Sukhoi Su-35

Foi assinado entre a Indonésia e a Rússia um memorando para a venda de 10 aviões de combate Su-35 em troca de produtos indonésios.

O memorando foi assinado entre a corporação estatal Rostec e a Indonesia Trading Company (PT PPI). No lado de Rostec, o documento foi assinado pelo Diretor Geral Adjunto da Corporação Estatal Igor Zavyalov, e por Andi Kilung Pakkana Malakpela, Assessor Sênior de Exportação e Importação da Indonesia Trading Company.

O documento foi assinado na presença do Vice-Ministro da Indústria e Comércio da Federação Russa Gleb Nikitin e do Diretor Geral do Departamento de Relações Comerciais Internacionais do Ministério da Fazenda da Indonésia, Imana Pambagio.

O acordo prevê a cooperação das partes para implementar o programa de contra-negociação no âmbito do contrato para o fornecimento de caças multimissão Su-35 para a Indonésia.

No âmbito do apoio à exportação de bens produzidos na Indonésia, a Rostec compromete-se a assegurar a implementação de um programa de contra-comércio adequado no âmbito das obrigações contratuais. Ao mesmo tempo, o lado russo mantém o direito de escolher os produtores de bens e parceiros comerciais na Indonésia.

A estrutura do acordo prevê a expansão dos fornecimentos dos produtos mais promissores produzidos pelas empresas indonésias para a Rússia. A lista de produtos será acordada pelos membros do grupo de trabalho estabelecido pelas partes com vista à implementação deste acordo.

“Estamos confiantes de que a assinatura deste acordo contribuirá para o aprofundamento da cooperação militar com a Indonésia e a expansão das relações comerciais entre nossos países”, disse Viktor Kladov, Diretor de Cooperação Internacional e Política Regional da Corporação Estatal.

COLABOROU: Rustam Bogaudinov

59 COMMENTS

  1. Tadinho dos F-5E/F, mais um país que os aposenta.
    Algumas publicações dão o F-5E/F da Indonésia como retirados em 2005, mas cono precisavam de pilotos para os 24 F-16C/D modernizados que estavam recebendo reativaram em 2012 alguns “F” para formar os pilotos e “E” para manter a capacitação.
    Hoje ainda voam para manter os pilotos do Esq. ativos enquanto esperam a compra e o recebimento dos Su-35.
    Este é um “F” reativado no recebimento em 2013 depois de 7 anos parado e 10 meses de grande revisão para voltar a voar e formar pilotos para os F-16C.
    . http://2.bp.blogspot.com/-iIBL2cgVgx8/UQpj6L1L0vI/AAAAAAAAXfs/kTdi5bWV-6I/s1600/pesawat-tempur-tua-f-5-tiger-tni-au-terbang-kembali.jpg
    .

  2. Agora sim chegaram os alvos para os SH Australianos (Jonas silva ), os produtos que serao trocados sao , Azeite de Dendê ,bananas e borracha de seringueira !

  3. E as torcidas de Flamengo e Fluminense começam a chegar no Maracanã…alguns cantos já são ouvidos no estádio…
    .
    Os Indonésios terão um hi-lo bem equilibrado, F-16 e Su-30/35, e ainda estão no desenvolvimento de um 5ª g com os sul-coreanos. Estão fazendo bem o dever de casa.

  4. Dia desses eu perguntei num blog gringo qual era a origem da rivalidade militar entre indonésios e australianos. A maioria das respostas disse que rivalidade mesmo não tem nenhuma, só alguns “especialistas” (leia-se Carlo Kopp & Cia) de defesa que criaram isso do nada, e obviamente as mentes mais fracas de ambos os lados da internet logo caíram na isca.

