LAAD 2013: turbojato brasileiro deverá equipar o AVMT-300 da Avibras

    2279
    44

    TJ1000 - imagem Polaris

    Primeiro motor turbojato brasileiro é apresentado na LAAD pela Polaris, uma pequena empresa brasileira

    Segundo reportagem da Flightglobal publicada na quarta-feira, 10 de abril, a Polaris apresentou na LAAD 2013 o primeiro motor turbojato projetado e fabricado no Brasil, e que deverá começar a preencher uma lacuna crítica na base industrial aeroespacial brasileira. O motor TJ1000 é da classe de 1.000 libras de empuxo (4.45kN) e tem peso de 70 quilos (154 libras).

    Nos próximos três a quatro meses, a Polaris espera iniciar os testes de voo do motor no míssil de cruzeiro Avibras AVMT-300 Matador, segundo seu diretor Malrum Medici. A Polaris foi fundada em São José dos Campos em 1999, por engenheiros que trabalhavam na Embraer.

    componente de turbo jato - foto Polaris

    O  TJ1000 apresenta um compressor axial de quatro estágios, numa peça única de alumínio, e turbina de um estágio. O motor visa um crescente mercado no Brasil para turbojatos destinados a equipar mísseis, alvos aéreos e aeronaves remotamente pilotadas. Além do míssil AVMT-300, a empresa vê uma oportunidade de adaptar o motor para uma arquitetura turboélice, visando no curto prazo equipar o UAV Falcão da Avibras. O projeto do Falcão foi recentemente absorvido pela parceria Harpia, entre a AEL Sistemas e a Embraer.

    No longo prazo, a Polaris pretende oferecer uma versão certificada para aeronaves, visando substituir motores Pratt & Whitney Canada PT6 do treinador básico T-27 Tucano. Um projeto do tipo necessitaria de apoio governamental devido aos custos de certificação, disse o diretor Malrum Medici.

    componentes de turbo jato - foto Polaris

    FONTE: Flightglobal (tradução e edição do Poder Aéreo a partir de original em inglês)

    IMAGENS: Polaris

    COLABOROU: Clésio

    VEJA TAMBÉM:

    44
    Deixe um comentário

    avatar
    39 Comment threads
    5 Thread replies
    0 Followers
     
    Most reacted comment
    Hottest comment thread
    16 Comment authors
    Mauricio R.Fernando "Nunão" De MartiniGilberto Rezendejoseboscojrci_pin_ha Recent comment authors
      Subscribe  
    newest oldest most voted
    Notify of
    Rafael M. F.
    Visitante
    Rafael M. F.

    Legal! Souberam identificar um nicho e estão investindo nele!

    Mas a CELMA não projeta? Ou somente fabrica/monta/revisa?

    Rafael M. F.
    Visitante
    Rafael M. F.

    E o interessante é que ela parece ter poucas peças – o que significa baixa complexidade e maior confiabilidade.

    ernaniborges
    Visitante
    ernaniborges

    Se alguém neste país ainda duvidava, está provado que sim, nós somos capazes.
    Se quisermos e o governo não atrapalhar, podemos tudo aqui fazer.

    Soyuz
    Visitante
    Member
    Soyuz

    Agora o que deve ser feito é desenvolver programas que permitam a este propulsor ter demanda assegurada e ser colocado em produção. É comum no Brasil vermos “novidades” no campo de defesa mas se puxar pela memória (e temos pouca) percebe-se que no passado já houve esta capacidade. Se um dia a MB produzir um torpedo nacional, muitos irão comemorar o feito, mas poucos irão lembrar que nos anos 50 já saíram das oficinas da MB torpedos fabricados no Brasil. Agora vivemos a “onda” dos VANT´s nacionais, mas a 30 anos já existia um protótipo de VANT local, inclusive com… Read more »

    Marcos
    Visitante
    Member
    Marcos

    Soyuz

    Isso que eu ia comentar!
    Especificamente sobre o motor e o vant, na década de oitenta já tínhamos o aparelho e o motor, totalmente fabricados aqui.

