Home Aviação de Transporte Embraer diz que preço de KC-390 irá ‘incomodar a concorrência’

Embraer diz que preço de KC-390 irá ‘incomodar a concorrência’

263
36

KC-390 em pista semipreparada - ilustração Embraer

vinheta-clipping-aereoO preço do jato de transporte militar da Embraer KC-390 será competitivo e irá “incomodar a concorrência”, disse o presidente da Embraer Defesa e Segurança, Luiz Carlos Aguiar. A fabricante de aviões brasileira está desenvolvendo o KC-390 sob contrato com a Força Aérea Brasileira (FAB) e espera fazer o primeiro voo teste no segundo semestre de 2014. No fim de março, a Embraer concluiu com a FAB a revisão crítica de projeto, para iniciar a fase de produção do protótipo.

“O que a gente pode falar é que é um preço competitivo. Em termos de preço, nós vamos incomodar. A concorrência vai estranhar”, afirmou Aguiar à Reuters, antes da participação da empresa em uma feira de defesa e segurança no Rio de Janeiro. “O preço depende da configuração do avião, da demanda específica de cada cliente. É muito dificil a gente dizer um preço. Tem uma série de detalhes que muda o preço do avião”, acrescentou, sem dar mais detalhes.

O KC-390 é visto como um possível substitudo a versões mais antigas do C-130 Hercules, da Lockheed-Martin. A Embraer deve divulgar nesta terça-feira um novo estudo de marcado para o avião. “A gente está fazendo um estudo novo, atualizando tudo o que aconteceu, e vamos dar uma visão de mercado nova pra todo mundo”, afirmou Aguiar.

Quando apresentou o projeto de seu cargueiro, em abril de 2009, a Embraer via demanda global de 700 unidades para a aeronave em 15 anos e disse que pretendia ter um terço do total. A projeção feita anos atrás não incluía mercados importantes como os Estados Unidos, que devem agora ser incorporados às novas estimativas depois que a Embraer fez, em junho passado, um acordo com a Boeing BA.N para que a gigante norte-americana dê suporte comercial para a venda do KC-390.

A Embraer tem assinadas algumas cartas de intenção de compra do cargueiro, além da FAB, por outras forças aéreas de países que são parceiros no projeto, como Argentina, Portugal e República Tcheca. A fabricante de aviões espera anunciar a primeira encomenda do jato de transporte militar KC-390 no primeiro trimestre de 2014, segundo Aguiar.

KC-390 lançando cargas - imagem Embraer em bx resolução

“As formas da aeronave ja estão definidas e também todas as questões relacionadas à competitividade da aeronave. A partir de agora, vamos sair para contratar as vendas da aeronave. No primeiro trimestre do ano que vem a gente deve anunciar a primeira venda”, afirmou.

“O KC-390 tem mercado em mais de 70 países… Os países da América Latina em geral, da África e do sudeste asiático são metas nossas a perseguir em um primeiro momento.”

FONTE: Uol

IMAGENS: Embraer

COLABOROU: Marcos

NOTA DO EDITOR: já havíamos utilizado a imagem no alto em 18 de março para ilustrar a matéria que abre a lista a seguir, mas era uma imagem em tamanho reduzido (assim como outras que apareceram aqui no Poder Aéreo antes de outros lugares, porém em resolução menor, e que depois foram disponibilizadas em tamanho maior).

Recebemos recentemente da Embraer diversas imagens da aeronave em tamanho grande (incluindo esta que abre a matéria), e adaptamos para um tamanho compatível com esta página da internet, para que os leitores possam clicar e ver mais detalhes agora (clique na ilustração para ampliar). Colocamos também aqui outra imagem do KC-390 lançando cargas pela rampa traseira, mas ainda em resolução menor. Logo que recebermos a mesma em tamanho maior, colocaremos aqui no Poder Aéreo para ser ampliada e permitir a visualização de mais detalhes, em novas matérias sobre o KC-390.

