Home Forças Aéreas ‘Caçadores de furacões’ da USAF perseguem o Irma

‘Caçadores de furacões’ da USAF perseguem o Irma

5134
18
Piloto do 53rd Weather Reconnaissance Squadron “Hurricane Hunters” voa em direção a mais um furacão

Os aviadores estão medindo velocidades dos ventos de até 185 milhas por hora


Por Oriana Pawlyk

Nos últimos dias, uma equipe de cinco aviadores com o Air Force Reserve 53rd Weather Reconnaissance Squadron (53º WRS) da USAF, conhecido comumente como “caçadores de furacões”, realizou seis missões no avião WC-130J dentro e fora do furacão Irma.

A tempestade está atravessando o Caribe e ganhando os Estados Unidos, com a expectativa de chegar a terra na Flórida já no sábado à noite.

E já está estabelecendo recordes, disse o major Jonathan Brady, oficial de meteorologia de reconhecimento aéreo, ou ARWO, também conhecido como meteorologista aerotransportado. Brady acompanhou os padrões de tempestade a partir do chão, nesta temporada de furacões, rastreando dados e ouvindo e coordenando com aviadores enquanto eles penetram cada tempestade.

“O recorde [Irma] estabelecido é o furacão mais forte que já se formou naquela parte do Atlântico, e também outro recorde de este forte sistema é manter-se tão forte tantos dias”, disse Brady em uma entrevista ao site Military.com na quinta-feira.

Brady disse que a tempestade por mais de 48 horas apresentou ventos consistentes de 180 milhas por hora (290 km/h). Normalmente, um furacão se intensifica rapidamente, mas começa a enfraquecer em algum momento dentro de um período de 24 horas, disse ele.

Este furacão tem estado “na categoria 5 há alguns dias. Essa tempestade, ainda é muito forte”, disse ele. “Isso vai fazer muito mais dano do que o Andrew”, disse ele, quando perguntado sobre como Irma se compara ao furacão Andrew, um furacão da categoria 5 que atingiu a Flórida em 1992.

“O Andrew era muito forte, mas de tamanho menor. Outra diferença com Irma … na trajetória atual, vai para o norte”, depois da Flórida.

“O Irma tem potencial para causar muito mais danos, infelizmente”, disse ele.

Aerial Reconnaissance Weather Officer (ARWO) a bordo do WC-130 do 53rd Weather Reconnaissance Squadron

Investigando Tempestades
As equipeas, baseadas na Keesler Air Force Base, Mississippi, rastrearam o furacão Harvey, que trouxe chuvas devastadoras sobre o Texas e seu litoral. Os Caçadores estão perseguindo o Irma agora e voaram duas missões sobre o furacão Katia, que está sustentando velocidades de 80 milhas por hora na costa do México.

Eles antecipam o voo para o furacão José nos próximos dias, o que também provavelmente atingirá as mesmas ilhas do Caribe, que Irma está varrendo agora. Mas “parece que irá curvar-se para o norte muito rapidamente, mas acabará se tornando uma ameaça às Bermudas no Atlântico central”, disse Brady.

Os aviadores também operam a partir de St. Croix no Caribe, mas há dias estão operandoda ilha Curaçao por causa do caminho do Irma.

“Nós estamos ocupados com três furacões agora”, disse Brady. Dos 10 WC-130Js do 53º Esquadrão, apenas três podem voar em tempestades diferentes ao mesmo tempo.

O olho do furacão Irma na tela do ARWO

Medindo Catástrofes
Os Caçadores de Furacões em 2005 adicionaram ao seus equipamentos o que se denomina um radiômetro de microondas de freqüência escalonada, ou SFMR. Eles o chamam de “smurf”. O sensor passivo, sob o lado direito do avião, monitora os ventos e a energia emitida da superfície do oceano.

“É um dos equipamentos mais importantes que temos. Ele fornece as velocidades dos ventos de furacões ao Centro Nacional de Furacões em Miami. As velocidades do vento de superfície são tão importantes porque os ventos de superfície são o que vão destruir as propriedades e pôr em perigo as vidas. Isso fornece verificação … porque é isso que traz a tempestade”, disse Brady.

Os dados ajudam o centro a determinar a categoria para classificar a tempestade, além de quão longe os ventos vão e quão fortes são.

A equipe também lança um dispositivo chamado “dropsonde” na água, um sensor biodegradável e não recuperável que mede as temperaturas, a temperatura do ponto de condensação, a pressão e também a velocidade do vento e a direção e a localização de latitude e longitude por GPS.

