Home Noticiário Internacional Su-30 MKI é ‘plano B’ da Índia caso falhe o acordo do...

Su-30 MKI é ‘plano B’ da Índia caso falhe o acordo do Rafale

313
49

Garuda V - Rafale e Su-30MKI - foto via Economic Times

Índia aguarda visita neste mês de delegação francesa com poderes para finalizar negociação do Rafale, mas tem um plano B para o caso do acordo desandar: adquirir mais caças Su-30 MKI

Uma delegação francesa com poder de fazer avançar de uma vez as negociações do caça Dassault Rafale deverá visitar a Índia neste mês, ao mesmo tempo em que os indianos acenam com a opção de adquirir mais jatos Sukhoi Su-30 MKI para o caso do acordo com os franceses desandar.

O ministro da Defesa indiano Manohar Parrikar, relembrando discussões que teve com sua contraparte francesa Jean-Yves Le Drian no mês passado, disse que as discussões sobre o acordo do Rafale continuam, e que Le Drian enviaria uma “pessoa com poderes” para levá-las adiante. Fontes francesas afirmaram que uma delegação da França poderia visitar a Índia neste mês.

Segundo o jornal indiano Economic Times, fontes do Ministério da Defesa da Índia falaram sobre os atrasos em fechar esse contrato e admitiram que há problemas. Nesse sentido, disseram que a Índia poderia considerar a compra de mais caças Su-30, de origem russa, caso a proposta de contrato com a França não dê em nada. Por seu lado, os franceses estão confiantes na assinatura do contrato e que as divergências podem ser resolvidas. Em dezembro, ambos os países concordaram em acelerar as negociações.

Garuda V - Rafale - foto via Economic Times

Em 2012, a Índia selecionou o Rafale dentro do programa MMRCA (avião de combate multitarefa de porte médio) de 126 caças, numa concorrência com outros cinco aviões, mas as negociações finais entre o Ministério da Defesa indiano e a Dassault Aviation francesa, fabricante da aeronave, ainda estão em andamento. Um acordo com a Índia representaria para a Dassault a primeira grande exportação do Rafale.

Conforme o pedido de propostas (RFP – Request for Proposal) os primeiros 18 aviões seriam importados e os demais 108 fabricados sob licença pela estatal indiana HAL (Hindustan Aeronautics Ltd).

Sobre o “plano B” de adquirir caças Su-30 MKI no caso do acordo com os franceses desandar, o jornal The New Indian Express trouxe declaração de um alto funcionário do Ministério da Defesa, que afirmou: “Caso (a negociação do Rafale) continue travada, poderemos reforçar a frota existente de Su-30 MKI para atender aos requerimentos de combate da Força Aérea Indiana (IAF).”

Garuda V - Rafale - Su-30MKI - MiG-27 - MiG 21 - foto via Economic Times

No momento, a IAF possui cerca de 200 jatos Su-30 MKI, que representam cerca de 1/3 da frota de caças do país, mas a IAF está reduzida a 34 esquadrões de combate (cada um com até 18 caças), frente a uma força autorizada de 44 esquadrões. O jornal indiano também trouxe a declaração do ministro Parrikar sobre sua conversa com Le Drian em: “Eu pedi ao ministro da Defesa da França para mandar uma pessoa com poderes para quebrar o impasse. E ele assegurou que mandaria alguém no início do próximo mês (nota do editor: provavelmente referindo-se a janeiro, dado que a conversa foi em dezembro). Vamos ver como as coisas andarão depois disso.”

Na semana passada o jornal havia noticiado que o muito esperado contrato multibilionário do Rafale estava, mais uma vez, enfrentando tempestades. Após o problema da escalada de custos, houve a recusa da Dassault em assumir “total responsabilidade” pelos 108 caças a serem fabricados pela HAL. Pessoas-chave dentro do Ministério da Defesa disseram: “Apesar do que dizem, o ministério não tem pressa em concluir as negociações. A Dassault tem que aceitar o compromisso mencionado no RFP.”

