Home Perfil :::FINALISTAS DO F-X2: F/A-18E Super Hornet

:::FINALISTAS DO F-X2: F/A-18E Super Hornet

2991
186

vinheta-perfil-aereo Comparar o Super Hornet F/A-18E/F com o Hornet F/A-18C/D, é como comparar o A-29 Super Tucano com o T-27 Tucano. São aviões apenas parecidos exteriormente, mas na verdade, são totalmente diferentes em capacidade e poder de fogo.

O Super Hornet entrou em serviço em 1999 na Marinha dos EUA, para substituir o F-14 Tomcat. Ele opera ao lado dos antigos Hornet.
Em 2007, a Real Força Aérea da Austrália também selecionou o Super Hornet para substituir os F-111.

O F/A-18E/F é uma variante maior e mais avançada do F/A-18C/D. O conceito original do avião surgiu na década de 1980, comercializado pela McDonnell Douglas como Hornet 2000.

Mais tarde, o avião foi oferecido à US Navy para preencher a lacuna produzida pelo cancelamento do avião de ataque stealth A-12 Avenger II e pelo NATF, que seria uma versão navalizada do F-22.

O Super Hornet foi encomendado pela US Navy em 1992, porque precisava também substituir os velhos F-14 Tomcat e complementar os Hornet, até a chegada do F-35.

Parecido, mas nem tanto

A Marinha conservou a designação de F/A-18 para ajudar a vender o programa ao Congresso, passando a idéia de um “derivativo” de baixo risco, embora o Super Hornet seja, na verdade, uma nova aeronave.

Ele é cerca de 20% maior, pesa vazio 3 toneladas a mais e, carregado, seu peso supera em 7 toneladas o do Hornet. Carrega 33% a mais de combustível, com alcance 41% superior e persistência em combate 50% maior.

O mais importante de tudo é que apesar das diferenças de performance, o Hornet e o Super Hornet compartilham muitas características de vôo, incluindo aviônicos, assentos de ejeção, armamentos, software de missão, procedimentos operacionais e de manutenção, barateando os custos.
A capacidade de sobrevivência é uma característica importante no projeto do Super Hornet.

A US Navy resolveu adotar uma abordagem equilibrada no quesito furtividade, não adotando um design totalmente stealth, mas em vez disso, seu design incorpora características stealth, capacidade de guerra eletrônica avançada, reduzida vulnerabilidade balísticas, o emprego de armas stand-off, e o uso de táticas inovadoras.

A seção reta radar do F/A-18E/F foi reduzida consideravelmente em alguns aspectos, principalmente a parte frontal e traseira, através do redesenho das entradas de ar do motor e do emprego de materiais que espalham a radiação para os lados.

Novo radar

Em termos de aviônica, o Super Hornet compartilha 90% dos sistemas do Hornet original, facilitando a manutenção. O grande diferencial porém fica por conta do radar APG-79, introduzido a partir de 2005.

O novo radar APG-79 é do tipo AESA (Electronically Scanned Array), que oferece diversas vantagens para o Super Hornet. Ele permite que as tripulações possam executar simultâneamente ações ar-ar e ar-terra,  e proporciona também maior qualidade de alta resolução no mapeamento de terreno.

O radar AESA também pode detectar alvos muito pequenos, tais como mísseis ar-ar se aproximando e é muito mais discreto que o radar anterior, podendo detectar um avião inimigo muitas vezes sem alertar seu sistema de alerta radar. Ele também pode ser usado para “jammear” radares inimigos.

O Super Hornet, ao contrário do Hornet anterior, pode ser equipado com um sistema de reabastecimento aéreo (ARS) ou “buddy store”, permitindo que ele amplie o alcance de outros caças.

Convertido para REVO, o Super Hornet leva um casulo sob a fuselagem com um reservatório de 1.200 litros e a mangueira, juntamente com quatro tanques externos de 1.800 litros sob as asas, totalizando  13 toneladas de combustível na aeronave.

O Super Hornet tem também a seu favor o fato de ser um projeto maduro, com farta linha logística e experiência de combate. Já foram produzidas mais de 350 aeronaves e ele deverá ser, por muito tempo ainda, o principal vetor da Marinha dos EUA.

