sexta-feira, janeiro 28, 2022

Gripen para o Brasil

Embraer Defesa e Segurança entrega os três primeiros A-29 Super Tucano à Força Aérea Nacional de Angola

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

A-29 Super Tucano da Força Aérea Nacional de Angola

São Paulo, 31 de janeiro de 2013 – A Embraer Defesa e Segurança entregou hoje, em cerimônia realizada em Gavião Peixoto, interior de São Paulo, os três primeiros turboélices de ataque leve e treinamento avançado A-29 Super Tucano à Força Aérea Nacional de Angola, que encomendou um total de seis aeronaves do modelo. Com esta entrega, Angola se torna o terceiro operador do Super Tucano no continente africano. O avião será empregado em missões de vigilância de fronteiras.

“A escolha do Super Tucano pela Força Aérea Nacional de Angola demonstra o enorme potencial desta aeronave na África”, disse Luiz Carlos Aguiar, Presidente da Embraer Defesa e Segurança. “Trata-se de uma aeronave robusta, versátil, extremamente eficiente, com experiência comprovada em combate e baixos custos de operação. Por isso, tem despertado grande interesse de diversos países africanos.”

Dez clientes já selecionaram o A-29 Super Tucano no mundo todo. O modelo, que está em operação em sete forças aéreas na América Latina, na África e na Ásia, já superou a marca de 170 mil horas de voo e 26 mil horas de combate. O Super Tucano é capaz de executar uma ampla gama de missões, que incluem ataque leve, vigilância, interceptação aérea e contrainsurgência. A aeronave está equipada com avançadas tecnologias em sistemas eletrônicos, eletro-ópticos, infravermelho e laser, assim como sistemas de rádios seguros com enlace de dados e uma inigualável capacidade de armamentos, o que o torna altamente confiável e com excelente relação custo-benefício para um grande número de missões militares, mesmo em pistas não pavimentadas e ambientes hostis.

A-29 Super Tucano da Força Aérea Nacional de Angola - 3

O A-29 Super Tucano opera mais de 130 configurações de armamentos, incluindo lançadores de foguetes de 70mm, mísseis ar-ar e bombas guiadas a laser, totalmente integradas ao sistema de missão da aeronave, com designador a laser. Estes armamentos inteligentes, de última geração, são empregados em missões operacionais reais, executadas pelo Super Tucano, há mais de cinco anos. O A-29 Super Tucano é fruto de um projeto desenvolvido de acordo com as rigorosas exigências da Força Aérea Brasileira (FAB). Com mais de 160 aviões já entregues, é totalmente compatível com as operações de combate em cenários complexos, em que são exigidas as capacidades de troca de dados e processamento das informações. Além da reforçada estrutura para operações em pistas não pavimentadas, o avião conta com avançados sistemas de navegação e pontaria de armas, o que lhe garante alta precisão e confiabilidade, utilizando tanto armamento convencional como inteligente, mesmo sob condições extremas. O avião requer apoio logístico mínimo para operações contínuas.

A-29 Super Tucano da Força Aérea Nacional de Angola - 2

Sobre a Embraer Defesa e Segurança

Com mais de 40 anos de experiência no fornecimento de plataformas e sistemas superiores para Forças Armadas de todo o mundo, a Embraer Defesa e Segurança tem presença crescente no mercado global e cumpre papel estratégico no sistema de defesa do Brasil. O portfólio da Embraer Defesa e Segurança inclui aviões militares, tecnologias de radar de última geração, veículos aéreos não tripulados (VANT) e sistemas avançados de informação e comunicação, como as aplicações de Comando, Controle, Comunicações, Computação e Inteligência, Vigilância e Reconhecimento (C4ISR). Os aviões e as soluções militares da Embraer estão presentes em mais de 50 forças armadas de 48 países.

Siga-nos no Twitter: @EmbraerSA

DIVULGAÇÃO/FOTOS: Embraer

- Advertisement -

34 Comments

Subscribe
Notify of
guest
34 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Corsario137

Gostei da pintura.

eduardo pereira

Alguém por favor me responda ,como em um pais onde existem mentes capazes de desenvolver uma aeronave tao notavel como o A-29 nao existe também umnacional um modelo com turbinas a jato e quisar poder-mos ia estar desenvolvendo nosso Pak Fa,F-22,J-31…, alguém me responde ???

