Home Aviação de Caça F-35: custo do upgrade Block 4 quadruplica, mas pode não ser suficiente

F-35: custo do upgrade Block 4 quadruplica, mas pode não ser suficiente

5941
166
F-35As da USAF

O custo do programa de atualização Block 4 do F-35 – que deve permitir que a aeronave atinja suas especificações contratuais completas – quadruplicou desde agosto, de acordo com as últimas estimativas que surgiram durante as audiências no Congresso dos EUA em 7 de março.

Em agosto, o Government Accountability Office (GAO) informou que a atualização Block 4 deveria ser gerenciada como um importante programa de defesa por causa de seu alto custo, que então estimou em US$ 3,9 bilhões.

Durante uma audiência de 7 de março de 2018 do subcomitê tático de forças aéreas e terrestres da Câmara dos Serviços Armados (HASC), o chefe do programa F-35, o almirante Mathias Winter, disse que o Block 4 (cujo nome agora foi alterado para Continuous Capability Development and Delivery (C2D2) custará US$ 10,8 bilhões até o ano fiscal de 2024.

Ele disse a repórteres após a audiência que estes US$ 10,8 bilhões apenas abrangem o desenvolvimento, e que um adicional de US$ 5 bilhões seria necessário para a aquisição, informou o Inside Defense em 7 de março.

Durante a mesma audiência, o representante Niki Tsongas de Massachusetts estimou o custo total da fase C2D2 em US$ 16,4 bilhões até o ano fiscal de 2024, dos quais US$ 11 bilhões (perto de US$ 10,8 bilhões de Winter) para desenvolvimento e US$ 5,4 bilhões para aquisição.

“Este custo potencial de US$ 16 bilhões é uma quantidade incrivelmente alta e, na medida em que eu tenho conhecimento, excede em grande parte os valores de custo fornecidos anteriormente ao Congresso”, disse Tsongas durante a audiência.

F-35A

US$ 16 bilhões podem não ser suficientes

Alguns observadores, no entanto, acreditam que a estimativa de US$ 16 bilhões pode realmente subestimar o custo do desenvolvimento, aquisição e implementação do programa C2D2.

Esta opinião baseia-se no fato de que o Joint Program Office (JPO) anunciou arbitrariamente que a fase System Development and the Development do F-35 (SDD) será superada – e, portanto, não financiada – no final de junho deste ano.

Como conseqüência, todo o dinheiro futuro necessário para corrigir e testar em voo as muitas deficiências do SDD restantes (mais outras que aparecerão invariavelmente) terá que ser pago pelos orçamentos anuais do C2D2.

Agora, vem a estimativa do JPO de US$ 10,8 bilhões para todo o trabalho de desenvolvimento C2D2 até o ano fiscal de 2024, mas “esse dinheiro deve cobrir tanto a montanha suspensa de correções de deficiência quanto o desenvolvimento de uma lista de desejos de capacidades novas, extremamente ambiciosas, de modernização ‘banhada a ouro’ para ser adicionada às capacidades ainda bloqueadas do Block 3F, relativamente simples”, observa um insider experiente da indústria.

A conta do SDD total, até o desenvolvimento incompleto do Block 3F e o final arbitrário do SDD, é de US$ 55,5 bilhões (em dólares do ano).

Isso significa que o JPO está implicando que um simples complemento de 20% (US$ 11 bilhões de Winter) para a lei de desenvolvimento anterior pagará:
a) completar e testar em voo o Block 3F,
b) correções e teste de voo 1.000 + deficiências do SDD conhecidas e graves,
c) correções e teste de voo, das inúmeras deficiências descobertas que certamente surgirão durante os testes muito mais rigorosos do IOT&E a partir do ano que vem, e
d) desenvolvimento e teste de voo em toda a lista de desejos de capacidades de “modernização” do Block 4.

Isso parece impossível, e um dos motivos pelo qual o relatório anual do DOT&E 2017 avaliou o atual plano C2D2 como “inexecutável”.

As somas são ainda mais improváveis ​​para a aquisição do C2D2, que é estimado por Winter custar US$ 5 bilhões para comprar e adaptar as capacidades C2D2/Block 4 para todos os 998 jatos F-35 projetados para estar na frota a partir de 2024.

Isso implica que a compra e a adaptação de todas as capacidades do Block 4 – além de todas as correções de deficiência não resolvidas – custarão cerca de US$ 5 milhões por aeronave, o que parece improvavelmente baixo.

F-35B do Reino Unido

Custos adicionais substanciais para parceiros estrangeiros

Por causa do modo como o programa está estruturado, os seis parceiros estrangeiros podem esperar pagar altos custos adicionais para a atualização C2D2.

Winter disse que os custos de desenvolvimento serão compartilhados com os aliados dos EUA, deixando o Departamento de Defesa responsável por US$ 7,2 bilhões, informou o Flight International em 8 de março, o que significa que os países parceiros terão que arcar com US$ 3,8 bilhões adicionais.

Em um relatório de 19 de dezembro, o Comitê de Defesa da Câmara dos Comuns escreveu (página 23) que “a Lockheed Martin também informou o Comitê que, após a conclusão da fase SDD, que as nações parceiras no programa estão empenhadas em desenvolver aprimoramentos nas aeronaves em serviço através do Continuous Capability Development and Delivery (C2/D2). De acordo com a Lockheed Martin, eles esperam que o Reino Unido pague aproximadamente 4,5% do custo total para desenvolver e integrar novas capacidades no F-35”.

A Força Aérea dos EUA não tem dinheiro para o C2D2

O tenente-general Jerry D. Harris, Jr., vice-chefe de gabinete para planos e requisitos estratégicos, advertiu durante a mesma audiência de 7 de março que a Força Aérea dos EUA não tinha fundos para pagar a atualização C2D2.

“A Força Aérea está preocupada com o financiamento da modernização Block 4. O Congresso reduziu a modernização subseqüente do F-35 no ano fiscal de 2017 em aproximadamente sessenta por cento (60%) e no ano fiscal de 2018, o Congresso está recomendando uma redução de 25% no financiamento da modernização subseqüente.

“Não consigo enfatizar o quanto é importante que financiemos o Block 4. Estamos em uma etapa crucial em que devemos comprometer-nos com o trabalho de desenvolvimento para garantir que possamos disponibilizar esses recursos para satisfazer uma necessidade de 2025”.

FONTE: Defense-Aerospace.com

166 COMMENTS

  1. Outra coisa!
    Se a linha de produção do f-22 foi desmontada e o F-15 aposentando não vá me dizer que essa coisa do F-35 será espinha dorsal da defesa aérea dos EUA!?!?
    Pelo amor de Deus!!!!

    • E será. Sorte deles, a espinha dorsal russa será formada pela linha Su-27 tunado (Su-30 e Su-35) 40 anos depois da entrada em operação do mesmo.

  2. Eita projetinho cujos custos a níveis estratosféricos não param nunca de subir, e que a partir de agora poderão atingir custos verdadeiramente de naves espaciais, sem no entanto sequer poderem deixar a atmosfera terrestre.

  3. Sou leigo no assunto, mas olha esse detalhe!!
    A cabeça do piloto está abaixo da linha da linha dorsal da aeronave!
    Esse detalhe é o chamado “erro crasso” em condições de combate aéreo aproximado!!!

  4. Senhores,
    Se o contribuinte americano acha que vale o problema é deles.
    Tem tanto programa caro vindo por aí que esse F-35 aí é pechincha.
    Lá nos EUA parece que tem carpideiras de plantão com intenção de sabotar tudo que o Estado quer fazer na área de defesa.
    Podiam utilizar esse jornalismo investigativo pra ver o quanto vai custar e o que os contribuintes russos acham deles terem mísseis hipersônicos, drones submarinos nucleres, mísseis cruise de propulsão nuclear, mísseis e mais mísseis, etc. Isso sim tá me interessando.
    Andei dando uma olhada nos próximos programas de armas americanas depois da divulgação do relatório que estabelece a atual postura nuclear americana e pra cada um que fala bem tem 10 que falam que não adianta, que não vai funcionar, que custa os olhos da cara, que não vai ter verba, que não serve pra nada, etc.
    Tem hora que essa democracia e liberdade de imprensa enche o saco, principalmente quando é unilateral.
    Só pra vocês terem ideia do tamanho do problema e da choradeira, os EUA querem renovar toda a tríade nuclear. Serão novos bombardeiros (B-21), novos mísseis de cruzeiro (LRSO), novos submarinos SSBNs (Colúmbia), novos ICBMs (GBSD), renovação dos Tridents, novos veículos de reentrada, etc.
    E ainda querem voltar a colocar mísseis nucleares de cruzeiro nos submarinos de ataque e armar os F-35 com bombas nucleares B-61/12.
    E pra complicar, ainda estão ampliando o sistema defensivo. Serão mais mísseis GBI no Alasca e mais modernos ainda. Em 2020 serão equipados com uma carga de múltiplos veículos cinéticos.
    Também não estudando uma base dos GBI na costa Leste e o desenvolvimento de lasers disparados de drones stealths para interceptar os ICBMs inimigos logo que eles levantam voo.
    E ainda tem os programas convencionais. Dezenas de navios e submarinos.
    Está e progresso toda a atualização das forças armadas americanas e se a gente ficar dando ouvidos às carpideiras de plantão lá no Congresso Americano pra poderem fazer lobby pro patrão de cada um, aqui no Brasil, onde a gente gasta 5 meses do ano pra pagar tributos a esse Estado corrupto e ineficiente, vamos pirar de vez.

