Home Aviação de Ataque MoD Russo: Defesa Aérea da Síria interceptou 71 mísseis de cruzeiro lançados...

MoD Russo: Defesa Aérea da Síria interceptou 71 mísseis de cruzeiro lançados pelo Ocidente

18658
207
Sistema de mísseis antiaéreos S-125 Neva/Pechora, designado SA-3 Goa pela OTAN

O Ministério da Defesa russo comentou sobre um ataque conjunto com mísseis americanos, britânicos e franceses contra a Síria, que ocorreu no dia em que os especialistas da OPCW (Organisation for the Prohibition of Chemical Weapons) deviam iniciar uma investigação sobre as alegações de um ataque químico em Douma, uma reivindicação denunciada por Damasco. como uma provocação.

O Ministério da Defesa russo afirmou que a maioria dos mísseis lançados pelos estados ocidentais na Síria foi derrubada pelas defesas aéreas da República Árabe enquanto se aproximavam de seus alvos.

“O sistema de defesa aérea sírio vem conduzindo uma luta antiaérea”, acrescentou o ministério.

Segundo o Ministério da Defesa da Rússia, a Síria repeliu o ataque ocidental com sistemas de defesa aérea fabricados na URSS há mais de 30 anos.

“Os meios de defesa aérea da Síria: os sistemas de defesa aérea S-125, S-200, [assim como] as unidades Buk e Kvadrat foram usadas para repelir o ataque com mísseis.”

No final do dia, o Estado-Maior da Rússia emitiu um comunicado, dizendo que um total de 71 mísseis de cruzeiro de 103 foram interceptados pela Síria, acrescentando que nenhum aeródromo militar do governo foi danificado como resultado do ataque.

Míssil S-200 Angara/Vega/Dubna sírio, conhecido como SA-5 Gammon na OTAN
Sistema de mísseis Buk, designado com SA-11 e SA-17 pela OTAN
Sistema Kvadrat, ou 2K12 “Kub”, designado SA-6 “Gainful” na OTAN

“Há alguns anos, nos recusamos a fornecer sistemas de defesa aérea S-300 para a Síria devido ao pedido de alguns de nossos parceiros ocidentais. Levando em conta o que aconteceu, consideramos possível voltar a esta questão. E não apenas em relação à Síria, mas no que diz respeito a outros estados”, afirmou o Estado Maior.

As forças de defesa aéreas sírias interceptaram todos os 12 mísseis de cruzeiro, que foram usados ​​para atacar o aeródromo militar de Dumeir, segundo o Ministério da Defesa da Rússia.

Nos últimos 1,5 anos, a Rússia restaurou totalmente o sistema de defesa aérea da Síria e continua a melhorá-lo”.

Sistema de defesa aérea S-300, conhecido como SA-10 Grumble pela OTAN

Defesas Aéreas Russas não foram usadas para repelir ataque de mísseis

As defesas aéreas da Rússia não foram usadas para repelir o ataque com mísseis no território da República Árabe da Síria, disseram os militares.

Nenhum dos mísseis de cruzeiro lançados pelos EUA e seus aliados entrou na zona de responsabilidade das defesas aéreas russas, cobrindo objetos em Tartus [instalação naval] e Hmeymim [base aérea localizada na província de Latakia] “, explicou o Ministério da Defesa da Rússia.

“Os sistemas russos de defesa aérea nas bases de Hmeymim e Tartus detectaram e rastrearam todos os lançamentos de mísseis de veículos navais e aéreos dos EUA e da Grã-Bretanha”, afirmou o Estado-Maior da Rússia, acrescentando que não registrou a participação da aviação francesa na região do ataque.

De acordo com os militares russos, o ataque maciço de mísseis contra alvos de infra-estrutura militar e civil foi conduzido por navios de guerra dos EUA em conjunto com as forças aéreas britânicas e francesas no horário de 3:42-5:10 de Moscou.

Um total de 100 mísseis de cruzeiro e ar-terra foi lançado contra alvos na Síria, afirmou o Ministério da Defesa da Rússia, observando que dois navios de guerra dos EUA realizaram o ataque do Mar Vermelho, bem como a aviação tática sobre o Mar Mediterrâneo e  Bombardeiros de B-1B da área de al-Tanf.

Ocidente atacou a Síria no dia em que especialistas da OPCW (Organisation for the Prohibition of Chemical Weapons) começaram a investigar suspeita de ataque químico

Ao comentar a suposta resposta de Ocidente a um suposto ataque químico em Douma, que atribui a Damasco, o Estado Maior da Rússia enfatizou que armas químicas não foram produzidas na Síria.

“Acreditamos que este ataque não é uma resposta a um suposto ataque químico, mas uma reação ao sucesso das forças armadas sírias na libertação de seu território do terrorismo internacional”.

“O ataque foi realizado exatamente no mesmo dia em que a missão especial da OPCW estava marcada para começar seu trabalho em Damasco para investigar o incidente na cidade de Douma, onde armas químicas teriam sido usadas”, enfatizaram os militares russos.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, também criticou a decisão dos países ocidentais, dizendo que o ataque” foi lançado na capital de um Estado soberano que vem lutando pela sobrevivência há anos em meio à agressão terrorista”.

Durante o dia, Estados Unidos, Reino Unido e França lançaram ataques com mísseis contra vários alvos na Síria em resposta a um suposto ataque químico no subúrbio de Damasco, Douma, no leste de Ghouta, que foi atribuído a Damasco, apesar do lançamento de uma investigação sobre o incidente. Na sexta-feira, o Ministério da Defesa russo afirmou que tinha provas de que o “ataque químico” em Douma havia sido uma provocação e tinha sido encenado por ONGs apoiadas pelo Ocidente, incluindo os Capacetes Brancos.

Enquanto o chefe do Pentágono, James Mattis, disse que os ataques aéreos dos EUA à Síria foram um “tiro único”, o general Joseph Dunford, chefe do Estado-Maior Conjunto, disse a repórteres que Washington não tinha mais ataques planejados no momento.

Segundo Dunford, os Estados Unidos utilizaram um canal normal de solução de conflitos com a Rússia e não coordenaram alvos antes dos ataques aéreos na Síria. Ao mesmo tempo, ele disse que não sabia “de nenhuma atividade russa”, quando perguntado se alguma defesa russa havia engajado navios ou mísseis americanos, franceses ou britânicos.

Ao comentar sobre a possibilidade de um ataque com mísseis norte-americanos à Síria depois de acusações a Damasco de um ataque químico em Douma, que ainda não foi investigado por especialistas internacionais, o Ministério da Defesa da Rússia alertou que Moscou responderia se suas tropas na Síria estivessem ameaçadas.

As bases militares russas na Latakia da Síria – a base aérea de Hmeymim e a instalação naval de Tartus – foram protegidas pelos sistemas de defesa aérea S-400 e S-300, bem como pelo sistema de mísseis superfície-ar Pantsir-S1. De acordo com o Ministério da Defesa da Rússia, os sistemas S-400 e Pantsir fornecem cobertura aérea para o grupo russo de aviação Hmeymim, enquanto os S-300s protegem as instalações navais da Rússia.

FONTE: Sputnik News

207 COMMENTS

      • Alguma coisa não está conferindo. Se lançaram mais de 100 mísseis e apenas três ou quatro alvos foram atingido, para onde esses mísseis foram?

        • Antonio 14 de Abril de 2018 at 13:43
          Alguma coisa não está conferindo. Se lançaram mais de 100 mísseis e apenas três ou quatro alvos foram atingido, para onde esses mísseis foram?

          Foi o que pensei também…

    • Se for verdade, esses números são sensacionais. Mas acho difícil. Deve ter sido um valor menor. Difícil os s-125 e s-200 realmente terem derrubado alguma coisa. Já os Pantsir e Buks, esses sims devem ter oferecido um boa defesa.

  1. General Mattis ontem na coletiva de imprensa Pós Ataque:

    “Nenhum Míssil foi interceptado. Não recebemos nenhum relato das nossas forças sobre isso”.
    Mas vocês sabem quem vai começar a lançar Fake News amanhã.”

    Sabe das coisas esse Mattis…

    • Eu vi a coletiva inteira e não me lembro de ele ter dito isso. Ele disse claramente que os alvos designados foram atingidos, mas ainda não sabia o quanto de dano havia sido feito ou mesmo se houve perdas, etc. Maiores informações seriam dadas em uma coletiva hoje pela manhã.

      • Na verdade acho que quem falou sobre mísseis derrubados foi aquele outro que estava do lado dele. O General fardado.

        Agora, sobre as Fake News o Mattis terminou a entrevista falando sobre ela, dizendo que a “guerra de informações” começaria hoje e que a posição do Pentágono era aquela.

        E se vc assistiu a coletiva na GloboNews, com aquela tradução bizarra, não ouviu ele falando isso mesmo. O inglês do cara lá é uma piada. Além de não traduzir o que falavam, ele fazia um resumo?!?!?!

          • Oráculo, vivo em uma cidade grande com mentalidade de feudo. Todo mundo se conhece por aqui. Fake news aqui sempre voou mais rápido que um SR-71, mas na época a gente chamava isso de fofoca hehehehehe

        • Não, vi ao vivo mesmo, pela Fox News online e sem cortes. Realmente Mattis alertou sobre a guerra de informação e que tentariam manter todos atualizados e que mais detalhes viriam à tona pela manhã.

