Home Aviação de Ataque Rússia deslocou caças Sukhoi Su-57 para a Síria?

Rússia deslocou caças Sukhoi Su-57 para a Síria?

11786
322
Caças russos Sukhoi Su-57

Fotos não verificadas e imagens de vídeo começaram a circular nas mídias sociais mostrando um par de caças russos Su-57, também conhecidos como PAK FA e T-50, pousando na base aérea Khmeimim na Síria, na província de Latakia.

Em um dos vídeos, divulgados online em 21 de fevereiro de 2018, um avião de combate Su-35 Flanker-E, que os russos já desdobraram na Síria, também é visto voando nas proximidades.

Reportagens adicionais não confirmadas disseram que os Su-57s eram parte de um grupo maior de aeronaves russas que chegaram ao país, incluindo quatro Su-35s adicionais, quatro aeronaves de ataque Su-25 Frogfoot e uma aeronave A-50U Mainstay de alerta aéreo antecipado.

Não está claro o que pode ter provocado o desdobramento dos caças furtivos russos, que ainda estão no estágio de desenvolvimento.

Mas o número cada vez maior de interações agressivas entre os aviões táticos da Rússia e os caças furtivos F-22 Raptor da Força Aérea dos Estados Unidos sobre o leste da Síria pode ser uma dos motivos.

Se for confirmado que o Kremlin enviou os Su-57 para a Síria, isso poderia complicar ainda mais essas situações, uma vez que os pilotos americanos não têm experiência real com a nova aeronave russa em seus sensores e nem conhecem as capacidades de combate e a ameaça que pode representar.

Ao mesmo tempo, é claro, os Estados Unidos terão uma excelente oportunidade para reunir novas informações sobre os novos caças, especialmente dependendo de quais sensores ativarem ou se eles voarem em uma configuração completamente observável durante as missões.

Renderização de um Su-57 com armas externas

322 COMMENTS

  1. Eu duvido muito. Os russos não precisam do Su-57 pra ajudar o legítimo e soberano governo sírio a legitimamente e soberanamente massacrar sua população bombardeando suas cidades com bombas burras e agentes químicos letais em nome de uma legítima necessidade de se agarrar ao poder custe o que custar.

  2. A Síria está sendo o Afeganistão 2.
    EUA e Rússia mandando tudo que é tipo de arma pra uma guerra que não acaba nunca.
    Vão sair os dois esfolados financeiro e moralmente desse buraco.

    Eu já acho que esse lugar é lugar de mandar B-52 e Tu-95. Não caças stealth.

  3. A Rússia mandando dois protótipos sem motores e radares definitivos e com capacidade de combate limitadíssima para uma região de conflito? Não creio que os russos sejam tão irresponsáveis assim…

  4. Bosco 22 de Fevereiro de 2018 at 6:57

    A sua opinião sobre o Assad não vale NADA. Só o que importa é a opinião do povo sírio, que AMA e dá suporte ao Assad, não obstante o Ocidente ter iniciado a maior campanha “nunca antes vista na história da humanidade” para derrubar um governo legítimo. Potências estrangeiras não devem interferir nos assuntos internos de outra nação soberana, nem mesmo se o líder dessa nação for ditador. Afinal, quem decide se um líder é ditador? é o Ocidente? sobre o pretexto a levar a democracia a outros países, o Ocidente pode cometer os crimes que quiser? conseguiram levar a democracia à Líbia e veja como está a situação por lá.

    Mas olha o dedinho do Putin fazendo não para você e para todo o Ocidente: Assad não saiu. Não adiantou nada criar grupos terroristas, não adiantou nada os EUA fingirem por anos bombardear o Estado Islâmico, não adiantou nada criar ataques químicos de falsa bandeira e não adiantou nada Israel dar assistência médica aos terroristas: ASSAD NÃO SAIU. E não vai sair. Vai continuar amado pelo seu povo por mais algumas décadas. E quando Assad finalmente sair, seja por velhice ou por decisão do soberano povo sírio, outro representante – defensor dos interesses sírios, não dos ocidentais – será posto em seu lugar.

  5. Bosco 22 de Fevereiro de 2018 at 6:57
    ___

    The use of chemical weapons by the Syrian army has already been proved? or do you want to arrange a circus here moving away from the topic?
    __

    O uso de armas químicas pelo exército sírio já foi provado? ou você deseja organizar um circo aqui se afastando do tópico?

    Como você não gostaria de Assad estar no poder, os terroristas perderam a chance de derrubá-lo

  6. Bosco, a Rússia têm utilizado a Síria como campo de testes para suas armas. É um caminho natural operar o SU-57 neste cenário quente.

    Ainda, a Síria é um estado soberano e Assad é seu legítimo governante. Confundir hordas de terroristas como se fosse a população síria é, pra dizer pouco, um enorme equívoco. Se Assad não tivesse apoio da população ele já teria caído. Nem a Rússia, nem Irã, nem as PMU, nem as NDF, ninguém, seria capaz de assegurá-lo no poder.

    Cada vez que são tomadas medidas que encaminham ao fim do conflito começa a cantilena dos massacres de civis, dos ataques de gás, da destruição de hospitais, escolas etc etc etc.

    Curioso é que Mosul e Raqqa foram devastadas, de forma muito superior ao que ocorrre em East Goutha, e os media ocidentais nada disseram. Apenas aplaudiam as toneladas de bombas e a cidade transformada em pó.

    O grande desespero é que, ao desconflitar estas regiões atualmente ocupadas pelos terroristas, será liberada uma grande força militar para unir-se às outras frentes de combate, ao sul (Israel), ao norte (Turquia) e a leste (EUA). E isso será um desastre para quem espalha o caos.

    Creio não ser do interesse do governo sírio destruir a infraestrutura do país (ao contrário dos atacantes e seus apoiadores). Entretanto, nenhuma estabilidade será alcançada sem, antes, varrer os terroristas que estão encastelados no entorno de Damasco. Isto é inevitável.

    Por fim, acredito que em East Goutha será utilizada a mesma estratégia já empregada em outros locais liberados: bater no começo, assinar acordo de paz e despachar os combatentes restantes nos famosos ônibus verdes.

  7. Provavelmente enviaram pra testes.
    É um cenário interessante pra verificar a eficácia da suíte eletrônica, fusão de dados, radares, etc.
    Como foram pra lá, também, mais 4 Su-35, os Su-57 deverão voar sempre escoltados.

  8. rustam bogaudinov 22 de Fevereiro de 2018 at 7:44

    Quando vocês vão aprender?

    A realidade é simples, pois é horrível: o Ocidente declarou e está travando uma guerra de total espectro contra a Rússia. Não uma guerra militar (ainda?), esse é o tipo de guerra que eles perderam com tanta frequência que não têm estômago para isso, mas um tipo de guerra “tudo além de militar”: a Rússia é o Império do Mal que deve ser completamente escravizada ou destruída. Você notou como os filmes recentes dos EUA estão, mais uma vez, constantemente mostrando os russkies do mal (bandidos, hackers, terroristas, etc.) ? Quando a elite européia se reuniu em Munique, qual foi a sua mensagem unânime? “A Rússia é o mal, a Rússia é um perigo! Nós vamos lutar contra a Rússia! “É a Segunda Guerra Mundial, a Guerra da Criméia, a invasão napoleônica ou a Cruzada do Norte novamente (todo o Ocidente puxando todas as forças juntas novamente), mas lutou com diferentes meios.

    Quando vocês vão aprender !?

    O Ocidente quer esmagar e subjugar a Rússia da mesma forma que os nazistas, os maçons ou os latinos fizeram no passado. O mesmo plano, diferentes métodos. Só porque desta vez eles são militarmente fracos, não significa que seu poder político “suave” ainda não é imenso e que eles não podem derrotar a Rússia: eles definitivamente podem, a menos que os russos finalmente acordem e comecem a agir como adultos que entendem que estão novamente travando uma luta por sua sobrevivência.

    Quando vocês vão enxergar o óbvio, Rustam? Acordem!

    http://thesaker.is/what-just-happened-in-korea-and-when-will-be-ever-learn-saker-rant/

  9. Pois é caro Bosco, concordo com você. Mas para ser imparcial, ontem mesmo a coalizão americana causou a morte de pelo menos 12 civis. Também é necessário lembrar o que o amigo Mabeco citou com pertinência, Raqqa e Mossul (ex-capital do califado e a outra importante centro dos terroristas no Iraque) foram reduzidas a escombros pela coalizão americana e não pela Síria, Irã, Rússia. Portanto, apesar das cenas chocantes e trágicas, não deixe a sua postura pró-americana turvar seu pensamento. A CNN nessa semana mostrou como armas americanas podem ser negociadas até pela internet na Síria ( não fui eu quem disse, nem o Kremlin, foi a CNN!), então, caro colega, seja sensato em seu raciocínio, você é uma pessoa responsável e respeitável ( afinal, acompanho seus comentários já a alguns anos). Quanto ao Su-57, acompanho seu raciocínio, é ilógico mandar um protótipo que nem terminou seus testes, não tem nem mesmo o motor de série e jamais participou nem mesmo de treinamentos de grande monta dentro da própria Rússia ( não que nós saibamos), para uma região de conflito onde inclusive se deparariam com os provados F-22 “Raptor”. Se fizeram isso, é algo estúpido ou mera propaganda ( outro dia falávamos dos “Adir” F-35 de Israel que não participaram das incursões na Síria entre outros motivos, porque não tem sequer doutrina de operações formada na força, pessoal plenamente qualificado e armamento certificado. Isso levando-se em conta que Israel já possui algumas aeronaves, além de outros operadores também já utilizarem o caça, imagina a Rússia enviando 2 dos 9 protótipo para o conflito? Simplesmente ilógico!)

  10. Elaine 22 de Fevereiro de 2018 at 8:10
    rustam bogaudinov 22 de Fevereiro de 2018 at 7:44
    __

    These are their dreams – reality is quite different and Russia is also completely different – not the same as it was in the 90s of the last century

    Su-57 in Syria for the development of systems and weapons
    __

    Estes são seus sonhos – a realidade é bastante diferente e a Rússia também é completamente diferente – não é o mesmo que nos anos 90 do século passado

    Su-57 na Síria para o desenvolvimento de sistemas e armas

  11. 1. O Su 57 ainda é um protótipo. Meio estranho esse deployment ;
    2. A ação russa na Síria é, entre todas as intervenções, a única internacionalmente legítima. Ficar de mimimi, com aquele discursinho last century duzamericanu é pedir pra passar vergonha de graça. Top Gun saiu de exibição, mas tem gente que não o abandona;
    3. A nova ofensiva em Ghouta (sic) já destruiu 349 hospitais, matou 2933833 gatinhos e despejou milhares de bombas químicas, um das armas mais inefetivas já feitas, cujo único propósito é gerar desaprovação DELES.

  12. Elaine:

    Fala mal do Ocidente, mas se morasse num Irã ou Síria da vida, ia estar na cozinha apanhando do marido sem poder falar nada contra governo senão ia ser presa. Nem em restaurante pode entrar igual na Arábia Saudita.
    E Jesus amado, quem está com guerra contra a Rússia? Eu heim. Haja Tin Foil na cabeça pra essas teorias doentes.

  13. Ô Rui Chapéu.
    1. A NATO (mentirinha, os EUA), na falta de sarna pra claro coçar, se mete descaradamente na zona de influência russa. Negar isso é viver em Hollywood;
    2. A arábia saudita é aliada histórica DELES;
    3. A Síria, dentre os piores governos da região, era o mais liberalzinho, junto com – pasmem – o Irã;
    4. Por favor, essa antítese do “por que nãovai morar lá” é coisa de adolescente. Sejamos maiores que isso.

  14. “Elaine 22 de Fevereiro de 2018 at 7:44
    (..) Só o que importa é a opinião do povo sírio, que AMA e dá suporte ao Assad”
    .
    Kkkkkkkkk
    Conta uma de português agora !

  15. Nilton Reis 22 de Fevereiro de 2018 at 8:27

    3. A nova ofensiva em Ghouta (sic) já destruiu 349 hospitais, matou 2933833 gatinhos e despejou milhares de bombas químicas, um das armas mais inefetivas já feitas, cujo único propósito é gerar desaprovação DELES.
    ___________

    Você está enganado, havia 500 hospitais! ))))

    Su-57 there to check everything in real situation – this chance can not be missed …

  16. Rustan,
    Há notícias que alegam que o Assad utiliza rotineiramente agentes químicos letais não se importando muito com danos colaterais mas com objetivo de causar terror e assim minimizar qualquer tipo de ideia de adesão à revolução que o sofrido povo sírio possa vir a ter.
    Há o outro lado que diz que isso não está acontecendo.
    Em quem acreditar? Eu, como conheço a perversidade humana, acredito que sim, o legítimo líder e monarca Assad tem todos os requisitos de um homem capaz de utilizar armas químicas contra seu próprio povo para se perpetuar no poder e portanto, escolhi essa opção por uma questão simples de lógica já que não estou presente no teatro de operações da Síria para aferir diretamente o que está acontecendo por lá e meu intelecto tem que tentar filtrar a verdade das informações que me chegam por diversos meios de comunicação.
    E nem faço juízo de valor do Assad ou da Rússia que o apoia. Guerra é guerra e morrer contaminado com gás dos nervos ou explodido por uma bomba dá no mesmo.
    Um abraço meu amigo.

  17. E no final, tudo isso server apenas para permitir ou impedir que os oleodutos e gasodutos do “recém liberto” Iraque cheguem aos consumidores europeus.

    Ninguém está preocupado com sírios ou curdos ou qualquer outra etnia.
    Russos querem garantir seu quase monopólio;
    Europeus querem passar a ter monopólio do mercado europeu;
    Estadounidenses querem enfraquecer a Rússia economicamente, e posar de bonzinhos com seus vassalos europeus, além de levar um troco no mercado europeu;
    Assad não quer largar o “osso”.
    Os ‘rebeldes’, muito provavelmente querem ser os novos “Assad”.

    Se a ONU tivesse coragem ou utilidade, determinaria uma intervenção internacional e uma convocação eleitoral – pedir a opinião da população é a única forma realmente democrática de resolver o conflito.

    Não há mocinhos nessa guerra (se é que já houve em alguma)

  18. Alfredo Araujo 22 de Fevereiro de 2018 at 8:33

    Moras em São Paulo? dê um pulo no hospital sírio-libanês. Encontre alguém que tenha parentes no Líbano ou na Síria e pergunte a opinião deles sobre o Assad. Pergunte também por que tem uma foto do Assad enorme no hospital.

  19. Bosco 22 de Fevereiro de 2018 at 8:41
    Rustan,
    __

    My friend, I really appreciate our friendship and respect you!
    please let’s talk about the Su-57, and not about the fairy tale about the destroyed 1000 hospitals and hundreds of thousands of civilians …

    and most importantly you know what is interesting – when the western coalition turned the ruins of Mosul and Rakka all the Western media were silent …
    ___

    Meu amigo, eu realmente aprecio nossa amizade e respeitamos você!
    por favor, fale sobre o Su-57, e não sobre o conto de fadas sobre os 1000 hospitais destruídos e centenas de milhares de civis …

    e, o mais importante, você sabe o que é interessante – quando a coalizão ocidental virou as ruínas de Mosul e Rakku, todas as mídias ocidentais ficaram em silêncio ..

  20. O povo sírio ama tanto o Assad que o país está a 10 anos em guerra civil. Para o amor do Brasil pelo molusco…

    Quem aí disse que a Arábia saudita é aliada histórica dos EUA só estudou a história de 1970 pra cá….

    Quem falou que o Irã era um dos países mais liberais se esqueceu que isso ocorreu quando era alinhado com os EUA.

    E quem acha que o modelo de governo das ditaduras árabes muito bom, deveria, pelo menos, tentar viver como eles e começar a manter as mulheres caladas na cozinha e se reclamarem, pedras nelas. Só quem acha isso machismo são as democracias liberais ocidentais.

  21. Ricardo Da Silva 22 de Fevereiro de 2018 at 8:42

    Essa história de que “ninguém é santo e todos defendem os seus interesses é balela”, reducionismo para tentar nivelar e todos e justificar os crimes do Ocidente. Não, ninguém é santo, a Rússia não é, Assad não é, eu não sou, você não é.

    Mas dai para ser criminoso, é uma diferença muito grande. A Rússia luta pelos seus interesses, como todos deveriam fazer, inclusive o Brasil, que deveria lutar pelos seus e não pelos interesses dos EUA.

    Mas não vejo a Rússia infiltrando terrorista em nenhum país para tentar derrubar governos. Não vejo a Rússia criar ataques de falsa bandeira. Não vejo a Rússia apoiar terrorista. Não vejo a Rússia assinar um acordo e depois não cumprir. Eles estão tentando dar o exemplo e agir de acordo com as leis internacionais.

  22. Nilton Reis 22 de Fevereiro de 2018 at 8:32

    Grandes coisa a Arábia Saudita ser aliada, nada muda o fato sobre as mulheres lá. Se for por isso, a Rússia sempre foi aliada da Coréia do Norte e Irã. O que não muda B *** nenhuma tb, os lugares são uma me*** igual.

    E sim, vai morar lá. Vai ver como é. Eu não quero morar num lugar onde mulheres não podem sequer dirigir.
    Prefiro encontrar umas Elaines da vida falando porcaria aqui do que morar lá. E se ela defende esses lugares, que vá morar lá.

    E Irã liberal???? Aquele lugar onde prendem mulheres por não usarem o Hijab???

  23. Propaganda, e israel que fique esperto pois que bela propaganda será se eles armarem uma armadilha e um s57 derrubar, “sem querer”, um f35 ou f22, vão chover encomendas. Com os s300 e o A-50U Mainstay tudo o que voar lá vai ser rastreado.

  24. Essa é a desgraça humana, a violência desmedida contra seus semelhantes em nome de interesses pessoais, de grupos ou países.
    Não há lado certo, nenhum dos lados quer realmente ajuda esse ou aquele povo. O que sempre está em jogo é o poder, econômico, financeiro, domínio territorial, militar…
    Isso existe há milênios e ainda não aprendemos. Talvez não tenhamos muito tempo mais para aprender.
    E alguém realmente acredita que civis, não importa quem está no meio deles, merecem ser mortos por conta desses interesses?

  25. Os russos fazendo experimentos no Su-57 na Síria hein,show, tem que testar é em TO quente mesmo, mandar colar nos caças da OTAN.rs
    Não concordo com o ocidente se metendo na vida dos povos do OM pois a primavera(inferno)árabe começou com a derrubada do Saddan e de lá pra cá a matança de civis ,perda de seus lares e vida por causa da “bondade” dos “salvadores” ocidentais só piora e tudo por causa da ambição de alguns governos que acabaram, ao tirar o poder regional em alguns países, facilitando o crescimento e atividade de grupos terroristas extremistas que matam,subjugam e destroem seus compatriotas por ideologias religiosas intolerantes e cruéis.
    O dedo podre do ocidente só atrapalha o cotidiano do Oriente Médio.
    Pra mim os russos estão sendo excelentes em defender o legítimo(queiram vcs ou não) governo Sírio(Assad) ,seu aliado e parceiro e ainda estão evitando ao máximo entrar de cabeça no conflito pois se o fizer vai sobrar pra todo mundo(Turquia,EUA e afins). Putin está dando um banho de estratégia em todos e isto é um fato só não enxerga quem não é imparcial.
    Não concordo com tudo que todos falam sempre e nem devemos ser assim pois deste modo não teríamos opinião própria, mas a forma como atacaram a Elaine acima, devido a suas palavras, foi muito desrespeitoso, na boa gente ,vamos manter o nível dos debates.

    Sds.Eduardo o observador aprendiz.

  26. Elaine e Mabeco, Bachar Al Assad pode ser tudo menos um governante legítimo visto que herdou o cargo (ou seria trono) de presidente da Síria do Pai, que já havia subido ao poder pela via usual dos tiranos ou seja, um golpe militar.

    Ademais é sempre bom lembrar que o conceito de democracia vai muito além da existência de eleições. Aliás defender que a mera realização de eleições torna um regime democrático viola qualquer tratado de Direito Constitucional afinal até em Cuba e na Coréia do Norte existem eleições. Pessoalmente eu denomino esse raciocínio de Constitucionalismo Bolivariano tal o seu absurdo. Na verdade a democracia vai muito além de simples realização de eleições. Passa também pela separação dos três poderes (Legislativo, Executivo e Judiciário), que além de independentes entre si devem fiscalizar-se e limitar-se mutuamente ( O famoso sistema de Check and balance). Nada disso ocorre na Síria, onde os três poderes encontram-se subordinados ao Ditador Bachar Al Assad.

    Ainda falando dos poderes do Estado cabe especial menção ao judiciário. Em um regime democrático o Judiciário, geralmente um poder não eleito, representa a última trincheira do cidadão contra os abusos eventualmente cometidos contra ele pelo poder estatal assim como o poder convidado pelas cartas políticas a intervir em casos de atritos excepcionais entre os poderes legislativo e executivo. Nada disso ocorre na Síria onde o judiciário não apenas está a serviço do regime como tampouco protege o cidadão e respeita suas garantias mínimas.

    Ainda no conceito de Estado Democrático de Direito um de seus corolários é justamente a liberdade de imprensa, algo que simplesmente inexiste na Síria dada a completa ausência de jornais críticos do regime.

    Ademais, mesmo as eleições, cantadas em prosa e verso por alguns como prova cabal da existência da democracia, estão bem longe de serem livres na Síria, onde Bachar Al Assad assim como seu pai Hafez antes concorre em eleições onde ele é o candidato único.

  27. gostaria de ver o ocidente agir dessa maneira com israel, que diariamente assassina mulheres e crianças seja com seus ataques, invasões de terra ou ate mesmo com os embargos de comidas, energia, medicamentos, … que israel impõe a Palestina…

  28. A forca aerea russa recebeu os primeiros pak fa no final do ano passado, eu duvido que tenham enviado já para um teatro de operações, ainda mais que o avião ainda está em desenvolvimento e com as aeronaves iniciais não terem recebidos tudo o que o projeto prevê, sem contar que não deu tempo pra forma doutrina.

  29. Wwolf22, deve ser legal ser acertado(explodido) por um míssil lançado por extremistas palestinos tbm bem na hora do almoço ,sentado na mesa de um restaurante. Pesquisar a história da região e seus povos(que vem desde tempos bíblicos e até antes)ninguém quer.
    Pra nós aqui no conforto atrás do teclado ou touch do smartphone é fácil tacar pedra .

  30. Elaine 22 de Fevereiro de 2018 at 8:55

    “Mas dai para ser criminoso, é uma diferença muito grande. A Rússia luta pelos seus interesses, como todos deveriam fazer, inclusive o Brasil, que deveria lutar pelos seus e não pelos interesses dos EUA.

    Mas não vejo a Rússia infiltrando terrorista em nenhum país para tentar derrubar governos. Não vejo a Rússia criar ataques de falsa bandeira. Não vejo a Rússia apoiar terrorista. Não vejo a Rússia assinar um acordo e depois não cumprir. Eles estão tentando dar o exemplo e agir de acordo com as leis internacionais.”
    .
    Concordo plenamente.

  31. Elaine ( 22 de Fevereiro de 2018 at 8:10 );

    Não existe ‘soft power’ sem um mínimo de poderio militar…

    O próprio parque industrial russo foi financiado pela elite ocidental…

    Quando a economia socialista deu sinais claros de fracasso, isso lá por 1921/22, Lenin instituiu a política NEP, pela qual foram aprovadas medidas extraordinárias para facilitar investimentos externos. Assim ergueu-se a máquina soviética, aprimorada com os anos e herdada pela atual Rússia… Aliás, hoje não é diferente… Após a queda da URSS, os investimentos do Ocidente na URSS só aumentaram. Não haveria a Rússia de hoje, se não houvesse dinheiro ocidental ( o mesmo pode ser dito da China )…

    O grande entrave da Rússia é sua localização pouco privilegiada… Basta olhar um mapa pra entender… Justamente por isso que desde a formação do Império Russo que suas sucessivas lideranças buscam uma forma de expandir-se e colocar-se em contato com o mundo exterior.

