Home Aviação de Caça Empresa TacAir comprou 21 caças F-5E/F da Jordânia

Empresa TacAir comprou 21 caças F-5E/F da Jordânia

14010
41
F-5s ex-jordânia a caminho dos EUA

A empresa privada TacAir que fornece serviços de aeronaves agressoras para as Forças Armadas dos EUA comprou um lote de caças F-5E ex-jordanianos que começaram a desembarcar de um 747-400F na Flórida em fevereiro passado. As aeronaves serão revisadas pela Northrop Grumman, na instalação localizada em St. Augustine, que também apoia os F-5Ns da Marinha e do Corpo de Fuzileiros Navais e atualizou o Tiger IIs de outros braços aéreos com aprimoramentos estruturais e de aviônica ao longo dos anos.

Quatro aviões foram entregues da Jordânia para os EUA por via aérea, com os outros 17 exemplares enviados através de frete marítimo. No total, 21 caças F-5E/F jordanianos  foram comprados como parte do acordo.

Essas aeronaves aumentarão drasticamente a atual frota de F-5 da TacAir, que inclui um F-5B e três CF-5D Freedom Fighters, esses últimos sendo derivados canadenses da primeira geração de F-5 da Northrop construídos sob licença. Todas as quatro aeronaves são variantes de dois assentos.

O F-5 pode ser uma aeronave datada, mas é altamente confiável e eficiente. Com as novas opções de sensores que estão disponíveis na prateleira, o caça pode oferecer capacidades de combate de 4ª geração por uma fração do custo. O TacAir descreve assim seus F-5:

“Enquanto a linha de F-5 voada pelo USN/USMC é amplamente considerada como uma aeronave de 3ª Geração, as atualizações existentes e planejadas do TacAir evoluem economicamente o F-5 para uma aeronave tática avançada com capacidades de sensores/sistemas dos atuais aviões de combate de 4ª Geração do DoD. Os F-5 são atualizados com HUD/HOTAS [Heads Up Display / Hands On Throttle And Stick], computadores de missão de arquitetura aberta e programas de voo operacionais personalizados que permitem a integração de sistemas de radar avançados, IRST [Infrared Search and Track], EA [Electronic Attack ], RWR [Radar Warning Receiver], datalinks e simulação de emprego de armas HOBS [High Off Boresight]”.

A atualização principal que tornaria essas aeronaves capazes de realizar uma replicação de ameaças de caças da 4ª geração seria a inclusão de um sistema de radar moderno. O site do TacAir associa sua aeronave com os radares pulso-doppler Grifo-200 e APG-66, embora não esteja claro se esses conjuntos realmente substituíram os radares AN/APG-153/159 originalmente instalados na maioria dos F-5 ou se novos sistemas de radar como os mencionados serão integrados na sua frota de F-5 se a empresa ganhar um contrato de apoio adversário importante.

F-5 da TacAir

FONTE: The Drive

41 COMMENTS

  1. Teve também aquela empresa que presta serviço com aviões agressores que comprou os F-1 da Espanha, avião altamente capaz, recebeu melhorias e modernizações tecnológicas, a um custo muito baixo… ficou show de bola… enquanto isso na Argentina… o Mirage F1 foi oferecido aos argentinos, aparentemente desistiram do negócio quando descobriram que tinham que pagar.
    Não dá para levar a sérios os argentinos… me dá uma comichão quando lembro que estão metidos no KC-390 e bafejam isso mundo a fora, sem a menor indicação que vão comprar o avião, e que saber?? melhor que não comprem mesmo.