Subscribe
Notify of
guest
186 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ozawa
Ozawa
11 anos atrás

CAÇA…, PALAVRAS…, ENCONTRE A FAB:

EF18
RAFALE
SAABGRIPEN

Ozawa
Ozawa
11 anos atrás

CAÇA…, PALAVRAS…, ENCONTRE A FAB:

………….F18
…………RAFALE
……….SAABGRIPEN

konner
konner
11 anos atrás

Será isso !?!?

………….F-18
………R-A-FALE
…SAA-B-GRIPEN

Ozawa
Ozawa
11 anos atrás

É Konner…, vamos ter que aguardar a resposta certa quando vier a última página… Acho que você mais se aproximou…, rsrsrs

RL
RL
11 anos atrás

Inegáveis as capacidades, potencialidades, e caracteristícas dessa aéronave. No entanto, para quem chegou atrasado e levar o bolo vai deixar um ponto de interrogação enorme na cabeça de muita gente inclusive na minha. Como que os americanos conseguem essa façanha? Não em levar o pedido, e sim em aplicar a sua mais poderosa arma. PODER DE INFLUENCIA. É sabido que não repassam tecnologia, e mesmo que afirmam que irão passar, é mais conhecido ainda o fato de não ser 100%. Eu tinha como preferido aqui o Sukhoy-35BM como muitos também, e na segunda opção o RAFALE. Más os Hornets eu… Read more »

Alfredo_Araujo
Alfredo_Araujo
11 anos atrás

POO!!! O VFA-3 operava o F-14,nessa epoca eles se chamavam Tomcatters… agora mudaram seu vetor, do F-14, para o F-18.. e continuam se chamando Tomcatters!!! Poderiam mudar para Hornertters!

Alfredo_Araujo
Alfredo_Araujo
11 anos atrás

Po, a galera expert em Photoshop poderia fazer projeções de como ficariam os 3 finalistas com os padrões atuais de camuflagem da FAB!!!

O q acham ??

Jorge
Jorge
11 anos atrás

Pergunta de leigo (Eu!).

Haveria vantagem em vencendo o Hornet F/A-18E, tambem adquirir o F/A-18 C/D para substituir os AMX e os Skyhawk?

Pelo visto o recebimento dos F/A-18E começaria a partir de 2014.

A verba da revitalização dos AMX e A-4, seria utilizada na aquisição de células dos F/A-18C, desde que disponíveis e bem antes do recebimento do “irmão maior”, que viria para substituir os Mirage 2000-C e os F5-EM.

Fala-se muito em padronização e fiquei curioso se termos uma dupla americana (F/A-18C + F/A-18E) seria viável.

Walderson
Walderson
11 anos atrás

Caro Alfredo, cuidado com o que vc pede ao Galante e colaboradores. Muitas vezes, o pedido se realiza antes de terminar de pensar. Rs. RL, concordo contigo e tb estou de orenha em pé, pois americano é Soda. Dão nó até em pingo d’água. Nós é que fiquemos espertos para não perdermos bons contratos sendo enrolados por eles. Esse é o famoso “cavalo azarão”. Está por último, vem por fora e ganha a parada. Só tenho uma dúvida: ontem o Jornal da Globo anunciou como sendo 52 milhões o preço dele. Acho que deve ser limpo, só a casca, né?… Read more »

Roberto
Roberto
11 anos atrás

gente, olhando a 2ª foto de baixo pra cima, não lembra um pouco o AMX ??? (antes de criticarem, ainda não bebi nada hoje, só depois da prova da facu rsrsrsrs) mas falando sério, é um pu.. avião, e se confirmarem a transferência de tecnologia, será fantástico, o que eu acho até provavel, pois na verdade eles repassariam o quê ??? um radar ? gente, eles vão liberar os códigos fontes porque estamos desenvolvendo mísseis com a África do Sul (um pais alinhado à Inglaterra e, logicamente, aos EUA), estamos comprando mísseis e reformando nossos aviões em Israel (outro aliado… Read more »

paulo
paulo
11 anos atrás

Saiu uma noticia no defesanet justamente falando que a colocação do F18 e a saida do SU 35 se deram mais por motivos politicos do que por outra coisa. Segundo a noticia os próprios americanos afirmaram que “não ficariam chateados” com a vitória francesa… Então ninguém está preocupado com custos, como pensei, ou com excelência, mas com o que “os outros querem que tenhamos”. Oras, não é necessário tanto desgaste e “rami-rami” pra escolher algo dessa forma, afinal se não vão transferir a tecnologia no caso dos F 18 e do gripen (americana), se a tecnologia e o custo do… Read more »

RLobo
RLobo
11 anos atrás

O Super Hornet é um caça fantástico e acredito que os americanos darão os códigos fontes ao Brasil. Podem achar que não… mas o Chaves está fazendo um bem danado ao Brasil comprando armas da Russia.
Gostaria de saber porque o Rafale não ganhou uma concorrencia até agora se é tão bom como dizem!!

