Home Aviação de Ataque Lockheed e Raytheon recebem contratos de míssil de cruzeiro nuclear

Lockheed e Raytheon recebem contratos de míssil de cruzeiro nuclear

5305
50
O AGM-86 deverá ser substituído pelo LRSO

Os dois contratos de US$ 900 milhões são para o desenvolvimento do míssil de cruzeiro nuclear Long Range Stand-Off

As empresas Lockheed Martin e a Raytheon receberam contratos de US$ 900 milhões cada uma para o desenvolvimento do míssil de cruzeiro nuclear Long Range Stand-Off (LRSO), anunciou o Departamento de Defesa na quarta-feira.

Os contratos vão até até 2022, quando uma das duas empresas será selecionada para finalizar o desenvolvimento do míssil. O trabalho será realizado principalmente em Orlando, Flórida e Tucson, Arizona.

“Esta arma irá modernizar o ramo aéreo da tríade nuclear”, disse o secretário da Força Aérea, Heather Wilson, em um comunicado.

“A dissuasão funciona se os nossos adversários sabem que podemos manter em risco as coisas que eles valorizam. Essa arma aumentará a nossa capacidade de fazê-lo e devemos modernizá-lo de forma econômica”.

O programa Long Range Stand-Off é uma iniciativa da Força Aérea dos EUA para substituir o míssil de cruzeiro lançado do ar AGM-86 implantado no bombardeiro estratégico B-52H Stratofortress.

O ALCM é o atual míssil de cruzeiro com capacidade nuclear no inventário dos EUA, após a aposentadoria do TLAM-N Tomahawk. O modelo AGM-86B pode levar uma ogiva termonuclear W80 com um rendimento de até 200 kilotons. A arma remonta ao início da década de 1980 e há muito ultrapassou a vida de serviço prevista de 10 anos.

O LRSO seria montado no B-52H, no bombardeiro stealth B-2 Spirit e no futuro bombardeiro B-21 Raider atualmente em desenvolvimento. Espera-se que ele seja implantado no final dos anos 2020.

A arma enfrentou controvérsia e alguma oposição no Congresso sobre seus custos antecipados e questões sobre se um mísseis de cruzeiro com capacidade nuclear é realmente necessário.

FONTE: upi.com

50 COMMENTS

  1. Incrível como a Lobyheed ganha contrato para tudo nos EUA.

    se tiver um contrato pra trocar a escrivaninha do presidente dos EUA ela deve ganhar.

    enquanto isso a Boeing e Northrop ficam chupando dedos.

  2. No texto onde se diz (…………..devemos modernizá-lo de forma econômica”…………… ) 1.8 Bilhões de dólares só para o desenvolvimento (RISOS) que humilhação eim ?!?!?!

  3. Evidente que armas e seu desenvolvimento é caro mas penso que todo o sistema é, por assim dizer, superfaturado. A defesa americana se justifica como negócio e como proteção, então fica difícil ir contra essa maré. Evidente, também, que existem meios para evitar e descobrir um real superfaturamento.

  4. Agora vou dar uma de advogado do diabo. Por que ninguém esta protestando o desenvolvimento deste míssil? Como foi feito com a Coreia do Norte?

    Já sei as diferenças são grandes entre balístico e cruzeiro, mas não deixa de ser uma arma nuclear.

  5. Bruno Correia 25 de agosto de 2017 at 16:32

    Para tudo nesse mundo… infelizmente… é assim:
    “Aos amigos tudo, aos inimigos, a lei.”

  6. Manoel, claro que o Tio Sam pode, a China pode, a Índia, Israel, Russia… Você já imaginou o Brasil com armas nucleares e a Dilma no poder? Ou o Lula? Ou qualquer um da esquerda caviar que fura fila no INSS e ganha aposentadoria em 15 minutos enquanto o gado leva 1 ano para conseguir o benefício? Tenha dó, o Brasil não pode ter, nem Cuba, nem Venezuela, nem Irã, nem Bolívia, ou outros malucos que podem jogar só por que perderam as eleições, só países sérios podem ter, convenhamos, o Brasil, talvez, se investirmos maciçamente em educação nos próximos 100 anos talvez possa ter também. Já imaginou um Ciro Gomes? Um Sarney? Renan? tendo poder de detonar um artefato nuclear? Na minha cabeça isso é inimaginável!