          O Gen. Dunsford, chefe do estado maior conjunto, também disse que não daria detalhes e que não estava informado ainda acerca de possíveis perdas e que os detalhes que tinha ainda não poderiam ser divulgados por uma questão de segurança operacional, visto que as aeronaves ainda estavam no ar. Reiterou que informações mais detalhadas seriam dadas pela manhã.

    • Hoje na coletiva de imprensa, o General, ao lado da Porta Voz, disse que a defesa síria teve algum êxito, mas se recusou a quantificar os abatidos. Na ONU agora, foi argumentado que abateram quase cem.

    • Existem varios videos já circulando onde aparecem varios deles sendo interceptados no ataque de ontem.

      Agora cada um pode adorar quem quiser, o servilismo é optativo.

      • Durante a Guerra do Golfo, também divulgaram diversos vídeos de misseis Patriots interceptando Scuds iraquianos. Era um espetáculo: o misseis subiam havia uma explosão e todo mundo achou que estes vídeos eram provas definitivas do sucesso do míssil AA norte-americano. Pois bem, depois de algum tempo, refizeram aquelas análises e descobriu-se que aquelas explosões não eram interceptações dos Scud iraquianos. Eram os próprios misseis Patriots que se auto-destruíam e que a efetividade do Patriots contra misseis balísticos havia sido próxima a zero. Foi por isso que os EUA desenvolveram o Patriot PAC 3, que não tem ogiva explosiva (hit to kill).

    • Cara, você escolheu uma retorica. Da mesma forma que dizem que os Russos que interceptaram, os Norte americanos dizem que não.

      Nem eu, e nem você estivemos lá ou se quer temos acesso aos dados. Você escolhe um lado baseado em suas informações e seguem o jogo.

  2. Parabéns aos Sírios que mesmo com pau velho nas mãos conseguem se defender muito bem.
    E vendo o resultado dos ataques terroristas de Washington, Assad não demorou muito para dormir a noite.
    Espero que agora a Rússia reforce as defesa antiaéreas do país, assim Israel mostra bravura do território libanês.

  3. E que comece a guerra de informação onde a vítima é a verdade… EUA vai falar que acertou tudo que queria acerta e a russia vai falar que defendeu tudo que queria defender…

  4. Agora cabe aos EUA mostrar as imagens do estrago, não? Ou será que essa exigência é feita só aos russos? Se isso for verdade a Otan saiu muito mal na foto. Além de que esse fato seria um excelente estudo de caso sobre o uso de AAe.

    • E eu! Eu estou esperando pelo uso real do S-300 há 40 anos… e seria bom que eles fossem usados contra misseis de cruzeiro ou drones porque assim não haveria perdas humanas a se lamentar….

  5. Como já disse, isto foi mais uma encenação para o EUA não ficar sem moral perante os atores do conflito, afinal há a “red line” fixado pelos americanos.
    Efetividade zero, ou quase. Alguns prédios destruídos. Mortos, só de alguém distraído ou por algum artefato desorientado.
    Pelo menos serviu para as partes (Rússia, EUA e coadjuvantes) testarem e marquetearem seus “brinquedinhos” de guerra e antídotos.

    • Pois é, se a Rússia tem intenção de propagar fake News, tem que aprender a fazer isso direito. A Síria pode até ter interceptado alguns mísseis, agora esse número de 71 é completamente fora da realidade

  6. Sinceramente, dessa vez eu acredito nos russos, mesmo sendo cheios de fakenews, o estrago do ataque foi praticamente insignificante.

    • Sim.
      Não vai mudar 1 milímetro a evolução do conflito.
      Foi apenas para “salvar as aparências” do eua/ocidente, afinal eles haviam fixado como condição para não se envolverem decisivamente no conflito, a abstenção do uso de armas químicas pelo regime Sirio.

    • Onde você viu que os estragos foram mínimos, por favor nos mostre para que possamos nos informar também. Um pergunta, a própria Síria não tinha afirmado que tinha derrubado 13? Como esse número subiu para 71?

      • Google, youtube, mídias sociais, já tem vários videos rolando na internet mostrando alguns misseis sendo interceptados, outros atingindo os alvos etc…

        E claro existem fakenews tbm.

        • Lembra dos Patriots na Guerra do Golfo? Até hoje existem vídeos na internet mostrando de como eles “protegiam” os israelenses dos Sucd iraquianos. Depois da guerra, quando foram revisitar esta questão… a efetividade dos patriots havis sido extremamente baixa e as explosões que eram mostradas na TV eram os próprios Patriots se autodestruindo ou explodindo próximo do alvo, mas sem efetividade…

  7. Sabemos que em um conflito, a primeira vítima é a verdade. Em 100% dos casos, cada lado dá a sua versão para os fatos. Porém, não podemos esquecer que em democracias ocidentais, o governo está constantemente sob o escrutínio da imprensa livre, e consequentemente da opinião pública, o que não é o caso da ditadura de Putin. Resumindo, é sempre mais provável que países ocidentais sejam mais precisos na narração dos fatos.

    • Realmente, lembro da mídia ocidental acusando junto com o governo americano que o Saddam tinha armas químicas e precisava ser deposto do cargo. Mídia ocidental e seus governos tem o mesmo nível de credibilidade que a mídia russa ou chinesa, mas o ocidente consegue produzir uma massa alienada e conformista muito maior.

    • Me desculpe mas eu tive que dar uma gargalhada. O primeiro erro é achar que as ~democracias ocidentais~ são governos livres e transparentes, não são, são tão ou mais autoritários que os regimes do oriente médio, no oriente o povo pelo menos tem maneiras para reagir a opressão do governo, no ocidente a primeira coisa que atacam é capacidade de reação. O segundo erro é achar que existe ~imprensa livre~, a imprensa livre é a própria formação espontânea de pessoas em volta da informação, coisa que só acontece na internet, justamente por quebrar a parcialidade da imprensa tradicional que inventaram essa demonização da informação de internet que dizem ser fale News.
      A imprensa ocidental vai relatar aquilo que a narrativa ocidental quiser, sempre foi assim e sempre será, a imprensa ocidental não noticiava os ~ataques as crianças~ usados pelos governos ocidentais para atacar a Síria? Quem divulgou insistentemente e provou que tudo era encenação? Além que, o governo Putin é ditadura desde quando? Por acaso os governos europeus são os livres? Oras, na Inglaterra você pode ser preso por dizer qualquer coisa que o governo não quer que você diga, só para citar um exemplo.

      • Depois você me passa o número do seu fornecedor de bebidas. Certamente esse aí consegue aquele Absyntho original, ou pelo menos turbinado com metanol.

        • E o que está errado? Vamos lá, aponte o erro, não de uma de pombo enxadrista. Tem que ser muito alienado ou não intencionado para sustentar esse seu discurso. Você deve acreditar na lorota das armas químicas do Iraque até hoje, afinal, o governo disse e a ~imprensa livre~ assinou embaixo, não?

  8. 13, 20 ou 71, que diferença faz? Que houve mísseis interceptados provavelmente sim.

    Há exagero por parte dos russos? Sim, pois os próprios sírios alegaram ter abatido 13 mísseis, em outra reportagem de fonte árabe, disseram que foram 20.

    Mas há exagero por parte do ocidente, pois a grande verdade é que de efetivo o ataque não obteve lá muito resultados, os caras avisam com cerca de uma semana, dando tempo de todos acompanharem a chegada dos navios da Otan, avisaram aos russos quais os alvos por onde iriam atacar dando aos sírios tempo mais do que suficiente para retirarem todo material e equipamentos possíveis nestes 6 dias, parece até às operações da PM nos morros aqui do Rio, aprendem um ou dois fuzis velhos 3 pistolas e dizem que operação foi um sucesso. Rsrsrsrsrs

    Ou seja, pura propaganda, pois se não fizessem o ataque mostrariam fraqueza, diante a declarações dos russos, é tentaram deixar uma imagem força e outra de fracasso para os russos, os fanboys ficam eufóricos.

    Ou seja, uma mera pirotecnia de despedida.

  9. Interessante todos sistema de longo/médio alcance, sendo o Buk com as melhores características para interceptação de mísseis de cruzeiro, até onde eu sei o Kub e o S-200 sofrem muito contra alvos em baixa altitude…

    Interessante a Russia afirmar que não viu o FA francesa atacando, será que eles aprontaram alguma coisa? spectra?

  10. Esperando foto dos alvos antes e depois.

    Antes disso fica essa brigaiada ai nos comentários onde uns acham que sim, outros acham que não…

    Vamos esperar que logo sai o tamanho do estrago feito, ai podemos tirar conclusões.

  11. Quem entende o mínimo sobre o funcionamento de mísseis cruise e de sistemas antiaéreos sabe que isso de “71 mísseis derrubados” é lorota pura.
    Ademais, é só mostrarem os destroços e as cabeças de guerra dos mísseis derrubados que fica tudo resolvido. As ogivas conseguem atravessar 5 metros de concreto armado antes de explodirem e não se fragmentam no impacto com o solo e não explodem se não pela espoletagem.
    Isso aí é só pra alimentar os fanzocas do Putin.
    Aliás, tá ficando feio pro Ursinho Panda. Ele devia é ficar quieto porque não participou dos eventos, combinou com os inimigos e deixou o amigão entregue à própria sorte.