    Uma “obsessão” dos russos tem sido buscar e preservar saídas para o mar, no intuito de manter o maior contato possível com o mundo externo através de águas quentes. Daí se entende os movimentos rumo ao Mar Negro, notadamente a aproximação com os turcos e a expansão rumo a Crimeia…

  32. Este mimimi de ambos os lados só denota que ninguem esta interessado com os efeitos de fato. Apenas adota-se um lado e relega-se os contrapontos.
    .
    Ditadura é ruim seja qual for de qualquer natureza.
    .
    Então, é decepcionante a sensação ou conceito de ditaduras amiga ou inimiga.
    .
    Cada ação , independente do tipo, causa ou lado, redunda em responsabilidade por reação.
    .
    Assim, apesar de mesmo que uma dela pareça “justificada”, deve-se antes depreender as consequencias dos resultados e sua parte no todo disto.
    .
    1a. invasão do Iraque foi justificada!!! Foi sim!!! invadiu o Kuwait e mereceu a lambada…
    .
    2a. invasão? bom, depende…os motivos alegados não foram justificados…e hoje fica a pergunta: Está melhor? Igual, Pior?
    .
    Por mim, ditador tinha de ser julgado pela ONU mesmo….mas besteira achar que o preço e custo é barato ou justificavel principalmente em vidas até que isto seja feito…
    .
    A pergunta sobre a Siria é:
    a) Está melhor?
    b) igual?
    c) pior?
    Podemos e devemos fazer esta mesma pergunta para cada hipotese do desenrolar da guerra Siria?
    Se Assad/Russia vencer, ficará melhor, igual ou pior?
    Se Assad cair, como ficará a Siria? melhor, igual, pior?
    .
    Tem coisa, que o custo envolvido principalmente em vidas, não vale a pena fazer, outras valem…quais seriam elas? e sejam fidedignos considerando a coisa globalmente, independente de quem se gosta ou não gosta.
    .
    é complicado, não existem inocentes ou culpados sozinhos.

  33. Tomcat 3.7 ( 22 de Fevereiro de 2018 at 9:39 ),

    Devo concordar.

    Mas convenhamos que a “missão” de Putin é facilitada pela conjuntura. Ele está apoiando um governo legalmente constituído e internacionalmente reconhecido. O Ocidente, por outro lado, está a se debater entre as convulsões da Península Arábica, turcos, russos, iraquianos, iranianos, curdos, sírios… Só poder dar m…

    O único apoio oficial dos EUA e do Ocidente na Guerra da Síria é o ELS, formado por desertores do Exército da Síria e outras dissidências ( não que sejam muito melhores que os demais, pelo que se vê… ). O resto que luta contra Assad tem o apoio da Península Arábica, turcos, Irã e por aí vai…

    Francamente, o Ocidente deveria concentrar-se na “sua” encrenca, que se chama Iraque. Devem estabilizar esse país, traze-lo definitivamente para sua zona de influência.

  34. Alguns descerebrados daqui falam que o povo Sírio ama o seu ditador/presidente!!! Haja doutrinação e lavagem cerebral para flar uma bost@ dessas!!! Mas, ai vem a pergunta: o Assad ama o povo dele na mesma medida que é amado?? Ele está preferindo ver seu país total e completamente destruído somente para não largar do poder! Mas que poder?? Quando, e se, essa guerra acabar, não vai sobrar mais país nenhum para esse ditador governar. Não existe mais infraestrutura, está tudo em ruínas….e nem povo há mais, praticamente. Os que não fugiram, foram mortos em grande parte. Mas tudo vale, não é mesmo? Assad vai dicar no “poder”….. mas vai governar o que, no final??

  35. _RR_ 22 de Fevereiro de 2018 at 10:36

    Pois é RR, o pior é que o ocidente não resolveu a lambança do Iraque e já desandou outras lambanças na vizinhança, mas o orgulho(covardia em aceitar o fracasso) não os deixa largar o osso e quem paga é o povo que perde tudo,literalmente tudo, quando não morre.
    Não vejo futuro de paz tão cedo por aquelas bandas viu. Creio que vai é piorar e muito e virar uma grande guerra regional com grande impacto mundial em todos os aspectos.

  36. Elaine, não querendo tomar partido de um lado ou de outro na discussão desse tópico, mas devo lembrar-lhe da situação na Ucrânia, onde toda a instabilidade é financiada e operada pela Rússia. Sem esquecer é claro, da tomada da Crimeia.

  37. Mestre Bosco,
    22 de Fevereiro de 2018 às 6:57)
    .
    Você escreveu:
    “Eu duvido muito.”
    .
    Ypojucan concorda com você…
    .
    Mas eu não duvido.
    .
    O Rustam Bogaudinov (22 de Fevereiro de 2018 às 8:24) foi no ponto essencial:
    “Su-57 in Syria for the development of systems and weapons.”
    Ou em português do Google:
    “Su-57 na Síria para o desenvolvimento de sistemas e armas.”
    .
    Concordo com o Rustam, até porque ele tem informações que não temos.
    .
    Acredito firmemente que inicialmente os israelenses com seus F-35I Adir e agora os russos com seus Sukhoi Su-57 estão com seus novíssimos caças furtivos no Teatro de Operações da Síria para testar – aos poucos e com cuidado – suas funcionalidades, notadamente a furtividade combinada com pacote de sensores.
    Para tanto eles, F-35I Adir e Su-57, não precisam penetrar nas defesas antiaéreas adversárias, basta voar por perto, ainda nos seus territórios de domínio, para estudar a sensibilidade dos sensores à sua presença.
    .
    Risco?
    Claro que sim.
    Mas pode ser mitigado por um planejamento minucioso e execução cuidadosa, procurando sempre contar com apoio aéreo de AWACS e caças de superioridade aérea amigos (F-15C e Su-35).
    .
    Vamos aguardar mais informes.
    .
    Em tempo:
    Caça furtivo que voa operacionalmente naquela região é o F-22 Raptor.
    O resto está só ‘farejando’ os sensores adversários.
    .
    Abraço a todos,
    Ivan Ivanovich. 🙂

  38. Amigo Clésio Luiz,
    .
    Deixe este assunto para lá…
    Não perca tempo. Melhor falar do Su-57 na Síria, com a dica que o Rustam nos brindou:
    “Su-57 in Syria for the development of systems and weapons.”.
    .
    Abç.,
    Ivan, o Antigo.

  39. Não creio que os russos tenham mandado Su-57 para a Síria, pois seu desenvolvimento ainda está em fase inicial.
    A menos que eles queiram testar os assentos ejetores, em simulações bem realistas.

  40. Elaine 22 de Fevereiro de 2018 at 8:55
    Infelizmente não é balela, é a mediocridade humana mesmo !
    Ninguém faz nada de “boa fé”, são interesses principalmente econômicos e militares envolvidos.
    No máximo alguém pode ser o “menos pior”.

  41. A RÚSSIA sabe mesmo como jogar xadrez,kkkkk se de fato a notícia for verdadeira!!! Observem bém, nem ISRAEL e nem USA, teve coragem de colocar os F35 em combate. Às DAMAS estavam fora do jogo, sem lance algum, mas o putim, viu uma oportunidade de xeque, então, um movimento de DAMA,SU 57 é pra definir a questão, vai ou racha. Será que israel o Ocidente vão peitar. A parada é osso duro de roer. Se vocês não entenderam até agora, a Rússia, está dando um recado forte, governo legítimo merece respeito.

  42. José Lemos, eu discordo! Se de fato os russos mandaram os Su-57 para o TO sírio está longe de ser um “recado forte de um governo legítimo a merecer respeito” mas sim uma pretensa demonstração de força no mínimo imprudente.

  43. Se existe um gênio na política internacional hoje, não é o Putin; são os aiatolás do Irã, que controlam a política do Líbano por meio do Hezbollah e é uma forte influência no Iemem (houthis), no Iraque, na Síria e Catar, e no Afeganistão, e tudo isso sem armas nucleares, sem uma economia forte e sem ser uma grande potência militar. A influencia iraniana só faz crescer em virtude da inteligência dos aiatolás do Conselho de Guardiões.
    Em contraste, sob o governo direito ou indireto do Putin (Medvedev era um boneco), a Rússia perdeu influencia sobre praticamente toda Europa Central e Oriental, que se associaram, ou à União Europeia, ou à OTAN, ou a ambos. O único país da Europa que ainda é parceira da Rússia é a Bielo-Rússia, e isso porque a Bielo-Rússia não é uma democracia, o que lhe veda acesso à União Europeia.
    Na Ásia Central, nos países “tão” (Quirguistão, Uzbequistão, Cazaquistão, etc.) que sempre foram o quintal russo, hoje é a China quem exerce a maior influência por meio da “nova rota da seda”.
    No Oriente Médio, a influência russa limita-se a 2/3 da Síria – e mesmo neste pedaço do território influência russa concorre com a do Irã, que parece ter mais ascendência sobre o Assad que o próprio Putin.
    No sudeste asiático a Rússia nunca teve muita influência, mas a que tinha a China tomou.
    Na África, Oceania, América Latina, a influência russa é quase irrelevante.
    Não é para diminuir o Putin; mas hoje, quem se move no xadrez do Oriente Médio com mais inteligência é de longe o Irã, para horror de Israel e dos EUA, mas também da Russia.
    Aliás, quanto dizem que a Rússia e o Irã são aliados lembrem-se que alguns dos primeiros misseis de cruzeiro usados pela Rússia na Síria foram disparados do mar Cáspio. Por que a Rússia coloca uma frota com misses de cruzeiro com 1000 km de alcance no mar Cáspio? Além da Rússia e do Irã só existem 3 países banhados pelo Cáspio, o Azerbaijão, o Turcomenistão e o Cazaquistão e certamente não é ara se proteger deles que os russos tem uma frota no mar Cáspio com misses de cruzeiro com este alcance.

  44. Bosco 22 de Fevereiro de 2018 at 6:57
    .
    Ahuahuahuahua Bosco, excelente!
    .
    O povo sírio do norte, do sul, do leste, do oeste e do centro da Síria tem demonstrado, nos últimos 10 anos, o imenso “amor” que sente pelo carniceiro Assad… Rsrsrsrs…
    .
    Ai ai ai… Que drogas será que essa gente usa??? 🙂
    .
    No tópico, se for verdade esse deslocamento trata-se de uma EXCELENTE notícia para o Tio Sam, para a OTAN, para a Turquia, para Israel, etc., hehehehehehe… 🙂
    .
    Em breve teremos dados alguma coisa fidedigna sobre esse Su-27 reencapado.

  45. Apesar das minhas restrições quanto a Russia, eu vejo como o maior fator de complicação deste jogo mundial, a desastrosa politica externa americana, de se meter em tudo, todos os seus atuais inimigos foram criados por ele mesmo, em relação ao pais ser ou não uma ditadura, os EUA fazem o jogo conforme sua conveniência, Arabia Saudita e uma ditadura plena, e os EUA apoiam, já a Síria por ser aliado da Russia, e criticada e atacada, a guerra aqui e provar quem esta do lado de Deus e do Diabo, enquanto isto a china veio comendo pelas beiradas e logo vai mandar no mundo …

  46. Ao contrário do pensamento da supremacia ultradireita branca do outro lado do Atlântico, a Síria pediu ajuda para a Rússia, logo quem se meter a besta em ajudar, continuar ajudando, os terroristas infiltrados e patrocinados pelo grande pai, vai levar chumbo, simples assim. Sem mais.

  47. Marcelo 22 de Fevereiro de 2018 at 11:06.
    .
    Marcelo, eles são os cherifes do mundo. Vai o Brasil com os seus efi5 fazer exercícios ali perto do Golfo do México para ver se não tomam um espinafrada. É só ver os exemplos, saber ler, o que é o mais importante.

  48. José Lemos Filho,
    .
    Calma aí.
    O Su-57 não foi colocado “em combate”.
    Na verdade há apenas ‘vazamento’ de ‘possíveis’ fotos do Sukhoi na Síria. Além de prováveis informes para quem tem acesso aos tramites russos.
    .
    Tem duas abordagens nesta notícia:
    – Engenharia; e
    – Marketing.
    .
    Engenharia.
    Provavelmente, com o Rustam gentilmente adiantou, o par de Su-57 estão por lá para desenvolvimento operacional e teste, frente a condições reais, dos sistemas existentes (inclusive sua furtividade).
    .
    Marketing.
    Seu deslocamento (real ou não) é notícia.
    No final propaganda grátis…
    A “jogada” é simples e brilhante: a Rússia posicionando caças de 5ª geração no TO no Oriente Médio se apresenta no mesmo nível tecnológico dos EUA, pelo menos de em termos de propaganda.
    Acho que será uma manobra interessante.
    .
    Na Geopolítica, nos negócios e até na vida sempre haverá mais de uma maneira de olhar os acontecimentos. Curiosamente as abordagens diferentes poderão ser complementares, antes de ser excludentes.
    Engenharia e Marketing…
    …porque não?
    Porque SIM.
    .
    Saudações,
    Ivan, um antigo infante.

  49. O objetivo desse deslocamento pra mim é bem claro, testar o aparelho. Tratam-se de protótipos ou unidades de pré-produção e duvido muito que sejam usados de forma operacional. Mas o ambiente apresenta a situação ideal para testar os sistemas e a furtividade da aeronave, principalmente por que o F-22 opera na área. Duvido que a Russia exponha a sua aeronave a engajamentos mais fortes, mas a chance de testar a capacidade de ver e “não ser visto” ali é unica.

  50. Jacinto, eu não vejo tanta inteligência assim nas movimentações iranianas no Oriente Médio pelo fato de que embora estejam obtendo ganhos geopolíticos de curto prazo estão armando para si mesmos uma enorme arapuca a longo prazo. Você colocou corretamente como as peças estão no tabuleiro ao mencionar o Líbano e os Houthis no Yemen por exemplo mas é preciso lembrar que com isso Teerã está atraindo contra si todos os principais atores regionais (Egito, Arábia Saudita, Jordânia e Israel), um ator Global (EUA) e provocando desconfiança em dois outros atores mundiais de respeito (Rússia e China). Ou seja, não apenas os iranianos estão conseguindo fazer algo que pareceria improvável anos atrás, que seria colocar países árabes ao lado de Israel, como também estão forçando uma tomada de atitude dos russos no pós-guerra sírio afinal Moscou não vai querer o Hezbollah e seus patrões a disputar influência com eles.

  51. Equipamento militar precisa operar em condições reais para serem aprimorados. Os russos fazem bem em enviar os Su-57 para ele ganhar maturidade operacional e ser aprimorado, os americanos têm a oportunidade de avaliar o adversário e aprimorar os seus equipamentos, enfim: é bom para todos.

  52. Senhores, quem estuda Relações Internacionais sabe que a interferência de outros Estados sobre os assuntos internos de Estados soberanos não é legítima, é ingerência.

    Os EUA com tropas dentro da Síria apoiando dissidentes locais vai contra o Direito Internacional, apesar de todas as desculpas e pretextos.

    Imagine se no lugar da Síria, fosse o Brasil?

    É preciso analisar a situação sem tomar partido, porque no futuro poderá ser a nossa vez de virar teatro de operações para disputas de grandes potências.

  53. Alexandre Galante 22 de Fevereiro de 2018 at 11:26

    “Imagine se no lugar da Síria, fosse o Brasil?”

    O pior é que tem gente que “sonha” com isso.

  54. Galante, o Direito Internacional também repudia ditaduras, massacre de civis. E também repudia que países permitam o uso do seu território por terceiros no intuito de atacar nações soberanas e democráticas. Longe de mim estar aqui defendendo a presença de tropas norte-americanas em solo sírio mas é preciso lembrar que mesmo antes do conflito que assola seu país Assad permitia que o Hezbollah e seus patrões ali transitasse livremente no intuito de levar armas que seriam e efetivamente foram usadas contra cidades e civis israelenses.

  55. Imagine se a Síria tivesse pedido apoio dos EUA.
    Não haveria Terroristas do Estado Islâmico, Rebeldes Curdos nem Rebeldes contra Assad!
    Seriam todos rotulados como Terroristas e ponto!

  56. Alexandre Galante 22 de Fevereiro de 2018 at 11:26.
    .
    Perfeito. É isso aí. No Direito também é estudado nas disciplinas de Direito internacional público e privado, Direito penal sob a soberania territorial, etc.

  57. Vamos deixar as tendências políticas de lado e nos fixarmos no tema do post.
    Tudo já foi dito. A Síria é hoje um laboratório de testes para todos os envolvidos. Dois SU-57 foram para lá porque? Porque estão em fase de desenvolvimento final e é lá que serão testado seus sistemas e armamento. Não se envolverão em embates diretos e em breve retornam à Russia para se juntar aos outros 7 SU-57 que ficaram por lá. É lógico e claro.

  58. Alexandre Galante 22 de Fevereiro de 2018 at 11:26
    *
    Muito boa a colocação, mas se me permite um contraponto:
    As tropas russas e os “rebeldes” dentro da Ucrânia, apoiados pela Rússia, gozam da mesma ilegitimidade que as tropas americanas na Síria, concorda?
    Sobre aquela última, eu deploro qualquer potência (Rússia, EUA, etc.) que apóia ditaduras e é isso o que é o regime de Assad.
    Portanto, legitimidade e moralidade são coisas distintas e me parece que nenhum dos dois lados gozam dessas duas prerrogativas simultaneamente no TO que é a Síria.
    De minha parte, prefiro democracias que elegem um Trump (ainda que eu não simpatize com o dito) do que “democracias” que reelegem um Putin e há um bom motivo para isso: num desses dois casos, os reais opositores e críticos morrem envenenados com polônio ou de outras formas misteriosas.
    Democracia é algo vital ao desenvolvimento do mundo moderno e vai bem além de reles aparências.
    Sds.
    Obs.: Sobre a questão de num futuro virarmos TO de disputas entre grandes potências, é preciso um processo de transformação (especialmente cultural/educacional) que nos livre do nosso estigma de “potência impotente”. E isso começa por quem elegemos. Quem sabe isso não começa a mudar neste ano?
    *
    Sobre o tópico:
    Não seria de todo impossível que os russos tenham deslocado alguns SU-57 pelos motivos (bem) expostos pelo colega Ivan acima (Engenharia e Marketing) e não especificamente para combate.
    Aliás, faria muito sentido.
    Sds.

  59. Pessoal,
    vamos deixar de hipocrisia que o que mais teve depois da SGM foi “ingerência” de potências em países soberanos e isso dos dois lados. Sempre havia algum tipo de apoio maior ou menor ao lado considerado “dissidente”. Não fosse isso não teria havido Fidel Castro nem o Vietnã teria sido unificado pela ditadura comunista do norte e muito menos o Xã do Irã teria sido derrubado. Isso só pra citar três exemplos.

  60. HMS TIRELESS 22 de Fevereiro de 2018 at 11:25

    O seu argumento é bom e verdadeiro. Mas – para citar o Keynes (de quem discordo do pensamento econômico) – “a longo prazo todos estaremos mortos”.

    Os iranianos sempre tiveram pretensões hegemônicas no Oriente Médio e se pensarmos que “iranianos” na verdade são persas, esta pretensão remonta à Idade Antiga.Contudo, a modernidade forneceu os meios para que um dissuadir um país (EUA) ou um grupo de países (países árabes) de atacar o outro – leia-se: armas nucleares.
    Para mim é claro como o sol de verão (para citar Shakespeare) que os iranianos estão desenvolvendo armas atômicas e com o “acordo” que o Obama fez, os iranianos conseguiram o que eles mais precisavam para isso: tempo. Tempo para desenvolver um arsenal capaz de dissuadir outros países de atacarem o Irã.

    E claro, se o Irã tiver armas nucleares, os sauditas também vão querer as suas (dizem que já têm um “convênio” com o Paquistão).

    O futuro é assustador.

  61. Flanker 22 de Fevereiro de 2018 at 10:43
    “Mas, ai vem a pergunta: o Assad ama o povo dele na mesma medida que é amado?? Ele está preferindo ver seu país total e completamente destruído somente para não largar do poder!”

    Flanker, com todo o respeito ao amigo e aos demais que falam que Assad ataca quimicamente a população, etc. Por favor se inteirem melhor do que está acontecendo por lá.

    Assad não é nem de longe o “ditador malvado” que se prega. Apesar de que de fato saer um ditador e o governo restrigir as liberdades como entendemos aqui. Os ataques químicos são uma piada para qualquer um que se debruce sob o assunto com um pouco mais de atenção. É apenas assunto para se privilegiar determinado lado da equação e por isso usado como propaganda.

    No começo da revolução eu concordava com a saída do atual governo, mas esta revolta foi tomada por radicais das mais variadas matizes e pouco resta de revolução verdadeira. Não há dúvidas que a queda do atual governo seria uma catástrofe para o país, um retrocesso. A Síria, acabei entendendo, é um dos países árabes mais liberais, ficando atrás apenas do Líbano no meu entender.

    Portanto Flanker, a saída dele não traria paz como você disse. Provavelmente seria o contrário, pois criaria um vácuo e quem preencheria?

    Existem basicamente duas oposições na Síria. A legal que tem como o principal nome o Ministro da Reconciliação Nacional (o MDB da época da ARENA). Este não seria aceito como representante das “revoltosos’. A segunda oposição são os inúmeros “revoltosos” que possuem como grupos principais facções ligadas direta ou indiretamente aos waabistas.

    Existe ainda a oposição dos hotéis de Ancara, Istambul e Genebra que não possuem representação na Síria, seja entre o povo, entre os militares ou mesmo entre os que lutam pela ‘revolução’.

  62. Tem gente que usa o argumento da soberania para justificar todo tipo de atrocidades, a família Assad governa a Síria a décadas e estão dispostos a matar qualquer um que seja oposição para se manter no poder, o único jeito de se livrar desse crápula é na força mesmo e procurar ajuda de países externos até porque tem russos e iranianos lá dentro matando sírios.

  63. Sobre o SU-57 os russos vem trabalhando nele a 10 anos em alardes e pouca informação… Sabemos que os russo sempre foram bons, em manter seus produtos na sobra, qual o seu estatos e desenvolvimento real. Então ao contrário da China que divulgou mais o desenvolvimento de seus J-20 com boas fotos e logo anunciando, como operacional nas suas fileiras, os russos foram bem cometidos sobre o SU-57 .
    Sabemos que ele não possui o motor final, mas quanto o resto eles já estavam em fase pre-seria, sendo o principal o seu radar de 6 antenas AESA já está nesta fase. Ele pode ser um produto, mesmo sem ser o de serie, muito mais maduro que nos pensávamos.
    Veremos isso em breve…

  64. Vader 22 de Fevereiro de 2018 at 11:06
    Bosco 22 de Fevereiro de 2018 at 6:57
    .
    Ahuahuahuahua Bosco, excelente!
    .
    O povo sírio do norte, do sul, do leste, do oeste e do centro da Síria tem demonstrado, nos últimos 10 anos, o imenso “amor” que sente pelo carniceiro Assad… Rsrsrsrs…
    ___

    10 anos? pode 20 anos? ))) é claro que você está cheio 0 nesta questão + mal estudado na escola

    As primeiras colisões começaram em 2011 !!! agora 2018 ano. 2018-2011 – 7 anos!

    Eu acho que muitos precisam voltar para a escola …
    ____

    10 years? can 20 years? ))) it is clear that you are a complete 0 in this issue + poorly studied in school?

    The first collisions began in 2011 !!! now 2018 year. 2018-2011 – 7 years!

    I think many need to go back to school …

  65. Pergunta de verdade ninguem quer responder né….?
    .
    Se Assad ganhar a Siria ficará :
    a) Melhor?
    b) igual?
    c) Pior?
    .
    Se ele cair:
    a) Melhor?
    b) igual?
    c) Pior?
    .
    Não esqueçam de tudo o que representa para qualquer um dos resultados, de economia, gastos, vidas de pessoas, etc….
    .
    Se o botão vermelho estivesse na sua mão 8 anos atras….voce aperta?
    .
    A “M” está ai….não sejamos hipócritas…e isto não tem nada a ver em gostar de alguem ou estar do lado de alguem, quer seja americano ou não, Sirio ou não, de apoioar ou não…uma decisão tem consequencias….o que vc faria?
    .
    Não tem decisão limpa de qualquer que seja o lado….
    .
    Então, o que voce faria?

  66. Ivan, concordo plenamente com vc, foi o que eu disse:SE A NOTÍCIA FOR VERDADEIRA. A vc meu amigo TIRELESS, paisese árabes se alinhando à ISRAEL, principalmente a Arábia Saudita, esta, por debaixo dos panos, sempre apoiou Israel, porque a família real é de sangue judaico e é porisso que ela ainda não caiu.

  67. Alguém pediu para avisar quando o SU-57 desse as caras na Síria (já está!)e então estamos aqui tambem para reafirmar que estamos aguardando a presença do f-35 natimorto nos céus da Síria!!
    Fico no aguardo!

  68. carvalho2008 22 de Fevereiro de 2018 at 12:18
    Pergunta de verdade ninguem quer responder né….?
    ___

    he already got it back! or should there be Sharia law? with the cutting of the heads?
    ___

    Ele já recuperou! ou deveria haver lei Sharia? com o corte das cabeças?

  69. Alexandre Galante 22 de Fevereiro de 2018 at 12:20

    A Síria não é uma vítima inocente da ingerência Ocidental, muito pelo contrário.
    A rigor, o “modelo” da guerra civil síria, em que facções xiitas/alauitas, sunitas, cristãs, formam grupos paramilitares e milícias que são apoiadas por países estrangeiros e combatem umas às outras de uma forma até meio caótica foi inaugurada no Oriente Médio na guerra civil do Líbano na década de 80, no qual a Síria era um dos principais atores. Aí é aquela coisa: passarinho que come pedra sabe como a pedra sai depois.