Fontes do jornal também disseram que os representantes da Dassault India têm se recusado repetidamente a se reunir com autoridades do ministério, o que pode ser  visto como uma mensagem da empresa francesa sobre o posicionamento firme da Índia sobre esse assunto. Outra fonte dentro do ministério disse que o acordo de divisão da produção com a HAL também está travado.

Garuda V - Rafale - Su-30MKI - MiG-27 - foto via Economic Times

FONTES: Economic Times (também fotos, em caráter meramente ilustrativo) e The New Indian Express (compilação, tradução e edição do Poder Aéreo a partir de originais em inglês)

VEJA TAMBÉM:

Subscribe
Notify of
guest
49 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mauricio R.
Mauricio R.
5 anos atrás

O mencionado “plano B” tb não é nenhuma maravilha, a HAL tem lá seus variados problemas montando os kits russos de “Flanker H”.

Marcelo
Marcelo
5 anos atrás

Eles deveriam ir de Gripen NG.

Skywalker
Skywalker
5 anos atrás

A HAL tem reiteradas dificuldades de execução, tendo em vista problemas de qualidade de mão-de-obra, o modelo fabril herdado dos ingleses há 50 anos, a histórica má vontade russa em relação a suporte pós-venda e a ingerência política.

Anônimo
Anônimo
5 anos atrás

Os Hindus descobriram agora aquilo que a FAB, os Sul Coreanos, os Marroquinos e os EAU já descobriram faz tempo..rs!

Anônimo
Anônimo
5 anos atrás

Vejam a diferença de tamanho entre um e outro

Brigadeiro Sampaio
Brigadeiro Sampaio
5 anos atrás

“Vejam a diferença de tamanho entre um e outro”

Incrível mesmo, e olha que o Rafale não é pequeno não…

Dantesco.

Marcelo 3 de janeiro de 2015 at 13:18 #

Eles deveriam ir de Gripen NG.

Sem dúvida alguma… se reforçar nesse avião Russo e levar o NG junto…. não entendo como ainda correm atrás do Rafale… o Brasil se livrou de uma grande furada.

JT8D
JT8D
5 anos atrás

Espero que caso a India vá de Gripen o Brasil não perca nenhum privilégio em sua parceria com a Saab.

Wellington Góes
5 anos atrás

Os hindus nunca irão de Gripen (qualquer um), isto iria enterrar de vez o programa Teja (a despeito de suas qualidades ou não). Quanto a opção Rafale versus Flanker, não acredito que isto ocorra, isto porque na concorrência foi ofertado o Su-35 (que é muito mais capaz do que o Su-30) e mesmo assim declinaram, justamente para não ficarem nas mãos de um único fornecedor. Quanto a problemas com os Flankers, eu acho que isto está mais ligado a falta de qualidade manufatureira da HAL (que é o que a Dassault quer evitar), do que por falta de qualidade de… Read more »

Claudiney Martins
Claudiney Martins
5 anos atrás

Alguém saberia explicar as diferenças básicas e mais importantes entre o SU 30 MKI e o Rafale?

Ricardus
Ricardus
5 anos atrás

Pô Wellington, essa é a desculpa dos franceses para se recusar a repassar tecnologia para a Índia. A HAL pode muito bem dar conta do que foi ofertado pela Dassault. Tô achando que os franceses estão agindo como agiam antes. E como o cara disse lá em cima, o Brasil escapou de uma furada ao fugir do Rafale.

Donitz
Donitz
5 anos atrás

Um lote extra de Su-30 já era cogitado antes mesmo deste embroglio com os franceses. Já se falava na imprensa indiana em 72 aeronaves.

Donitz
Donitz
5 anos atrás

A HAL não está a altura do desafio e os franceses sabem disso.