    O aparelho fez seu primeiro (e acho que único vôo) em 1983. Era o CTA/CBT BQM1BR, com peso máximo de 90 kg,, velocidade de 560 km/h, motor com empuxo de 30 kg.

    Lembrando que lá da década de 50 também desenvolvemos um helicóptero, mas…

    Marcos
    Visitante
    Member
    Marcos

    Ou seja, trinta anos depois estamos fazendo a mesma coisa.

    asbueno
    Visitante
    Member
    asbueno

    O BQM1BR está exposto no “Asas de um Sonho” em Sanca City.

    É possível dizer que esta turbina poderá ser um degrau para algo maior? Sim, eu sei, a demanda é quem manda.

    Clésio Luiz
    Visitante
    Active Member
    Clésio Luiz

    A relação peso-potência está boa, 6,49:1, na média de turbofans (e esse é um turbojato, menos eficiente) sem pós-queimador que estão no mercado. Se a construção de aeronaves a jato é algo que poucos países fazem, motores a jato é algo mais raro ainda. Seria ótimo se o governo enxergasse o quão importante é esse setor da indústria, não só de defesa, mas a indústria como um todo, pois o uso de turbinas é algo generalizado, aplicando-se a geradores, navios, tanques e um sem fim de aplicações. Eu espero que essa empresa procure logo desenvolver projetos na área civil, para… Read more »

    Rafael M. F.
    Visitante
    Rafael M. F.

    Clésio Luiz disse: 11 de abril de 2013 às 16:00 “Eu espero que essa empresa procure logo desenvolver projetos na área civil, para evitar cair na dependência sabiamente suicida do Governo Federal.” A Polaris tembém tem um projeto de turbogeradores: “Turbogerador TG1000 Stationary gas turbine for application in waste burrials, uses the residual natural gas produced by MSW as fuel. Capable of providing up to 1000 kW of shaftpower, can be used together with an electrical generator to provide electrical power, giving a good destination to MWS residual gas. The engine has a 6:1 compression rate compressor, annular combustion chamber… Read more »

    Rafael M. F.
    Visitante
    Rafael M. F.

    “Se um dia a MB produzir um torpedo nacional, muitos irão comemorar o feito, mas poucos irão lembrar que nos anos 50 já saíram das oficinas da MB torpedos fabricados no Brasil.”

    Vou mais longe: em 1902, a Marinha já estava tentando projetar um submarino. Há uma maquete dele, se não me engano, ou no Museu Naval ou no Espaço cultural da Marinha

    denis santana
    Visitante
    Member
    denis santana

    Off Topic!!!

    Apenas para descontrair, ou talvez algo mais rsrs.

    http://www.youtube.com/watch?v=IAQk1mifa-4&feature=player_detailpage

    Vader
    Visitante
    Member

    Boa notícia, mas o caminho ainda é muuuuuito longo pra fazer festinha. E pra servir pra todas essas aplicações aí, que vão de míssil a turbohélice, no famigerado passo de tartaruga brasileiro, vão-se brincando uns 15 anos. Não entendi essa de equipar o “Matador”. Cadê o Bosco? 🙂 Agora, espero que a empresa faça o desenvolvimento com recursos das aplicações CIVIS de sua turbina; um acordo com a Embraer para um futuro desenvolvimento de turbina para equipar suas aeronaves, por exemplo. Porque se ficar esperando o maná do governo não só a Polaris irá quebrar a cara como isso aí… Read more »

    Marcos
    Visitante
    Member
    Marcos

    Um ensaio para o futuro:

    Se der certo, vem uma GE da vida e compra!!!

