Home Aviação de Caça Pobreza na caça

Pobreza na caça

505
17

F-16C Block 40

Os cortes no orçamento de defesa nos EUA forçaram o corte nas horas de voo dos pilotos de caça. Muitos estão voando 120 horas por ano, ou metade da década passada. Cada hora custa em média US$ 20 mil.

Em 2013, a França também mudou os métodos de treinamento para seus pilotos de caça. Ao invés de reduzir as horas de voo de todos os seus pilotos em 17%, baixando de 180 para 150 horas por ano, os franceses preferiam manter metade dos pilotos de caça voando 180 horas e a outra metade voando 40 horas em uma aeronave de combate e outras 140 horas em um jato de treinamento (bem mais barato que um Rafale). Em caso de conflito, os pilotos de segunda linha receberiam um treinamento intensivo de 60-90 dias, ou cerca de 100 horas.*

caças Rafale em Solenzara - foto Força Aérea Francesa

Os russos usavam um sistema de dois níveis na década de 1990. Apenas os esquadrões esperados para deslocamento para locais de combate recebiam mais horas de voo alguns meses antes. Outra opção é usar simuladores avançados que custam cerca de 10% por hora em relação a um caça.

Os países com fama de terem pilotos habilidosos, como Israel, Estados Unidos, Reino Unido e Canadá, sempre voam mais de 200 horas por ano. Taiwan mantém uma média de 180 horas por ano devido ao aumento das horas de voo dos pilotos Chineses. Alguns esquadrões de elite chineses já voam 180 horas por ano. A Coreia do Sul voa 120 horas por ano, mas consideram muito comparado com a ameaça da Coreia do Norte.

Até 1942, os pilotos alemães eram os que mais treinavam antes de ir para combate. Voavam 240 horas, comparadas às 200 horas dos pilotos britânicos e bem menos para os soviéticos. Após 1942, com a falta de combustível, o treinamento dos pilotos foi cortado e a vantagem dos alemães no ar logo se inverteu. Ao mesmo tempo, o treino dos britânicos aumentou para até 335 horas e os americanos chegaram a voar 320 horas. Em 1944, os alemães voavam 110 horas. As chances dos alemães derrubarem um inimigo caíram, mas as chances de serem derrubados aumentaram.

FOTOS: Força Aérea dos EUA  e Força Aérea Francesa

*NOTA DO EDITOR: esse novo sistema francês está em experiência, dentro de uma perspectiva mais ampla de mudança do processo de treinamento dos pilotos de caça desde a “Escola do Ar” francesa, havendo a possibilidade de se implementar aeronaves turboélice de última geração para complementar as horas de voo do grupo de pilotos destinado a voar menos horas no Rafale. Este processo foi objeto de matéria publicada recentemente no Poder Aéreo, que pode ser acessada clicando aqui.

17
Deixe um comentário

avatar
17 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
12 Comment authors
juarezmartinezG-LOCWagnerFabio ASCAlmeida Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Alfredo Araujo
Visitante
Member
Alfredo Araujo

Muito inteligente a solução francesa…

Rinaldo Nery
Visitante
Member
Rinaldo Nery

A média histórica da primeira linha da FAB nunca ultrapassou 150 horas.

Iväny Junior
Visitante
Member

O mundo sob controle gera isso.

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

“Rinaldo Nery
9 de janeiro de 2014 at 22:33 #

A média histórica da primeira linha da FAB nunca ultrapassou 150 horas.”

E a média dos últimos quatro anos está em ?

Mauricio Silva
Visitante
Mauricio Silva

Treinamento é fundametal para se ter um bom piloto. E isso tem seu custo. A solução francesa parece ser boa.
SDS.

HMS TIRELESS
Visitante
Member
HMS TIRELESS

Esse número de 120 nos EUA talvez se refira aos pilotos da ANG. Unidades de elite como a 48 TFW de Lakenheath ainda devem voar mais de 200 horas anuais.

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Caros:

Coloquei aqui, tempos atrás, um vídeo com um simulador do Gripen, incluindo a simulação da força G. Minha pergunta: para um piloto de caça, simulação incluindo força G faz alguma diferença real? Segue o vídeo…

http://www.youtube.com/watch?v=nQHs32UwF_Y

Rinaldo Nery
Visitante
Member
Rinaldo Nery

Faz e muita, principalmente para aeronaves com limite máximo acima de 7 G. A FAB, há muitos anos atrás, comprou uma centrífuga que apodereceu sem sair dos caixotes.

Rinaldo Nery
Visitante
Member
Rinaldo Nery

apodreceu.

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

“Rinaldo Nery
9 de janeiro de 2014 at 22:33 #

A média histórica da primeira linha da FAB nunca ultrapassou 150 horas.”

E a média dos últimos quatro anos está em ?

Almeida
Visitante
Almeida

Queria essa pobreza aqui na FAB…

Fabio ASC
Visitante
Fabio ASC

E a média dos pilotos navais? Alguém sabe?

Wagner
Visitante
Wagner

Ora ora pensei que o Império era perfeito e todos la voavam 1000 horas por ano… dado o que a propaganda diz…

Mas até que ponto um simulador pode substituir o võo normal ??

Será que dá para colocar metade das horas de vôo em simulador ???

Ou pode viciar o piloto ??? Tipo, dando uma sensação de falsa segurança nos simulador, será que no vôo real isso não interfere ?

G-LOC
Visitante
G-LOC

Wagner, só existe duas situações – simulação ou combate real. Simulação virtual é um tipo de treinamento. O mais complexo seria uma operação de larga escala como a Red Flag ou Cruzex.

Em algumas situações a simulação virtual é a melhor ferramenta como disparar mísseis ou treinar evasão de mísseis.

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

“Fabio ASC
10 de janeiro de 2014 at 19:25 #

E a média dos pilotos navais? Alguém sabe?”

Gráfico com dados zero ou próximos ?

Não vai aparecer !

juarezmartinez
Visitante
Member
juarezmartinez

Carlos Alberto Soares 10 de janeiro de 2014 at 13:52 #

“Rinaldo Nery
9 de janeiro de 2014 at 22:33 #

A média histórica da primeira linha da FAB nunca ultrapassou 150 horas.”

E a média dos últimos quatro anos está em ?

2/3 disto, por isto este ano tivemos um dos maiores niveis de baixasPessoal peindo o boné) na força.

Grande abraço

Wagner
Visitante
Wagner

O cara so fica no gabinete entao, cantando as funcionarias…

A FAB deve estar tipo o Quartel Swampy…