segunda-feira, março 1, 2021

Gripen para o Brasil

Apoiando o Gripen a -25ºC

Destaques

Defesa aérea da Sérvia atingiu outro F-117 durante a Operation Allied Force

A história de como um jato de ataque stealth F-117 Nighthawk da Força Aérea dos Estados Unidos foi abatido...

HENSOLDT: Sistemas antidrone e de proteção de áreas críticas e estratégicas

Nos últimos anos, a venda de drones cresceu muito no mundo. Esses objetos voadores, cada vez mais comuns em...

FAB coordena Operação Escudo Antiaéreo

Operação aconteceu de forma conjunta entre a Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea Brasileira No período...
Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Reabastecimento de Gripen ao ar livre sob baixa temperatura - foto Forças Armadas da Suécia

As fotos divulgadas em 19 de março pelas Forças Armadas da Suécia mostram um tipo de exercício que é praticado periodicamente: o apoio aos caças Gripen do lado de fora dos hangares, sob quaisquer condições de clima e temperatura, para treinar o pessoal técnico em caso de desdobramentos e situações menos favoráveis de reabastecimento e remuniciamento dos caças.

O velho ditado diz: “É preciso gente no solo para colocar aviões no ar.” Assim, durante os exercícios de emprego da Força Aérea Sueca, o pessoal de terra pratica as operações de apoio aos caças Gripen por horas e horas, em variados tempos de alerta: pode haver cinco minutos ou duas horas para deixar tudo pronto para o trabalho.

Instalação de míssil IRIS-T em Gripen ao ar livre sob baixa temperatura - foto Forças Armadas da Suécia

As aeronaves pousam e precisam ser checadas de acordo com uma lista (checklist) para verificar sua operacionalidade par o voo, ao mesmo tempo em que são reabastecidas e remuniciadas com míssies, bombas e projéteis de canhão. Dependendo da situação, também é necessário realizar alguma manutenção e checagem no motor, coisas que normalmente são feitas no hangar mas que precisam ser treinadas do lado de fora, ao ar livre ou sob a proteção mínima oferecida por um hangarete. As técnicas e a logística para realizar esse trabalho sob baixas temperaturas precisam ser diferentes das que se utiliza no conforto dos hangares.

Nas imagens, pode-se ver trabalhos como reabastecimento e remuniciamento. Nessas ocasiões de práticas fora do abrigo dos hangares, nessa época do ano ainda é comum que a temperatura caia para 25 graus negativos.

Troca de datastaven de Gripen ao ar livre sob baixa temperatura - foto Forças Armadas da Suécia

FONTE / FOTOS: Forças Armadas da Suécia (tradução e edição do Poder Aéreo a partir de original em sueco)

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

2 Comments

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos

Aqui também funciona assim!
A equipe de terra fica horas, horas e mais horas tentando consertar isso, consertar aquilo. A grande vantagem nossa é que os exercícios da equipe de terra é sempre real.

virgilio

É gripenzinho gripenzinho você é lindo não vejo a hora de vê-lo passear pelos céus do Brasil?

E que venha logo o GRIPEN.

- Advertisement -

Combates Aéreos

‘Árabes sempre mentem’

Por Tom Cooper* Neste momento, não me lembro de ter encontrado um israelense que não tenha repetido essa frase do...
- Advertisement -
- Advertisement -