Donitz
Donitz
5 anos atrás

Wellington Góes Quanto a problemas com os Flankers, eu acho que isto está mais ligado a falta de qualidade manufatureira da HAL (que é o que a Dassault quer evitar), do que por falta de qualidade de projeto e/ou pós-venda (não que este ponto não exista, mas que é substancialmente agravada pela própria HAL). —————————————————————————– Você tocou num ponto chave. Veja por exemplo o recente acidente com um Su-30 que teria ejetado acidentalmente piloto e co-piloto o que resultou na perda da aeronave. Segundo se diz foi a segunda aeronave indiana perdida desta forma. O quê fez a Força Aérea… Read more »

JT8D
JT8D
5 anos atrás

Sem preconceitos, mas eu nunca voaria num avião feito na India. Para ter uma ideia do apreço que eles tem pela segurança basta dar uma olhada nas estradas e no trânsito nas cidades deles. É coisa de louco, rsrsrs

Donitz
Donitz
5 anos atrás

JT8D

Com quase 1,5 bilhão de habitantes você esperava o quê?

Só os trens urbanos de Mumbai m@tam 10 pessoas atropeladas por dia.

Gustavo
Gustavo
5 anos atrás

Seria o Gripen o plano C?

Donitz
Donitz
5 anos atrás

Gustavo

Seria o Gripen o plano C?
———————————————————————–

Os indianos não vão mat@r o Tejas principalmente agora que o maior problema que era a motorização foi resolvido.

Anônimo
Anônimo
5 anos atrás

Eu no lugar dos indianos reforçaria um pouco mais a padronização, mantendo no máximo dois fornecedores, abandonaria o Tejas e em seu lugar compraria o FA-50 (não sei como são as relações Coreia do Sul – Índia), talvez até para substituir o MiG-21, o que possibilitaria uma enorme economia de recurso que poderiam ser canalizadas para o FGFA. Sempre achei doida essa opção de comprar Rafale no lugar do MiG-21, procuraria um caça leve mesmo (F-16 ou Gripen), podendo esses virem a ser os substitutos do Tejas (maior padronização, com custo maior), outra opção seria MiG-35 por possuir grande comutatividade… Read more »

OutroMarcos
OutroMarcos
5 anos atrás

Olhando a foto dos dois caças lado a lado da a impressão de que a “calda” do sukhoi pode receber um radar do mesmo tamanho que o radar do rafale. Absurdo isso hehe

Anônimo
Anônimo
5 anos atrás

Os Indianos já podem estar preparando o terreno para o cancelamento do MMRCA.

E analisando friamente, eles DEVERIAM racionalizar a FA deles com dois caças, o Tejas MK.2 e o SU-30MKI(com alguns recursos do SU-35S).

Feito isso, “praque” Rafale? O que eles precisavam mesmo eram mais lotes do M-2000, mas os franceses abriram mão desse excelente caça.

[]’s

Ricardus
Ricardus
5 anos atrás

Esse papo que a HAL não pode absover a tecnologia está muito mal contada. Quando se anunciou a vitória do Rafale, todo santo mundo disse que venceu o melhor porque era a Dassault era a única que faria TOT. Me dá urticárias em pensar que fizeram o mesmo discurso aqui. Agora, assim do nada, a HAL não é preparada? Deus, me ilumine per favore.

JT8D
JT8D
5 anos atrás

Ricardus:
Concordo com você. Talvez não apenas a HAL não esteja preparada para receber mas também a Dassault não esteja interessada em dar. Acho que escapamos de uma fria, rsrs

Gustavo
Gustavo
5 anos atrás

Quanto já foi gasto no Tejas ? Será que esse projeto vale a pena ?

Donitz
Donitz
5 anos atrás

Gustavo

Quanto já foi gasto no Tejas ? Será que esse projeto vale a pena ?
—————————————————————————–

Aproximadamente 1,09 bilhões de dólares.