  2. F5 da TACAIR: Uaaaau, que máquina! Avião incrível! É páreo no dogfight com os caças de primeira linha da USAF, bla bla bla…

    F5 da FAB: lixo, tem que aposentar essa velharia, obsoleto, tem que sucatear, bla bla bla…, não existe mais dogfight em combates aéreos, bla bla bla

  3. Wagner 11 de novembro de 2017 at 0:10
    Não se esqueça que esses mesmo tipos, fazem elogios absurdos a outros países, a tudo o que é de fora… claro, baseados em empulhação pura…
    Tem país aí que só exporta cobre, maçã e salmão criado em tanque, e o Brasil é o décimo exportador de equipamento de defesa do mundo.. outro que tem um avião tão ou mais antigo que os F5M…uns 12 apenas, uns quatro ou cinco estão para receber radar AESA – como se o Brasil não tivesse os E-99 com radar para uns 500 Km e o AESA do Gripen não esteja a anos luz deste, sem contar o IRST – mas bem, são esses os países que nos causam inveja, são melhores em tudo e bla bla bla… Brasil fabricando míssil de cruzeiro e termobárica de 10 Ton… eles devem fabricar suas próprias granadas de sessentinha, se muito… mas são o exemplo que devemos seguir… nos causam inveja…terceira força e tal…
    E só para contextualizar e parecer inutilmente atual, eu o classificaria como o “comentarista gato” do P.A…. é que este país tornou-se tão fútil com essa nossa imprensa… que estamos nessa…
    Bombeira Gata… Socorrista do SAMU gata… Craqueiro Gato da Rua Aurora..

  4. Quando nossos F-5 forem sendo aposentados serão objeto de disputa por essas empresas, ainda há os de Botswana, Quênia, Singapura etc… Longa vida ao five!

  5. Eu não quero ser crítico, nem menosprezar a nós mesmos, brasileiros, mas apenas como forma de indagar, dolorosamente, a razão pela qual nós nunca tentamos “copiar” o F-5. Por quê? É tão complexo assim? Eu quero dizer, com todos estes anos de f-5 no Brasil, com todas modificações que já foram feitas pelo Brasil no F-5, depois de anos de dúvida sobre o F-X que resultou na escolha dos Gripen da SAAB, nunca foi aventada a hipótese de se tentar algo endógeno , tupiniquim, para a questão de força aérea? Alguém pode me responder? Eu uqero dizer, não compensa? Nós somos tão inferiores, já tão acostumados com nossa inferioridade que não convém nem arriscar?

  6. Mas pra que a FAB quer mesmo caças, se não tem combustível para tirá-los do chão? Os presidentes corruptos-putos (todos…) e o Congresso Nacional igualmente corrupto vêm, ano após ano, reduzindo as verbas das FF.AA. e estas, ordeiramente acatam…