  7. Nem desenvolveram ainda o míssil e já tem gente dizendo que é “ineficiente” contra isso, ou contra aquilo…. Moscou e Pequim estão perdendo grandes videntes militares por aqui viu??

    Produto nem foi desenvolvido e já tem gente sabendo das especificações…. hahahahahaha

    Uma nação séria como os EUA, com um império global a ser defendido pelas armas, com interesses em todos os cantos do mundo, com muito money e muitos estudiosos, está agora gastando 1,8 bilhão desenvolvendo algo que o nosso gênio Jonas Silva, aqui nos cafundós do Brasil, JÁ SABE BEM ANTECIPADAMENTE, que não vai servir pra muita coisa. Kkkkkkkkkkkk

  8. Sinceramente não consigo ver utilidade nessa arma, os ICBMs já não cobrem o mundo inteiro com sua capacidade nuclear?

  9. O icbm é muito rápido. E também mais fácil de identificar seu disparo.
    Já o míssil de cruzeiro, apesar de mais lento, talvez seja mais difícil de detectar.
    E como falaram, é uma tríade.
    Icbms, bombas em aviões e mísseis de cruzeiro em submarinos…
    Mesmo que o país seja destruído, poderá se vingar por meio de outros meios espalhados pelo mundo…

  10. 1,8 bilhões de dólares é uma grande quantia de dinheiro mas o Brasil gasta valores similares em outras prioridades como Copa do Mundo, Olimpíadas, fundos partidários, bolsas, bolsas e mais bolsas.

  11. Há um superfaturamento proposital, para propaganda e principalmente para financiar os verdadeiros projetos secretos, que podem estar relacionados com este míssil, como para outros fins de interesse do Estado e final do povo. Diferente do Brasil, onde superfaturamento significa corrupção, e questão de estado significa devassar placar de votação do Senado. É, eu só sei que com esta grana daria para distribuir muitas revistinhas do Mickey pelo mundo, e bem, para a segurança americana, talvez isto seja mais eficiente. Talvez o Tio Patinhas…

  12. “Para os amigos tudo ,aos inimigos a lei “, xiiiii, senti que tem gente ai decepcionadinho , a galerinha achava que o IMPERIO iria assistir a Russia modificar suas armas extrategicas para o padrao da decada de 80 sem fazerem nada ? kkkk, toma ai , armas modernas ,feitas de epoxi e cerâmica , ja me adianto pedindo perdao aos colegas imortais da Acadêmia Brasileira de Letras !

  13. E vem mais ai , a Bomba de nêutrons vai experimentar um renascimento , otima para ser usada em areas com estruturas valiosas , tipo: proxima as piramides , grandes barragens de hidreletricas , regioes de produçao de petroleo , areas de usinas nucleares !

  14. O estranho é que esse tipo de vetor nuclear já deveria existir a tempos no arsenal americano.
    As facilidades de trasporte e lançamento, seja por água, terra ou ar, fazem de um míssil nuclear de cruzeiro uma mão na roda, tanto em termos de economia como de versatilidade perante os tradicionais ICBMs.
    O próprio conceito de devastar uma cidade inteira com várias ogivas transportadas por um único míssil, vai ficando cada vez mais politicamente errado no horizonte de causar o menor dano civil e até ecológico possível.
    A tendência é operações cirúrgicas contundentes.

  15. Farroupilha,
    Mas já existe há muito tempo.

    Jonas,
    S300 contra um míssil de cruzeiro stealth que voa rente ao chão?

    Gilson,
    Não é resposta a nada disso. Esse míssil é só um substituto do ALCM AGM-86B que está no arsenal americana há mais de 30 anos.
    Esse míssil que você citou é uma violação do tratado que proíbe mísseis com alcance médio e intermediário na Europa. O máximo permitido é 500 km de alcance, daí o ATACMS e o Iskander.
    Qualquer país que instalar mísseis (convencionais ou nucleares” baseados em terra com alcance de mais de 500 km estaria violando o tratado de mísseis de médio alcance.
    Se os russos insistirem em instalar um míssil com mais de 500 km automaticamente os outros “atores” estariam também desobrigados de obedecê-lo e aí haveria uma corrida aos mísseis de longo alcance na Europa, não havendo nada que impeça que os europeus instalem mísseis Tomahawks ou SCALP ou qualquer outro.

