Os Estados Unidos entregaram quatro aeronaves de ataque leve A-29 Super Tucano para a Força Aérea Afegã.

O porta-voz do Ministério da Defesa do Afeganistão Dawlat Waziri disse à agência Pajhwok Afghan News na sexta-feira que os aviões vão ajudar a reforçar a Força Aérea do país.

O A-29 Super Tucano, fabricado pela empresa aeroespacial brasileira Embraer, é capaz de realizar o treinamento avançado, vigilância de fronteiras e missões de segurança interna.

No final de dezembro de 2015, a Índia entregou o primeiro de quatro planejadas helicópteros de ataque Mi-25 ao governo afegão como parte de sua assistência para o exército do país também.

FONTE: www.defenseworld.net

Previous articleEntregas do Airbus A400M para a Turquia sofrerão atrasos em 2016
Next articleRafale na Índia: uma controvérsia de US$ 12 bi às vésperas da visita de Hollande
Subscribe
Notify of
guest
88 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Duanny D.

Go, go, go ST, matador de f-35.

Duanny D.

Autarquia, potência.

Henrique

Porque o Brasil pessoalmente não fez a entrega ja que se trata de uma aeronave brasileira?

troodonte

Logo abaixo do canopi ha duas especies de placas , seriam elas refor;os de blindagem ou estrutura para aparelhagem eletronica ?

Paulo Victor

Os ST tão sem as metralhadoras .50 nas asas.

bit lascado (@bit_lascado)

Paulo, é de praxe pra voos de translado.

edcarlos

‘Paulo Victor 16 de janeiro de 2016 at 16:00
Os ST tão sem as metralhadoras .50 nas asas.’

Certamente retiradas para aliviar o peso durante o translado. Essas aeronaves não costumam fazer translado armadas.

‘Duanny D. 16 de janeiro de 2016 at 14:36
Go, go, go ST, matador de f-35.’

O ST é uma aeronave de combate formidável dentro dos requisitos que lhe foram elaborados deste a concepção de projeto. Porem, chama-lo de matador de F-35 passa longe dessa concepção.

Saudações!

Zmun

Parabéns à Embraer e aos militares da FAB por terem criado o conceito. E para mim por ter pagado. 😛

Carlos Campos

kkkkkkkkkkkkk edcarlos ele foi irônico

esse daí é AT6 Killer

Eduardo Ramos

Eu acredito que para o cenário que o ST encontra no Afeganistão estará descartada o uso do AIM-9 ou Mísseis AGM-65 e bombas inteligentes via GPS, talvez utilize-se bombas guiadas a laser e burras juntamente com as incendiarias e metralhadoras .50.

Silvana

Este avião tem capacidade de transportar algum armamento ?

Fabiano

off topic os Eua cancelam a aposentadoria dos aviões de ataque A10 thunderbolt http://meiobit.com/334944/a-10-warthog-nao-sera-mais-aposentado-pela-defesa-dos-eua/?ref=yfp

Duanny D.

Edcarlos, era brincadeira irmão.

juniorf117

E isso tudo, na minha opinião se resume à palavra COMPETÊNCIA.
Sério. Parece que foi ontem que o negócio foi fechado e apesar de todo aquele tedioso lobby, o melhor venceu a disputa, foi construido e, agora, está pronto para ser usado para o seu devido fim.

Space Jockey

Aff..

Jose Souza

País sério é outra historia… não existe critério “jaba”, “patriotada”.. vence o melhor.

fonseca

não sei como serão utilizados.
fala-se em apoio aéreo aproximado.
Como funcionaria isso?
Localizam um grupo rebelde. Digamos vinte insurgentes com fuzis mais algumas posições com artilharia e metralhadora.
Qual o papel dos supertucanos?
Jogar bombas burras na infantaria?
Lançar foguetes não guiados contra a artilharia? Qual a probabilidade de acertar o alvo?
Ou passaria baixo com rajada de metralhadora?