Roberto
Roberto
11 anos atrás

concordo com o RLobo em “RLobo em 02 out, 2008 às 15:34 “.
mas ao mesmo tempo sei que o sapo barbudo é mais afeito a França do que a Russia, então…

André
André
11 anos atrás

120 rafales para FAB e 30 para a MB, Paulo??? Vai sonhando…

tailhhoker
tailhhoker
11 anos atrás

POis é amigo, por que será ?? O custo operacional é CARÍSSIMO. O custo do ciclo de vida, mais ainda.
Concordo também que devemos é torcer para que o Chavez fica cada vez mais louco. é a nossa única chance de vermos algo decente acontecer em termos de aquisição de equipamento militar de ponta. Alimentemos a sandice do Chavez !!!!

konner
konner
11 anos atrás

H U U M M M M M M M M !!!!!!!!!!!!

Os próprios americanos afirmaram que “não ficariam chateados” com a vitória do Rafale … !?!?

O Rafale era o segundo na minha lista mas …, talvez fosse bom olharmos melhor o Gripen … !!!!

Sei não … !!! rsrsrs

marcelo
marcelo
11 anos atrás

por mim a fab teria comprado uns SUKOI 30 MK (pra mim ganha de longe dos f-18 SH )ja taria bom demais ia sair mais barato e teriamos os melhores avioes da america do sul e acabaria com essa embrolio todo…..jogo de cartas marcadas..vai ganhar o rafale….ou entao nao vai ajudar no submarino

Douglas
Douglas
11 anos atrás

Vamos aguardar.
apenas acho que a saída do SU 35 tambem deveu-se ao fato de ser um caça de 4.5 ger. que ainda não está em operação efetivamente. Qual esquadrão usa o SU 35 na versão oferecida à FAB em condição operacional plena? Acho que nenhum. F 18 Rafale e Gripen voam por ai, sendo que o gripen NG está em fase de inicio de produção industrial. Não?

hms tireless
hms tireless
11 anos atrás

Tomara que dê Super Hornet. O avião é espetacular e seria o mais avançado do continente por muitos anos. Essa questão dos códigos fonte é complicada mas creio que com um pouco mais de persuasão pode ser conseguida sua liberação. Felizmente não ficamos com os russos, certamente teriamos problemas.

Douglas
Douglas
11 anos atrás

Pelo informado pelo LM no blog naval as restrições americanas a nós estão sendo exageradas pela imprensa especializada daqui. Talvez a Boing, em razão do tamanho do pedido (120) e do aumento da dissuaçaõ de Chaves realmente tenha permissão do DoE para fornecer projetos e códigos. E não se esqueçam, mesmo que as franceses também o façam, todos eles manterão o direito de receber royalties pelas vendas e futuros desenvolvimentos.

Douglas
Douglas
11 anos atrás

Mas acho que o Rafale leva. O governo atual é muito distante dos EUA.

Carlos
Carlos
11 anos atrás

morte ao Lula e Jobim

LOCO !
11 anos atrás

Se eu fosse o comandante da FAB o Saito eu falava assim:

_Blz vamos comprar o 120 Super Hornet, desde que vcs Iankes nos mandem de grátis os F14 Tomcat que estão no deserto esperando a morte; pra a MB operar no Opalão !

Só louco ?

tomas
tomas
11 anos atrás

O Rafale poderá até levar, mas não podemos esquecer que o Super Hornet F-18 é um caça fantástico, testado em combate e com custo operacional menor que o do Rafale. Foi este o motivo que pesou em todas as concorrências em que o Rafale participou e não levou. A Boeing explicitou que diante de um contrato de 120 a 160 unidades, poderiam fazer uma parceria com o Brasil/Embraer para manter uma linha de montagem, evidentemente repassando tecnologia para tal. Há alguns anos Já fizeram o mesmo com os F-16 na Europa. Muitos congressistas americanos e industriais tem criticado abertamente a… Read more »