  5. Não existe rivalidade nenhuma, ja existiram 3 rivalidades de pouca importância:
    1- A Austrália deu independência a Papua Nova Guiné em 1975 e queria que a Indonésia desse a independência a outra metade da ilha, Papua.
    Mas a Indonésia atacou os sepatatistas causando muitas mortes, os habitantes da Ilha de Papua são negros católicos e a grande maioria da Indonésia é oriental muçulmana, mas isso não da direito a separação.
    O novo país Papua Nova Guiné mostrou a que veio, o novo governo em um mês assinou contratos bilionários dando direito de exploração a todas as riquesas do país, justamente aos países que financiaram todo o movimento separatista.
    O movimento separatista de Papua era financiado pelos Países Baixos e até tinha um escritório com um governo provisório e nova bandeira instalado na Holanda.
    A ONU a uns anos reconheceu a Papua como território legítimo da Indonésia e os australianos na sequencia tambem adotaram a posição da ONU.

  6. Complementando o post acima:
    2- No episódio da escuta telefônica que a Austrália fez nos telefones da Presidencia da Indonésia, houve um protesto e a Indonésia soube tirar proveito, mantendo a doação dos cinco C-130H da RAAF e aumentando para mais 4 C-130H e um simulador completo. Estes 9 C-13H são da ultima série com cockpit EFIS e a Indonésia pagou 15 milhões de dólares para a Qantas fazer a revitalização com reforço estrutural de cada aeronave.
    3- A Austrália queria deportar os imigrantes dos países adiáticos que chegavam por mar via Indonésia para a Indonésia, mas na verdade eles não eram indonésios, só passavam pelo país para reabastecer, oriundos do continente asiático com destino a Austrália. Foi feito um acordo e a Indonésia passou a fiscalizar melhor e punir os que apoiavam esta atividade ilegal de transporte clandestino de imigrantes.
    .
    Não existe nada que justifique uma guerra entre a Austrália e Indonésia, eles até tem feito treinamentos conjuntos.
    . http://3.bp.blogspot.com/-CW6iZFg8ygo/UBJsSCS-KoI/AAAAAAAANOc/XB86_C2l1lo/s1600/Australian+No.77+Squadron+FA-18+Hornet+welcome+Indonesian+Air+Force+%2528TNI-AU%2529+Sukhoi+Su-27+%2526+Su-30+Flanker+into+Darwin+to+participate+in+Exercse+Pitch+Black+2012+%25288%2529.jpg

  7. Boa tarde senhores. Ainda acho que o Brasil deveria fazer uma compra de prateleira. Esses su35 ou MIG 35. Penso que um lote de uns 12 aviões. Formar um esquadrão no norte do país. Seria ótimo para o adestramento de nossos pilotos dos gripens, eles ficariam bastante familiarizados com o comportamento dessas aeronaves. Com isso não teríamos qualquer surpresa com relação a Venezuela
    Na minha opinião um país pouco confiável. Me hospedei numa cidade próxima da fronteira com a Venezuela, e a invasão de nosso espaço aéreo é uma constante. Acho que chegou a hora do Brasil parar de encarar a Venezuela com o rabo entre as pernas!!

  8. Joaquim Ricardo Cavalcanti de Araújo 5 de agosto de 2017 at 18:24
    Ninguem compraria um Su-35 ou Mig-35 para adestrar pilotos, para isso países com $$$ como os EUA usam A-4, F-5, Kfir etc.

  9. Walfrido, acho q o senhor não entendeu. Claro q esses aviões são p nossa defesa. Porém com o treinamento entre os diferentes esquadrões, os pilotos dos gripens saberiam como surpreender os venezuelanos. Além de causar respeito a presença desse esquadrão na região norte. Tucano e F5 não amedrontam nem a força Aerea do Timor leste..

  10. Falando em treinamento e em Gripen, que mal pergunte (e desculpe o off topic): a FAB pensa em manter pelo menos um punhado de aeronaves A-1M e F-5M na reserva, para servirem de ‘agressors’ para treinamento de combate dissimilar aos pilotos de Gripen?

