Home Indústria Aeronáutica Fábricas de Évora da Embraer já produzem peças para novo avião militar...

Fábricas de Évora da Embraer já produzem peças para novo avião militar KC-390

871
49

KC-390 reabastecendo jatos A-1 - imagem Embraer

ClippingNEWS-PAAs primeiras peças do novo avião militar KC-390 da construtora aeronáutica Embraer já começaram a ser produzidas nas fábricas de Évora da empresa brasileira, revelou à agência Lusa o administrador Paulo Marchioto.

Segundo o responsável, nas duas unidades alentejanas, estão a ser produzidos, desde finais de outubro, os revestimentos de asa e os estabilizadores horizontais e, mais tarde, também vão ser construídas as empenagens verticais do avião.

“O KC-390 ainda está em desenvolvimento”, mas a Embraer já está a “fabricar as primeiras peças” nas unidades fabris de Évora, disse o administrador da Embraer Portugal, em entrevista à Lusa.

O revestimento de asa, segundo Paulo Marchioto, tem “18 metros de comprimento” e é “uma das maiores peças já fabricadas” pela construtora aeronáutica. Tem “um tamanho considerável e uma complexidade enorme”, acrescentou.

KC-390 - configuração SAR - imagem Embraer

“Na primeira vez, esta peça saiu no ‘estado da arte'”, destacou Paulo Marchioto, referindo que, após a sua transformação “num painel estruturado”, vai ser “exportada para o Brasil via marítima”.

O responsável disse ainda que “parte da fuselagem” do KC-390 “é feita” nas Oficinas Gerais de Material Aeronáutico (OGMA), o que, na sua opinião, constitui “uma grande oportunidade” para a indústria aeronáutica portuguesa e para a Embraer.

Questionado sobre a possibilidade de Portugal comprar estes aviões para substituírem os atuais Hércules C-130, Paulo Marchioto limitou-se a dizer que espera que haja “negócio com Portugal”, assim como “com muitos outros países”.

As duas fábricas de Évora da Embraer, o terceiro maior fabricante mundial de aviões comerciais, foram inauguradas a 21 de setembro 2012, após um investimento de 177 milhões de euros.

FONTE: Dinheiro Vivo / Lusa (Portugal)

IMAGENS: Embraer

COLABOROU: Marcos

VEJA TAMBÉM:

49
Deixe um comentário

avatar
44 Comment threads
5 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
11 Comment authors
bittMauricio R.MayuanJonerRinaldo Nery Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
joao.filho
Visitante
joao.filho

E a FAB? Ja pronunciou seu interesse em pelo menos 2 ou 3?

Marcos
Visitante
Member
Marcos

A coisa já está andando.
É provável, então, que outras peças e componentes também já estejam sendo produzidas e/ou já estejam na Embraer sendo unidas. É pena que a Embraer não venha disponibilizando informações à mídia. O mesmo se dá, por exemplo, com o Legacy 500. Houve época em que a companhia tinha uma página especifica para isso, onde vinha comunicando mensalmente tudo que era feito em relação a uma aeronave nova. De qualquer forma, todos na Embraer estão de parabéns.

Nick
Visitante
Member
Nick

No meu entender um programa semelhante ao KC-390 deveria ter sido aplicado para substituição dos M-III, F5E e futuramente os AMX. Talvez não um projeto saindo do zero, mas uma versão de algo existente como o Gripen ou o F-16.

[]’s

eduardo pereira
Visitante
Member
eduardo pereira

Assino embaixo Nick . Capacidade a Embraer tem de sobra pra surpreender o mundo da aviaçao militar com um caça ou multimissao nacional, porem, falta vontade politica do GF pois custa caro e a Embraer nao quer repetir a história da Engesa !!

Sds.Eduardo o observador.

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Se a Embraer teve capacidade, consorciada à outras empresas, de desenvolver o AMX, não vejo como não faria o mesmo no desenvolvimento de um caça.
Oportunidade não faltou.
E, importante, dinheiro também não.

Marcos
Visitante
Member
Marcos

A Embraer sempre esteve focada em três segmentos: Comercial, Executivo e Militar. Em que pese alguma exceção (ou erro meu), a cronologia sempre foi essa:

(M) Xavante
(C) Bandeirante
(E) Xingú

(M) Tucano
(C) Brasilia
(E) Vector

(M) AMX
(C) ERJ-145
(E) Legacy 600

(M) Super Tucano
(C) E-Jets
(E) Phenom

(E) Legacy 450/500
(M) KC-390
(C) E-2

Os próximos passos, no chute:

(E) Redesenho do Legacy 600/650
(M) um caça?
(C) ?

Marcos
Visitante
Member
Marcos

“Oportunidade não faltou.
“E, importante, dinheiro também não.”

