Home Noticiário Internacional A próxima batalha do F-35: baixar os custos de operação

A próxima batalha do F-35: baixar os custos de operação

255
10

primeiro F-35 a chegar a Eglin AFB - foto USAF

Funcionários do Pentágono asseguraram ao Congresso que eles estão mantendo o custo de fabricação do Joint Strike Fighter (JSF) F-35 sob controle, e sua atenção está agora voltando-se para o próximo desafio do programa: uma conta estimada em trilhões de dólares para a manutenção e operação da frota de F-35 ao longo das próximas cinco décadas.

A estimativa de arregalar os olhos tem levantado polêmica no Departamento de Defesa e no Congresso desde que foi divulgada em 2011. Ela cobre o custo do combustível, peças, apoio logístico e reparos.

Alarmados com esses custos projetados, os funcionários do programa F-35 estão à procura de respostas. Eles pediram à fabricante Lockheed Martin para ajudar a trazer essas despesas para baixo.

“O governo está nos incentivando a olhar para formas em que podemos reduzir o custo do ciclo de vida da aeronave”, disse Steve O’Bryan, vice-presidente de desenvolvimento e negócios da Lockheed Martin Aeronautics.

“Há muitas oportunidades para reduzir custos”, disse ele em uma entrevista.

Ninguém deve esperar nenhum milagre no entanto. “Este é apenas o começo”, disse O’Bryan . Os custos de operações e a manutenção, ou O&S (Operations and Support) projetados, incluem muitas variáveis ​​que são impossíveis para a fabricante controlar, tais como os preços dos combustíveis e da taxa de inflação dos EUA, disse O’Bryan. As estimativas de O&S do Pentágono para o F-35 variaram de 850 bilhões de dólares para US $ 1,1 trilhão ao longo de 55 anos. “Mais de 40% da estimativa é a inflação sozinha”, disse ele. A empresa tem como alvo áreas onde acredita que poderá reduzir o custo O&S, disse ele, como o consumo de combustível, os métodos de contratação e confiabilidade de componentes de aeronaves.

O chefe de aquisições do Pentágono, Frank Kendall, disse para a Bloomberg News na semana passada que espera que as  estimativas de custo O&S  diminuam um pouco, mas não tanto quanto ele gostaria.

O foco nos custos de O&S vem em um momento crucial do programa F-35, que é o mais caro sistema de armas da nação. O oficial que supervisiona o programa, o brigadeiro Christopher C. Bogdan da Força Aérea, disse ao Congresso no mês passado que a aeronave está, finalmente, dobrando  esquina após anos de enormes derrapagens orçamentais.

“A acessibilidade permanece minha prioridade número um”, disse ele em 26 de março. Desde que assumiu o programa em dezembro de 2012, Bogdan tem impulsionado uma negociação difícil com a Lockheed Martin , e a pressão parece estar funcionando. Em uma surpreendente boa notícia, o Government Accountability Office (GAO) revelou novas estimativas de preços para F-35 que mostram uma ligeira queda nos custos de produção previstos para todas as 2.457 aeronaves no programa para US $332,3 bilhões, o que significa um valor próximo de 3,3% menor do que o do ano passado. A Lockheed até agora entregou pouco mais de uma centena de aeronaves e tem mais 75 em produção. O preço atual por aeronave é de US $ 135 milhões.

As últimas estimativas do Pentágono serão reveladas em meados de abril, com o lançamento do relatório anual de aquisição selecionado (Selected Acquisition Reports – SAR)”. Todos os olhos estarão voltados para os custos projetados do F-35. O relatório SAR do ano passado previa que os custos operacionais e de apoio do F- 35 ao longo de 55 anos seria de US $ 1,1 trilhão. Essa estimativa esteve praticamente inalterada nos últimos três anos.

Conter os custos de O&S será uma prioridade em 2014, disse Bogdan. “Temos que continuar a conduzir o custo de produção do F-35 para baixo e devemos começar hoje a atacar os custos a longo prazo do ciclo de vida do sistema de armas F-35”, disse ele ao subcomitê de aviação tática e forças terrestres da Câmara sobre as Forças Armadas.

O diretor de aquisições de defesa do GAO, Michael J. Sullivan, alertou que os custos de apoio ao F-35 ameaçam seu futuro. “Estimativas mais recentes do Departamento de operação e apoio à frota F-35 estão em algum lugar entre US $ 850 bilhões e um trilhão de dólares e os funcionários do departamento o consideram inviável”. Sullivan disse que o Pentágono tomará “decisões difíceis ao longo dos anos para colocar o F-35 em bases mais sólidas, mas mais riscos estão pela frente e será importante saber como esses riscos serão administrados. “O maior problema é o software do F-35, que está a atrasar todo o programa, disse Sullivan. A outra é o custo de O&S . “A estimativa atual é considerada inviável”.

Para atacar este problema, o escritório do programa F-35 em outubro de 2013 criou uma “sala de guerra ao custo” em Arlington, Virgínia.

Bogdan pediu um plano realista sobre a forma de reduzir os custos de O&S. “Reduzir os custos de apoio e começar a transição para um futuro apoio e postura  global será um foco importante em 2014”, disse ele a parlamentares em depoimento preparado. Uma equipe formada por representantes do governo e do contratante foi formada na sala de guerra ao custo e está investigando 48 maneiras diferentes de reduzir despesas. Eles também estão estudando opções para a futura reparação e manutenção de aeronaves nos Estados Unidos e no exterior.