    • Bosco, não haverá dinheiro para todos os programas, os congressistas estão cortando esse ano novamente o dinheiro para o upgrade dos F-35. Por isso a USAF e US Navy estão modernizando seus F-16 e F-18, para dar uma sobrevida aos caças enquanto o F-35 não fica pronto.

      Mas a cada novo atraso e aumento de preços para os upgrades, o futuro dos F-35 parece cada vez mais parecido com o do F-22: interrupção da linha de produção.

    • Bosco, não vai ter dinheiro para todos esses programas, ainda mais depois do corte de impostos do Trump, vai ser uma verdadeira briga de foices para arranjar dinheiro para tudo isso que você listou, o lobby vai rolar solto para ver qual programa ganha, qual que perde dinheiro e qual que vai ter que ser cancelado devido a falta de verbas

      • Otimista ? Eu sou otimista e, sinceramente, acho que vão deixar o ‘Aadvark II” para investir na 6ª geração e UCAVS.
        Acreditar que “. . . daqui pra frente, tudo vai ser diferente . . .” está mais para ser fantasioso do que ser otimista.

      • O Bloco IV, nada mais é, do que uma nomenclatura para escamotear as tentativas de se sanar os problemas de desenvolvimento do F-35. Não tem nada de modernização, ou um novo programa de atualizações.

        • Talvez o F-35 deva ficar apenas do Bloco 3F sem incorporar novas armas nos 50 anos de vida útil planejada do vetor Wellington…..

    • Cara, os contribuintes americanos não estão nem um pouco contentes com o F-35. Tudo bem que ele leva uma tecnologia nova que precisa de tempo para amadurecer, mas até lá, você ainda vai ver muito americano que fala de aviação tirando sarro do F-35, como “o programa custou DUUUUUUUUUAAAAAASSS vezes mais que o estipulado e demorou DUUUUUUUUUAAAAAASSS vezes mais que o planejado… Mas hey! O que são trilhões de dólares para nós quando tem parceiros ajudando?”

  5. Vamos lá fãs do efinho! O pato ainda não pode fazer nada além de participar de show aéreo (desde que não haja previsão de chuva), mas por apenas mais alguns bilhões de dólares a gente acha que pode ser que talvez ele venha a funcionar direito, tá?

    • Por falar em ‘pato’, você me lembrou que o Boeing X-32 recebeu o apelido dos internautas (ou seria marketing da Lockheed?) de “Ugly Duckling” .
      Já eu costumo chamar o F-35 de “Aadvark II”, porque, assim como no programa do F-111, também prometeu muito e entregou pouco.

  6. Não deve existir investimento melhor que ações da Lockheed-Martin. Graças ao contrato “cheque em branco” que alguns corruptos do Pentagono assinaram nesse projeto, tudo que a Lockheed precisa para aumentar os lucros dos investidores é isso aí encima.

    “Oh desculpe seu deputado, aquele valor foi ano passado. Agora custa tanto. Ah, e mande lembranças para o fornecedor ‘X’ do programa do F-35 no seu estado, tenho certeza que a contribuição de campanha desse ano vai aumentar um pouquinho também”.

    • Pode por uns oficiais da USAF, USN e USMC na conta de “corruptos” (ou na de iludidios). Quando a USN e o USMC perceberam que o F-111B não entregaria o fora prometido, cancelaram o programa. A Própria USAF quando percebeu que seu “caça” não serviria como caça reduziu os custos e o aceitou para a função de ataque.

  7. Opinião de 9 em cada 10 “especialistas” sobre os programas americanos:
    1-desenvolvimento do B-21: caro, porcaria, não serve pra nada.
    2- desenvolvimento do LRSO: caro, imprestável, ridículo
    3- desenvolvimento do Colúmbia: caríssimo, jogando dinheiro fora, não precisa
    4- desenvolvimento do substituto do Minuteman: rasgando dinheiro, não precisa, ineficaz
    5- desenvolvimento dos novos DDG-51 III: caros, fracos, pouco armados, não servem pra nada
    6- desenvolvimento dos mísseis antibalísticos GBI e SM-3 IIA: queimando dinheiro, super caro, não garantem nada.

    Já os mesmos sobre as extravagâncias russas e chinesas:
    1- míssil antinavio DF-21D: destruídor de porta-aviões, carrasco de porta-aviões
    2-Su-57: fantástico, barato, bem feito, não dá problema, põe o F-22 no bolso
    3-Torpedo atômico de 100 megatons: baratinho, não atrapalha em nada o orçamento da Rússia, bem bolado
    4- míssil de cruzeiro de propulsão nuclear: jogada de mestre, maravilhoso, vai fomentar a indústria local, incapaz de ser interceptado, invencível.

    • Bosco,
      Lembre que o próprio DoD segue esses ciclos deste o começo da guerra fria:
      I) Para o que é estadounidense:
      1- O que temos disponível já é insuficiente, precisamos de algo novo;
      2- O que estamos desenvolvendo será o melhor do mundo;
      3- O que estamos pondo em operação é o melhor que pode ser feito;
      4- Repete o ciclo.
      II) Para o que é “de fora”
      1- Esse projeto ou novo modelo é uma ameaça em potencial para os EUA;
      2- Se o congresso vetar nossos projetos, não poderemos garantir a segurança nacional;
      3- Nossos novos modelos estão nos mesmo níveis do inimigo;
      4- Os modelos operacionais dos nossos inimigos foram superestimados, não são tão bons assim, são completamente inferiores aos nossos
      5- Repete o ciclo.

      Isso vai se repetir sempre. Toda vez que se valoriza algo Russo ou Chinês, se justifica o desenvolvimento de “algo melhor”. Toda vez que criticam algo nacional (deles) justifica também o desenvolvimento de “algo melhor”. Como se desenvolve “algo melhor”? com um orçamento bem grosso do congresso.

  8. Senhores, creio que devamos julgar uma aeronave não pelo que ela promete, mas sim o que ela cumpre. Nesse aspecto, essa aeronave tem sido nada além de promessas vazias. Não me digam por favor que ele tem tecnologia romulana, ou klingon ou vulcana, ou a maior tecnologia embarcada da história bla bla bla e que quando pronto será o ultra mega power pika das galáxias. Não façam suposição sobre o que o contribuinte americano deixa ou não de pensar, afinal aqui estamos para discutir a aeronave em si. E ela, até hoje, só tem sido um fiasco.
    Ah, e não venham também com conversa que eu seja antiamericano, russofilo etc, pq, caramba, já cansou esse papo de aranha.

    Novo termo para os fãos do efinho: efinhólatras. Só pode ser doença olhar para esse projeto e falar que é o Ó do borogodó.

    • Wagner,
      Não podemos dizer que o F-35 é um fiasco, muito pelo contrário, existem centenas de caças encomendados e mais de 200 entregues, qual outro programa de caças em andamento que tem estes números?
      Estão sendo divulgados inúmeras noticias sobre os problemas do desenvolvimento, aumento de custos, obviamente o programa (na realidade são 3 aviões distintos) tem problemas MAS estamos sabendo pela transparência dos governos que estão envolvidas, não afirmo que não existe mais coisa debaixo do tapete, porém é claro o processo de governaça deste projeto, coisa que não vemos em outros países.
      Existe muito diz que diz sobre radares chineses e russos que podem detectar até que facilmente os aviões, mas até agora, mesmo com a preocupação sobre os custos ascendentes, não existe fuga dos parceiros. Temos que admitir que os militares americanos, brtianicos, Italianos, Israelenses, Japondeses entre outros tem muito mais informações do que são divulgados pelos “experts” e mesmo assim, não desistiram.
      Voce pode acreditar no que quiser mas quem está comprando, continua apostando na eficiência do avião.
      Abraços

      • O que define fiasco de sucesso é a capacidade do projeto de entregar aquilo que foi definido dentro dos parâmetros de Tempo e Custo pre estabelecidos. Mesmo se aceitando uma margem nos custos e tempo decorrido, o fato é que esse programa falhou miseravelmente em sua gestão de custos. Só a fase de pesquisa e desenvolvimento consumiu mais de 100 bilhões, e ainda não esta pronto.

    • Trata-se de um projeto inovador, tudo nesse avião é novo e no estado-da-arte: radares, compartimento de mísseis, design, capacete, HUD, enfim, tudo. Quando se opta por algo tão inovador já deve-se levar em conta os riscos altíssimos. O fato é que o avião pode não estar pronto mas já se encontra em estado avançado e, amigo, quer você ache ele bom ou ruim, uma parte significativa das potências mundiais já estão de olho nele vide Alemanha, Japão, Itália, Inglaterra, Coréia do Sul, dentre outras. Basta procurar aqui no PA e irá confirmar o que acabei de digitar.