Dezenas de “dropsondes” podem ser lançadas ao longo de uma missão singular de seis a 10 horas, coletando dados de cada dispositivo à medida que o WC-130 voa através da tempestade.

“Quanto menor a pressão em um furacão, mais forte ele é”, disse Brady. “Se vemos uma tendência de baixa, significa que está ficando mais forte”.

Brady disse que as pressões no Irma são menores do que o esperado.

“Uma pressão atmosférica normal e normal é de 1.112 milibares. O Irma baixou para 914 milibares”, disse Brady. Millibars são unidades métricas de medição de pressão. Medidas abaixo de 900 são “incrivelmente baixas”, disse ele, e algumas tempestades no passado também registraram tendências de baixa.

“Nós estabelecemos um recorde há alguns anos atrás com o furacão Patricia [em 2015] ao largo da costa do México. No momento foi o furacão mais forte já medido na parte do mundo. Foram 897 milibares e ventos tão fortes quanto o Irma ,” ele disse.

Uma vez que os furacões atingem a terra, a missão dos Caçadores está concluída.

Voando o C-130
O WC-130, um C-130 Hercules modificado, voa a velocidades que são comparáveis ​​ao furacão para atravessar mais facilmente pelos ventos antes de chegar ao olho. Normalmente para qualquer furacão, a aeronave fica a 10.000 pés. Tempestades como tempestades tropicais ou depressões, o avião pode descer entre 5.000 e 500 pés para coletar dados se necessário.

“Nós estamos voando como um dia normal de trabalho. Eu sempre me senti muito seguro nisso”, disse Brady. Quando o WC-130 voa em uma tempestade, o que os aviadores chamam de “caranguejar”, ele fica quase em uma posição de faca para contornar os ventos ao atravessar.

“Quanto mais forte a tempestade, mais angulosos voamos para entrar”, disse ele.

Este ano, o 53º adicionou uma câmera Go-Pro à janela onde alguém como Brady, o ARWO, se senta.

O objetivo é que a câmera colete as imagens abaixo para que novos estagiários “realmente possam ver como os diferentes estados do mar se parecem”, disse ele, referindo-se a que velocidades pareceriam da aeronave.

As tripulações gostariam de adicionar outro radar na barriga do avião, a fim de obter ainda mais estimativas da velocidade do vento em novos pontos de observação. Brady disse que a Força Aérea está investigando a tecnologia adicional.

WC-130

Do Harvey em diante
Saindo de Harvey, Brady disse que esta não é a primeira temporada intensa para o 53º WRS. Em 2005, tanto a NOAA como a USAF rastrearam “tantas tempestades, que a [Organização Meteorológica Mundial] ficou sem nomes”, disse ele. Naquele ano, o furacão Katrina devastou a Louisiana.

“Um ano absolutamente horrível para furacões — nosso esquadrão trabalhou até o limite”, disse Brady, que tem sido oficial de meteorologia desde 2003. Ele se juntou ao 53º WRS em 2011 após a transição da ativa para as reservas.

Para esta temporada, os Caçadores de Furacões da Força Aérea começaram a voar para Harvey no final de agosto e completaram 13 missões com 104 horas de voo (a National Oceanic and Atmospheric Administration, ou NOAA, também tem seu próprio conjunto de aviões de caça de furacões).

O Harvey em um ponto “enfraqueceu, mas quando se aproximou da Península de Yucatán … os modelos estavam mostrando uma vez que passando a península e no Golfo, teria a chance de se mover e organizar … em um furacão novamente “, Disse Brady.

Funcionários do Texas disseram que a tempestade do furacão da Categoria 4 foi o pior desastre climático da história do estado, com esforços militares e civis de socorro ainda em andamento para consertar os danos maciços das inundações e fornecer alimentos e abrigos. O Exército dos EUA sozinho empregou 16 mil soldados no auxílio; cada ramo das Forças Militares contribuiu com pessoal, aeronaves e até dois destróieres da Marinha participaram dos esforços de socorro.

Agora os membros da Guarda Nacional e funcionários da Flórida estão em estado de espera enquanto o Irma se aproxima.

Para ser claro, não há tal coisa como um furacão de categoria 6. Mas o Irma “é muito impressionante meteorologicamente. Estou meio chocado e impressionado com a força que ele tem”, disse Brady.

Os três furacões que estão em atividade no Atlântico em 8 de setembro de 2017

FONTEwww.military.com

18 COMMENTS

  1. Há algum tempo assisti um documentário sobre um P-3 que entrou num furacão, mas teve problemas técnicos ( salvo engano teve falha em um dos motores ) e mesmo c/ a ajuda de um C-130 p/ guiá-lo p/ encontrar uma zona ‘menos braba’ quase não conseguiu sair dele.
    Só p/ constar, os primeiros malucos a entrar propositadamente num furacão foram dois militares americanos ( Joseph B. Duckworth e Ralph O’Hair ) em julho de 1943 num T-6!!!