– Faltou foi interesse político do Governo Federal.

eduardo pereira
Visitante
Member
eduardo pereira

Ta vendo Marcos depois desta colocaçao bacana que tu fizestes meu caro chegou-se na mesmissima conclusao, GF culpado por nossa obsolessencia em todas as esferas militares !!

Rinaldo Nery
Visitante
Member
Rinaldo Nery

Dentro do programa FX-2, a proposta da SAAB é única que insere a EMBRAER dentro do desenvolvimento do projeto. As demais só contemplam transferência de tecnologia.

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Rinaldo Nery

“… a proposta da SAAB é única que insere a EMBRAER dentro do desenvolvimento do projeto.”

O correto, nessas alturas, é INSERIA. Porque o Gripen NG já caminha a passos largos. Esse é mais um bonde que perdemos.

Rinaldo Nery
Visitante
Member
Rinaldo Nery

Concordo. É uma pena.

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Os próximos passos, no chute:

(E) Redesenho do Legacy 600/650: algo parecido com os novos Legacy 450/500, adotando sistema fly-by-wire e a mesma aviônica. Como disse, chute!

(M) um caça? Pode ser o LIFT com a Boeing. Mas a carroça tem de passar bem devagar, se não os lesados daqui perdem esse também.

(C) uma aeronave comercial para 130/160/190 passageiros em parceria com a Boeing, utilizando toda ou parte da tecnologia do Boeing 787. Isso se a cumpanherada não achar que a Embraer está muito próxima da Boeing, o que seria, conforme disse um “jornalista”, muito perigoso.

Marcos
Visitante
Member
Marcos

ou …

… a manufatura por aqui de um lote de 120 unidades do Super Hornet Advanced, com tanque conformal e baia ventral.

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Menos, Marcão, menos!

eduardo pereira
Visitante
Member
eduardo pereira

kkkkkkk !!! Calma bichin, todo dia entro no site PA,PN e Forte pra ,além de ver as novidades em excelentes matérias e compartilhar enquanto aprendo com os ninjas que comentam aqui, cheio de esperanças quem sabe ler a tao esperada noticia do resultado do projeto cuja sigla nao deve ser escrita e do prog. da MB mas………………………………………………………………………………………………………………

Sds.Eduardo o esperançoso.

Guilherme Poggio
Editor
Famed Member

Intenções de compra somam 28 unidades para a FAB, e isso já foi afirmado publicamente por FAB e Embraer em mais de uma ocasião.

Sim. Mas se considerarmos que o KC-390 é o substituto do C-130 na FAB e se esta substituição fosse na base 1:1, teríamos apenas 21 KC-390.

Portanto, se o FAB firmar uma encomenda de 28 aeronaves, teremos uma frota de transportes médios superior ao atual inventário.

Rinaldo Nery
Visitante
Member
Rinaldo Nery

O número 28 se baseia em estudo do EMAER para a capacidade de transporte das Forças de Ação Rápida do Exército Brasileiro para uma área de crise/conflito no território nacional. Ou seja, a FAB deve ser capaz de transportar essas Forças (Brigada Paraquedista, Brigada Leve Aeromóvel, Brigada de Operações Especiais) e também Grupos de Comunicação e Controle (GCC) da FAB num determinado prazo (algo em torno de 48 horas).

Rinaldo Nery
Visitante
Member
Rinaldo Nery

Vocês sabem por que a FAB adquiriu 99 aeronaves A-29? O número do EMAER era superior. Ao ser levado o estudo à apreciação do então Ministro da Aeronáutica, Ten Brig Lobo, o mesmo afirmou: ¨vocês acham que o Governo vai autorizar a compra de mais de 100 aeronaves?¨ Então definiu-se 99! Não é lenda… E um dos oficiais que queimou neurônios efetuando o estudo é o atual Secretário de Economia e Finanças da FAB, Ten Brig Franciscangelis.

Rinaldo Nery
Visitante
Member
Rinaldo Nery

Pode ser. O A-29 foi projetado numa epoca em que a EMBRAER passava por uma seria crise. A asa poderia ser outra, permitindo melhor desempenho. O aviao nao possui antiskid. A quantidade de pneus furados no inicio da operacao foi imensa. A FAB definiu o preco unitario, 6 milhoes de dolares, abaixo do que a EMBRAER queria. Tambem por esse motivo conseguimos adquirir 99 unidades. Desculpem a falta de acentuacao, digitei a partir do celular.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“…um programa semelhante ao KC-390 deveria ter sido aplicado para substituição dos M-III, F5E e futuramente os AMX.”

Com qual expertise???

Revell, Hasegawa, Heller ou Matchbox???

