Home Indústria Aeroespacial Radar para o Super Tucano

Radar para o Super Tucano

1248
32

Super Tucano - imagem Embraer

Em uma coletiva de imprensa o presidente da Embraer Defensa & Segurança (EDS), Luiz Carlos Aguiar, informou que o avião de treinamento e ataque leve EMB 314 Super Tucano será equipado com um radar, possivelmente externo. Este projeto está sendo desenvolvido pela Orbisat, empresa do grupo EDS que fabrica os radares antiaéreos Saber M-60 e futuro M-200.

FONTE: Defensa (tradução e edição, Pode Aéreo, a partir do original em espanhol).

Subscribe
Notify of
guest
32 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
eduardo pereira
eduardo pereira
7 anos atrás

Gente, gente isso muito me alegra, se ja estamos pra colocar radar no ST entao estamos no caminho(em parte) para desenvolver o nosso caça nacional com avionicos nacionais.

Vader
7 anos atrás

Antes de desenvolver um caça nacional precisamos desenvolver um treinador avançado/LIFT.

Boa notícia para o Tucanão.

Baschera
Baschera
7 anos atrás

Quem solicitou foi a FAC (Colômbia),

Sds,

G-LOC
G-LOC
7 anos atrás

Imagino que será o SCP-01. Poderá ser colocado nas asas como o F4U corsair: Outros monomotores tem radares nas asas como o PC-12 e Cessna Caravan. Outra opção é instalar em casulo como nesse Skyraider de guerra eletronica: A foto do artigo mostra onde pode ficar o casulo. No central a hélice vai atrapalhar. Nas asas pode vibrar mais. O Su-25 tem um radar em casulo que fica no cabide central, mas ele não tem uma hélice na frente. O casulo pode ser só do radar ou levar também combustível, se montado no casulo de combustível. Talvez até leve uma… Read more »

Blind Man's Bluff
Blind Man's Bluff
7 anos atrás

Eu tenho alguma pergunta pro pessoal do Aereo:

Sobre o Super Tucano, ele está homologado para utilizar algum míssel Ar-ar operacionalmente? (MAA-1, MAA-1B, Python 3, Python 4, Sidewinders)

Sobre os MAA-1B Piranha II, esses misseis já estão operacionais no Brasil? Em que aeronaves?

Sobre os MAR-1, eles já estão operacionais na FAB? Em que aeronaves?

Sobre o A-1M AMX modernizados, eles ja estão operacionais na FAB? Quais armamentos ja estão homologados para essa aeronave?

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Blind Man's Bluff
7 anos atrás

“Sobre o A-1M AMX modernizados, eles ja estão operacionais na FAB?” Blind Man’s Bluff, Não, o primeiro exemplar de um A-1 modernizado mal acabou de chegar a um esquadrão para iniciar seus testes numa unidade operacional de primeira linha. Pelo menos mais um protótipo deve estar em testes junto à Embraer e mais aeronaves estão na linha de modernização. Até o momento, só vi divulgadas imagens de dois exemplares, o A-1AM 5526 e o A-1AM 5530 (o A-1″AM” é uma suposição minha, pois até o momento também só vi o “M” da pintura “promocional” da cauda, e o indicativo continua… Read more »

Marcos
Marcos
7 anos atrás

No vídeo abaixo, lá pelos 60 seg, o Tucanão dispara um míssel, mas não dá para identificar exatamente o quê.

http://www.youtube.com/watch?v=Ayk1bPNe4kM

juarezmartinez
juarezmartinez
7 anos atrás

lind Man’s Bluff disse: 21 de março de 2013 às 11:57 Eu tenho alguma pergunta pro pessoal do Aereo: Sobre o Super Tucano, ele está homologado para utilizar algum míssel Ar-ar operacionalmente? (MAA-1, MAA-1B, Python 3, Python 4, Sidewinders) Homologação para nenhum deles, testes foram feitos com MAA-1, mas teste é teste. Sobre os MAA-1B Piranha II, esses misseis já estão operacionais no Brasil? Em que aeronaves? Ñão. Sobre os MAR-1, eles já estão operacionais na FAB? Em que aeronaves? Não estão operacionais ainda, mas estarão integrado aos Mikes, A 1M e ST. Obs os A 1 do 3º lote… Read more »

Baschera
Baschera
7 anos atrás

Armamentos Super Tucano: Metralhadoras: (2x) FN Herstal M3P de 12,7 mm (.50) (internas nas asas) Canhões: (1x) pod de canhão GIAT M20A1 de 20 mm (sob a fuselagem) Foguetes: (4x) pods de lança-foguetes LM- 70/19 de 70 mm Bombas: Mk 81 ou Mk 82 (emprego geral); BLG-252 (lança-granadas); Lizard ou Griffin (guiadas por laser) Mísseis ar-ar: (2x) AIM-9L; MAA-1 Piranha (homologado); (2x) Python 3 ou Python 4 Mísseis ar-superfície: (2x) Maverick AGM-65 (tático); Estações de armas: Possui um total de 5 pontos (dois em cada asa e um sob a fuselagem); Além disto a Boeing e a Embraer assinaram protocolo… Read more »

jairo boppre sobrinho
jairo boppre sobrinho
7 anos atrás

Boa tarde a todos
Baschera, me permita uma pergunta(me desculpe a falta de conhecimento), como o ST faz a designação/seleção de alvos, sem ter radar? – sei que após o lançamento o missil se orienta sózinho, mas até este momento o radar é importantissimo, certo? – são os AWACs que designam os alvos e vetorizam os STs?
Abraços a todos