  9. Wagner,
    Você discuta o assunto do jeito que lhe bem aprouver e sem precisar encher o saco de quem vê a coisa diferente de você.
    Você e seu pensamento representa a minoria aqui. A maioria é representada pelas 3 forças armadas americanas que irão operar o caça e por mais uns 10 países pelo menos, independente da minoria achar o caça caro e ineficaz.
    Até que o programa seja cancelado, que todos os envolvidos estejam presos, que todos os clientes tenham cancelado os pedidos e processado a Lockheed, eu fico com a maioria.

  10. Eu por exemplo, acho um absurdo a FAB ter optado pelo Gripen mas apesar de ser contribuinte brasileiro eu não fico externando minha insatisfação tendo em vista que são favas contatas. A coisa toda já tá feita.
    O mesmo é o programa F-35 que irá durar 20 anos e que ainda estará voando em 2050. Ele não tem volta. Por mais caro que seja o que tem que ser visto é seu custo benefício no final e não há nada que me convença que ele é um programa equivocado do ponto de vista tecnológico ou doutrinário.
    Se custa caro, pra quem já tá pagando 15 reais num cafezinho em aeroporto no Brasil, não é tanto assim.

  11. Fico imaginando para onde vão esses 55 bilhões do block 4.
    É para comprar novos computadores que corrigirao os problemas?
    É para pagar os engenheiros?
    É para pagar a eletricidade dos laboratórios onde os engenheiros passarão noites sem dormir até solucionarem os problemas?
    Afinal de contas, que problemas são esses?
    E como vão resolve-los?
    Usarão ouro no avião para resolver tudo?

    • Na minha opinião o pior de tudo é o governo aceitar que a LM aumente os preços constantemente. Acredito que o Congresso deveria chamar os representantes da LM e perguntar, quanto vocês realmente precisam para entregar o que foi acordado? Aí se a Lockheed falar 100 bilhões de dólares pega, paga (fazer o quê) e fala agora chega, não vamos mais repassar nem um centavo para vocês.

    • Porque tudo tem de ter planilha de custo.
      Solucionar problema de um avião é basicamente “raciocínio”. A mente dos engenheiros e computador.
      Você pode colocar um trilhão de dólares nas mãos de engenheiros indianos ou turcos e eles nunca conseguirem desenvolver um caça de quarta ou quinta geração.
      O que resolve problemas não é dinheiro.
      É pensamento e conhecimento.
      E se algo não é conhecido, precisa haver habilidades.
      Um determinado problema, tido como complexo, pode ser resolvido em um dia ou em uma década.
      Por exemplo, hackers podem conseguir descobrir brechas tecnológicas “de graça” em curto período de tempo enquanto engenheiros da NASA podem nunca descobrir.
      Não se trata de dinheiro ou de tempo.
      É um mix de capacidade potencial com criatividade e sorte e algum dinheiro.
      Esse problema do alinhamento dos painéis do F35 pode muito bem ser resolvido num estalar de dedos ou passar 20 anos batendo cabeça.
      Em primeiro lugar não deveria haver painel algum.
      Mas se há, não deveria haver desalinhamento.
      Deveriam ter previsto há 15 anos que os painéis montados por “técnicos” não ficaria bem alinhados.
      Falhas elementares…
      Não precisa ser engenheiro aeronáutico para saber disso.
      Alguém com conhecimento acerca de projetos de engenharia ou de engenharia de produção entenderá o que estou falando.

      • Parabéns Nonato.
        Este foi o melhor comentário que li até agora.
        Esta bola de neve chamada F-35 está crescendo de maneira descontrolada e já passou do ponto de retorno a muito tempo, muito dinheiro já foi gasto e não dá mais para simplesmente cancelar ou sair do programa.

      • Sim. Perdemos bilhões desenvolvendo o KC-390. Deveríamos ter contratado bons engenheiros e dado a eles computadores com bons softwares de desenho e simulação.

  12. O F-35 é tão à frente de seu tempo que até os seus inúmeros e propalados avanços são furtivos … Mesmo seus custos são ocultos do radar econômico enquanto não são abertas as baias contábeis onde se alojam …

  13. Eu acho o programa muito caro, mas como entusiasta de tecnologia ( não apenas a militar, mas sabendo que a mesma é a que recebe mais investimento e mais retorna para as mais diversas áreas do conhecimento humano), quero mais é que os EUA gastem o que tem e o que não tem, não só no desenvolvimento do F-35, mas em outros programas. Nem que o Trump precise colocar a Melania pra rodar bolsinha em Manhattan… 🙂 Voltando ao tópico e aos desdobramentos dos posts, a maior prova que o F-35 tem futuro, foi a sua aquisição por Israel, não só pela sua “expertise” na área ( mais que comprovada), mas pelo simples fato deles não poderem blefar com sua segurança.

  14. Caro Bosco, parece que vc não gostou da noticia, deve ter doído. Muitos dizem que não são especialistas, eu também não sou, mas acredito que deve ter doído no orgulho pátrio, vc devia se mudar pra os EUA. Esse projeto é uma roubada sem tamanho…. aceita que doí menos.

    • Você é que tá preocupado com o preço do F-35 que o contribuinte americano terá que arcar mas é você que me sugere ir morar lá? Parece que você se preocupa mais com os EUA que eu.

  15. O Bosco fica bravo …mas nenhum outro projeto de defesa americano é tão caluniado como o F35, eu pelo menos não vejo tantas críticas ao B21, ou outros equipamentos que estão a desenvolver ….
    Se falam tanto mal é por que tem alguem dos EUA mesmo conspirando contra isso…
    Mas é bem complicado até para trocar o pneu o preço e um ,depois já é o dobro…
    Já as extravagância Russas tem preço ,são U$320 diluído para 8 anos , este é o preço que sera gasto , no novo progamas de armas ,se não der para fazer tudo… : Tome atraso….apenas isso…

  16. Em resumo , típico tiro que saiu pela culatra… ou… um projeto estilo bazuca.. aditivos ao infinito , engordando contas bancarias de alguns ..lobistas, senadores, empresários, etc.

    O triste seria que na real necessidade do aparato … ele se mostrar inoperante e ou pior , ineficaz.

  17. Uma máquina mortífera sem igual (alguém encara?) que no seu tempo valerá cada centavo investido, certamente. Apenas uma opinião.

    • Os melhores lobistas são da Lockheed. Eu não duvido nada do Fluminense ter contratado algum lobista da Lockheed pra assessorar seus advogados.

  18. Um avião incomparável neste tempo, e para um bom prazo. O que superá-lo será já a sexta geração, que provavelmente será bem mais disruptiva. Há que se considerar, ainda, amigos, os projetos secretos dos EUA. Como são financiados os projetos secretos senão por atrasos e correções que se precisam fazer em um projeto público como é o F35? Não é teoria de conspiração não. Se você for analisar a história americana, a maioria das invenções militares, inovações, não estavam previstas no orçamento. Ainda assim saíam. Americano não brinca em serviço, faz do serviço uma brincadeira. Editores… Não sumam com meus cometários, por favor!

  19. “Como conseqüência, todo o dinheiro futuro necessário para corrigir e testar em voo as muitas deficiências do SDD restantes (mais outras que aparecerão invariavelmente) terá que ser pago pelos orçamentos anuais do C2D2. ”

    “Isso significa que o JPO está implicando que um simples complemento de 20% (US$ 11 bilhões de Winter) para a lei de desenvolvimento anterior pagará:
    a) completar e testar em voo o Block 3F,
    b) correções e teste de voo 1.000 + deficiências do SDD conhecidas e graves,
    c) correções e teste de voo, das inúmeras deficiências descobertas que certamente surgirão durante os testes muito mais rigorosos do IOT&E a partir do ano que vem, e
    d) desenvolvimento e teste de voo em toda a lista de desejos de capacidades de “modernização” do Block 4.

    Isso parece impossível, e um dos motivos pelo qual o relatório anual do DOT&E 2017 avaliou o atual plano C2D2 como “inexecutável”.”

    Caros foristas não vou nem comentar os custos. O F35 nem pode entrar em combate e já esta recebendo atualizações, ou tentando,de uma etapa que nem foi concluída. O que é muito estranho são colegas tentando defender o indefensável ficar com argumentos pobres que beira a mediocridade, desviando o foco do assunto para outros projetos dos EUA como se isto justificasse este descalabro do F35, sem falar que fica pior quando começam a comparar com o J20 ou SU57 que mesmo que estes projetos sejam uma bomba não prestem pra nada, não altera em nada a a situação do F35.

