Home Aviação de Transporte Um pouco de história: do Bandeirante ao Amazonas e dos E-Jets ao...

Um pouco de história: do Bandeirante ao Amazonas e dos E-Jets ao KC-390

6212
16
Embraer EMB-100

Fernando “Nunão” De Martini (box da matéria sobre o KC-390 publicada originalmente na revista Forças de Defesa nº 14)

A história dos programas da Embraer voltados a aeronaves de transporte militar não começou com o projeto que levou ao KC-390. Afinal, a própria empresa foi criada em 1969, como estatal, com o objetivo de produzir um avião leve de transporte militar também voltado à aviação regional, o Bandeirante, desenvolvido pelo então Centro Técnico Aeroespacial (CTA, hoje DCTA – Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial).

O protótipo do Bandeirante voou pela primeira vez em 26 de outubro de 1968, praticamente 20 anos após o início da construção do CTA, que até então construíra vários outros projetos e protótipos para tipos diversos de aeronaves, porém sem se converterem em desenvolvimentos industriais. Porém, o Bandeirante foi criado para atender a uma demanda bem estabelecida, que no caso da aviação militar era a substituição de dezenas de bimotores de transporte leve Beechcraft C-45 da FAB, da época da Segunda Guerra Mundial. Como não seria possível viabilizar a produção com investidores privados, foi criada a Empresa Brasileira de Aeronáutica – Embraer, para produzir e vender a aeronave (a aprovação do decreto que criou a empresa é de 29 de julho de 1969). O primeiro protótipo renomeado EMB-100 evoluiu para uma aeronave maior, o EMB-110, e o primeiro exemplar de produção voou em agosto de 1972, já com as cores da FAB, cuja designação em serviço seria C-95.

EMB-110 no Museu da TAM

Vieram outros programas de produção, como o Ipanema (agrícola), o jato treinador italiano MB-326 fabricado sob licença como o EMB-326 Xavante, aeronaves leves americanas da linha Piper também produzidas sob licença, sem falar nas versões aprimoradas e especializadas do Bandeirante, enquanto outro programa herdado do CTA (estudos iniciados em 1968) era desenvolvido: um substituto para os diversos aviões de transporte C-47 Dakota (versão militar do DC-3) ainda em serviço na FAB.

EMB-326 Xavante

Apesar do Bandeirante ter substituído também esta aeronave em várias missões e unidades, previa-se também um avião com maior capacidade de carga, e o CTA desenvolveu um conceito muito parecido com o C-130 Hercules (asa alta, rampa traseira, trem de pouso principal em sponsons sob a fuselagem e capacidade de operação em pistas curtas), porém bem menor e bimotor. Chamado Marabá, também previa uso comercial, e o programa foi passado à Embraer, que realizou uma modificação importante: ao invés de dois motores turboélice da classe de 1.500hp, a empresa buscou comunalidade com o Bandeirante utilizando quatro motores PT-6 similares aos do EMB-110.

EMB-500

Nascia o EMB-500 Amazonas, praticamente um mini-Hercules (porém com trem de pouso principal modificado para recolher nas naceles alongadas dos dois motores mais próximos da fuselagem). Esperava-se o voo de um protótipo em 1974, e enquanto isso o projeto evoluía para versões a jato (com dois ou quatro motores turbofan na mesma asa reta, atendendo a sugestões de alguns potencias operadores civis). Porém, naquela época a FAB já havia colocado em serviço uma aeronave com capacidade realmente STOL (pouso e decolagens curtas) e capacidade de carga duas vezes maior, o canadense DHC-5 Buffalo (C-115 na FAB). Sem interesse da FAB, que acabou encontrando no Buffalo o avião ideal para o que mais precisava, e com prognósticos ruins num mercado comercial com muitos concorrentes, o projeto do que poderia ser o maior avião feito no Brasil à época (24 metros de envergadura, 20m de comprimento e peso máximo de decolagem de 12 toneladas) terminou.

produtos-da-embraer-em-1985
Aviões da Embraer em 1985

O envolvimento da Embraer com aeronaves de emprego militar, nos anos seguintes, prosseguiu com a produção do Xavante e do Bandeirante, com o desenvolvimento e produção de um treinador turboélice de grande sucesso, o EMB-312 Tucano (veja edição 11 da revista Forças de Defesa), com a parceria ítalo-brasileira do jato de ataque AMX (número 9 de Forças de Defesa) e, quando já privatizada nos anos 1990, de versões para alerta aéreo antecipado e sensoriamento eletrônico da bem-sucedida família de jatos regionais ERJ-145 (que também tem exemplares empregados em transporte na FAB, assim como os antecessores turboélices EMB-120 Brasília e EMB-121 Xingu) e do EMB-314 Super Tucano, de ataque leve, contrainsurgência e treinamento.