  16. Só o estádio Mane Garrincha custou isso.
    A Copa se foi e o elefante Branco ficou.
    Esperto é quem investe em projeção de poder ao invés de brincar de gente grande.

  17. Só para lembra-los, os EUA gastam 3.8% do PIB com as forças armadas, segundo algumas fontes Cuba gasta 3.8% do PIB também, já a Rússia gasta 5.3% do PIB (gastam mais com as forças armadas do que os EUA), Arábia saudita 10% do PIB, Israel 6%, França, Reino Unido, Turquia e China entre 2% e 3% do PIB; Itália, Austrália, Alemanha e Brasil 1.5% do PIB.
    Como podemos ver, a canalização de riquezas para as forças armadas é maior na Rússia do que nos EUA…dentro desse contexto alguns pontos são fundamentais: a sociedade americana é muito MENOS dependente do Estado que a sociedade russa, aliás, a presença do Estado nos EUA é bem menor do que na maioria dos países do mundo. Este ponto é excelente, é a melhor coisa do mundo, há uma liberdade muito maior para o Estado agir. Outra coisa, olhem o tamanho do território da Rússia e dos EUA, querendo ou não isso interfere no gasto militar…os EUA tem influência global, Rússia apenas regional (mas pelo menos tem influência de fato). Não acho que o gasto militar dos EUA seja algo fora da realidade global, a Rússia já passou dos 5%…talvez esteja extrapolando.

  18. Calma pessoal. É normal que as grandes potências melhorem os seus armamentos para competirem uns com os outros. Nos EUA, é uma maneira de os dólares serem destribuidos pelo pessoal. Para nosso socego, raia miúda, estas armas não são para uso normal pois, nunca haverá guerra nuclear entre estas potências. Daqui a uns anos serão desmontadas e criadas outras. Entretanto as personagens vão mudando com os bolsos cheios e montados nos votos de quem os elege, para gáudio dos defensores e raiva dos críticos. Cordiais abraços ….

  19. Gunter Vand, discordo plenamente de seu comentário.
    O Brasil, sob qualquer governo desde 1988, seja do PSDB, do PT ou do PMDB (que, aliás, sempre compôs a base governista, o que talvez ajude a explicar porque somos eternamente um fracasso), sempre se pautou pelo não intervencionismo e pelo respeito à soberania das outras nações. Lula e Dilma (assim como Sarney, Collor, Itamar, FHC) nunca ameaçaram qualquer outro país nem estivemos minimamente próximos de entrar em qualquer conflito armado.
    Por outro lado, veja a Rússia, por exemplo. Ou a China com sua gana expansionista.
    Somos muito mais confiáveis e estáveis em nossa política de não intervenção do que eles.
    Compreendo que você tenha asco da esquerda e tal, mas não devemos distorcer a realidade dessa forma. Sob os governos do PT, assim como dos outros partidos, o Brasil manteve-se como habitualmente sempre foi, respeitando o que está na nossa Constituição no que se refere à relação com os demais países.

  20. Daniel Ferreira 26 de agosto de 2017 at 9:19 – Perfeito meu caro.

    Ainda uma análise histórica deve sempre ser feita sobre a formação dos países. E aí o caráter de um povo, e suas possíveis ações contra outros, ficam mais claros.
    Infelizmente têm milhares de brasileiros vítimas de lavagem cerebral que tentam rebaixar nosso povo perante os da chamada elite global. Sempre acreditando que somos piores.
    Povo, ser humano, é o mesmo em toda parte, independente de pele, altura, educação formal, crenças etc. E, em relação a diferença entre países que essa sim existe, a característica de individualidade nacional é resultado da soma de n fatores geográficos e históricos que se somam para produzir determinadas culturas, mas nunca são permanentes, pois ou evoluem ou involuem. Vide as inúmeras civilizações e culturas tragadas pelo tempo. A cultura nazista que se acreditava ser superior a todas as outras ironicamente naufragou em apenas uns poucos anos. Quanto a nossa brasileira, que é um cadinho de culturas, sobreviveu, sobrevive e sobreviverá por séculos sem fim, e presenciará o sucessivo fim de inúmeras pretensiosas que aí estão. E o interessante, é que o tal brasileiro que alguns acham que é fraquinho, burro, incompetente, que não serve para comandar, é que vai ditar os rumos do mundo futuramente*.
    Quanto a armas nucleares, como qualquer outras, há protocolos de utilização, quanto maior o poder de destruição maiores e mais sofisticados os termos de uso. O clube atômico é muito bem organizado.