VEJA TAMBÉM:

36 COMMENTS

  1. C-130J

    Total produzidos: 250

    EUA: 141
    Austrália: 12
    Canadá: 17
    UK: 24

    Dinamarca: 4
    Índia: 6
    Iraque: 6
    Itália: 21
    Kwait: 3
    Noruega: 4
    Omã: 2
    Coréia: 4
    Tunísia: 2
    Qatar: 4

  2. asbueno

    Ainda bem que o Ministro, a Presidenta e o Brasil tem pressa. Já imaginou se não tivesse pressa alguma?

  3. Creio que a frase do Ministro está correto: “O Brasil tem pressa”, quem não tem o mínimo de pressa é o governo federal (diga-se de passagem Dilma Rousseff e Guido Mantega).

  4. 😮 “usamericanus” tem mais aviões C-130J do que todo mundo junto!!!!

    e mais, mais aviões deste do que a FAB tem em caças!

    GC

  5. Caro Galeão

    Eu coloquei esse números ai porque tem gente afirmando que o C-130J está vendendo MUUUUITO!
    Tá vendendo muito se você considerar os imperialista e seu bloquinho, porque se você pegar a turma mais abaixo, os não alinhados, não dá 50 unidades em treze anos para o planeta inteiro.

  6. O cara comeu muita maionese ontem à noite e hoje vem falar bobagem:

    MELHOR DEFESA É AQUELA QUE NÃO PRECISA SER IMPLEMENTADA TOTALMENTE, DIZ AMORIM

  7. Marcos, sem querer polemizar, Dinamarca, Itália e Noruega são da OTAN, Iraque, Kwait, Omã e Qatar estão na esfera de influência e Coréia do Sul é unha e carne com o Tio Sam. De não alinhado, mesmo, resta a Índia.

    Todavia deu para entender seu ponto de vista e concordo com ele.

  8. asbueno

    Vou trocar a expressão “países alinhados” por “c. e cueca”.

    Galeão Cumbica

    Acho que não. Antigamente tinha, mas sumiu.

  9. Quanto ao preço do KC-390, vou chutar:

    KC-390 “pé de boi”: US$ 55 milhões

    KC-390 “full”: US$ 85 milhões

  10. Preço é uma coisa, custo é outra. O que define o preço em ultima analise é quanto o cliente efetivamente esta disposto a pagar para ter o produto.

    O C-130J não tem concorrente atualmente. É natural que seu preço esteja um pouco inflacionado mesmo. Como o KC-390 é um avião desafiante. É natural que seu preço seja mais atrativo.

    Entre um carro coreano e um alemão (da mesma categoria e com os mesmos equipamentos) se ambos estiverem mesmo preço você fecha negócio com qual deles?

    Porem o que vale em uma concorrência é até que ponto a Lockheed Martin pode baixar o preço do C-130J ou a Embraer baixar o do KC-390.

    Baixar preços é também uma questão de escala e hoje o C-130J embora suas vendas não impressionem muito tem mais escalda que o KC-390.

    Sobre volume de vendas;

    Se o KC-390 vai ter um share de 30% de 700 células potenciais, seu volume de produção será de 210 aeronaves.

    Vamos dar uma olhadinha no histórico de outros aviões de transporte militares. O foco pra mim devem ser programas europeus, porque EUA, URSS/Rússia, China costumam comprar dezenas ou até centenas de células, como o KC-390 não deve ser exportado para estes países a melhor amostra de comparação são programas europeus.

    A400 – 174 ordens
    C-160 Transal – 214 produzidos
    C-295 – 95 produzidos
    C-27J – 52 produzidos

    Uma análise puramente algébrica nos conduz a impressão que 210 Kc-390 é um número factível, afinal 214 C-160 foram produzidos, 174 A400 estão encomendados e outros ainda serão vendidos.

    Ai entra outra questão. Qual é o potencial local (quem encomendou o avião e é cliente cativo) e qual é o potencial de exportação (que vai comprar ou não porque deve gerar concorrência).

    O A400 dos seus 174 encomendados tem 103 aviões entre França e Alemanha. Os outros 71 ainda tem Espanha 27 e Inglaterra 22. Exportação mesmo são mínimas neste programa.

    O C-160 é fortemente baseado novamente em clientes locais 110 células, teve apenas 104 aviões efetivamente exportados.

