Home Sensores A grande assinatura térmica do F-35

A grande assinatura térmica do F-35

8101
48

O F-35 foi capturado em vídeo pelo FLIR Star SAFIRE 380-HDC durante uma demonstração de voo no mês passado no Farnborough International Air Show.

É impressionante a quantidade de calor gerado pelo Lockheed Martin F-35!

48
Deixe um comentário

avatar
47 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
27 Comment authors
JoãoWFonsecaJacinto FernandesJoão Boscofonseca Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Bispo
Visitante
Bispo

“Holofote voador” ? Russos e Chineses, agradecem …rs

se lembram do caça soviético Yak-141… o F-35 seria uma copia atualizada…???

Campos Junior
Visitante

O Yak-141 foi um projeto conjunto que participaram russos e americanos. Os americanos entraram em 1991 no projeto.

bosco123
Visitante

Bispo, Se o F-35B em VTOL parece um maçarico, o YAK-141 parecia três. O fan atrás da cabine no F-35B que emite ar frio, no YAK-141 eram dois turbojatos. – Onde aparece todo o F-35 emitindo em IR é nítido que está em alta velocidade e com o pós-combustor acionado. A assinatura IR do F-35 nessa situação não é diferente da de nenhum outro caça. O F-22 quando em alta altitude (acima de 50.000 pés) e sem fazer uso dos pós-combustores (em supercruise ou em voo subsônico) é dito ter uma assinatura IR reduzida porque nessa condição específica ele reduz… Read more »

Clésio Luiz
Visitante

Roberto, imagino que o operador da camera mudou o contraste para capturar mais detalhes da fuselagem no voo pairado. Para uma fuselagem aquecer imagino que ele deva voar bem acima de Mach 0.7.

Reginaldo Jose da Silva Bacchi
Visitante
Reginaldo Jose da Silva Bacchi

Campos Junior, a Yakovlev foi contratada pela Lockheed, para cooperar tecnicamente no programa do F-35. Isto foi revelado desde os primeiros dias de trabalho. Nunca foi segredo.

Reginaldo Jose da Silva Bacchi
Visitante
Reginaldo Jose da Silva Bacchi

bosco123, excelente. Raciocinar não faz mal a ninguem. Parabens.

Clésio Luiz
Visitante

Bosco, imageadores IR trabalham por contraste. Se um F-22 voa a grande altitude, onde é muito frio, ele irá contrastar contra o fundo não importa o que aconteça. Se você muda a frequência da emissão IR dele para algo “indetectável” isso apenas mudará a forma do contraste dele com o meio ambiente. E mesmo assim o ar do escape sempre estará muito acima do ambiente ao redor.

Clésio Luiz
Visitante

Roberto, acho que depende da densidade do ar. Já li relato de um piloto de Viggen que disse que voando a velocidade máxima ao nível do mar (coisa de Mach 1,2), o canopy aquecia brutalmente. No livro Semper Viper, o autor comenta que o limite da velocidade máxima ao nível do mar do F-16C (Mach 1,2) como motor F110, é a resistência térmica do canopy. Mesmo motivo do F-15 só poder ficar alguns segundos a Mach 2,5 à grande altitudes (máximo operacional 2,3)

Imagino que seja uma versão mais antiga da câmera, filmando o “invisível ao IR” F-22:

https://www.youtube.com/watch?v=58N6Plr17GU

bosco123
Visitante

Clésio, Não há sentido em se ter um caça que só seja detectado por radar a 30 km se ele puder ser detectado por IR a 80 km. É preciso que haja um equilíbrio caso contrário todo o conceito desaba. O que se quer nas aeronaves stealths é possibilitar que voem num perfil de ataque onde haverá pelo menos uma proximidade da faixa de detecção tendo em vista os diversos sensores que o inimigo possa estar utilizando. O F-22 ( e o F-35 por analogia) não precisa ser “invisível” a nada, ele só precisa retardar sua detecção ao ponto em… Read more »

bosco123
Visitante

Clésio,
O “invisível ao IR” não o é nas condições em que foi filmado num show aéreo. Aparentemente o F-22 não pretendia bombardear os civis abaixo e o piloto não achou que eles representavam uma ameaça.