    * Dia desses, em São Paulo, num ótimo bairro, vi um catador de papelão puxando uma carrocinha atulhada de coisas e mais vários cachorros, em cima dela, e ao lado o acompanhando, não resisti e curioso, bati um papo com ele. Lhe perguntei sua idade (51), quantos quilos ele puxava (300kg) sendo que ele me disse que só a carroça tinha uns 150kg, lhe perguntei também quantos quilômetros eles percorria todo dia e ele me respondeu que eram uns 20km. Me disse também que já havia caído de um viaduto e ficado todo lascado. Não sei dos outros, mas para mim, estava ali uma pessoa de enorme fibra, coragem e determinação na sua honestidade e capacidade de trabalho. Um país que tem esse tipo de gente em sua base atual, certamente está sendo preparado para coisas grandiosas. Pois uma coisa é vc ser miserável no meio de miseráveis, outra é vc ser miserável no meio de gente acima de vc e mesmo assim vc não se deixar abater.

  21. Tão se perguntando porque o TIO SAM pode e a Coréia do Norte não pode ter armas nucleares né?!? Tão esquecendo de um inimigo que vai ameaçar a sociedade civilizada de uma forma bem pior e o que mais me espanta que não somente aqui neste site de avaliações militares e seus PHD’s em análise ficam quietos para a China. A China já tem em muito armamento nucleares mas seu golpe de misericórdia esta sendo dado fazendo o mundo depender dela para tudo que é manufaturado e ninguém esta se importando para isso! A China já esta tomando conta da rota da seda, ampliando suas fronteiras com a India por exemplo, instalando bases estrangeiras, comprando companhias pelo mundo afora e ninguém, absolutamente, ninguém esta se dando conta do seu expansionismo. Gente… Vamos parar de brincar de análisar EUA, Rússia, Coréia do Norte e vamos olhar para o horizonte… Eles, os conquistadores orientais estão chegando!

  22. Senhores, uma bomba nuclear é uma arma de dissuasão, ou seja, desencorajar os pretensos inimigos a não atacar se não vai ter troco na mesma moeda. Índia e Paquistão são ótimos exemplos disso, depois que obtiveram as suas armas nucleares, nunca se envolveram em guerras violentas. O Brasil por enquanto não precisa de uma, a não ser que o Maduro resolva querer dar uma de kim jong un latino. Alguém devia avisar isso para aquele gordinho esquisito ditador da Coreia Norte.

  23. Toda a tríade de dissuasão nuclear americana está (ou estará) sendo modernizada.
    Os bombardeiros B-52 pelo B-21.
    O míssil AGM-86B pelo LRSO.
    As bombas B-61 pela B-61-12.
    Os submarinos SSBNs Ohio pelos Columbia.
    Os Trident II pelo Trident II aperfeiçoado.
    O Minuteman III pelo GBSD.
    Nada de diferente do que fazem a Rússia e a China.

  24. depois de pesquisar no google…
    a tríade refere-se aos ICBMs (baseados em terra), os bombardeiros (com suas bombas) e os submarinos, com seus misseis balísticos…

  25. Fonseca,
    A tríade de dissuasão nuclear americana se refere aos ICBMs Minuteman III, aos bombardeiros B-52 com seus mísseis AGM-86B, aos bombardeiros B-2 com suas bombas B-61 e aos submarinos Ohio com os mísseis Trident II.
    A função específica dos B-2 é penetrar fundo no território inimigo e atacar os lançadores móveis de ICBMs com bombas nucleares B-61 atuando em conjunto com os satélites radar Lacrosse.
    Já o B-52 não tem capacidade de sobreviver em espaço aéreo defendido e para atacar utilizaria mísseis de cruzeiro AGM-86B para atingir alvos a 2500 km de distância.
    Desde a década de 50 os bombardeiros nucleares eram armados com mísseis nucleares ar-sup que seriam lançados primeiro e só então abriria espaço para o lançamento das bombas nucleares de queda livre.
    O primeiro desses mísseis ar-sup foi o Rascal, depois o Hound Dog, depois o SRAM, seguido pelo ALCM AGM-86B, depois pelo ACM AGM-129 e voltando para o AGM-86B. Este último deverá ser substituído pelo LRSO lá por 2030.
    Os silos de ICBMs, as bases aéreas e as bases de submarinos SSBN seriam alvo dos mísseis balísticos Minuteman e Trident enquanto os B-52 dariam conta dos alvos “não nucleares” e como disse antes, os B-2 iriam à caça dos ICBMs móveis.

