Home História da Aviação Lockheed CL-760, o estranho avião que concorreu com o OV-10 Bronco

Lockheed CL-760, o estranho avião que concorreu com o OV-10 Bronco

7233
28

lockheed-cl-760

Em 1964, foi lançada uma concorrência chamada LARA (Light Armed Reconnaissance Aircraft) para fornecer uma aeronave que cumprisse missões de contra-insurgência (COIN) para a USAF, US Navy e US Army.

Nove concorrentes responderam ao pedido de propostas (RFP). O projeto Lockheed CL-760, mostrado na foto acima em um “mock-up” em escala real, contava com uma tripulação de dois pilotos em tandem e podia transportar oito soldados de infantaria totalmente armados na fuselagem!

O trem de pouso principal retraía em bolhas na fuselagem, que também abrigavam quatro metralhadoras 7,62 mm. Uma variedade de armas e casulos poderia ter sido transportada em cabides de armas sob asas.

A Marinha, como agência de compras principal, escolheu o projeto da North American Rockwell, que entrou em produção como o OV-10 Bronco.

lockheed-cl-760-4

lockheed-cl-760-6

lockheed-cl-760-2

lockheed-cl-760-3

lockheed-cl-760-5

28 COMMENTS

  1. ‘Carlos Alberto Soares-Israel 26 de setembro de 2016 at 5:53’

    Pela forma como tá sentado só pode ser a latrina!

    Esse vai para a lista das coisas mais feias que já voaram!

    Saudações!

  2. Edcarlos, a primeira coisa que me veio na cabeça quando vi o sujeito sentado perto da calda foi.. Latrina, a sua versão é mais descente do que veio na minha cabeça hehehehe.

  3. Os anos 60 e 70 são cheios de projetos interessantes. Eles gostavam de propor idéias “fora da caixa”. Imagino que esse seria muito interessante para Forças Especiais e sem os passageiros seria um ótimo avião de COIN.

  4. Esteticamente pode não ser lá essas coisas.. Mas achei um projeto interessante, levar 10 pessoas em um avião pequeno assim (Pelas minhas contas, 12m de comprimento e 9 de envergadura) é digno de nota.
    O que estragou o visual foi o trem de pouso, mas quando em voo e com ele recolhido deveria ficar mais “bonitinho”. Rsrs.
    Outra coisa que me chamou a atenção foi o aspecto das asas, parecem terem sido cortadas de repente nas pontas. Parecem curtas demais, sei lá.. E pela grossura deveriam levar grandes tanques de combustível, haja vista não sobrar muito espaço na fuselagem para isso.

  5. é um MI24 de asas.

    A diferença é que soldados embarcados só tem sentido se eles puderem desembarcar. De helicóptero dá para descer em muito lugar. Já de avião…

    pelo tamanho do avião, ou levava soldado ou levava arma.

    Assim, as forças americanas preferiram o conjunto UH1 + bronco + jatos de ataque, o que me parece mais lógico.

  6. Era um projeto com uma boa aparência , quando em voo, poderia mostrar um melhor aspecto com o trem de pouso recolhido.
    Bem interessante eram as outras oito propostas, em especial o Convair Charger, que de fato voou e foi um dos grandes finalistas, perdendo para o North American Bronco.
    Esses aviões tinham algo de notável no projeto, as asas eram bem curtas e grossas, tinham que ser pequenas e fortes para dar alta razão de descida nas aproximações para pouso e usavam um princípio de sustentação que era gerado quase todo pelo sopro das hélices que envolvia praticamente toda a asa, era chamado de “bathed slipstream principle”. O piloto, com o controle de potência, “banhava” a asa de ar que era gerado pelas hélices, tendo pleno controle de sustentação, durante a aproximação para o pouso, segurava a aeronave em voo lento e quando sobre a pista, tirava a potência fazendo com que o avião pousasse em uma queda controlada, isso era fundamental nas operações STOL.
    Os projetos da Douglas, Beech, Martin e Helio eram os mais atraentes.