  7. Rui Chapéu 11 de novembro de 2017 at 6:54
    Vai para a área de comentários da UOL, nas “matérias” que este site faz sobre Neymar, pelo seu jeitão, lá você estará em seu habitat natural, leva o Marcos junto… você estará mais a vontade lá.
    Aliás, tem um outro site de defesa que você também seria muito bem aceito no coments…
    ______________
    Qual é o caça de primeira linha da Alemanha?? país mais rico da Europa?? acha que algum país europeu encara os russos sozinhos?? rapaz, será que tu não te toca que vocês são apenas produto dessa imprensa miserável que assola o país???
    É a crítica pela crítica, apenas isso… cara, qual é o poder militar da Argentina, Bolívia, Colômbia, Uruguai e Paraguai, por exemplo?? praticamente nenhum….
    Israel é armado até os dentes por necessidade, não porque gostem…
    Outra coisa…estes países todos, não terem grande interesse em se armarem fortemente não é ruim, pelo contrário, é bom… não te dás conta disso??? e o Brasil está ligado diretamente a isso.
    E vou te dizer mais, se o Brasil tivesse comprado os 36 Rafale ou os 36 FA18, como queriam Lula e Dilma, estarias aqui metendo o malho do mesmo jeito…vai trocar ideia com o porteiro do teu prédio, mano.
    Ou então fala algo de racional, ao menos.
    _______________
    Aos demais, algo que já me ocorreu, acho que o Brasil leva em conta sua posição de manter o equilíbrio e certa harmonia na região…se o Brasil decide por exemplo, embarcar num programa com o T-50, atual Su-57, como chegou a cogitar Celso Amorim, com a Embraer no meio, seria visto com certo receio por alguns vizinhos… o fato de que a Argentina, Uruguai e Paraguai praticamente nem se quer forças armadas terem, demonstra que não veem o Brasil como uma ameaça…pelo contrário, é um país que podem confiar e contar…
    Vejam o comportamento do Brasil durante a guerra da Malvinas, prestou ajuda aos argentinos, sem interesse algum ou nada em troca, simplesmente por ser um país sul americano.. e os próprios argentinos tinham uma opção de guerra contra o Brasil, mas na hora do saleiro… o Brasil lhes estendeu a mão… Peru forneceu caças, mas foi por interesse próprio, e Cuba chegou a cogitar envio de tropas, só que a mando da União Soviética. A Argentina seria a próxima Cuba deles.
    Na guerra das Malvinas foram pelo menos 3 ou 4 voos da Aerolíneas Argentinas fazendo escala no Brasil, carregado de armas de munições vindos da Líbia.. a Inglaterra protestou e o Brasil respondeu que os aviões foram inspecionados e que não havia nada de natureza militar em seus interiores.
    O Brasil forneceu Bandeirulhas e Xavantes aos argentinos, Roberto Campos foi chamado na chincha em Londres por conta disso… e o nosso embaixador e maior economista liberal da história respondeu calmamente: “O Brasil é neutro nesta guerra, e como prova, estamos prontos para fornecer ao exército de vossa majestade, a mesma ajuda que fornecemos aos argentinos, dois aviões Bandeirulhas, 12 Xavantes e munições”””… matou a pau…Roberto Campos foi um dos maiores intelectuais da história do Brasil.
    João Figueiredo advertiu Reagan que não iria garantir a neutralidade do Brasil na guerra, se os ingleses levassem a guerra para o continente, ou seja, bombardeassem Buenos Aires e Córdoba, como tinham em planos… os movimentos do Brasil, recentemente durante as porralouquices de Maduro na fronteira da Colômbia, com demonstrações de força e exercícios militares com Colômbia e Guianas… Villas Boas foi condecorado na Colômbia….
    Então é tudo isso… o sujeito sem entender lhufas…dentro de um panorama mais amplo, chega aqui, solta uma baboseira qualquer e acha que está abafando… me lembra aqueles zagueiros troglôs de time de várzea… não faz o mínimo esforço de tomar a bola do adversário e sair jogando, já vai tendo com a única opção de cometer a falta.. o pior é que na cabeça dele, ele está fazendo um bem ao time… adversário, claro..
    Estou dizendo tudo isso, porque não temos só políticos bandidos e corruptos como se diz a torto e a direito – falam como se esses políticos não fossem brasileiros e não fossem fruto da mesma sociedade que estão inseridos – tem gente que pensa também…
    O fato da Argentina não fazer grande esforço para se armar, não é ruim, e tem muito a ver com o comportamento do Brasil em 1982….
    _________________
    Outra coisa, lembro que uma vez eu li na Military Review, que a União Soviética tinha nada menos do que 70 mil carros de combate de primeira linha na frente ocidental durante a guerra fria, e mais 70 mil de segunda linha em reserva, então um país ser bem aramado ou não, depende das ameaças que vai enfrentar.
    Dou como exemplo o México, o México vai se defender contra quem?? e mais, que país do mundo vai encher o saco do México? F5 não está bom pra eles?

  8. Não entendi porque os Canadense puderam construir CF-5D sob licença e o Brasil que também é Irmão Camarada, super aliado, amante e seguidor dos Amis..NÃO puderam construir sob-licença os F-5 no Brasil?!?!?!?!

    Outra pergunta se a TacAir atualizou os F-5 PARA QUARTA GERAÇÃO porque noiisss. que temos uma empresa (Brasileira?) especializada em atualizações que se chama AEL não fez o mesmo?!.