  12. Vou contratar um pessoal aqui pra Cargos Comissionados no Min Def ou ABIN.

    Tem gente aqui com uma rede de informação q já sabe o resultado dos ataques! Já sabe q foram alvos inúteis, q morreu um ou outro…
    Nossa!!!
    O pessoal é bom mesmo!!!

  13. Ataque super hiper mega Power, igual ao anterior que os aviões sírios já operavam normalmente em menos de 24h

    Os fan boys piram Rsrsrsrs

  14. concordo com o João.

    100 misseis para apenas 3 alvos que possivelmente goram evacuados antecipadamente? mesmo lancando uma quantidade razoavel para garantir uma probabilidade de acerto, a meu ver é um numero muito exagerado…seriam mais de 30 misseis por alvo…..

    acredito que os Sirios e russos possam nao estar mentindo sobro ter abatido uma grande quantidade (pode ser que exageraram os numeros) mas o fato é que derrubaram sim uma grande quantidade.

    logicamente que os aliados não podem divulgar e assumir que muitos de seus misseis foram abatidos, pois isso atestaria a qualidade dos sistemas de AAA fornecidos pelos Russos e colocaria em cheque a eficácia e custo beneficio do uso destes meios contra uma nação bem preparada e equipada. Num momento em que todos sofrem forte pressão em seus programas militares e orçamentos, uma confirmação destas seria como uma bomba na midia.

    Sobre os russos, acredito (é uma opinião pessoal) que preferiram nao usar seus sistemas mais como objetivo politico, para dar uma clara resposta que aos poucos seu aliado esta se fortalecendo e mais preparado para enfrentar seus adversários. Ao que tudo indica Assad já aprendeu que a chave é uma defesa aerea forte e bem equipada e treinada.

    e outra coisa, também acredito que os russos o fizeram para que seus potenciais clientes vejam que sozinhos eles, com seus sistemas possam se defender de agressores. Ou seja, foram duas jogadas: uma política e outra comercial. E de brinde ainda ganharam o pretesto que precisavam perante o mundo para vender seus sistemas, e se alguem tentar falar algo, usarão o esse pretesto para ignorar e vender.

    No final das contas, mais pontos para o Putin. Este sim é um verdadeiro estrategista político. Para bem ou para mal, ele é.

    Tudo que falei trata-se de uma opinião pessoal minha.

    • De um líder de país que se gaba de seus meios militares diariamente na mídia, pedir uma reunião no CS da ONU depois de um ataque a um protetorado seu é uma vergonha.

  15. Tem pessoas aqui que acham isso piada, é tristes, nessas guerras morrem sempre civis e inocentes, espero que a solução para esse conflito seja negociada pacificamente, Assad têm de ir a votos, a paz têm de voltar a reinar, nada de ter mais Sírios matando Sírios, isso não é bom. Paz para todos.

    • Esse é sempre o problema dos sistema defensivos. Não adianta ter 99% de efetividade. Se não tiver 100% ele é inútil.

  16. Bosco…. lembro a um tempo atras que alguem citou num comentario qual seria a media aproximada de misseis usadas para atingir um alvo, ja contando com perdas por abate ou outro….. Poderia tentar resgatar essa informação?

  17. Senhores,
    As ogivas dos mísseis em questão pesam no máximo 1000 lb (450 kg). Não tem nada demais utilizar 30 mísseis por alvo já que seria algo em torno de 15 t de carga bélica sendo menos da metade constituída por material explosivo. Sem falar que cada alvo é constituído por diversas instalações, distantes entre si.
    Aí, calcula-se o mais de um míssil por alvo para garantir a destruição e põe na conta mais alguns pra prevenir que alguns possam dar defeito e tem-se um número considerável que ajuda a saturar as defesas.
    Sempre disse que míssil cruise não ganha guerra (só naval). Eles são para tarefas específicas dentro de um contexto e só opera quem pode. Os americanos têm cerca de 10 mil mísseis cruise (Tomahawks, JASSM, JASSM-ER, SLAM-ER) e podem se dar ao luxo de gastarem 120 só pra mandar um recado.
    E o maior recado que ele deu ao mundo é que o Urso virou um Pandinha. rsrss

    • E aparentemente não houve nenhum abatido, de acordo com fontes oficiais. Será interessante ver se os sírios ou russos aparecem com algumas ogivas, o que duvido muito.

      Todos aqueles videos liberados de explosões no ar são muito provavelmente de SAM’s disparados ‘balísticos’ explodindo no ar ou por falha ou por detonação remota justamente para causar a impressão de terem acertado alguma coisa.

      E isso com o espaço aéreo desimpedido, com algum alerta antecipado feito pelos Russos, com prováveis alvos dos ataques já previamente conhecidos e assim mesmo os alvos foram atingidos com força. O alvo mais próximo de Damasco simplesmente deixou de existir. Aparentemente Storm Shadow/SCALP e JASSM foram extremamente bem sucedidos, para não mencionar os Tomahawks.

      Muitos aqui parecem ignorar o que o Gen. McKenzie disse hoje na coletiva de imprensa, que o horário escolhido para o time on target foi justamente 4am para que houvesse o mínimo de perdas de vidas enquanto que tem gente aqui exigindo um body count. Eu simplesmente não entendo esse pessoal.

    • Obrigado por expor a informação.

      Mas retirando a questão de ter um estoque monstruoso, lembro que alguem citou na época uma media de 15 a 20 misseis por alvo.

      Entao seguindo esta linha de raciocinio e as proprias INFORMAÇÕES sobre os ataques, levam a deduzir que cada aliado atacou um conjunto de alvos diferente do outro. Entao pela quantidade de misseis usados pelos EUA, levando em conta as quantidades usadas por seus aliados e essa media, podemos entao deduzir que haveria mais alvos que possivelmente estavam mais bem defendidos (mais estratégicos), como as proprias INFORMAÇÕES que dão conta de uma base aerea que não sofreu danos.

      Tambem acredito que 71 é um numero muito exagerado, mas que entre 20 e 30 seria um numero mais plausivel. Mas isso não desmerece em nada as forcas de Assad, que alguns anos atras quase sumiram do mapa, e hoje podem contabilizar suas modestas mas valorozas《vitorias》esses abates.

    • Instalacoes que foram alvos da operacao e eram protegidos por SAMs:
      Al-Dumayr Airport
      Mezzeh airbase
      area of al-Kiswah
      Wadi as Sawwani
      Republican Guard objects at Mount Qassion

      onde estao as fotos desses alvos?

    • Na minha humilde opinião, avalio algumas intervenções aqui e ali nesta revista.
      Acredito que algumas pessoas se postam como ”especialistas” e que estão bem longe dos campos de batalha apenas ”lendo” e se ”informando” frequentementee desrespeitam algumas observações. Todos aqui querem acima de tudo aprender e se informar. Em 1º momento , não querem ser humilhados por outros debatedores, mesmo “especialistas” gostaria pedir que respeitassem outras opiniões e mantivessem o alto nível desta revista ,pois , me parece que ela é aberta á leigos que querem aprender e especialistas que deveriam se apresentar ,para obter respeito necessário.
      A todos minhas cordiais saudacoes !

  18. MadMax

    Concordo contigo. mas acredito que a questao aqui nesse caso seja outra.

    Seja da melhora da eficiencia e prontidão das tropas Sirias e da Qualidade dos sistemas usados. Antes misseis atacavam e as perdas eram apenas por falha de sistemas. Hoje ja temos abate destes mrsmos. É um salto em tão pouco tempo para uma força que quase foi aniquilada. Mostra a gradual mas constante preparação das tropas de Assad.

    • Quanto acordo prontidão das tropas e equipamentos não estou surpreso. Afinal a prontidão deu-se pelo aviso prévio, e os equipamentos são sem dúvida ajuda do Irã e Rússia.

  19. Não duvido que alguns misseis, poucos ou muitos, tenham sido interceptados. A Siria possui uma grande concentraçao de defesa anti-aérea, que inclui desde sistemas operados pelos russos, como fragatas, caças e terra-ar, como a propria defesa organica Siria.

    O que me parece mais interessante, cada dia mais, são os frutos da ajudinha que o Putin deu para o Trump se eleger. Enquanto de um lado, os EUA pressionam os membros da OTAN a aumentarem seus gastos militares em resposta à ameaça russa e chinesa, o que inevitavelmente resulta na venda de componentes e sistemas americanos aos aliados, do outro lado, o Putin também lucra com a venda de militaria: um mundo em guerra fria tende a concentrar o poder em menos atores.

  20. Eu sou curto e grosso. Duvido que algum míssil americano ou europeu tenha sido interceptado, e até que me mostrem uma ogiva intacta no solo, continuarei duvidando.

    • Modo ironico: on

      imagina o tamanho do bicho no mar……deve ser o maior alvo flutuante do mundo…….daqui a pouco vão dizer que parte dos ataques foram realizados do espaco pela Enterprise…… kkkkkkkkkkkkkk

      Modo ironico: off

  21. Israel, quando ataca, não avisa, manda uns poucos aviões e faz um estrago no inimigo. E muitas vezes nem fala sobre isso depois.
    A OTAN, quando ataca, avisa antes pelo Twitter, manda centenas de misseis ao custo de centenas de milhoes, para destruir meia duzia de alvos secundarios.
    Não tenho duvida que o Assad teme muito mais o Tio Jaco do que as bravatas da OTAN.

