sexta-feira, dezembro 2, 2022

Gripen para o Brasil

EUA em busca de um F-35 mais confiável e mais barato

Destaques

Guilherme Poggio
Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

F-35A visto de um avião reabastecedor - foto Lockheed Martin

Militares dos EUA estão trabalhando em conjunto com a Lockheed Martin e outros fornecedores para reduzir o custo por aeronave do jato de combate F-35 e melhorar a sua confiabilidade, disse em entrevista na segunda-feira (31/3).

O assistente do Secretário da Força Aérea, William LaPlante, disse que o preço do modelo F-35A deve cair de 112 milhões dólares agora para o cerca de 80 milhões dólares americanos em 2018 ou 2019, mas o programa possui planos para baixar o preço ainda mais.

O Government Accountability Office (GAO), uma agência de fiscalização do Congresso, permanece cético sobre esses esforços, notando que os F-35A adquiridos em 2013 custaram 124.800 mil dólares cada um, cerca de 41 milhões dólares americanos acima da meta do Pentágono para 2019.

Os militares dos EUA também estão focados em melhorar a confiabilidade dos jatos, que apresentam falhas entre voos com mais frequência do que o esperado, disse ele.

O F-35A deveria custar cerca de US $ 50 milhões por avião, dando aos Estados Unidos e seus aliados uma opção de substituir  uma dúzia de aviões de guerra atualmente em serviço por um avião moderno e de custo baixo. Os críticos dizem que os desafios técnicos têm impulsionado os custos para cima, o que poderia comprometer pedidos maiores, tão necessários para conseguir reduzir os custos a longo prazo.

“Há muitas ideias sobre como reduzir os custos”, disse LaPlante . Ele disse que as partes estão olhando como isso poderia ser feito pela indústria e pelo governo para reduzir os custos de produção, mas não deu detalhes.

O Pentágono deve revelar um plano com novas metas de custo para o programa de 392 bilhões dólares ainda no início de 2014.

O GAO disse na segunda-feira que o programa já tinha baixado o custo geral de desenvolvimento e compra de 2.457 aviões de combate F- 35 para 11,5 bilhões dólares ou 3,3% no ano passado.

As próprias projeções de custos do Pentágono, que deverão ser enviadas ao Congresso em meados de abril, devem mostrar uma queda semelhante nos custos do F- 35, disseram fontes familiarizadas com o assunto nesta terça-feira (1/4).

A Lockheed está desenvolvendo três modelos do F- 35 para os militares dos EUA e oito países que ajudaram a financiar o seu desenvolvimento: Grã-Bretanha, Austrália, Canada, Dinamarca, Noruega, Turquia, Itália e Holanda. Israel e Japão também fizeram pedidos e a Coreia do Sul revelou no mês passado planos para comprar a jato também.

LaPlante disse que a Força Aérea ainda planejava aumentar seus pedidos de F- 35 para cerca de 60 jatos por ano, para obter economias de escala e levar o custo para baixo. Ele disse que o serviço fez escolhas difíceis em seu orçamento fiscal de 2015 e no programa quinquenal para proteger eo  plano de cinco anos de gastos para proteger o aumento da produção do F-35 no futuro.

“O custo de operação e apoio é um problema maior”, disse LaPlante . “É o que vai dizer se vamos ou não poder pagar (pelo F- 35)” a longo prazo.

O gerente do departamento de compras de armas do Pentágono informou em janeiro que a frota atual de F-35 estava disponível para uso uma média de 37% do tempo a partir de fins de 2012 a outubro de 2013, valor muito abaixo do limiar mínimo de 50% e do objetivo do programa, que é de  75%. O programa está mirando o valor de  60% de disponibilidade para 2015.

LaPlante disse que o esforço estava direcionado para as partes estavam falhando mais vezes do que o esperado e realizar mudanças, mas as melhorias levarão tempo para aparecer nas estatísticas.