    Vai entender…….Pobre Brasil.

  9. Soldat 11 de novembro de 2017 at 12:16
    1) Você não está querendo comparar o nível de relacionamento Brasil-EUA com Canada-EUA? Se está, não tenho nada mais a lhe dizer;
    2) O Brasil teve interesse em produzir o F-5 sob licença? Você tem alguma fonte sobre isso?
    3) O que você prefere, que nossos escassos recursos sejam investidos em um caça novo ou na enésima reforma de um caça pré-histórico.

    A única coisa que concordo com você é sobre o “pobre Brasil”, país habitado por vir-latas

  10. Sobre fabricar o avião no Brasil acredito que seria possível.
    Seja sob licença, licença para modificar ou fabricar um novo modelo a partir do F5 sem necessidade de licença…
    Se o conhecimento já existia há 50 anos, o que há de tão diferente que a Embraer não pudesse fazer?
    Os materiais da fuselagem, a forma, etc… Alguma coisa que a Embraer não consiga fazer?
    Poderiam aumentar o tanque de combustível, etc. Seria um quarta geração para fazer número…

  11. Soldat 11 de novembro de 2017 at 12:16

    O Brasil não é Irmão Camarada nem super aliado dos EUA. O mais próximo disso foi durante a Segunda Guerra Mundial, e olhe lá.

    Se o país optou por este caminho de não estar muito próximo dos americanos, pois então que saiba lidar com as consequências. O Canadá é um aliado bem mais próximo dos EUA e, como tal, recebe mais privilégios.

    É na verdade algo bastante simples de entender, e não há razão para “teorias da conspiração”.

  12. Se fosse para o Brasil investir em desenvolvimento de uma caça, A Embraer aprendeu muito construindo o Xavante, AMX e partes do F5 sob licença porém tirando a lição sobre o mercado que tivemos com o AMX pois tinha potencial de exportação mas não teve clientes devido a queda do muro de Berlim que inundou o mercado com bons aviões de segunda mão, tinha preço muito alto portanto a demanda por um novo avião de ataque/treinamento não foi efetiva. Teríamos de ter aprendido desenvolver o equipamento com uma boa parceria já que com a Itália houver algumas controvérsias mas, essa era a tendência para baixar os custos e obter novas tecnologias. Creio que voltamos a esse caminho se fizermos direito o dever de casa com o Gripen. E o mesmo serve equipamentos para Exército e Marinha.

  13. Os F-5 foram construidos sob licença por vários países, não só o Canadá.
    O Brasil não comprou número suficiente para justificar fabricação aqui, só usava em Canoas e Santa Cruz.
    F-5 fabricados sob licença:
    CF-5 no Canadá como CF-116 pela Canadair.
    VF-5A e VF-5D fabricados pela Canadair para a Venezuela.
    NF-5A e NF-5B fabricados pela Canadair para a Holanda.
    SF-5A, SRF-5A e SF-5B fabricados na Espanha pela CASA.
    KF-5E e KF-5F produzidos na Coreia do Sul.
    AIDC Chung Cheng F-5E/F construidos em Taiwan.
    Ainda tem os F-5 produzidos sem licença pelo Irã.

  14. Fiquei impressionado, com o quanto se dá para melhorar e atualizar o F-5 e obter o melhor que este caça icônico pode oferecer. Nas mãos de um piloto experiente, o F-5 é uma ameaça a se considerar, pois é um caça extremamente leve e ágil.

  15. Antonio M 11 de novembro de 2017 at 13:17
    O Brasil vai dar um salto gigantesco com o programa Gripen, algo totalmente impossível para qualquer país da América Latina, e a gente tem que ler gente preocupada com o F-5 TaCair e porque o Brasil não fabrica sei lá o que… dizer o que desse pessoal?