shambr

o super tucanaum pode levar o mesmo armament dos cacas f 16 ele sera usado em closed support apoio aereo aproximado a infantaria ele pode fazer isso quase o dia todo pode ficar bem mais tempo em cima dos homens no campo de batalha o jet naum este tem que voltar ou reabastecer no ar o que naum e o caso da forca aerea afega e gente acabou o mimimi essa e a primeira grande Guerra seria do tucanao larguem ele tambem contra o isis ne naum?

carlos alberto soares

Canto superior direito, campo para pesquisa. Farto material na Trilogia, coloquem a(s) palavra(s) chave, exemplo:
Super Tucano. Boa pesquisa.

carlos alberto soares
carlos alberto soares

Treinador avançado e Coin simplesmente imbatível.
Apoio a PatAer idem.
Os Âmis sabiam, agora tem certeza.
Algo me diz que veremos no Iraque, questão de tempo.

carlos alberto soares
Rafael Oliveira

Carlos, não me leve a mal, mas já que deu uma sugestão aos foristas, darei uma a você.

Tente reunir todas as suas ideias em um ou dois comentários (caso tenha links) em vez de postar vários pequenos comentários.

tobyaps
ederjoner

carlos alberto soares 17 de janeiro de 2016 at 6:00

“Algo me diz que veremos no Iraque, questão de tempo.”
Acredito nisso também Carlos, as qualidades do A29 para os conflitos atuais envolvendo Isis e terrorismo de todo tipo no teatro do Oriente Médio seria muito bem aproveitada.

Wagner

Nossa, algumas pessoas fazem perguntas toscas de mais. Se digitar no google ou aqui mesmo encontra o que está perguntando. Outros perguntam apenas pra aparecer, só pode. Saudades dos comentários fechados que dava pra aprender muito com umas 10 pessoas que passavam por aqui e davam aula. Mas no cenário atual e melhor não jogar pérolas aos porcos.

Trollbuster

Quem é old school lembra dos chiliques das zisquerdas rasgadoras de calcinhas quando a EMBRAER alugou um ST para a Blackwater para testar o conceito do Imminent Fury… Tinha um certo jornalista iXpecializado em Defesa que hoje é assistente do assistante do estagiário do assessor de imprensa do MD, que categoricamente afirmava que os americanos queriam copiar o ST( acredito que quem cria o F22, F35, etc..não vai precisar copiar um turbohélice com a maior parte das peças feitas nos EUA e em Israel, mas coerência não é o forte desta turma) e ficava alarmando que era um caso de… Read more »

rodrigo

https://youtu.be/_iPZk3Ocggw E o cara é belga………………… Quanto às aeronaves, parece que atendem aos requisitos operacionais da Força aérea Americana para esse tipo de uso….foram projetadas para guerra de contra-insurgência…ideal para operações no Afeganistão e talvez no Iraque. Capacidade para vários tipos de armas e quanto ao custo operacional – uma das principais razões de ter sido a escolhida – infinitamente menor em relação à uma aeronave de asa rotativa ou caça…que tem um alto custo operacional que no final não compensaria muito para combater guerra de guerrilha. E essas que irão para o Afeganistão apesar de serem excelentes é óbvio… Read more »

Mauricio R.

“Parabéns à Embraer e aos militares da FAB por terem criado o conceito.”
.
O conceito já existia desde os tempos da Guerra da Argélia em 1959-1962, qndo os franceses modificaram treinadores T-28 Trojan armando-os, criando assim o T-28S “Fennec”.
Este conceito foi expandido durante a Guerra do Vietnam pelo uso de aeronaves T-28D, AT-28D, A-1 e A-37 entre outras.

Aurelio Ex EB

Não sei pq tem sempre um otário bizonho reclamando quando abrem os comentários aqui, cara se vc não quiser ver bastar não ler e dar atenção para perguntas tocas, pois mais toco é quem reclama e não faz nada para tentar melhorar o conhecimento do proximo. Viva a infantaria, comandos brasil!

