domingo, janeiro 23, 2022

Gripen para o Brasil

Gripen NG: FAB refina requisitos do novo caça

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Gripen NG F-X2 - recorte imagem FAB

Nesta etapa são detalhados os aspectos a serem atendidos pela empresa vencedora, além de itens relativos à logística e manutenção das aeronaves

A Comissão Coordenadora do Projeto de Aeronave de Combate (COPAC) realizou de 5 a 9 de maio, na sede do Comando da Aeronáutica, em Brasília (DF), a fase de refinamento dos requisitos do Projeto F-X2, com a participação de militares e civis de todas as áreas da Força Aérea.

Nesta etapa, são detalhados cada um dos aspectos a serem atendidos pela empresa vencedora e há a definição, por exemplo, dos tipos e quantidades de armamentos que vão ser incluídos no contrato. O detalhamento também inclui itens relativos à logística e manutenção das aeronaves.

COPAC - refinamento requisitos F-X2 - Gripen NG - foto FAB

Desde dezembro de 2013, quando aconteceu o anúncio da proposta da empresa SAAB como vencedora do projeto de escolha da nova aeronave para a Força Aérea, uma série de encontros, visitas e negociações está em curso. A expectativa do Comando da Aeronáutica é assinar o contrato de aquisição dos caças Gripen NG ainda este ano.

FONTE / IMAGENS: FAB

- Advertisement -

68 Comments

Subscribe
Notify of
guest
68 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Corsario137

“…os tipos e quantidades de armamentos que vão ser incluídos no contrato”.

Quer dizer, já incluir os Meteor? Falae Nunão.

eduardo pereira

Poxa Nunao era uma boa hora pra usar seus super poderes editoriais de infiltraçao !!!rs

Mas a noticia é boa e sugere que a Fab continua a milhão com o andamento das negociações !!

Que venhão os Grifos !!!

Sds

Corsario137

Eduardo,

Nunão sabe, por isso que perguntei. Daqui a pouco ele “abre o bico” kkkkk.

Aguardemos.

Bogaz

Na torcida pelo Meteor tb..hehehe. Gostaria de ver alguns Maverick também.

Corsario137

Com a compra dos Harpoon os RBS 15 foram descartados de vez, acredito. Será?

O IRIS-T tbm não tem mercado. Afinal vamos de A-darter não é?

Corsario137

Bogaz,

Minha torcida é para que definam logo quando chegarão os C/D, afinal não dá pra ficar tanto tempo só com os 5’s.

E como a força planeja para substituí-los a partir da década que vem. Precisamos mais do que apenas 36 aeronaves.

Corsario137

Lembrando que no caso do A-Darter, tanto nós quanto os sul-africanos somos operadores da mesma aeronave de combate, o Gripen (que alívio poder dizer isso).

Bogaz

Com certeza Corsario. Quanto antes vier melhor.

Na verdade estou com duas espectativas. Quero ver o contrato assinado logo para não “darem para tras” .

E quero ver o que vai sair na Suiça também. O que vai influenciar aqui. Quem sabe se a Suiça recusar o Brasil não vire um parceiro maior e consiga particiar mais no desenvolvimento. Ou se vai ter uma influência negativa se recusarem. Vai saber..Brasil sil sil sil..sabe como é…

Mayuan

Mais que os tipos de armamentos, me preocupam mais as quantidades. Comprar um pouco de cada deve ser bom pra conhecer mas pra eventual uso prático não adianta muito.

Corsario137

To pra te dizer que o contrato com a Saab sai antes do que o dos indianos com a Da$$ault.

phacsantos

Isso se sair o contrato na índia….

E se sair…duvido muito que se completem as 126 unidades….apostaria que param nos 80!

phacsantos

* Índia

joseboscojr

Corsário,

Que eu saiba o Harpoon não está integrado ao Gripen. Em tese o RBS-15 não está descartado, mas duvido que esse lote “inicial” de 36 caças se prestará à função antinavio.
Já temos pra isso os P-3, os A-4 e os Helis. Tá de bom tamanho.