Almeida
Almeida
11 anos atrás

Pessoal, é ÓBVIO o interesse norte-americano em liberar algumas migalhas, como os códigos-fonte do F-18 E/F, para não perder ainda mais PRESTÍGIO POLÍTICO na América Latina. O governo Bush foi um desastre neste sentido e o avanço russo e chinês na região é evidente. Como o Brasil sempre esteve na esfera de influência dos EUA e a liderança política e militar na América do Sul está visivelmente saindo das mãos brasileiras para as mãos populistas e neo-socialistas do dito “Socialismo do Século XXI” de Chávez, é mais do que previsível a liberação de tecnologias sensíveis “pero no mucho” ao seu… Read more »

Almeida
Almeida
11 anos atrás

É por aí mesmo, Tomas! Concordo com você, vide meu post logo abaixp do seu e praticamente ao mesmo tempo!

KELP
KELP
11 anos atrás

AMIGO OZAWA É ISTO?

E F18
RAFALE
SAAB GRIPEN (QUE VEM)

tomas
tomas
11 anos atrás

Almeida, pois é, coincidimos no pensamento ao mesmo tempo!

Agora vamos torcer para que a FAB e o Brasil sejam contemplados com
um caça à altura para a defesa do território nacional alavancando o Brasil geopolíticamente, no contexto Sul Americano e mundial e evidentemente trazendo vantagens comerciais e tecnológicas.

João-Curitiba
João-Curitiba
11 anos atrás

Prezado LOCO
Vi dia desses no jornal, inclusive com fotos, a notícia de uma empresa que recebeu 10 milhões de dólares para desmanchar um certo número de F14. Eles preferem mandar pro ferro velho do que vender e revelar alguns itens que ainda são segredo.

Baschera
Baschera
11 anos atrás

Aposta : Vai vir F/A-18E/F Super Hornet e futuramente F-35B e F-35C.
Tudo via FMS.
Sds.

Bosco
Bosco
11 anos atrás

Como não acredito em Papai Noel nem em Saci Perere não vou acreditar que quando vierem (se vierem) o FX-2 teremos todo a variedade de armas disponíveis para o “felizardo”. Mas acho que o pacote básico disponível teria que ter mísseis ar-ar de quinta geração (ou de quarta), mísseis BVR com radar ativo e data-link, mísseis anti-navios de médio alcance e kits de bombas guiadas à laser (compatíveis com as bombas de uso geral de fabricação nacional?). Isto é o básico do básico. Provavelmente (além de não termos dinheiro) não seriam liberadas (para não se iniciar uma corrida de armas… Read more »

Roberto
Roberto
11 anos atrás

Bosco, mas se vier o F18 com os códigos fontes em aberto não poderemos municia-lo com armamento de outros países ?? Além do R-darter com a àfrica do Sul, poderíamos comprar mísseis de Israel, ou não ?

Bosco
Bosco
11 anos atrás

Sinceramente não sei te dizer Roberto. Eu acho muito difícil. Não basta que se abram os “códigos fontes” para que determinado armamento seja incorporado à suíte de um caça. Os mesmos devem ser adaptados e testados exaustivamente até estarem seguros. Isto demanda tempo e dinheiro. A menos que já tenha sido feito por outros usuários. Os mísseis de curto alcance são mais fáceis de serem incorporados, já os mísseis BVR são mais difíceis. O ideal é que no caso do F18 ganhar tenhamos os Amraams, no caso do Gripen, os Amraams ou o Meteor. Se for o Rafale estaremos presos… Read more »

Bosco
Bosco
11 anos atrás

Quando me refiro aos Amraams me refiro à versão AIM120C5 pra frente.
Um abraço!

João-Curitiba
João-Curitiba
11 anos atrás

Os EUA nos fornecem quantos Amraams nós quisermos, desde que eles fiquem guardados lá. Igual fizeram com o Chile.

trackback
11 anos atrás

[…] dos perfis do Saab Gripen e do Boeing F/A-18E Super hornet, chegou a vez de tratarmos do caça francês Dassault Rafale.  O avião é considerado o favorito […]

tomas
tomas
11 anos atrás

Roberto, Bosco, os Hornet F-18A+ del Ejército del Aire de España está com os códigos fontes abertos, tendo em vista que estes hoje estão armados também com mísseis Phyton 5 israelenses em conjunto com AIM7.