Luiz Fernando

Faz de tudo para menosprezar a dita cuja né Mister “M”. O Super-Tucano é um conceito novo sim. Nasceu da necessidade da FAB em ter uma aeronave para patrulhar as fronteiras contra os voos não autorizados com contrabando, dentro do escopo do programa SIVAM. O conceito surgiu da experiência da FAB com as aeronaves AT-27 que faziam esta função (para a qual não tinham sido projetadas e que por isso apresentavam-se deficientes). Assim nasceu uma aeronave nova, o Super-Tucano A-29 (que por sua vez derivou de outro Super-Tucano, que tinha sido criado para a concorrência JPATS). Este conceito de aeronave… Read more »

Tamandaré

Senhores,

faria sentido elaborar um canhão de 20 a 30 mm, acoplável ao pilone ventral, para uso contra carros de combate/blindados ou tropa?? Os bombardeiros de mergulho alemães Ju-87 Stuka tinha isso…. No nosso caso, as bombas já resolvem??

Boa tarde a todos

Alexandre Galante

A grande sacada do A-29 Super Tucano foi a incorporação de aviônica de caça de Quarta Geração num turboélice, o que aumentou sensivelmente a precisão nos ataques, coisa que não acontecia com aeronaves mais antigas, como o A-37, que era muito ruim de mira.

mauriciosilva2014

Olá.
As placas de blindagem mostram que esses aparelhos vão “ralar”. Possivelmente serão usados como plataforma aérea de tiro, com capacidade para lançamento de bombas, provavelmente “burras”.
SDS.

Robson

dependendo do desempenho que o ST apresentar em combate no Afeganistão, pode sim representar um grande sucesso de vendas… torço por ele…

Space Jockey

Luiz Fernando: “Nasceu da necessidade da FAB em ter uma aeronave para patrulhar as fronteiras contra os voos não autorizados com contrabando, dentro do escopo do programa SIVAM.” – Não tenho ctza, mas acho que não é só isso, pois precisavam de uma aeronave que pudesse responder rapidamente com apoio contra as FARC, principalmente após o ocorrido em TRAÍRA, 1991. Imagina naquele ano se já possuissemos o ST em nosso inventário, seria a principal aeronave,cairia como uma luva. “FAB com as aeronaves AT-27 que faziam esta função (para a qual não tinham sido projetadas e que por isso apresentavam-se deficientes).”… Read more »

fonseca

Queria saber como funciona esse apoio aéreo aproximado. Vejo que o nível da pergunta não fica abaixo de muitos comentários aqui. Isto é, até “especialistas” falam ou perguntam coisas elementares. dou exemplo usando o post de Galante (espero que ele não se chateie… rs) das 17:52 – ele disse que a sacada foi usar aviônicos de 4{ geração em um turbohélice. Eu sinceramente não sei quais são ou eram os principais concorrentes dos supertucanos. Fora aquele americano da concorrência e talvez o pilatus… Aparentemente, a maioria dos países não apostou em turbohélices, e por isso o at29 ganhou a concorrência… Read more »

Space Jockey

Fonseca,
acho q o ST nao foi concebido p operar contra unidades blindadas, mas sim contra insurgentes em guerra irregular. Se for contra tanques creio q tem que usar bombas a grande altitude, pois possui pouca velocidade e blindagem fraca, alem do mais as .50 acho que nao tem muita eficacia no ataque ao solo, pois sé um calibre muito fraco pra esse fim, creio que são para interceptaçao de aeronaves.

Eh o que acho, nao sou dono da verdade.

Mauricio R.

Luiz Fernando 17 de janeiro de 2016 at 14:44
.
Se incomodou, se muda assessor de imprensa, mas a história do uso de treinadores avançados como aeronaves COIN é essa mesma. Não nasceu na Embraer.

carlos alberto soares

Rafael Oliveira 17 de janeiro de 2016 at 7:30
Pule, mais fácil !

carlos alberto soares

Alexandre Galante 17 de janeiro de 2016 at 17:52
Perfeito.
Acrescento: A facilidade de conversão dos pilotos para plataformas “acima” (
higher?).

carlos alberto soares

tobyaps 17 de janeiro de 2016 at 7:48
Bom vídeo.

