma postagem neste importante blog nacional. A situação dos A-4 no mundo é essa mesmo: falta de confiabilidade na operação e alto custo na manutenção, além de efetividade de combate comprometida pela obsolescência tecnológica. Mas o que me incomoda hoje é desconfiar que a MB não receberá caça naval novo (p.e. o Rafale), nem a FAB receberá o tão sonhado caça supersônico, tb o Rafale, haja vista que a tal crise econômica mundial vai ser a “desculpa” para encerrar (ou engavetar) vários projetos de modernização e reequipamento das FFAA. Obrigado.

    Tomcat
    Tomcat
    11 anos atrás

    As águias de hoje têm RCS de mosquito!

    Hornet
    Hornet
    11 anos atrás

    Olá Canaris Jr. Seja bem vindo ao blog. Mas vc está pessimista, hein? Vamos aguardar mais um pouco…a crise é grave, mas os projetos de modernização e readequação das FAs são para médio e longo prazo. Das duas uma: a crise, mesmo sendo séria, tende a ser resolvida nos próximos meses (assim espero)….caso não seja resolvida logo, não precisamos nos preocupar com a modernização das FAs, pois um colapso na economia mundial causaria tanto estrago que certamente nossas preocupação (inclusive de sobreviv~encia pessoal) passariam a ser outras…os “mísseis” do Banco Mundial são infinitamente mais poderosos que quaisquer outros, de qualquer… Read more »

    Hornet
    Hornet
    11 anos atrás

    Já quanto aos nossos Skyhawks, eu toparia modernizar os bichinhos, mas só pra treinar no Opalão. Adquirir doutrina na operação de aviões embarcados, coisa que foi o motivo da compra tanto do Opalão quanto dos falcões, mas até agora não deu certo: um não navega, e o outro não voa…vai treinar como deste jeito?!!!

    abraços a todos

    Vassily Zaitsev
    Vassily Zaitsev
    11 anos atrás

    Hornet, concordo que os nossos Skyhawks sejam modernizados. Uma boa idéia seria modernizar todos os 23 e adquirir mais 1 biplace no mercado internacional e, tb modernizá-lo. Teríamos dois esquadrões de 12 aeronaves cada, com um embarcado e outro em São Pedro, em um esquema de revezamento. Mas para isso, antes de tudo temos que ver se A-12 Opalão voltará à operar com todas as suas capacidades ( ô eixo danado, parace que tá de rosca). Ele, pelo seu deslocamento de 32.000 toneladas, poderia levar um desses esquadrões, na função de ataque marítimo/terrestre + um de superioridade-aérea com 12 F-35.… Read more »