  22. Ontem os Russos movimentaram todos os seus navios do porto ontem… Eles já sabiam que o bombardeio era questão de horas.
    O que fizeram é se proteger e deixaram rolar…
    O que vale o Estado Sírio afinal para Russia?!? Um porto estratégico no oriente médio… Tudo bem, porém vale a pena deixar o pescoço amostra para um fio de navalha?!? Acho que não… Até porque não atingiu nada sério para o Assad e sim somente armas quimicas!

  23. Fantástica a capacidade síria de aprendizado. Há pouco mais de um mês atrás comemoravam ter abatido 1 F-16 israelense de uma vaga de 8. Nada se falou sobre os subsequentes ataques. Agora conseguiram se recompor ao ponto de terem abatido 71 mísseis de cruzeiro, de um total de 103, lançados coordenadamente de diferentes tipos de vetores e de áreas distintas! Simplesmente Fantástico!
    Os russos é que precisam contratar acessores militares sírios, pois esses caras são fenomenais!

  24. Misseis JASSM e Scalp-EG/Storm Shadow ! Nem os Sirios nem os Russos viram o que os acertou.
    Agora cai pra ca né desde do Golfo em 91 que os americanos passam por cima dessas defesas anti-aereas sovieticas da decada de 80 e 70 , foram 2 vezes no Iraque, uma na Líbia e agora uma na Síria.
    Como disse no outro post, o ataque em Dasmasco foi coordenado para as JASSM atingirem os centros de comando, inutilizandos as defesas e em seguida os Tomahawks acerterem o alvo, que foi o laboratorio de pesquisa.

  25. Este tipo de ação militar ultra moderna, com o uso de mísseis de cruzeiro de longo alcance, inteligentes e furtivos, lançados por vetores muito fora do alcance das defesas convencionais de um país, em uma política da diplomacia do porrete, reduz a defesa de um país como a Síria ao patamar de nativos sul americanos armados com arco e flecha na praia recebendo os pertardos disparados dos canhões de um galeão espanhol.
    Para lutar neste tipo de peleja é necessário o domínio de tecnologias inacessíveis aos países em desenvolvimento e assim o mínimo que se pode fazer é ficar tentando abater os mísseis o que digamos não é muito efetivo, apenas reduz o dano.
    Agora, muitos fazem análises, colocando a defesa do Brasil como objeto do estudo, bem são comentários interessantes, em alguns vejo comentários totalmente utópicos, creio que vem de jovens entusiastas e patriotas, peço que me desculpem, digo que já pensei como muitos de vocês, ficando ancioso por uma melhora na condição nacional, vislumbrando as nossas possibilidades mas décadas vendo do mesmo, me fizeram perder o ânimo.
    Bem antes de ser chamado de vira lata, gostaria de apontar que a defesa dos países sul americana é projetada sob outra forma de concepção e que nenhum país destas bandas se preocupa muito que venha a sofrer um ataque deste tipo.
    Desta forma o Brasil, quando frente a este tipo de ataque, se compara a uma casa sem muros, portões ou portas, onde se pode entrar a vontade e sair. Assim é o nosso território, que vai melhorar um pouco quando vierem os Gripen, mas somente um pouco.
    No ponto de vista a melhor maneira de lutar este tipo de guerra é com o uso da aviação indo de encontro ao adversário para abater os seus vetores de mísseis e atacar as suas bases. Ficar abatendo mísseis cruzeiro não parece uma boa opção. Interessante seria ver como este tipo de ação se comportaria contra países com reais capacidades militares, como Turquia, Israel por exemplo para falar naquele teatro operacional.

  26. Aliás, acho que ninguém ainda se deu conta da enormidade do ocorrido. Esse feito dos sírios terá que ser profundamente analisado pelos teóricos da guerra aérea, foi um marco! A oposição a mísseis de cruzeiro, que voam igual a aviões, inclusive a baixa altura contornando o terreno, é feita de forma semelhante à conduzida contra aviões de ataque tripulados. Uma defesa que conseguiu abater 70% das aeronaves atacantes terá sido a mais efetiva de todos os tempos!!! Só isso tudo! Em um ataque dessa envergadura, jamais alguem conseguiu tal índice.
    Com certeza veremos em breve instrutores sírios dando instrução nas academias militares russas.
    Eles são fantásticos!

  27. Meu Deus, os EUA, RU e França devem ter torrado uns 150 milhões de dólares neste ataque para ter efeitos apenas marginais! 😂 Saudades do tempo em que um ataque desse nível destroçada o inimigo e matava uns 1.000.

  28. O bom dessas notícias é ver o tanto de contas “novas” que aparecem do nada. Bem que a administração podia colocar se reunir com outros blogs de defesa militar, espalhar trackers nos sites e começar a fazer um trabalho estatístico nesses momentos, aposto que acharão coisas interessantes.

  29. Certamente foi um ataque de saturação, haja visto que alguns alvos estavam bem protegidos por baterias AA, principalmente o centro de pesquisa que ficava nos arredores de Damasco. Acredito que este tenha sido o motivo do uso de tantos mísseis em detrimento de apenas 3 alvos. Mas pergunto: se houvesse uma segunda onda de ataque, a Síria teria como repor as baterias em quanto tempo?

  30. É totalmente falso. Ainda à minutos a informação veiculada na Europa fala de 10 mísseis interceptados de um total de 105 disparados! As defesas Russas apanharam pouco mais de 9% dos mísseis, uma fartura!

  31. Gostaria que algum general Brasileiro.lesse este artigo é compreende-se que nossas forças de artilharia antiaérea é fraca,até mesmo para os padrões de América latina.Por exemplo a Venezuela tem bons sistemas,longo alcance, médio alcance e incríveis 3000 lançadores de iglas de curto alcance.Aqui no Brasil tem dezenas de bases aéreas,centenas de indústrias,dezenas de barragens hidrelétricas.A Siria é um laboratório de guerra como a Espanha foi antes da segunda guerra,só que a Siria é um vespeiro com envolvimento de dezenas de países ocidentais do mundo arábe,Rússia,irsael enfim a população civil e a maior prejudicada.

  32. Em a Síria tendo interceptado 71 de 120 e o Putin pode esquecer aquele míssil de cruzeiro com propulsão nuclear que dá a volta ao mundo 200 vezes e que querem os russos ser ininterceptável.

      • Do fato de que faz sentido considerar:
        “Pantsir C1” -36 instalações
        Instalações “Buk-M2” -18
        “Strela 10M” -30 instalações
        “C-125 Pechora 2M” -12 instalações
        O radar voador estava voando no céu, que ele viu. Os russos levantaram seus combatentes com Khmeimim, e todos dizem que não deram certo … 🙂
        Os aeródromos estavam cobertos com força, o resto é ruim.
        Oficial do Ministério da Defesa da Rússia: “No total, durante a greve reflexão mísseis SAM sírio dispararam 112 mísseis deles – 25-SAM PANTSIR.” Carapaça Buki ‘disparou 29 mísseis, o que tornou possível a bater 24 alvos.’ “Osa ” – 11 SAM e 5 alvos infectados com C-125 -Pechora. 13 SAM e 5 fins tragadas.” STRELA 10 “- 5 SAM e 3 objectivos.” quadrado “- 21 SAM -. 11 objectivos C-200 anteriormente com sucesso” ligado à terra “israelense F-16, desta vez – 8-Zour e 0 gols”

    • Leo,
      Até onde eu entendo as melhores chances de sistemas antiaéreos para deter mísseis cruise subsônicos que voam “colados” ao solo e tendo em vista o relevo irregular da Síria as melhores chances dos sistemas antiaéreos são os de defesa de ponto. Ou seja, deveria haver defesas SHORADS nas proximidades dos alvos.
      A interceptação de mísseis cruise subsônicos na fase intermediária é muito complicada e depende preferencialmente de radares aéreos com capacidade de “olhar para baixo” em combinação com mísseis sup-ar (de preferência, mísseis com seeker autônomo, seja radar ou IR). Mísseis sup-ar com orientação semiativa não são os ideais para a interceptação de alvos que se ocultam pela proximidade com o relevo, como fazem os mísseis cruise subsônicos.
      E isso serve para os Tomahawks mas os SCALPs, Storm Shadows e JASSMs ainda têm um fator complicador que é serem stealths. Isso complica ainda mais eles serem detectados e rastreados e por isso nem precisam voar tão baixo, o que ajuda no incremento do alcance desse tipo de míssil.
      Sendo absolutamente realista, de 105 é plenamente aceitável que alguns (5%) tenham apresentado algum tipo de problema em alguma fase do voo. Desde o lançamento (falha no booster e na partida da turbina ou na abertura das asas) passando pela fase de cruzeiro (turbina, sistema de navegação inercial, GPS, TERCOM,etc.) e na fase terminal (aquisição do alvo, espoleta, etc.). Também pode-se imaginar que em havendo defesa competente nos alvos (Ex: Pantsir) alguns possam ter sido interceptados, mas não muitos porque o ataque foi de saturação e não há meios de lidar com muitos ao mesmo tempo, salvo se houvesse uma concentração incomum de meios antiaéreos, o que parece não ser o caso.
      Esses sistemas mostrados aí em cima são basicamente mísseis de médio e grande alcance com sistemas de orientação por radar semi-ativo que muito pouco fariam.
      O sistema S-300 tem um iluminador montado no mastro que pode ajudar contra alvos muito baixos, mas estamos falando aqui de mísseis que voam a até 30 metros de altura, colados à superfície. O alcance do sistema S-300 contra um míssil desses não passa de uns 20 km se tudo for favorável e aí o míssil cruise pode contornar esses mísseis para não entrar na sua área de cobertura.
      Eu insisto que interceptar esses mísseis na fase intermediária (ou de cruzeiro) é muito difícil e que as melhores chances são com sistemas SHORAD (curto alcance).