    Boa noite a todos

  11. O vetor em si é excelente, mas não se esqueçam que a versão “exportação” dos russos é bem piorada.
    Não sabemos ao certo quais tecnologias e armas serão licenciadas, mas a piada do Jonas tem lá seu sentido. A Austrália opera o Growler e tem doutrina operacional mais avançada da região.
    Então, não seria de todo absurdo algum SH meter chumbo no Flanker deles.

  12. O desempenho e capacidade deste vetor são invejáveis. Caça de país grande. O problema é ser russo.

  13. Acompanhando o raciocínio do J. Silva, até concordo em que o Brasil também poderia adotar o padrão hi-lo com os grípen e os su35, isso em uma quantidade de pelo menos uns 36Su, porem a pergunta que faço é: Por ventura os nossos brigadeiros aceitariam essas plataformas em nossa instituição? a MB com o desativamento do São Paulo, aceitariam uns 24 bicos de pato (Su 34), duvido, pois o preconceito aos equipamentos RUSSOS são tamanhos e evidentes.

  14. A compra do SU-35 espelha a boa experiência dos indonésios com os seus SU-30.
    Indonésios e australianos mantém exercícios conjuntos, onde os pilotos australianos colheram surpresas desagradáveis com os Su-30, tanto na arena BVR, quando na WVR… Portanto, na hipótese remota de um conflito, o cenário seria nada fácil para os F-18 australianos.

    Cerca de uma dezena de SU-30 MK foram incorporados no ano corrente de 2013 e a indonésia fez uma aquisição de spare parts junto a Sukhoy da ordem de 500 milhões de dólares norte-americanos.

  15. Que bicho bonito! Pode ser equipamento Russo, Americano, Francês, Chinês, mas que dá inveja de ver como outros países com PIB menor que o nosso levam a sério defesa isso dá.

  16. As Forças Armadas do Chile não possuem nada de mais. Nada de outro mundo para a realidade latino americana. Só equipamentos de segunda mão, já um tanto defasados. Não possuem armas de ultima geração, no estado da arte. Os chilenos apenas procuram racionalizar ao máximo os seus recursos destinados a defesa, de forma a adquirir e a manter meios que realmente necessitam para manter a soberania do país.

    Fazem isso apenas por um motivo: Ainda há disputas territoriais não resolvidas com o Peru e a Bolívia. O Perú reivindica que uma parte de seu território foi invadida e anexada pelo Chile na Guerra do Pacífico. O Peru perdeu a província de Região de Tarapacájá. Já os bolivianos, perderam bem mais, tiveram que ceder a província de Antofagasta, ficando sem saída soberana para o mar. Inclusive, essa questão é um dos objetivos nacionais da Bolívia, a recuperação do acesso ao oceano Pacífico. Tal objetivo consta até mesmo na constituição do país.

  17. Silva, nem todos os F-16 do Chile são antigos F-16A/B MLU, 10 unidades são F-16C-D block 50 novos.
    Eles compraram em 3 lotes:
    Program……………………Model Block………….Qty……..Delivered
    Peace Puma…………….F-16C Block 50………….6……………2006
    Peace Puma……………F-16D Block 50…………..4……………2006
    Peace Amstel I………..F-16A Block 20MLU…..11……..2006 – 2007
    Peace Amstel I…………F-16B Block 20MLU…….7……..2006 – 2007
    Peace Amstel II…………F-16A Block 20MLU……18…….2010 – 2011
    .
    Os F-16A/B MLU realmente era modernizações antigas e alguns ja chegaram pedindo reforços estruturais e grandes revisões, tanto é que junto com a compra das aeronaves foi contratada a empresa Deadalus que faz a manutenção dos F-16A/B MLU da Holanda, que em parceria com a ENAER tem feito a manutenção e grandes revisões, 3 dos F-16 ja chegaram com as horas vencidas precisando de grande revisão, mas custaram mais barato que um ST, o Chile sabia o que estava comprando.
    . http://www.f-16.net/f-16-news-article4282.html

