Home Noticiário Internacional Saito é convidado para debater F-X2 no Senado

Saito é convidado para debater F-X2 no Senado

186
16

F-X2 want-to-believe

A aquisição, pela Força Aérea Brasileira (FAB), de 36 aeronaves de caça estrangeiras com transferência de tecnologia para o Brasil é o tema da audiência pública que a Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) realiza na terça-feira (13), às 14h30. O convidado para o debate é o comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro-do-ar Juniti Saito. Logo depois, a segunda parte da reunião será deliberativa, para que sejam sabatinados os embaixadores indicados para Holanda e Japão.

Como lembra o presidente da CRE, senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), na justificação de seu requerimento que pediu a realização da audiência, o chamado Projeto FX-2 da FAB arrasta-se desde 2001, tendo esse primeiro processo se encerrado em 2005.

A nova fase do Projeto FX-2, explica o senador, começou em 2008 e consiste na aquisição de 36 aeronaves de caça “de múltiplo emprego”, incluindo itens como os simuladores de voo correspondentes, a logística inicial e a transferência de tecnologia “necessária para a capacitação do parque industrial aeroespacial brasileiro no desenvolvimento de um caça de quinta geração”.

Logo depois da reativação do projeto, diz Ferraço, a Estratégia Nacional de Defesa enfatizou que a compra desses aviões de guerra deveria ter como característica prioritária a transferência de tecnologia para o Brasil por parte do país escolhido como vendedor. O objetivo é que essa transferência tecnológica ajude no desenvolvimento das capacitações tecnológicas nacionais, de modo a eliminar, progressivamente, a compra de serviços e produtos importados, e possibilitar a produção nacional de um caça.

Também em 2008, o Estado-Maior da Aeronáutica emitiu relatório selecionando três aeronaves como possíveis objetivos de compra do Brasil: Boeing F-18E/F Super Hornet (norte-americano), Dassault Rafale F3 (francês) e Saab Gripen NG (sueco).

Ferraço explica ainda que, devido aos sucessivos adiamentos, as ofertas apresentadas pelas empresas estrangeiras para venda de seus aviões vencem este mês, (*) o que ocasionará renovação das ofertas.

“Além disso, o que também causa grande preocupação é a previsão de desativação dos Mirage 2000 em dezembro deste ano. Por fim, caso não sejam autorizadas as aquisições, pode-se concretizar um vazio inaceitável em termos de capacidade de defesa do espaço aéreo brasileiro”, conclui Ferraço na justificação do requerimento.

Os aviões de caça Mirage 2000 que pertencem ao Brasil serão aposentados no último dia de 2013, fato que preocupa o senador em virtude da possibilidade de a compra das novas aeronaves não ser concretizada ainda este ano. Os seis Mirage 2000 ainda em funcionamento estão baseados no 1º Grupo de Defesa Aérea, em Anápolis (GO), e têm como principal tarefa a defesa da capital federal.

Desde 2008, diversos representantes de Suécia, Estados Unidos e França compareceram em audiências públicas no Senado para defenderam a compra de seus aviões. A empresa norte-americana Boeing chegou a instalar um simulador profissional de voos do Super Hornet no Salão Branco do Congresso.

Votações

Após a audiência pública sobre a compra das aeronaves caça, os senadores da CRE farão a sabatina de dois embaixadores. O primeiro é o diplomata Piragibe dos Santos Tarragô, indicado pela Presidência da República para exercer o cargo de embaixador do Brasil na Holanda. O segundo é o diplomata André Aranha Corrêa do Lago, indicado para a embaixada brasileira no Japão.

FONTE:
Agência Senado

(*) NOTA DO EDITOR: na reportagem publicada pela revista Jane’s Defense Weekly sobre o F-X2, foi dito que as propostas vencem no final de setembro e não no final deste mês e a renovação das mesmas pode não acontecer, gerando automaticamente o fim do programa F-X2.

VEJA TAMBÉM:

16 COMMENTS

  1. Tudo bem que o TB é um cara sério, com um currículo exemplar na Força, mas bem que ele podia “abrir o coração” e chutar o balde.

