Home Forças Aéreas Wild Weasels versus SAM – parte 2

Wild Weasels versus SAM – parte 2

2222
13
Os equipamentos do F-100F modificado para missões Wild Weasel

Os pioneiros: Wild Weasels e o F-100F

A Força Aérea dos EUA colocou grande esperança no sucesso do conceito Wild Weasel. O Projeto Wild Weasel usou inicialmente caças F-100F Super Sabre bipostos modificados, com o piloto voando e disparando armas no assento frontal, enquanto um oficial de guerra eletrônica (EWO) rastreava sistemas de radar inimigos no assento de trás. Esses pioneiros criaram, testaram e provaram táticas de supressão de SAM (Surface to Air Missiles) em combate.

Em novembro de 1965, as primeiras equipes Wild Weasel foram desdobradas no Sudeste Asiático — apenas quatro meses após a primeira perda da USAF para um míssil de fabricação russa SA-2 no Sudeste Asiático. Seus quatro F-100Fs foram apressadamente modificados sob grande sigilo com equipamentos que detectavam sites de radar inimigos. Refletindo a necessidade urgente, esses voluntários planejaram terminar seu treinamento em combate no Vietnã do Norte, e eles realizaram sua primeira missão anti-SAM em 1º de dezembro. Esse primeiro grupo foi substituído em fevereiro de 1966 por um segundo grupo que recebeu mais três F-100F modificados.

Normalmente, um grupo de F-100F Wild Weasel caçava radares de SAM inimigos com equipamentos eletrônicos. Depois de identificá-los visualmente, eles atacavam os radares com foguetes, acompanhados de caças F-105 que também atacavam com bombas ou foguetes.

Os pioneiros Wild Weasels provaram o conceito e desenvolveram táticas efetivas, destruindo nove sites SA-2 e suprimindo SAMs inimigos para as forças de ataque. Mesmo assim, três dos sete F-100F foram perdidos (dois em combate). O F-105F Wild Weasel III mais poderoso substituiu o F-100F Wild Weasel I no verão de 1966 (não houve produção do Wild Weasel II).

A primeira perda

Capitães John Pitchford e Robert Trier

Capt Robert Trier

Capt John Pitchford

A primeira perda de um avião Wild Weasel ocorreu em 20 de dezembro de 1965. Enquanto voavam em uma missão “Iron Hand” sobre o Vietnã do Norte, o fogo antiaéreo atingiu o F-100F tripulado pelos capitães John Pitchford e Robert Trier. Ambos se ejetaram, mas o capitão Trier foi morto enquanto trocava tiros com tropas norte-vietnamitas no chão. O capitão Pitchford foi ferido por seus captores e passou o resto da guerra como prisioneiro de guerra (POW).

O F-100 Super Saber no Sudeste Asiático

F-100Ds do 481º Tactical Fighter Squadron sobre o Vietnã do Sul em fevereiro de 1966. Os primeiros F-100 não foram pintados quando chegaram ao Sudeste Asiático como o avião de primeiro plano, mas todos finalmente receberam pintura de camuflagem como a aeronave na parte de trás

Apesar de várias unidades de F-100 desdobradas em bases aéreas na Tailândia entre 1961-1964, o Super Saber não entrou no combate no Sudeste Asiático até o verão de 1964. Em junho daquele ano, o 615º Tactical Fighter Squadron, com sede em Da Nang, Vietnã do Sul, começou a voar as primeiras das muitas missões de ataque do F-100 contra insurgentes de Pathet Lao no norte do Laos (na chamada OPERATION BARREL ROLL).

Em 1965, durante os primeiros meses da OPERAÇÃO ROLLING THUNDER (a primeira campanha de bombardeio organizada contra o Vietnã do Norte), os F-100 forneceram escolta de combate e também bombardearam alvos terrestres (ao lado dos F-105 Thunderchiefs). À medida que as defesas antiaéreas norte-vietnamitas aumentaram, as perdas do Super Saber também cresceram, e a Força Aérea dos Estados Unidos retirou o F-100 das missões de ataque no Vietnã do Norte e o recém-introduzido F-4 Phantom II assumiu o papel de escolta de caças.

Mesmo assim, o Super Saber, apelidado de “Hun”, permaneceu como uma aeronave de apoio aéreo essencial na guerra sobre o Vietnã do Sul. Os F-100 também continuaram atingindo alvos no norte do Laos e, em 1968, participaram de operações contra a infiltração do inimigo no sul do Laos (na chamada OPERATION STEEL TIGER). O F-100F de dois assentos também realizou missões especiais na supressão de mísseis superfície-ar (SAM) e controle aéreo avançado (FAC).