  7. Tenho lido no PA muito sobre estética, por…….. vão participar da SPFW ?
    Ou tem que cumprir a missão ?
    +++++++++++++++++++++++++++++++
    Bob Santana, ei-lo:

  8. Carlos Alberto Soares-Israel 26 de setembro de 2016 at 10:36

    “Tenho lido no PA muito sobre estética, por…….. vão participar da SPFW ?
    Ou tem que cumprir a missão?”
    .
    Carlos, como entusiasta da aviação que sou, não vejo problema nenhum em discutir a beleza dos aviões.
    Especialmente neste caso, já que o projeto não foi adiante para discutirmos sua eficiência na missão.
    ******************************************************************************************************
    Roberto F. Santana
    .
    Quanto as asas também tive essa impressão, por terem pouca área de sustentação, cabe aos motores literalmente carregar o avião nas costas, conforme sua ótima explicação.
    E esse arranjo dos armamentos bem nas pontas e com um estilo meio “gambiarra” reforça a impressão de serem muito curtas mesmo.
    Mas por curiosidade, fui pesquisar em imagens no google.
    O bichinho não é feio não! A verdade é que essas fotos antigas em preto e branco não ajudam muito, mas tem umas fotos dele em modelos feitos de papel, de frente de lado, por cima bem bacanas que gostei bastante, achei bem mais bonito que o Bronco por exemplo.
    Sem falar da vantagem de poder levar combatentes a bordo.
    Uma pena não ter ido adiante.

  9. Legal, mas com aparência frágil. Eu não me sentiria seguro nessa coisa.
    Pra infiltração seria melhor um heli que demandaria apenas uma clareira pra LZ.
    Pra usar um campo e desembarcar tropa, melhor um Búfalo ou outra aeronave STOL com maior capacidade de transporte e sobrevivência.

  10. Estes modelos tinham uma grande influencia dos reais requisitos dos fuzileiros a época.
    .
    O próprio Bronco foi uma derivação conceitual de um Cel. Fuzileiro. Acho que na propria wiki tem o link da historia deste coronel tentando convencer o alto comando de uma aeronave assim junto as grandes fabricantes. Ficou p*&¨¨o quando começaram a alterar as caracteristicas do projeto.
    .
    Segundo ele, os requisitos eram para uma aeronave mais simples e tosca que o proprio Bronco recem nascido. Uma aeronave para literalmente acompanhar a tropa, operar em pistas precariamente preparadas e reduzidissimas, Para se ter ideia, defendia que as proprias granadas de morteiros do US Army deveriam servir basicamente como bombas. Um minimo de logistica operando de tão perto e nos olhos do inimigo. Era menor e mais leve.
    .
    Vendo estes projetos concorrentes, percebe-se a forte influencia destes requerimentos. No entanto, o Alto Comando e a Industria alterou bem os requisitos….uma questão entre o que se quer e o que lhe dão….existe uma distancia entre estas coisas…
    .
    Gostei muito deste CL-760. Um faz tudo….seria interessante ver o que um prototipo faria em campo….
    .
    Para aquela época, mais de 500 km/h e carregar até 8 tropas não seria nada mal não…imagine o que seria reprojetar algo assim com os recursos de hoje…aquele espaço para a tropa poderia receber tanques removiveis…talvez uma baia reconfiguravel para tropas, tanques ou bombas…
    .
    O video da Convair tambem é interessante e mostra como esta configuração de asas presente em quase todas as propostas permite uma estabilidade admiravel….

  11. Senhores, Já vi aviões feios, com cara de mau projetados, mas este aí é, sem sombra de dúvidas, o avião mais feio que vi na vida!!!!!!!!!!!!! Ainda bem que não passou de projeto, pois seria o mais feio de toda a história da Empresa. Eta bicho feio, judiado!

  12. Imagina agora você ser um soldado da infantaria, ali sentado no compartimento deste avião, com a cara de frente com a lateral, sem janelas, sem espaço pra se mexer, com mais 7 caras do seu lado, além dos 2 pilotos. O desenho com o corte mostra o cara que mal tem espaço pros joelhos ali sentado, de frente pra lateral.
    E a claustrofobia, que nível atinge??

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here