    Gilberto Rezende
    Visitante
    Member
    Gilberto Rezende

    Esta reportagem me tirou uma dúvida que eu tinha desde o anúncio do desenvolvimento do AVMT-300 Matador. A bela “atochada” que o presidente da Avibrás deu dizendo que a turbina do míssil da Avibrás teria sido desenvolvida na própria Avibrás. Na época estranhei a afirmação pois nunca houvera qualquer notícia que a empresa tivesse desenvolvimento na área ou expertise em turbinas aeronáutica e eu só conhecia o desenvolvimento da Polaris/ITA. AGORA fica esclarecido que a turbina que equipará o míssil da Avibrás é o desenvolvimento da Polaris, ou seja em turbinas aeronáuticas só há a Polaris neste campo. Segundo se… Read more »

    HMS TIRELESS
    Visitante
    Member
    HMS TIRELESS

    Giba:

    Existe uma diferença muito grande entre posto que enquanto o motor brasileiro é um turbojato, a americana é um turbofan como a própria designação (F-107) entrega. Inclusive existe uma versão civil da mesma utilizada em alguns Jatos Executivos Leves. Certamente a Willians F 107 possui um consumo bem menor, o que inclusive se reflete no longo alcance do Tomahawk.

    Nick
    Visitante
    Member
    Nick

    O maior perigo é se começar a dar certo.

    Como o Marcos citou, se a empresa der certo, e turbina começar a ser produzida em série, poderemos ver a Polaris como uma controlada de uma GE, PW ou R&R.

    []’s

    Soyuz
    Visitante
    Member
    Soyuz

    Soma-se ao fato que o diâmetro da FT-107 é para cumprir especificações de diâmetros do BQM-109 que por sua vez refletem nas capacidades do míssil como o lançamento de tubos de torpedo ou de sistemas VLS. Como o diâmetro da turbina impacta diretamente na área frontal do míssil e esta por sua vez é diretamente proporcional ao arrasto. Turbinas de maior diâmetro acarretam em maior arrasto. Também como citado pelo Tireless existe uma diferença de consumo especifico, onde normalmente se aceita que um turbo fan de mesma tecnologia que um turbojato apresente menor consumo especifico de combustível. Considerando que o… Read more »

    Baschera
    Visitante
    Member
    Baschera

    Afora as dúvidas suscitadas pelos colegas, eu tenho mais duas:

    “….visando substituir motores Pratt & Whitney Canada PT6 do treinador básico T-27 Tucano.

    Mas o T-27 nem mais é fabricado…. !!

    E se os colegas derem uma olhadinha no protótipo do AVTM-300, que é uma espécie de cópia do Exocet, e que foi amplamente divulgada, não se vê entradas de ar para alimentar a turbina….

    Sds.

    ci_pin_ha
    Visitante
    ci_pin_ha

    Se o AV-TM 300 poder ser lançado a partir dos futuros meios navais, isso dará uma altíssima capacidade a MB. Será que poderiam ser adaptados aos submarinos e a aeronaves?

    joseboscojr
    Visitante
    Active Member
    joseboscojr

    Baschera e Vader, Apesar de terem colocado como sendo o Matador um míssil semelhante ao Exocet creio que foi engano de quem fez o fôlder e pra mim vale a primeira configuração apresentada lá no tempo do onça. Aquela que aparece o dito cujo sendo lançado de um ASTROS. Mesmo porque não tem como um míssil cruise das dimensões do Exocet e sem ter um motor aspirado ter 300 km de alcance. Forçosamente o Matador terá um motor turbojato ou turbofan. No caso, definiram ser um turbojato como atesta o artigo. Como os colegas colocaram há vantagens e desvantagens nos… Read more »

    joseboscojr
    Visitante
    Active Member
    joseboscojr

    Em mísseis americanos propulsados por turbinas em geral os de maior alcance (acima de 500 km) são propulsados por turbofans, havendo alguns propulsados por turbojatos, mas os de menor alcance são sempre propulsados por turbojato.
    Ou seja:
    Alcance acima de 500 km: turbofan ou turbojato
    Alcance abaixo de 500 km: turbojato.

