Home Nota de Falecimento O Poder Aéreo se despede de Reginaldo Bacchi

O Poder Aéreo se despede de Reginaldo Bacchi

3179
48
AEL Sistemas
Reginaldo Bacchi e Alexandre Galante no Museu da TAM, em 26/10/2014

Faleceu o engenheiro Reginaldo Bacchi, nosso amigo, colaborador e comentarista da Trilogia Forças de Defesa.

Reginaldo Bacchi era santista de nascimento, engenheiro por profissão e estudioso de armas por gosto pessoal, desde criança.

Quando já era um profissional respeitado na engenharia automobilística do Brasil, foi trabalhar na Engesa, numa época em que os contratos de exportação estavam no auge e novos projetos apontavam no horizonte – alguns com bom potencial, outros nem tanto. O carro de combate Osório foi um deles.

Reginaldo Bacchi foi entrevistado pelos editores da trilogia para a revista Forças de Defesa número 4 de 2012, que tratou do carro de combate EE-T1 Osório. Reproduzimos a entrevista no Forças Terrestres – ForTe, que pode ser lida aqui.

Bacchi também colaborou com centenas de comentários no ForTe e também com artigos e matérias.

Em 26 de outubro de 2014, os editores do Poder Aéreo Alexandre Galante e Fernando “Nunão” De Martini levaram Bacchi para visitar o Museu da TAM em São Carlos-SP, que ele ainda não conhecia. O museu viria a fechar em fevereiro de 2016.

Percorrer o museu na companhia de Reginaldo Bacchi foi uma honra e uma oportunidade de aprender, pois ele era uma verdadeira “biblioteca ambulante”.

Bacchi vai deixar muito saudade e fará muita falta à comunidade de Defesa brasileira. Vá em paz, grande amigo!

Reginaldo Bacchi e Fernando “Nunão”De Martini

48 COMMENTS

  1. Uma perda absolutamente irreparável! O mestre Bacchi era de conhecimento e sabedoria imensos mas era de uma humildade ímpar. Que Deus em sua infinita bondade o receba em seus braços.

  2. Grande (guerreiro) brasileiro!

    Vá em paz, missão cumprida com louvor, e ensinamentos aos que ficam.

    Meus sentimentos e respeito aos familiares e amigos.

  3. Meus sentimentos a família ! O nosso Br perde cada pessoal notável como ele , fico imaginando se no tempo em que trabalhou , ele tivesse dinheiro suficiente para os projetos , hoje dominaríamos varias tecnologias que ainda não dispomos e temos que comprar de fora! Os politicos do nosso brasil deveriam ter vergonha na cara ! Desculpa o desabafo .

  4. Perdemos uma parte da história da nossa indústria de defesa. Um verdadeiro arquivo vivo dos tempos áureos.

    Meus sentimentos à família. 🙁

  5. Agradeço ao Sr. Bacchi todo o empenho, disposição e paciência ao compartilhar seu conhecimento conosco, leitores da trilogia.
    Realmente uma perda irreparável para nossa engenharia militar. Meus sentimentos à família e amigos.

  6. Meus pêsames à família. Uma grande perda, uma pessoa com um enorme conhecimento sobre o tema Defesa, e possuidor de uma enorme paciência em compartilhar seus conhecimentos.

  7. Trabalhei com ele muitos anos e desenvolvi um grande apreço por seu conhecimento, gentileza e humildade. aprendi muitas coisas com ele e nnao somente sobre defesa em geral. Pêsames `a família

  8. Desculpem a ignorância, ele postava comentários aqui na trilogia?
    São tantas pessoas que nem sempre gravo os nomes tipo Bosco…
    Realmente a vida é finita.
    Semana passada faleceu um famoso pregador americano, Billy Graham.
    Que Deus nos conforte a todos, que saibamos lidar com esses acontecimentos, inclusive com pessoas mais próximas, sem perder os sentimentos mas sem nos deixarmos abater, como ocorre com alguns.
    Tenho um colega que ficou transtornado com o falecimento do pai e por muito tempo se tornou um homem amargo.

  9. Ouvi falar do Sr Reginaldo através de um amigo também já falecido e um herói da FAB, Brigadeiro Ivo Gastaldoni, lá pelos idos de 1985/1986 quando o AMX estava sendo produzido.
    A crua realidade é que profissionais desse nível não podem ser substituídos, principalmente em um país carente como o nosso. Espero que seus ensinamentos e sua experiência de tantos anos de “trecho” tenham sido absorvidas por aqueles que tiveram o privilégio de conviver com o Sr. Bacchi.
    Meus profundos sentimentos aos familiares e a nós mesmos que ficamos privados da sua presença.

  10. Galante, poderíamos contar a historia aqui no blog do comandante deste avião, o herói João Ribeiro de Barros. Poucos sabem da façanha deste aviador e do seu Jahu.

  11. Complementando: Infelizmente não tive o prazer de conhece-lo na FEI (eu era “bicho” quando ele já havia saido do corpo docente da escola) mas faço minha reverência a um colega da “irmandade”.