    O C-295 e C-27J tem desempenhos pequenos de vendas mesmo com clientes locais incluídos.

    O C-130J tirando os EUA teve “apenas” 109 vendas de exportação.

    Não vi até agora em nenhum destes programas aquela grande demanda externa por este tipo de avião que em TODOS os casos é lastreado pelo cliente local sendo a exportação um bônus.

    Vamos olhar o KC-390 de novo.

    Se seu potencial é para 210 células. O potencial da FAB é para cerca de 30. Então seriam 180 KC-390 exportados.

    Para chegar a estas 180 exportações ele teria que ter um desempenho de exportação significativamente melhor que todos os aviões citados aqui.

    Vai conseguir? Honestamente não sei. Mas me reservo a uma boa dose de ceticismo.

    O avião surgiu como uma ótima e única oportunidade de mercado. As revistas especializadas da época lançaram artigos sobre o imenso mercado deste avião. A END tem partes onde o KC-390 “cai como uma luva”. A Embraer conseguiu o que queria. Que o contribuinte bancasse 100% dos riscos do programa. Mesmo o mercado sendo “fantástico” pelas projeções da época ela não colocou dinheiro no projeto.

    Agora que tudo esta mais calmo é hora tornar claro o cenário verdadeiro.

    Tal qual um mês antes da eleição tudo será diferente após 1 de janeiro do ano seguinte. Após uns 100 dias de governo uma boa dose de conservadorismo e pragmatismo passa a reinar onde antes só existiam promessas.

  11. A verdade é que, do ponto de vista do retorno financeiro direto, isso nunca acontecerá com o KC-390, venda cem, duzentas ou trezentas aeronaves. Os E-Jets, segundo estimativas da própria Embraer, só teve seu custo de desenvolvimento coberto com a aeronave de número oitocentos. Entretanto, se eu fosse a Embraer, faria exatamente isso que eles fizeram. Cabe ao governo ter bom discernimento com o dinheiro do contribuinte, coisa que sabemos que não tem. Mas ao meu ver esse é o menor dos problemas. O Governo Federal antes deveria dar explicações ao contribuinte pagador a aquisição dos helicópteros e submarinos, entre outras tantas cositas que ocorrem aqui, nos países vizinhos e na África, tudo bancado com dinheiro nosso e sob o título de “estratégico”, “confidencial”, “sigiloso”.

  12. A Embraer acaba de divulgar que com o congelamento das especificações e definições de sistemas, neste momento ela já tem um preço de tabela para a aeronave KC-390, portanto a campanha de vendas será inciada agora. Não divulgou porém os novos números que estima vender, como havia prometido, o que pode ocorrer amanhã, mas mantém a afirmação de que há uma demanda pela aeronave.

    Obviamente que a Embraer empurrou os custos de desenvolvimento para à FAB, mas a empresa tem, quanto ao aspecto de análise de mercado, pé no chão.

  13. aproveitando… a empresa também acaba de divulgar oficialmente, o que já corria solto durante o dia e já havia comentado acima, à venda para a Guatemala. Segue: “aquisição de seis aviões A-29 Super Tucano, um sistema de comando e controle e três radares primários tridimensionais.”

    Não sabia que a Embraer D&S já tinha esse equipamento disponível.

  14. “Embraer conseguiu o que queria. Que o contribuinte bancasse 100% dos riscos do programa. Mesmo o mercado sendo “fantástico” pelas projeções da época ela não colocou dinheiro no projeto.”

    Ah, caboclo! Agora entendo a bronca do Maurício!

    Quer dizer que quem tá botando grana nisso é a gente?

    A embraer faz o KC e a gente leva o KCT?

    Braziuziuziu…

  15. Soyuz, na década de 1980 compraria um carro alemão, atualmente compraria um koreano,concerteza! Ano passado ia comprar um koreano, e acabei comprando um alemão, me arrependo amargamente!claro estou falando das duas marcas mais tradicionais de cada país no Brasil, se é que me entendem.Abçs

  16. Modo cronômetro do juízo final do FX-2 ON:

    Ultima oportunidade para uma decisão na LAAD…… tic..tac..tic..tac..tic..tac….