  18. É interessante como um país igual ao Brasil não comprou um caça desse porte por puro preconceito político. Poderíamos ter uma força dissuasória interessante mesmo mantendo uma certa amizade com os EUA, afastar o interesse geopolítico da Venezuela sobre nossas terras – não se enganem , o Ditador Maduro, para afastar a atenção do povo em relação aos problemas internos, vai inventar uma guerra ou com o Brasil ou com a Colômbia, é uma questão de tempo – e até mostrar para o restante que as suas aventuras geopolíticas tem um certo limite do aceitável….

  19. Walfrido, obrigado, eu desconhecia essa modernização para dar uma sobrevida aos já bem envelhecidos f-16 a/b deles. Mas isso exemplifica bem o eu disse, os chilenos procuram racionalizar ao máximo os seus recursos para a defesa, já que o Chile, sobretudo, não é um país rico, apesar de possuir o IDH mais elevado da América Latina. Mas acredito que se não fossem as questões territoriais ainda não resolvidas com o Peru e a Bolívia, as forças armadas do Chile possuiriam uma capacidade menor, já que não haveriam motivos para gastarem dinheiro para disporem de um número maior de meios para a defesa.

  20. É importante se observar os detalhes quando se anuncia um negócio com aeronaves usadas, vou dar dois exemplos.
    Primeiro o dos F-16A/B MLU do Chile adquiridos da Holanda, foram montados na SABCA da Bélgica de 1979 a 1989 e modernizados de 1997 a 2003, portanto quando chegaram no Chile alguns ja tinham uma média de 25 anos de uso e 10 anos após modernização. Algumas publicações citam como modernização dos block 15 outros como block 20, o que não muda nada no resultado final.
    Custaram cerca de 9 milhoes de dólares cada, mas precisando de grandes revisões.
    Custaram 150 milhões de dólares 18 F-16 MLU.
    .
    Outro caso é a venda dos F-16A/B de Portugal, as aeronaves eram mais novas, anos 90 e foram estocadas sem modernização e vão ser entregues modernizadas, zero horas após a modernização, por isso o preço é outro e com certeza vai dar menos dor de cabeça ao comprador.
    A Romênia pagou 181 milhoes de euros por 12 unidades no primeiro lote.
    . http://observador.pt/2016/09/28/f16-portugal-ja-recebeu-1636-milhoes-de-euros

  21. A 50 anos a FAB opera material de origem ocidental. Vamos lá na Russia, com um B747 cheio de carne de porco, e voltamos com uma duzia de aviões…
    É simples assim ?
    .
    – Nossos hangares e/ou hangaretes suportariam a operação de algo do nivel de um Su-30 ? Ou a FAB teria que sair fazendo obras pelo Brasil para operação dos mesmos ?
    – Nosso equipamento de suporte a operação das aeronaves é compatível com o dos russos ? Ou a FAB teria q comprar, e aprender a usar, tudo do zero ?
    – Temos produção nacional do básico ? Tipo fluidos, parafusos, porcas ? Ou teremos que importar tudo ?
    – Temos pessoal capacitado no idioma utilizado na Russia ? Mesmo que tenhamos alguém, se compara ao inglês, que hj em dia qualquer criança sabe ?
    – Os atuais fornecedores de serviço da FAB (ex: Embraer, AEL, Mectron, etc..), tem algum know how em relação a equipamentos russos ? Ou a mesma teria que partir do zero com dezenas de novos fornecedores ?
    .
    Isso tudo entra na equação feita pelos responsáveis por uma aquisição de material. Se bobear, o material em si fica em segundo plano…

  22. O Chile usa seu efetivo de F-16 somente pra defesa aérea.
    Quem tentar invadir vai se dar mal. Mas eles não dispõem de meios ofensivos. Os F-16 além de utilizar armas ar-ar contadas, usam arsenal antiquado pra ar-solo.
    No fim das contas, não são ameaça, a não ser para aqueles que tentarem invadir.

