Home Indústria Aeroespacial IAI assina contrato com Lockheed Martin para produzir asas do F-35

IAI assina contrato com Lockheed Martin para produzir asas do F-35

350
2

F-35 voando em elemento - foto jsfmil

A estatal aeroespacial israelense IAI (Israel Aerospace Industries) assinou um contrato com a norte-americana Lockheed Martin para produzir asas para o caça F-35. As informações noticiadas nesta terça-feira, 23 de abril, são da Reuters.

O potencial de vendas do contrato pode atingir 2,5 bilhões de dólares, e sua duração deverá estar entre 10 e 15 anos, conforme informou a IAI nesta terça-feira. As entregas das asas começarão em 2015. A linha de produção das asas começou a ser montada recentemente pelas duas empresas, com investimentos da IAI nas tecnologias e sistemas necessários.

linha de montagem do F-35 - foto jsfmil

linha de montagem do F-35 - foto 2 jsfmil

Segundo o diretor executivo da IAI, Joseph Weiss, “este acordo representa um importante marco para a IAI e assegura seu envolviemnto no mais avançado avião de caça do mundo”. O centro de produção de asas Lahav, da empresa, já produz asas para o F-16 da Lockheed Martin e para o treinador a jato T-38 da Força Aérea dos EUA.

FONTE: Reuters (tradução e edição do Poder Aéreo a partir de original em inglês)

FOTOS: jsf.mil

VEJA TAMBÉM:

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos
Marcos
7 anos atrás

Brasil, como sempre, fora!
A preferência é aquele “baita” negócio com os franceses, que além de pagarmos mais caro, não recebemos nada em troca.
Por isso é que sempre digo, o melhor é pedir compensações comerciais em três áreas distintas com empresas de CAPITAL NACIONAL: estrutura, eletrônica e motores, mais abertura de códigos fontes para implantação de armas. Só!

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
7 anos atrás

Fica a pergunta: será que no FX-2 poderia a EMBRAER fabricar não apenas as asas dos nossos SHs como também de outros aparelhos destinados à USN e à RAAF? E poderia também aumentar o grau de envolvimento da mesma com o SH? E isso não é melhor que a “transferênfia di tequinúlugia” da Dassault?