    • Jacinto, essa é a narrativa que é vendida pelas agências de notícias ocidentais, não é novidade. Nossa tarefa como estudiosos de Relações Internacionais & Defesa, é questionar essas narrativas e tentar analisar a situação sem viés ideológico, o que é muito difícil, porque a mente do brasileiro é americanizada, inclusive a minha.

  70. Ora cobram dos EUA que ele não atacava o EI coisa nenhuma, ora lembram que ele não tem legitimidade para estar atuando na Síria.
    Muitos aí têm que se resolver se queriam os EUA atuando ou não.
    Usar os dois argumentos é uma antinomia que não é adequado ao ordenamento das ideias.
    Subentendo-se que os EUA não faziam nada no espaço aéreo da Síria então não há o que se falar dele estar se intrometendo na soberania do dito país já que ele não tem tropas regulares atuando nesse teatro.
    Se a atuação dos EUA é só ajuda financeira ou fornecendo armas, sua atitude até pode ser contestada mas novamente ele não está atuando diretamente.
    Ou seja, a atuação direta dos EUA foi só nos eventos que culminaram com o abate de um avião síria que em tese estava atacando os dissidentes (ou terroristas, pra mim, tanto faz como tanto fez). Esse então pode ser considerado um caso isolado.
    Se a USAF atacava o EI, mesmo sem autorização do Assad, já estava dando alguma ajuda à ele, mesmo que não solicitada. O que é certo é que até agora, tirando o ataque à base aérea de Shayrat com Tomahawks, os EUA não atacou as tropas leais ao Assad.
    A gritaria é grande mas não é tão justificável como pode parecer a primeira vista.

    • Bosco, em todos os conflitos que os EUA atuaram desde o Vietnã, os resultados foram questionáveis: Guerra do Golfo I e II no Iraque, Líbia, Afeganistão, Síria etc. O EI nasceu da interferência americana no Iraque e na Síria. É preciso perguntar até que ponto essas atuações dos EUA são positivas e para quem são.

      Desde o fim da Guerra Fria, os EUA passaram a atuar autônomamente, como potência hegemônica, sem dar satisfações aos organismos internacionais, na base do “manda quem pode e obedece quem tem juízo”. Mas com a recuperação da Rússia e a ascensão da China, as ações dos EUA começam a ser bloqueadas cada vez mais. Esses bloqueios poderão levar a atritos e à guerra generalizada entre essas potências.

  71. rustam bogaudinov 22 de Fevereiro de 2018 at 12:28

    Since 1973, Syria’s Constitution recognize sharia as the law of the land. Syria´s civil war has nothing to do with Sharia.

    (…)

    Desde 1973 a constituição da Síria reconhece a sharia como a lei do país. A guerra civil da Síria não tem nenhuma relação com a Sharia

  72. Pesquisem por Eva Bartlett, jornalista que expõe sério viés na cobertura da guerra na Síria.
    .
    Uso de armas químicas? Não compro cegamente uma versão, ainda mais sem saber quem a conta.
    .
    Das notícias que chegam da Siria e oq de fato lá acontece é uma grande incógnita e faz parte da guerra de informações, primordial na guerra moderna. Distinguir manipulação de informação faz-se cada vez mais necessário.
    Tenho grande cautela quanto ao jornalismo-ativista do qual o Ocidente recebe as poucas informações.
    Obama desestabilizou países implantando regimes piores e promovendo o jihadismo islâmico, nesse processo a grande imprensa que no EUA lhe apoia não lhe faltou e neles a credibilidade não é mais uma marca.
    .
    Segue um link da jornalista mencionada:
    https://m.youtube.com/watch?v=g1VNQGsiP8M

  73. Desculpa Galante mas eu não acredito nessa lenga-lenga de determinados “iluminados” a serviço do Kremlin ( e replicadas aqui pela esquerda asinina e a extrema-direita xucra) segundo a qual o ISIS seria uma “criação” dos EUA.

    • Tireless, a criação do EI não foi proposital, nasceu indiretamente do conflito no Iraque e na Síria, com pessoal que recebeu treinamento e equipamento americano.

      É aquele velho problema: você sabe como começa uma guerra, mas não sabe como ela vai terminar. Não há controle sobre o desfecho de um conflito, principalmente nesse tipo de guerra no Oriente Médio, com vários atores e interesses em jogo.

  74. As aeronaves SU-34,SU-30 e MI-28 ganharam muito com a passagem na Síria,aviônica,novos sistemas e armamentos agregados,além de deficiências descobertas e sanadas. / com o SU-57 será o mesmo.

    A guerra síria está sendo um laboratório para armamentos russos.

  75. Galante,
    Concordo plenamente! Sou absolutamente contra os EUA estar se metendo em tudo que é canto do mundo, o que não é a mesma coisa de achar que os monarcas Assad, Saddan, Gaddafi ou o Talibã são exemplos de legitimidade a serem preservados custe o que custa pela ONU ad eternum .
    De minha parte, sendo presidente americano no 11/09, tinha dado ordem para um Ohio descarregar um Trident em cima das montanhas do Afeganistão que tava tudo resolvido.
    Já em relação ao OM, a coisa toda tem o complicador religioso (xiita x sunita) e o complicador político (Israel). Esses dois são os principais fatores a serem levados em conta naquele pedaço da Terra e não tem nada a ver com oleoduto, petróleo ou seja ló o que for.
    E o povo que mora lá é igual os “oprimidos” do Ocidente. São só bucha de canhão entre as duas facções (a que está no poder e a que quer estar no poder).

  76. Bosco, boa tarde.
    Voce pode e deve, em nome de uma integridade inteletual. , admitir que a Siria é objeto de uma açãio criminosa por parte de paises orientados e alinhados das democraciad ocidentais!
    Ja é limpido e cristalino pra qualquer ser pensante que na SIRIA. nao se trata de uma guerra civil, mas sim de proxi !
    Seja honeto com sigo mesmo!
    Sua inteligencia é capaz de te salvar do maniqueismo barato do confronto ideologico arcaico!
    Estamos vivendo um momento em que a razao esta sucubindo ao sofisma! Isso é tragico!

  77. A guerra na Síria tem semelhanças com a Guerra Civil Espanhola pré G.Mundial II:
    Envolvimento de potências antagônicas, “experimento” em moderno TO, mundo a um gatilho de desencadear conflitos regionais com enlaces globais, as anormalidades já são tidas como normais.

  78. Eu estou ouvindo os tambores soando ao longe de conflito mais acirrado pela influência da Síria! Quem esta disposto a mais?!? EUA ou Rússia?!?

  79. Bosco 22 de Fevereiro de 2018 at 12:56
    “De minha parte, sendo presidente americano no 11/09, tinha dado ordem para um Ohio descarregar um Trident em cima das montanhas do Afeganistão que tava tudo resolvido.”
    Me lembrou um velho ditado:
    ‘Ainda bem que Deus não dá asas à cobra.’

  80. Alexandre,
    Quais seriam os interesses das potências ocidentais que não poderiam ser conquistados numa livre negociação entre países soberanos? Qual essa incrível margem de lucro que faria diferença aos grandes magnatas ocidentais?
    Me explica isso que eu quero entender e se eu entender eu dou o braço a torcer com a maior tranquilidade.

  81. Alexandre Galante 22 de Fevereiro de 2018 at 12:45

    Irretocável !!!

    Obs. como é lindo este Su-57 e a renderização dele com as armas externas ficou belíssima.

  82. Bosco 22 de Fevereiro de 2018 at 13:07
    Desculpe me meter, mas os gastos não são dos magnatas, são dos Estados.
    É para isso que o Estado serve para eles, através da força ou da negociação ampliam a sua base de consumo ou de matéria prima. Os agentes do estado (políticos) levam uns trocados por fora, direta ou indiretamente.

  83. Aliás, quais foram os imensos ganhos com as guerras no Afeganistão, Iraque e Líbia?
    Que eu saiba a cada dia que passa os EUA está sendo alcançado pela China e fala-se de perda de trilhões de dólares nessas campanhas militares.
    Cadê todo esse dinheiro do petróleo jorrando para os americanos e das reconstruções dos países destruídos?

  84. Me corrijam se estiver errado, mas a Guerra na Síria server basicamente para permitir ou impedir que os oleodutos e gasodutos do “recém liberto” Iraque cheguem aos consumidores europeus. Ninguém está preocupado com sírios ou curdos ou qualquer outra etnia.
    Russos querem garantir seu quase monopólio do mercado de gás natural na Europa;
    Europeus querem passar a eles mesmos terem monopólio do mercado europeu;
    Estadounidenses querem enfraquecer a Rússia economicamente, e posar de bonzinhos com seus vassalos europeus, além de levar um troco nas parcerias no mercado europeu;

  85. Estamos com um regime no governo, que implantou uma intervenção militar na federação para alterar a pauta da imprensa. Isto não é ponto de vista ou opinião. É apenas repetir a observação de um fato.

    Quando a emoção altera a capacidade de julgamento a ponto de relativizar um fato categorizado-o como uma opinião, torna-se infrutífera a continuidade da discussão até que os confusos entendam que a distinção entre fato e opinião não é feita através do pouco que sabemos e muito do que sentimos sobre o assunto.

    Bosco e Vader “não gostam” do Assad. Qualquer discussão a partir daí é infrutífera até que eles entendam que podem continuar “não gostando” mas isto não altera o fato que suas opiniões são formadas em emoções, logo a probabilidade deles próprios, com seus parcos conhecimentos e muitos sentimentos, estarem corretos em sua opinião é humilde; mínima até.

    Atentar que a retroalimentação sentimental do insucesso é a dor. Insucesso na formação de uma opinião ou versão dos fatos é tão real quanto perder o vôo por atraso ou ser reprovado em um concurso. Sentir-se contrariado, ofendido até, por ter uma opinião ou idéia refutada por mais dados e menos sentimos deveria alertar um adulto sobre si mesmo.

    Nãoo enfrentar a dor resultante do conflito interno do processo de expansão da consciência, muito distante para eles concluir agora que, independente de quantos verões e invernos já viram, a simples (porém mui complexa e individual revelação) que suas premissas ‘lógicas’ são tão somente fake news e semi-interpretações viciadas na origem do “não gostar”.

    Ou apenas concordem com o Galante sobre a real influência que todos temos e repetimos como padrão de prazer e afirmação individual, na formação do pensamento de quem mora nesse lado de cá do Atlântico. Oxalá estaria de bom tamanho.

  86. Bosco 22 de Fevereiro de 2018 at 13:16
    qualquer ganho deles é líquido o prejuízo de trilhões e dos governos. As empresas petrolíferas? Vão bem, obrigado ! O Estado ? que se lasque ! esse é o pensamento ‘deles’

  87. Ricardo,
    Magnatas aí é força de expressão. Lê-se: elites. São as elites que fazem guerra e têm fome de petróleo.
    O que quero saber é qual a vantagem real que os EUA teve ou imaginou ter em todas essas ações. Se teve não aparente e se imaginou ter e não teve por que insiste com essa “política” de querer buscar na marra auferir ganhos com incursões militares onde se gastam bilhões de dólares com armamentos e se consegue muito pouco com os ditos “espólios” de guerra, se é que se pode chamar isso de espólios tendo em vista que cada país vira um lamaceiro sem saída para os odiosos e maquiavélicos americanos.
    É incrível como esse país chegou ao ponto que chegou sendo assim tão ingênuo e repetindo um erro após o outro como um suicida a caminho do precipício. Dá mesmo pra desconfiar que esses abestalhados americanos não pisaram na Lua e foi tudo embromação dirigida pelo Kubrick.
    E pensar que há teorias de que o 11/09 foi manobra de “falsa bandeira” só prós EUA poder ficar 16 anos em guerra contra o Islã se consumindo aos poucos e enchendo a Europa e o próprio EUA de muçulmanos “foragidos”. Quem será que foi o gênio dessa operação desastrosa e de tantas outras que os EUA se mete e só se ferra por conta de sua incontrolável sede de petróleo.

  88. Apenas algumas dúvidas: durante o governo Assad, os cristãos e outras minorias étnicas sofriam (ou ainda sofrem) alguma espécie de perseguição por parte do “regime” sírio? Os rebeldes moderados apoiados pelo Ocidente (como, por exemplo, o Nour al-Din al-Zenki, conhecido por decapitar crianças) representam alguma melhora em relação a esse cenário? Se sim, como?

  89. Sem entrar no mimimi e briguinhas, eu acho que Assad é um ditador, mas me custa muito acreditar que ele usou (usa) armas químicas contra a própria população, mesmo sendo outras minorias étnicas. Não é porque OTAN fala isso que é verdade. E se foram usadas armas químicas lá, é melhor investigar de que lado veio, quem forneceu.
    Assim como também não acreditava que Saddam possuía ou usava tais armas (também era um ditador) mas que comprovadamente perseguia as etnias que não concordavam com ele no poder. Mesmo contra os curdos ataques químicos nunca foram provados que estes foram feitos por Saddam.
    Já o ditador líbio Gaddafi também foi retirado do poder com ajuda de forças externas.
    Esses paisecos possuem populações extremamente divididas em etnias e crenças, mas tem em comum muito petróleo. Não vejo tropas da OTAN combater os massacres na África.
    Acho que muita gente fala o que não sabe, se limitam a repetir as notícias que saem por ai sem comprovação alguma.
    Não estou defendendo ninguém, são ditadores, mas não sei se são criminosos tanto quanto divulgam.

  90. Ricardo,
    Você então quer que eu acredite que essa guerra toda na Síria foi obra dos americanos e europeus por conta de passarem a pxxxrrrxxxa de um oleoduto no país para que o Iraque pudesse abastecer a Europa?
    E os fabricantes de navios?Não saíram perdendo?Eles podem perder? Só quem mexe com petróleo é que tem que ganhar sempre?
    E porque o Assad não queria de jeito nenhum esse tal de oleoduto? Ele é muito preocupado com a ecologia?Passava em terra indígena? Ou em área de preservação ambiental? Quem sabe o oleoduto passava em área de procriação das mariposas negras andróginas do Oriente, em vias de extinção?
    E no Iraque? Por que os petroleiros americanos derrubaram o Sadan? Qual é a explicação? Tinha também algo a ver com “oleoduto”? Ou alguma teoria relativa a petromoedas? E o Gadaffi? Em que ele impedia o comércio do petróleo? O Ocidente não tinha negócios com a Síria, a Líbia ou o Iraque?

  91. Ricardo da Silva e Bosco, pra mim quem ganha sempre são os “senhores da guerra” que vendem suas armas pra quem quiser pagar. EUA querendo ou não precisa de guerras pra fazer a roda girar pois sua indústria de defesa tem um peso gigantesco em seu PIB, não que outros países,governos,empresa tbm não estejam vendendo suas armas ,mas o titio Sam é insuperável e mesmo se não vender pra fora vende pra suas próprias forças armadas aos montes(não que seja ruim se equipar e bem,digo de passagem),mas pra isso tem que lanar seus mísseis pra poder comprar mais e idem com todo o resto. Veja bem a quantidade de veículos que deixaram(não sei se destruíram) no Afeganistão pelo auto custo logístico de levar de volta pros USA. Sabemos que tudo aquilo teria que ser reposto não é? Mais encomendas e a roda girando ao custo de vidas humanas que nada teem a ver com a ambição de muitos e isso vale pra Russia ,China e afins.

  92. Resposta para o comentarista Bosco:

    Caro comentarista Bosco, com o devido respeito faço reparos a sua primeira intervenção. Independente das demais intervenções feitas por outros. pontuo da seguinte maneira:

    1) Assad é o legítimo presidente da República Árabe da Síria.
    2) A República Árabe da Síria luta pela sua existência contra grupos extremistas islâmicos fundamentalistas, praticantes do terror como arma política.
    3) A República Árabe da Síria protege e permite a existência em seu território de várias confissões religiosas, caso dos Cristãos.
    4) Não existe discriminação para com os cristãos, ou qualquer outra minoria religiosa na República Árabe da Síria.
    5) A mulher na República Árabe da Síria podem dirigir carros, estudar até o nível superior, obter formação em qualquer área de conhecimento, suceder (herdar bens), gerir bens, divorciar-se, votar e se candidatar… Pode, inclusive, ser combatente.
    6) Os grupos jihadistas, quero lembrar-lhe, promoveram massacres sem fim, brutalidades com populações das cidades conquistadas e perseguições genocidas contra as minorias destas localidades.
    7) Estes grupos de jihad, dos quais se destacam o EI – Estado Islâmico e a Al-Nusra ( que no momento tem outro nome, já que o muda toda semana), são financiados pelas agências de inteligência das monarquias do golfo, notadamente da Arábia Saudita e do Qatar, bem como da incontornável CIA, cujas ligações de traficantes de armas para com estes jihadistas, por ela intermediada, foi alvo de matérias jornalísticas da Bulgária (nação fornecedora de material bélico aos extremistas), Alemanha e da Rússia.
    8) Nenhuma das acusações de ataque com armas químicas realizadas contra a República Árabe da Síria contra população civil foi comprovada por fontes independentes. Os relatórios dos delegados da ONU nunca comprovaram tais acusações. Alías, sabe-se hoje, que o último ataque com armas químicas, realizado em Idlib, então atribuído à Força Aérea Árabe da Síria, foi compatível com uma explosão no solo por espoleta de contato, típica de um… Morteiro. O ataque foi perpetrado pelos próprios jihadistas, em uma ação de falsa bandeira…
    9) A Federação Russa está presente na Síria atendendo a um convite formal da RAS. A sua presença é legal. A presença dos EUA em solo da RAS viola todos os termos legais.
    10) A Rússia tem presença muito pequena se for contado apenas o dispositivo aéreo desdobrado para a Síria. A ajuda Russa se dá em outros campos, como o logístico, através do fornecimento de combustíveis e lubrificantes, peças, reforma dos parques de manutenção, reparação e manutenção de viaturas e insumos para o parque bélico local, bem como de material de construção civil.
    11) No momento mais negro, quando os recursos da RAS escasseavam frente aos proxys das nações do golfo, houve bombas barril roladas pelas porta dos helicópteros, algo que não mais se faz, todavia, mesmo na hora mais negra estavam os sírios lutando contra extremistas que assaltaram o seu território.
    12) O financiamento e apoio dos EUA aos extremistas é algo que não se discute, visto haver, inclusive, imagens fotográficas do Senador McCaim, em solo Sírio, em reunião com vários lideres da jihad, onde se encontrava presente a pessoa de Al-Baghdadi… Nada mais do que isso, caro Bosco…
    13) O absurdo termo “rebelde moderado” (se moderado, como ser rebelde? Rebelde, por definição é aquele que perdeu a moderação), fala por si. É uma invenção dos EUA…
    Nada é mais elucidativo.

    Portanto, digo-lhe, que o conflito Sírio, que nasceu da recusa de Assad de uso pelo Qatar do gasoduto sírio em direção ao mediterrâneo, é a expressão máxima do imperialismo. Prática imperial esta que muitos acreditavam estar enterrada no século XIX, mas, que ressurge de forma hipócrita neste século XXI. Não serão as respostas emotivas motivadas pela propaganda que irão nos nortear, mas informações brutas, mesmo com pouco tratamento, àquelas que permitirão a formação de um quadro situacional capaz de nos tirar do fog de guerra.

    Sds.

  93. Ricardo Da Silva 22 de Fevereiro de 2018 at 13:18
    A coisa é muito mais complexa. Existem interesses econômicos que não são os campos de petróleo e gás do Iraque porque estes não precisariam passar pela Síria para chegar à Europa, mas do campo de gás do Catar. Mas hoje, isso já está em segundo plano: estão alterando o percurso do gasoduto porque é muito mais barato fazer um gasoduto mais longo do que fazer guerra.
    A questão hoje é de como a influência política se dispersa pelo Oriente Médio: a capacidade iraniana de sustentar seus aliados (Assad) ou desestabilizar seus inimigos (Iemem); a capacidade saudita de sustentar seus aliados (Iemem) ou desestabilizar seus adversário (Assad); a capacidade russa de sustentar seus aliados e interesses (Síria) e a capacidade americana de cobrar um preço em vidas e em territórios de seus adversário (Síria). A capacidade turca de não ser um mero joguete dos EUA ou da Rússia. A todas estas questões (que são políticas) imiscuem-se ainda questões religiosas (sunitas x xiitas x cristãos x judeus) e “étnicas” (persas, árabes, judeus e turcos) (etnia entendida como uma questão cultural, não racial – porque não existem “raças).
    Em suma, é um “conflito perfeito” e sem nenhuma solução à vista.

  94. Que eu saiba Assad não é ecologista.
    Mas ironias a parte, Quem não quer que os oleodutos e gasodutos cheguem à Europa é a Rússia. Não é a mesma dinâmica levar gás natural em navios e em gasodutos, você deve saber disso. Isso na verdade é a ponta do iceberg.
    Parece simplista, mas não é.

  95. Claudiney, a captura de movimentos revolucionários por radicais não é nova naquelas bandas. A assim chamada “Revolução iraniana” foi deflagrada justamente por estratos urbanos, da classe média, estudantes, intelectuais e outros mas que no decorrer dos acontecimentos foi capturada pelo clero que até hoje manda e aterroriza o Irã. E tal processo se deu de forma semelhante no Egito, onde a irmandade muçulmana fez o mesmo e apenas não foi bem sucedida porque os militares entraram em ação e os depuseram do poder.

    Voltando ao caso iraniano, esse movimento de captura da revolução por radicais foi culpa de potências estrangeiras? por óbvio que não pois a culpa foi do próprio Xá ao ter se tornado um monarca absolutista esvaziando assim espaços democráticos que teriam impedido tal fato. Se houvesse deixado de ser um monarca absolutista e levado o país a ser uma monarquia constitucional nos moldes das que existem na Europa a dinastia Pahlevi estaria no poder até hoje e o Oriente Médio seria uma região bem mais estável.

    Assim, a apropriação do movimento revolucionário pelos radicais religiosos na Síria mostra-se como indesejável efeito colateral da falta de democracia ali existente tendo em vista o caráter ditatorial do regime de Assad.

  96. Beleza Tomcat,
    Então já temos duas causas dos EUA fazer guerra: os falcões querem vender armas a todo custo e para isso há de se semear guerra no mundo todo e os petroleiros querem ser os únicos no planeta a negociar com o petróleo e vendê-lo ao mundo todo empobrecido porque só eles é que podem ter carro e andar de avião e iates e o resto do mundo pode virar uma favelona com um monte de zumbis esfomeados e esfarrapados.
    Quem tem mais teorias?

  97. Não dá para levar a sério esses vermes que são a favor da Rússia ter tomado a Criméia e ainda está ajudando ‘rebeldes’ para tomar mais territórios da Ucrania e são contra os EUA na Síria. Quem começou a confusão toda no oriente médio foi a Rússia invadindo o Afeganistão e usando a força para acabar com a religião dos caras para instalar um regime comunista, fato.

  98. Ivanmc 22 de Fevereiro de 2018 at 13:43,
    Na realidade, grande parte da “alt-right” é bastante crítica do intervencionismo americano em outros países e, de modo geral, rejeita essa visão — quase bonapartista — de que o papel dos EUA é servir como polícia mundial e espalhar a democracia na base da força.

    Esse “desconforto” é mais típico dos neocons, que inclusive estão postando aqui.

  99. Ricardo,
    Enquanto o Alexandre não nos apresenta sua teoria, vamos ver se eu entendo a sua. Quer dizer que os americanos não queriam o tal oleoduto? Quem queria era a Rússia? Os americanos queriam levar o petróleo de navio e os sírios e russos queriam o oleoduto e por isso os americanos inventaram de fazer uma parte ínfima do povo se rebelar (98% do povo adora o Assad e o quer como líder vitalício e quer que seus filhos e os filhos destes continuem a governar a Síria para todo o sempre ) contra o governo local e aí inventaram essa quizumba toda onde milhares de inocentes já morreram por conta de uma porcaria de um oleoduto que eu até agora não entendi se os EUA queria ou não ele.
    Ou seja, em acabando a guerra na Síria e o Assad se mantendo no poder ad eternum com sua dinastia, vai ter ou não vai ter o tal do duto de óleo? Me explica isso, pelo amor de Deus!

  100. Alexandre, alegar que a Síria está sendo vítima de uma ação criminosa por parte de países orientados e alinhados das democracias ocidentais e tão desonesto quanto à afirmação da Elaine segundo a qual eles estariam sendo vítimas de uma guerra de largo espectro, até porque esses dois argumentos são invenções de escribas a serviço do Kremlin.

    A verdade é que a guerra se iniciou pelo desgaste sofrido pelo regime autoritário de Bachar Al Assad lembrando que revoltas populares por ali eram razoavelmente frequentes tanto que seu pai Hafez teve de sufocar algumas. Mas Bachar é Bachar, e não tem a habilidade e tampouco a força de Hafez, que era chamado de “O Leão de Damasco”.

    No mais, a única “proxy war” ali é travada pelo Irã, através dos seus acólitos do Hezbollah, contra a democracia israelense.