  20. Mais uma notícia ruim sobre os custos do programa F-35, e comentários piores ainda. O programa F-35 foi mal gerido em relação à recursos desde o início. É um programa extremamente caro, cujos custos saíram de órbita diversas vezes. Ele não é o primeiro e nem será o último em que esse tipo de coisa ocorrerá. Converse com qualquer militar americano que ele vai dizer que o sistema de aquisições está quebrado e que deveria ser totalmente refeito, mas para isso ainda é necessário passar pelo congresso e os lobistas. Normal. A diferença é que esse projeto em si tem uma visibilidade que outros tantos não tiveram, como o F-111, por exemplo. Provavelmente existem outros tantos tão escandalosos quanto, e eventualmente mesmo depois da desastrosa ‘Combat Lancer’ o F-111 evoluiu para ser uma aeronave de ataque fantástica para seu tempo.

    Ainda assim, o F-35 está anos luz à frente em capacidade, situation awareness, guerra netcêntrica, etc. Tentem ler a opinião de diversos pilotos, das tripulações de terra e pessoas envolvidas diretamente com o desenvolvimento da aeronave o que acham dela. O salto tecnológico dado pelo F-35 em relação à controle e gerenciamento do campo de batalha é algo tão absurdamente avançado que é realmente difícil de compreender. Imaginem a cabeça de um piloto de Harrier do USMC quando passa para o F-35B. É uma evolução de outro Mundo para ele. Abre um leque de possibilidades que era impossível de sequer ser imaginado, isso para citar um exemplo bem nítido.

    Existem muitos aqui se contradizendo em relação ao projeto, afirmando que uma aeronave deveria ser julgada pelo que é, e não pelo que se profetiza, e já julgando que o programa falhou completamente, mesmo a aeronave ainda não tendo sido terminada e ainda estando longe da FOC. Isso que eu não entendo, parece uma torcida contra ou coisa parecida. Falta um pouquinho de olhar crítico e vontade de pesquisar das pessoas, para não falar daqueles que não conseguem enxergar o campo de batalha aéreo do futuro, ou pelo menos as projeções para os mesmos, o tipo de equipamento embarcado, etc.

    Sugiro que procurem estudar um pouco mais sobre o programa F-35, suas vantagens, desvantagens e como ele deve operar no futuro. Em países sérios, nada é feito sem motivo. E por mais que os custos sejam escandalosos, e dignos de rigoroso escrutínio, as capacidades e inovações do F-35 simplesmente remodelam a maneira de lutar no ar e tornam viável diversas idéias que até bem pouco tempo atrás eram apenas idéias.

    E antes que os radicais estilo 8 ou 80, preto ou branco, alardeiem que estou dizendo que o F-35 É INVENCÍVEL, precisam compreender que NÃO EXISTE aeronave invencível. Em combate TODO MUNDO é alvo passível de ser derrubado por N fatores. Pode ser a melhor aeronave do Mundo, com o piloto mais bem treinado no Mundo, que dependendo da situação, um bando de ignorantes com fuzis apontados para o alto pode simplesmente derrubar um avião desses ou qualquer outro que seja, como a História já provou diversas vezes.

  21. O dpto de defesa americano é uma posssilga. Todos estes custos adicionais estão engordando as contas de um monte de políticos e seus lobbys. Por mais que venham aqui defender que nos EUA tudo funciona melhor, os políticos de lá não são diferentes dos daqui.

      • Ricardo: Este não é um parâmetro de comparação entre políticos. Moro em Santa Catarina e meu estado tem uma das melhores qualidades de vida do Brasil e nem por isso os nossos políticos são melhores que o resto da cambada.

      • Só a título de comparação qual projeto militar brasileiro sofre a escalada de preço dos projetos estaduninenses. Eles atrasam, demoram, não sei sobre superfaturamento pois ainda não ouvi falar, mas deve ter também. Mas não escalam eternamente como os projetos do Pentágono. Tá na cara que isso não é natural.

    • São bem parecidos sim, mas não tanto. Recentemente ficaram um tanto piores. Há dinastias inteiras de políticos profissionais por lá. Mas não chegam ao patamar Brasileiro. O caso também é que se um deles for pego lá, e condenado, o cara vai para a cadeia. E geralmente os envolvidos em processos assim entregam o cargo.

      Um exemplo interessante que deveria ser mais conhecido por aqui é o de Randall Cunningham. Foi o único ás da Marinha Americana durante o Vietnã. Depois que saiu da Marinha teve uma longa carreira como Republicano. Aparentemente aceitou uma graninha por fora para favorecer algum projeto dentro do comitê das Forças Armadas para comprar uma nova casa ou algo parecido, um montante de mero milhão e meio de dólares. O cara de herói de guerra e político respeitado foi cumprir pena, onde dava aula para outros presos.

      Eu sinceramente ainda gostaria de ver a Hilary atrás das grades. Com a saída de Obama e a não-eleição da Hilary, a tendência é que as coisas melhores um pouco, mas ainda vão ter políticos inescrupulosos, e infelizmente políticos são assim na maioria dos países.

      • Pois é Leandro. O FBI tava com as algemas na mão para pegar a Hillary, mas de repente tudo foi jogado para debaixo do tapete. Teve também a adesão em massa da imprensa americana à favor dela. Não que eu ache o Trump o certinho na estória, longe disso.

        Essa última eleição americana abriu meus olhos para ver como a coisa funciona por lá. Instituições, imprensa, eleitorado. Muito parecido com aqui, diga-se de passagem.

        • Só esse contrato entre o Pentágono e a Lockheed Martin produziu de sobre preço faz com que a roubalheira da Copa, Olimpiadas e da Petrobras parecer troco de padaria. Caso houvesse uma investigação policial séria sobre esse programa, eu fico imaginando os podres que o FBI descobriria sobre a Lockheed, Pentágono e Congresso. Seria, de longe, a maior operação policial do mundo.

    • Verdade Johnnie, politico é igual em qualquer lugar do mundo, a diferença são as leis e a justiça. Aqui no Brasil, como nem a justiça e nem as leis funcionam os politico/bandidos perderam o medo e agora fazem tudo na maior cara de pau! Lá no EUA eles tem o que temer, e apesar de também roubarem pra cacete eles o fazem em menor quantidade e chamando menos atenção, pois lá as coisas funcionam melhor.

  22. Se brincar o F-35 ainda custa menos para o contribuinte americano que o Gripen NG para o brasileiro. Se brincar não, com certeza custa menos. Estamos pagando 150 milhões por cada Gripen. E o pessoal daqui horrorizado e morto de preocupado com contribuinte americano. Só observo rs.

  23. Quer dizer que o SDD, que termina em Junho e que já custou 55 bi para o desenvolvimento INCOMPLETO do Block 3, vai deixar como herança para o C2D2 (adorei a sigla, principalmente o Continuous) aqueles 2600 problemas citados numa matéria do mês passado, dos quais 300 seriam críticos (com potencial para groundear as aeronaves)? E que sem levar isso em consideração, o C2D2 vai custar mais 16 bi? E ainda por cima: o número de problemas NOVOS superam o número de problemas RESOLVIDOS (de acordo com aquela mesma matéria)? Jesuis, isso não vai acabar nunca?*

    *Nem vem dizer que não sou contribuinte do Fisco americano. A matéria é sobre custo do F-35. Se somente pudesse ser comentada por contribuintes americanos, nem teria sentido ser postada aqui no Aero.

  24. Enquanto houver o “cinquentão” f-15 a situação tá favorável pros EUA, sem mencionar o que possui a marinha de f-18 e ainda há os f-22 na força aérea… A grande verdade é que o poder aéreo e naval que os EUA possuem em uma força tarefa com 1 Nae e suas escoltas é maior do que a o poderio de marinha e força aérea da América Latina inteira. Para terminar, antes 4 f35 que 40 f5m

  25. Sinceramente, já temos problemas demais para ficarmos preocupados com o contribuinte americano. E se o EUA é um país maravilhoso, terra abençoada onde muitos aqui gostariam de ter nascido, também não vem ao caso.
    Eu acompanho assuntos de defesa porque tenho interesse pela engenharia envolvida. E neste quesito a Lockheed está dando vexame. E dizer que o avião usa tecnologias desruptivas não é desculpa, pois as boas práticas de gerenciamento de projeto levam isso em conta, ainda mais nessa área. Imagina se no projeto Appolo, que era extremamente disruptivo para sua época, tivessem feito tanta besteira. Até hoje estariam tentando chegar à lua …

    • Trump já deu sinais de que não gosta do F-35 e acenou no início do seu governo com a possibilidade de comprar mais F-18 modernizados em lugar do F-35. Trump pode ser o presidente que vai encerrar o F-35, assim como Obama encerrou o F-22. Os EUA já estão com mais de 50 milhões de pobres, por causa da crise de 2008, a pressão pela redução de gastos vai aumentar, ainda mais depois do corte de impostos para corporações, que aumentou a dívida americana em mais 1 trilhão de dólares.

      • Galante, o programa do F-35 já passou do “point of no return” há bastante tempo! Encerrar o programa agora implicaria no pagamento de multas, indenizações e outros encargos que certamente excederiam em muito o valor de US$ 16 bilhões acima citado. Isso sem falar no fato de que deixará o ocidente sem opções ante a crescente agressividade e expansionismo de Rússia e China.