  23. Não acho a compra dos SU 35 um gasto, gasto é fazer uma copa do mundo e uma olimpíada !!!

    Custaram bilhões de Reais e estão ai.

  24. Alfredo Araujo 6 de agosto de 2017 at 18:59

    Tell this tale in another place that the Brazilian Air Force does not know how to work with Russian equipment!
    ___

    Contar essa história em outro lugar, que a Força Aérea Brasileira não é capaz de trabalhar com o equipamento russo!

  25. Torcida sempre será torcida, parece que os pilotos Indonésios são amadores, que os pilotos da Austrália são os suprassumo da aviação militar intergalitica …. o campo da hipótese é sempre subestimado levando para o subjetivo … num confronto real ganharia quem destruísse os caças antes de levantar voos, porém até chegar aos aeródromos muita barreiras teriam que ser superada

  26. Não acredito que o Maduro, que esta caindo de podre. Invente uma guerra contra ninguem.
    Ele é doido, más não é muito.

  27. “Walfrido Strobel 5 de agosto de 2017 at 13:52
    Tadinho dos F-5E/F, mais um país que os aposenta.”
    .
    Tadinho nada, F-5 cumpriu muito bem sua missão em vários países, voando até hoje inclusive aqui. 😀
    .
    SU-35 para o Brasil? Claro que sim, indo na mesma direção de alguns países que estão se posicionando de forma a não depender de um único fornecedor, seja do ocidente ou oriente.
    Russos não tem pós venda e manutenção? Com a FAB duvido muito que isso aconteça, fazendo compras bem planejadas de motores sobressalentes e peças.
    Mas não dá pra sonhar com isso, não temos o mínimo de interesse em equipar nossas forças, os contratos que estão aí aprovados são meros tapa-boca para não se falar que não investiram nada.
    Um país do tamanho e posição do Brasil deveria ter forças militares invejáveis na América do Sul, nada de projetar força, mas somente manter nossa presença de forma firme.
    .
    Talvez, um dia, quando formos um país sério quem sabe? Isso aqui só vai melhorar após uma grande revolução, quando a situação piorar tanto e de tal forma que não reste outra opção, por enquanto o brasileiro típico vai se dobrando, como sempre fez desde o ano 1.500.

  28. Jeff 7 de agosto de 2017 at 12:29
    “Walfrido Strobel 5 de agosto de 2017 at 13:52
    Tadinho dos F-5E/F, mais um país que os aposenta.”
    .
    Tadinho nada, F-5 cumpriu muito bem sua missão em vários países, voando até hoje inclusive aqui.
    .
    Jeff, eu sou fã do F-5, falei em tom de brincadeira, ele ainda vai voar muito, a Espanha modernizou os seus F-5B para conversão operacional dos pilotos formados no Casa 101 passarem ao F/A-18.
    . https://www.jetphotos.com/photo/7577361

  29. Há dinheiro para comprar Su-35 ou qualquer outras aeronave? Não. Haverá? Não?
    Qual foi a escolha da FAB para ser sua espinha dorsal? R: SAAB Gripen E.
    O sonho é livre mas a FAB tem os pés no chão.

  30. “Ivanmc 6 de agosto de 2017 at 23:31”
    .
    Países maiores, e bem melhores, q o Brasil são “vassalos”… Pq seria diferente aqui ?
    É mais fácil, melhor, e muito mais barato jogar de um lado só… Pq não fazê-lo ? Somos um país ocidental, influenciado por países ocidentais… Pq querer inventar a roda ?
    Essa mania de ser o “rato q ruge”, sempre prejudicou mais do ajudou

  31. Pra mim, o melhor caça 4++ do planeta é o Rafale. Seguido do Typhoon. Se fosse para escolher um 4++ para o Brasil seria o testado e muito bem sucedido Rafale. O Brasil NÃO faz parte da esfera euroasiática de poder. Somos Ocidente. Fomos criados pela civilização ibérica, européia, portuguesa. Nossa língua, nossas leis, nossos costumes, nossas referências, nossa cultura, nossa religião majoritária (cristã), a filosofia que nos embasa (grega, da Europa Ocidental), são TODOS Ocidentais. Eu estou escrevendo usando caracteres latinos, e não cirílico ou caracteres chineses.