    Modo cronômetro^do juízo final do FX-2 OFF.

    Modo Super Tucano USAF ON:

    A USAF (notícia da Reuters) segundo o Brig. Saito, autorizará em breve a aquisição de mais 35 aeronaves Super Tucano.

    Modo Super Tucano USAF OFF.

    Modo Super Tucano EMB ON:

    Depois do anúncio da venda de três ST para Senegal e seis ST para a Guatemala….. e do anúncio da venda dos ST para a USAF, a procura pelo vetor da EMB disparou….. amanhã o Brig. Saito se reune com seu omólogo das Filipinas para com este tratar do interesse de seu país pelo avião.

    Ainda, segundo Luis C. Aguiar da EDS, “E vamos vendo bastante pedidos de consultas sobre a aeronave. Países que não estavam no nosso radar estão entrando para pedir informações”.

    Modo Super Tucano EMB OFF:

    Sds.

  17. Rafael M. F. disse:
    9 de abril de 2013 às 20:57

    P. e agora que vc “descobriu” isso combatente? Arrêgo hein… 🙂

    Na boa, eu torço por este projeto, porque o considero imprescindível para a FAB e, principalmente, para o EB.

    Mas tenho os pés no chão: que vem “naba” por aí eu tenho certeza…

    Tudo que pinta de novo pinta no r. do povo… Ainda mais com quem nos governa…

  18. (EFE)- A Embraer informou nesta terça-feira que o mercado para seu novo avião militar, o KC-390 – que está em fase de desenvolvimento – deverá permitir a venda de 728 unidades para 77 países, resultando na arrecadação de um valor superior a US$ 50 bilhões (cerca de R$ 100 bilhões).

    Acho que estavam distribuindo Veuve Clicquot na LAAD e o repórter da EFE misturou números e deu nisso dai.

  19. “P. e agora que vc “descobriu” isso combatente? Arrêgo hein… :)”

    Papo sério, eu até imaginava que fosse algo com relação à Elbit. Nem me passava pela cabeça que éramos nós a bancar o KC-390. Até porque apenas agora comecei a acompanhar o projeto do KC.

    Ah, e quem me dera ser um combatente. Sou no máximo um curioso…

  20. Senhores,

    Este é o futuro da FAB: STs e KCs-390. Ah, e tem também a kombi voadora francesa (EC-725).

    Quem sabe a EMBRAER não coloca um radar AESA e coloca uns vinte cabides para mísseis AIM-120B. E pronto! A aviação de de caça brasileira está salva!

    Sobre um eventual anúncio do FX-2, duvido que ocorra durante a LAAD.

    Como este governinho só joga para a torcida,não adianta anunciar durante a LAAD, porque o povão nem imagina que raio seja isto.

    Se houver um anúncio, será durante uma data cívica importante. No Sete de Setembro seria um bom palpite. Basta lembrar que que o ex-Rei-Sol enfiou os pés pelas mãos fazendo o anúncio do Rafale justamente nesta data.

    O anúncio só sai se a Dilmaluca puder obter dividendos políticos pela tomada de decisão. Senão o FX continua na geladeira.

    E que data melhor para isto que o Sete de Setembro?

  21. Off Topic

    Bom trago-lhes uma noticia que naturalmente muitos podem questionar ainda mais porque não posso citar a fonte enfim…, não tenho intuito de convençer ninguem nem falarei mais sobre o assunto neste post, vamos la.

    Para minha profunda tristeza, não ha mais possibilidade do caça Rafale sair vitorioso na licitação que segue. O que eu quero dizer é que: Desdo dia “05 de Abril de 2013” ha apenas dois caças na disputa.

    O fato é que… na “minha opinião”, levando em conta o contexto histórico, técnico, político, perdemos a opção mais “segura”.

  22. “Eu coloquei esse números ai porque tem gente afirmando que o C-130J está vendendo MUUUUITO!”

    Puxa, eu perdí a conta qndo a Arábia Saudita encomendou 25!!!
    Mas o que difere o C-130J do KC-390, é que são vendas firmes e não somente 58 intenções de compra e 2 protótipos.
    No mais, é somente a megalomania de sempre.