Farroupilha

Naquele território afegão de desertos, sem árvores e arbustos, o que não vai faltar é pista de pouso para o ST. Ele vai prestar ótimos serviços, em qualquer tempo, por todo lugar, para as tropas afegãs espalhadas por vários pontos daquele conturbado país.
Outra coisa… qual será o apelido que os insurgentes abestados vão dar para o ST porreta?

Ednardo de oliveira Ferreira

O ST e o Tucanão já enfrentam combates reais a mais de 20 anos aqui pela América Latina. Na África certamente já deu uns tiros também e tem sido muito eficiente em seu leque de missões. Agora vai ser um baita teste de combate. Cenários muito mais intensos e quentes que até aqui enfrentados. Creio que atenderá a contento sua missão.E que vitrine, hein? O mundo todo olhando agora. A hora de vôo do Tucano é mais barata que a de um drone de ataque e ele faz missões que um drone não consegue, nem outros caças. E num mundo… Read more »

Ednardo de oliveira Ferreira

E quanto profissionalismo, hein? entre a intenção da Usaf, estudos, licitação, ajustes na licitação, compra, montagem, treinamento e entrega não foi nem uns 4 anos.

Vader

Minha nossa, quanta desinformação nos comentários… Gente pelamor, joga no google, se não encontrar nos arquivos do Aéreo (que tem quase tudo)… Pô, nego perguntando porque que a aeronave foi entregue pelos EUA e não pela Embraer é duro de ler… Dá vontade de responder “porque a aeronave é americana“… _____________ fonseca 17 de janeiro de 2016 at 22:28 Fonseca a missão Close Air Support – CAS consiste no que o próprio nome diz: apoio aéreo aproximado das tropas em solo. A aeronave fica voando a distância segura do combate e, quando instada a tanto, se desloca e se apresenta… Read more »

Bueno

Foram os Pilotos americanos que fizeram o voo de translado? Em 1:16 do primeiro vídeo um piloto americano? e 0:26 do segundo vídeo piloto americano e copiloto afegão?

Mauricio R.

“A hora de vôo do Tucano é mais barata que a de um drone de ataque e ele faz missões que um drone não consegue, nem outros caças.”
.
É por isso que os americanos tem mais de 500 drones armados, enquanto que os ST fornecidos pelo LAS são somente 20.
O ST no Afeganistão é somente uma contingência ao não fornecimento de drones armados, que conforme demonstrado anteriormente em outras aeronaves, os afegãos não teriam capacidade em manter e operar. Além do risco de comprometimento da tecnologia.

Fernando mota

Pergunta do Tamandaré:

Senhores,
faria sentido elaborar um canhão de 20 a 30 mm, acoplável ao pilone ventral, para uso contra carros de combate/blindados ou tropa?? Os bombardeiros de mergulho alemães Ju-87 Stuka tinha isso…. No nosso caso, as bombas já resolvem??
Boa tarde a todos

Gostaria de saber também, alguém pode responder por favor?

Seal

Eu acho que os Super Tucanos vão fazer um bom trabalho e ajudar as tropas em solo no Afeganistão. Os A-29 mesmo não usando bombas inteligentes no Afeganisthan , que eu acho ser pouco provável, ter a capacidade de “bingar” a cada missão,mesmo empregando armamento convencional, trouxe um novo horizonte. Como o Sr. Galante já postou, O HUD(Head Up Display) passou a ser a ferramenta essencial nas missões de ataque,pois além de apresentar dezenas de informações vitais ao voo,apresenta também os modos de ataque CCIP( Continuously Computed Impact Point- Ponto de Impacto Continuamente Computado) e CCRP ( Continuously Computed Release… Read more »