  32. Juliano Bitencourt 7 de agosto de 2017 at 15:44
    .
    Apenas de curiosidade, a base do alfabeto cirílico é a mesma dos caracteres do latino, ou seja, o alfabeto grego (alfa+beta), levado para aquela região pelos irmãos gregos São Cirilo e São Metódio… 😉
    .
    A definição “eurasiana” para o projeto sino-russo de poder (ou o bloco comunista para os mais saudosistas), não é perfeita pois a parte “euro” da frase já representa a cultura ocidental plenamente absorvida cujos principais pilares são (visão macro e bem simplificada e em ordem de desenvolvimento): Filosofia Grega – Direito Romano (que é filho da democracia Ateniense e outros códigos gregos) – Moral Judaico-Cristã… Não dá pra falar que a própria Rússia não foi influenciada pelo “ocidente” principalmente durante o período bizantino, mas sua visão de distribuição do projeto de poder no mundo (principalmente após a ascensão do comunismo), a distanciou do que chamamos de ocidente. Mas isso é algo bastante superficial e, como toda análise superficial, escrevi apenas para ilustrar o argumento.
    .
    Sds

  33. Os indonésios estão fazendo muito bem o dever de casa. Depois de terem levado um não em 1999, por causa do que aconteceu em Timor Leste (sem entrar no mérito desta questão), não querem ficar mais com uma coleira apertada no pescoço. Aprenderam com seus erros, simples assim, diferente de um certo país de dimensões e desafios parecidos, que muita das vezes se comporta como rato de laboratório (vale dizer que não são todas as forças armadas, desse países parecido à Indonésia, que agem assim).
    .
    Não é questão de gostar deste ou daquele aparelho, ou torcer para esta ou aquela visão ideológica de mundo, mas tão somente ser pragmático e realista de que toda opção tem uma solução de compromisso. É uma vergonha, um país com o tamanho e pretensões que tem o Brasil, se comportar como um garoto grandalhão e acovardado por conta de premissas estúpidas, que não cabem mais nos dias de hoje.
    .
    Quanto à Indonésia, sua força aérea estará muito bem equipada com caças Sukhoi (Su-27, 30 e 35), Lockheed Martin (F-16) e KAI (FA/T-50). Uma aviação de caça de respeito. Uma ótima combinação Hi-Low-LIFT. No meu entendimento.
    .
    Até mais!!! 😉

  34. Juliano Bitencourt, e ??
    Isso quer dizer que nos não deveriamos usar produtos orientais e eles não deveriam usar produtos ocidentais?
    Estamos em outros tempos, não existe mais esta separação, esta semana comprei um celular para minha afiliada, umas lampadas e inseticida Baygon, o celular e as lampadas são feitos na China e o inseticida Baygon que era feito no Brasil agora vem importado da Indonésia.

  35. Wellington Góes 7 de agosto de 2017 at 18:34.

    …”Não é questão de gostar deste ou daquele aparelho, ou torcer para esta ou aquela visão ideológica de mundo, mas tão somente ser pragmático e realista de que toda opção tem uma solução de compromisso. É uma vergonha, um país com o tamanho e pretensões que tem o Brasil, se comportar como um garoto grandalhão e acovardado por conta de premissas estúpidas, que não cabem mais nos dias de hoje.”…
    .
    É isso aí.