Bogaz,
Também sou fã do Maverick, mas ele é um míssil em vias de obsolência.
Eu preferiria que fossem integrados os Brimstone II. rsrssss

joseboscojr

O Gripen é fraquinho-fraquinho. Se fosse o Su-35 ele saia de Anápolis com dois Sunburns sob as asas e ia afundar navio lá no Golfo Pérsico e voltava. E sem levar tanque externo!
O Rafale faria o mesmo com 2 Exocets, só que ia precisar de encher o tanque no meio do Atlântico, na volta.
Gripen mirrado e fracote. É isso que dá!
rsrssss

Flighting Falcon

Que venha o contrato.

Colombelli

Esta configuração da foto vale por 03 ou mesmo 04 F-5 no mínimo.

Quanto ao Meteor, duvido muito que venha, não so por ainda ser uma novidade muito recente, como principalmente pelo preço salgadíssimo.

Ai pergunta-se, o Derby é integrado ao Gripen? Caso negativo, qual o valor desta integração?

Corsario137

Colombelli,

O Derby está integrado ao Gripen. Quanto custa não sei, com certeza é mais barato que o Meteor.

Corsario137

E sim, o preço é salgado, mas se entregar o que promete, vale o que pesa.

Vader

Sempre lembrando que não adianta nada ficar estocando grandes quantidades de armamentos, pois estes tem PRAZO DE VALIDADE.

Estoque de mísseis grande é coisa para país em guerra ou muuuuito rico. Quem não esá nessa condição tem que manter DI e DO (pequena) e investir tudo em armas próprias de qualidade: isso é inclusive tão ou mais importante hoje em dia que o caça em si. Que o digam os israelenses.

Sds.

joseboscojr

Colombelli,
Eu sei que você tá cansado de saber disso, mas vale salientar de qualquer maneira.
Essas configurações promocionais de caças com carga externa são absolutamente irreais. Na verdade, prestam um desserviço ao fabricante.
Um caça jamais sairia com essa configuração de armas (2 Iris-T, 4 Meteor, 4 bombas Paveway de 1000 lb e 2 mísseis cruise JSM).
E essa nem é a mais “cabeluda”.

joseboscojr

Ah! E ainda tem o pod que parece ser o Litening!

Soldat

Que venha o contrato[2]

Gripen….

Vader

Nunão: se fosse o Rafale a Dassault tinha arrumado alguma coisa pra enfiar ali, nem que fosse uma bomba burra ou mais um tanque… 🙂

Iväny Junior

Na torcida pelos Meteor e IRIS-T como recurso avançado e pelos Derby, Python 4, Harpoon e exocet como armamentos. Pela fácil integração com o resto da força e as outras forças, bem como, pela fabricação do exocet aqui (não sou muito fan do míssil, mas já que estão fazendo…).

O A-Darter só vale se chegar pelo menos preço ou menos dos Pythons.

Iväny Junior

Opa, incluir Ataka também nos mísseis, já que os AH2-Sabre usam. Ainda sou mais ele do que o exocet…

Vader

Ataka e Exocet? O que tem a ver o traseiro com os fundilhos?

Affffff…

Iväny Junior

Nunão, sobre o A-Darter se ele cumprir o que promete vai ser um intermediário entre Python 5 e IRIS-T. Não é tão bom, e deveriam ter organizado bem o investimento. Se ele chegar barato, dá pra colocá-lo no lugar dos Pythons, e seria um upgrade.

O exocet, que eu saiba, também tem versão ar-superficie, e, superfície-superficie. Pensei que estavam reproduzindo por aqui todas as modalidades.

Iväny Junior

Foi mal, queria dizer o AS20-Kayak, sendo que o nome do Ataka ficou na minha memória porque o AH-2 só treinou com ele. Mas ele também tem o AS20-Kayak homologado.

Iväny Junior

Até agora, o armamento homologado nele é este. Tem o que há de melhor, mas no ar-superfície, o que há de mais caro também.

http://www.saabgroup.com/Global/Documents%20and%20Images/Air/Gripen/Gripen%20product%20sheet/Gripen_Weapons.pdf

Iväny Junior

Bem, então vamos logo de Harpoon, porque na velocidade que as coisas aqui andam, o exocet que já é obsoleto vai ficar pronto quando for peça de museu… na argentina.

joseboscojr

Nunão,
Você está certo!
Eu fui direto na jugular porque as bombas e o pod de designação de alvos me enganaram e eu supus ser uma missão eminentemente de ataque terrestre e não me ative à entrada de ar dos mísseis cruise, que no JSM é dupla/lateral.
A configuração ficou mais esquisita ainda.
E aquela “real” que você postou também é bem estranha, com dois RBS-15 e dois Mavericks. Acho que também é só pra apresentação ao público/publicidade.
Além de ser meio esquisito a combinação, os Mavericks são de manejo (não estão com as aletas traseiras).