Pq vc só consegue fabricar aquilo que o seu nível tecnológico lhe permite, vc não fabrica um caça -3/+9G, c/ tecnologia de táxi aéreo.
Supersônico então…

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Rinaldo

Até onde sei (ou sabia) a asa do Super Tucano é nova, não simplesmente uma asa com reforço estrutural. Mesmas dimensões, evidente, mas com perfil, corda, etc, diferenciado.

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Mauricio

Acho que o Nick quis dizer que uma associação com outra companhia já detentora de expertise poderia ter gerado um caça nacional. Um exemplo seria a própria Saab.

Rinaldo Nery
Visitante
Member
Rinaldo Nery

Marcos,
A asa é a mesma do Tucano França. Só colocaram a metralhadora no local do farol. Há modificações estruturais, mas, no perfil, nenhuma.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Marcos,

Se vc não detem expertise, vc somente monta kits, que foram fabricados por outrem.
Vide a HAL da Índia e o Su-30MKI.
Ou mesmo o Xavante.

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Rinaldo

Short Tucano??

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

No EMB-312F, as longerinas seriam de titânio, a asa teria então uma vida util mais extensa.
Seriam 10000h versus 6000h da asa normal.

Joner
Visitante
Joner

Este avião é magnífico.

Nick
Visitante
Member
Nick

Caro Mauricio R, Como afirmei acima, se não temos a expertise necessária teremos de nos associar a quem tem. 🙂 Japão produz o F-2 (2x mais caro que o F-16 original), mas praticamente totalmente nacionalizado. A Turquia produz o F-16, Israel tem sua versão exclusiva, etc. Porque o Brasil que tem a 3ª indústria aeronáutica mundial, não pode ao menos desenvolver e produzir a sua versão, dentro de uma filosofia semelhante ao KC-390? Ou mesmo o M-2000 que foi desativado pela Dassault, uma versão BR mais leve, furtiva, com aviônicos no estado-de-arte? e em colaboração com alguns outros países para… Read more »

Nick
Visitante
Member
Nick

Ou então partir para o China Mod On: Copia tudo na cara dura e ignora as reclamações. 🙂

[]’s

Mayuan
Visitante
Mayuan

Nick, o problema é que quando se trata da Embraer, Maurício sempre gosta de minimizar as capacidades da empresa e seus funcionários.

Ignora ou mais provavelmente prefere ignorar que a história da aviação está cheia de exemplos de empresas que compraram licenças de fabricação, que contrataram engenheiros que possuíam o conhecimento que elas não tinham, que se associaram a outras para gerar complementaridade e etc, que evoluem enfim, adquirindo o expertise que desejam. Ainda bem inclusive pois viajar de Demoiselle para SP provavelmente seria muito demorado.

eduardo pereira
Visitante
Member
eduardo pereira

Nick
13 de novembro de 2013 at 16:32
Concordo com sua posiçao articulada no horario acima em genero,numero e grau .

Sds. Eduardo o observador .

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“Japão produz o F-2 (2x mais caro que o F-16 original), mas praticamente totalmente nacionalizado.” Produzia, e exceto pela aviônica, o radar, e o processo industrial de fabricação da asa, cujo design nem japonês é. Vem desde os tempos da GD. A turbina tb é totalmente americana. “A Turquia produz o F-16,…” A fuselagem central vem pronta dos EUA, é somente know how de produção. “…Israel tem sua versão exclusiva, etc.” São aeronaves fabricadas nos EUA, que diferem principalmente qnto a suite de guerra eletrônica. “Porque o Brasil que tem a 3ª indústria aeronáutica mundial, não…” Bela roba, termos a… Read more »

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Qnto a copiar descaradamente como a China faz, o menor dos problemas seriam as reclamações.
Agora as sanções, pela violação de direitos de propriedade intelectual, estas sim seriam bem reais.
Lembra do míssil “Roland”??? Pois é, seria bem pior.

Mayuan,

O KC-390 é o limite máximo, do expertise da Embraer.
Nem p/ reformar os F-5, A-4 e A-1, a empresa desenvolveu tecnologia própria, usou aquela pela qual a FAB pagou.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“…de empresas que compraram licenças de fabricação, que…”

A Embraer comprou a licença de fabricação do MB 326, montou 182 exemplares e depois???
Nada!!!

“…contrataram engenheiros que possuíam o conhecimento que elas não tinham, que…”

Max Holste, projetista do “MH-1521 Broussard”, participou da criação do “Bandeirante”, não deixou saudades por aqui.