“Vai ser preciso um esforço sustentado”, disse ele . “Estaremos acompanhando nos próximos um a dois anos. ”

FONTE: Reuters (tradução e edição do Poder Aéreo a partir do original em inglês)

VEJA TAMBÉM:Coreia: anúncio da escolha do F-35 e do novo reabastecedor ainda este ano

- Advertisement -

13 Comments

Subscribe
Notify of
guest

13 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
edurval

Senhores,

Pergunta de um leigo, não seria relativamente baixo 75% de disponibilidade operacional para um avião que em tese será o principal vetor de defesa e ataque dos EUA?

Qual a taxa de disponibilidade dos nossos jatos?
Qual a taxa de disponibilidade do F16 e do F15?

Gostaria de ter essa informação para poder comparar com a disponibilidade prevista do F35.

Vida longa e prospera a todos.

Alfredo Araujo

Edurval… o F-35 ainda está em IOC (initial operational capability)…
Já li que o FOC (full operational capability), provavalmente, apenas em 2024

Nick

Resumindo, o caça é caro e não é confiável. 🙂

E em relação ao custo operacional, será ae que a “porca torcerá o rabo”. Um caça com o nível de sofisticação desses deverá elevar o patamar de hora-vôo para outro nível. Talvez mais baixo que o do F-22, mas muito mais alto que o de um F-18 ou F-16.

Agora tenho uma dúvida. Esses preços apresentados incluem os custos de desenvolvimento, ou são somente os custos de produção?????

[]’s

Almeida

O elefante branco tá engordando…

Baschera

Estão achando muito caro ??

Façam as contas de quanto vai custar efetivamente um Gripen E para o Brasil e verão que o do F-35 não está tão distante…..

É conta de padaria ? / É, mas é o que vai efetivamente custar, com ou sem firulas inclusas.

Branco no preto.

Sds.

Clésio Luiz

Aproveitando o comentário do Baschera, o F-35 é como um carro chinês: barato de comprar, sem confiabilidade e caro de manter…

Baschera

Perfeito Poggio.

Mas aí está a questão. Que tipo de uso se fará e quem se beneficiará pelo usufruto desta transferência de tecnologia concomitante com os off set’s comerciais, que serão pagos com os recursos do contribuinte.

E sobre vetor low cost …. eu ficaria de olho no primeiro voo que será feito em breve, do Scorpion da Textron/AirLand Enterprises….

Sds.

Justin Case

Amigos, Offset não se paga contratualmente e não gera despesas se for adequadamente concebido e executado. Alguns investimentos podem ser necessários, mas esses não são suportados pelo contratante, mas pelas empresas ou entidades beneficiárias de cada projeto de offset, ou sejam, aquelas que vão receber o conhecimento, que vão se capacitar para produzir. O retorno desse investimento inicial deve fazer parte do plano de negócios do beneficiário. É é alcançado ao vender seus produtos, ao obter resultados da tecnologia ou conhecimento absorvido. Isso, é claro, com relação à produção local e transferência de tecnologia. Há outras modalidades de offset, tais… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini

“Justin Case em 03/04/2014 as 13:25
Contrato é uma coisa, offset é outra.”

Creio que foi por isso mesmo que o brigadeiro Crepaldi procurou deixar claro, na audiência no Senado realizada em 27 de fevereiro, que as compensações são regidas por um contrato separado do que será assinado para a aquisição dos caças. É um contrato administrativo que inclui sanções em caso de não cumprimento, e essa sistemática vem sendo aplicada há anos pela Aeronáutica.

Para quem quiser rever, está lá no final da matéria:

http://www.aereo.jor.br/2014/02/27/em-detalhes-a-audiencia-na-cre-sobre-f-x2-e-aescolha-do-gripen/

Últimas Notícias

VÍDEO: Documentário ‘Highway’ sobre operações aéreas em rodopista na Tchecoslováquia, em 1980

O documentário "Highway" foi filmado pelo Checoslovak Army Film no outono de 1980 durante um exercício militar entre os...
Parceiro

LAAD 2023

- Advertisement -
- Advertisement -