Topol
Visitante

Rsrsrsrssssss… Essa imagem só pode ter sido postada por algum russófilo, é óbvio que é uma mentira deslavada da Sputnik, não tem nem o que ver.

Rommelqe
Visitante
Rommelqe

Sensores da Flir (e outros equivalents) são muito empregados na industria em geral. Por exemplo, usamos, cotidianamente, para verificar regiões anormalmente descontínuas em enrolamentos e nucleos magnéticos de geradores; quando há estas descontinuidades ocorrem “pontos” quentes (hot spots) facilmente visiveis na faixa de frequencias IR. Nestes casos temos temperaturas da ordem de 150~250 graus absolutos, ou seja, meros 100graus diferenciais em relação ao aço ao redor dos pontos quentes Estas emissões de origem termica ocorrem na forma de ondas eletromagnéticas, ou seja, não possuem atenuações importantes salvo se há uma barreira que as interceptem, afinal são “luzes” invisíveis ao olho… Read more »

Rommelqe
Visitante
Rommelqe

So para reforçar, quando cito “temperaturas muito baixas” estou me referindo a temperaturas da ordem de 30~ 100 graus celsius; mas os diferenciais de temperatura que um sensor desses pode detectar possui resolução da ordem de 10~ 20 graus (em um “range” de centenas de graus positivos).

Off topic: as mulheres são realmente FANTASTICAS. Salve a Rainha Marta e cia ltda.

Bispo
Visitante
Bispo

bosco123,

mais o Yak-141, “nasceu em um mundo” aonde Tecnologia Stealth era coisa do “flash gordon”…rs

controvérsia a parte….como diz um ditado inglês… “Great minds think alike.” (Grandes mentes pensam da mesma forma).

Bispo
Visitante
Bispo

Reginaldo Jose da Silva Bacchi,

Realmente… somente raciocinar … Farnborough- 1992… vs …Farnborough International Air Show- 2016

“Great minds think alike, and fools seldom differ.”

Valdez Araujo
Visitante

Não entendo muito do assunto, mas essa assinatura termica do F22 tá bem estranha, notem no tempo 0:37 do video que tem uma sombra sobre a asa direita.

Calor não tem sobra, correto?

Bispo
Visitante
Bispo

Lembrando que somente 04 países dominam a tecnologia para criar … matriz de imagem térmica (EUA, França, China e Rússia).

fico imaginando a bela visão do “iluminado” F-35 em fotodetectores de banda dupla a 10 mícrons …

Marcelo
Visitante
Marcelo

Qualquer objeto se movendo em um fluído terá sua superfície aquecida pelo atrito das moléculas do fluido. Como dito pelo Clésio, quanto maior a densidade do ar, ou seja, altitudes menores, atingem-se temperaturas maiores para velocidades menores, afinal “mais partículas” irão se chocar contra as superfícies. As fórmulas para o ar podem ser vistas aqui: https://en.m.wikipedia.org/wiki/Total_air_temperature na prática, qualquer objeto se movendo a uma velocidade maior que Mach 0.2 terá uma temperatura de superfície e do filme de ar que o circunda maior que a do ambiente ao seu redor, e é esse gradiente que os sensores térmicos conseguem realçar.… Read more »

Fabiano Martins
Visitante
Fabiano Martins

Pessoal não é porque o F35 é uma plataforma de alta furtividade significa que se esconderá para sempre dos radares, F22 ,F35 e PAK FA tem um baixíssimo RCS ,mas não são invisíveis.
O tempo passa a medida que que aeronaves de combate avançam com as mais altas inovações tecnológicas,sistemas de detecção anti aéreos terra ar também,resumindo para vencer batalhas no futuro não vai ser só da parte tecnológica, mas as táticas e treinamentos de guerra.
Vide o F117 que foi pego por um S-125 Neva/Pechora em 1999 na Iugoslávia , muito furtivo mas não invisível.

