Home Noticiário Internacional Eurofighters versus Sukhois sobre o Báltico

Eurofighters versus Sukhois sobre o Báltico

394
15

Eurofighter versus Sukhoi sobre o Báltico - 1

A Grã-Bretanha acionou seus caças para interceptar sete aviões militares russos que voavam perto dos países bálticos. Segundo o portal DELFI referindo-se ao Ministério do Exterior britânico, na terça-feira (17.06) caças Typhoon foram alertados quando a defesa aérea da OTAN notou quatro grupos distintos de aeronaves no espaço internacional nos países bálticos.

Descobriu-se que eram um bombardeiro russo Tupolev Tu-22, quatro caças Sukhoi Su-27, um Beriev A-50 e um avião de transporte Antonov An-26, que realizavam voo de treinamento.
Desde maio a OTAN triplicou o número de seus caças em missão de policiamento aéreo nos países bálticos. A Grã-Bretanha juntou-se à defesa do leste da Europa, com quatro caças.

Eurofighter versus Sukhoi sobre o Báltico - 2

Eurofighter versus Sukhoi sobre o Báltico - 3

Eurofighter versus Sukhoi sobre o Báltico - 4

COLABOROU: Rustam Bogaudinov

15
Deixe um comentário

avatar
15 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
10 Comment authors
SoldatluizblowerHamadjrLywMauricio R. Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Iväny Junior
Visitante
Member

Então não houve invasão de espaço aéreo ou aconteceu em uma zona de tráfego internacional?

Se houve invasão, justificam-se os Typhoon. Mas se não houve, só demonstração de força?

Clésio Luiz
Visitante
Active Member
Clésio Luiz

A última foto pegou o Flanker num ângulo bem desfavorável. Ficou parecendo não seu o que com um pescoção comprido e um cabeção 🙂 Existem estórias de pilotos soviéticos de aeronaves de grande porte, que gostavam de brincar com os caças que os interceptavam. Reduziam a velocidade, como na segunda foto, tornando a vida difícil para caças supersônicos e asas finas e enflechadas, voando à 10/12 mil metros e depois aceleravam. Conta-se que quem sofria mais com isso era o Tornado F.2, que tendo sido projetado originalmente como intruso trimador de copa de árvores, sofria para acompanhar os bombardeiros soviéticos… Read more »

Edcarlos Prudente
Visitante
Edcarlos Prudente

Uma lavada e uma polida nesses Sukhois e ficariam melhores na foto!

Oganza
Visitante
Oganza

Que blz a Lyulka AL-31F fumando na terceira foto…
pois ali ta parecendo mais do que só condensação.

Desse jeito não precisa nem de radar… rs

No mais, são só alongamentos e flexões… não chegaram nem perto dos aquecimentos.

Sds.

Edgar
Admin
Member

Bela composição aérea na terceira foto. Os europeus parecem meros filhotes dos russos 😀

Mauricio R.
Visitante
Member
Mauricio R.

O apelido russo p/ o “Flanker” não é “crânio”???

Tanto o Tornado F-2 como o GR-1, compartilhavam da mesma motorização otimizada p/ voo supersônico a baixa altitude.
O problema não estava no enflexamento das asas, pois este era variável.
O Jaguar dada a pouca envergadura, seria outra aeronave a ter problemas nesse cenário.
Com o Tornado F-3 e sua motorização otimizada p/ altitudes mais altas, o problema desapareceu.

Mauricio R.
Visitante
Member
Mauricio R.

“Os europeus parecem meros filhotes dos russos”

Typhoon: 16m x 11m (comprimento x envergadura)

“Flanker”: 22m x 15m (idem)

Edgar
Admin
Member

Maurício, é quase um micro-ônibus de diferença!!

Lyw
Visitante
Member
Lyw

Estranho, na matéria não informa quantos Eurofighters interceptaram as aeronaves russas, mas estando em número de quatro, obviamente que no máximo 4 caças britânicos interceptaram a formação russa.

O problema é que os russos tinham sete aeronaves, sendo quatro delas escoltas SU-27, e até interceptá-los a OTAN não sabia quais eram as aeronaves em questão:

“… a defesa aérea da OTAN notou quatro grupos distintos de aeronaves…”

Será que eles não se arriscaram muito enviando um número inferior de aeronaves? Ou por saber que não ia “ter fogo”, não se preocuparam muito com isto?

Iväny Junior
Visitante
Member

Os Typhoons estavam armados com AMRAAM’s ao que parece. Dois cada. Se houvesse qualquer movimento em falso dos russos, não haveria problema para os Typhoons.

Clésio Luiz
Visitante
Active Member
Clésio Luiz

Não só o Tornado Mauricio, mas os outros antecessores também. O Lightning não devia se sentir muito confortável voando lento à grandes altitudes e o F-4, apesar de ser naval, não era essas coisas à baixa velocidade quando não utilizava o BLC.

Imagino que a situação dos soviéticos interceptando B-52 e P-3 fosse até pior, por causa das pobres qualidades do MiG-21 e do Su-15 à baixas velocidades.

Hamadjr
Visitante
Member
Hamadjr

Pois é os Su Russos estavam sem armas nenhuma caso os Typhoons tentassem alguma coisa.
Clésio, o dia em que uma aeronave com menor superficie alar conseguir ter estabilidade a baixa velocidade eu fico imaginando qual a vantagem desta característica para um caça como por exemplo um gripen.

luizblower
Visitante
Member
luizblower

Os russos não usam as listras azuis para identificar seus mísseis inertes ou saíram para uma missão de treinamento (onde com certeza seriam interceptados) com armamento real debaixo das asas?

Soldat
Visitante
Member
Soldat

Bom mesmo coa rmas as naves Russas são inferiores as dos ocidentais especialmente em comparação com os caças americanos…USA…

Mauricio R.
Visitante
Member
Mauricio R.

O Flanker da foto está armado, são mísseis reais.
De acordo c/ o link abaixo, misseis de treinos tem faixas (estilo Dia D talvez) e “dummies” são laranja.

(http://www.flightglobal.com/blogs/the-dewline/2014/06/name-su-27/)