Fonte:http://pib.nic.in/newsite/PrintRelease.aspx?relid=103546

Delfim
Delfim
5 anos atrás

Que Gripen pra Índia o escambau…

Vai que alguma “cabeça pensante” em Brasília lê isso…

E convida a Índia a participar do programa Gripen NG…

E aceitando, a HAL passa a fazer peças pro Brasil e Suécia…

E Gripens comecem a cair lá e cá…

Não, não, os hindus que fiquem com seus Tejas, Sukhois e, se quiserem, Rafales.

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
5 anos atrás

Gripens caindo lá e cá ???
O nivel ta baixo heim…

Delfim
Delfim
5 anos atrás

Se os hindus fornecerem partes do Gripen fabricadas na HAL ao Brasil e Suécia, tem dúvida ?

MrWhite
MrWhite
5 anos atrás

Acho legal que a India se posicione desta forma, mostrando que a hora de fechar o contrato ja expirou e sua demanda precisa ser atendida A.S.A.P. Os jatos russos sao muito bonitos e tambem capazes de realizar as tarefas tao bem quanto os rafales e pra mim esse ultimato foi feito atrasado quase que apos a morte do difunto.

Mr.W

Carlos Alberto Soares
5 anos atrás

Salada quase completa de vetores. Um inferno.

Perderam a oportunidade ao não baterem o martelo com os Âmis. Seria alegria pura. Vejam o exemplo abaixo:

http://www.aereo.jor.br/2014/11/26/boeing-entrega-sexto-aviao-de-patrulha-maritima-p-8i-a-india/

MrWhite
MrWhite
5 anos atrás

Acho legal que a India se posicione desta forma, mostrando que a hora de fechar o contrato ja expirou e sua demanda precisa ser atendida A.S.A.P. Os jatos russos sao muito bonitos e tambem capazes de realizar as tarefas tao bem quanto os rafales e pra mim esse ultimato foi feito atrasado quase que apos a morte do difunto.

Mr.W

Delfim
Delfim
5 anos atrás

4 tipos de caça, 2 de ataque, mais de 700 aeronaves no total, e ainda querem mais 2, o Rafale e o Tejas, às centenas também… brrrrrr…não sei se morro de rir ou de inveja.

Vader
5 anos atrás

Bem, o fato é que o recado já foi dado: se a Dassault não abrir as pernas e fizer o que os hindús querem, Le Jaquê vai pro espaço.

Aí a rafalechada rasga os fundilhos kkkkkkk…

Quanto a nós a boa notícia é que escapamos desta joça.

JuggerBR
JuggerBR
5 anos atrás

Pois eles deviam partir pra compra de F-18, e talvez F-35 no futuro. Se é pra ficar na mao de um fabricante, que sejam os americanos. Os equipamentos sao confiaveis, e eles entregam o que prometem nos contratos.
Depender de russos e franceses… é pedir pra ficar na mao.

Gustavo
Gustavo
5 anos atrás

Obrigado Donitz !

Donitz
Donitz
5 anos atrás

Aí Vader. Você vai gostar desta. “They claimed that while the deal was initially for about Rs 42,000 crore, French are seeking a higher price now. This, the sources said, has put the price at a “little more than double the cost”. “Rafale was selected in 2012 since it was the lowest bidder. The difference in cost with the second bidder was razor thin. With cost now more than double, how can it be the lowest bidder,” the sources said, explaining why the negotiation for a final contract has been taking so much time.” Eu já mudei minha opinião ao… Read more »

Mauricio R.
5 anos atrás

“E convida a Índia a participar do programa Gripen NG…”

Ao que os hindús vão responder:

-Chega!!! Já temos a nossa HAL a nos criar problemas, não precisamos de sua Embraer, estamos negociando com a Saab da Suécia; não convidamos vcs aqui prá nada!!!

Mauricio R.
5 anos atrás

Uma curiosidade, a HAL que deverá manufaturar 108 das 126 Le Jacas pretendidas, pela qual os franceses se recusam terminantemente a por a mão no fogo, é a mesma que executará a extensa reforma dos M-2000.