  23. Observador disse:
    10 de abril de 2013 às 0:04

    “Como este governinho só joga para a torcida,não adianta anunciar durante a LAAD, porque o povão nem imagina que raio seja isto.”

    Ah, meu camarada, nada que uma capa no “Meia Hora” ou no “Extra” não resolva… nem pecisa falar na LAAD.

  24. Mauricio R. disse:
    10 de abril de 2013 às 0:32

    “Mas o que difere o C-130J do KC-390, é que são vendas firmes e não somente 58 intenções de compra e 2 protótipos.”

    Segundo a Bíblia Azul (o Sistemas de Armas) o preço estimado de cada KC sairia por volta de US$ 50 milhões. Mesmo que as intenções de compra se concretizem, não creio que estas paguem sequer o desenvolvimento.

  25. Pegando carona no Sistemas de Armas:

    “A EMBRAER baseou seus estudos de mercado em uma frota global de 2.802 aeronaves de transporte militar que devem ser substituídos a médio e longo prazo. Cerca de 49% desta frota é composta de aeronaves C-130 e 1.613 (91 países) tem mais de 25 anos de uso. O estudo só considera aeronaves com mais de 25 anos de operação na faixa de 5 a 25 toneladas e não considera o mercado chinês. Sem considerar o mercado russo, ucraniano e americano este número cai para 1.600 aeronaves. Com estes dados a EMBRAER estima que possa vender até 700 aeronaves C-390 para 77 países.”

    Meio otimista, hein?

    Bom, opinião minha: No caso do C-130, 25 anos ainda é um garotão. Nada que um programa de modernização não resolva (mantendo a aeronave operando por mais uns 10/15 anos), e o próprio estudo da Embraer considera o preço médio de uma modernização de um C-130 (US$ 3 milhões/célula).

    Mesmo um número de 120 aeronaves, conforme esperam vender em 10 anos, é, na minha opinião, um tanto inflado.

  26. “…o preço estimado de cada KC sairia por volta de US$ 50 milhões.”

    No mercado, 69 milhões USD, no mínimo.
    Podendo dobrar de preço, dependendo da suite de comunicações e auto proteção.

    Exemplo:

    O custo e o que incluia, a encomenda de 4 C-130-30 pela Noruega.
    Desde então, 1célula foi perdida e já foi reposta.

    “The total contract values, if all options are exercised, could be as high as $520 million. The sale request includes:

    4 Lockheed Martin C-130J-30 stretched Hercules United States Air Force (USAF) baseline aircraft and equipment
    16 Rolls Royce AE 2100D3 turboprop engines
    2 Rolls Royce AE 2100D3 spare engines
    4 AAR-47 Missile Warning Systems (Alliant)
    1 spare AAR-47 Missile Warning System
    4 AN/ALR-56M Advanced Radar Warning Receivers (BAE, also used on USAF C-130Js external link)
    1 spare AN/ALR-56M Advanced Radar Warning Receiver
    4 AN/ALE-47 Counter-Measures Dispensing Systems external link (BAE, produces those “angel wings” smoke profiles)
    1 spare AN/ALE-47 Counter-Measures Dispensing System
    2 spare AN/ARC-210 Single Channel Ground and Airborne Radio Systems (SINCGARS)
    2 spare AN/AAR-222 SINCGARS and Key Gen (KV-10) cryptographic Systems
    10 Advanced Adaptive Anti-jam Antenna Systems”

    Então qndo a Embraer diz que o preço do ac que não vendeu p/ ninguém ainda, vai “incomodar a concorrência”, ela está mentindo.

  27. denis santana disse:
    10 de abril de 2013 às 0:26

    “não ha mais possibilidade do caça Rafale sair vitorioso na licitação que segue. O que eu quero dizer é que: Desdo dia “05 de Abril de 2013″ ha apenas dois caças na disputa.”

    Deus te ouça meu filho.

    Mas se o Rafale saiu da disputa então o caça da FAB deverá ser o Super Hornet, porque o Gripen/SAAB também já arregou.

    Mas conte detalhes, oras. Conte o porquê.

    Sds.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here