  101. Não sou defensor de ditaduras, mas dizer que os EUA estão ilegalmente na Síria, para defender que a população civil de “massacres”, ou é ingénuo (para não dizer coisa pior), ou não é ideologicamente cego.

    Os EUA são tão defensores dos direitos humanos, que já derrubaram a ditadura monarquista da Arábia Saudita, não é verdade?!

    Então senhoras e senhores, menos ideologia e mais realidade.

  102. wilhelm 22 de Fevereiro de 2018 at 14:00.
    .
    É isso aí mesmo. Você está correto. Por outro lado, eu só não entro muito no mérito para não gerar polêmica. Até porque o assunto é sobre aviões, numa boa.
    Sds.

  103. Quanto ao Su-57, não faz sentido operacional estarem por lá. Na melhor da hipóteses seria apenas para testar sua furtividade ante aos sistemas ocidentais, que por lá estejam atuando, mas não sei se Moscou pagaria pra ver isto acontecer.

    Agora, que seria interessante ver uma foto, em voo, F-22 e Sua-57 lado a lado, isto seria.

    Até mais!!! 😉

  104. I adore the Brazilian readers))

    news The Su-57 is transferred to Syria!

    comments – Politics-Assad-Putin-US-10 years is a war)))
    ___

    Adoro os leitores brasileiros))

    notícias O Su-57 é transferido para a Síria!

    comentários – Política-Assad-Putin-US-10 anos é uma guerra)))

  105. Boa tarde a todos !!!
    Apesar das dores e amores, as discussões estão bacanas de se ler !!!
    —————————
    Bosco 22 de Fevereiro de 2018 at 12:56
    ” Já em relação ao OM, a coisa toda tem o complicador religioso (xiita x sunita) e o complicador político (Israel). Esses dois são os principais fatores a serem levados em conta naquele pedaço da Terra e não tem nada a ver com oleoduto, petróleo ou seja ló o que for.”

    Bosco, na verdade o entendimento nessa questão é um pouco equivocado nesse sentido.
    Gostaria de lembrar que 90% do Iraque é Xiita, e não acontecem as pressões de relação que ocorrem com o Irã.
    O centro dessa instabilidade não é necessariamente o Aiatolá ser Xiita, mas sim o ele ser Persa.
    Irã não é Árabe, é Persa !!!
    Já assisti na Al Jazeera especialistas Sauditas e dos Emirados,defendendo Israel contra o “Domínio Persa”, perceba, eles não usaram o termo “Domínio Xiita” em nenhum momento.
    ——————————
    Os Estados Unidos se metem demais nas relações de outros países, isso é fato.
    Mas precisamos lembrar que isso é uma ferramenta política de movimentação econômica.
    Todos esses conflitos, desdobramentos de equipamentos e material, movimentam bilhões de dólares dentro dos EUA.
    O Governo compra e vende equipamento militar, as empresas contratam pessoas, são gerados salários e impostos pelas empresas, as pessoas gastam o salário, o governo ganha nesses impostos e a máquina gira.
    ——————————-
    Enquanto a máquina de rendimentos militares gira e os EUA evoluem técnica e economicamente, a gente fica aqui discutindo “Liberdade”,”Democracia”,”Soberania” … como se alguém que toma as decisões, estivesse pautado ou preocupado com isso.
    ——————————-
    Já escrevi a algumas vezes aqui e repito !!!
    A Rússia mudou seus métodos e processos.
    Pode ser que nesse momento o SU 57 não tenha toda a capacidade do F 35.
    Mas daqui a 15 anos, estará parelha a disputa.
    Lembro das reportagens OCIDENTAIS citando a surpresa com a organização, logística e capacidade operacional da Rússia e como os EUA e Aliados estavam surpresos e despreparados para aquele nível de profissionalismo.
    A ideologia e filosofia de trabalho Russa mudaram 180°, mas alguns colegas aqui na trilogia, insistem em colocar a Rússia como nos anos 80.

  106. Alexandre Galante 22 de Fevereiro de 2018 at 12:20
    Carvalho, é só ver fotos da Síria antes e depois dessa guerra civil com ingerência do Ocidente, que sua pergunta será respondida.
    :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
    .
    Pois é mestre Bosco!
    .
    mas deixa o povo brincar de wargame limpinho como uma tela da TV, mas provoque a qualquer dos lados entender que a destruição ocorre em qualquer que sejam os resultados, pois se insuflou uma guerra.
    .
    eu não gosto daquele cara e ditador tinha de ir a Haya e ganhar pena maxima, mas desejo é uma coisa e poder é outra.
    .
    Então esta estoria de estar libertando o povo ajudando é pura balela.
    .
    Foi uma violação do direito internacional, a revelia da ONU. Os EUA patrocinaram a guerrilha lá e obvio que o Governo não vai cair de mão beijada. Inclusive os Russos já deram o recado e sua disposição de manter a Siria dentro de sua influencia a qualquer custo.
    .
    O preço? Bem o preço é este, guerra e matança de milhares de inocentes. De fato, todos estão dispostos a pagar este preço? Quem invadiu quem?.
    .
    ja disse isto aqui e em todos os blogs da trilogia, os principios e leis é o que são o rege e diferencia humanidade de barbaridade. Quem é mocinho, obedece a lei e encontra outros caminhos que não sejam passar por cima dela ou pisoteala.
    .
    O cara é ditador? É!.
    .
    Comete ou cometeu crimes? Sim!
    .
    Pagar e insuflar guerrilha interna resolve o problema? Não resolveu! nem vai resolver! O cenario é este da TV. pais destruido ( uai, vai se destruir o pais e familias que vc alegadamente queria proteger?)
    .
    Quer acabar o conflito? Cesse o apoio aos rebeldes. Em dois meses o conflito acaba. isto não quer dizer que se apoia este ditador. Simplesmente quer dizer o preço é alto demais e o resultado é pior do que o objetivo. melhor não mexer deste jeito porque fede mais, tanto como no resto dos outros paises em que isto já aconteceu. A Russia não vai largar o osso. ela já ganhou, salvo o que? arriscar um conflito mundial??? e no meio disto tudo, alguem lembra que o intento era libertar as pessoas da Siria? Não era isto? Como isto se encaixa hoje?
    .
    Se Assad sair, o pais ficará em paz? Não vai fragmentar? A Turquia vai ficar parada olhando a criação do estado Curdo que na sequencia lhe comerá parte da fronteira? isto realmente vai acabar?
    .
    é o famoso ruim com ele, pior sem ele.
    .
    Todo mundo já viu o que acontece com estado fragmentado e quebra dos governos….exemplo maior que o do Iraque? Voces são tão inocentes que querem apenas fazer fla/flu e não enxergam???
    .
    Não viram o Iraque fragmentado e governo quebrado e sem força perder em poucos meses metade do territorio para o ISIS? Voces acham que um exercito regular iraquiano realmente perdeu na bala? Ele simplesmente se retirou minando 10 anos de controle das tropas americanas. E se retirou porque para o ISIS? Como é que funciona? O soldado lógico nem vai combater porque sabe que os proprios administradores e alto oficialato esta envolvido no processo.
    .
    Deixem de ser ingenuos…se vc lê ISIS, leia “MILICIAS CARIOCAS” exatamente isto….vc acha que os caras tomam refinarias e regiões por conta de religião? logico que não, é para cobrar suas taxas de toda a natureza, luz, agua, gas, petrolio, comercio….pura milicia ao estilo carioca, com autoridades envolvidas fazendo vista grossa e corpo mole….
    .
    E o povo? o povo que se *&¨%….não é?
    .
    guerra é dinheiro….e eureka, até guerra religiosa é por dinheiro….quem apoia, saiba que estara apoiando isto.
    .
    francamente.
    .
    então fiquem vcs de um lado os camisas verdes e do outro os camisas azuis…assistindo e torcendo o jogo sem saber ler o jogo…
    .

  107. wilhelm 22 de Fevereiro de 2018 at 14:00

    Ver a Rússia como ameaça é uma mentalidade neocon tradicional. Ainda mais com um projeto independente como o Su-57. Os neocons se alimentam de guerras. Eles precisam sustentar seu complexo industrial militar. Assim, se as guerras islâmicas intermináveis se extinguirem, os lucros dos neocons se vão. Para eles, é mais vantajoso fazer da Rússia um bicho-papão e bode-expiatório e ter uma aliança entre EUA e islamismo contra o bicho-papão russo do que ter uma aliança entre EUA e Rússia contra o islamismo e suas guerras incessantes e terrorismo. Se o mundo alcançar paz, os neocons vão à falência. Se os Estados Unidos cessarem suas incessantes intromissões militares nos assuntos de outras nações, os neocons vão à falência.

  108. Alexandre, alegar que a Síria está sendo vítima de uma ação criminosa por parte de países orientados e alinhados das democracias ocidentais está equivocado assim como a afirmação da Elaine segundo a qual eles estariam sendo vítimas de uma guerra de largo espectro, até porque esses dois argumentos são invenções de escribas a serviço do Kremlin.

    A verdade é que a guerra se iniciou pelo desgaste sofrido pelo regime autoritário de Bachar Al Assad lembrando que revoltas populares por ali eram razoavelmente frequentes tanto que seu pai Hafez teve de sufocar algumas. Mas Bachar é Bachar, e não tem a habilidade e tampouco a força de Hafez, que era chamado de “O Leão de Damasco”.

    No mais, a única “proxy war” ali é travada pelo Irã, através dos seus acólitos do Hezbollah, contra a democracia israelense.

  109. Ricardo Da Silva ( 22 de Fevereiro de 2018 at 13:18 );

    A estória do gasoduto se aplica ao Qatar, e não ao Iraque… Aliás, mais uma teoria que não faz sentido algum…

    Se a Europa quer gás, tem Argélia e Nigéria “do ladinho”, com 5% das reservas mundais…

    Outra coisa que pouca gente repara: antes do conflito, Assad possuía relações muito próximas aos europeus ( Alemanha e França, em particular ) e estava aproximando-se bastante dos americanos, com encontros de cúpula que remontam a 2009. De fato, aquele país estava muito próximo de uma abertura, tal como já havia acontecido com Egito e Jordânia…

    Ou seja, não haveria razão para impor um conflito apenas por conta de gás… Na verdade, vendo sob este prisma, um conflito desencadeado pela OTAN seria ilógico.

    Embora esteja evidente que os eventos na Síria se precipitaram pela situação no Iraque ( e aí os americanos tem culpa, como bem apontou o Galante ), resta óbvio que esse conflito foi desencadeado por outros fatores que não relacionados ao Ocidente.

    Mali, Somália, Chade… Tropas de países da OTAN passam ou já passaram por todos esses lugares. Aliás, a OTAN mantém o chamado Diálogo Mediterrâneo com vários países do norte daquele continente. Isso apenas não é muito divulgado.

  110. Jeff ( 22 de Fevereiro de 2018 at 13:42 );

    Saddan Hussein comprovadamente utilizou armas químicas contra os curdos nos anos 80.

    Na real, se ignora que é extremamente fácil desaparecer com armas químicas. Um punhado de caminhões cruza o deserto… e ninguém viu nada…

  111. Tomcat3.7 ( 22 de Fevereiro de 2018 at 13:44 );

    Cuidado com essa estória de “guerras por armas”…

    Os dois motores que movem a politica americana são o agronegócio e o petróleo, que tem um peso muito maior que a “bancada da bala”.

    Quanto a economia em si, ela é extremamente diversificada… A economia americana é um monstro, que produz absolutamente de um tudo. Não tem hoje traquitana no mundo que não leve um componente americano ou algo relacionado a uma tecnologia americana.

  112. Eu sinceramente não estou entendendo mais nada.
    O Cesar Ferreira citou o uso do gasoduto pelo Catar.
    Não estou sendo irônico. Como o Alexandre no seu comentário da 13:00 me instigou a entender o conflito agora eu “imbirrei” e quero entendê-lo e se possível deixar meu entendimento simplista de lado e me somar aos que acreditam que o ponto fulcral de tudo isso é a intervenção imperialista de olho nos lucros do petróleo, que não houve nenhuma participação popular numa tentativa frustrada de derrubar o Assad num primeiro momento e que tudo é invencionice da CIA. Inclusive quero acreditar que o Assad não utiliza armas químicas letais contra seu próprio povo e que é menos carniceiro que os que combate.

    • Senhores, a disputa pela hegemonia global é uma maratona, não é corrida de cem metros rasos. Vai conseguir sobreviver até o final desse século quem tiver território abundante, grande população, acesso ao petróleo e gás e tecnologia bélica avançada, para conseguir defender seus interesses enquanto assiste os concorrentes se esfacelando pelos seus problemas internos.

      Prestem atenção à China e à Índia.

  113. Alexandre Galante 22 de Fevereiro de 2018 at 12:33
    Aqui em São Paulo nós temos uma maravilhosa comunidade libanesa que nos trouxe coisas ótimas como o Hospital Sírio-libanês e outras não tão boas, como o Michel Temer. A comunidade libanesa em São Paulo sempre considerou o Assad, especialmente o pai, como o demônio em pessoa em virtude da ingerência síria na guerra civil libanesa. Claro, que existem algumas peculiaridades nisso: o Assad é do partido Baath, que se descreve como nacionalista (na verdade, pan-arabe), socialista e revolucionário (e muçulmano). A maioria da comunidade libanesa de São Paulo é cristã, e portanto, oposto ao Assad.
    A despeito disso, quando a crise na Síria começou, quase nenhum ninguém na comunidade libanesa achava boa idéia a deposição do Assad naquelas condições porque acreditavam que ele jamais deixaria o poder sem luta – e eles se mostraram corretos, porque a coisa descambou para a guerra civil.
    Isso não é a visão da mídia. Isso foi a experiência de quem vivia lá – embora, certamente, algo distorcida pelo envolvimento pessoal no drama.

  114. Galante, entre eles boto mais fé na Índia viu!?

    Mas a julgar pelos requisitos que você escreveu os EUA ainda estarão na parada por muito tempo até porque o país é uma democracia e Trump não é para sempre. O risco é ele ser sucedido na Casa Branca pelo maluco beleza Bernie Sanders

  115. Falando do tema da matéria…

    Caso esses caças estejam mesmo por lá…

    Pode-se muito bem conduzir testes em ambiente real, explorando a estrutura da OTAN na área.

    Os russos poderiam, por exemplo, ter uma noção da furtividade de sua máquina em relação a equipamentos ocidentais, realizando voos de interceptação controlada por terra, aproximando-se de aeronaves da OTAN. Poderiam, num golpe mais arriscado, avançar para próximo as fronteiras de Israel, Turquia e Jordânia, e testar seus novos sistemas de bordo contra sistemas de terra. Operações de ataque mesmo, acho difícil por enquanto…

  116. Bosco 22 de Fevereiro de 2018 at 14:34
    “…agora eu “imbirrei” …”
    Que bom que só embirrou Bosco.
    Ainda bem que não passa disso.
    Deixei um comentário acima direcionado a você Bosco, falando sobre a questão Xiita x Sunita e sua influência real na questão.
    —————————————
    Infelizmente tivemos o desgosto de ler comentaristas sendo chamados de “esses vermes que são a favor da Rússia …”
    Não da nem pra terminar a frase.
    Não há nessa postagem o bom senso ou os valores necessários para estar aqui.

  117. Um país capitalista como os EUA que deveria achar bom todo mundo ter carro, televisão, celular, andar de avião, de cruzeiro marítimo, etc. , fica originando guerra no mundo todo. Deus me livre!
    Imagina se não fosse capitalista?
    Ainda bem que tem uns loucos igual o Elon Mulk que até onde eu sei está ficando bilionário sendo inovador e tá querendo colonizar Marte e tá se lixando pro petróleo e para venda de armas. Claro, sempre poderemos dizer que foi ele que deu um jeito de destruir o VLS brasileiro porque americano não gosta de concorrência, mas até que isso aconteça dá pra acreditar que um país pode ser grande e rico sem precisar fomentar a venda de armas no mundo e sem querer ser o único a comercializar petróleo, nem que seja colonizando Marte.

  118. Carlos,
    Eu li. Obrigado!
    Eu sou do interior de Minas e sou meio que cabeçudo e tenho dificuldades em ver os meandros ou as entrelinhas. Pra mim é tudo preto no branco. No meu modo de entender os EUA teriam muito mais lucro estabelecendo a paz do que promovendo guerras e na minha cabeça simplista há resistência de ver teorias de conspiração em tudo em em todos e de ver os EUA agindo e se movimentando como um “ser” maquiavélico penetrando e contaminando tudo para se satisfazer do sangue e do sofrimento dos outros. A única entidade em que essa propriedade me é absolutamente visível, na verdade chega a ser palpável , é a “esquerda” internacional com a disseminação do Marxismo Cultural, na tentativa de destruir a cultura ocidental.
    Mas estou evoluindo.
    Um abraço.

  119. Ricardo Da Silva 22 de Fevereiro de 2018 at 13:18
    “Me corrijam se estiver errado, mas a Guerra na Síria server basicamente para permitir ou impedir que os oleodutos e gasodutos do “recém liberto” Iraque cheguem aos consumidores europeus. Ninguém está preocupado com sírios ou curdos ou qualquer outra etnia”

    Ricardo, basicamente errado na primeira assertiva e corretíssimo na segunda. Apesar do gás ser uma das variáveis da equação, ela esta longe de ser a mais importante.

    A guerra é uma mistura de disputa de poder entre vários atores e seus aliados; e disputas religiosas. Tem muito haver com o fortalecimento de radicalismos, inundação de armas na região, maior facilidade de comunicação e, é justo que se fale, insatisfação local.

    No caso da Síria, as cidades são relativamente ricas, mas o interior é muito pobre o que facilitou a propagação do correntes wahabistas e salafistas radicais.

  120. Eu não me lembro de algum outro caça ter seu protótipo enviado a uma região de conflito ,quer para participar ativamente ou para fazer testes de qualquer natureza

  121. back to the topic of fasting;

    At the base in Khmeimim, arrived two Su-57 fighters, four Su-35S and Su-25SM, as well as a long-range radar detection A-50U. The equipment arrived at the base on the evening of February 21.

    At present, 12 pilot prototypes of T-50 (factory designation Su-57) have been built. The transfer of these new aircraft together with the A-50U “flying radar” can mean not only a desire to test the latest aircraft in combat conditions, but also a demonstration of Russia’s determined intentions in connection with the operation of government forces in the suburb of Damascus, East Guta, which has already brought charges against the representative of the United States in the United Nations Nicky Haley and the Arab sponsors of groups of militants of the so-called opposition.

    Earlier, the A-50U was openly withdrawn from Syria during the announcement in December by President Putin of the reduction of the Russian grouping in this country, Vedomosti writes.

    The tasks of the Su-57

    One of the main tasks is the destruction of command air units (DRLO). Although in the requirements for the project, the Su-57 should be able to attack not only air, but also ground or surface targets.

    Only the destruction of long-range radar detection and control aircraft (DRLOiU, often referred to as the “Avaks”) in a modern air war can lead to the conquest of air supremacy. Therefore, they are always protected well, that to them to get close to the distance of guaranteed destruction, planes with a minimum signature in the forward hemisphere and a rocket of long-range air battle are required.

    As for the fight against ground-based radars, a specially designed Kh-58UShK (TP) missile was specially created for the Su-57, which can “remember” the appearance of the target and use infrared sensors at the final part of the trajectory to find the target in case the target ceased to exist radiate a radio signal and try to leave the place of its initial dislocation. By the way, the thermal imaging guidance system makes it possible to use the missile not only to destroy the radar, but also to attack other targets, including moving ones.

    On the T-50 installed radar with active phased array antenna (AFAR) H036 “Belka”. On two “Americans” is also about the same, with AFAR. But one. There are five of them on the T-50: frontal (H036-01-1), two side views (H036B) and two located in wing tips (H036L). That is, the aircraft is able to “look” in all directions. This applies not only to radars, but also radio technical intelligence – the newest broadband radiation warning station is able to notice the enemy radar signal, from whatever side it is located, in addition, the station is able to identify and identify noise-like signals, for example the operation of the F-22 fighter radar in so-called low probability interception mode (LPI), which is a broadband phase-modulation. Another advantage of the Su-57 is the developed system of optical sensors, which makes it possible to detect, identify and measure the range to an air target from any angle, and also to disable enemy missiles with infrared homing, acting on them with a beam of a quantum generator.

    There are suggestions that the main S-57 radar exceeds the range of detection of air targets even the record holder – the Irbis station of the Su-35S fighter, and is capable of detecting the F-22 at a distance of 150-180 km. Of course, the exact characteristics of this locator, as well as data on the level of visibility of the F-22, are secret, so the general public can only speculate on their real capabilities.

    Flight quality

    Here is what the test pilot Sergei Bogdan, the Hero of Russia, who first lifted the Su-57 into the sky, wrote on the website “Aviators and their friends”:
    “It’s not a secret for anyone that our Su-27s that deliver to India, Malaysia, and other countries are constantly” fighting “in exercises with NATO aircraft. According to the statistics that are regularly reported to us, the worst variant is when our planes lose 30% of air battles. And usually our technique wins 90% of fights or wins “dry”, that is, it has an overwhelming superiority over rivals of the 4th generation “.

    Bogdan so characterizes the advantages of the new aircraft:
    “About a year I did not fly to the Su-27, and then it was required to fly on it. As I took off, I felt how heavy and absolutely unnatural it was, as if I had taken off on a bomber, not a fighter. And a thought flashed through my head: “Can I sit on it at all?”. With all my deepest respect for the Su-27 I can say that in comparison with the Su-57 – it’s like a truck and a car. ”

    ___________

    de volta ao tema do jejum;

    Na base de Khmeimim, chegaram dois lutadores Su-57, quatro Su-35S e Su-25SM, bem como uma detecção de radar de longo alcance A-50U. O equipamento chegou à base na noite de 21 de fevereiro.

    No momento, foram criados 12 protótipos piloto de T-50 (designação de fábrica Su-57). A transferência dessas novas aeronaves junto com o “radar voador” da A-50U pode significar não apenas o desejo de testar as aeronaves mais recentes em condições de combate, mas também uma demonstração das intenções determinadas da Rússia em conexão com a operação das forças governamentais no subúrbio de Damasco, East Guta, que já acusou o representante dos Estados Unidos nas Nações Unidas Nicky Haley e os patrocinadores árabes de grupos de militantes da chamada oposição.

    Anteriormente, a A-50U foi retirada abertamente da Síria durante o anúncio em dezembro pelo presidente Putin da redução do agrupamento russo neste país, escreve Vedomosti.

    As tarefas do Su-57

    Uma das principais tarefas é a destruição de unidades aéreas de comando (DRLO). Embora nos requisitos para o projeto, o Su-57 deve ser capaz de atacar não apenas o ar, mas também os alvos terrestres ou de superfície.

    Somente a destruição de aeronaves de detecção e controle de radar de longo alcance (DRLOiU, muitas vezes referida como “Avaks”) em uma guerra aérea moderna pode levar à conquista da supremacia aérea. Portanto, eles estão sempre bem protegidos, para que eles se aproximem da distância de destruição garantida, são necessários aviões com assinatura mínima no hemisfério dianteiro e foguetes de combate aéreo de longo alcance.

    Quanto à luta contra os radares terrestres, um míssil especialmente concebido Kh-58UShK (TP) foi criado especialmente para o Su-57, que pode “lembrar” a aparência do alvo e usar sensores infravermelhos na parte final da trajetória para encontrar o alvo no caso de o alvo deixar de existir irradie um sinal de rádio e tente deixar o lugar da sua deslocação inicial. A propósito, o sistema de orientação térmica permite a utilização do míssil não só para destruir o radar, mas também para atacar outros alvos, inclusive os que se deslocam.

    No radar instalado T-50 com antena de matriz em fase ativa (AFAR) H036 “Belka”. Em dois “americanos” também é o mesmo, com o AFAR. Mas um. Existem cinco deles no T-50: frontal (H036-01-1), duas vistas laterais (H036B) e duas localizadas nas pontas das asas (H036L). Ou seja, a aeronave pode “procurar” em todas as direções. Isto aplica-se não só aos radares, mas também à inteligência técnica do rádio – a mais nova estação de alerta de radiação de banda larga é capaz de notar o sinal do radar inimigo, de qualquer lado está localizado, além disso, a estação é capaz de identificar e identificar sinais semelhantes ao ruído, por exemplo, a operação do radar de combate F-22 em o chamado modo de intercepção de baixa probabilidade (LPI), que é uma modulação de fase de banda larga. Outra vantagem do Su-57 é o sistema desenvolvido de sensores ópticos, que permite detectar, identificar e medir o alcance de um alvo de ar de qualquer ângulo, e também desativar mísseis inimigos com acesso via infravermelho, atuando sobre eles com um feixe de um gerador quântico.

    Há sugestões de que o radar S-57 principal exceda o alcance da detecção de alvos aéreos, mesmo o gravador – a estação Irbis do lutador Su-35S e é capaz de detectar o F-22 a uma distância de 150-180 km. Claro, as características exatas desse localizador, bem como os dados sobre o nível de visibilidade do F-22, são secretas, de modo que o público em geral só pode especular sobre suas capacidades reais.