Getulio - São Paulo
11 anos atrás

O F-18 veio para substituir todos os aviões embargados na Navy, fora o avião radar. Sou fã doF-14, se o Brasil não puder comprar estes caças novos, peça aos americanos o F-14 usados, que com os misses PHOENIx são melhores que qualquer um já inventou.

trackback
11 anos atrás

[…] Gower, o executivo da Boeing responsável pelo programa do F/A-18E/F Super Hornet, deu nova entrevista à Alide, onde esclarece novos pontos sobre a proposta da Boeing ao FX-2 da […]

trackback
11 anos atrás

[…] Lula sob as recentes notícias de que o Brasil está em dificuldade, ou impossibilidade, de comprar aviões de caça que não sejam de fabricantes americanos, porque o governo dos Estados Unidos não o admitiria. […]

trackback
11 anos atrás

[…] brasileiro a Boeing iniciou as conversas com fornecedores nacionais para fabricação dos jatos F-18 Super Homet. Segundo o vice-presidente do programa F-18 da Boeing, Bob Gower, hoje a empresa tem reunião […]

Evandro
Evandro
11 anos atrás

Se o Brasil quer um avião de caça esse avião é o “F18 Super Hornet E/F” O “RAFALE” para começar seu Radar é inferior ao do F18 e do “GRIPEN” E o GRIPEN seu motor e várias peças são de origem Americana. E sem contar que o Brasil sempre foi aliado dos EUA tanto comercialmente como militar. e TBM os F18 são os únicos que podem fazer frente aos caças russos SU 30 Venezuelanos e F16 Chileno no continente. Se o Brasil é uma potência Sulamericana tem que ter avioes de caça a altura. Hoje sabemos que quem tiver a… Read more »

Junior
Junior
11 anos atrás

Se Hoje em Dia Israel ainda não atacou a Usina Nuclear no IRÃ é porque nos anos 70 os Americanos venderam F14 com mísseis Phoneix para o IRÃ e mesmo depois do embargo Americano os F14 Iranianos eles continuam sendo respeitados. Sem contar que a maior força aérea do Planeta (EUA) aposentou seus F14 e nos seu lugar foi selecionado o F18. O F18 Super Hornet é o caça ideal ao BRASIL.

trackback
11 anos atrás

[…] W. Bush e será mantido pelo futuro presidente, Barack Obama. Em pauta, a compra de jatos de caça F-18 E/F Super Hornet, produzidos pela Boeing […]

Edmar
Edmar
11 anos atrás

O Brasil tem que finalizar logo o FX2, para que a FAB tenha novos aviões logo.

Walter
Walter
11 anos atrás

Pensem comigo: qual seria o meio mais barato para os EUA manter bases aqui na América do Sul ? Simples, vendendo aviões prá nós com os códigos fontes chaveados. Daria-mos manutenção às aeronaves com o nosso dinheiro e quando eles precisassem as aeronaves estariam aqui….. precisamos parar de depender da tecnologia deles… temos que rever nossos conceitos perante outras potências.

trackback
11 anos atrás

[…] das ofertas, além da intensificação das matérias e da propaganda em geral sobre o F-18 Super Hornet, o Rafale e o Gripen NG (aqui e nas fotos, em ordem alfabética pelo nome do fabricante), que […]

Sandro
Sandro
11 anos atrás

Olha sempre fui contra a armamento americano devido a coleira, mas aqui no Brasil a lambança e tão grande que daqui a pouco vamos estar que nem o filme sexta feira 13, isto e FX-16 o retorno…. Torço que a FAB se descida de uma vez e compre os F-18E com o maximo de beneficios possiveis se possivel um lote de 100 F-18c para modernizar e subistituir os podres AMX entre outros vetores da FAB.

Edmar
Edmar
11 anos atrás

Não que eu seja contra os Americanos, mas não tenho “confiança” neles.

O “Boing F-18 Super Hornet” é um bom avião…, mas será que os americanos iriam mesmo transferir toda a tecnologia? Será que eles não iriam vetar, ou seja, cortar o fornecimento de misseis e bombas para os Brasileiros equipar estes aviões? …É um caso sério e de se pensar muito…

trackback
11 anos atrás

[…] Grumman a entrega para a planta da Boeing, em St. Louis, da seção de fuselagem número 400 de F/A-18 E/F Super Hornet. O conjunto inclui as seções central e posterior da fuselagem, assim como as duas superfícies […]