        Agora, é fato que o congresso dos EUA será bem mais inflexível agora com a LM

      • Chances do F-35 ser cancelado é mínima, na verdade se quer cogita-se isso, próximo lote terá quase o dobro de unidades do último e a escala de produção está aumentando a cada lote, se quer estão pelo menos mantendo a escala a cada lote, estão aumentando e muito. As últimas declarações de Trump foram só elogios ao F-35.

          • O F-22 foi um programa apenas dos EUA, especialmente em virtude de uma lei que proibia sua exportação. Por seu turno o F-35 é um programa que envolve parceiros internacionais que inclusive investiram dinheiro, linhas de montagem no exterior (Cameri e Nagoya) e outras parcerias industriais (ex: IAI está construindo 800 conjuntos de asas em suas instalações no aeroporto Ben Gurion). Romper tudo isso traria prejuízos de ordem econômica e geopolítica incalculáveis…

        • Acho, que se ainda existe algum grande problema no projeto – emergencial ou urgente nas grandes novidades, ferramentas novas para os pilotos e sobre sua capacidade de discrição radar – o volume de entrega deveria ser estagnado e o $$ das compras congelados até a solução desses problemas fossem apresentadas, catalogadas e men$uradas.
          .
          Esse capitalismo de comprar a aeronave sem ela estar.pronta parece que é para capitalizar a Lockheed para solucionar os problemas mais discretos com o $$ também de outros países.
          .
          A necessidade de formar pilotos das 3 versões já está sendo sanada c as aeronaves entregues. Além disso há o simulador.
          .
          Correções urgente e emergenciais de qualquer produto implica em um recall pesado, seja de software ou de hardware. Esse $$ não aparenta estar calculado. Pior, está diretamente relacionado as soluções que ainda terão seu financiamento aprovado.
          .
          Alguns problemas de ordem computacional, que envolve milhares de códigos, por vezes podem ser resolvidos com maior velocidade simplesmente reescrevendo. No passo que o projeto está parece que estão impondo um seguir em frente sem organizar os “módulos” iniciais, “empilhando andar por cima de andar” em uma “edificação” com problemas de “fundação”. Estão literalmente arrumando a estrutura da aeronave com o bixo voando.

    • Se tivesse joinha para clicar no teu comentário, eu tinha clicado 10 vezes.

      Eu ia dizer que não se faz mas engenheiro como antigamente, mas seria uma injustiça. Na verdade acho que o correto é administradores e políticos. A SpaceX está por aí para provar que a engenharia ainda é competente.

  26. “Se brincar o F-35 ainda custa menos para o contribuinte americano que o Gripen NG para o brasileiro. Se brincar não, com certeza custa menos. Estamos pagando 150 milhões por cada Gripen. E o pessoal daqui horrorizado e morto de preocupado com contribuinte americano. Só observo rs.”
    .
    Não estamos pagando U$ 150 milhões por cada Gripen E/F.
    Essa é a conta preguiçosa, que divide o valor TOTAL do contrato por cada caça adquirido.
    .
    Mas zé mané continua achando que é a mesma coisa, pegar o preço fake de “não sei quantos milhões” de um F-35 do lote bichado, que precisa de N correções e comparar com o preço de Gripen E/F, adquirido em um contrato fechado, sem cheque em branco.
    .
    Só com esses U$ 16 bi que o “contribuinte americano” pode ter que desembolsar, pra corrigir os problemas desses F-35 dos lotes bichados, poderíamos comprar os 108 Gripen E/F que a FAB quer, e sobraria muito, mais muito dinheiro para outros projetos.

    • Pois é Bardini. Infelizmente o pessoal não sabe ou quer esquecer o que é o preço flyaway que é o mais divulgado do F-35. Esquecem que só quem paga isso são as forças armadas americanas. Todo o resto tem que comprar pacote, que facilmente pode dobrar o preço da unidade em contas de padaria.

    • Esses 16 bi são para upgrade (desenvolvimento e elevação para o Block 4). Block 4 não faz mais parte do programa de desenvolvimento que se encerra no Block 3F. Estamos pagando 150 mi (aeronave mais ToT) sem armamento, quanto custa um F-35A block 3F hoje ? 94 milhões e 80 milhões em 2020. Se dividirmos os 55bi do desenvolvimento para as 3000 unidades dá 20 milhões por aeronave, ou seja, um Block 3F vai sair por aproximadamente 100 a 110 milhões.

      • Cara… Na boa: “Estamos pagando 150 mi (aeronave mais ToT) sem armamento”
        Compramos todo um PACOTE:
        Caças
        ToT, treinamentos diversos e toda uma Estrutura Física.
        Pacotes Logísticos para operação, um que vai até 2021 e outro 2021-2026.
        Simuladores.
        Pacote de armamentos.
        Entre outras coisas…
        .
        Não compare o preço do Gripen E/F com preço de FAKE-35…
        .
        “quanto custa um F-35A block 3F hoje ? 94 milhões e 80 milhões em 2020.”
        .
        Tem o pacote de toda a logística?
        Tem armamento nessa conta?
        Tem todo o pacote de treinamentos?
        Tem simulador na conta?
        Se comprarmos, como Offset o caça pode ser montado aqui?
        Teríamos acesso ao código fonte?
        …. blablabla…
        .
        Sabe quanto o pacote dos 36 Super Hornet, que é uma aeronave mais em conta que o F-35 custaria ao Brasil, naquela época?
        .
        U$ 7 F* BILHÕES.
        Então, meu caro, estais reclamando com a barriga bem cheiinha.

  27. @OFF mas nem tanto

    Rola boatos de que o Chile poderá comprar alguns F-35 para substituir os seus F-16

    Como ficará a balança do poder aéreo na América Latina caso isso aconteça? Vocês acreditam que os EUA venderiam o F-35 para o Chile?

      • Bardini, se nao estou enganado, o F-35 participou em 2016 tbm; eu estava lá, mas como nao havia comprado com antecedência o ingresso, nao pude ir. Caótico para entrar

    • Vai ser bom para quem não gosta do Chile. Será as Malvinas dos chilenos. Em 50 anos estarão como a Argentina está hoje. Se é que me entende.

  28. Os problemas do F-35 são suas especificações as mais ambiciosas já colocadas numa aeronave e que ainda não parou de subir ( “esse dinheiro deve cobrir tanto a montanha suspensa de correções de deficiência quanto o desenvolvimento de uma lista de desejos de capacidades novas”, ou seja os militares americanos querem ainda mais dele ) aliadas a uma transparência sem igual no mundo – nós aqui do Brasil estamos discutindo seus problemas como se tratasse de uma escalação da seleção de futebol. Só um lembrete: quanto de custos extras tiveram programas europeus muitíssimo menos avançados como o Typhoon e o Airbus A400M? Sem falar que nada sabemos sobre os programas da Rússia ou da China.

  29. Imagine quando fizerem uma “Lava Jato” no complexo militar americano, o quanto de maracutaia não deve ter ali embaixo hein?

    Mateus 10 de Março de 2018 at 16:41

    Não existe razão nenhuma pro Chile comprar F-35, tanto que os Chilenos nem são próximos o bastante dos EUA pra “poder” comprar o F-35.

    • Err…. podem sim. E são próximos o suficiente sim. De fato, acredito que mais próximos deles do que nós. O que pesa bastante à nosso favor é o tamanho do nosso mercado.

  30. Até a presente data o projeto F35 tem entregado menos do que tem prometido, e por um preço assustadoramente maior.
    Até mesmo as entregas tem sido num ritmo lento e em quantidades muito pequenas para poder substituir os milhares de F-16 cansados de guerra.
    Até a presente data a relação custo x benefício do projeto F35 tem sido claramente desfavorável. Então porquê americanos e aliados continuam? Simples: porque não tem outra alternativa. O F35 é o plano B do caríssimo F22 e não há plano C no horizonte para um fracasso do F35. Os americanos simplesmente não tem outra alternativa. Ele precisa funcionar, custe o que custar. E vai custar caro, muito caro.

    • Porque não reabrem as linhas de produção do F-15 e F-16 ? O MIG-35 é um desenvolvimento do MIG-29, mesma célula mas com melhores tecnologias. Não dá pra fazer isso com o F-15 e o F-16 a um custo menor ? Aliás, a Boeing lançou o F-15 Silent Eagle! Caramba, os americanos já enfiaram bilhões de dólares no avião e ele ainda não atingiu os requisitos especificados!

      • Na verdade, as linhas de produção do F-15 e F-16 ainda estão abertas, o próprio Silent Eagle que você citou é uma prova disto. E os americanos querem vender o F-16 para a Índia.
        Mas creio que a saída não seja olhar para o passado, mas para o futuro, um futuro projeto de caça furtivo, que também possa funcionar como UCAV e que tenha um preço de aquisição e manutenção acessível não apenas para os americanos quanto para os aliados.

  31. Leio diariamente os blogs da trilogia mas nunca comentei, mas hoje achei relevante. Vamos lá.

    O custo do F35 é surreal? Sim. É absurdo? É.