    Gilberto Rezende
    Visitante
    Member
    Gilberto Rezende

    O Matador em sua versão nativa no sistema Astros 2020, não precisa ser tão esbelto quanto o Tomahawk. Como OFICIALMENTE o alcance do AVMT-300 ficará “limitado” a 300 km pelos tratados internacionais a opção por um motor mais veloz em relação ao turbofan do Tomahawk faz todo o sentido. Em todo sistema de míssil cruise com turbinas o alcance total é função dada pelo consumo do seu propulsor e a quantidade de combustível que seu míssil pode levar. SE eu fosse projetista do AVMT-300 e as características velocidade/consumo do propulsor permitirem, eu o projetaria mais gordinho e mais CURTO possível… Read more »

    Gilberto Rezende
    Visitante
    Member
    Gilberto Rezende

    Errei !

    Os turbojato tendem a equipar os de menor alcance (mas mais velozes)…

    Mauricio R.
    Visitante
    Mauricio R.

    Pô, nem bem anunciou a novidade e já vem querendo se encostar na União!!! Só podia ser parceiro da Encostada, aka Avibrás. Agora qnto a pretenderem bater de frente contra a PT-6… Ah, tá explicado, os caras vieram da Embraer. Megalomania pouca, é bobagem. Que tal voltarem qndo puderem oferecer a mesma confiabilidade, disponibilidade e os mesmos custos operacionais??? Qnto a polêmica a respeito da entrada de ar, tanto no Tomahawk como no Harpoon esta não é exposta, mas uma abertura na própria fuselagem do míssil. Então p/ a configuração do Matador mostrada na revista, um booster será necessário. Como… Read more »

    Marcos
    Visitante
    Member
    Marcos

    Olha ai a criança funcionando:

    http://www.youtube.com/watch?v=YmPgO0EjQO4

    joseboscojr
    Visitante
    Active Member
    joseboscojr

    Nunão, Mas foi essa que eu levei em consideração e que disse ser do “tempo do onça”. rsrsss Só que há um fôlder oficial mais recente que mostra um suposto Matador onde parece ter um Exocet e nele não havia tomada de ar, daí a confusão que talvez tenha motivado o Vader a dizer que não havia entendido, às 19:59 de ontem. Maurição, Deve-se salientar que apenas o Tomahawk Block IV não tem uma tomada de ar saliente, ficando a mesma embutida na célula. Todas as outras versões do Tomahawk têm tomadas de ar ventrais salientes. É dito que o… Read more »

    joseboscojr
    Visitante
    Active Member
    joseboscojr

    Off-topic, mas nem tanto. rrsrs Sobre turbinas em mísseis cruise é fato curioso que um turbojato sem pós combustor foi testado a Mach 4 e em distância de mais de 1000 km num programa denominado RATTLRS. O turbojato usava um conceito muito parecido com o usado no SR-71, de ciclo variável, que se comporta meio como um ramjet em altas velocidades. O projeto terminou e até agora nada de útil parece ter surgido, embora tenha ficado a certeza que o conceito funciona, demonstrando ser possível um míssil variar sua velocidade de subsônica baixa para supersônica alta (o que não é… Read more »

    Gilberto Rezende
    Visitante
    Member
    Gilberto Rezende

    Apesar de antiga, a foto apontada pelo Fernando está mais perto da verdade pois com o diâmetro da turbina da Polaris a solução só pode ser mesmo coloca-la a centro com uma tomada de ar em anel maior que o diâmetro do míssil. E Fernando não tem essa de “testar” o motor no míssil, que conste não tem plano B, se não fizerem o míssil funcionar com ESSA turbina não tem míssil nenhum tão cedo… E com esse diâmetro de admissão não há outra configuração viável para colocar a turbina no míssil que não seja similar a da foto do… Read more »

    joseboscojr
    Visitante
    Active Member
    joseboscojr

    Mas há uma outra configuração do AV-TM 300 Matador, o que traz uma série de questionamentos: Essa é a configuração muito comum hoje em dia na internet e foi a que me referi antes, com 4 asas curtas e sem uma tomada de ar visível. E na foto está claramente o nome AV-TM 300 (ou seria AVMT 300 ?) A designação do míssil também está meio confusa. O certo é que essa configuração de asa curta não é comum a um míssil de cruzeiro com exceção dos mísseis anti-navios sea-skimming que voam subsônico a poucos metros acima do nível do… Read more »