Guilherme Poggio
Editor
Famed Member

A Embraer comprou a licença de fabricação do MB 326, montou 182 exemplares e depois??? Nada!!! Com a fabricação do Xavante a Embraer teve que aumentar o seu quadro de funcionários, que tinham que receber treinamento específico para a montagem de peças aeronáuticas. Estes funcionários (cuja qualificação não se encontrava em qualquer lugar aqui no Brasil) posteriormente envolveram-se em outras linhas de produção de outros produtos da Embraer (já devidamente treinados e capacitados). Mas não foi só na parte de mão de obra que o Xavante deixou o seu legado. A Embraer aprendeu a implantar uma linha de montagem de… Read more »

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Seria um desperdício se a Embraer tivesse material humano com conhecimento para desenvolver um caça supersônico para não fazê-lo.

Se o Governo Federal encomendasse o desenvolvimento de um caça junto a Embraer, o que ela faria? Iria ao mercado buscar profissionais para o projeto. É o que todo mundo faz.

A Apple decidiu desenvolver um novo produto o qual não tinha o o conhecimento nem material humano para desenvolver. Foi ao mercado à caça de engenheiros.

E porque a Embraer não projeta sozinha então um caça? Garanta um pedido de mil aeronaves e ela o fará.

Marcos
Visitante
Member
Marcos

A Embraer achou que fazer os E-Jets seria fazer o ERJ-145, só que maior. Não foi bem assim.

Cada nova aeronave é um novo desafio.

bitt
Visitante
Member

O debate aqui esclareceu uma série de questões interessantes sobre a indústria aeronáutica e – por extensão – de alta tecnologia. Mais interessante foram as colocações sobre o que pode ou que deixa de poder a Embraer, ou seja – vai uma enorme distãncia (em todos os sentidos) entre projetar um avião e copiar um avião. Uma questão interessante a acrescentar (creio eu) é relativa ao ferramental que povoa a linha de montagem de uma aeronave. Seria interessante esclarecer, por exemplo quanto ao Xavante, de onde veio o ferramental, pq sabemos bem que se tratava de um projeto já bastante… Read more »

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Biit

A Embraer ficou com a execução de 1/3 do AMX. Fala-se que os italianos, conhecedores já dos problemas nos desenvolvimentos, empurraram para a Embraer a parte mais difícil.

bitt
Visitante
Member

Pois é – é o que se costuma dizer. Mas conversei com gente que disse que a convivência com os italianos foi um inferno, que eles não permitiam a entrada de brasileiros em certas reuniões e que mesmo as partes que seriam responsabilidade brasileira só foram executadas pq o pessoal da Macchi, que tinha grandes interesses na parceria brasileira “deu uma força”. Também foram contratados estudos por consultores europeus – o que por sinal a EMB já tinha feito com relação ao Bandeirantes e o próprio 326. O problema então era o mesmo que hoje em dia – se bem… Read more »

Nick
Visitante
Member
Nick

Caro Mauricio R, Grato pelos observações. 🙂 Mas não muda o fato que esses países fizeram mais do que montar kits vindo dos EUA. Japão não perdeu tempo e está desenvolvendo seu ATD-X Turquia participa ativamente no programa F-35. Israel tem toda uma indústria eletrônica que permite permite por exemplo, exportar soluções de modernização, inclusive tendo a FAB como uma de seus grandes clientes. O Brasil e a FAB sempre pensou em nacionalizar seus aviões, a começar pelo Bandeirante, Xingu, Xavante, T-27, A-29, AMX, E-99, etc. Agora está em um grande programa que vai eventualmente substituir seus C-130. Qual o… Read more »

bitt
Visitante
Member

Nunão, o projeto das Inhaúma foi detalhado aqui, mas a base – ou seja, o projeto das obras vivas, balanceamento dinâmico, arquitetura interna, foi feito fora – nos anos 1970-1980 não havia tal expertise aqui.A partir de 1977, se bem lembro, houve um amplo acordo de transferência de tecnologia e treinamento de pessoal, que tornou possível o detalhamento aqui, mas não todo o projeto. Vc deve conhecer o problema do embarque de água em mar grosso, que, nas Inhaúma, derivou do desenho da roda-de-proa e das bochechas, o que indica um navio pensado para águas mais restritas que as do… Read more »

bitt
Visitante
Member

Muito bem, cara. Tenho pesquisado esses temas tem alguns anos. Coloque, qq hr dessas, um post lá no PN sobre os submarinos, e a gente prossegue o debate em águas mais adequadas…Qto às fontes, acho difícil, conhecendo a MB como conheço – e vc conhece melhor que eu… – q algum almirante admita abertamente as lambanças q têm sido feitas nas últimas décadas, no q tange aos meios flutuantes. É impossível considerar certos aspectos sem recorrer aos civis que trabalharam nos projetos. Tenho lido as matérias q saem na FD sobre o assunto, e elas são excelentes por abrirem a… Read more »