Clésio Luiz
Visitante

Bosco essa tinta que você se refere é um placebo. Como eu falei antes, mesmo que funcione ao pé da letra, ela irá afetar o contraste da imagem. Pode não aparecer brilhando para o sensor FLIR como calor, mas ainda será um ponto diferente (preto) do meio que está ao redor, então haverá a detecção. . E como o Marcelo disse, até o ar ao redor da aeronave esquenta. O ar emitido dos motores é muito quente mesmo sem pós combustão. A temperatura do ar a partir de 3.000 metros é baixíssimo. Voando a 15.000 metros o Raptor se destacaria… Read more »

augusto
Visitante
augusto

tem um video na internet que mostra a radiacao ir de varios cacas inclusive do f-22,rafale e o su-30, no qual o f-22 e o rafale estao totalmente pretos na imagem enquanto os outros sao uma bola de fogo, nao vou postar pq estou no cel e com pouca net mas assim q puder posto o video.

bosco123
Visitante

Clésio, Não fui eu quem inventou a tal tinta e muito menos fui eu quem a adquiriu. Não sou ingênuo de achar que existe uma tinta milagrosa que faça um caça sumir dos sensores IR. O que acredito é que seja possível uma cobertura que minimiza a emissão de IR numa determinada banda de modo a mitigar a efetividade dos sensores. Isso aliado a outros métodos (tubeira retangular, mistura de ar frio nos gases emitidos, operação no modo de ataque sem utilização de pós-combustor, etc.) podem ser úteis em reduzir a distância de detecção a um ponto que seja útil… Read more »

bosco123
Visitante

Clésio,
Um caça a 50.000 pés sendo detectado por outro na mesma altitude é uma coisa. Outra bem diferente é ele ser detectado por um sensor no solo. Se a 50.000 pés o ar é extremamente frio e o caça contrasta muito com esse ambiente, entre o sensor no solo e o caça há uma camada de algumas dezenas de quilômetros de atmosfera e de diversas camadas dela que podem prejudicar a observação do sensor, inclusive camadas onde a temperatura do ar não é baixa e que podem igualmente sensibilizar o sensor.

EduardoSP
Visitante
EduardoSP

É isso Bosco, não dá para ver um vídeo IR filmado a algumas centenas de metros, talvez a um ou dois quilômetros de distância da câmera e concluir que a mesma imagem será vista a dezenas de quilômetros de distância.
Radiação IR todo avião emite. O ponto é minimizar essa emissão de modo a tornar sua detecção o mais difícil possível
Para criticar a suposta “falha” do F-35 em termos de redução da emissão IR temos de avaliá-lo com relação a outros aviões e não apenas a curtíssimas distâncias, mas às distâncias operacionalmente relevantes.

Walter Luiz Saint Martin
Visitante

Durante as exibições em Farnborough, as aeronaves não estariam voando abaixo de Mach 0,5 ?

Celso
Visitante
Celso

uauu….fantastico e altamente elucidativo o debate acima ……aprende-se cada dia mais sobre este assunto……comentarios e exclarecimentosde poucos para muitos, aprendi muito …..obrigado a todos. Sds

Reinaldo Deprera
Visitante
Member
Reinaldo Deprera

Topol 13 de agosto de 2016 at 0:26
Macacos me mordam! Pior que não. O vídeo é uma prova irrefutável de que o F-35 não presta.
Certamente serão presas fáceis dos Igla, Estrela, S-200/300/400, J-31, T-50 e todo o restante da tecnologia de procedência não ocidental.
E agora? Quem poderá nos defender?
Save Ferris!

Alexandre Galante
Visitante
Member

Infelizmente não existe avião de combate perfeito. O F-35 tem o mérito de ter o motor mais poderoso já instalado em um caça, mas paga o preço pela emissão de IR. Russos e chineses agradecem. 😉

alexgalante
Visitante
alexgalante

Piada de Internet com o F-35: ” vai ver que é por isso que ele se chama Lightning, o bicho brilha como um relâmpago”

Tadeu Mendes
Visitante
Tadeu Mendes

Nem pilotos, nem a Lockheed, e nem o Pentagono estão preocupados com isso.