ERJ-145
Embraer ERJ-145

Só após o lançamento da também bem-sucedida família de jatos comerciais E170, 175, 190 e 195, cobrindo a faixa de 70 a 124 assentos (primeiro voo do E170 em 19 de fevereiro de 2002), ressurgiu o interesse em desenvolver um jato de transporte específico para o mercado militar. E, diferentemente do Amazonas de mais de 40 anos antes, a ideia partiu da empresa e não de uma organização da FAB. Em 2004 começavam a voar os dois maiores modelos da família batizada de “E-Jets” (o E190 em março e o E195 em dezembro daquele ano) e, quase à mesma época, começaram os estudos de mercado para verificar a viabilidade de uma aeronave militar de transporte tático, pensada para aproveitar o máximo possível de componentes destes jatos. O desenvolvimento de engenharia buscou utilizar as mesmas asas (porém instaladas no alto da fuselagem), motores e empenagem do E190, além de vários conceitos empregados nos E-Jets.

Embraer E-Jets

Na edição 2007 da feira de defesa LAAD (Latin America Aerospace & Defense) a empresa anunciou seus planos para o avião denominado C-390, e em pouco tempo começou a divulgar concepções artísticas, além de dados que o colocavam na exata categoria de carga do Hercules C-130: dezenove toneladas. As dimensões, aproveitando as asas do E190, seriam de cerca de 30 metros tanto de envergadura quanto de comprimento. A fuselagem larga do avião de transporte, frente à mais esguia do jato comercial, era evidente pela comparação com a envergadura do E190, de 28,7m com as mesmas asas. Mas todas essas medidas estavam prestes a crescer significativamente.

C-390

Foi quando entrou em cena o potencial cliente que era visto com grande prioridade pela Embraer, a FAB. E o projeto foi refinado com o estudo dos requisitos da Força Aérea, a constante troca de informações entre engenheiros e pessoal dos esquadrões de transporte, resultando numa aeronave mais capaz do que o Hercules e já sem nenhum grande componente aproveitado dos E-Jets. A asa cresceu em envergadura e área para atender a requisitos bem mais exigentes de operação e a cauda, inicialmente convencional, ganhou a configuração em “T”.

Já em 2009, as concepções divulgadas começavam a ficar bem mais parecidas com as do modelo final, e já renomeado KC-390, denotando sua a capacidade esperada para emprego em reabastecimento em voo e a preocupação em ampliar a sua flexibilidade operacional. Nos anos seguintes, a capacidade de carga foi bastante ampliada (de 19 para 23t, chegando a 26t para carga concentrada), assim como as dimensões, que chegaram aos atuais comprimento e envergadura em torno de 35 metros. E assim se alcançou as características do protótipo que finalmente deixou o hangar em 21 de outubro de 2014, praticamente 10 anos após as primeiras ideias de um avião denominado C-390.

16
Deixe um comentário

avatar
16 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
11 Comment authors
André Luiz.'.LucianoSR71Luiz FernandoNunãosergio ribamar ferreira Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Luiz Trindade
Visitante
Luiz Trindade

Excelente resumo do Fernando “Nunão” De Martini (box da matéria sobre o KC-390 publicada originalmente na revista Forças de Defesa nº 14). Senti falta de comentários a respeito dos treinadores T-6, T-25. Mas no total está muito bom! Parabéns!!!

Flanker
Visitante
Flanker

Luiz Trindade, me corrija se eu estiver errado. De qual T-6 você fala? O único que conheço é o famoso “T-meia”, fabricado pela North-American, lá na época da 2ª GM. E o T-25 foi produzido pela Neiva, antes da aquisição dessa pela Embraer.

Silva
Visitante
Silva

Eu acompanho a história da Embraer á vários anos. Realmente uma trajetória de sucesso, da única empresa brasileira que produz produtos de alto valor agregado. Se não fosse a Embraer, o Brasil seria 100% um mero exportador de commodities. Fico me perguntando sempre, se a Embraer com toda a sua excelência, conhecimento e qualidade inquestionáveis conquistados nessa sua história, vai algum dia partir para cima da Boeing e da Airbus, com uma linha de aviões maiores. Na divisão de aviação comercial da Embraer, esse seria o passo adiante, no meu entendimento. Fico me perguntando também sobre o mercado comercial de… Read more »

Luiz Trindade
Visitante
Luiz Trindade

Flanker,

Foi esse T-meia que falei e também do T-25 universal. Mas como disse foi muita boa a reportagem sobre a EMBRAER.