O alardeado “sistema automático de logística da informação” ou ALIS, foi projetado para ajudar a gerenciar os custos de O&S , mas o desenvolvimento do software está  atrasado. O ALIS deveria coletar e distribuir dados importantes sobre o desempenho dos componentes de aeronaves ao longo de todo seu ciclo de vida.

Bogdan disse que o sistema foi redesenhado. “Nós fundamentalmente mudamos a maneira de desenvolvendo do sistema ALIS, nosso sistema de informação de logística, e estamos começando a ver algumas melhorias incrementais de lá”.

O’Bryan explicou que o sistema ALIS irá fornecer informações valiosas sobre a confiabilidade dos componentes e ajudar a evitar reparos caros. “Isso pode significar economia de grande monta para toda a  frota”, disse ele . “A confiabilidade é um grande caminho”.

Outra forma de reduzir os custos operacionais é treinar pilotos em simuladores, disse O’Bryan . Transferir horas de voo para simuladores, porém, infla o custo por hora voada. “Se você voar menos, você está absorvendo mais custos fixos sobre menos horas de voo”, disse ele . “Isso não significa que não devemos fazer essa mudança”.

A posição da Lockheed é de que quanto maior a frota, maior a eficiência que ela pode trazer para as operações. Ela está contando com os militares dos EUA para comprar 2.443 aviões além de outras 700 aeronaves distribuídas por 10 países, incluindo a Coreia do Sul.

Como fabricante original do F- 35, a Lockheed teria o caminho livre se o Pentágono não decidir trazer outros contratados para o programa de manutenção e suporte . Não há garantias, no entanto, de que a Lockheed terá o monopólio da manutenção e reparos do F-35, disse O’Bryan. “O PEO nos desafiou a ganhar o direito de ser o integrador de suporte ao produto”, disse ele. “Estamos ganhando esse direito através do investimento em acessibilidade. “A empresa tem trabalhado em reduzir o peso da aeronave e o custo das peças de reposição, disse ele. “Assim como o ciclo de vida de qualquer produto queremos abordar a acessibilidade futura, onde nós podemos maximizar as economias”.

FONTE: National Defense Magazine

VEJA TAMBÉM:

10
Deixe um comentário

avatar
8 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
7 Comment authors
Tadeu MendesNickGuilherme PoggioandreasEdgar Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
joseboscojr
Visitante
Member
joseboscojr

Esses números isolados não dizem absolutamente nada. Há de se ter como referência os números equivalentes se as aeronaves em questão fossem outras, como modelos novos dos F-15, F-16, F-18, AV-8B e A-10; nas mesmas quantidades e pelo mesmo tempo de uso.
Só assim é que é possível fazer qualquer comparação e avaliarmos o quanto a maior é o custo da operação do F-35.

joseboscojr
Visitante
Member
joseboscojr

Vão ter que gastar um trilhão com o custo de operação dos F-35 em 55 anos, mas quanto teriam de gastar com o custo de operação de milhares de outras aeronaves de combate, em 5 modelos diferentes, no mesmo período de tempo? Do jeito que é colocada a questão, fica parecendo que o F-35 irá aumentar o custo em X dólares, e que bastaria cancelar o programa para que houvesse a economia de X dólares. Não há nada mais errado e ingênuo. O custo haverá, seja com o F-35 seja com caça obsoletos de geração passada, mas haverá, e duvido… Read more »

Alfredo Araujo
Visitante
Member
Alfredo Araujo
Edgar
Admin
Member

Imaginem o custo para a manutencao apenas da furtividade da aeronave! Eu acredito que o custo de operacao ficara semelhante (nao igual, dada a escala) ao do F-22:

http://www.aereo.jor.br/2011/09/21/quanto-custa-operar-um-f-22/

Isso sera um duro golpe para os parceiros menores do consorcio. Por mais que isto ja esteja previsto nos orcamentos de suas respectivas Forcas Aereas, prevejo um futuro semelhante ao que previram para o Rafale na FAB, de rainhas de hangar para alguns destes operadores.

andreas
Visitante
andreas

Uma curiosidade: o que é aquela estrutura de vidro debaixo do nariz do avião, na frente da bequilha? Nunca vi até agora em nenhuma das fotos do F-35. Protege algum sensor?

joseboscojr
Visitante
Member
joseboscojr

Andreas,
É a proteção para o EOTS, um sensor multifuncional, mas que tem como função primária detectar, identificar e designar alvos na superfície usando um conjunto de sensores operando na faixa visual e IR.

Nick
Visitante
Member
Nick

Duvido serem capazes de reduzir o custo operacional do F-35.

Dada a complexidade desse caça, do material com que é fabricado, passando pelos milhões de linha-código, e sistemas de última geração, farão dele um caça que em termos de custos operacionais, só ficará abaixo do F-22.

[]’s

Tadeu Mendes
Visitante
Member
Tadeu Mendes

Amigos, Com a padronizacao, ou seja, um so tipo de aeronave, operando nas tres forcas (Navy, USAF, Marines), e de se esperar que o custo seje bem mais em conta do que operar varias aeronaves ao mesmo tempo. O colega Joseboscojr, observou bem este detalhe, e quero acrescentar que nos anos 60, MacNamara, entao Ministro da Defesa no governo Kennedy, impos a padronizacao do fuzil M-16 para para as forcas armadas americanas. Se criou um problema com certos setores militares, mas ele, como foi gerente da GM, levou essa mentalidade para dentro do Pentagono. Padronizar sempre reduz custos, tanto na… Read more »