    A gota d’água pra mim de que esse governo não dá a mínima pra Defesa do Estado Brasileiro foi esse episódio de ontem:

    http://www.forte.jor.br/2013/08/08/exercicio-de-tiro-real-do-exercito-perto-de-brasilia-irritou-dilma/

    Sinceramente acredito que a nota do Poggio está se concretizando.

    Ah, “Visita de Estado” da Madam President[a] em Outubro? Vão ser as mesmas conversas “lisas” de sempre, sobre biocombustíveis, fontes renováveis de energia, políticas de proteção ao meio ambiente, maior inclusão da América Latina na pauta americana, compromisso dos países desenvolvidos, a Paz Mundial, etc., etc., etc.

    “FX? Aaahhh sim, assisto algumas vezes na semana.” (ROUSSEFF, 2013, p. 666)

  2. Eu fico imaginando o que seria escrito aqui no PA se em setembro o Dirmão resolver bater o martelo na aquisição dos caças; não que vai acontecer; seria algo, ah esse ai é melhor até que enfim esse governo fez algo de certo, ou, há escolheram o mais caro esse governo não faz nada certo, ou então o de custo mas condizente com nossa realidade, esse governo não sabe o que faz.
    Vou ligar para o SAC da rede bobo para sugerir que este tema entre pauta e indicar o PA como convidado para debater, afinal sempre tem uma b0st4 de novela para usar a FAB ou algum repórter fazendo matéria sobre nossa aviação e outros delírios jornalísticos.

  3. Texto enviado a Globo New Painel, alguém poderia fazer o mesmo para outro programa.
    ===
    Boa noite, tenho acompanhado alguns dos programas principalmente no que diz respeito ao Brasil em relação ao cenário econômico e político, e suas implicações na região. Esta semana a Argentina iniciou uma conversa com a Espanha para adquirir Mirage F1M, a Venezuela opera caças da Su-30, Chile F-16 e em dezembro os nossos Mirage deixarão de voar. Não seria um este um momento para convidar alguns jornalista que conhecem este assunto para debater o programa FX-2 sobre a ótica de qual aeronave seria mais indicada para a FAB.
    Como sugestão de debatedor, alguém do site Poder Aéreo, pois é um dos site com mais visitantes da WEB.

  4. A manutenção por longos períodos dos comandantes militares pelo atual governo, que alguns elogiam como dizendo haver uma saudável continuidade de projetos de longo prazo, também pode ser interpretada como um nada saudável comodismo.

  5. Eu quero ver ao menos uma vez alguma dessas comissões do Congresso funcionando e usando o método torniquete. Tem de espremer até sair alguma coisa. Não importa que a decisão esteja nas mãos da presidente, o comandante da FAB tem que expor a situação real da aviação de caça.

  6. Gosto muito do senhor Sato, mas infelizmente não o vejo apresentando a situação real de desespero e obsolecência da FAB. Acho que vamos ouvir a mesma conversa de sempre de que está tudo bem, que temos um ótimo vetor com os F-5 da Jordânia, o projeto KC-390 avançando e etc. O que precisamos neste momento é um comandante da FAB como o caracter do Jack Nicholson no filme A Few Good Men, que entre nessa audiência e grite, na voz mais alta possivel: “You want the truth? You can’t handle the truth!!!”

  7. Não ligam nem um pouco para esse assunto, já estão pensando nas eleições do ano que vem, não vai sair nada.
    A única maneira de sair dinheiro para as forças, é uma ameaça real ao Brasil, quando SU-30 ou F-16 estiverem passeando sobre o território brasileiro e cruzar com um voo da Dilma, talvez a verba apareça, mas só se o comandante do jato presidencial fizer uma manobra brusca e derramar o drink do Dilmão!!!!

  8. Joner disse:
    10 de agosto de 2013 às 12:54

    Verdade, imagina o pit da cidadã, rsrsrs – Nós teremos que tomar uma PORRADA internacional muuuuito grande para algumas coisas “caírem” no lugar certo, até lá, segue o enterro.

    Abraço.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here