    Mas e o custo de fazer estádios de futebol aqui no Brasil? Isso sim é absurdo, são inúteis e daria pra fazer uns 3 estádios novos só com a reforma do estádio em Brasília!

    Acho legal comentarmos e falarmos sobre o PROJETO do F-35, mas falar de corrupção ou de superfaturamento já acho que é fichinha perto do que temos por aqui.

    • Tanto o F-35 quanto os estádios são elefantes brancos, e ambos foram péssimos negócios. Até agora o F-35 como arma de guerra tem menos utilidade do que os estádios para a prática esportiva.

    • Tentar justificar o descalabro que é o programa F-35 comparando com o gasto inadequado e inútil de nossos estádios é meio fora de propósito. Muitos de nossos estádio novos não servem para nada, mas nem por isso o programa F-35 ficou mais dentro do razoável.

      • Por isso eu disse que comentarmos o PROJETO é relevante. O projeto é um fiasco, com prazos e orçamentos estourados, com a utilidade questionável e ainda sem nenhum resultado visível. Em nenhum momento eu disse algo para justificar o programa do F-35!

  32. Esse projeto nao tem como ir para frente no nr de aeronaves projetado no inicio. Vai dar q nem o f22.
    Daki uns dias aparece um projeto tampao p colocar no lugar do f35.

  33. Por tudo que já foi gasto, a menos que o F-35 supere as capacidades de combate da NCC-1701 Enterprise, não tem mais como o custo – benefício deste programa ser considerado positivo! Ainda não está desenvolvido completamente e bate a porta de de 1,5 trilhão $. E vem muito mais por aí!

    Agora, pra muita gente que encheu os bolsos com todos os superfaturamentos desse programa, com certeza este valeu a pena e muito (e valerá ainda mais até o final)! Quem sabe até isso possa ser benéfico no final… Estes que embolsaram uma baita grana podem investi-la na Nasdaq e na Dow Jones fazendo o dinheiro girar e dinamizando ainda mais a economia local. 😀

  34. Mas o projeto f35 sem dúvida tem sido um laboratório grande. Americano nao tem medo de errar nao. E twm recursos p isso. E aprendendo c os erros desse projeto o próximo virá no estado da arte e com muito aprendizado em termos de custo tmb. Já deve estar saindo da prancheta.

    • Eles tem recursos em teoria, pois na prática não é bem assim não, é muito mais complexo do que isso, a bola de neve que o EUA criou em sua economia não para de rolar e de crescer, e eles já sabem que se não bolarem uma forma de conter isso pode ser tarde demais. Eles já não são mais aquela economia de cinquenta anos atrás, o mundo mudou muito.

  35. Essa história de custos exorbitantes de desenvolvimentos de aeronaves é bem antiga. Para os que não conhecem, o custo de desenvolvimento do B-29 foi de US$ 3 bilhões ( o projeto Manhattan da bomba atômica custou 2 bi ) e teve muitos problemas no seu caminho, sendo o pior os motores que teimavam em explodir, chegando ao ponto de não se poder deixá-los funcionando em terra pois a faltava o ar em velocidade que ocorria quando voava p/ resfriá-los adequadamente.

  36. Off Topic mas…Nem tanto. Lembram daqueles 6 A 29 vendidos pra um cliente misterioso?
    Bom, bola cantada, aparentemente são pro Chile. Assim aumentaria pra 18 ST A 29 a Frota FACH.

  37. hahaha F-BUG não para de decepcionar. O pior é que tem gente que realmente acredita que o custo desse caça é de 130 milhões de dólares e ainda questiona o preço do Gripen, bom para rir um pouco. vai entender né?!

  38. Em termos de custo é quase um Black Project. São tantos aumentos e remendos, de dezenas de milhões aos múltiplos dígitos de bilhões, que é quase impossível saber o quando de fato se gastou por unidade. O fato e que o preço de padaria próximo aos 100 milhões de Trumps é peça de ficção produto de puro lobby.

  39. os problemas dos F35’s são os mesmo do Typhoon e do Atlas (A400M):
    a)Primeiro muitas forças armadas
    b)Múltiplos requisitos (todos querem mais)
    c)Múltiplas doutrinas (querem poucas mudanças na doutrina atual, ou seja, ele deve ser empregados em varias maneiras)
    d)Politica: cada pais querem, é direito deles, que tal componente e/ou x% seja do seu pais logo a de escolha não é dos engenheiros não entre componente A ou B é entre agradar a País C ou D (ocorreu isso no atlas)
    e) Desenvolver peças e design para aeronaves bem diferente (A e C podem dizer que são versões diferente de aeronaves mas a B é uma aeronave bem diferente)
    f)São aplicação de um conceito em uma aérea nova (para o conceito no caso o F35B, ele é o primeiro 5°g V/STOL supersônico).
    g)Tentam diminuir o custo mesmo com os item de a) a d) (é impossível se isso continuar assim).

    É acho que quem sonhou o F/A 22B deve está com vontade deter um BlackNote e uma caneta!!!

  40. A solução é!
    Transformar o F-22 em uma “Coisa” tipo frankeistain que possa atacar e bombardear!!
    Tira o pouco que deu certo no natimorto (F-35) e parafusa no F-22!!
    Más é claro que não funcionaria! rsrsr
    Outra seria fabricação em larga escala milhares F-35 para vencer na quantidade e não na qualidade!
    Agora falando sério, espero que os EUA tenham outros projetos de quinta geração na área 51 por quê se não tiverem!!!!!

  41. Olá.
    De forma simples: é caro, está caro para atualizar, mesmo em linha de produção custará caro e, quase certamente, será caro para manter.
    Logo: vai vender menos do que se esperava.
    SDS.

  42. Daqui a 30 anos leremos nesse blog a matéria: “Aviões quase famosos” F-35 o computador voador que nao deu certo!!!! Kkkkkkk Abraços

  43. Acredito que os problemas do F-35 são mais sérios do que aparenta. Desprezando os custos elevadíssimos, mas que podem ser bancados pelos USA e seus parceiros que estão se fiando no F-35 como solução, acho que o mais crítico é ele até o momento não ter sido testado em combate. Porque, se já houveram oportunidades para isso? Quando vai acontecer? No Block X?
    Para mim, essa é a principal evidência de algo errado mais grave, e não apenas custos elevados.
    E a Boeing? Vai ficar assistindo o sumidouro de dinheiro na LM em silêncio? Vai ficar apenas no F-15 Silent Eagle?
    Acredito que o tema “custos elevados” do F-35 nos trará surpresas ainda este ano…

  44. Como alguém pode dizer que esta aeronave é pica das galaxias se ela não pode se quer combater. Ela não esta pronta, logo não pode ser comparada de forma segura. DE MESMA FORMA O SU 57 ou o J20 e todos as aeronaves em desenvolvimento, simples assim. Não da pra comparar projetos inacabados, isto seria achismo.

  45. “Winter disse que os custos de desenvolvimento serão compartilhados com os aliados dos EUA (…) o que significa que os países parceiros terão que arcar com US$ 3,8 bilhões adicionais.”
    Isto, mais o descaso do Trump pela Europa, mais as tarifas do aço e alumínio, e depois querem que a Europa compre F-35.
    E quanto mais países desistem do F-35, mais caro fica para quem permanece nele.
    .
    Israel comprou (ou ganhou ?) o F-35 simplesmente porque não há outro. Não há alternativa para o F-35.
    .
    “Custo total da fase C2D2 (Block4) em US$ 16,4 bilhões”
    Isto paga os 108 F-39 que a FAB precisa e sobra muito troco para armamento ! Já pararam para pensar nisso ?

  46. Uma comparação meio que de alhos com bugalhos, cada um na sua escala, mas ate parece que o programaF35 é a copa do mundo deles, o F35 são nossos estadios da copa e a Lockheed-Martin a Odebrecht deles.

  47. O F-35 é um avião com três modelos diferentes sob o mesmo projeto.
    Sendo assim é lógico que todo e qualquer custo extra será multiplicado por três!

    Um detalhe que ninguém fala.
    Israel já tem o F-35 deles, tinha encomendado 33, no fim do ano passado compraram mais 17.
    O Japão já tem os deles. E vão comprar mais. Inclusive de outra versão.
    E do pessoal que já recebeu algumas unidades, ninguém cancelou as encomendas.
    e alguns estudam ampliar…

    Mas pra que levar isso em consideração. O negócio é dar pau no caça.
    Só pode falar bem de avião russo nesse site.

  48. Só vale a pena

    Se e somente se

    100 aviões deste for para o campo de batalha penetrar as defesas anti aérea do inimigo destruir tudo é volta todos sem serem detectados

    Mas um inimigo com capacidade relevante

    Não vale estes países falidos que usam armamento e tecnologia de 30 a 40 anos.

  49. Quero ver algum país manter este caça operacional por no minimo 10 anos com este custo…se nem entrou em operação ainda, já tem que fazer atualizações mais atualizações, para os americanos sim, agora quero ver os outros paises manter isso , pelo menos nos quatro canto do mundo vai ter um F 35 num museu daqui a alguns anos….