    Qualidade de voo

    Aqui está o que o piloto de testes Sergei Bogdan, o Herói da Rússia, que primeiro levantou o Su-57 no céu, escreveu no site “Aviadores e seus amigos”:
    “Não é um segredo para ninguém que nossos Su-27s que entregam à Índia, Malásia e outros países estão constantemente” lutando “em exercícios com aeronaves da OTAN. De acordo com as estatísticas que são relatadas regularmente, a pior variante é quando nossos aviões perdem 30% das batalhas aéreas. E, normalmente, nossa técnica ganha 90% de brigas ou ganha “seco”, ou seja, tem uma superioridade sobre os rivais da 4ª geração “.

    Bogdan caracteriza assim as vantagens da nova aeronave:
    “Cerca de um ano eu não voei para o Su-27, e então era necessário voar sobre ele. Quando eu tirei, senti-me tão pesado e absolutamente não natural, como se tivesse tirado um bombardeiro e não um lutador. E um pensamento passou pela minha cabeça: “Posso me sentar nisso?”. Com todo o meu profundo respeito pelo Su-27, posso dizer isso em comparação com o Su-57 – é como um caminhão e um carro “.

    Implicações políticas

    A transferência de não só o Su-57, mas também a adição de 4 super-tripulados Su-35S lutadores é um reforço extremamente poderoso do grupo de ar na Síria, ainda mais apoiado pelo poste de comando aéreo da A-50U.
    É seguro dizer que essas forças serão suficientes para ganhar uma batalha aérea com qualquer adversário numericamente igual na região.

    Com base no novo fator (Su-57) no espaço aéreo sírio, todos os participantes no conflito precisarão de algum tempo para entender o equilíbrio de poder alterado. E a Rússia tem a oportunidade não só de exercer pressão sobre os países vizinhos com a possibilidade de usar armas que ninguém pode eliminar por sistemas terrestres de defesa aérea, mas também irá operar nas condições de operações militares e confronto no céu.

    De fato, o público e os especialistas aguardam há muito tempo a transferência para a Síria da PAK FA (Su-57), mas Moscou fez esse movimento, como sempre brilhante em termos de “senso do momento”. Foi no momento em que a situação se tornou semelhante à saída do controle, ou seja, a entrada de forças pró-governo no “Afruz” curdo “, que foi invadido pela Turquia, que está sendo puxado pelos EUA para que eles não bombardeiam muito curdos e algum” moderado ” terroristas, ao mesmo tempo, outros turcos “moderados” controlados pelos turcos estão lutando com uma terceira parte (pro-saudita) e com a Provedora iraniana …

    Não podemos excluir a situação de que uma operação para destruir um dos terroristas foi planejada e será realizada, perdoa os membros da oposição “moderados” controlados pelos Estados Unidos e, por acaso, haverá instrutores americanos lá, e no céu haverá VCs russos que não permitem a “Coalizão Internacional” para proteger “oposicionistas”.

    Em geral, um movimento forte e muito oportuno.

  122. Alexandre Galante 22 de Fevereiro de 2018 at 11:26 >>>
    Galante disse tudo!!!
    Tem gente que se recusa a entender isso, achando que tudo que o império faz é pelo bem da humanidade….

  123. Assad é o representante legítimo e soberano da Siria kkkkkkk
    Em geral os tratados internacionais são respeitados apenas por países ocidentais (os menores), basta ver o expansionismo chinês e russo pelo mundo, não estão nem aí para tratados internacionais, suas bombas nucleares falam mais alto.
    Na minha visão Assad e sua família que DOMINA a Síria través de perseguição/segregação/mortes há 60 anos não representa nada, absolutamente nada. É tão irrelevante quanto genocídas como Josef Stalin e Adolf Hitler, tão verdade que não tardou para a ditadura russa apoiar a ditadura síria, assim como a oligarquia dos EUA apoiarem a ditadura da Arábia Saudita.
    O povo ama Assad, ama com um belo fuzil ak-47 na boca, Assad ama o povo desde que o povo fique MUITO longe do comitê central em Damasco.
    Os países muculmanos são expansionistas e perseguidores, cabe a nós agir na mesma proporção, a história mostra que se deixar eles chegam até os portões de Viena, dominam espanha/portugal, ocupam Grécia, ocupam norte da África, ocupam Irã, ocupam Turquia, ocupam sul da Rússia…basta ver o que essa gente está fazendo na Europa!
    Outra coisa, Assad está acuado agora, mas no seu auge desafiava diversos países na região e já atacou covardemente Israel.
    Se esse genocída está recebendo bomba na cabeça, coisa que eu apoio, podem ter certeza que ele merece. Não me refiro as pessoas, essas sim são vítimas dessa situação toda.
    Em geral os que condenam a ação americana e européia na Síria (curiosamente defendem a ação expansionista russa na Síria) são os mesmos que não gostam da intervenção americana em 1964 no Brasil (que eu apoio), quando grupos TERRORISTAS financiados pela URSS, armados até os dentes, queriam tomar o poder a força no Brasil e impor sua forma de ver o mundo, ameaçavam diversos países na América Latina, culminando com a ditadura cubana.
    Em fim, eu tenho pena das pessoas que estão morrendo nessa guerra, TODAS, especialmente imagens de pessoas CIVIS comuns sendo vítimas disso tudo, no entanto, eu defendo toda uma intervenção do ocidente não apenas na Síria, como também em diversos países inimigos (obviamente quando for constatado uma real ameaça, como o Irã com armas nucleares).
    Enquanto não houver gritos para barrar o expansionismo militar chinês (basta ver a África) eu não ouvirei os gritos dos anti-ocidente. O resto é hipocrisia!

  124. Ivan BC 22 de Fevereiro de 2018 at 15:47
    Assad é o representante legítimo e soberano da Siria kkkkkkk
    Em geral os tratados internacionais são respeitados apenas por países ocidentais (os menores), basta ver o expansionismo chinês e russo pelo mundo, não estão nem aí para tratados internacionais, suas bombas nucleares falam mais alto.
    ___

    Você cometeu um erro no blog – você precisa de um show político para contadores de histórias! )

    no Iraque em 2003 e o que era Líbia? Conte-nos? e o que os EUA e os vassalos fazem agora no Afeganistão? E também na Síria – conte-nos)
    ___

    You made a mistake in the blog – you need a political show for storytellers! )

    in Iraq in 2003 and what was Libya? tell us? and that the United States and the vassals have been doing in Afghanistan for 15 years? And also in Syria – tell us)

  125. Pessoal, não tem bla bla bla…
    A Síria tem de derrotar na porrada os grupos de oposição ao Assad e todos seus aliados pró-ocidente, como os EUA, Inglaterra, França, Alemanha, Israel e Arábia Saudita. De todas as outras experiências de derrubar governos não alinhados ao ocidente (Iraque e Líbia), a Síria é a única que até agora resistiu e parte para a ofensiva, com ajuda principalmente da Rússia e do Irã. Esse é o fato inquestionável das frentes de batalha quer gostem ou não.
    Ao custo de milhões de mortos e refugiados, numa guerra encarniçada, Assad e seus aliados estão vencendo e vão continuar a fazê-lo até o último terrorista pró-ocidental ser morto ou expulso. Só uma poderosa intervenção militar estrangeira poderia mudar esse fato inexorável. mas, ao que tudo indica, não vai acontecer.
    Assad está mais perto da vitória do que qualquer outro grupelho terrorista pró ocidental. Esses são os fatos, doa a quem doer.

  126. Meu caro Oplita, Assad está tão perto da vitória que 1/3 do território sírio hoje encontra-se ocupado por grupos rebeldes ligados aos EUA e por tropas dos próprios EUA, que por sinal repeliram com contundência um ataque às mesmas no domingo retrasado. Fala-se em 600 mortos do lado dos atacantes sírios iranianos e mercenários russos.

    E se você diz que Assad tem de derrotar “na porrada” Israel, cumpre lembrar que penúltima vez que entraram em guerra as forças israelenses chegaram a 40km de Damasco. E da última vez foram 85 caças sírios abatidos sem perdas para a Heyl Ha’Avir.

  127. Eu tenho certa resistência em aceitar essa cantilena da esquerda propagando sempre a versão dos EUA imperialista querendo pisar em todo mundo e viver às custas da miséria alheia porque vejo nela uma correspondência com a visão da esquerda aqui no Brasil que propaga que a “elite” quer pisar no trabalhador e quer a volta do trabalho escravo. Ora! Se tem algum sistema econômico e político que consegue viver de escravidão e miséria é aquele que a esquerda almeja. Num país capitalista o que se quer é a difusão da riqueza, afinal, quem é que vai comprar as quinquilharias todas que a “elite” produz?
    Como por essas bandas esse é o discurso e eu o considero equivocado (vejo todo dia na TV Senado e Câmara os petistas repetirem à exaustão esse mantra e com claras intenções diversionistas e pouco nobres) não posso deixar de desconfiar desse mesmo discurso relativo à política internacional. No caso “azelite” na política externa é o famigerado EUA.
    Se mentem aqui descaradamente com motivos claramente partidários, ideológicos e eleitoreiros por que raios devo acreditar que estariam falando a verdade em relação ao cenário externo?

  128. para o bem ou para o mal não se pode negar que os russos tem coragem! Porque se uma aeronave dessas cair ou der algum problema a propaganda negativa será enorme e se for bem apenas terá feio o que se espera.

    _________________________________________________________
    Sobre a Síria e o tal “massacre”, não gostaria de tocar nesse tema pois se vê que este não é o foco do blog, mas tudo bem. Quando Assad tomou Allepo a mídia fez um escândalo de proporções épicas, porém quando a aliança liderada pelos EUA tocou o terror em Raqqa a mídia se calou. Inclusive os médicos sem fronteiras mostraram que o número de baixas civis em Raqqa superou Aleppo e a mídia toda em silêncio. A ditadura Saudita ( e está é a palavra correta ) está tocando o terror no Yemen, matando crianças, velhos e mulheres de fome e a mídia cínica, vagabunda e mal caráter nada. Agora lá vem o Assad de novo tomando outra área dos rebeldes moderados ( basta ler suas diretrizes e ideias para saber que são radicais da pior espécie, mas ninguém tem coragem de ir atrás dessas informações, quem vai fica chocado) e toda a mídia denuncia como massacre e violação dos diretos humanos. Outro dia um dos chefões da CIA que se aposentou comentou que os EUA fazem o diabo, inventam , jogam informações falsas e manipuladoras na mídia, compram políticos e enchem outros com malas de dinheiro. Não é a toa que a grande mídia cada vez mais perde credibilidade. O que fizeram com Trump (independente de gostar dele ou não ) é um negócio chocante, dezenas de informações falsas e mentirosas liberadas por grandes veículos de comunicação como CNN e New York Times.


  129. BILL27 22 de Fevereiro de 2018 at 15:19
    O Su 57 é tão stealth , que acabou sumindo do radar dos comentaristas kkkk

    Hahahahah
    Melhor comentário do tópico, sem dúvidas

    Pessoal, as opniões são válidas, mas não esqueçam que somos meros espectadores, a notícia fresquinha de hoje já é passado.
    Talvez não saibamos nem metade do que acontece nos bastidores dessa guerra.

  130. Alexandre Galante,
    (22 de Fevereiro de 2018 às 11:26)
    .
    O amigo escreveu:
    “Senhores, quem estuda Relações Internacionais sabe que a interferência de outros Estados sobre os assuntos internos de Estados soberanos não é legítima, é ingerência.”
    “Os EUA com tropas dentro da Síria apoiando dissidentes locais vai contra o Direito Internacional, apesar de todas as desculpas e pretextos.”
    .
    Lembro que na Ucrânia acontece algo parecido, onde a Rússia mantem tropas (os tais ‘homenzinhos verdes’) em apoio a “dissidentes locais” (suas palavras) em Donetsk e Lugansk, sem falar da Crimeia que já foi.
    .
    Claro que isso independe do estado de direito em cada país.
    A Ucrânia não tem uma família Assad no poder a tantos anos.
    .
    A questão é: argumentos usados para condenar os norte americanos na Síria devem ser usados para condenar os russos na Ucrânia. Diferente disso qualquer argumentação se encerra.
    .
    Mas. por favor, de volta ao Su-57.
    Ótima notícia essa do PAK-FA na Síria.
    .
    Saudações,
    Ivan, do Recife.

  131. Meu caro HMS TIRELESS

    É simples e fácil de entender: dois anos atrás Assad só possuía 1/3 do território Sírio, estava restrito à região de Damasco e outros poucos lugares. Como você mesmo constata em tua postagem, hoje o processo se inverteu, apenas 1/3 do território não está sobre controle das forças de Damasco, que estão em ofensiva. Não é esse o motivo da grita da imprensa ocidental? Essa é a realidade que emerge dos campos de batalha. Não compreendo a dificuldade em entender isso!
    Por outro lado, essas supostas mortes de “mercenários russos e iranianos” tá parecendo mais aquele famoso ditado: “quem conta um conto aumenta um ponto”. Eram 100 mortos, passaram para 200 e agora você vem com 600… Quando chegar a 2.000 começo a prestar atenção!
    Releia o que eu escrevi e verás que não citei Síria versus Israel, nem Síria versus EUA etc.. Disse que a Síria e seus aliados estão vencendo a guerra contra os terroristas pró-ocidentais e seus aliados, incluindo Israel.
    Eu sei que a ideologia costuma distorcer a realidade, impedindo uma visão objetiva dos fenômenos,e tudo se transforma numa imensa torcida. Mas se verificares os desdobramentos da guerra desde o seu início, verás que esse é o melhor momento para as forças sírias. Os fatos incontestes são que hoje Assad e seus aliados estão vencendo a guerra e em franca ofensiva! Logo, logo vamos assistir os desdobramentos dos avanços dos “Leões de Damasco”!

  132. Estive ano passado em Ghazze, no Líbano, de onde podia se ver as montanhas de Ras-Al-Ain já na Síria. Também estive em Baalbek, tão perto da Síria quanto Ghazze.

    O Líbano é Lindo demais.
    Não fosse pela ameaça de guerra, moraria lá hoje sem dúvidas.

    Também estive nos EAU e Egito.

    Vi russos pra todo lado, especialmente no Egito e EAU.

    Líbano, vi alguns também.

    Más é interessante você estar lá pessoalmente, viver o dia a dia com os caras. Perguntar de forma não muito invasiva sobre a questão do ISIS e o que ele representa para o povo árabe. Também sobre a presença de russos, americanos, europeus por aquelas bandas.

    A lição que tive de toda esta experiência me fez ver sob uma outra ótica toda minha formação de opiniões que tinha antes de por os pés lá.
    Ver os locais que vi, de falar com as pessoas que falei, em especial as respostas que (ÁRABES) reais, legítimos algumas destas pessoas as quais só vi os olhos por estarem com o corpo todo coberto, enfim.
    O que ouvimos e vemos aqui como notícia, é uma coisa.
    Estar lá, é outra.
    Hoje quando vejo determinadas noticias da região através de nossos meios de mídia eu penso: “Meu Deus, o Ser-humano é podre”.

  133. Aliás, esqueci do post…..

    Se quiserem deletar meus comentários que não tem nada a ver com o Avião russo, fiquem a vontade os editores do Blog.

    Falando do Tópico, penso que faz parte de um processo de análise de um produto. Normal.

    Todo que fabricam aviões deste tipo, fizeram diferente?

    Penso que não.

  134. Ivan,
    Mas o “problema” onde a sua analogia não encaixa é que na Ucrânia o governo anti russo existe por conta da reprogramação mental de milhões de pessoas implementada pela CIA via HAARP que também foi tentada na Síria mas que de forma atabalhoada só conseguiu “contaminar” alguns poucos indivíduos de mente fraca, ora chamados de “insurgentes” anti-Assad.
    O ex-governante da Ucrânia era amado e idolatrado pela esmagadora maioria da população, com ocorre na Síria em relação ao Assad, coma diferença que lá o programador de cérebros da CIA funcionou de forma regular enquanto na Síria “deu ruim”.
    Na Síria os russos foram convidados e na Ucrânia não foram, mas isso não deslegitima a “intervenção” russa tendo em vista que o atual governo de lá é considerado ilegítimo por conta de que é impossível um povo, de livre e espontânea vontade querer sair debaixo da bota russa e quando o fazem só por conta de algum maquiavélico plano imperialista e portanto o governo de lá não é legítimo, mas sim o que foi deposto.
    Só na Crimeia é que provavelmente a água da região foi capaz de proteger a mente dos habitantes locais das investidas radioeletrônicas do HAARP e estes, graças aos céus, estão livres e de mãos dados com seus amigos e protetores russos.

  135. “Alexandre Galante 22 de Fevereiro de 2018 at 14:38
    Prestem atenção à China e à Índia”.

    Veja a lista de quais serão as maiores economias do mundo em 2050. Entre parênteses, a posição que cada país ocupava em 2016:

    20. Vietnã — US$ 3,176 trilhões (32)
    19. Filipinas — US$ 3,334 trilhões (28)
    18. Coreia do Sul — US$ 3,539 trilhões (13)
    17. Irã — US$ 3,900 trilhões (18)
    16. Paquistão — US$ 4,236 trilhões (24)
    15. Egito — US$ 4,333 trilhões (21)
    14. Nigéria — US$ 4,348 trilhões (22)
    13. Arábia Saudita — US$ 4,694 trilhões (15)
    12. França — US$ 4,705 trilhões (10)
    11. Turquia — US$ 5,184 trilhões (14)
    10. Reino Unido— US$ 5,369 trilhões (9)
    9. Alemanha — US$ 6,138 trilhões (5)
    8. Japão — US$ 6,779 trilhões (4)
    7. México — US$ 6,863 trilhões (11)
    6. Rússia — US$ 7,131 trilhões (6)
    5. Brasil — US$ 7,540 trilhões (7)
    4. Indonésia — US$ 10,502 trilhões (8)
    3. Estados Unidos— US$ 34,102 trilhões (2)
    2. Índia — US$ 44,128 trilhões (3)
    1. China — US$ 58,499 trilhões (1)

  136. É um excelente teatro pro Su-57 testar seus sensores e desempenho, afinal de contas tem de um tudo naquela TO, não creio que o Su-57 fará ataques, acho que ficará só testando sensores mesmo e sempre escoltado por alguns Su-35S.
    Os russos testaram o canhão do Su-57 num lugar estranho e com o mato alto lembram? Agora alguns sensores vão ser testados na Síria.

  137. Mestre Bosco,
    .
    Usando uma expressão que você gosta:
    “O pau que dá em chico dá em francisco.”
    .
    Não gosto do Assad, também não gosto dos tais ‘rebeldes’.
    Não tem ‘bom moço’ por aquelas bandas, nem sei se ainda existem.
    Não tenho ilusões com Síria e Iraque, dois retalhos do antigo Império Otomano divididos entre as então potências França e Inglaterra. Foram criados, não nasceram. São várias nações, culturas e povos imprensados entre fronteiras estranhas.
    .
    Mas reclamo por um mesmo diapasão.
    Simples assim.
    .
    Tenho certeza que o Alexandre galantemente entendeu meu argumento, assim como entendo o dele e ainda mais, divido com ele a preocupação do conceito intervencionista. Apenas peço para evitar a discricionariedade de fundamentação que outros tantos usam.
    Então que se adote a mesma regra para ianques, russos e chineses.
    .
    Espero que você e o Galante compreendam meu ponto de vista.
    .
    Forte abraço,
    Ivan, o Antigo.

  138. XFF 22 de Fevereiro de 2018 at 15:42
    Alexandre Galante 22 de Fevereiro de 2018 at 11:26 >>>
    “Galante disse tudo!!!
    Tem gente que se recusa a entender isso, achando que tudo que o império faz é pelo bem da humanidade”…

    Se Assad fosse flexível e estivesse na esfera de Washington,ele com certeza seria visto como presidente,mas como Damasco não beija a bunda do Tio Sam como um famoso presidente egípcio,Hosni Mubarack,sinônimo de democracia durante décadas,com certeza não estaria sendo incomodado.

    Há muitos interesses na Síria: Geopolítico,financeiro e energético,tanto em terra quanto no mar…

  139. Acho que o su-57 não vai entrar mesmo ,ele sobrevoará áreas seguras,isto tudo é propaganda russa.alias com as aeronaves destruídas tanto de um lado como do outro imagine um su-57 atingido por um missel lançado nos ombros,por isto acho que ele vai ficando dando voltas bem alto,pode até lançar misseis mais em altitudes elevadas longe de qualquer antilharia antiaérea.Os f-22 também vão fazer o mesmo jogo, e é claro que vão evitar a mesma área para não se encontrar.

  140. Nesses últimos cinco dias,em bombardeios indiscriminados,os russos mataram mais de 400 civis em Ghouta(Síria),dos quais cerca de 95 eram crianças.Em toda a guerra são mais de 300.000 mortes.
    Eles experimentaram mais de 200 novas armas,na tentativa de aperfeiçoa-las e depois vender mundo afora.
    Russos feras terríveis,sempre mentirosos!

  141. Vlad,
    “O Bosco não gosta do Assad”
    Meu amigo, eu sequer o conheço. rsrsss Nunca fui apresentado. Particularmente ele nunca me fez mal. E acho ele até simpático, pra não dizer, boa pinta.
    O buraco é mais embaixo.
    Minha opinião não passa nem perto de eu gostar ou não gostar do Assad e sim em não simplificar toda e qualquer questão em que os EUA está metido com a velha cantilena de que eles estão lá por conta do petróleo. Acho que o problema é muito mais complexo, com imenso viés cultural e histórico, do que simplesmente a ganância de petróleo dos EUA ou dos falcões de Washington.
    Também não posso só por conta de não ser taxado de “americanizado” pelo Galante achar que não houve uma revolta popular de certa magnitude contra a dinastia ditatorial do Assad que culminou com toda essa quizumba.
    Da mesma forma não absolvo de pronto o amado (de acordo com a nossa colega comentarista Eliane) Assad da utilização de armas químicas contra os enclaves dos insurgentes só porque ele “jura” que não usou. Como todo ditador que se preze ele “deve” ser capaz de mentir e com certeza não se importa com o bem estar do seu próprio povo, senão já tinha colocado o cargo a disposição há muito tempo e não seria um “ditador”, né?
    Um abraço.

  142. Resumindo tudo: Daqui “alguns” anos, que ninguém mexa com a gente, porque poderemos mandar o glorioso Álvaro Alberto “descarregar” alguns AVMT-300 em vossos palácios, rs

  143. Ivan, permita-me um último comentário neste post já desvirtuado.

    Tudo começou lá atrás, com a abertura comunista e a promessa ocidental de que a OTAN nunca se aproximaria das fronteiras russas.

    Dando um salto no tempo, a Ucrânia tinha um presidente, aparentemente, corrupto, mas aliado de Moscou. Os otânicos (apud MO) precisavam afastar a Ucrânia da esfera russa. Diante disso, foi dado um golpe de estado e o presidente foi deposto. Para substitui-lo Angela Merkel preferia a Tymoshenko ou o ex-boxeador Klitschko. Tio Sam tinha outros planos e assumiu aquele que a Sra. Victoria “fuck UE” Nulland determinou. Também vale lembrar que esta senhora foi fotografada distribuindo biscoitos aos manifestantes em Maidan.

    Seguindo o cortejo, trocado o governo, os nazistas do Right Sektor começaram a perseguir os falantes russos. Foi então que começou o “voentorg” (The Saker) onde os homens de verde passaram a controntar os nazistas e defender os pró-russos.

    Digo isso para ponderar que, no caso ucraniano, os russos já haviam perdido um aliado e os falantes russo estavam sendo torturados e mortos nas ruas.

    Sinceramente, não vejo como Moscou poderia ter feito diferente. Ainda mais, se pensarmos que as sanções antirussia estavam a pleno vapor e não havia sido consolidada a parceria estratégica com os chineses.

    Já a Criméia foi o maior drible da vaca do século XXI e minou o plano de confrontar a Rússia pelo Mar Negro. Creio que, sem a Crimeia, a Russia já teria caído. Ou teria começado a III Guerra Mundial.

    Com este último post retiro-me, não sem antes apresentar minha adminiração pelo seu conhecimento e fidalguia. abs

  144. Simplificando meu ponto de vista sobre a Síria e na verdade sobre “qualquer” assunto, eu na verdade sou avesso à qualquer versão da dita “esquerda” sobre “QUALQUER” assunto. Vejo a “esquerda” como um mal, uma entidade diabólica, enganadora e mentirosa. O mais próximo de “Satã” que minha mente ateia pode imaginar. Simples assim.
    Para saberem minha opinião política sobre algo é só saber o que a esquerda e seus porta-vozes pensam sobre um tema. “Io soy contra”
    Imaginem o que a Maria do Rosário ou a Gleisi Hofman ou o Jean Wyllys ou a Jandira Feghali ou a Marilene Chauí diriam sobre determinado tema… eu penso diametralmente diferente.

