terça-feira, dezembro 7, 2021

Gripen para o Brasil

Indra fecha acordo com Agência Espacial Europeia

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Sentinel-2 imagem ESA

Segundo nota à imprensa, a empresa acolherá em suas instalações toda a infraestrutura do novo centro da Agência Espacial, armazendando mil terabytes de novas imagens por ano

Em nota divulgada no último dia 5, a Indra informou que fechou um acordo com a Agência Espacial Europeia (ESA) para gerenciar e operar o Centro Principal de Processamento e Arquivo de imagens da missão Sentinel-2, a partir de suas instalações em San Fernando de Hanares, em Madri. Os satélites Sentinel são parte do programa Copernicus, anteriormente denominado GMES (Global Monitoring for Environmental and Security) com o qual a Europa se dotará de capacidade de observação da própria Terra.

Ainda segundo a nota, esse contrato reforça a posição da multinacional em consultoria e tecnologia como operadora de centros de processamento de imagens de satélites, consolidando sua carteira de soluções e serviços no setor espacial. A empresa é líder no desenvolvimento de segmentos terrenos na Espanha e possui uma vasta experiência em sistemas e aplicativos de observação da Terra.

O centro de processamento e arquivo entrará em operação em setembro de 2014, coincidindo com o lançamento do Sentinel-2A. Esse centro poderá ser ampliado posteriormente para gerenciar os dados do segundo satélite, o Sentinel-2B, que será lançado ao espaço em 2016. Estes satélites, de órbita polar, captarão imagens de alta resolução em 13 faixas de forma visível e em infravermelho. Sua vida útil será de aproximadamente sete anos, embora estejam preparados para uma vida útil de mais cinco anos.

A equipe especializada em observação da Terra da Indra será responsável pelo gerenciamento e operação completa do centro, incluindo processamento das imagens e sua distribuição aos usuários. A Indra também se encarregará da armazenagem de dados a longo prazo. A cada ano, serão arquivados até mil terabytes de novas imagens. A empresa armazenará esta informação em seu avançado Centro de Processamento de dados de San Fernando de Henares que, atualmente, conta com 5 mil metros quadrados e oferece um percentual de serviço sem interrupções de 99,8 %.

O papel da Indra como gerenciadora e operadora do Centro de Processamento e Arquivo de Sentinel-2 coloca a empresa em uma posição superior no que tange o fornecimento de novos serviços personalizados a seus clientes, a partir de dados de qualquer satélite Sentinel da Agência Espacial Europeia (Sentinel-1 e Sentinel-3 e, futuramente, Sentinel 4 e 5). Com base na informação extraída das imagens, a Agência poderá oferecer serviços de alto valor agregado aos usuários que necessitem de dados relacionados com o meio ambiente, agricultura, uso do solo, emergências, gestão da água, atividade florestal, entre outros.

Sentinel-2 imagem 2 ESA

A Indra possui uma vasta experiência no âmbito da observação da Terra. A empresa comercializa imagens e serviços de valor agregado em projetos nacionais e internacionais. Em 2012, reforçou esta vertente de negócios após realizar uma aliança com RapidEye para ter acesso a sua constelação de cinco satélites.

A informação que proporciona estas imagens é enorme. Assim, por exemplo, no campo do gerenciamento de recursos naturais, pode-se empregá-la para estudar a evolução de cultivos, adiantar dados de produção dos mesmos, estimar danos por fenômenos adversos ou conhecer a demanda de água que necessitarão as áreas de plantação.

Em seu papel como fornecedora de serviços de observação da Terra, agrega-se a experiência da Indra no desenvolvimento de segmentos terrenos para este tipo de satélites. A Indra lidera o desenvolvimento dos sistemas que gerenciarão e controlarão o satélite ótico Ingenio e o satélite radar Paz, do Plano Nacional de Observação da Terra espanhol. É responsável, ainda, pela implantação, manutenção e suporte da operação dos sistemas de recebimento das imagens dos satélites Helios e Pleiades, para o Ministério da Defesa, projetos impulsionados pela França e Espanha. Além disso, liderou o desdobramento do segmento terreno da missão SMOS, de estudo do ciclo da água na Terra, liderado pela Agência Espacial Europeia.

Dentro de GMES, a Indra participou de projetos para a definição de produtos urbanos de segurança e emergências e do uso do solo, bem como para o fornecimento de modelos de referência como o Modelo Digital do Terreno, hidrografia e pradarias (projetos GMES Urban Services, BOSS4GMES, GEOLAND2, SAFER, G-MOSAIC, G-SEXTANT, G-NEXT, Initial GMES Service for Geospatial Reference Data Access, GIO-Land e GIO-Emergency).

A Indra é a multinacional nº 1 em consultoria e tecnologia na Espanha e uma das principais da Europa e América Latina. A inovação é a base de seu negócio e sustentabilidade, com dedicação de mais de 550 milhões de euros em Pesquisa e Desenvolvimento nos últimos três anos, montante que a posiciona entre as primeiras empresas europeias de seu setor em investimento. Com vendas aproximadas de 3.000 milhões de euros, cerca de 60% dos negócios provêm do mercado internacional. Conta com 42.000 profissionais e com clientes em 128 países.

FONTE: Indra (divulgação CDN – texto adaptado)

IMAGENS: ESA (European Space Agency / Agência Espacial Europeia – satélite Sentinel-2)

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

2 Comments

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Joner
Joner

Já vi a matéria, favor desconsiderar… 🙂

Últimas Notícias

Alto oficial da Força Espacial diz que a China está desenvolvendo capacidades ‘duas vezes mais rápido’ que os EUA

Para o general David Thompson, China pode ultrapassar os EUA em capacidades espaciais em 2030 O vice-chefe de Operações Espaciais...
- Advertisement -
- Advertisement -