Anônimo
Anônimo
5 anos atrás

O defeito que eu vejo no Rafale é a falta de escala com consequente preço alto. As janelas de oportunidade são poucas… será uma pena se não conquistar clientes para exportação.

Um belo avião com tantas qualidades! Espero que encontre seu espaço no mercado e que o projeto possa sobreviver e até evoluir.

Juarez
Juarez
5 anos atrás

É ´um dia após o outro.

Grande abraço

Juarez
Juarez
5 anos atrás

Um dia após o outro.

Grande abraço

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
5 anos atrás

O problema da HAL é o mesmo de toda indústria de alta técnologia indiana. A fuga de mentes pensantes para fora do país.
O resultado disso é uma grande quantidade de jovens recém formados trabalhando onde profissionais com experiência deveriam estar

R_Silvestro
R_Silvestro
5 anos atrás

Juarez, agora que está aberto os comentários eu quero falar pra vc não parar de contar as verdades sobre nossas Forças Armadas. Um monte de gente vive no Brasil-Delírio, em que temos dinheiro pra 2 Porta aviões, 5 SUbnuc, 200 Gripens, 1000 Derbys e por ai em diante. Mas eu sei que alguém tem que pagar a conta, e como essa conta não fecha, nada como um dia após o outro para mostrar pros delirantes que somos ainda um país mequetrefe em questão de economia e controle orçamentário de Governo. Venho, encarecidamente, pedir que por mais que tentam te calar,… Read more »

Vader
5 anos atrás

Donitz 4 de janeiro de 2015 at 13:00 # Por aí o amigo veja que tremenda bomba Suas Santidades Lula e Nelson Jobim estavam querendo entubar na FAB. Já era sabido que o Rafale era um caça caro. Mais caro que o F-35, conforme relatório do próprio Senado Francês. Já era sabido que a Dassault é uma empresa desavergonhada, que promete o que não pode cumprir, e faz qualquer negócio pra conseguir um contrato. Já era sabido que os franceses como negociadores não são confiáveis. Mas entubar os indianos com um valor maior que o dobro do preço prometido é… Read more »

Juarez
Juarez
5 anos atrás

Ainda não estamos salvos Vader, tem muita água para correr por baixo desta ponte, água suja de esgotos…….

Grande abraço

Wellington Góes
5 anos atrás

Verdade Nunão, era o Mig-35, acabei por confundir os caças, mas o raciocínio permanece o mesmo, tanto a questão da uma dependência excessiva, quanto o Mig-35 ser superior ao padrão Mig-29 SMT que está sendo modernizado.

Mas uma coisa é a mais pura verdade, se os hindus estão nesse imbróglio, o principal responsável são eles mesmos, seja por terem selecionados o caça em questão, seja por causa dos extensos problemas técnicos que tem a HAL.

Quem já teve oportunidade de negociar alguma coisa com indiano, sabe do que estou falando. Se chinês é ruim de negócio, indiano então…..

Até mais!!!

Gilberto Rezende
Gilberto Rezende
5 anos atrás

Os hindus atrasam anos o contrato e querem o mesmo preço de 2012 ?

Nós mal completamos 10 meses de negociação e o preço pulou um bilhão de dólares ….

Qual o espanto ???

Vader
5 anos atrás

“More than double”????? 😉

Vader
5 anos atrás

A verdade é a seguinte: na RFP hindú constava bem claramente que a HAL seria a gerente do projeto, e a destinatária de toda a ToT. E que o vencedor se responsabilizariam pela frota t-o-d-a, inclusive pelas aeronaves construídas pela HAL na Índia. Os franceses concordaram com isso e foram escolhidos L1 com base nos preços mais baixos que o principal concorrente, o Typhoon. Mas sabe como é francês né? 😉 Depois de “vencido” o contrato eles estão “fingindo que não viram” que a responsabilidade deles se extenderia às aeronaves produzidas pela HAL. E, pior, como solução para tirar a… Read more »