  145. Mabeco, por mais que você tenha tentado camuflar o fato é que os russos infiltram terroristas que estão a desestabilizar o governo da Ucrânia.

  146. Deixaram a aparição inusitada do caça para discutir mocinhos e bandidos na síria, isso não existe é apenas um jogo sujo de interesses e quem sofre é o pobre povo sírio.

  147. Bom nem adianta falar de política, aliás falar de uma guerra num país tão violento quanto o Brasil chega a ser piada de mal gosto. Só acho isso estranho, porque a Rússia iria deslocar um avião que tem 2… 5 unidades? Iam mandar com essa configuração assim mesmo?

  148. Vamos por partes.

    Sobre o SU-57 na Siria.

    Acho que faz sentido levar o “monstrão” fazer uns testes em teatro de guerra.

    Teoricamente as forças com capacidade militar de abater um avião desses, ou são parceiras da Rússia(Irã, Síria) ou estão avisadas das rotas de vôo dos russos, assim como os russos tambem sabem a dos americanos.

    Ou seja, o máximo que acontece é o caça ser localizado.
    Não acho impossível utilizarem ele por lá.

    E como já falaram aqui, os Yankees já voaram com seu F35 na Síria. Os Judeus também…

  149. Diego,
    Eu particularmente manifestei minha descrença nesta notícia. Daí nem comentá-la.
    Por outro lado o Galante achou por bem colocar uma notícia duvidosa acerca da aviação russa na Síria justo no dia após o Assad ter sido acusado de atacar indiscriminadamente um enclave rebelde dentro de uma cidade dominada, inclusive utilizando-se de agentes químicos letais.
    Ah! Não são fontes confiáveis? Tá bom! Mas pelo menos são suposições ou suspeitas vindas da mídia de países democráticos e não de órgãos “oficiais” de propaganda ou de relações públicas.
    Sem falar que “fontes confiáveis” deixam de sê-las o dia que a informação não agradar ao interessado.
    Um abraço.

  150. Bosco,

    “Quais seriam os interesses das potências ocidentais que não poderiam ser conquistados numa livre negociação entre países soberanos? “

    Interesses geopolítico, a Síria e de grande valor estratégico para a Rússia, assegura sua presença com força no cenário do OM, será sua base para expansão de influência e poder bélico.

    Então o que os EUA planejavam na Síria era o alinhamento Sírio com a visão geopolítica deles, e consequentemente o isolamento Russo no OM, pouco tem a ver com o petróleo, embora esse era um bônus extra.
    Vendo a Rússia se fortalecer, através de Putin, os EUA começaram a se mover no tabuleiro com maior agressividade, visto Geórgia, Ucrânia e Síria, desejando conter o avanço Russos.

    E porque o medo dos Russos?

    O que pesa a favor da Rússia e sua história. Tem a ver com a visão que o mudo tem da Rússia, gerada no comunismo. A Rússia envolve a mente de bilhões numa atmosfera imersa em medo, respeito, desprezo e admiração, seria um golpe devastador, para uma potência dominante, uma Rússia com poder bélico, econômico e geopolítico.

    Sobre as armas químicas

    Vamos pensar um pouco?

    Em 2015 Assad estava com menos de 1/3 de seu território, parecia que os dias estavam contados…sua queda era dada como certa pelas agências de notícias….
    Então veio a Rússia.
    Em 2017 já ficou evidente, até para as agências de notícias, que Assad não vai cair.
    Ele tem mais de 60% do seu território de volta, conquistou várias cidades importantes, se fortaleceu…
    Porque iria jogar tudo a perder usando armas químicas? Jogando a oponiao publica contra ele? Não parece uma estratégia suicida?

    Não seria mais logico pensar que os rebeldes, aproveitando as várias ameaças dos EUA e da França para usar armas químicas e conseguirem um envolvimento direto dessas potencias?

  151. Retificando
    “Não seria mais logico pensar que os rebeldes, aproveitando as várias ameaças dos EUA e da França para usar armas químicas e conseguirem um envolvimento direto dessas potencias?”

    Não seria mais logico pensar que os rebeldes, aproveitando as várias ameaças dos EUA e da França, utilizem armas químicas para conseguirem um envolvimento direto dessas potencias?

  152. Exatamente Galante, me preocupa muito esses porcos chineses invadindo o Brás e o Brasil. Tem que tomar tudo o que eles tem aqui, colocar num navio e mandar de volta pra China.

  153. Virgem Maria.
    São posts demais.
    Complicado ler num smartphone.
    Sugiro que os posts sejam numerados para facilitar acompanhar e chegar ao fim.
    Bom, o tópico fugiu do suposto envio dos SU 57 à Síria para discussões acerca dos atores envolvidos.
    Confesso que sou ocidental e contra o comunismo.
    Mas tenho certa simpatia com a Rússia pelo menos para servir como contrapeso.
    Não apoiei vários dos ataques realizados contra a Líbia (kadafi era um ditador mas aparentemente mais amansado), ou contra a Síria.
    Na verdade gosto de Israel mas também tenho certa simpatia com a Síria e o Irã.
    Ou seja, todo depende do ponto de vista.
    Muitos falam sobre os EUA serem a polícia do mundo e criticam.
    Em parte isso é verdade.
    Mas esqueceram de que foi os EUA que kivraramo mundo da tirania japonesa de então e do nazismo?
    O problema é que deixou a Rússia.
    E a Rússia logo começou a desafiar inclusive quando já ocupou todo o leste europeu (criticam os EUA por serem xerifes do mundo mas nada se diz contra a união soviética OCUPAR todo o leste europeu…
    Daí em diante a União Soviética tentava “invadir” outros países do mundo ou pelo menos ter influência.
    Isto é, o mundo escapou do nazismo e da tirania japonesa mas estava sob o risco de cair no Comunismo.
    O que os EUA deveriam fazer?
    Ficarem parados enquanto a União Soviética agia?
    E depois da guerra fria, acho até que os EUA estão muito passivos.
    Ditaduras comunistas na América latina e eles nada fazem.
    Coreia do norte, Irã, Al Qaeda, Estado islâmico.
    Se depois que os EUA agem surgem problemas não significa que deveriam ter ficado inertes.
    Vejam o caso da Venezuela…
    Até quando?
    Um ditador apoiado por brasileiros faz o que quer, sufoca a população e ninguém faz nada…
    Muito parecido com a intervenção no Rio.
    Não sei era o caso nem se funcionará.
    Mas agora surgem inúmeros especialistas criticando inclusive a Globo.
    Criticar é fácil.
    Apontar soluções é mais difícil.

  154. Pedro,
    Enfim alguém (você) veio com um argumento aceitável e mais consistente que o argumento “nonsense” e simplista. Argumento que foge do lugar comum do tal da sede insaciável dos mercadores de petróleo e de armas ocidentais.
    Com esse tipo de argumento eu posso até começar a rever meus alguns pontos de vista, apesar de continuar acreditando que a revolução teve uma iniciação natural e que dentro do cenário Washington achou por bem tomar partido e que em tomando partido pode ter escolhido o que lhe pareceu mais favorável do ponto de vista estratégico.
    Duvido muito da capacidade sobrenatural dos EUA de semearem a discórdia em qualquer lugar ao seu bel prazer e acho que eles, como qualquer outro país, tomam decisões muitas vezes baseados no imponderável.
    Já em relação à utilização de armas químicas, sua argumentação é tão válida quanto uma que coloca o Assad como tendo sim utilizado armas químicas.
    De qualquer forma, valeu por abordar o tema de forma mais “honesta” e adulta.
    Um abraço.

  155. Olá.
    As discussões do tópico estão me fazendo lembrar das discussões que havia no CA da faculdade que eu cursei.
    É muito comum essa visão maniqueísta: quem é critico as ações/intensões americanas é, automaticamente, “vermelhucho”, “russófilo”, “comuna”, ou, como já foi dito aqui, “verme esquerdista”.
    Pena, pois é uma visão simplista (como é a maioria das visões maniqueístas) e “fundamentalista” que pode ser resumida assim: ou é meu partidário, ou é meu inimigo.
    Vale lembrar que são exatamente essa “crenças absolutas” (que não permitem contestação) que estão no cerne dos mais sangrentos conflitos. Como o que está ocorrendo na Síria.
    Há inocentes neste conflito? Sem dúvida. Esta é a foto de um deles.
    https://thumbor.guiame.com.br/unsafe/840×500/smart/https://media.guiame.com.br/archives/2015/09/03/813739067-garoto-sirio-na-praia.jpg
    Muitos outros não tiveram o “privilégio” de serem tão “populares”.
    Uma coisa se pode ter certeza: na Guerra Civil da Síria, a luta não é de “mocinhos” contra “bandidos”. Por mais que a “ideo(to)logia” de uns e outros ainda acredite nisto.
    Uma tragédia, que não terá final feliz. Pelo menos, não para os verdadeiros inocentes, como o da foto.
    SDS.

  156. Boa noite.
    .
    Desde a Universidade que aprendi que nada substitui o aprendizado em campo, e acredito, sem russices, que mandar dois protótipos do Su-57 para o front é melhor que o desenvolvimento paralelo à produção que os EUA fazem com o F-35 e resultou em quase 200 “protótipos” sem chance economicamente viável de serem reaproveitados. E ainda não foram testados.
    E se os Su-57 são inferiores aos F-22 e F-35, logo os russos terão mais o que aprender.
    .
    Continuo achando que a melhor coisa que o Ocidente deve fazer é mandar um pedido de desculpas pela intromissão no OM, retirar todos os cristãos de lá, inclusive de territórios palestinos, e enquadrar os islâmicos que aqui vivem quanto às suas (poucas) obrigações em território laicista, quem não gostar volte para seu querido OM.

  157. Derrubar Assad seria muito fácil.
    Não sei se há vedação para isso nas leis internacionais.
    Bastava uma bala ou um míssil perdido.
    Israel, EUA, Turquia…
    O que a Rússia ia fazer?
    Mas para Israel a queda de Assad é pior.
    Nos EUA, o pior inimigo dos EUA é a ideologia esquedista dos “democratas” e da CNN.
    Qualquer ação de Trump será fortemente criticada
    Sem apoio interno fica difícil.

  158. A guerra da Síria é muito mais complexa do que os demais argumentaram aqui no blog.

    1) A Síria é uma nação amiga do Irã, que por sua vez é inimigo da Arábia Saudita e dos EUA.
    2) A Arábia Saudita é tão interessada na deposição do Assad quanto o próprio EUA.
    3) A questão importantíssima do gasoduto que viria do Qatar passando pela Síria e Turquia até chegar a Europa.
    4) Assad não concordou e preferiu o projeto do gasoduto que viria do Irã para a Europa. Talvez essa é uma das desconfianças de Putin em relação aos iranianos como o amigo aqui no blog – eu acho que foi nessa matéria mesmo – comentando sobre os navios de guerra no mar Cáspio com mísseis de alcance de 1000 km, por qual razão? Sem dúvida o motivo é o Irã.
    5) A oferta da Síria pelo gasoduto do Irã irritou a casa de Saud – monarquia que controla a Arábia Saudita.
    6) Aqui começou o desiquilíbrio gerando assim o horror atual da Síria, com os EUA querendo agradar gregos e troianos trazendo essa política externa totalmente pavorosa e imperialista.
    7) A Rússia defendendo sua posição da geopolítica do gás para a Europa, além de aumentar sua presença no mar Mediterrâneo estrategicamente na base de Tartus.
    8) Além disso, Assad é aliado do Hezbollah, que por sua vez é inimigo de Israel. Israel provavelmente quer acabar com o corredor sírio para o Hezbollah em direção ao Líbano, por isso os israelenses também tem interesse na deposição de Assad.
    9) Sem falar que Israel também é inimigo de Israel.
    10) Enfim, há um monte de interesses por trás dessa guerra, tem outros que nem citei.

    Não há santos nessa podridão, só há interesses.

    Eu já li todo tipo de bobagem aqui no blog, do mais engraçado ao mais ridículo. Primeiro vamos colocar o assunto em que é o mais comentado, e sem dúvida, é o que ainda gera contestações e negação por parte dos “ocidentalistas”. O Ocidente, mais precisamente os EUA é um império moderno totalmente imperialista, não importa o que digam os defensores do império, sua política externa é totalmente inverso daquele usualmente propagado pelos meios comunicativos e sociais, não estão defendendo a democracia e muito menos garantindo o direitos humanos – algo em que os embaixadores dos EUA mais abrem a boca para falar na ONU sobre as ditaduras do OM e da China e Rússia. Primeiramente vamos identificar quais são suas motivações seguindo suas orientações de política externa:
    Primeira Guerra do Golfo – Kuwait foi invadido, um importante país petrolífero foi invadido pelas tropas de Saddam – de olho nas reservas petrolíferas kuwaitianas. Obviamente, EUA defenderam o Kuwait e libertaram o controle do país nas mãos do Saddam devolvendo o controle político ao emir Jaber Al-Ahmad Al-Sabah.
    Pois bem, o exército iraquiano estava enfraquecido já que as forças da coalizão destruíram o exército iraquiano em apenas quatro dias de combate terrestre, por qual razão não tomaram o Iraque naquele momento já que sua geopolítica é moldada pela questão do petróleo?
    Confio mais na palavra do então secretário de defesa americano Dick Cheney: “Eu imagino que, se tivéssemos invadido o Iraque, nós teríamos tropas em Bagdá até hoje. Nós teríamos que governar aquele país. Nós não teríamos como sair. E o último ponto que precisa ser feito é a questão das baixas. Eu não acredito que você poderia fazer tudo isso sem que os Estados Unidos sofressem grandes perdas e apesar de todo mundo ter ficado impressionado com o baixo custo do conflito [no golfo em 1991], para a família dos 146 americanos mortos, esta guerra não foi barata. A questão na minha mente era quantas mais baixas americanas Saddam (Hussein) valia? E a resposta era não muitas. Então, eu acredito que tomamos a decisão certa, tanto a de expulsa-lo do Kuwait, mas também a que o presidente tomou de que já tínhamos atingido nossos objetivos e que não ficaríamos presos em tentar tomar e governar o Iraque”.

    O mais irônico é que acabou acontecendo justamente isto que o Cheney disse. Mas se a questão era petróleo, por qual razão Cheney disse isso? Os EUA poderiam invadir o Iraque e tomar o país em menos de 5 dias, controlando assim grande parte das reservas do Kuwait e Iraque, além claro da Arábia Saudita ganhando um aliado de peso na geopolítica do petróleo. As duas últimas se concretizaram no período pós-guerra, faltou apenas a questão do petróleo iraquiano.

    Aconteceu o 11 de Setembro e a subsequente invasão do Iraque dois anos depois, mas por qual razão dois anos depois do 11 de Setembro e depois de 12 anos pós-guerra do golfo veio a invasão do Iraque?
    É CLARO QUE NÃO FOI O PETRÓLEO.

    Bosco, eu tenho uma teoria que na verdade é de uma outra pessoa na qual eu tenho uma profunda admiração, mas sua teoria é muito mais sensata do que as bobagens russófilas ditas infinitamente nos blogs de defesa.

    A teoria é simples: O dólar é a moeda reserva do mercado internacional, sendo assim os EUA tem o poder para usar seu hard power como nenhum outro país no mundo, o sustentáculo de seu império é a sua moeda, assim como foi com o Império Romano. Os imperadores romanos foram reduzindo o teor de prata do denário, causando assim a tal desvalorização da moeda esfacelando todo o acúmulo de capitais até então conquistados, apenas lembrando que o Império Romano era, tecnicamente, uma sociedade pré-industrial. Com o tempo, o denário de prata foi abandonado, e o mais jovem imperador de Roma, Gordiano III (238 – 244 d.C.), substituiu o denário pelo seu concorrente, o antoniniano. No entanto, já no reinado do Imperador Cláudio II (que reinou de 268 a 270 d.C.), que é lembrado por suas proezas militares e por ter quebrado os dentes de um cavalo com um murro, o antoniniano foi reduzido a uma levíssima moeda que continha apenas 2% de prata. O antoniniano acabou sendo substituído pelo aurelianiano, e este acabou sendo substituído pelo nummo. Já em 341 d.C., o Imperador Constante I (que reinou de 337 a 350 d.C.) diminuiu o nummo para apenas 0,4% de prata.
    O sistema monetário romano já estava em frangalhos e a inflação de preços já havia saído completamente do controle há muitas gerações.
    De um ponto de vista militar, as tribos que invadiram o império nos séculos IV e V não eram superiores aos exércitos que as legiões romanas haviam derrotado facilmente algum tempo antes. Mas o império havia mudado; sua estrutura econômica e social tornara-se medieval.

    Resumindo: Enfraquecimento da moeda, império se esfacelando. É isso que está acontecendo com os EUA atualmente.

    Saddam:
    Veja algumas notícias do período anterior a 2003.
    Basta pesquisar no google “Saddam e euro”e se delicie.

    Isto é: Euro ameaça dólar.
    “(…)Há muita coisa no ar, além dos mísseis de última geração que voam em direção ao Iraque. Em cada um dos mísseis disparados pelos Estados Unidos vai o desespero do governo americano diante da possibilidade de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo abandone o padrão dólar e adote o euro em suas transações internacionais. A tragédia (para os americanos) seria catastrófica. O dólar despencaria, possivelmente com uma desvalorização de 20% a 40%. O prosseguimento da valorização do euro fortaleceria a fuga de investimentos dos EUA, já que a taxa de juros paga no país, em dólar, seria corroída pela desvalorização diante do euro.(…)
    O Iraque trocou o dólar pelo euro em novembro de 2000, quando a moeda européia valia US$ 0,80, fortalecendo a expectativa de que a Opep seguiria o mesmo caminho. Caso isso ocorra, os EUA teriam de comprar euros para importar petróleo, vendendo maciças quantias de dólares no mercado internacional, derrubando a cotação de sua moeda e valorizando drasticamente o euro. Os bancos centrais dos diversos países seriam também obrigados a converter suas reservas internacionais em euros para poder importar petróleo, e o mito do dólar forte cairia completamente por terra.

    Recentemente, vários países começaram a trocar os dólares de suas reservas internacionais por euros, como a China e o Irã (que trocou a maioria de suas reservas pela moeda única européia). Integrantes do governo russo cogitam fazer o mesmo. O que ocasionaria a desvalorização do dólar e a valorização do euro (devido à velha lei da oferta e da procura), ainda mais incentivada pelo estouro da “bolha” das falsas expectativas de lucros das empresas americanas em 2002. Com a credibilidade da moeda americana em baixa e o surgimento de uma nova moeda aceita em trocas internacionais, os investidores estão deixando os EUA e se dirigindo à Europa.

    A decisão do Iraque de trocar o dólar pelo euro, segundo especialistas, teria selado seu destino. Foi o começo da guerra que hoje assombra o planeta. Isso, segundo o professor de história, assessor comissionado do Senado e estudioso da questão Said Barbosa Dib, “se analisado por aqueles que conhecem os problemas estruturais do sistema Breton Wood (conferência de 1944, quando o dólar passou a ser a moeda universal) e as atuais limitações energéticas dos americanos, coloca em dúvida a atual hegemonia do dólar no mundo e explica a razão pela qual a administração Bush quer, desesperadamente, um regime servil na histórica Mesopotâmia”.

    “Hoje, o dólar já é uma batata quente nas mãos dos grandes investidores”, escreveu o professor doutor Mário Maestri, da Universidade de Passo Fundo, no Rio Grande do Sul. Em sua análise, a transferência, mesmo parcial, das reservas da Arábia Saudita, China e Rússia do dólar em euro valorizado iniciaria movimento de troca mundial dos bilhões de dólares emitidos nas últimas décadas sem cobertura, com consequências gravíssimas para a moeda americana. Outro estímulo à ira do presidente americano é o fato de que a zona do euro tem uma fatia maior do que os EUA no comércio mundial e é a principal parceira do Oriente Médio. “Quase tudo o que se possa comprar com dólares pode-se comprar também com euros, exceto o petróleo – por enquanto”, diz
    o professor Said Dib. “E é aí que está a principal razão da
    resistência francesa e alemã à guerra.”

    Para a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), a conversão do dólar para euro significaria imediata valorização de seus ativos. “Seria uma grande jogada estratégica”, diz o professor Dib. “Eles poderiam, em algum momento posterior, mover-se para outra divisa e obter mais uma vez enormes lucros.”

    Bush quer manter o padrão dólar e se apoderar das imensas reservas petrolíferas iraquianas. O plano é, depois de conseguir tirar Saddam
    do poder, colocar no governo do Iraque gente de sua confiança.
    Assim, os EUA – que abrigam 6% da população e detêm 50% da riqueza do planeta – controlariam a segunda maior reserva de petróleo do
    mundo (a da Arábia Saudita é a maior). É o sonho megalomaníaco
    de Bush que assusta até americanos.”

    OPEP = Petrodólares = Supremacia norte-americana
    Petróleo em dólar é uma dos principais fatores que garantem que o dólar seja a reserva internacional.
    Daí pode-se concluir uma questão geopolítica norte-americana: Quem é o maior aliado dos EUA na OPEP? Exatamente. Arábia Saudita, o país com a segunda maior reserva de petróleo do mundo, um dos grandes players, se não o maior da política do petróleo.

    Ainda bem que vocês não estão no comando de nenhum país, seria um verdadeiro desastre por não conhecer a política geoeconômica dos países, assim como a própria teoria econômica.

    O Irã, Rússia e China entendem, para algum alívio dos chamados “russófilos”.
    Em 2005, o Irã fez uma iniciativa que, se bem sucedida, acabaria por converter a economia global da base atual do dólar, para uma base do euro. Referido como o IOB, ou Bolsa do petróleo do Irã, é essencialmente uma troca de petróleo, ou mercado de ações do petróleo, que seria baseado no euro, e não no dólar americano. O local proposto para esta troca é a ilha de Kish, localizada no Golfo Pérsico. A bolsa iraniana de petróleo tinha sido projetada para abrir em algum momento em 2006, mas certas questões burocráticas no governo iraniano fizeram com que ela fosse atrasada.
    A China já começou a vender o petróleo em ouro na bolsa de Xangai, a melhor iniciativa para acabar de vez com o dólar, lembrando que a China já detém mais de 10 mil toneladas de reserva de ouro, assim como já atua em quase 50% no comércio do ouro.
    Ouro é ativo real, pode ser lastreado, é confiável. Ao contrário da moeda russa e chinesa, essas sim são podres, o rublo é insignificante perante até mesmo a coroa sueca, o yuan perde até mesmo para o real e a rúpia indiana. Aliás, a China com todo o seu “soft power” e “hard power” como muitos dizem, desacoplou sua moeda ao dólar e causou a inédita fuga de capitais desvalorizando drasticamente a moeda chinesa, os chineses colocaram literalmente postos de controle militar para averiguar o uso de moedas estrangeiras no país, a desconfiança dos investidores em relação a moeda chinesa e russa tem de ser levado em conta.

    “Um colapso do dólar entre 20% e 40% colocaria a economia dos EUA em um colapso. O preço do combustível dispararia imediatamente, assim como o preço de outras importações. O dólar não seria mais a moeda de reserva do mundo ou a moeda do comércio internacional. Como Ron Paul também observou , a saúde da economia americana depende da centralidade internacional do dólar. Isto é o que apoia não só a economia, mas também a força militar e capacidade de lutar contra guerras estrangeiras. Ameaçar tudo isso – economia e militares – foi uma razão significativa para aqueles preocupados com a economia e domínio militar no mundo para agir.”

    Kadaffi:

    Esse queria implantar o dinar de ouro e transacionar o petróleo africano nessa moeda lastreada no ouro, ideia bastante ousada e bem perigosa, 2011 foi aquela invasão da OTAN como todos sabem.

    E mais, o complexo militar industrial só arrecada “módicos” US$200 bi diretamente em receita anual. É sério que vocês acham que a política externa é moldado por essa indústria? Faça-me o favor.

    Encerro por aqui: “Um homem convencido contra sua vontade, ainda tem a mesma opinião”

  159. Será interessante um F35 ou F22 aparecer para apavorar os avões antigos da Síria e serem iluminados pelo o SU-57
    Pode ser que israel nem voe mais por aquelas bandas

  160. Alexandre, humildemente sugiro que abra um link relativo a geopolítica: Síria, Ucrânia, Mar da China, intervenção da França no Mali, Guerra na república centro africana. Essas
    Abcs

  161. Gilson Moura comentou com propriedade sobre o fator Moeda… Muito bom comentário.
    Mas, acabamos por desvirtuar esta coluna quanto ao post… Como disse brilhantemente o comentarista Bill, o Su-57 é tão stealth que sumiu da coluna de comentários…
    Penitencio-me, pois disso fui partícipe.

  162. Gilson Moura, hora dos EUA cortarem as asas da China, assim como fez com o Japão em 1993.
    Se bem que a China é um perigo maior, pois tem ambições imperialistas.