      • Bosco, viu o posicionamento da anti-aérea nas colinas? Diria que a fase terminal onde o míssil sobre antes do mergulho também é bastante perigosa e daria tempo de um sistema de média altitude capaz e veloz fazer alguma coisa, principalmente os Buks que contam ainda com guiagem óptica independente das estações de comando e radar.
        Lembrando que o próprio pansistir usa radar semiativo e ninguém duvida da competência contra alvos a baixa altitude….
        Pra mim a quantidade de mísseis não bate com a quantidade de alvos, dada a natureza do alvos, não estamos falando de grandes complexos industriais nem enormes bases militares, esse detalhe precisa ser bem explicado, pra mim ganha força que alguns locais bem protegidos possam ter escapado do ataque.
        As defesas sírias vêem alegando sucesso já faz algum tempo mesmo contra ataques israelenses e nos últimos tempo ficaram mais perigosas isso é notável….

        • Carcara,
          O problema não é o sistema semiativo. É ele combinado com um míssil de média altitude/alcance.
          Só como curiosidade o Pantsir utiliza um sistema tipo ACLOS (comando via RF) e não semi-ativo.
          E nem sempre o Tomahawk sobe para procurar o alvo ou para abordá-lo pelo alto. O Tomahawk opera de 4 formas:
          1- voo nivelado e abordagem lateral do alvo com explosão por retardo;
          2- voo nivelado com trajetória pop-up/mergulho (dive) com abordagem do alvo por cima;
          3- voo nivelado e explosão no ar quando passa por cima dos alvos;
          4- voo nivelado e liberação das submunições sobre o alvo (no caso da versão D).
          Esse vídeo mostra os 4 modos. https://www.youtube.com/watch?v=19XXTArAGaM
          Não há tempo suficiente para um sistema de médio alcance interceptar o míssil na fase “pop-up”. A subida do míssil acontece a menos de 3 km do alvo e até o impacto dura menos de 15 segundos. Não há tempo hábil para um sistema de médio alcance reagir.
          Um abraço.

  33. É incrível ver a inteligência de alguns comentaristas aqui, aonde é que um ataque de mísseis é eficaz para se evitar propagar ataques químicos ? Isso seria o mesmo que espalhar os agentes químicos no ar.

    Outra coisa, até agora no houve se quer imagens de satélite do Pentágono provando a eficácia, afinal no é o Pentágono que tem poderes supremos com satélites ultra caros e imagens de alta qualidade ?

    Enquanto aos mísseis abatidos, tem até imagens de mísseis batendo em arvores, creio que a árvore rebateu ele de volta “ironia”.

  34. Resta a conclusão de que os Russos conseguram produzir sistemas de interceptação adequados a realidade do TO Sírio. No lado comercial a o ganhador foi a Russia. A fila de compradores empotenciaal vai andar mais célere. Acho que agora sai o negócio do Pantsir.

    • É sabido que os sistemas AA russos são excelentes. Não entendo o motivo de tanta discussão quanto ao fato de 30 ou 70 terem sido interceptados. Pela quantidade de mísseis utilizados para apenas 3 alvos, certamente a “coalizão” já esperava por baixas. Até mesmo acredito ter havido uma primeira leva, para descarregar os sistemas AA e uma segunda leva para terminar o serviço. Os tomahawk são ainda muito efetivos, mas é um projeto antigo que já dá sinais de cansaço.

  35. Não a nada de surpreendente em derrubar esses mísseis grandes e lentos. E obvio que 71 é demais, porém aoncontrario do que a coalizão diz, muitos foram interceptados. Percebe-se que essa guerra está cheia de mentirosos. De todos os lados!

  36. Olá.
    Não é de hoje que um dos maiores fronts de combate numa guerra está no campo das (des)informações/notícias: o adversário é sempre “medíocre”; suas armas são pouco mais efetivas que ferramentas agrícolas; a sua ideologia é equivocada, seus valores (morais e legais) são deturpados; seus combatentes são mal treinados e incapazes de oferecer resistência efetiva a um ataque. Mas…
    Quando se trata de destinar recursos para as empresas de armamentos e para as forças armadas, o inimigo assume a faceta de ser praticamente invencível, com armas e equipamentos de última geração (que tornam obsoleto todo o arsenal existente), sendo combatentes bem treinados, motivados e efetivos.
    Como já fora dito, numa guerra a primeira baixa é a “verdade”.
    É importante reconhecer isso. Ou, no mínimo, que se está apoiando um dos lados…
    SDS.

  37. Eu acreditaria na destruição de 71 mísseis em um espectro de mais de 1000 lançados.
    Mas 71 de 100, usando meios de defesa anti aérea um tanto quanto obsoletos? Propaganda digna da época do comunismo.

    • Este é quem está desatualizado lá?
      S-125M Pechora-M está desatualizado? Modernização de 1999.
      Ou Buk-M2 velho e fraco?
      Ou talvez Shell-C1?
      Escreva mais, escritor

  38. Tem o pessoal esperto que acredita que nenhum míssil foi interceptado porque os americanos disseram.

    Tem o pessoal esperto que acredita que 71 misseis foram derrubados porque os russos disseram.

    E tem o pessoal mais esperto que o pessoal esperto, que sabe o número real nem é um nem outro, como em todo comunicado de guerra, de qualquer guerra.

  39. Mais uma guerra de comunicação, mais pela imagens de satélite o ataque foi um sucesso…mais alguem ja parou para imagina o custo de tal operação…

  40. Mais uma vez um falso ataque químico foi a justificativa para atacar bases militares fundamentais para o governo sírio, no combate ao terrorismo. O que deveríamos levar em conta, é que os Estados Unidos e OTAN realizam ataques e destroem totalmente a países soberanos, como Iraque em 2003, Líbia em 2011 e agora Síria; ignorando totalmente o conselho de segurança da ONU. Lembrem-se, pau que dá em Chico da em Francisco. Podemos em um futuro próximo sermos o alvo destes países. Motivações não faltam, de água potável, recursos minerais, florestas e sua relevância. O mundo hoje é perigoso demais para quem ousa ficar na frente dos interesses dos Yankees.

  41. Os russos foram avisados antecipadamente do ataque,certamente não foi revelada a quantidade de misseis que seriam empregados.
    Russos e árabes tem em comum o emprego comum da mentira,ainda bem que eles foram comedidos, pois anunciaram um abate de misseis menor do que o número de misseis que foi realmente lançado pelos aliados.

    • O ataque selecionado a poucos alvos realizado pelos aliados ao carniceiro de Damasco,foi um aviso sério para que o mesmo pense muito antes de atacar o seu próprio povo com armas químicas.
      Não foi atacado a máquina militar que ainda resta,nem a concentração de tropas,nem a alvos importantes,foi apenas um aviso que o ocidente mandou.Também não se usou o fator surpresa.
      O cinismo dos russos de negarem o ataque por armas químicas(os russos sabem que é fato)se prende,apenas,na defesa do aliado,pois para eles é a importante manter a sua base estrategicamente localizada.Quanto a outros a defesa é por viés ideológico ou paixão sectária,a verdade para eles é irrelevante.

  42. Não destruíram um aviãozinho sequer? uma bateria anti-aérea? nada?
    Quanto custa 105 misseis? quanto custa 3 prédios abandonados na Síria?
    Não destruiram um aeroporto, pro Assad não usar para seus aviões lançarem armas químicas?
    Não destruiram um aviãozinho? um tanque? nada? só prédio? só estrutura civil
    Ao menos o primeiro ataque do Trump danificou uns aviõezinhos que já estavam em manutenção.
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    • 100zinho,
      O ataque não foi a aeroporto. Por que aviões tinham que ser atingidos?
      O ataque foi só pra dizer que os pandinhas não são capazes de proteger ninguém e pra isso deve ter utilizado mísseis próximos do prazo de vencimento.
      Os pandófilos podem interpretar isso do jeito que quiserem que não vai mudar o resultado. O ataque aos alvos selecionados foi um sucesso e a artilharia antiaéreo só começou a atirar depois que o ataque já tinha se concluído.

  43. O ataque à Síria foi tão preciso e cirúrgico, que todos os mísseis cairam no mesmo buraco que o primeiro míssel fez…..por isso que os danos foram aparentemente pequenos…kkkk

    E dizem que um militar sírio bêbado, dirigindo uma motocicleta, esbarrou com destroços de um dos 3 prédios danificos e caiu….o bêbado só sofreu arranhões, mas sua moto foi danificada…podemos contabilizar então como uma moto militar danificada para a alegria dos fãs do Trump?

    Breaking News!!! os 105 mísseis que o Ocidente perturbaram o Assad……afinal, como o ataque foi as 4h da manhã, dizem que o barulho o acordou…ele que dormia tranquilamente….os sírios e Assad estão furiosos….