  16. Bem o F-5 é um avião muito a frente de seu tempo, porém, mesmo com instrumentos de navegação, computador de bordo, datalink, armamento, radar, IRST e o escambau de última linha instalados ele não pode ser considerado de 4ª geração, em tese, por não ser fly-by-wire.

    Por outro lado, o Mig-29 é considerado de 4ª, mesmo sem ter FBW.

    Ademais, o F-5 sem aquele tanque centerline fica lindíssimo. Um dos mais bonitos caças já feitos, a despeito do tamanho diminuto e da impotência dos motores, porém, o belo design o faz um temível dogfighter…

  17. A FAB devia comprar todos os F-5 dando sopa pelo mundo afora. Custo/benefício igual não há.
    .
    A FAB por acaso ficou com os piores “E” jordanianos para segurar os “F” bipostos ?
    .
    Esses radares Grifo 200 e APG-66 são equivalentes ou superiores ao Grifo-F dos F-5M ?

  18. Delfim Sobreira 11 de novembro de 2017 at 18:13

    Até onde sei, os F-5 jordanianos que a FAB adquiriu, estavam mal conservados. Até buracos de bala na fuselagem, algumas células possuíam.

  19. Nossa necessidade mínima de caças, pelas nossas dimensões continentais, seria em torno de, por volta, 200 aeronaves! Se tivermos até 108 Gripen, como preconizam os planos da FAB, em três lotes de 36, para substituição dos F-5M e A-1, já vou ficar muitíssimo satisfeito! Aliás, esse deveria ser o número total de supersônicos desde o início na Força Aérea, F-5 e Mirages, para termos o mínimo de dissuação aérea.

  20. Antonio de Sampaio 11 de novembro de 2017 at 9:52

    nossa, ficou bravinho? uoiwaeeaiohioeah

    me diga o que eu falei que não é verdade. Se tu ficou todo rancoroso por eu constatar o óbvio, acho que internet não é seu lugar.

  21. “Até onde sei, os F-5 jordanianos que a FAB adquiriu, estavam mal conservados. Até buracos de bala na fuselagem, algumas células possuíam”
    .
    Silva, acho que você está se confundindo. Foi P-3 a aeronave que tinha um histórico de receber um disparo.
    O que eu soube de pessoal do PAMA e vi pessoalmente é que os F-5 jordanianos estavam muito sujos, tinham insetos abrigados e algumas gambiarras de mal cuidado, mas que em geral estavam bons estruturalmente.

  22. “Justin Case 11 de novembro de 2017 at 0:55
    F54Ever”

    Friends Forever = F 5
    _______________________________

    Poderiam comprar nossos Mirage’s, todos …. para voar ou para ….. reposição de peças, mas os pobrema$$$$$ $ão os francélico$.

    Já em terras âmis as coisas rolam bem melhor $

  23. VocÊ vê que essa empresa é esperta vai lá e compra .Ela é mais forte que a maioria de fcrças aérea pelo mundo a fora>E sem delongas O brasil demorou e consegui comprar 9, a argentina não comprou nada. Os governos não só daqui mas em quase todos os lugares ficam amarrados nestes políticos,que falam que não há dinheiro etc e tal ,agora a empresa colocará os caças em estado.O Uruguai deu bobeira pois esperava comprar os f-5 da suíça. Tem uma coisa muito errado ai n me pergunte pois não o que é só acho

  24. JT8D 10 de novembro de 2017 at 23:37
    Esse é um legítimo caça de quinta geração. Cinco gerações de pilotos já voaram nele” — kkkkkkk! Rindo até a 6ª geração (e olha que ainda nem gerei a primeira!…)

  25. Estão desmerecendo a FAB , ela é a mais Poderosa Força Aérea de Transporte de Políticos e Juízes do Mundo , ficaria melhor **Transportadora de Vagabundos** , tudo por conta do Povinho brasileiro , que paga a Passagem Aérea mais cara do mundo, pelos Impostos cobrados para manterem estes Vagabundos do Legislativo , Judiciário e Executivo , voando até para Turismo !!

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here