  163. Um avião com tantos penduricalhos embaixo das asas (como o Su57 da foto) será plotado até mesmo pelo radar do Aeroporto de Congonhas, mesmo estando na Síria.

    Não menosprezem a competência e inteligência dos EUA.

  164. Escreva que estou te falando , a Rússia logo vai mandar os T-14 Armata pra lá também.
    Vejo alguns dizendo que o Su-57 não tem radar ainda kkkkk estão vivendo em 2015 ainda kkkk.

  165. Gilson,
    Beleza!
    Ainda estou confuso acerca desse oleoduto saindo do Catar. Para chegar na Europa ele teria que passar pela AS ou pelo Iraque para chegar na Síria.
    Depois vou dar uma pesquisada pra ver se entendo esse tal do oleoduto e por onde ele iria passar.
    De qualquer forma, muito boa sua análise. Pelo menos é mais aprofundada e completa que a velha história simplista dos sugadores de petróleo pura e simples.
    Um abraço.

  166. Renan, não serão dois protótipos sem radares e motores definitivos que irão negar os céus da Síria à USAF/USN. E quanto à Israel a Rússia está pouco se lixando, o acordo entre os dois países é que um não se mete nos negócios do outro.

  167. “Renan 23 de Fevereiro de 2018 at 0:53
    Será interessante um F35 ou F22 aparecer para apavorar os avões antigos da Síria e serem iluminados pelo o SU-57”
    ________________________________________________________________________
    Do jeito que o TU-57 se apresenta hoje, vai faltar bateria para as lâmpadas iluminarem o F-35 (F-22? kkkkk, ta brincando né amigo?)

  168. Léo Neves, o Su-57 tanto não tem seus radares definitivos que atualmente usa os do Su-35. E segundo consta os russos estariam encontrando problemas no desenvolvimento do mesmo….

    Já quanto à enviarem protótipos do T-14, tomara que não enguice tal como fez no desfile na praça vermelha afinal, ao contrário do logradouro moscovita, na Síria tem barbudo fanático com ATGM louco para gritar “Allah Akbar”

  169. Bem, vou fugir da discussão ideológica, porque achei mais interessante o tópico em si, apenas deixando claro que SIM, eu tenho lado, e não é o de ditadores, sejam eles moderados (Erdogan), travestidos (Putin) ou descarados (Assad, Khamenei, Partido Comunista Chinês, etc.). Eu apoio SIM os EUA, Israel e suas políticas externas, com todos os seus erros, incongruências e distorções não porque eu gosto de qualquer um deles (quero mais é que se explodam TODOS os Estados Nacionais, inclusive os EUA), mas sim porque a alternativa a eles é beeeeeem pior…
    .
    Quanto aos EUA particularmente eu há muito tempo defendo que eles deveriam é fechar suas fronteiras, fechar suas bases no exterior, recolher suas tropas, recolher suas frotas a seus portos, e mandar o resto do mundo inteiro, com seus ditadores, democracias estagnadas e pré-falimentares à m., e deixa o pau torar. Os EUA são o único país do PLANETA que não precisa de nada, absolutamente NADA, de fora de seu território para viver, e as coisas que vem de fora eles podem muito bem conseguir por preço justo, através do comércio. E quem chegar armado a menos de 50 milhas da costa americana toma uns 10 kilotons de diplomacia na cabeça, só pra servir de exemplo… O mundo que se exploda sem os EUA…
    .
    Isso posto, a questão que deixei latente no meu comentário e que acho que ninguém se aventurou a falar, é que se esse deslocamento foi uma estratégia da Rússia ela é meio burra, creio eu: a cada vez que esse avião levantar vôo dezenas de radares, dos turcos aos americanos, mas também os iranianos e israelenses estarão coletando dados sobre sua assinatura RCS, IR, capacidade de manobra, etc.
    .
    Isso fará a alegria dos analistas de tais países…

  170. Gilson Moura 23 de Fevereiro de 2018 at 0:01

    Rapaz, obrigado pela aula e parabéns !
    PEDRO HENRIQUE PEREIRA SOARES 22 de Fevereiro de 2018 at 22:48

    Muito boas colocações tbm !!

    É sempre bom debater com pessoas centradas e imparciais, sempre crescemos em conhecimento, mais uma vez obrigado !!!

  171. Olá.
    Vader 23 de Fevereiro de 2018 at 9:31

    Estes Su-57 são aparelhos de pré produção (praticamente protótipos). Então, mesmo que sejam colhidos dados sobre RCS, capacidade de manobra ou outros, são ainda características preliminares, que podem ou não ser as do modelo plenamente desenvolvido. Há de se ver que a Sukhoi também estará testando o aparelho em zona de conflito.
    Aparentemente, para os russos e para a Sukhoi, as vantagens superam os riscos.
    SDS.

  172. Gilson, agradeço por apresentar uma abordagem que não me ocorria sobremaneira. Caso tenha alguma literatura para indicar, por favor, fique a vontade em menciona-la.

    Obrigado

  173. Mauricio_Silva 23 de Fevereiro de 2018 at 9:43
    .
    Pois é Maurício, mas a meu ver alguns dados não irão se alterar destes protótipos para a versão final, e refiro-me particularmente à assinatura RCS desarmado. Outros, como o sinal IR, podem se alterar SE houver troca de motores (o que parece a cada dia que passa mais distante); em não havendo tal troca, os motores serão os mesmos e, logo, salvo pequenas alterações, a assinatura para instruir as cabeças de guerra de mísseis como o AIM-9X, serão as mesmas…
    .
    Por outro lado, protótipos dão problemas, senão não seriam protótipos, e sempre é bom lembrar que um desses Su-27 reencapados já se espatifou em data pretérita. Você já pensou se um deles cai em território não controlado pelo Assad/Russos/Iranianos? A festa que seria para a OTAN colocar as mãos numa aeronave dessas?
    .
    Sim, aparentemente os russos acreditam que os riscos são pequenos. Tomara para eles que estejam certos. Como os caras que querem que Israel bote os F-35 no TO antes mesmo de ter suas capacidades de combate consolidadas (para que se um deles cair os russos fazerem “a rapa” no avião), eu torço para que estejam errados…
    .
    Abç

  174. Só lembrando aos amigos que o F-35 (estando incluído o F-35I “Adir”) possuem o DAS, que em testes mostrou ser capaz de detectar um míssil balístico que estava a uma distância considerável (algo em torno de mais de 200 milhas). Ou seja, tal sistema não terá dificuldades em localizar o Su-57 em vôo e definir sua assinatura IR

  175. Só boatos.
    Não houve confirmação visual e muito menos oficial. É tudo boataria plantada pela torcida. Só falta aparecer o passarinho indesejado que avariou o F35 de tio Jacob.
    Colocar o Su-57 protótipo em zona de conflito sem motores e radar prontos ou armas integradas é propaganda ideológica e ainda deixaria a OTAN monitorar dados da aeronave.

  176. Vader 23 de Fevereiro de 2018 at 9:31
    Os EUA são o único país do PLANETA que não precisa de nada, absolutamente NADA, de fora de seu território para viver
    — E em Terra Brasilis, quais os itens na pauta de importações que são absolutamente indispensáveis? (eu só consigo me lembrar agora do ‘lúpulo’ para a cerveja…! :P)
    Focando no tópico original (chega de falar de guerra dos outros! Já temos ‘a nossa’!…), o Su-57 não tem baias internas para os armamentos?…

  177. “The video was posted by a local Syrian source; it was subsequently followed up extensively by the state-controlled Russian media, but the Russian Ministry of Defence (MoD) had not confirmed the deployment at the time of writing.”

    http://www.janes.com/article/78119/russian-su-57-fifth-gen-fighter-prototypes-touch-down-in-syria

    A Jane’s escreve com base em rumores e percebam que o MoD russo não confirma a notícia. A meu ver os russos devem estar se divertindo…

  178. Olá.
    Realmente, parece que a intensão da Rússia é fazer testes nos aparelhos em uma zona de conflito.
    Então, alguma vantagem deve existir. Mas…
    Acidentes acontecem, e “balas perdidas” também acertam alguma coisa.
    Com certeza há algum componente midiático na decisão (tem modelos F-22 e F-35 na região). Mas deve ser mais que isso.
    Usando a mesma lógica do Vader, os Su-57 podem “atrair” os F-22 e F-35, expondo estes a serem “trackeados” pelos radares russos.
    SDS.

  179. Mauricio_Silva 23 de Fevereiro de 2018 at 11:21
    .
    A diferença é que os dados de RCS/IR do F-22 já são amplamente conhecidos; do Su-27 com baias internas não…
    .
    Quanto ao F-35, não há evidencias sólidas de que eles tenham sido utilizados no TO sírio, salvo sputnikices e “teorias dos passarinhos” que tem tanta solidez quanto a “Teoria” da Terra Plana…

  180. Paulo Jorge,
    o radar dele n036 já está pronto, sendo ele feito GaN. Os primeiros protótipos usaram o GAas e em 2015/16 já se sabia que eles estavam trabalhando no GaN.

    O ponto realmente atrasado é o motor. Então possivelmente estes 2 que foram para síria estão numa configuração bem madura e próxima da pré-serie.

  181. Vader 23 de Fevereiro de 2018 at 11:29
    A diferença é que os dados de RCS/IR do F-22 já são amplamente conhecidos; do Su-27 com baias internas não…
    — mas o Su-57 (é somar mais ’30’!) as tem?! Não lembro de ter visto imagem do PAK em que as baias internas apareçam (já do F-35 tem muitas, mostrando ‘o espaço do porta-malas’! 😛 ).
    A impressão que tenho — como leigo, claro — é que os motores ocupam a maior parte do espaço, não sobrando muita área livre da fuselagem para baias internas de armamentos…

  182. Como ocorreu na hipótese dos israelenses terem usado F-35s em ambos os casos, não existe a menor possibilidade, israelenses e russos possuem meios suficientes para atuar na região e não arriscar vetores (F-35/Su-57) que recentemente foram recebidos e necessitam de doutrinação e integração para serem colocados em ação…

  183. Olá.
    Vader 23 de Fevereiro de 2018 at 11:29
    Verdade. Por isso os Su-57 poderiam servir de “isca” para atrair os F-35.
    Uma hipótese.
    SDS.

  184. O trabalho humanitário e de reconstrução que a Rússia está realizando na Síria é no mínimo louvável. Porém os canais de comunicação ocidentais não divulgam esta informação. O estrago que as várias facções causaram ao povo sírio é gigantesco. Muito se assemelha a ação dos traficantes junto as comunidades do rio de janeiro. Grande parte dos foristas não consegue fazer uma breve pesquisa “independente” no Google. Vendo os indicadores sociais e as imagens da Síria antes do conflito. Acreditar que os países não alinhados com o ocidente merecem a tal ” liberdade” é no mínimo ingênuo da parte de quem observa. Cada cultura tem suas características, e por isso devemos respeitá-las. Ser brasileiro é também uma grande ponto a se analisar. Maior violência urbana do mundo, maior número de mortes no trânsito, trafico de drogas mais atuante do mundo, excesso de conteúdos inadequados e pornográficos em todos os meios de comunicação, valores morais e éticos jogados de lado, péssimo nível de educação fundamental e universitária.etc etc. Será que não merecemos também uma intervenção externa?

  185. Acho muita inocência, pós iraque, ficarem argumentando sobre armas químicas e cultura local. Se vc ou eu achamos que a mulher não deve usar burca, por exemplo, problema nosso. Isso é cultura DELES…e quanto a armas químicas, aqueles que não tem Alzheimer devem lembrar bem o conflito do Iraque.

  186. Rubio 23 de Fevereiro de 2018 at 10:55
    Pessoal, parece que é verdade…

    Pois é Rubio, a realidade sempre estraga a “sabedoria dos sabedores que sabem tudo”. Talvez role uma noticia do tipo “Su 57 aparece do nada atrás de avião americano”, kkkk…

    Vai saber o que os russos querem com a aeronave alí.

  187. Esses aviões tanto Su-57 como o F-35 são aviões feitos pra guerra, e por mais que sejam apenas protótipos nos dois casos, tanto Israel e Rússia tem mais é que aproveitar essa guerra e testar mesmo sem medo se vai cair ou não, claro como o Ivan disse antes com um bom planejamento, não é só chegar naquele TO e sair voando, excelente TO pra testar alguns sistemas e com a quantidade de radares e satélites vigiando a Síria eu duvido que exista ainda algo de ultra secreto no quesito das assinaturas das aeronaves.

  188. Jorge,
    Valeu! Obrigado!
    Quer dizer que pelo senso comum essa guerra toda é porque os EUA queriam que fosse construído um oleoduto do Qatar à Turquia passando pela AS e Jordânia e Síria, mas os sírios não queriam que parte desse viaduto passasse no seu território e no lugar queriam um oleoduto vindo do Irã passando pelo Iraque (?????????????) e desembocando na Síria.

    Ah! Não entendi nada não. Tenho dificuldade de entender o “senso comum”.
    Novamente, obrigado!
    Um abraço.

    ** Será que alguém perguntou pro Assad se não dava para ter os dois oleodutos não??! Isso deveria render uma boa grana pra Síria. Porque há de se ter em mente que o oleoduto que eles queriam precisava passar por território iraquiano que não sei se é de conhecimento geral mas quem tem influência lá é os EUA. Ou seja, o Assad abriu mão de ganhar dinheiro no oleoduto do Qatar pra ter implantar um oleoduto do Irã passando pelo… Iraque.
    Ual!

  189. O pior não é alguém ter imaginado essas hipóteses mas ter um monte de gente que acredita nisso (acredita cegamente e sem sequer analisar a informação de modo crítico, devo salientar) e até agredir fisicamente quem diz que duvida dessa tese estapafúrdia. rssrss

  190. Eu nunca ouvi falar que uma aeronave de ataque com Mach 1,6 de máxima (f-35)poderia fazer frente a uma outra aeronave de superioridade aérea que vai a Mach 2,3 (Su-57)!
    Acho melhor ler mais!

  191. Eu fico até imaginando a cena do secretário de estado dizendo pro presidente americano que o Assad fechou questão sobre o oleoduto e vejo o presidente ordenando que seja iniciada a Primavera Árabe e que se dê início ao projeto “Vamos derrubar o Assad” e entubar-lhe com um oleoduto. Ora, sim senhor!!!

  192. Bosco,

    Não é a única razão. Na minha opinião existem vários conflitos misturados que tornam a análise da situação complexa.

    1 – “Religioso 1”: De um lado xiitas/não-sunitas (Irão, Iraque, Siria – Alauistas, Líbano), do outro Sunitas (Países do Golfo – Emirados/Qatar, Arábia Saudita);
    2 – “Supremacia Regional” com 4 actores – Irão, Turquia, Arábia Saudita e Israel na sombra, a tentarem afirmarem-se como a potência dominante
    3 – “Económico”, como descrito acima, e nota que o Iraque é maioritariamente Xiita e está cada vez mais próximo do Irão
    4 – “Global”, com Rússia e Estados Unidos a tentarem terem a supremacia de influência na região que vai da Turquia ao Egipto. Sem esquecer a China que por via da economia vai desbravando caminho
    5 – “Civilizacional” – O mundo árabe encontra-se numa encruzilhada, onde ou abraça uma visão “mais ou menos” laica da sociedade, como existia no Iraque no tempo de Saddam e na Síria no tempo do pai de Assad, ou até no próprio Irão (basta ver fotos de mulheres sem burqa e com roupas ocidentalizadas) ou uma visão cada vez mais religiosa, como na Arábia Saudita ou até na Turquia. Infelizmente, a primeira opção vem acompanhada de ditadores autoritários resquicios do partido Baath (socialismo pan-árabe)

    Toda esta mescla, onde ainda se podiam acrescentar coisas como ocidente vs médio oriente, etc, deu origem a uma situação explosiva.

    E os EUA não ajudaram nada no Iraque…. Os russos não são santos, mas sabemos ao menos ao que vêem.

    Cumps,
    Jorge

  193. Jorge,
    Muito bom! A coisa é muito mais complexa do que querem nos fazer crer os abilolados da esquerda com suas teorias maniqueístas e seus relativismos morais.
    Um abraço.

  194. Sérgio Luiz, Combates aéreos não são vencidos como um carteado de super trunfo! Fundamentalmente leva vantagem em um combate aéreo aquele que vê primeiro o adversário, as melhores táticas e o piloto que melhor souber administrar a equação Energia-Manobrabilidade. A meu ver o TVC que vem sendo padrão nos caças Sukhoi desde o Su-30MKI longe de ser um elemento de vantagem na verdade pode ser o oposto visto que manobras muito agressivas terminam por deixar o aparelho sem energia e, portanto, mais vulnerável em uma situação de combate aéreo.

    Ps: A despeito de ser subsônico o Harrier/Sea Harrier possui uma aceleração muito boa, o que que é fundamental para se recuperar energia. E segundo alguns a aceleração do F-35 seria muito melhor que a do F-16.

  195. Sérgio,
    O F-35 é tido como tendo muitos recursos. Mesmo ele tendo velocidade máxima baixa ele pode surpreender no combate ar-ar. Agora, sem dúvida o Su-57 não pode ser subestimado e eu duvido que americanos e israelenses o subestimem.

  196. Bosco 23 de Fevereiro de 2018 at 13:46

    O ataque à Síria não foi decidido somente em função do oleoduto que o Assad se recusou a implementar, mas foi por um conjunto de fatores. Vou enumerar alguns:
    1- O oleoduto, que levaria o gás do Catar à Europa, diminuindo a dependência energética que a Europa tem da Rússia;
    2- O fechamento da base naval russa de Tartus;
    3- O ataque ao Irã: depois do Califato do ISIS levar a Guerra e destruição à Síria e ao Líbano, certamente iriam mirar um alvo muito maior e mais “lucrativo” em termos geopolíticos;
    4- Passagem de mais um país para a influência ocidental, lembrando que a mentalidade de “soma zero” da Guerra Fria nunca se desvencilhou das elites ocidentais;
    5- O ataque à Síria seria também uma forma de punição e exemplo: mostrar aos governos de todo o mundo que aquele que não está alinhado politicamente ao Ocidente seriam atacados e sofreriam com sanções e guerras e ninguém pode fazer nada a respeito;

    6- Expansão e consolidação do poder de Israel, seja territorialmente, seja em termos de influências;

    7- Expansão do terrorismo internacional, para que todos os países tenham sua segurança dependentes dos EUA, algo parecido com o que era a OTAN, mas a nível mundial. ou seja, criar um inimigo semelhante à URSS para justificar os gastos militares e toda infra-estrutura da OTAN, etc.

    8 – A Síria era somente uma etapa, e etapa menor, de ataque à outros países. O ataque à Síria era o limiar de uma série de ataques que visavam o Irã, a Rússia e a China

    9 – Posso citar mais 20 outros motivos, mas paro por aqui porque isso é só um fórum e não um livro ou uma tese de mestrado.

    Lembrando que o objetivo principal é a Guerra e contenção à Rússia e à China e a proteção e defesa dos interesses de Israel.

  197. Arariboia,
    Radar do Su-57 de GaN? Acho que não!
    Já li sobre estarem desenvolvendo um radar “fotônico” pra ele mas até agora não tinha ouvido falar da tecnologia de TRMs de GaN dos russos.

  198. Sérgio, velocidade não é o único fator que faz uma aeronave ser superior ou inferior a outro. No entanto eu concordo com você quando diz que o F-35 não colocaria o SU-57 para correr, não porque eu acredito que o SU-57 seja uma aeronave superior, mas sim por causa das dúvidas que eu tenho com relação ao estado em que se encontra o software do F-35 no momento. Afinal, o software do F-35 não permite ao mesmo que carregue 6 AIM-120 mesmo ele tendo espaço para isso (por sinal antes do F-35 eu não compreendia completamente a importância do software de uma aeronave moderna) estando o F-35 limitado a apenas 4 mísseis ar-ar. Contudo eu acredito que quando as duas aeronaves estiverem 100% prontas o F-35 será sim superior, ou ao menos equivalente, ao SU-57 por um motivo simples, o avião americano é consideravelmente mais furtivo do que o russo, além de que muito provavelmente possuí um radar melhor tanto devido ao maior número de módulos do radar AESA (1676 contra 1552 do russo), quanto pelo fato (não achismo) de os EUA historicamente 5-10 anos a frente dos russos nesse campo. Apenas para ilustrar a vantagem que o F-35 teria: um F-35 consegue detectar um SU-57 a aproximadamente 50 km, enquanto um SU-57 detecta um F-35 a aproximadamente 25 km.

  199. P.S. eu usei uma estimativa bem conservadora para o radar do F-35, no qual ele teria um alcance de detecção de 150 km para um alvo com RCS de 1 metro quadrado. No entanto algumas fontes estimam que o alcance para um alvo com este RCS estaria acima dos 200 km. Para o radar do SU-57 eu usei um alcance de 350 km para um alvo de RCS de 3 metros quadrados.

  200. Bosco 23 de Fevereiro de 2018 at 15:18
    Excelente artigo! Obrigado, Bosco. Esclareceu minha dúvida quanto à baias internas do Su-2… digo!, Su-57! 😉

  201. Elaine:
    – É muito justo que os países europeus queiram diminuir a dependência do Petróleo/gás russo ante à agressividade demonstrada por Putin como todos estamos vendo;

    – Não se viu nenhuma intenção dos EUA e da OTAN no intuito de bloquear aos russos o acesso à Tartus;

    – O Irã é que busca a todo custo ser a potência dominante do Oriente Médio. E nesse intuito não apenas trava uma guerra assimétrica e de desgaste contra Israel (única democracia da região) e fomenta rebeliões tal como a vista no Yemen como sequestra um Estado inteiro (Líbano) e desenvolve clandestinamente mísseis balísticos e armas nucleares. Diante de tudo isso é natural que o regime teocrático persa atraia para si toda a hostilidade dos demais atores da região e também globais como é o caso do EUA;

    – Guerra civil provocada por insatisfação popular com uma ditadura não tem nada a ver com passagem do país para outra esfera de influência ou punição;

    – O objetivo de Israel não é expandir ou consolidar poder algum mas sim garantir a integridade do seu território e do seu povo afinal, como todos sabemos, não apenas foi obrigado a travar três guerras pela sua sobrevivência desde 1948 como precisa travar uma guerra com o Irã, que usa seus acólitos do Hezbollah.

    – Ninguém mais arma e financia terroristas que o Irã

    – A Síria não foi atacada mas sim foi engolfada por uma guerra civil causada pelas contradições internas decorrentes da ditadura dos Assad.

    – É muita pretensão achar que a diplomacia dos países ocidentais é comandada por Israel.

  202. Bruno,
    A limitação de 4 amraams dos atuais F-35 é também de hardware já que não há previsão de espaço para 6 dentro dos compartimentos de armas.
    As limitações de software do F-35 , salvo engano, são mais relativas às funções ar-sup e não às funções ar-ar.
    Fato é que o F-35 será o vetor americano contra os caças stealths “inimigos” mas as armas para isso ainda estão sendo desenvolvidas. Tudo indica que um combate entre caças furtivos será na distância visual e com mísseis de curto alcance.
    Numa configuração stealth o F-35 sequer leva mísseis AIM-9X e com amraams, mesmo o Su-57 tendo um RCS maior que a do caça americano, pode ser que seja o suficiente para impedir que o radar do míssil tranque no alvo.
    Talvez a presença do Su-57 obrigue uma rápida adptação das baias internas do F-35 para levar o AIM-9X.

  203. Ontem quando comentei, tinha exatamente 62 comentarios, agr já passou dos 250, não duvido nada que chegue aos 300 ate amanhã, mas como é chato isso nas 90% que acontece isso aqui eu tenho certeza quê é por politização do post, 100% desses 90% são sobre a Russia, fica ate desanimado, pra falar serio não li nenhum comentario mas queria que algum leitor daqui do site me respondesse, afinal o SU-57 foi mesmo pra Siria ou só há rumores ou é fake news de alguem jornal russo ? Porque ate agora não vi ngm confirmando nada.

  204. No final os russos surpreenderam novamente!
    Depois perguntam porque os custos de desenvolvimento são menores lá, me lembrou o teste do canhão Pak-fa x F-35…
    Bem, se eles foram para a SÍria não estão lá apenas para desfilar, podem ter certeza vão percorrer boa parte do território e testar os sistemas de defesa ao limite da tolerância, qualquer outra coisa poderia ser feita em território russo. Talvez seja o ponto mais importante do projeto Su-57, um bom resultado agora certamente vai animar as FA russas!
    Outro aspecto que vale comentar é que até hoje não vimos o avião disparando de suas baias internas, então isto já foi testado e não divulgado, ou teremos apenas operações de reconhecimento.
    Tomara que divulguem alguns vídeos de voos sobre a síria, seria fantástico!!!
    Esse foi um ato incrível, tomada que tudo ocorra como planejado!