  50. Vou repetir a Lei do F-35 ( que já enunciei aqui ):
    Não importa o ano, o F-35 SEMPRE precisará de mais 500 bilhões de dólares e 5 anos de desenvolvimento para ficar pronto !

    • Tadeu,
      Caça nenhum fica pronto tendo em vista que todo ano aparecem novas armas, novos radares e novos sensores e eles são integrados ao caça. Isso acontece com todos os caças do mundo.
      No F-35 não é diferente, só a ênfase dada pela mídia é que é diferente.
      O block 4 pretende integrar ao caça as bombas SDB-2 e JSOW C-1 (que só estarão operacionais na USAF e USN esse ano) e a bomba nuclear B-61-12 que também não teve seu desenvolvimento integrado. Além de algumas armas estrangeiras (turcas, britânicas e norueguesas).
      Haverão “infinitos” “blocks” porque haverão infinitas novas armas e sensores e softwares que serão integrados ao caça nos 50 anos que estiver em operação, então, pensando assim, ele não ficará pronto nunca, do mesmo jeito que o F-16, o F-15, o F-18, o F-22, etc.
      O Block 3F é considerado o padrão onde o caça se encontra completamente apto ao combate com capacidade multiruole plena sendo capaz de operar o AIM-9X, o AIM-120D, a JDAM, o JSOW, a WCMD, a Paveway, a SDB.

      • Verdade Bosco.
        Porém se a cada necessidade de integração de novos armamentos/sistemas ficar na casa dos 10(exp 9) dólares, manter esse bicho vai custar “caro para carvalho”.
        Será viável um custo desses?
        SDS.

        • Maurício,
          Num comentário meu não publicado eu fiz menção ao F-35 amalgamar toda o sentimento anti-imperialista que está em voga nos… EUA. Lá eles dão ênfase aos números que denigrem o programa mas duvido que não haja vozes discordantes. Fosse a maioria esmagadora contra o programa e fosse tão claro o programa ser completamente equivocado e ele já teria sido cancelado.
          O que há lá em relação ao F-35 é uma equivalência do que ocorre aqui na discussão do déficit ou do superavit da Previdência. Enquanto uma parte prova por A + B que ela é deficitária a outra faz o mesmo e prova que ela é superavitária.
          Qual lado está mentindo?? Acho que nenhum. São pontos de vista diferentes que se moldam de acordo com as conveniências e os políticos, a mídia, os eleitores e os contribuintes escolhem em quem acreditar no sabor de suas convicções ou interesses.

      • Bem lembrado, Bosco. O block 3F é o padrão “definitivo”, pelo qual o caça é considerado apto a combate. O block IV é um acréscimo/complemento.

        • Minha dúvida é se existem erros não tratados na versão 3F esses erros impediriam a total funcionalidade das armas planejadas para esse bloco?
          Como já disse anteriormente acredito que o F35 se tornará operacional um dia, mais hoje o mesmo não o é.

  51. Curioso notar que as críticas feitas pelos congressistas americanos ao F-35 são algo similares as que eram feitas a geração teen, lá pelos anos 70 ( F-14 que o diga… ). Bom… Tá aí…

    Prezados, os americanos vão chegar a um denominador comum. É inevitável que cheguem. Até porque, não tem escolha…

    Mais uma vez, recordo-os que a frota da USAF é geriátrica, assim como boa parte da frota do USMC e da USN… E não há alternativa que não o F-35. Ponto. É isso ou voltar a fabricar caças F-16…

    Outra coisa que ninguém está pondo da balança: os clientes externos, somados aos membros originais do programa, já ultrapassam a dezena…! Portanto, diferente do F-22, não dá pra simplesmente cancelar o programa… Como disse o amigo HMS, já passou do ponto de não retorno…

    Seja como for, não nos esqueçamos do principal: a parte mais complicada já foi feita. A aeronave em si, em suas três versões, já está desenvolvida e está voando. Quase metade do que já foi exposto, é questão de software relacionado ao desempenho em combate e integração. É aí que estão concentrados os principais problemas para avançar para além do IOC. Fora isso, praticamente todos os demais entraves estão relacionados a fornecedores que dão mancada e a linha que precisa evoluir para cumprir melhor com os requisitos… Não que isso seja simples ou não vá custar caro, mas de tudo o que já foi apontado até aqui, não é nada que não possa ser feito.

    Fora isso tudo, insisto que se houvessem investido em uma variante simplificada no começo, já estaria totalmente operacional desde o começo da década. O mesmo F-35, com o “recheio eletrônico” do F-16 block 60 e a motorização já comprovada do F-22, seria “o caça”, tanto para a USAF como para ser exportado… E depois disso, com o tempo, faziam-se os upgrades necessários, o que é aparentemente o caminho escolhido pelos russos e chineses, como seus Su-57 e J-20 respectivamente…

    Ora… Eis um ponto que certamente está fazendo pressão contra o F-35: as forças aéreas dos potenciais adversários dos EUA, tem e terão suas espinhas dorsais constituídas por aeronaves cujos projetos remontam ao final dos anos 60, tais como o ‘Flanker’. Logo, todos se perguntam se haverá mesmo necessidade de 1700 caças F-35 ou do próprio F-35… Assim sendo, um meio termo para se ter algo tecnologicamente avançado e em bons números, poderia ser encontrado justamente na forma deste F-35 “simplificado”, legando ao Ocidente a vantagem de ao menos deter uma maior proporção de aeronaves VLO.

    • Pois então RR, este é o ponto, um projeto ambicioso demais. Não se pode ignorar, ou menos prezar as críticas, apesar de concorda de que todo novo projeto tem seus problemas iniciais e falhas, algo natural, o problema está na extensão destes problemas e do contínuo aumento dos seus custos. Ai, não há orçamento, por maior que seja, aguente. E é este o principal problema, estouro orçamentário.

      Quanto ao futuro das forças estadunidense, não tem jeito, é F-35, ou F-35, o problema, mais uma vez, vai ser seu custo-benefício.

  52. Tudo é difícil e tudo é caro para fazer-se o intercâmbio de armas, softwares e outros sistemas das aeronaves, sejam elas americanas, européias ou russas. A mão de obra especializada, instalações caras, etc…
    Não seria o caso de contratar os técnicos dos terroristas iemenitas? Eles mostraram sua capacidade derrubando um F-15 saudita, com parte de um equipamento adaptado, montado num Toyota…
    É brincadeira, mas tem alguma verdade nisso. Já passou a hora de auditoria séria, independente e competente ser contratada pelos governos para auditar projetos que explodem custos. Nunca ouvi falar que já tenham feito isso…

  53. Se esse avião tem tantos problemas, mesmo tendo sido construídos pelo país que teve os primeiros caças steath da história, corpo técnico e orçamento suficiente, imaginem os problemas existentes nos caças similares da Rússia e China (onde todos os projetos nascem perfeitos e se alguém questiona-los na mídia vai pra bala…aliás, na China nem mídia livre existe, idem Rússia). Esse tipo de aeronave é tão complexa, quando feito da forma que deve ser feita, que o Japão está desistindo de entrar nesse “ramo”.
    É, pelo jeito não se trata apenas de um tinta mágica para fugir dos radares.

    • Ivan BC,

      O caso dos japoneses é específico… Já contarão com o F-35 e provavelmente lhes será permitido participar do desenvolvimento de upgrades futuros deste caça.

      Fora isso, há outras prioridades, como o AEGIS Ashore recém adquirido.

      É certo que chineses e russos foram menos fundo em seus caças furtivos, iniciando o desenvolvimento com versões “preliminares” destes, e pretendendo evoluir gradualmente e de acordo com as possibilidades e necessidades. E se não conseguirem, perdem menos… Lembrando que eles também tem outras prioridades… Os russos, por exemplo, precisam recompor sua força naval, boa parte ainda oriunda da Guerra Fria.

  54. O F35 passou a ter credibilidade no momento em que Israel optou por em operação e fazer mais compras adicionais.
    Como li no comentário acima Israel não tem o direito de errar!!!

  55. “O custo do programa de atualização Block 4 do F-35 – que deve permitir que a aeronave atinja suas especificações contratuais completas”
    Gastaram um caminhão de dinheiro e essa porcaria de avião ainda não atinge as especificações contratuais. É brincadeira isso! Os americanos se enfiaram numa tremenda roubada com esse avião. E pensar que esse avião vai ser a espinha dorsal da USAF. A Força Aérea Americana irá a falência com esse avião!
    Espero que a US Navy não caia nessa e continue comprando o velho e bom Super Hornet!