Edcarlos Prudente

Amigo eduardo, lembre o que nós fizemos com o Xavante na década de setenta e com o AMX na década de oitenta. Estávamos desenvolvente e absorvendo tecnologias e capacitando a industria da aviação a jato para uso militar no Brasil. É uma pena que tudo isso foi perdido!

Vader

ESCALA. Escala é tudo.

Diegolatm

Escala? Não entendi Vader

Carcará 01

Quantidade, Diego… Uma acft como o A29 é sensivelmente mais barata de se projetar e fabricar. Já uma a reação, mesmo subsonica, necessita de maiores investimentos para sua concepção e fabricação, investimentos esses que só são pagos com VENDAS, ou seja escala, principalmente por serem acfts muito mais caras no seu preço final. Isso em economês chama-se “ganhos em escala”.

Ps. Vader, desculpe me ter me intrometido. A resposta era vossa… hehehe

Carcará 01

E como a tradicional “boca de tubarão” cai bem no Tucanão… Bem que a FAB poderia pintar alguns dos terceiros com essa boca… o que acham?

ernaniborges

Caros comentaristas.
É exatamente pela falta de escala, principalmente em parques industriais incipientes, mas não exclusivamente nesses casos, que há a necessidade de subsídio por parte do GF.
Russos, americanos, franceses, iranianos, indianos, paquistaneses, chineses, enfim, todos os governos minimamente capazes e preocupados com sua própria segurança fazem isso.

ernaniborges

Quado uma empresa das áreas estratégicas de defesa e segurança é deixada à sua própria sorte, fica muito exposta ao ataque do capital especulativo e ações predatórias da concorrência externa, que tudo farão para aniquilá-la.

Mauricio R.

Não é obrigação da União paparicar empresa privada, se a Embraer tem interesse, que reinvista do lucro dela, das vendas de seus jatos regionais e executivos.
Ao governo cabe fazer política industrial, o que não é somente p/ uma única empresa, mas p/ o setor econômico como um tdo.

Almeida

Mauricio R., que seja feita sua vontade, assim no mercado privado como no público!

BNDES = Banco dos Bilionários

jacubao

Caríssimo eduardo pereira, se o Brasil já está esperando o FX a uns 17 anos,para comprar apenas 36 unidades, certamente a EMBRAER não seria louca de desenvolver um caça a jato, mesmo que fosse de 3ª geração, que sairia mais caro que um 5ªG devido aos custos do desenvolvimento da aeronave e que o país compraria uns 40 no máximo.

Mauricio R.

E aproveitando que o BNDES foi citado, qnto mesmo é que o governo da Flórida, investiu no desenvolvimento dos Phenoms 100 e 300, p/ que ambos fossem fabricados lá????

Vader

ernaniborges disse:
31 de janeiro de 2013 às 21:22

Ernani, russos, chineses, suecos, americanos, franceses, etc, tem Forças Aéreas de verdade que, só elas, compram CENTENAS de caças. Além disso ainda tem know-how, inserção em mercados e experiência o suficiente para vender seus produtos para outras FAes.

Pra que desenvolvermos um caça de alta performance que custa dezenas de bilhões de dólares (Rafale), senão centenas (F-22, F-35), se nossa Força Aérea comprará, quando muito, umas três dúzias? 😉

Sds.

ernaniborges

Caro Vader.
É exatamente por isso (muito investimento para poucas unidades vendidas ou seja, escala) que se o Brasil quiser pertencer ao grupo dos países “independentes” tecnologicamente falando, terá que haver investimento maciço do GF, a fundo perdido, para se chegar lá.
Não quero entrar no mérito de se vale à pena ou não. Apenas digo que se for essa a intenção, a iniciativa privada sozinha não vai se meter a besta pois eles visam o LUCRO e só.

ernaniborges

Onde se lê; …vale à pena…

Leia-se: …vale a pena…

Vader

ernaniborges disse:
1 de fevereiro de 2013 às 9:04

Amigo, a Embraer é uma baita de uma empresa. Quer que ela desenvolva um caça? E só o governo dar as especificações do tipo de aeronave que precisa e fazer um contrato em que garanta a compra de pelo menos 300 unidades. Simples assim. Porque dinheiro o BNDES dá, e o resto (tecnologia) a Embraer se vira.

