Embraer cria unidade de negócios dedicada a suporte e serviços

Embraer cria unidade de negócios dedicada a suporte e serviços

2151
1

Embraer Jatos

São José dos Campos, 20 de dezembro de 2016 – A Embraer anunciou hoje a criação de uma unidade de negócios com foco em serviços e suporte ao cliente. A nova área ficará sob o comando de Johann Bordais, atualmente diretor de serviços e suporte da Embraer Aviação Comercial.

“A nova unidade reunirá capacidades que atualmente se encontram nas diferentes áreas de negócios para oferecer aos clientes um amplo portfólio de soluções”, disse Paulo Cesar Silva, presidente e CEO da Embraer. “Enxergamos uma oportunidade de ampliar e integrar a oferta de serviços e suporte.”

A nova unidade começa a operar no próximo semestre e será responsável pelo desenvolvimento de soluções em suporte aos produtos e serviços, atuais e novos, bem como por efetuar a gestão dos processos e recursos associados a eles. A estrutura de relacionamento diário com o cliente (venda e suporte técnico) continuará sob a responsabilidade das unidades de negócios da aviação comercial, executiva e defesa & segurança.

“Estamos em um negócio de ciclos longos e que demanda serviços, o que favorece o estabelecimento de relações duradouras com os clientes”, diz Johann Bordais. “Para o cliente, a medida combina uma longa experiência em suporte, com a agilidade e competitividade de um centro de serviços. Para a Embraer, representa uma oportunidade de obter maior eficiência operacional e receitas recorrentes.”

Apenas considerando a aviação comercial, existem hoje em operação cerca de 2.000 aeronaves Embraer. A isso, somam-se mais de 1.000 jatos executivos, além de aviões de defesa. Ao longo dos próximos 20 anos, somente na categoria de jatos comerciais de até 130 assentos, estima-se a entrada em serviço de 6.400 novos aviões. Na aviação executiva, haverá mais de 8.000 novos jatos em serviço nos próximos dez anos, sem contar a comercialização da frota usada.

DIVULGAÇÃO: Embraer

1 COMMENT

  1. Olá.
    A EMBRAER poderia aumentar o seu portfólio de aeronaves executivas com uma versão do Brasília, devidamente atualizada, focada no transporte de negócios. Algo como um King Air 350. Ou mesmo uma possível reabertura da linha de produção do Xingu (atualizado, obviamente). Seria a mais completa linha de aeronaves executivas de um único fabricante.
    Uma opinião.
    SDS.

LEAVE A REPLY