Iväny Junior

Basicamente os mesmos armamentos da imagem da saab. O que está integrado/previsto. Não tem Harpoon, por falar nisso. Colocar na salada mista o RBS-15, que é o único anti-navio. Marverick e Brimstone, os ar-superfície.

Provavelmente dentro desta negociação a FAB está propondo o que se encaixa melhor nas missões.

joseboscojr

A tecnologia permite hoje que alvos em terra sejam “abordados” como se fossem alvos navais. O ruído de fundo já não é mais problema para radares avançados e cada vez mais veremos mísseis táticos com alcances cada vez maiores. A bomba SDB II entra em operação neste ano e tem alcance de 100 km contra alvos móveis. Os britânicos estão desenvolvendo o Spear, com 100 kg e alcance de 150 km, propulsado por turbojato. O JAGM começa a ser introduzido e poderá atingir alvos a 16 km lançado de um heli. O europeus estão desenvolvendo pequenos mísseis supersônicos (até Mach… Read more »

Nick

Concordo com o Vader,

A quantidade e os armamentos a serem integrados deverão ser só o suficientes para não chamar os Gripen E/F de “desdentados”.

A suíte definitiva de armas do Gripen E/F deverão ser versões do A-Darter, SMKB Acauan, MANSUP, AV-MT300, e o BVR Marlin. Ae sim, em boas quantidades.

[]’s

Marcelo

Nick, o quê é esse BVR Marlin?

juarezmartinez

Caro Nunão, acessem o liink e tomei a liberdade de copiar na íntegra o post do colega Soyuz que tem tudo a ver com se está dsicutindo neste tópico e no do Harpoon, até para aqueles que estão saindo da órbita do mudo real voltem a ter os pés no chão. Grande abraço oyuz 17 de abril de 2013 at 15:05 # A DENEL é uma coisa no papel e outra coisa na pratica, assim como a Avibras ou Mectron. Embora seu nível tecnológico esteja muito acima destas 2 empresas brasileiras citadas. É uma empresa cuja crise financeira já dura… Read more »

Mayuan

Grato ao Vader que me lembrou de um detalhe crucial que me havia escapado.

Joner

Senhores, o que seria uma quantidade adequada de armamentos para esses 36 caças?
Incluindo ar-ar e ar-terra.

Mas deve-se lembrar que na Argentina somente a marinha tinha armamento anti navio, mas suas aeronaves não tinham o alcance necessário, já a força aérea não tinha treinamento para isso.
E nós conhecemos o resultado.

O bom seria que bases da FAB proximas ao litoral que vão operar os futuros Gripens, tambem operem armamentos anti navio.
E de preferência, nacional.

Rinaldo Nery

O GRIPEN vai, inicialmente, de A-DARTER e DERBY, que são mísseis fabricados aqui (A-DARTER) e de nosso inventário (DERBY). Quanto ao ar-mar, é uma boa pergunta. Talvez empregaremos o que é utilizado pela Suécia.
É muito provável que a aquisição do METEOR seja estudada. É um míssil formidável.
Na foto se pode observar vários caçadores experientes da primeira linha. Inclusive o meu amigo Wagnitz, ex PAMPA, com seu elegante terno.

Joner

Realmente Nunão, mas lembro de ter lido um fato bastante curioso de que a força aérea argentina não tinha treinamento para usar os AM-39 (ataque ar-mar). E é esse o ponto que eu quis levantar, o fato de que não é interessante em um país com mais de 5000 Km de litoral, somente a marinha fazer esse serviço ou a FAB faze-lo apenas a partir dos P-3. Nossas bases em Canoas, Floripa, Rio, Salvador e Natal deveriam ter essa capacidade de combate ar-mar com no mínimo os AM-39, não interessa se são para treinamento a jato ou busca e salvamento,… Read more »

Últimas Notícias

Argentina também negocia a compra de caças F-16 da Dinamarca

Segundo o site argentino Pucara.org, as Forças Aéreas da Argentina e da Colômbia estão analisando ofertas para aeronaves Lockheed...
- Advertisement -
- Advertisement -