  12. “Eduardo 1 de Março de 2018 at 18:59
    Galante, poderíamos contar a historia aqui no blog do comandante deste avião, o herói João Ribeiro de Barros. Poucos sabem da façanha deste aviador e do seu Jahu.”

    Prezado Galante: aproveitando o “gancho” do Eduardo, sugiro também uma matéria sobre o Brigadeiro-do-Ar Ivo Gastaldoni, heroi da FAB na Aviação de Patrulha na 2ª Guerra Mundial (1º/7º GAV, Esquadrão Orungan). No Brasil esquecemos nossos heróis de verdade, copiando o comentário do Eduardo.

    Abraços

  13. Dividi com a pessoa de Reginaldo Bacchii vários tópicos e debates no Fórum Defesa Brasil.
    Viveu uma boa vida, agora descansa em paz.
    Aos familiares, meus sentimentos.

  14. Nossa essa notícia agora foi triste… Sou muito grato a ele por todos os ensinamentos que ele deu Aqui no blog!! Que Deus o tenha e conforte a família… Uma perda irreparável para a nação…

  15. Reproduzo aqui trecho de comentário que escrevi no Forte, em que abordei esse passeio que fizemos ao Museu da TAM, e que mostra um exemplo de como era interessantíssimo conversar com alguém com a inteligência e modo de pensar tão peculiares do Reginaldo Bacchi:

    Pessoa ímpar, de uma perspicácia à toda prova e uma franqueza e objetividade difíceis de se encontrar. Lembro de conversas sensacionais do encontro que promovemos em Santos dos leitores da Trilogia, em que ele dialogou com outra pessoa também tão franca e direta que traz a franqueza no nome, o Franco Ferreira. Diálogos impagáveis.

    E lembro também de uma longa conversa na ida e volta ao Museu da TAM quando eu e o Galante o levamos pra conhecer, há alguns anos. Foi a última vez em que estive com ele. Entre tantos assuntos, uma observação bem típica dele: chovia no caminho e, num dado momento ele perguntou, lá do banco de trás, se o ar-condicionado estava ligado (ele estava resfriado, então eu ligava o ar o mínimo possível, só pra desembaçar os vidros). Respondi que tinha ligado por uns minutos, mas já desligara. E ele replicou: “Por que brasileiro não consegue responder uma pergunta simplesmente com um sim ou não, e tem essa mania de tentar adivinhar o que a pessoa que perguntou quer receber de resposta?” E começou uma longa e divertida explanação sobre o caráter típico dos brasileiros. Rimos muito.

    Sujeito fantástico. Fará falta.

  16. Vocês mantinham contato com ele atualmente?

    Eu não lia comentários dele no fóruns há muito tempo. Ele havia desistido de discutir com o povo ou não tinha condições para fazê-lo?

  17. Saudações aos familiares.
    Mais uma mente brilhante indo embora.
    Será que ele foi aproveitado de forma honesta pelo Brasil?
    Se fosse um jogadorzinho ou um cantor taquara rachada teria todas as atenções e oportunidades do mundo.

  18. Uma grande perda. O Bacchi foi um dos meus grandes mentores, guru, mestre e chefe nos tempos da Engexco. Uma grande inteligência e humildade admiradas por muitos. Dominava varios assuntos e eu adorava quando ele conversava com outro mestre chamado Cel. Luiz Cavalcanti sobre diversos assuntos, sobretudo detalhes da guerra do Paraguai. Que Deus conforte sua família. Esteja sempre com Deus, grande Engenheiro!!!!

  19. Nossa
    Acabei de ler a noticia
    Que coisa triste

    Mas é o ciclo da vida

    Nessas horas não tem muito o que fazer…. é pedir que a familia ache força e conforto na fé ou em alguma outra coisa pra aliviar a dor da perda

  20. Peço permissão para um off-topic não muito oportuno.
    Esse tanque externo central no P-47 não corresponde muito bem à realidade do que era a operação na época do Thunderbolt na FAB.
    Eram tanques feitos pela Lockheed e tinham capacidade para 165 galões, eles não eram usados na estação central sob a fuselagem, mas sob as asas. Na FAB, eles vieram com os lotes de Thunderbolts vindos (em voo) dos EUA e foram usados também em alguns deslocamentos que o esquadrão fez, com destinos como Cumbica e alguns estados da região Nordeste.

  21. É… o fim da vida é algo muito triste mesmo
    A pessoa vai embora… e ficam as lembranças e a falta que ela faz

    mas é assim… esse momento chega pra todos…

  22. Meus sinceros sentimentos!
    .
    Reginaldo Bacchi vai deixar uma lacuna imensa no Brasil, tendo vivido de forma intensa seu sonho, que, de certa forma, era o sonho de tantos brasileiros.
    Todos nós aprendemos muito com o Mestre que agora partiu, pelos seus feitos e pelos seus textos, mas também tivemos o incrível privilégio de conversar, trocar ideias, tirar dúvidas com este amigo através da Trilogia.
    .
    Descanse em paz.
    Ivan, do Recife.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here