  2. Tem gente que ainda fala com tanta certeza que não existe aquecimento global. Os dados vem mostrando que a temperatura dos oceanos vem aumentado e o que dá força e mantem o furacão é a temperatura da água, a água do oceano por aquelas áreas chega a passar dos 30° o que ocasiona a evaporação de uma grande quantidade de água que quando se condensa a uma certa altitude libera uma grande quantidade de energia que puxa ainda mais ar quente e úmido.

  3. Afinal de contas, um avião passar por uma tempestade ou um furacão…
    Isto é, em terra carrega tudo.
    A água inunda, o vento é forte.
    Mas e no ar, qual o efeito sobre o avião?
    Porque em condições normais seria suicídio entrar.
    Mas se eles entram parece haver algo diferente quanto aos efeitos na superfície e em altitude.
    Alguém tem conhecimento sobre as condições específicas em altitude?
    Um avião voando a 500 km/h por exemplo.
    Quais os efeitos de ventos a 300 km/h?

  4. Muito bom, Luciano.
    No vídeo fala que aviões comerciais não enfrentariam ventos de 200 km/h.
    O avião foi desenvolvido para 3g é – 1 g, mas sofreu forças na casa de 5 g positivo e negativo.
    A perda do motor nada teve a ver com o furacão.
    Parece que eles têm que entrar inclinados.
    Desceu a 500 metros para medir melhor os ventos superficiais.
    Levou 20 minutos na travessia de volta o que sugere uns 100 km de furacão.
    O KC 390 conseguiria enfrentar um furacão desses?
    Só com dois motores?

  5. Nonato 10 de setembro de 2017 at 15:31
    Como disse já assisti há algum tempo, não me lembro mais dos detalhes, vou acabar revendo. Quanto ao KC-390, seria um total chute dizer qualquer coisa, mas não creio que o problema fosse ser um bimotor, o que importa é a potência total, vide o B-777 que faz coisas impensáveis a até poucos anos atrás.

  6. Olá, amigos.

    Embora vá contra o senso comum, é normal que avião bimotor tenha mais potência total do que um avião quadrimotor equivalente.
    O motivo é que, em caso de perda de um motor depois da decolagem de um bimotor, o motor restante terá que sustentar sozinho o voo. O avião terá que ter reserva de potência de 100%.
    Para aviões quadrimotores, normalmente não se prevê a perda de mais de um motor na decolagem. Assim, a potência reserva terá que ser apenas 34% acima da mínima necessária para decolagem com peso máximo.
    Abraços,

    Justin

  7. Nonato,
    Um avião que voasse a 500 km/h e encontrasse um vento de 500 km/h bem de frente, de proa. Não teria nenhuma influência em seu voo, ele somente não iria a lugar nenhum.Sua velocidade aerodinâmica iria ser a mesma, 500 km/h com relação ao ar, portanto ele não estolaria, não iria cair. Porém, se você observasse esse avião do solo iria notar que ele estaria parado no ar, porque sua velocidade com relação ao solo é nula.
    Ventos não têm influência no voo aerodinâmico, influenciam no tempo de voo e tudo que se relaciona, como a navegação, consumo, pouso, etc.
    O ar agitado, conhecido como turbulência, este sim, é capaz de derrubar aviões e até mesmo parti-los ao meio num piscar de olhos.

  8. Justin Case,
    Não compreendi muito bem seu comentário.
    Entretanto, gostaria de lhe dizer que vi seu canal no YouTube. Gostei da aproximação do Rafale no porta-aviões com nevoeiro. Achei interessante que, quando o piloto parece dar pela última vez seu indicativo de chamada (?), ele muda de maneira um pouco brusca a proa e termina o pouso, a impressão que se tem é que ele avistou a embarcação no meio daquele fog!

  9. Olá, Roberto.
    .
    Resumindo o meu comentário anterior:
    – Aviões bimotores têm que ser capazes de voar com apenas um motor: normalmente, precisam ter 100% de potência de sobra.
    – Aviões quadrimotores têm que ser capazes de voar com três motores: normalmente, precisam ter 33,3% de potência de sobra.
    .
    Quanto ao pouso no fog, parece mesmo que avistou antes de podermos identificar a “ilha” no filme. Por falar nisso, dizem que essa ilha é que distingue o Foch (São Paulo) do atual CDG.
    .
    Abraço,
    .
    Justin.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here