  205. A propósito fizeram de tudo pra parecer um vídeo fake no inicio rss
    – Câmera com parkinsion;
    -Foco Instável;
    -Vídeo extremamente curto;
    -Luminosidade Baixa.
    Obs.: Lembro-me que no inicio do mandado Trump, o próprio presidente fez uma crítica a alguma situação genérica e foi muito criticado. O que diziam os críticos? Simples, os EUA são excepcionais, logo seus atos são justos, apenas. Pra quem já está inserido neste realidade, quem pensa o mundo por esta perceptiva qualquer capacidade de análise fica seriamente comprometida, não adianta dialogar, não por serem intolerantes, mas por serem capados intelectualmente.

  206. HMS TIRELESS 23 de Fevereiro de 2018 at 15:40
    Elaine:
    – É muito justo que os países europeus queiram diminuir a dependência do Petróleo/gás russo ante à agressividade demonstrada por Putin como todos estamos vendo;

    Sim, concordo, querem diminuir a dependência do Petróleo/gás russo? fiquem a vontade. O que não é justo, Tireless, é criar uma guerra, atacar uma nação soberana, criar e financiar grupos terroristas radicais ou ameaçar escalar uma Terceira Guerra Mundial por conta disso.

    Ora bolas, a Europa que compre o gás shale americano. Já disse e repito: não há problema nenhum em defender os próprios interesses. Mas não precisa cometer crimes hediondos por conta disso.

    – Não se viu nenhuma intenção dos EUA e da OTAN no intuito de bloquear aos russos o acesso à Tartus;

    Por enquanto. Seria provavelmente a próxima etapa. Afinal, qual interesse dos EUA em expandir a OTAN para os ex-satélites soviéticos? isso é um erro crasso, na minha opinião, mas a elite ocidental está cega e todo o declínio do Ocidente é culpa dela. A Rússia não precisa mais de Estados-tampão para se defender, mas isso é assunto longo e para outro tópico.

    – É muita pretensão achar que a diplomacia dos países ocidentais é comandada por Israel.

    É com certeza. A elite ocidental não é composta só por judeus, mas certamente Israel compõe uma parcela significa. Quem a compõe?famílias anglo-saxônicas tradicionais dos EUA , judeus sionistas, famílias tradicionais européias (Dupont na França – rothschild na Inglaterra, etc) e também pessoas ligadas ao complexo industrial-militar dos Estados Unidos (o dono da LM, da Boing, etc). Não é difícil identificá-los: veja quem são os donos dos principais bancos mundiais, os donos das principais indústrias de alta tecnologia do Ocidente, os donos dos principais meios de comunicação e saberá quem manda no mundo. Dessa gente, que representa 1% dos 1% mais ricos do mundo, grande parte são judeus. Isso é fato inegável. E eles têm voz ativa sim. Muitas vezes, decisões são tomadas pelos EUA que prejudicam o próprio EUA, mas beneficiam Israel. Ex: Trump reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

  207. Gilson Moura 23 de Fevereiro de 2018 at 0:01

    O dólar hoje é o maior produto de exportação dos EUA, mas não tem lastro. Ou melhor, tem: o lastro é o poder militar, as ameaças, sanções econômicas, utilização do soft power, a mídia corrupta, os bancos, a propaganda enganosa (exemplo: toda nação depende de capital estrangeiro), a corrupção e o aliciamento da classe política e das elites nos países subdesenvolvidos ou subservientes, etc.

    Só que a a equação não fecha porque a Rússia e a China não aceitam. Vão usar poder militar contra esses dois? vão encarar?

  208. Tá pra nascer um caça de superioridade aérea de Mach 1,6 !
    Não venha com essa história de F-35 (natimorto) interceptando tudo que voa a 1600km !

  209. HMS TIRELESS 23 de Fevereiro de 2018 at 15:40
    Elaine:
    – “É muito justo que os países europeus queiram diminuir a dependência do Petróleo/gás russo ante à agressividade demonstrada por Putin como todos estamos vendo”.

    Tão justo que vale a pena destruir a vida de inocentes, matar 340.000 pessoas e espalhar mais de cinco milhões de refugiados mundo afora por controle geopolítico e energético, pois Assad é uma pedra no sapato em projetos de bilhões de dolares ( US$ 7 bilhões de dólares por Arábia Saudita e Emirados Árabes)

    Em 2012 foi fechado um negócio de US$10 bilhões entre o Irã, o Iraque e a Síria, para construir, até 2016, um gasoduto que uniria os campos de petróleo gigantes de South Pars no Irã – atravessando o Iraque e a Síria, com uma possível extensão até o Líbano, tendo os mercados alvos de exportação, a Europa.
    Um projeto que com certeza bateria de frente com o projeto conjunto do Qatar e da Arábia Saudita,o Trans-Arabian Pipeline,que o governo de Damasco participaria mas desistiu, se juntando com Bagdá e Teerã.
    O gasoduto atravessaria o território sírio e levaria petróleo por 1.214 quilômetros, da Arábia Saudita para o porto de Sidon(Líbano).
    A razão crucial pela qual o Qatar trabalha tão obcecadamente pela ‘mudança de regime’ na Síria, era matar ainda no berço o oleoduto de $10 bilhões que ligaria iraquianos, Sírios e iranianos.
    Sem esquecer também do Gasoduto Nabbuco , que era o eixo central da grande estratégia dos Estados Unidos para isolar a Rússia e a Gazpron,
    O projeto foi concebido para tirar a Ásia Central da influência russa. A estimativa era que a gigantesca bomba desviasse 30 bilhões de metros cúbicos de gás (cerca de 10% do consumo anual da Europa) dos gasodutos russos.
    Enfim, uma terrível guerra feita por uma guerra energética pelo controle dos consumidores europeus.

  210. Sérgio,
    Caças faziam Mach 2.5, depois baixou pra Mach 2, depois ainda para Mach 1.8.
    Análises feitas demonstraram que caças com velocidade Mach 2 + dificilmente ultrapassam Mach 1.5 em operações reais e “nunca” ultrapassavam Mach 1.8. E mesmo assim a velocidade supersônica é mantida por poucos minutos, não raro, por segundos.
    O F-35 só está colocando em prática o que foi observado após mais de 60 anos da utilização de caças supersônicos.

  211. E a “baixa” velocidade de Mach 1.6 do F-35 é real e não “em tese” já que um caça Mach 2.5 cheio de penduricalhos debaixo das asas “dificilmente” implementa velocidade supersônica.
    O mesmo pode-se dizer da “reduzida” manobrabilidade do F-35. Na prática é melhor do que a dos campeões de acrobacia, cheio de penduricalhos.

  212. Bosco
    Excelente link sobre o Su-57 .
    O que você acha sobre os 6 radares dele ? As posições e bandas que eles operam ? Há uma boa vantagem para o SU-57 por causa desses radares ?
    E também se puder comentar sobre o desenho do Su-57 e sua aerodinâmica, com aquele monte partes móveis.
    Abraço

  213. Rapaz… tudo bem….
    Qualquer coisa que a gente disser aqui é “achismo” mesmo… até pq o avião é protótipo e não temos dados concretos e seguros pra debater em cima

    Até ai, tudo bem

    O problema é que nego quer saber mais do que os engenheiros da Sukhoy…. isso não existe !!!
    Do jeito que a galera fala aqui, parece até que os engenheiros da empresa russo vão ter que começar a ler o Aereo pra poder aprender como se projeta e constrói um caça

    Eu eim…..

  214. Bosco, então você não sabia dessa história do gasoduto para a Europa?
    A Europa querendo escapar do monopólio russo e a Rússia agindo para evitar a independência europeia em relação ao gás russo?
    Quanto à questão do dólar, sem dúvida Gilson Moura escreveu para caramba e só informação técnica.
    Mas eu resumiria que depois da segunda guerra, a Europa deixou de ser a região hegemônica (quem não lembra que Inglaterra, França, Itália, Holanda tinha colônias na África e na Ásia? Inclusive China e Índia passaram anos ocupadas pela Inglaterra, inclusive o oriente médio.
    Com a Europa arrasada, os EUA assumiram a hegemonia inclusive o dólar.
    A união soviética era outra potência, mas mais política e militar do que comercial.
    Na década de 1980, o Japão quase ultrapassou o PIB americano, mas Clinton deu um chega para lá e o Japão estagnou nos 5 trilhões de PIB.
    Recentemente, a China está incomodando.
    E puxa parte da Europa que quer mais independência, e um pouco da Rússia e os próprios BRICs.

  215. Leo,
    A aposta russa é num conceito mais tradicional, menos stealth mas com seus radares banda L que prometem compensar o reduzido RCS dos caças furtivos americanos.
    Ou seja, o radar AESA banda X do F-22 detecta um Su-35 a uns 70 km (ausairpower) e provavelmente é essa distância que os radares banda L (mais o IRST) esperam detectar o stealths americanos.
    É tudo ainda muito confuso. rrss
    Um abraço.

  216. Sr. Moderador e ou Sr. Dono deste site.
    Não seria saudável… EXCLUIR… qualquer comentário que não seja sobre o tema do que foi postado.
    80% dos comentários são de cunho ideológico “tacanho” político … até parecem crianças comparando o bilau… o meu Putin é maior que o seu Trump… e vice-versa.

  217. Elaine, o dólar tem lastro na economia norte-americana, que lidera setores inteiros em escala global especialmente os ligados à tecnologia e à inovação. Some-se a isso o fato dos EUA também serem os maiores produtores mundiais de alimentos e hoje serem os maiores produtores mundiais de petróleo. E não custa lembrar da força e pujança de inúmeras empresas norte-americanas como Apple, Boeing, Lockheed, Bell, Microsoft, Ford, General Electric, P&W e outras.

    O mais importante, vigora nos EUA um capitalismo de livre iniciativa e empreendedorismo, bem diferente do sindicato de oligarcas que se apossou da economia russa e do capitalismo de estado chinês.

  218. Lamentavelmente a economia russa esta ruca! Um pais com a economia do tamanho da Australia e caindo, nao consegue desenvolver e produzir em massa para fazer frente ao poderio americano ja disponivel ou presente na siria! E ainda tem q tomar conta de seu imenso territorio. Logo, tal qual outros projetos q prometeram milhares em producao e nem uma centena sera produzido.

    O aviao stealth russo precisa de clientes externos, e o unico pais q talvez pudesse salva-lo, seria a india. Mas com esse aviao na Siria, vao enterrar a chance de venda.

    Noves fora, seria uma dor de cabeca, mas nao existe numeros de aeronaves para mudar a balanca do dominio aereo dos paises na regiao.

    Mas, em linha com meu pensamento, os cacas de 5 geracao chegaram a arena de combate em paises nao desenvolvidos. E isso tem de ser levado em consideracao pela fab.

  219. Bosco,
    Linha de raciocínio interessante mas com todo respeito!
    Se continuarmos nessa concepção a FAB é o referencial de superioridade aérea com os nossos grandiosos Tucanos !!??
    Todos sabemos que o F-35 não é o referencial de superioridade aérea!
    Sem recentimentos!

  220. Eu já desconfiava disso!!!
    Tucano como interceptador com superioridade aérea!
    Outra coisa!
    Vc citou interceptadores com mísseis pendurados sob as asas, mas não creio que um f-22 ou su-57 vão fazer interceptação com penduricalhos sob as asas!!
    “Quem chega ou vê primeiro dispara primeiro!”

  221. Nonato,
    Eu sabia da questão do petróleo na guerra da Síria apesar de confessar que nunca havia me atentado aos detalhes. E por que não me interessei pelo assunto? Porque pra mim é uma tese falaciosa e inventada. Me lembro como se fosse hoje quando essa teoria foi apresentada pela primeira vez.
    Após mais de dois anos do conflito com outras teorias tentando explicar o que pra mim tinha uma explicação simples dentro de um caldo cultural e histórico complexo, de repente um site em inglês, salvo americano a teoria de uma mulher (me lembro bem na época) aventa a tese de que a guerra começou por conta de um “oleoduto” e tinha até o desenho dele pra mostrar. Pronto! Daí em diante isso passou a ser a verdade corrente. Passou a ser lei.
    Como no meu comentário do dia 20 às 20:52 deixa “transparecer” eu sou avesso à qualquer hipótese da esquerda e portanto, nunca a levei a séria porque a descartei de pronto tendo em vista que eu acho que no mundo atual lucros com petróleo não valem uma guerra e são resolvidos em mesas de negociações.
    Após todos os comentários, continuo achando que eu estou certo e que o petróleo e o tal do gasoduto não tem nada a ver sendo só pano de fundo para causas muitos mais complexas que os maniqueístas de plantão, que veem o Ocidente como um monstro sugador de petróleo e fazedor de conflitos no mundo para vender armas, quer nos fazer crer.
    Aliás, o caso do EI foi do mesmo jeito. Passou-se uns 3 anos até que fizessem uma correlação do EI com os EUA e aí, como num passe de mágica, o entendimento “acertado” foi que os EUA era o responsável direto pelo EI. Até então não era esse o pensamento corrente e até no Brasil, nossos governantes esquerdistas tinham simpatia pela organização criminosa terrorista cortadora de cabeças.
    Um abraço.

  222. Sérgio,
    Minha referência a mísseis pendurados nas asas foi aos caças convencionais como o Su-35 por exemplo que muitos alegam poder bater de frente com o F-35 .

  223. Existem comentários de que outros 2 SU-57 pousaram em Hmeymim.
    Agora são 4 deste modelo na Síria. Em sendo assim, a coisa parece estar um grau acima de simples exercício.

  224. Elaine, essa conversa de 1% de judeus “sionistas” super-ricos mandando no mundo e nos países para beneficiar Israel se assemelha em muito à retórica dos malfadados Protocolos dos sábios do sião, manifesto forjado pela polícia czarista que depois serviu de justificativa para o holocausto.

  225. Elaine, antes de mais nada espere pela confirmação do MoD russo! Depois, uma ou duas duplas de protótipos implantados em uma zona de guerra soa mais como desespero que entrada em serviço.

  226. Bosco,
    Não adianta defender o f35 para quem não quer ter cabeça aberta.
    Somente no teste de São Tomé, e que lhe darão razão. Qdo um f35 abater 100 aviões de 4 geração.

    O f35 eh um novo conceito. Não eh um avião adaptado. Tem gente q usa relógio analógico de pulso ! Tem gente que usa iWatch com e-chip.

    Na siria estamos assistindo uma revolução, a entrada em operação de todos os caças de 5 geração. F22 em 7 fevereiro 2018, q dizimou os mercenarios russos da Wagner. Relatos q o F35 Adir atuou no ataque as defesas integradas russas-sirias e iranianas. Agora, mesmo sendo os únicos protótipos os caças stealth russos. Simplesmente, ao contrário dos outros, não existe reposicao.

    A entrada do protótipo russo ensejo a entrada do míssel para f 35, stunner!

  227. “Vim , vi e venci ! ”
    Imperador Júlio César 47AC
    Trocando em miúdos:
    Vim : Rápido mach 2
    Vi : vê primeiro!
    Venci: se eu vejo primeiro eu disparo primeiro!

  228. Peraí, o SU-57 é protótipo? quero lembrar aos senhores que a guerra na Síria é uma guerra quente e os combates são reais. Nunca ouvi falar que um equipamento atuando em guerra real seja protótipo. Não sei se recomendo lerem um bom dicionário para ver o significado de “protótipo” ou se os mando fazerem um bom curso de engenharia, para finalmente entenderem o que é um protótipo

    O SU-57 é tão protótipo que já enviaram 4 para Síria. Mas não se preocupem, tem mais protótipo desses reservado para a Ucrânia. Deve haver mais alguns para defender Moscou. Mas se preocupem não. A Rússia está quebrada. E são só protótipos.

    Vocês não tem noção de como é prazeroso para mim ver que vocês simplesmente estão tão desesperados, que não aceitam a realidade. Não conseguem enxergar o óbvio. Os nazistas também agiram assim. Mesmo depois do fiasco em Estalingrado, muitos ainda negavam a realidade. Muitos ainda acreditam nos mitos que sempre regeram suas vidas.

  229. Pois é antigamente os malvados de Hollywood eram os Alemães agora são os Russos vai entender esse povo pro-âmis…rsrs….

    aiaiai…e a vida segue…..

  230. Essa passionalidade da Elaine é tocante. Ela realmente se “entusiasmou” com esse caça russo estreando na Síria.
    Já estou torcendo pra ser tudo a mais pura verdade e que ele derrube alguns F-16 israelenses porque temo pela saúde mental de nossa companheira se tudo não passar de um grande fake.
    Por outro lado, como é bom ter uma pessoa do gênero “feminino” frequentado a Trilogia.

  231. Vocês não tem o que fazer? É muito divertido ver a comoção causada por uma guerra num país tão distante e no qual o Brasil, exceto pelos imigrantes sírios que aqui vivem, não tem absolutamente o mais mínimo interesse.
    Antes de mais nada, quero dizer que eu estou c… e andando para qualquer coisa que aconteça no oriente médio. São países subdesenvolvidos e com uma cultura totalmente estranha à nossa. Eles tem petróleo, ok, mas até aí a Venezuela também tem. Aliás, a Venezuela também tem uma ditadura que está causando extremo sofrimento ao seu povo e enchendo nosso país de refugiados. Cadê um post discutindo a situação na Venezuela?
    E a ONU e os Estados Unidos, o que estão fazendo em relação à Venezuela? E em relação às inúmeras ditaduras sanguinárias e corruptas do continente africano?
    Se tem uma coisa em que nossos vizinhos do sul estão certíssimo é que somos mesmo um bando de macaquitos e analfabetos funcionais

  232. Elaine, o fato de terem sido desdobrados para a Síria não muda o fato de que se tratam de apenas quatro protótipos, que por sinal não possuem radares e motores definitivos. E em quantidade insuficiente para desequilibrar o cenário por lá sem falar que correm o risco de fornecerem informações valiosas para norte-americanos e israelenses (lembra do DAS do F-35I?).

    Ademais isso pode ser também indício de que a moral das forças russas, mormente o seu componente aéreo, encontra-se baixo.

  233. Bosco, mais impressionante é a fé dela que todas as ações russas na Síria e na Ucrânia são honestas e justas. Acusa o ocidente de declarar guerra à Síria e de infiltrar terroristas no país árabe (tudo a mando dos “malvados sionistas”) mas fecha os olhos
    para os terroristas que Moscou infiltra na Ucrânia.

  234. Qual o problema das aeronaves serem protótipos?! Então não são capazes de combater?!

    Se não me engano,o SU-25 Frogfoot era um protótipo e foi usado na guerra do Afeganistão,enviaram duas aeronaves, foram feitos 100 testes, sendo 44 missões táticas, demonstrando superioridade de combate notória sobre o Ilyushin Il-102, concluindo o batismo de fogo do Su-25.

  235. Hms,
    O stunner aerotransportado ou lancado por terra sao semelhantes. A diferenca fisica esta no booster, da versao terrestre.
    O stunner aerotransportado foi desenvolvido para f35. Mas nao havia necessidade suplementar pois os misseis ja disponiveis eram suficientes. Com a chegada do prototipo, tanto os david slings em terra q uanto aerotransportado , direcionados pelo f35 desequilibram a favor da forca ofensiva. Nao me refiro a capacidade bvr do stunner mas sua capacidade anti missel. Como iron dome embarcado.

  236. Adriano, Uma coisa é você colocar um avião de ataque em um Teatro de Operações sem oposição aérea e com defesas antiaéreas que (à época) eram notoriamente ineficientes. Outra é colocar um caça em espaço aéreo altamente contestado onde inclusive já existem vetores de 5ª Geração em operação.

    E ao que tudo indicam a avaliação operacional no Afeganistão pode ter omitido dos russos a maior fragilidade do Su-25, que é a sua vulnerabilidade à MANPADS.

  237. Sérgio,
    Mas em geral não é assim que acontece.
    Há basicamente duas situações, uma em que caças estão em patrulha (CAP) e a outra em que caças estão de prontidão em terra e são “lançados” após um alerta.
    Na primeira situação, após o caça detectar os caças inimigos, ele pode querer acelerar para supersônico para se por numa posição vantajosa e no alcance de lançamento dos mísseis BVR. Essa velocidade não pode ser muito alta e geralmente não excede Mach 1.5 mesmo que o caça seja um F-15, por exemplo. É só um “tapa” no manete de potência sem perder de vista o inimigo.
    Na segunda situação, tão logo o caça decole ele pode implementar também velocidade supersônica para se aproximar o mais rápido possível do contato e estabelecer a identificação e se necessário, o engajamento. Nesse caso pode ser necessário um gasto maior de combustível em velocidade supersônica, mas do mesmo modo, o piloto tem que ficar com um olho no mostrador de combustível senão ele não completa a missão.
    Nessas duas situações o tempo todo em pós-combustão é contada em segundos.
    Sem dúvida quem vê primeiro, se posiciona melhor e ataca primeiro tem maiores probabilidades de vitória, mas essa equação está mais relacionada à combinação assinatura radar x nível de consciência situacional.
    Um caça com grande assinatura radar deve ter um imenso e potente radar para poder detectar caças pequenos a grandes distâncias, já que estes, com seus pequenos radares, conseguem detectar grandes caças.
    Um caça menor, com assinatura radar reduzida, pode se dar ao luxo de ter um radar menor porque seu pequeno radar poderia detectar grandes caças com grandes assinaturas radar a grandes distâncias.
    O melhor é que um caça com reduzidíssima assinatura radar tenha um grande e potente radar. Esse sim poderá detectar caças grandes a grandíssimas distâncias e caças pequenos antes que estes o detecte. Essa é a base da tecnologia stealth.
    Claro, não adianta nada toda essa equação se o segundo passo do combate aéreo não for feita e para isso é interessante que o caça tenha uma boa aceleração , razão de subida e alcance. Aí entra a velocidade supersônica, inclusive quando do lançamento dos mísseis BVR.
    Sendo stealth o caça pode até se dar ao luxo de não implementar velocidade supersônica porque estará confiante de que irá chegar ao ponto de lançamento de mísseis primeiro e atirar primeiro.
    E claro, há de se ter mísseis com alcance que o permita atacar primeiro, de longe, aproveitando o máximo os fatores anteriores.

  238. Só complementando meu pensamento, oque é impossível de dar certo é a combinação de um caça grande , com imenso RCS, com um radar pequeno, com desempenho reduzido. Aí, é pedir pra morrer.
    Ele será detectado muito cedo por caças grandes com grandes radares e até por caças pequenos com pequenos radares, dado seu grande RCS.
    Ele sempre estará em desvantagem.
    A coisa toda, trocando e miúdos, fica assim:
    1- caça grande + radar potente = nota 7
    2- caça pequeno + radar pequeno = nota 7
    3- caça pequeno + radar potente = nota 10
    4- caça grande + radar pequeno = nota 0

  239. HMS TIRELESS 24 de Fevereiro de 2018 at 19:05
    “Adriano, Uma coisa é você colocar um avião de ataque em um Teatro de Operações sem oposição aérea e com defesas antiaéreas que (à época) eram notoriamente ineficientes. Outra é colocar um caça em espaço aéreo altamente contestado onde inclusive já existem vetores de 5ª Geração em operação.
    E ao que tudo indicam a avaliação operacional no Afeganistão pode ter omitido dos russos a maior fragilidade do Su-25, que é a sua vulnerabilidade à MANPADS”.

    Sim,é verdade…Sei que pensando no Afeganistão,tem que ver que os barbados mujahedins não tinham nem um ultraleve.
    Sei que pode ser perigoso para o SU-57,mas de toda forma é um aprendizado…

  240. Elaine 22 de Fevereiro de 2018 at 8:43, eu entendo seu raciocínio, mas conhecer alguns sírios não é representativo do que acontece naquele país. Eu também conheço sírios e eles manifestam verdadeiro horror pelo Sr. Assad. Nem por isso formo minha opinião.

    Na boa, e isso vale para todos, qualquer defesa de qualquer um dos lados é flertar com a inocência. Ali não há um só player que esteja pensando no pobre povo sírio. Dois interesses, por vezes antagônicos, por vezes complementares, estão presentes: dinheiro e projeção geopolítica. EUA e Rússia brigam, testam armas, irritam um ao outro e a Síria que se “exploda”.

  241. Quanto ao assunto da matéria, ou o Su-57 está num estágio muito mais avançado do que se sabe ou seu envio para a Síria é pura conversa fiada. O que um vetor protótipo, que nem é a versão definitiva, vai fazer lá?

  242. Não acredito que Israel vai chegar rapidinho em Damasco e em caso de guerra, os sírios aprenderam a lutar e a usar armamento Russo dessa vez e com certeza vai ser muito diferente das guerras que Israel esmagou os Árabes sem contar que vai bater de frente com os Iranianos naquele deserto ai vamos ver se não mão as IDF são isso tudo que os pro-Âmis do blog falam?!.

    Atenção não estou fazendo torcida contra Israel pois para mim Árabes e Judeus são a mesma coisa eles que se matem pelo aquele deserto e que levem junto com eles Âmis e Ingleses juntos e NÃO o mundo que não tão nem ai para o maldito Oriente Médio.

    É somente uma analise militar……

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here