  44. E vocês viram que o Trump twitou que quem destruiu o ISIS foram os EUA, e não os russos? vocês viram? e ainda pediu para o mundo agradecer aos EUA….KKKKK

    Pessoal, vamos todos agradecer: obrigado Tio Satã por fingir, ops, quero dizer, por destruir o ISIS, que vocês mesmos criaram, ops, quero dizer, grupo terrorista que a truculência do Assad criou…

    • Compare o território de Síria e Iraque com o autonomeado “califado” do ISIS e você verá que o mesmo abrangia muito mais território do Iraque. E ali quem deu combate aos terroristas foi a coalizão liderada pelos EUA e não o “super deus” Putin.

      Moral da história: mídia russa só desinforma…

      • Quem combateu o ISIS no Iraque foram as milícias xiitas, auxiliadas pelo Irã. Não os falsos ataques aéreos ocidentais. Tá bom, para não sermos injustos, vamos dizer que os curdos ajudaram um pouco, mas somente quando o ISIS já estava praticamente derrotado e somente para tentar abocanhar território, seja do Iraque, seja da Síria. No Iraque não deu certo; na Síria, caminha para não dar também.

        • “Quem combateu o ISIS no Iraque foram as milícias xiitas, auxiliadas pelo Irã”

          Outra daquelas mentiras repetidas ad nauseam! Sem
          Ataques aéreos para golpear de cima os terroristas e abrir caminho não teria sido possível derrotar os terroristas. E fora um risível ataque com mísseis com mais pirotecnia que efeito prático não houveram ações nesse sentido pelos iranianos.

          Aliás os fascistas iranianos estavam mais preocupados em armar e financiar o Hezbolah em sua guerra assimétrica e de desgaste contra Israel do que combater o ISIS

  45. Alguém mande o telefone do João Sant@n@ para o Tio Putin. O pessoal do marketing russo tá precisando aprender a mentir de forma minimamente convincente. Esse número de abates é só recorde mundial. Kkkkkkkkk

  46. Em algum lugar da Síria devem estar as carcaças dos mísseis abatidos !! Quando o Iran abateu o drone israelense que sobrevoava Natanz eles mostraram a carcaça destruída do drone abatido !! Os israelenses mostraram o vídeo do drone iraniano abatido sobre as colinas de Golan recentemente !!

  47. As forças armadas sírias não possuem S-300, seus sistemas de defesa antiaérea mais atuais são Buk-M2 e Pantsir, segundo algumas fontes, estes dois foram bastante eficientes.

    “O Buk-M2 tem um radar equipado com uma antena que se eleva a 22,5 metros de altura em dois minutos. Isto amplia a zona de cobertura, sendo capaz de detectar mísseis de cruzeiro que operam a altitudes extremamente baixas. Se outros sistemas de defesa aérea, que não contam com uma antena tão alta, podem disparar contra um míssil de cruzeiro voando a uma altitude de 15 metros em um raio entre 12 e 15 quilômetros, o Buk-M2 pode disparar a uma distância entre 40 e 42 quilômetros.”

    É considerando que este ataque foi anunciado e planejado mais como um grande show com fins políticos, do que um ataque real, acho que os 71 mísseis derrubados podem ser um número verdadeiro…

  48. Pessoal pró EUA: deu tudo certo, 100% de eficacia em atingir os 3 alvos mostrados com 103 misseis(?)
    Pró rússia: 71 foram abatidos e não funcionou o ataque.

    Acredito mais que escolherem essas alvos sem grande valor estratégico e que não eram protegidos e demoliram tudo.

    Essa história é bem velha…

    • Paulo,
      Só pra deixar clara a minha posição, eu não acredito na versão russa/síria que 71 mísseis tenham sido interceptados. Duvido muito da possibilidade de mais de 5% serem interceptados e isso na melhor das conformações defensivas possíveis. Mas dou mais 5% de lambuja.
      Isso daria algo em torno de 10 mísseis abatidos.
      Somados a mais uns 5 % que apresentaram algum defeito no lançamento e na fase intermediária e não atingiram os alvos, e temos algo em torno de 15 mísseis que não obtiveram sucesso num montante de 105 mísseis lançados.
      Isso seria um número lógico e credível. Repito o que já disse várias vezes. As ogivas de mísseis cruise quando interceptados ou quando caem por “defeito” sobrevivem ao impacto. É fácil os russos e sírios provarem sua alegação de que abateram 71 mísseis.

      Quanta à versão americana, eu não acredito que tenham sido lançados 105 mísseis. Foi muito menos. Ou em sendo 105 mísseis, não foram só contra os 3 alvos e sim contra mais alvos e por algum motivo os americanos não querem revelá-los.
      Os dois lados estão “falseando” a verdade.

      • Pelo menos admitiu que os dois lados estão falseando a verdade.
        Já há hipótese da bateria ter disparado depois dos ataques, não é verdade, eu acompanhei pelo twitter e os primeiros vídeos que chegaram relatando explosões foi da artilharia anti área disparando, algum tempo depois que chegou os primeiros videos de explosões em solo.
        Não acredito em 71, mas também não acredito que foi somente 3 alvos.
        Por acaso se um tomahawk falhar ele não tem um dispositivo de auto destruição?
        Imagina um míssil desse falhar e cair de bandeja nas mãos dos russos!

        • Kennedy,
          Se um Tomahawk falhar em adquirir o alvo programado (falha, alvo obscurecido por fumaça, etc,) no sistema de imagem ele implementa só a orientação GPS/inercial e mesmo assim atinge o alvo. Ou pode receber uma ordem para seguir para outro alvo dentre os 15 que ele tem na memória ou os “infinitos” que ele pode atacar utilizando só as coordenadas geográficas do GPS.
          Se tudo o mais falhar e ele não achar o alvo ele deve se autodestruir (mas nunca li nada sobre isso), mas no caso dele ser interceptado, duvido muito que ele se autodestrua e mesmo que sua ogiva exploda, ainda assim deve haver fragmentos minimamente capazes de serem reconhecidos.
          Vale salientar que tem Tomahawks que dispersam submunições e portanto não podem fazer sua ogiva simplesmente explodir. Em caso de falha o máximo que pode ser ignitado seria o combustível, então, não há razões para crermos que os Tomahawks com ogiva unitária se autodestruam fazendo explodir sua ogiva.
          Isso é comum de acontecer com mísseis antiaéreos. Esses sim quando chegam ao “final” da trajetória, se autodestroem.

      • Concordo contigo Bosco,

        se a rússia derrubou 71 então é melhor os EUA rever tudo que já está sendo feito há decadas com sucesso, porque não funciona mais nada.

        Penso algo próximo desses numeros que vc citou, menos disparos e a rússia até pode ter interceptado algo, mas não nesses numeros.

  49. Segundo a versão americana forma utilizados 105 misseis, sendo, 66 mísseis Tomahawk lançados de pela USNAVY, 19 mísseis JASSM-ER lançados por dois bombardeiros B-1B Lancer, 8 mísseis Storm Shadow lançados de 4 Tornado GR-4 da RAF, 3 mísseis SCALP por uma fragata FREMM e 9 mísseis SCALP por caças Rafale e Mirage 5.

    Em termos de carga bélica teríamos 29.700 quilos de explosivos carregados pelos Tomahawk, 8.550 quilos de explosivos carregados pelos JASSM-ER, 3.600 quilos de explosivos nos Storm Shadow e 5.400 quilos de explosivos nos SCALP-EG, totalizando 47.250.

    Segundo os EUA, o Barzeh Research Center foi atacado por 76 mísseis de cruzeiro, totalizando 34.200 quilos de explosivos, a instalação em Him Shinshar, foi atacada com 22 mísseis totalizando 9.900 quilos de explosivos e o bunker de Him Shinshar foi atacado com 7 mísseis, totalizando 3.150 quilos de explosivos.

    não é preciso um grande esforço para se perceber que estes números não batem com o resultado demonstrado nas fotos, utilizadas pelos a para demonstrar o sucesso da missão, posto que as construções do Barzeh Research Center form erigidas para funcionar como uma universidade e não como fabrica de armas químicas, não havendo o porque de se falar de bunker ou estruturas reforçadas, sendo que se desejassemos aniquilar este prédio no máximo seria necessários 4 a 5 misseis por estrutura o que daria 15 misseis, da mesma forma o suposto armazém químico de Him Shinshar era composto de 4 estruturas, e segundo os EUA forma usados 22 mísseis, porém a imagem só nos permite perceber 4 crateras, sendo um atentado a inteligencia média do ser humano, afirmar-se que os outros 18 misseis não produziram crateras, pois caíram exatamente no mesmo lugar do primeiro a colidir coma estrutura, lembrando que o CEP de um Tomakawk/Storm Shadow/Scalp-EP/ JASSM-ER varia de 2 a 5 metros na melhor das hipóteses.

    Da mesma forma, bunker de Him Shinshar que segundo os EUA foi atacado com 7 misseis as fotos usadas pelos EUA somente permitem perceber 2 crateras.

    Desta forma, se por um lado a versão apresentada pelos russos carece de prova, tem-se como inconteste que a versão dos americanos também não se sustenta pelas próprias provas usadas pelos americanos, ou seja mais uma vez se comprova que a primeira vitima da guerra é a verdade dos fatos.