  56. Eu acredito que o governo americano precisa realmente passar um pente fino geral nesse projeto e mais em um monte de coisas. Vejam os custos do último lançamento da Space-X, um foguete de uma empresa privada, que segundo dizem, ficou em pouco menos de USD 100 milhões, enquanto que estimativas de futuros lançamentos da NASA, estatal, poderão chegar a USD 1 bilhão cada!!! Outro dia li no Poder Naval que cada granada “inteligente” dos canhões do DDG Zumwalt iria custar quase USD 1 milhão!!
    Tá acontecendo lá a mesma coisa que acontece aqui no Brasil: enquanto você, consumidor, paga R$ 2,50 por um lápis, uma prefeitura consegue a proeza de pagar R$ 8,50 pelo mesmo lápis !!!
    Tem alguma coisa errada nessas histórias todas e isso se chama corrupção, e das grandes!!! Os fornecedores saber que vão vender para o governo, e botam o preço lá em cima! Cadê os órgãos de fiscalização ? Já li uma vez, infelizmente não me lembro onde, que o governo pagava 4 vezes mais no preço de 1 parafuso do que o consumidor americano!
    Esses dias vi no http://www.rt.com que o Trump iria contratar empresas independentes para fazer uma auditoria no Pentágono! Com certeza ele vai achar um monte de sujeira por lá!!! E, ironia das ironias, o governo americano deverá pagar o triplo do que pagaria uma companhia privada para essas empresas de auditoria !!

  57. Matheus 10 de Março de 2018 at 17:03

    “Não existe razão nenhuma pro Chile comprar F-35, tanto que os Chilenos nem são próximos o bastante dos EUA pra “poder” comprar o F-35.”

    Certo pra primeira e errado pra Segunda.
    O Chile não precisa de F 35. Na atualidade, todos os seus possíveis inimigos estão sob controle (por assim disser). Mas de fato, o F 35 foi oferecido ao Chile há alguns anos (Acho que foi em 2013) Mas seus custos são ainda, muito proibitivos pra uma força que tem um orçamento de U$ 660 Milhões anuais.

  58. Eu entendo tal fato do F-35 receber “upgrades” em seus sistemas como algo legal, mas limitado ao “hardware” da aeronave em si.
    Lembro do meu K6-2 500 não conseguir rodar o Win XP. Lá se foi ele, substituído por outra placa, processador, memória, hd…
    Imagino que em algum momento serão lançados blocks, programas, aplicativos, etc., que não serão suportados pelas configurações atuais do hardware aviônico do F-35, necessitando a troca de componentes físicos.
    Tal acontece em qualquer MLU, mas temo que o F-35 e seus sucessivos blocks levarão isso a outro nível. E quem não puder bancar terá algo como um Intel 9 rodando Windows XP.

  59. O Gripen E está ainda em desenvolvimento, mas a diferença é que os suecos sabem o quanto ele custará, quais as tecnologias e o que tem que ser feito. Gente séria e organizada como deveria ser em qualquer civilizado do mundo.

  60. Podem falar o que quiser, que é abacaxi, bugado, orquinha.
    O que se percebe é que o projeto avança cada vez mais, independente de quanto custará.
    Ele terá os seus problemas resolvidos, assim como tiveram o F-16, F-15, F-14, e todos os seus antecessores.
    Será o caça a ser batido, queiram ou não.
    O F-35 não é só um caça, é um sistema. Vai muito além do que conhecemos e podemos imaginar. É complicado conseguir entender isso quando tudo que se viu na vida foi Mirage e F-5. Não é a nossa realidade ter a ponta de lança. O cabo sim.
    Eles vivem uma outra realidade. Eles sabem o que fazem. Tanto que tem voando um caça que há 20 anos russos e chineses tentam ter igual, o F-22. E ainda não conseguiram, porque Su-57, J-31 e J-20 não são nem de longe aquilo que o Raptor é hoje.
    São 20 anos a frente dos seus supostos inimigos.
    Chineses e russos avançaram muito, é verdade, mas ainda estão longe de chegar no patamar que os norte americanos chegaram. Agora que os chineses conseguiram colocar um “Black Hawk” no ar. Os caras já projetam seu substituto. Dia desses o Su-57 se tonou “operacional”. Ainda usa motores velhos.
    Então, não menosprezem o “efinho”, porque bugado ou não, ele ainda é melhor do que muita coisa que está voando por aí.
    Se fala muito que os equipamentos russos e chineses são o supra sumo da qualidade. Pena que as notícias que chegam sejam da péssima qualidade dos produtos chineses, como radares que não funcionam, e do péssimo serviço pós venda russo, que trata seus clientes, as vezes, pior do que cachorro.
    Querendo ou não, é o Tio Sam que vende baratinho e dá aquela manutenção da hora quando a coisa fica feia.

  61. Esse programa do F-35 é um poço sem fundo e sem perspectiva dos resultados esperados.
    Será que os EUA não quiseram demais, não? Um avião 100% invisível, alcance inimaginável, rápido, carrega uma quantidade de carga absurda, superior, imbatível, manobrável, armas 100% sensacionais e tecnológicas, decola em pista curta e pousa na vertical….etc…etc…olha, não duvido da capacidade mas tudo tem limite! Quiseram juntar as melhores características dos F-16 + F-15 + F-18 + F-22 + Harrier + Growler…em uma única aeronave! No fundo os EUA estão tão focados nesse programa ($$) que estão esquecendo ou não dando tanta atenção para outros problemas militares! Que o diga Rússia e China com seus avanços militares! Nada de viajar na maionese! Pés no chão folks!

  62. Vamos por partes . O programa F 35- Joint Strike Fighter- considerado o mais caro projeto militar da história, nestes últimos dez anos teria sido um fracasso ? ou algumas melhorias ao longo desses anos estão viabilizando o projeto ? . Eu penso que não. Cada hora e uma história. Enumerando os principais problemas do pato “sem asas ” : 1º O caça é ou não stealth- Qualquer risquinho na pintura com uma chave de fenda o bicho aparece no radar. 2º Problema no banco de ejeção. -usou morreu. Problema no software- falta oxigênio e mata o piloto. 3º Problema de manomabrilidade. Perde pro F 16 e é capaz de levar pau dos F 5- se tiver sendo pilotado pro brasileiros claro. 4º ponto- Problemas com o trem de pouso do nariz. 5º Problemas nas asas que serão reprojetadas pois vibram quando os mesmos carregam um míssil tipo AIM9x. 6° Problema com panes por mal colocação de aparelhos por parte da equipe de produção- como foi relatado recentemente.Resumindo essa ” porra ” só não tem problema com verba , que os países que bancam o programa tem bala na agulha. Olha eles não admitem , mas ta ai projeto pra passar a régua e voltar ao começo. Novo projeto. Novo caça e ser inteligente suficiente para fazer tudo o que deveriam ter feito neste . Deixar de ser teimoso e admitir que o F 35 é um projeto morto. Vão me moer e falar das evoluções, que to louco e etc. e outra papagaiadas se fosse fácil projetar um maquina de sexta geração os gringos já teriam feito. Agora insistir no erro pra mim é burrice pura…

    • Louco você não está, mas não falou coisa com coisa.
      Só.
      1 – Se risquinho na pintura tira o “istelfi” do caça, então isso vale para todos os caças do planeta, e não só para o 35;
      2 – Ninguém morreu ejetando;
      3 – Dog fight acontece em vídeo game. Na vida real seu caça explode e você nem sabe de onde o míssil veio. Esse é UM dos objetivos do 35;
      4 – Problema no trem de pouso é no modelo da Marinha, não nos três;
      5 – Asas reprojetadas? Quem sofre de “vibração” é o modelo da Marinha;
      6 – “mal colocação de aparelhos por parte da equipe de produção” – O 35 virou ator de filme?
      Resumindo, não é “essa porra”, é simplesmente o mais avançado sistema já produzido por uma nação. E isso tem seu custo.
      Quem paga e compra não tá reclamando. Pelo contrário, quer mais. Quem não tem quer comprar.
      Os únicos lugares onde tem histeria por causa do 35 são os blogs brasileiros que estão lotados de viúvas.
      Normal.
      Afinal de contas, brasileiro tá acostumado com F-5, A-1, Mirage….
      Eles com F-15, 16, 18, 22…
      Quem passa vida comendo sardinha nunca vai se acostumar com lagosta, camarada.

  63. Emmanuel, vc tem toda a razão a gente exagera um pouco talvez por inveja sei lá, mas que esse F 35 ta bugado tá e gastão isso ninguém pode discordar. Esse projeto parece com a história que meu avô dizia que vários fazendeiros ricos se reuniram pra comprar o mais belo puro sangue da região. Depois de muito dinheiro ajuntado compraram o bicho ,e ao colocar o bicho pra cruzar com as éguas ele não cobria as bichinhas. Era tipo gayhorse. Então resolveram retirar o semem e vender . Outro fracasso o bicho era estéril..Agora com o salário de professor aposentado meu querido Emmanuel , nem sardinha tenho comido ultimamente. Um abraço e obrigado pelas explicações quanto as falhas do F 35.

  64. Em tempo : Esse blog é visto na sua maioria (99 %) por não especialistas (como eu) na área. Por isso que as vezes provoco os experts no assunto, para que além de tomar uma carraspana , a explicação técnica dos mesmos nos conduz ao saber. ´Esse é o espírito que os criadores do Blog devem desde o principio estarem apregoando. : O debate. Parabéns a todos e nos perdoem as vezes por escrever tantas bobagens…

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here