Baschera
Baschera
7 anos atrás

Jairo,

Pode ser que o alvo seja iluminado por forças terrestres (no caso de bombas guiadas a laser), poder ser monitorado por AWACS para o lançamento de mísseis ar-ar, ar-terraq, pode usar o HMD (Helmet Mounted Display) para “apontar” os Python…. pode integrar dados obtidos de outras aeronaves ou do FLIR para usar os Maverick. E sobretudo as próprias capacidades sensoriais dos mísseis ar-ar e do Maverick que se guia por TV.

Sds.

Baschera
Baschera
7 anos atrás

E gente, o radar Scipio-01 não será integrado ao ST.

O Scipio é fabricado no Brasil pela Mectron (pertencente a ODT).

Teoricamente deverá ser um radar novo, mais compacto, derivado do Saber-60 (este sim da EDS) e que será fixado do mesmo modo que o FLIR o é no corpo ventral do ST.

Sds.

Lyw
Lyw
7 anos atrás

Senhores, vamos esclarecer algumas coisas aqui. Primeiro, o radar do Super Tucano não será para combate ar-ar, será um radar SAR, parecido com o que a Orbsat pretende instalar no VANT! Portanto, é um radar que busca imagear a superfície buscando alvos. Ele é um radar de visada lateral e assim como o dos R-99 (que são bem maiores) é um radar de abertura sintética, que faz a leitura do efeito doppler a partir do movimento da aeronave. Segundo, o radar da orbisat funciona em 2 bandas, a banda X e a banda P. A banda X faz leitura a… Read more »

jcsleao
jcsleao
7 anos atrás

“Lyw disse:
21 de março de 2013 às 14:06

Senhores, vamos esclarecer algumas coisas aqui.”

Nada como um forista bem informado. Isto que foi descrito faz todo o sentido para um avião como o ST. E explica o por quê do requisito vir da Colômbia.

Gilberto Rezende
Gilberto Rezende
7 anos atrás

Complementando o que o Lyw disse com propriedade, uns dois anos atrás quando saíram umas reportagens sobre o trabalho da ORBISAT no sensoreamento remoto da Amazônia para o exército Brasileiro usando a tecnologia InSAR doppler dual band X e P e já se falava num possível desenvolvimento pela ORBISAT de uma unidade menor para um VANT especializado para levantamento de informações geográficas me interessei muito pela tecnologia e com as afirmações que a tecnologia do radar possibilitava enxergar o terreno abaixo das copas das árvores e até mesmo tinha alguma capacidade de penetração no solo que permitia vislumbrar até água… Read more »

Gilberto Rezende
Gilberto Rezende
7 anos atrás

Para ILUSTRAR a dificuldade de adaptação do InSAR para uso no SUPER TUCANO…

comment image

ci_pin_ha
ci_pin_ha
7 anos atrás

Achei que seria adaptado o Radar SENTIR-M20.

Lyw
Lyw
7 anos atrás

Gilberto Rezende disse: 21 de março de 2013 às 15:38 Eu acredito que o radar que está sendo desenvolvido seja baseado sim no InSAR, visto que a solicitação que motivou tal iniciativa do grupo EMBRAER partiu da Colômbia que utiliza o ST no combate ao narcotráfico e um derivado do InSAR cairia como uma luva neste ambiente! Depois, uma outra versão deste novo radar poderia ser utilizada para patrulha marítima, o que ampliaria o leque de missões do Super Tucano e sua procura no mercado internacional. Uma outra versão deste radar, desta feita utilizando-se apenas da Banda P e com… Read more »

Hamadjr
Hamadjr
7 anos atrás

Gilberto nesse caso qual chute das tecologia abordada poderia ser empregada para terreno como os do Afeganistão por exemplo, considerando que o ST deve equipar a fraca area afegã.

Gilberto Rezende
Gilberto Rezende
7 anos atrás

Há pouca informação (ou nenhuma) da real capacidade de penetrabilidade no solo da tecnologia InSAR da Orbisat além do comentário do fabricante que conforme a tecnologia foi evoluindo durante o longo trabalho de levantamento geográfico na Amazônia. Pelo que eu entendi a empresa desenvolveu a tecnologia em duas vertentes aumentando progressivamente a potência e resolução dos transdutores eletromagnéticos e investindo no aumento da estabilidade dos sinais uma vez que se trata de um radar interferométrico (onde a medição se dá pela DIFERENÇA de reflexão de dois sinais conhecidos e na evolução do software de pós-processamento depois do voo onde são… Read more »

Almeida
Almeida
7 anos atrás

Giba disse tudo, tá de parabéns!