  26. A argumentação sofre de vício na origem quando confunde programas de Estado com programas de Governo. Defesa, integridade territorial e soberania não devem ser tratadas como programas de governo, sejam eles quais forem.

  27. e simples bruno correia , o presidente dos EUA , não vai acordar um dia de mau humos e jogar uma arma nuclear , na tua cabeça por que um dia antes algum jornal chamou ele de gordo maluco, e impressionante essa galera comuna, aqui do site, eu já vi dizer que os russos fazem isso que atiram aquilo , são como a gente diz aqui o cão chupando manga rsrsrsrs mais ate agora so vejo noticia de russo se dando mal , e turco derrubando caça russo , americano bombardeando base aeria “protegida” por equipamento russo kkkkkkk o galera de imaginação fértil esses russófilos rsrsrsrs

  28. O conceito da tríade é meio que ultrapassado. Ele foi proposto numa época em que os mísseis ICBM baseados em silos levavam dias para terem seus alvos programados. Nessa época os SLBMs era imprecisos e só serviam para atacar cidades. Eram basicamente armas de vingança. Todos os mísseis balísticos lançados de terra e do mar praticamente eram engessados e tinham alvos específicos, pré-definidos, aí sobrava para os bombardeiros darem a flexibilidade necessária de atacar alvos de “oportunidade”.
    Hoje, tudo mudou! Os SLBMs têm precisão suficiente para atacar silos de mísseis inimigos e os ICBMs podem ser reprogramados em minutos. De qualquer forma ainda é preciso a perna formada por bombardeiros tendo em vista os alvos móveis (Topol , RS-24, etc.) e os alvos “assimétricos”, que não seriam “merecedores” de um lançamento balístico por terem potencial de provocar um equívoco e desencadear um conflito de alta intensidade.
    Duvido muito que esse conceito continue num mundo cada vez mais inflacionado. Não será espanto algum se uma perna da tríade for cortada e deverá ser os ICBMs baseados em silos.

  29. Nada mais sensato do que atualizar equipamentos, principalmente se tiver um poder destrutivo grande.
    Imagina um equipamento que pode por fim a milhares de pessoal feito no Brasil sem manutenção? Qualquer de nossas famílias poderia virar pó. O que no Brasil seria regra. Temos a mente muito pequena, tipo quarto mundo, e não sairemos dele . `´E só ver a manutenção das estradas, parques, avenidas, cidades. Tudo lixo, tudo mal feito . No fundo todos querem ser que nem os EUA.

  30. Quando Enéas candidato a presidência em 1994 disse que “tínhamos que construir a bomba atômica para evitar que alguém taque uma aqui” todos os chamaram de louco e até hoje o chamam.
    Faça uma pesquisa no Google sobre isso e entenda porque nunca (ou pelo menos por enquanto) teremos uma Bomba nuclear.

  31. Armas nucleares são relativamente fáceis de fazer, com alguma ajuda, espionagem e algum dinheiro, em poucos anos pode-se construi-las. É mais difícil construir um caça do que uma nuke, Paquistão e Índia que o digam! A obsessão atômica da Coreia do Norte parece cega-la para o fato que também seria fulminada caso venha colocar em prática suas ameaças. O que impede (até agora!) Coreia do Sul e Japão de também se armarem com nukes? Não lhes faltam dinheiro nem capacidade! Não o fazem por acreditar na proteção americana e isso tem evitado a expansão nuclear na Ásia. O mundo deveria estar mais dedicado na redução e banimento de armas de destruição em massa, bem como se opor a novos pretendentes ao clube, o fato de Rússia e USA possuírem não é sinal que Brasil, Argentina ou Noruega etc também devam tê-las, mais países, mais difícil o banimento. O equilíbrio pelo medo, mantido até agora, fica mais frágil com players como CN ou Irã, mal começaram a se armar e já ameaçam publicamente seus possíveis adversários, comportamento bem diferente por exemplo de França, Inglaterra ou Israel. Por último, sempre gosto de mencionar, a Rússia grande potencia militar nunca chegou perto de ser potência econômica, isso porque ela enfiou a cabeça em contrapor os USA e esqueceu um mercado muito maior que consome microondas, geladeiras, TVs, cosméticos, carros, celulares, moda, etc. Abraço a todos!