Os números de Super Saber no Sudeste Asiático atingiram o pico de 490 aeronaves em 1969 e os últimos F-100 deixaram o Vietnã em 1971. Os F-100 voaram mais de 360 ​​mil missões de combate no Sudeste Asiático, entre 1964-1971 e 186 aviões foram perdidos para o fogo antiaéreo, sete para forças terrestres inimigas e 45 em acidentes operacionais. Nenhum foi perdido em combate ar-ar.

F-100D do 352º Tactical Fighter Squadron lançando uma bomba de napalm perto de Bien Hoa, Vietnã do Sul. Super Sabers podiam levar uma variedade impressionante de armas, incluindo bombas explosivas, napalm, foguetes, bombas de fragmentação e até o míssil guiado Bullpup guiado. (Foto da Força Aérea dos EUA)

VEJA NA TERCEIRA PARTE: os F-105F “Thud” Wild Weasels na Rolling Thunder

13 COMMENTS

  1. Sempre considerei o Hun uma aeronave feia e nem de perto tão eficiente quanto o Sabre original. Eu estava enganado sobre isso, mas ainda o achei feio. Tenho um amigo veterano do Vietnã que acha o F-100 o avião mais maravilhoso de todos os tempos. Uma carga de napalm liberada por um F-100 salvou sua vida e provavelmente de toda a sua compania que estava sob fogo cerrado. Assim como ele, há mais alguns milhares em situação semelhante.
    .
    Conforme a complexidade das operações nos céus sobre o Vietnã do Norte foi aumentando, o Hun foi retirado por ser inadequado, e portanto mais vulnerável do que os F-105 e os F-4 que o substituíram, mas jamais vai deixar de ser uma aeronave icônica.

  2. Entusiasta da aviação sempre tem algumas dezenas de aviões preferidos. As razões são variadas, beleza das linhas, sua história, etc.
    Desde menino, eu gosto muito do F-100 Super Sabre.

  3. Lembro ainda garoto que ganhei um plastimodelo do Super Sabre, era da antiga Entex, escala 1/144. Quando montei, foquei um pouco decepcionado, não achei o avião tão bonito.
    É uma aeronave que é bonita só em determinados ângulos.

  4. Também acho uma das aeronaves mais lindas já produzidas! !!Tenho o modelo daquela coleção de caças que vendeu nas bancas há 4 anos, cujo primeiro exemplar foi o Mirage III da FAB.

  5. O que eu acho interessante, como plastimodelista é o tipo de desgaste da pintura dessas aeronaves.
    Olha o belo efeito do calor no terço distal da fuselagem, provocando um tom dourado.
    Isso não acontece mais

  6. Ao vivo e em cores.
    Estou no USAF Museum, em Dayton, bem ao lado de um F-100F Wild Weasel, AF06837. Creio que, depois de ler esse belo texto, não exista melhor ocasião e lugar para prestar uma singela homenagem aos aviadores que voaram e morreram nesta expetacular aeronave.

  7. Os israelenses aproveitaram muito da experiência norte-americana no Vietnã para lutar contra os SA-2 e SA-3 no Oriente Médio na mesma época (o Phantom e Skyhawk apanhavam tanto no Sudeste Asiático como no Oriente Médio). Muitas das táticas da USAF foram consideradas suicidas pelos pilotos israelenses e eles acabaram desenvolvendo suas próprias doutrinas. O resultado foi uma esmagadora vitória em 1982 no Vale do Bekaa.

  8. Antonio Oliveira
    .
    A coloração se dá muito em função do efeito do calor do motor no alumínio da estrutura da aeronave. Atualmente o alumínio representa uma parcela menor do material que é feito as aeronaves e a proteção térmica também aumentou (incluindo alguns componentes de titânio). Os motores atuais trabalham com temperaturas bem mais altas e derreteriam o alumínio aeronáutico.

  9. Srs!
    Achei interessante um detalhe : “Shrike” (e outros misseis do tipo), apesar de ter mirando nos radares , causava muitos danos é nos … misseis! É que os operador do sistema AA estavam observando a oscilação forma da marca de indicador “5km” e , interpretando como “possível ameaça” , abortava procedimentos em andamento , virava antena e comutava saída de transmissor para equivalente reativo(sem emissão). Sem “o alvo” Shrike caia la por perto danificando (com estilhaços) os misseis. Desta forma em 1966 foram atingidos mais de 60 misseis , no ano seguinte – mais de 90 e assim por diante.Lembrando que o combustível dos misseis era altamente tóxico (feito a base de ácido nítrico) o estrago era frequentemente irreparável e precisava substituir míssil danificado.
    Um grande abraço!

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here