Luiz Trindade
Visitante
Luiz Trindade

Silva,

Eu acho que a Embraer tem de excelente no que ela se propõem. Partir para cima da Boeing ou Airbus é uma empreitada arriscada. E partir para asas rotativas sem expertise igualmente arriscado a não ser que se associasse a Helibrás e a mesma parasse de representar a Aeropastiale! Mas isso meu caro, são meras opiniões! O futuro dirá quais serão os próximos passos dessa empresa que deveria ser propagada pelo governo como orgulho nacional!

Marcos10
Visitante
Marcos10

O artigo é sobre Embraer, por isso não tem T6 e T25.
Embraer já declarou que não pretende concorrer com Airbus e Boeing, tão pouco projetar helicópteros.

Fred
Visitante
Fred

Casimiro Montenegro iniciou essa jornada. Vários professores, técnicos e pesquisadores do ITA subsidiaram tecnicamente o crescimento da massa crítica aeronáutica do Brasil. Comandantes mantiveram a essência do plano, atentos ao grande potencial da produção aeronáutica nacional e ignorando a vontade de muitos brigadeiros em ver o CTA enquanto PAMA. Formadas vinte turmas no ITA e depois, diversas pesquisas e projetos, e a visão comprometida de gestores federais, criou-se a EMBRAER para a produção do Bandeirante. Meia dúzia de linhas não traduzem em nada a epopéia e o exemplo essa aventura nacional traz em tantos níves à nação. Uma história espetacular… Read more »

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Dois livros obrigatórios em uma estante de entusiasta da aviação, principalmente, a brasileira:

‘ENCICLOPÉDIA DE AVIÕES BRASILEIROS” do saudoso Roberto Pereira e

“A DECOLAGEM DE UM SONHO – A HISTÓRIA DE CRIAÇÃO DA EMBRAER” – Ozires Silva.

sergio ribamar ferreira
Visitante
sergio ribamar ferreira

Sr. Marcelo Andrade. Tentarei adquirir os dois, ou pelo menos o do Ozires Silva. Obrigado. sobre outo assunto: a FAB já transferiu alguns aviões para a MB fazer a vigilância marítima? Caso não, há alguma probabilidade? e por fim: os bandeirulhas ainda fazem este tipo de vigilância? Obrigado novamente.

Nunão
Visitante
Nunão

Sergio:
Pergunta 1: não
Pergunta 2: creio que não tão cedo
Pergunta 3: sim

Luiz Fernando
Visitante
Luiz Fernando

Marcelo tem vários outros livros…
Quando estiver em casa possui listar aqui.

LucianoSR71
Visitante
LucianoSR71

Marcelo Andrade 3 de setembro de 2017 at 16:02
Tenho orgulho em dizer que ganhei o livro ‘História da Construção Aeronáutica no Brasil’ autografado pelo Roberto Pereira de Andrade. Eu tinha uns 15 anos e enviei uma matéria sobre o DH Mosquito ( quando a gente é moleque é mais ousado, rs ) p/ a revista Tecnologia & Defesa e ele me enviou o referido. Infelizmente ele morreu há 2 anos.

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Luciano, que show, srsrs!!

Luiz, tenho outros mas a lista é enorme!!! kkkkk ,

Sergio Ribamar, tenta no site Estante Virtual, lá vc encontra livros usados em bom estado e muito em conta.

O Mercado Livre também, mas o Estante Virtual é um mercado de livrarias e sebos brasileiros com mais de 25 milhões de títulos.

André Luiz.'.
Visitante
André Luiz.'.

Fred 3 de setembro de 2017 at 14:01
Uma história espetacular que merece ser contada e recontada.
Eu diria: “Uma história espetacular que PRECISA ser ‘reproduzida’ em outras iniciativas empresariais no país! 🙂

sergio ribamar ferreira
Visitante
sergio ribamar ferreira

Obrigado Sr. Nunão pelas informações e Sr. Marcelo pela informações de procurar os livros. muito útil os comentários. Obrigado a todos.

Fred
Visitante
Fred

Precisa ser reproduzidas em outras iniciativas empresariais no pais?

Vejamos, diz respeito a parte que o Estado financia a formação da massa crítica, a costura de relações com empresas exteriores, o desenvolvimento de projetos e depois que reduzidos os riscos se vende para a iniciativa privada ou a parte que ensina que investimento em ciência e tecnologia só tem retorno a longuíssimo prazo?