  32. 2 pontos importantes que essa matéria não tocou: o novo Long Range Stand-Off (LRSO) será stealth e deverão ser encomendados 1.000 unidades.

  33. Ou seja, associado ao B-2 ou ao novo bombardeiro stealth, abre-se um cenário de ataque nuclear furtivo, até o momento da detonação.

  34. A nossa Imprensa Vendida e Colonizada não vão Tecer Críticas a uma Arma Nuclear Nova , já que foi o Tio SATÃ que liderou que todos assinassem um Tratado Contra Proliferação e Descarte de Armas Nucleares . Mas se fosse a Coreia do Norte , a Grita da Imprensa Vendida e dos Colonizados seria Nojenta !!

  35. W Eonseca claro que sabem disso , mas me espanta não entenderes que a CN somente se Arma para se Defender , ela poderá até ser Pulverizada , mas primeiro fará o TIO SATÃ ter que combate-la em um Teatro Convencional e se tentarem ir adiante , ela fará um ESTRAGO incalculável a seus Capachos Coreanos do Sul e Japão e até ao próprio TITIO , fora o Terror que induz a estes Povos a não apoiarem uma agressão Costumeira do Tio Satã a desarmados , eles gostam de Moleza , Osso Duro fogem !

  36. Nunca vi os EUA ameaçarem aliados com seus poderio nuclear.
    Agora, o que eu já vi é que quem fabrica uma Bomba Nuclear, automaticamente vira alvo de todos os outros que tem tal armamento. Nós temos cacife ($$$, inteligência, serviço secreto, meios, etc) e responsabilidade (ex: Lula/Dilma/Maduro nuclear) para entrar nesta incomodação?

  37. Jose Luiz,
    Concordo com você! O problema é que no afã de não ser capacho do TIO SATÃ e de ter o direito à soberania plena o ditadorzinho estiloso deixa o povo na miséria e sob um regime ditatorial, opressor e violento. Talvez seja um preço alto a pagar para ser absolutamente soberano nesse “mundão veio sem porteira”, principalmente quando quem paga a conta dessa “soberania” é o povo.
    Mas claro, isso não é levado em conta já que o que vale não é a qualidade de vida ou a liberdade dos povos oprimidos pelos governantes das nações que se opõem ao imperialismo do TIO SATÃ mas sim o fato desse imperialismo estar sendo combatido no melhor estilo dos “fins justificam os meios” .
    Parabéns! Você realmente veio trazer luz aos olhos de muita gente que comenta aqui na Trilogia.

  38. Os EUA (e a Rússia) não estão construindo novas armas nucleares. Muito pelo contrário! O que se vê é uma redução de armas nucleares e hoje há menos de 10000 operacionais em todo o mundo.
    Só os EUA já chegou a ter mais de 50.000 armas nucleares operacionais ha´uns 30 anos.
    Os americanos dizem que suas ogivas duram 100 anos e desde a década de 90 já não as fabricam mais e muito provavelmente não serão mais fabricadas. O que se vê é a adaptação das antigas a vetores novos.
    E claro, os vetores têm que ser modernizados e não há quem faça isso melhor do que a Rússia e a China, que todo dia testa um míssil novo e “revolucionário”. Todo dia os russos e chineses anunciam mais um lançamento de um míssil fodástico, cada vez mais imune que o outro ao tal “escudo” antimíssil.
    Não entendo o chororô só por conta dos americanos também estarem querendo aperfeiçoar seus veículos de entrega.
    O que os EUA tem que parar é de ser besta e colocar sempre o dele na reta. Uma Coréia do Norte ou um Irã nuclear não interessa a ninguém, muito menos à Rússia e à China, mas quem late é sempre os EUA que levam a culpa de serem os que se metem no país dos outros enquanto os bonitões Rússia e China posam de boazinhas e tolerantes com os amiguinhos que querem ter a bomba nuclear.
    O dia que os americanos largarem de ser bestas e de querer carregar o piano aí vamos ver a Rússia e a China se descabelarem com seus vizinhos. Os EUA continuarão a ser protegidos por milhares de quilômetros e por dezenas de minutos de alarme antecipado contra ataque de ICBM e perfeito ou não, com um sistema defensivo antibalístico.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here