    Mauricio R.
    Visitante
    Mauricio R.

    joseboscojr disse:
    12 de abril de 2013 às 15:53

    De fato, Bosco.

    joseboscojr
    Visitante
    Active Member
    joseboscojr

    Pois é Nunão. Agora interessante que essa versão parecida com um “Exocet com um booster grudado no traseiro” parece mesmo um míssil antinavio e não um míssil de cruzeiro de ataque terrestre. Com esse perfil aerodinâmico apropriado para voo subsônico alto em baixa altitude (ou supersônico em alta altitude) e as 4 asas curtas, ele tá muito estranho para um míssil de cruzeiro que se quer de ataque terrestre, que em geral voa em velocidade subsônica baixa e média e deve ser capaz de voar a altitudes maiores que alguns metros acima do nível do mar, precisando de asas maiores… Read more »

    joseboscojr
    Visitante
    Active Member
    joseboscojr

    Nunão, Mas a confusão de denominação se dá principalmente pela omissão da próprio Avibras que em seu site oficial sequer cita esse produto e mostra apenas um tímida e pequena foto clássica do Matador (as letrinhas, hifens e travessões eu dispenso) deixando o lançador do Astros. E isso pode parecer sem importância e fazer tanta diferença quanto o Carrara Táxi, mas por outro lado pode passar a um potencial cliente uma certa insegurança, já que os custos envolvidos e as implicações da compra são um pouco maiores que os de uma corrida de táxi. E depois não poderemos reclamar se… Read more »

    joseboscojr
    Visitante
    Active Member
    joseboscojr

    Nunão,
    Empresas que lidam com tecnologia de ponta como a Avibras e a Mectron tinham que ter sites mais sofisticados e completos, ao estilo do que querem desenvolver, afinal, não são salames que querem vender, afinal, não dizem que “a propaganda é a alma do negócio”?
    Já o da Embraer é bem sofisticado.
    Quanto aos problemas com a denominação certa parece que não é relativo só a produtos,mas também em relação às pessoas. Meu nome é Bosco e não Poggio.
    Mas quanto a esse equívoco, me sinto lisonjeado.
    Rsrsrs
    Um abraço.

    Baschera
    Visitante
    Member
    Baschera

    Senhores,

    A designação da Avibrás mudou para AV-TM 300 (AV=Avibrás, TM= Tactical Missile, 300= Alcance 300 Km)) quando antes era AV-MT 300….

    Ou seja, apenas passou do português para o inglês…..

    O apelido do antigo design do míssil, “matador”, foi cunhado por um conhecido jornalista….a mais ou menos 10 anos atrás.

    Sds.

    Baschera
    Visitante
    Member
    Baschera

    Bosco, Como voce colocou, era isto que eu me referia anteriormente, quando fiz a pergunta de o AV-MT 300 não estaria muito semelhante em termos de concepção ao Exocet frances, cuja motorização do arsenal da MB foi recentemente atualizada e modernizada pela própria Avibrás. Na foto que vc colocou da nova concepção do míssil (aquela mostrada no seu post das 23:06 hs) se pode ver a semelhança a que me refiro quando vc comparar com a arte de um Exocet da nova versão (MM-40 Block 3), abaixo: Ou esta aqui do mesmo míssil francês : Daí, além de concordar com… Read more »

    joseboscojr
    Visitante
    Active Member
    joseboscojr

    É isso mesmo Baschera. Quanto à “cloaca”, só se for localizada como no Harpoon: Se essa for a configuração definitiva do AV-TM 300 tudo indica que houve uma mudança no projeto de 360º e o que antes parecia ser um míssil mais lento e mais furtivo, que podia grudar no solo parece que ganhou velocidade e voa mais alto sobre a terra. Seu design semelhante ao de um Exocet lhe impossibilita de contornar o terreno e não é eficiente em velocidades subsônicas baixas. Um míssil cruise típico voa entre Mach 0.5 e 0.8 e essa configuração parece ser mais apta… Read more »