    • De fato em uma guerra a primeira vítima é a verdade! Contudo ninguém atenta mais contra ela que regimes despóticos e autoritários tais como os existentes na Síria e na Rússia…

    • O principais países do mundo gastam bilhões de dólares para o desenvolvimento e testes de modelos matemáticos que lhes permita ou dimensionar o tamanho a tonelagem de explosivos necessarios a um ataque ou a quantidade de concreto para produzir bunkers resiste a ataques. Mas aqui o cidadao observa uma imagem de baixa resolução e já prevê qual a tonelagem necessária para os três alvos…

      • Apenas acrescentando Bosco que dos mísseis utilizados no ataque salvo engano apenas o Storm Shadow britânico possui uma verdadeira capacidade anti-bunker com a sua ogiva BROACH

    • Pelas imagens da para notar que foram essas as quantidades de misseis que atingiram os alvos (no que foi atingido pela maior quantidade da para notar que não sobrou nem os bosques ao redor) e os EUA tem sim o costume de lançar vários misseis em alvos deste tipo , principalmente levando em conta que os possíveis estoques de armas químicas teriam que ser pulverizados para não causar danos nas redondezas, agora é um fato que se outros alvos foram atacados e supostamente conseguiram se defender os EUA iriam fingir que não sabem de nada e até poderiam afirmar que atacaram apenas os 3 alvos destruídos, no entanto se os sírios e os russos tivessem destruído meia duzia de misseis que fosse, nessas alturas as imagens dos misseis abatidos estariam em todos os seus meios de Fake o que não ocorreu até o momento.

  50. Peço aos editores que policiem o forista Tireless pois o mesmo adora usar adjetivos pejorativos aos demais foristas, tais como eunuco, proxeneta, etc., assim lembro que a responsabilidade por comentários ofensivos publicados em sites ou fóruns, também é do administrador, posto que cabe a este regular e fiscalizar a manifestação dos usuários, vide as recentes decisões condenando o facebook por postagens injuriosas.

  51. Para a quantidade de alvos que foram atacados e quantidade de mísseis lançados tem algo ai… Pelo visto sabiam que grande parte deles seriam interceptados e por isso lançaram uma centena ‘para garantir’.

  52. Vi num site uma matéria sobre o possível fornecimento do S-300 a Síria pela Rússia após os ataques. Caso se confirme essa notícia, poderemos ver os S-300 entrarem em ação em breve.

    • O S-300 não se presta à interceptação de mísseis de cruzeiro mas sim de aeronaves e também de determinados mísseis balísticos. Para a tarefa são mais apropriados os Pantsir e os Buks…

      • Os S-300 também podem destruir mísseis de cruzeiro.

        É um sistema bem completo. Normalmente possui diferentes mísseis com menor ou maior alcance, que podem ser empregados contra mísseis de cruzeiro, aeronaves e mísseis balísticos.

        Na verdade, o S-300 e o Buk são melhores contra mísseis de cruzeiro, do que o Pantsir, uma vez que possuem radares mais poderosos e mastos ALTOS, fazendo com que o campo de detecção seja muito maior do que o do Pantsir (que possui um masto MAIS BAIXO).

        Uma vez que mísseis de cruzeiro voam BAIXO para evitar a detecção, possuir um radar O MAIS ALTO POSSÍVEL, amplia consideravelmente seu campo de detecção.
        O Buk M2, devido seu radar ficar a 22,5 m de altura, consegue detectar alvos voando BAIXO e disparar contra eles a cerca de 40 km de distância.
        Algo impossível para um sistema como o Pantsir. Porém o Pantsir também consegue disparar contra mísseis de cruzeiro, a cerca de 10 a 15 km de distância.

  53. Não sou simpatizante da RUSSIA nem da SÍRIA, mas a verdade desta guerra e só uma, A primavera árabe não emplacou na Síria, os insurgentes, terroristas, curdos etc estão perdendo a guerra contra Assad com apoio da Russia, o ocidente sabe disto e esta saindo fora da Síria, mas deu uns tiros e fez umas bravatas pra não ficar mau na fita, por ideologia muitos não aceitam ou não querem aceitar, mas quem ganhou esta guerra foi a Russia ..!!

  54. Não acredito que foram lançados 100 ou mais misseis ! Não acredito que foram derrubados 7o ou mais misseis ! Fanfarronices de Donald e seus militares, mentiras de Putin e seus militares, tudo se repete, como sempre na guerra de informações, dou um chute, foram lançados bem menos e interceptados bem menos, o poder de destruição de 100 misseis não justificaria a destruição de tres pequenos alvos terrestres. Assim o Donald justificou o que afirmou e Putin justificou o sitema de defesa antigo fornecido aos sirios.

  55. É incrível como algumas pessoas se apresentam como donos da verdade, sem ter em mãos material algum para poder fundamentar o que quer que seja…

    Trabalho com as informações disponibilizadas, e aplico a razão sobre elas…

    O Pentágono informa que três alvos foram obliterados, com o uso de 105 mísseis disparados.
    As imagens disponibilizadas mostram destes alvos os mostram como prédios, nada grandiosos, modestos até, e um armazém. Ora, ora, são alvos que poderiam ser obliterados com um, ou dois mísseis. É evidente que 35 mísseis por alvo é um exagero!

    Nós fóruns gringos é o que se comenta, a estranheza assombra e são membros de nacionalidade norte-americana os primeiros a questionar…

    A narrativa síria é diferente. Ela se explica através de ataques direcionados para bases aéreas que foram defendidas com sucesso. Neste sentido, a declaração de abate de 70 dos 105 mísseis se torna mais crível do que o direcionamento de 35 misseis para um alvo de 120 m2…

    Detalhe: os alvos destruídos foram vistoriados pela OPCW em 2016, na sequencia do acordo Putin-Obama e estavam vazios, adequando-se as exigências do acordo que previa não só as destruições das ogivas químicas, como do desmantelamento das instalações de pesquisa e produção… Em outras palavras, Trump destruiu prédios vazios.

    • “Neste sentido, a declaração de abate de 70 dos 105 mísseis se torna mais crível do que o direcionamento de 35 misseis para um alvo de 120 m”

      Aquela piada que repetida ad nauseam já até perdeu a graça, especialmente quando não se leva em consideração quais mísseis atingiram cada alvo….

      Aliás é uma pérola de nonsense tão grande quanto considerar críveis os “feitos” contados pelos árabes em seus conflitos contra Israel. Ou que Nasser foi um grande líder….

      Segue o enterro…

  56. César,
    A operação risível e politicamente correta do Trump não se discute. O que se discuti é a interceptação de 71 mísseis cruise que foram dirigidos a alvos sem defesa de ponto e num céu que não havia AEW e nem caças em patrulha.
    O que os russos e sírios querem nos fazer crer é que baterias de mísseis sup-ar detectaram, rastrearam e engajaram 71 de 105, interceptando com sucesso 70% dos mísseis lançados. Interceptação essa que foi feita a partir do chão, na fase intermediária (ou de cruzeiro) de mísseis que voam a menos de 60 metros de altura ou são stealths.
    Para você essa alegação não precisa de provas para ser fundamentada?
    Mísseis sup-ar não atingem (salvo raras exceções) o alvo em cheio e sim explodem do lado, lançando fragmentos e fazendo o míssil cruise cair. Ele pode colapsar no ar (se partir), explodir por conta do combustível e se chocar com o solo. Em qualquer destas situações a ogiva de meia tonelada sobrevive e como quem derrubou sabe ondo o alvo foi interceptado, é fácil achar a ogiva, mesmo porque a região lá não é de floresta ou coisa parecida.
    Pra mim, os americanos mentiram na quantidade de mísseis e os russos que não fizeram nada na hora do ataque e inclusive combinou com o inimigo, depois, inventou de utilizar a mentira americana pra fazer a sua mentira. Ou seja, se eles mentem e dizem que lançaram 105 mísseis nós vamos mentir e dizer que derrubamos 71.
    Ou seja, é o sujo falando do mal lavado.

    • O tipo de operação que os EUA fizeram se chama “demonstração de força”.
      O objetivo, como demonstra o nome da operação, não é destruir efetivamente coisas, mas demonstrar alguma capacidade específica. É o que os chineses estão fazendo no estreito de Taiwan com um exercício claramente destinado a demonstrar sua capacidade de invadir Taiwan. Amadores ficam discutindo quantos misseis são necessários para destruir um prédio. Quem entende um pouco mais do assunto discute:
      a) Qual outro país tem condições de lançar 100 misseis de cruzeiro ao mesmo tempo? Resposta: Nenhum.
      b) Qual outro país consegue lançar misseis a partir de navios estacionados em três mares diferentes (Mar Vermelho, Mar Mediterrâneo, Golfo Pérsico) ao mesmo tempo?
      Resposta: nenhum.
      c) Qual país consegue lançar mísseis de cruzeiros por meio de navios em três mares diferentes ao mesmo tempo em que lança ataques a partir de aviões baseados em duas bases aéreas diferentes?
      Resposta: Nenhum.
      d) Que país consegue fazer ataques aéreos a partir de duas bases diferentes e ainda manter no ar duas frota com aviões de apoio (reabastecimento, AWACS, EW, escolta)?
      Resposta: Nenhum.

      A verdade é que aquele ditado que afirma que “amadores discutem estratégia e profissionais discutem logística é verdadeira”, porque o que ganha guerras é a logística. O ataque americano é uma tremenda demonstração de forças que nenhum outro país do mundo conseguiria fazer.

      • Bosco e Jacinto, conselho de amigo: Não percam seu tempo afinal para quem acredita que o S-200 danificou o F-35I acredita até em unicórnio….rs!