O F-35 destroi o inimigo a uma grande distancia , bem antes de que possa ser identidicado.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

Ele pode brilhar para vc mas quando vc ver o F35 e o F22, provavelmente terá vindo em sua direção um míssil

JPC3/Deagol
Visitante
JPC3/Deagol

Pô, querem que a chama do pós combustor seja Fria????

WSMDAL
Visitante
WSMDAL

Video da FLIR Systems durante Farnborough air show 2012…

Super Hornet, Typhoon, Gripen

https://www.youtube.com/watch?v=LrBGUgSBbUI

bosco123
Visitante

Nesse vídeo indicado pelo WSMDAL dá pra ver como câmera térmicas são sensíveis às condições climáticas. As nuvens baixas funcionam como uma cortina para sensores térmicos e não há o que se falar em sensores térmicos serem úteis para sistemas de mísseis de grande alcance. A degradação provocada pela atmosfera e por condições climáticas é um fator impeditivo em relação às HIMADS. – Vale salientar que as chamas de uma pós-combustão (que emite na faixa MWIR – 3 a 5 µm) podem ser vistas lateralmente, mas isso não ocorre quando ele está desligado. Quando da potência seca os gases só… Read more »

ScudB
Visitante
ScudB

Amigo Bosco! Lembro (ainda da epoca dos estudos 🙂 ) que : – existe uma relação direta entre as assinaturas RF e IR.Simplificando (para não ficar muito chatamente matemático ) ta 12 pra 1.Ou seja : visibilidade nas bandas C e D pode ser estipulada como 1/12 de valor RCS correspondente. – lider isolado é F-117 .Nem voar aquele troço sabia… – esquemas de um so propulsor tem limite obvio na assinatura IR contra os modelos com propulsor duplo, – limite de sensibilidade (relação sinal/ruído) das matrizes IR esta próximo de 80 decibéis. Logo único jeito de melhorar a captura… Read more »

AndCal
Visitante
AndCal

Conversando hoje com um piloto de F-35 baseado em Utah perguntei que aviao ele voava antes de converter para o F-35. Ele veio do F-16, que, de acordo com ele, a pilotagem eh muito semelhante em diversos aspectos. Em 2 dias um piloto de F-16 fica confortavel com no comando de um F-35. Apesar de ser muito mais evoluido tecnologicamente, a funcionalidade e semelhanca de sistemas sao muito proximas. Quanto a visao “360 graus”, o limite eh o pescoco. Esteticamente, me parace que todo o desenho do aviao foi baseado no motor. Embora nao seja um dos meus avioes preferidos… Read more »

Rommelqe
Visitante
Rommelqe

One concept to be demonstrated will be the use of two Gripen radars and the TAU-Link to provide a wide-angle picture to both targets. O texto acima, obtive da referencia que o Marcelo postou (aviation week), reflete algo que tenho repetido por aqui. O link entre dois ou mais Gripens dotados com radares e sensores termicos, cujas leituras poderão ser “fundidas” é uma tecnica muito efetiva e com enorme potencial para contornar a “invisibilidade” dos F22, F35, PAK-FAs, etc. Claro que dois ou mais F35 (ou concorrentes…) poderao realizar analogamente, o mesmo tipo de detecção. O fato é que inexoravelmente,… Read more »

Rommelqe
Visitante
Rommelqe

Temos utilizado, todo dia, imageamento com o emprego de raios laser. Ha duas tecnicas complementares; a primeira utiliza superfícies “colaborativas” em que o raio laser emitido pela fonte é refletido no ponto a ser monitorado e retorna ao emissor. Isso possibilita medir a distância, em processos que podem compreender milhares de leituras em poucos segundos, suficiente para definir um geometria de aço complexa; usamos esta tecnica para medir peças e reproduzi-las (por exemplo) ao usinar peças com mais de duzentas toneladas em fresas chamadas de “cinco eixos” com precisão de milesimos de milimetros. O aparelho emissor-receptor possui uma denominação muito… Read more »

Rommelqe
Visitante
Rommelqe

Valdez, tudo bem? Aquela sombra no -37 do video do F22 parece ter sido originada, em parte, pelo descolamento da camada limite devido à manobra. Quando a tal camada muda de espessura, a temperatura do ar é alterada, mudando a imagem. Agora, é incrivel como são expostas outras fontes termicas. Num instante logo apos, ha algo emitindo no,interior do compartimento para misseis. Diria que sao gradientes imageados a partir de equipamentos de medição e monitoramento em testes (aquelas tais unidades pintadas em cor alaranjada). Abs

Rommelqe
Visitante
Rommelqe

Algumas das imagens são obtidas por scintilografia (um exemplo muito legal é daquele video que mostra os testes em modelo reduzido do KC390, postado aqui no aereo).