  36. Alfredo Araujo 7 de agosto de 2017 at 14:15.
    …”Essa mania de ser o “rato q ruge”, sempre prejudicou mais do ajudou”…
    .
    Eu não gosto desses investimentos superfaturados, eivados de corrupções, com os impostos que eu pago:
    .
    Com a divulgação da terceira atualização da Matriz de Responsabilidade Olímpica, no último dia 21 de agosto, o total dos investimentos para a realização da Olimpíada e da Paraolimpíada Rio 2016 subiu para R$ 38.258,6 bilhões. Em março de 2014, esse valor estava em R$ 36,7 bilhões.
    .
    Com custo de R$ 1,7 bilhão, Mané Garrincha teve gramado superfaturado, diz tribunal. Com custo estimado em R$ 1,7 bilhão, o Mané Garrincha, estádio mais caro da última Copa do Mundo, teve o seu gramado superfaturado em R$ 954,3 mil em diversas obras realizadas, segundo o Tribunal de Contas do Distrito Federal (TC-DF).
    .
    Os estádios brasileiros, orçados em R$ 8 bilhões, custam duas vezes mais. Na África do Sul, o custo total das dez arenas foi de R$ 3,27 bilhões. Na Alemanha, 12 estádios saíram por R$ 3,6 bilhões. No Mundial 2014, cada um dos 676 mil assentos dos estádios custam R$ 11,8 mil.
    .
    Para essas e outras a escolha política do NG é um dever, será um arremedo de força aérea. É brincar com a inteligência.

  37. Foi uma negociação de troca de produtos. A Rússia irá comprar pelo mesmo valor commodities da Indonésia.

  38. Theogatos, você tem razão, mas o cristianismo russo é o ortodoxo, e não o católico ou evangélico do Ocidente. Mesmo assim, depois de 70 anos de ateísmo comunista, foi feito grande estrago. A Igreja Ortodoxa Russa de hoje é praticamente um marionete dócil de Vladimir Putin.
    O Império Bizantino, ou Romano do Oriente absorveu muito da cultura da parte asiática deste império, apesar de der mantido a língua grega e religião cristã, e o direito romano, estes foram influenciados pelo oriente. Mas não discordo do que você disse.
    Saudações atleticanas (galão da massa)

  39. Ivanmc 7 de agosto de 2017 at 19:51
    “Com a divulgação da terceira atualização da Matriz de Responsabilidade Olímpica, no último dia 21 de agosto, o total dos investimentos para a realização da Olimpíada e da Paraolimpíada Rio 2016 subiu para R$ 38.258,6 bilhões”
    .
    38 bilhões com olimpíada.”TCU contabiliza R$ 25,5 bilhões de gastos com a Copa do Mundo” —http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2014-12/tcu-contabiliza-r-255-bilhoes-de-gastos-com-copa-do-mundo.
    38 + 25= 63 bilhões de reais nessa brincadeira. Mais de 20 bi de dólares. Dava para comprar quantos grinpens, quantos F-35 de prateleira, quantos NAe classe Charles de Gaulle, quantos MBT, ou Guaranis, e se juntarmos o dinheiro do mensalão, petrolão, lava jato, superfaturamentos nas obras da transposição do São Francisco, Comperj, Refinaria Abreu e Lima, auto-estradas ridículas, metros, funcionalismo parasita e ganhando em massa acima do teto, etc, etc, etc.

  40. Walfrido Strobel 7 de agosto de 2017 at 19:08
    Walfrido, comércio é totalmente natural, trocas dos mais variados produtos existem desde sempre. Mas só pra cutucar, as empresas criadoras e fabricantes dos produtos que comprastes são por acaso ocidentais?

  41. É triste Ivanmc, poderíamos ter FFAA no estado da arte, bem equipadas, e se reduzíssemos em 60% o custo fixo com a corrupção (na saúde, infraestrutura, educação, compras governamentais) dava e sobrava para manter e usar à vontade todos os equipamentos. E tudo isso sem aumentar o percentual do PIB destinado às FFAA. Imagine se além de fazer isso, subirmos em 1% os gastos militares.
    Enfim, o povo vai ter que escolher isso em 18.