Marcos
Marcos
7 anos atrás

Alguns exemplares do FW-190 chegaram a ter um radar instalado na asa.
Nada de novo nisso.

juarezmartinez
juarezmartinez
7 anos atrás

Armamentos Super Tucano: Metralhadoras: (2x) FN Herstal M3P de 12,7 mm (.50) (internas nas asas) Canhões: (1x) pod de canhão GIAT M20A1 de 20 mm (sob a fuselagem) Foguetes: (4x) pods de lança-foguetes LM- 70/19 de 70 mm Bombas: Mk 81 ou Mk 82 (emprego geral); BLG-252 (lança-granadas); Lizard ou Griffin (guiadas por laser) Mísseis ar-ar: (2x) AIM-9L; MAA-1 Piranha (homologado); (2x) Python 3 ou Python 4 Mísseis ar-superfície: (2x) Maverick AGM-65 (tático); Estações de armas: Possui um total de 5 pontos (dois em cada asa e um sob a fuselagem); Leia mais (Read More): Radar para o Super Tucano… Read more »

Hamadjr
Hamadjr
7 anos atrás

Neste caso Giba permite uma chutologia a parte, considerando que a Orbitsat tenha uma tecnologia de radar para o terreno sul americano então não seria impossível que esta tecnologia fosse adaptada também para aquele relevo, o que certamente agregaria ao ST da força área afega ( meu Deus chamar de força área é uma hiperbole superlativa ) um grau de tecnológico e tanto.
E parabenizo pelo conteúdo informativo do seu post.

Ivan
Ivan
7 anos atrás

Amigos,

Que tal uma olhadinha neste velho pássaro turboélice,
o Grumman OV-1 Mohawk com SLAR
(side-looking airborne radar).

comment image

Sds.,
Ivan.

Mauricio R.
Mauricio R.
7 anos atrás

O que a Colômbia busca, é por assim dizer, um E-8 “light”.
Interessante não terem ido atrás disso, lá nos EUA.
Os sul-coreanos estavam desenvolvendo algo assim, p/ o avião deles.
Tinham até um protótipo.

Ivan
Ivan
7 anos atrás

Maurício,

Um E-8 “light” disponível seria o Embraer EMB-145 MULTI INTEL.
Mas desconfio que vc não vai gostar desta sugestão.

A busca da FAC pode ser por um moderno Mohawk com SLAR,
preferencialmente com baixo custo operacional. Neste perfil o Super Tucano pode se encaixar.

Sds;.
Ivan.

Gilberto Rezende
Gilberto Rezende
7 anos atrás

Hamadjr uma coisa que aprendi pesquisando esta física da interferometria é que ela gera muito mais informações do que a gente pode captar. É o mesmo princípio dos registros de imagem 3D por doppler onde padrões de interferência de 2ª e 3ª ordem (ondas refletidas) podem gerar informações de cavidades e detalhes não visíveis diretamente pelo sensor mas que podem ser “inferidas” computacionalmente se seu sensor for bom o bastante para captar estes sinais menores e seu modelo matemático de computação as leva em conta. Um radar normal já seria um tremendo acréscimo para a aeronave, um radar de abertura… Read more »

Antonio M
Antonio M
7 anos atrás

Se conseguirem integrar no ST um radar como o Scipio-01, eu temo que GF o anuncie-o como ganhador do FX-2 …rsrsrsrsrsrsr!!!

G-LOC
G-LOC
7 anos atrás

Radar de vigilância terrestre no ST me parece estranho. Lembra sensor para UAV ou até aeronave bimotor como os King Air.

sergiocintra
sergiocintra
7 anos atrás

Ninguem deu crédito! Mas aos poucos sai. Leia mais (Read More): Com cortes orçamentários ‘até o osso’, África do Sul armazena 12 caças Gripen | Poder Aéreo – Informação e Discussão sobre Aviação Militar e Civil sergiocintra disse: 13 de março de 2013 às 20:46 Vamos criar um sistema de armas bem econômico, aproveitando a parceria com a Boeing e vende-lo como bananas. A receita: 1-Pegue um S.Tuca com 2 assentos (29-B) e faça como o F-14 onde o “banco de trás” era para um operador e reche-o com comando e controle. Integrando na barriga do “E-29″ (=growler) aqueles radares… Read more »

Mauricio R.
Mauricio R.
7 anos atrás

Ivan,

Eu gostar ou não, não importa, importa a Colômbia gostar e poder pagar.
Mas interessante é que eles lá, não estão indo atrás de algo similar ao MC-12.
O que seria uma solução mais barata que a da Embraer, pois já está em serviço.