Topol
Visitante

Rommelqe Parabéns, excelentes informações e comentários… sem dúvida muitos dos avanços da área militar transbordam para o uso civil… na área de elétrica industrial por exemplo também fazemos constantemente inspeções termográficas nos componentes elétricos de painéis visando encontrar e corrigir potenciais defeitos por aquecimento antes de ocorrer a parada de fato no equipamento. O conceito da câmera térmica utilizada é o mesmo que o de um FLIR, um imageador térmico que apresenta no display uma representação das Delta T (diferença de temperatura) através de cores quentes e frias representando as temperaturas das superfícies que formam a imagem termal. Um ponto… Read more »

Tadeu Mendes
Visitante
Tadeu Mendes

Roberto Santana,

Se o F-35 STOVL esta pairando, o FLIR capta o gases superaquecidos provenientes do motor.

Mas qualquer aeronave voando, gera atrito com as moleculas de ar, provocando um aquecimento que e diretamente proporcional a velocidade e a densidade do ar.

Por essa razao o FLIR esta detectando uma maior emissao de IR do motor, do que da fuselage e do airfoil (asas) do F-35.

João Bosco
Visitante
João Bosco

Que ironia!!!! O caça mais caro do mundo, um show de furtividade e de tecnologia é capturado emitindo uma enorme fonte de calor por uma camera termal do Flir!!!!! Qual será a próxima do caça mais caro do mundo??????

Jacinto Fernandes
Visitante
Jacinto Fernandes

Pessoal, é importante não confundir calor com IR. IR é uma onda – e como toda onda ela tem uma frequência (ou melhor, uma faixa de frequência). Essa informação é importante porque a atmosfera tem faixas de transmissão. Em algumas frequências, a transmissão do IR na atmosfera é muito ruim. Então, a questão não é a “quantidade” de IR que é emitida pelo avião, mas a frequência e que ela é emitida. Em alguma faixas de frequência, esta emissão vai simplesmente ser absorvida pelo componentes da atmosfera após alguns kilometros. E por que isso ocorre? Porque alguns elementos químicos, como… Read more »

WFonseca
Visitante
WFonseca

Beleza! Perceberam que o F22 e F35 possuem grande assinatura térmica e daí sepultam o conceito stealth. Tenho certeza que potenciais adversários dos USA estarão mais tranquilos, Rússia deverá rever o T50 e China certamente não vai gastar muita grana com o J20. A FAB poderá empregar câmera térmica FLIR Star Safire 380 HDC no F5 e também teremos um matador de F35! Deveriam processar a Lockheed por não entregar um caça “invisivel”. Não existe arma perfeita ou imbatível, milhões de dólares são investidos para se obter vantagens mínimas, sutis e temporárias porém decisivas em circunstâncias específicas. O Iraque antes… Read more »

Rommelqe
Visitante
Rommelqe

Prezado WFonseca, Entendo que a natureza é extremamente prodiga em exemplos de organismos que tentam se proteger de seus algozes desenvolvendo algum tipo de mecanismo passivo para se proteger. Se ficarmos apenas na camuflagem visual, o camaleão é um exemplo incrivel. Mas ha muitos provas cabais demonstrando que recursos deste tipo existem há milhoes de anos antes da existencia do homem. Se considerarmos meios passivos que ultrapassam a imagem propriamente dita, podemos considerar pios de passaros, lulas lançando tinturas na água (ha casos mais extremos…),etc. Para ficar na aviação, os americanos são extremamente prodigos e eficientes nesta “arte”, e muito… Read more »

João
Visitante

Eu acho fantástico aviões que realizam decolagem vertical