  42. Verdade meu caro! Esses anos de “ateísmo comunista” fizeram um belo impacto na cultura eslava…
    .
    O cristianismo Ortodoxo é muito muito parecido com o católico (eram a mesma coisa na época que foi introduzido na Rússia), o cisma do oriente de 1054 que separou ambas as igrejas…
    .
    Na minha [humilde] opinião, esse projeto de poder que vemos hoje atuando e, diga-se de passagem, com grande sucesso em sua agenda, é algo mais recente de 75/100 anos pra cá (como citado por você) e não tem a ver tanto com a visão ou diferença entre as igrejas do oriente e ocidente… No passado o imperialismo russo se aparentava mais com o do absolutismo europeu estando perfeitamente inserido no seu contexto e sem tanta distância cultural… (de novo isso ao meu ver…)
    .
    Forte abraço! Saudações tricolores lá da ponta de baixo da tabela… =/

  43. Theogatos, a Rússia foi construída com base na influência política e cultural-religiosa do Império Bizantino. A terceira Roma. Com seu César (Czar). Putin resgatou os ortodoxos não sem razão, o cristianismo sempre foi parte fundamental da “alma russa”. Mas talvez o que tenhamos hoje seja em parte algo como um simulacro.
    .
    Nossos times estão uma vergonha este ano! Abraço!

  44. Juliano Bitencourt 8 de agosto de 2017 at 13:12
    Walfrido Strobel …….Mas só pra cutucar, as empresas criadoras e fabricantes dos produtos que comprastes são por acaso ocidentais?
    .
    O celular é da linha Motorola, hoje Lenovo chines, a lampara não deixava claro a linha, era da linha comercializada pelo próprio supermercado e dizia “Made in RPC” e o Inseticida estava bem claro, produzido em Bandung, Indonésia sob encomenda da J&J seguindo suas especificações.
    .
    Existe até uma resolução da Defesa do Consumidor orientando as empresas a usar a palavra China e não RPC para deixar claro ao cliente na lingua portuguesa, conforme prevê a lei.
    “Made in RPC” é um erro, uma mistura de ingles com portugues, made in República Popular da China.
    É muito comum e seria mais correto usar “made in PRC” People’s Republic of China, mas a informação teria que estar bem claro em portugues com a palavra China, então o correto seria “Feito na República Popular da China” segundo o Procon.
    Obs: “Made in ROC” ja é Made in Republic of China, que é “feito em Taiwan”.

  45. Meu smartphone é Chinês, minha televisão é Chinesa, meus computadores são chineses marca samsung. Comprei uma bombacha e uma boina em um bolicho no centro de Porto Alegre e pasmem, são chineses também. Tenho um automóvel da Chevrolet e outro da minha filha que é da VW os dois todos os cabos, velas, fios, alternador, correias são todos da China por incrível que pareça. Comprei um tênis de marca famosa é Chinês, minha geladeira é chinesa, os elevadores do meu trabalho são de uma marca alemã, porém as peças, motor e cabos feitos na China. Minha sogra foi para os EUA trouxe roupas e produtos eletrônicos todos chineses até a gravata. Comprei um relógio que se diz japonês no Brasil, porém no manual diz cased in RPC. Na OMC foi publicado no ano passado que 80% do aço utilizado nos EUA são provenientes da China. Tudo é da China, é só ver os equipamentos da sua casa, supermercado, roupas em lojas de marcas. E por aí vai….

  46. Ivanmc 8 de agosto de 2017 at 19:40
    Os EUA produzem as patentes, a China produz os produtos. Foi sábio dos EUA e UE permitirem isso? Provavelmente não, mas em termos de ganhos capitalistas, foi o mais lógico a fazer.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here