      • a) Qual outro país tem condições de lançar 100 misseis de cruzeiro ao mesmo tempo? Resposta: Nenhum. -> Rússia , Reino Unido, França
        d) Que país consegue fazer ataques aéreos a partir de duas bases diferentes e ainda manter no ar duas frota com aviões de apoio (reabastecimento, AWACS, EW, escolta)?
        Israel, Rússia e China…

        • Carcará,
          Eu sou como São Tomé: só acredito vendo porque o papel aceita tudo. Os russos, por exemplo, comprovadamente, usam três vetores para lançar Kalibr: submarinos Kilo, fragatas classe Grigorovich e corvetas classe Buyan. O problema é que estes navios têm poucas células de lançamentos de Kalibr: salvo engano meus, as fragatas e as corvetas têm 8 células cada e o sub Kilo têm 4 células. Então, para lançar 100 kalibr, os russos precisariam de um frota de mais de pelo menos 12 embarcações a uma distância máxima de 1500km do alvo, e acho improvável que a Russia consiga a disponibilidade para isso sem comprometer suas necessidades em outros locais. Exatamente o mesmo pode ser afirmado do Reino Unido e da França: eles simplesmente também não têm vetores suficientes para lançar 100 misseis de cruzeiro ao mesmo tempo. A China sim, tem condições para isso, mas até onde eu sei a China até hoje nunca disparou um míssil de cruzeiro em condições reais. Na verdade, eu acho que a marinha da China hoje já é mais poderosa do que a da Rússia e está perto dos americanos.

          Em relação a bases aéreas, os russos também não fazem nada disso. Ao contrário, o que se observa dos últimos conflitos em que a Rússia se envolveu (Georgia e Síria), seus aviões voavam sem suporte aéreo (AWACS, EW) e sem escolta.

          • Entendi, na pratica nunca vimos, mas teoricamente existe a capacidade…
            Você esqueceu dos Kh-101, Kh-55 transportados pelos Tu-160 e Tu-95…
            Claro estou somando meios navais e aéreos…
            Isso vale pra França e UK, logicamente…
            Os aviões russos voaram sem escolta durante um tempo, mas ai veio a derrubada do su-24 e isto acabou, também vamos combinar TU-160 nenhum voou sozinho, duvido muito que os EUA mandem escoltas sempre que os A-10 atacam ou mesmo os F-18 (Algo semelhante ao Su-25, Su-24 e Su-34). AWACS os russos chegaram a enviar para síria e EW eles costumam operar a partir do solo, mas também possuem aeronaves dedicadas…

          • A fragata “Daguestão” 1 * 8, cinco “Buyanov” 5 * 8, seis “Varshavianok” 6 * 4, três “Burevestnik” 3 * 8, “Yasen” 1 * 40. Aqui e agora, a Rússia pode enviar 136 calibres em um voleio, perto de suas fronteiras.
            Meça 1500 km das fronteiras da Rússia, não o chão do planeta, mas sobre isso.
            Em qualquer parte do mundo, eles podem facilmente montar: Três “Burevestnik”, “Daguestão” e “Yasen”. No valor de 72 “Calibre”, e, possivelmente, com uma munição especial ….. A superpotência pode ser eliminada. Qualquer.

        • O maximo que os russos conseguiram lançar ao mesmo tempo foi 26, salvo engano meu. Os russos não têm vetores de lançamento necessários. Até o momento há três meios que, comprovadamente, lançam Kalibr: Sub classe Kilo, Fragata classe Griegorovich e Corveta classe Buyan. O problema é estas embarcações têm poucos lançadores. Até onde eu sei, as fragatas e as corvetas têm 8 lançadores e os subs 4. Então os russos precisariam de 12 embarcações em um raio de 1500 km de distância e não tenho certeza de que eles consigam reunir uma frota destas neste perímetro.
          França e UK sofrem do mesmo problema. Acho que o UK até mais, já que seu orçamento de defesa anda meio apertado.

          • Acho que o entendimento foi diferente, contando apenas os meios navais os russos penariam mesmo. Mas a modularidade do sistema kalibir não pode ser desprezada em caso de necessidade imagino que seria possível gambiarras….

          • Não tudo de uma vez.
            O submarino 949AM atualizado levará 72 Calibre ou Onyx.
            Então, para reunir três “Batons” em um bando e dar um voleio para 216 mísseis em qualquer lugar do mundo, a Rússia poderá em cerca de 2024.
            “Não há dinheiro, mas estamos segurando”

      • 1) Rússia. Uma possível salva de 136 mísseis baseados no mar e 684 mísseis aéreos. Total 820. Quanto você perguntou lá? 100? Esta é uma pequena parte das possibilidades russas.
        2) Rússia. O Mar Cáspio, o Mar Negro, o Mar Mediterrâneo. Três mares.
        3) Rússia. Três mares e aviões. ver item 1. n 2.
        4) Rússia. Base “Mozdok”, a base “Engels”, a base “Khmeimim”, a base “Hamadan”, simultaneamente, cerca de um ano atrás. 4 bases simultaneamente.
        5) Rússia. Só então, A-50 radares voadores, Il-78 petroleiros, Su-34 no regime de aeronaves EW operadas.
        Eles foram guardados pela escolta Su-35 e Su-30.
        E – cereja no bolo, Su-24 e Su-25 também bombardearam com Khmeimim. E isso caracteristicamente tudo funcionou.
        A verdade é que no mundo há um país capaz de destruir os EUA em 30 minutos. Completamente Portanto, não haverá grande guerra. 🙂

    • Da para ver que não sobrou nada do alvo atingido com a maior quantidade de mísseis vejam os bosques que tinham ao redor torrou tudo só sobrou concreto torrado no lugar dos prédios parece que formou uma única grande cratera no lugar ao lado das estruturas e o que segurou para não formar essa cratera no lugar das estruturas foi a base delas, anos 90 se não me engano os EUA atacaram a sede do serviço secreto iraquiano com 20 mísseis de cruzeiro então atacar prédios com essa quantidade de mísseis não é novidade.

      Se os sírios tivessem abatido meio dúzia que fosse nessa altura do campeonato estaria a foto dos destroços na primeira página do Sputinik eu acredito que nem um sequer foi abatido porque até agora não vi nenhuma foto ou vídeo, simples assim de análisar os fakes.

      Esses mísseis foram lançados a noite dificultando o visual para mísseis portáteis tipo Igla outra coisa é que eu creio que todos esses mísseis devem ter sido incrementados com algum revestimento absorvente para os radares.

      Se um único tivesse falhado ou fosse abatido seria a principal estrela do Sputinik não sejamos ingênuos isso é um fato.
      E o que se prova com isso é o grande poder deste tipo de mísseis com revestimento absorvente.
      Acredito que se os russos desenvolvessem mísseis com este tipo de material absorvente o ocidente também está em apuros.
      Não há defesa guiada por radar para este tipo de mísseis.

  57. Só de curiosidade, um artigo que li ontem detalha a doutrina de defesa americana contra mísseis cruise e especificada 3 fases ou camadas:
    1ª fase: atacar as fábricas e depósitos de mísseis cruise, atacar as bases aéreas e navais, atacar os vetores (aviões em voo, navios no mar, etc), etc. Ou seja, essa fase implica em impedir que os mísseis sejam lançados;
    2ª fase: defesa ativa: interceptar os mísseis em voo, seja na fase intermediária ou na fase terminal. É a mais difícil! Implica em um alto grau de C3I, sensores em terra e no ar. A interceptação na fase de cruzeiro é melhor efetuada por meios aéreos (AEW e caças) e por sistemas de mísseis sup-ar autônomos (radar ativo e IR) vetorados por uma rede de radares em terra de alta densidade. Já a defesa de ponto seria efetuada por meios SHORAD nas proximidades dos alvos;
    3ª fase: defesa passiva: esse modo visa proteger os possíveis alvos para que sobrevivam a um ataque bem sucedido. No caso, é o reforço de bunkers, etc.

    • Historicamente, o desempenho dos sistemas SAM têm sido muito inferiores àquele esperados ou propagandeados pelos fabricantes. E para usar um exemplo insuspeito eu cito sempre o caso dos Patriots na Guerra do Golfo: inicialmente acreditou-se que o desempenho havia sido excepcionalmente bom (97%), mas depois chegou-se á conclusão que o desempenho havia sido excepcionalmente ruim (10% se tanto). Nos conflitos em que o USO de SAMs foi minimamente bem documentado nunca um sistema, em condições reais de combate, teve um pk de 50%. Ao contrário, em geral eram muito mais baixos do que estes. E recentemente, um Patriot israelense falhou ao atacar um drone. A solução é mesmo atacar o arqueiro antes dele disparar as flechas…

    • Obrigado! Muito interessante a parte sobre guiagem. Eu achava que o uso do GPS era secundário, pois assim o míssil ficaria mais imune a interferências do inimigo, mas parece que eu estava enganado

  58. Alem dos 71 mísseis derrubados, a defesa área da Russia ou da Síria derrubam 3 OVNIS oriundos de Alfa Centauro.
    Esses misseis antiaéreos da Russia são o melhores do universo.

  59. Simples! Se de 103 mísseis lançados pelos Franceses, Ingleses e Estadunidenses 71 foram derrubados e eles mostraram que suas bases militares estavam intactas, é porque não eram somente aqueles alvos que os 32 mísseis restantes que passaram e acertaram…

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here