Mas se isso vai ser bom para a FAB ou não aí já são outros quinhentos.

Sds.

eduardo pereira

Caros amigos obrigado pela resposta, mas que é piorr ainda sber que condiçao e estrutura para desenvolver existe e que o faltoso é a vontade politica (como sempre) em investir.
Ae fica mendingando transf. de tecnologia e tal, que invistam em educaçao e no proprio desenvolvimento ou apenas se contentem em comprar de quem o fez e pagar o devido valor a isto sem reclamar. Quer pagar meenos entao fabrique desde o primeirro rabisco.

paulofvj

Uma coisa que aprendi em multinacionais, é que sim todas visam o lucro. Só que as maiores, realmente visam um “lucro sempre”, e investem de forma a terem o retorno futuro. Ou seja, aceitam prejuizos por alguns anos em um projeto, se o seu estudo de caso mostrar que terão lucros contínuos e crescente por um longo tempo.
Mais caro que o desembolso financeiro é precisar e ninguém querer vender. Por isso, nações aceitam ter um custo maior de desenvolvimento para não ficarem a mercê de descisões externas.

ernaniborges

Observando as fotos dos A-29 angolanos, não notei a presença de cabides sob as asas. Será que eles não as têm?

ernaniborges

Concordo com os amigos de que somos capazes (nunca duvidei) e que a EMBRAER por si só pode bancar, mas, francamente, é arriscado demais sem o lastro do GF ou outro (s) sócios de peso, como está acontecendo com a SAAB que procura dividir custos e riscos. E olha que parte da tecnologia ela já tem.
Citemos como exemplo a ENGESA. Ela aventurou-se numa empreitada dessas, empenhou seu capital de giro no desenvolvimento do tanque pesado Osório sozinha, e mesmo sendo muito bom, a meu ver o melhor de sua época, não conseguiu vendê-lo e faliu.

Baschera

ernaniborges,

Por certo terão….. mas não agora para fotos de apresentação.

Para o seu translado a Angola, serão colocados os “cabides” para acomodar os três tanques externos, um para cada asa e mais o ventral.

Obviamente para quando se necessitar usar armamentos, as estações de armamentos ou “cabides” estarão lá ….

Sds.

ernaniborges

Se o GF tivesse socorrido a empresa (e outras), garantido a compra de uns 200, a história seria outra e nossa indústria de defesa estaria hoje em outro patamar e o conhecimento adquirido a duras penas não teria ido para o “ralo”.

ernaniborges

Valeu pela informação, Baschera. Pensei que eles fossem fixos e permanentes. Ou os tinha ou não.

eduardo pereira

Ernaniborges;
Nao me lembre da triste historia do Osório, em pensar que sobresaia ao Abrams , observando por este lado aeronauticamente e navalmente era pra estarmos de igual com aeronaves e navios( escoltas, fragatas etc.) no mínimo equivalentes aos melhores da atualidade , mas…

ernaniborges

eduardo pereira disse: 1 de fevereiro de 2013 às 12:20 Caro eduardo pereira. Sempre fui patriota e entusiasta da nossa indústria (tanto civil quanto militar). Sempre que podia ia visitar os navios que atracavam no pier da Praça Mauá (RJ) e quando ia fazer tratamento dentário na Ilha das Cobras, passava ao lado da base de submarinos e ficava orgulhoso dos nossos meios e dos nossos bravos combatentes (sou filho de ex-combatente). Não consigo imaginar como ou por quê nos deixaram chegar a essa situação de penúria !? Temos tudo o que precisamos para virar esse jogo, mas sempre ficamos… Read more »

ernaniborges

Melhor dizendo, que nos vendam suas sucatas !

ernaniborges

Assim que foi publicada uma revista (se não me falha a memória foi a AVIAÇÂO), com um pôster de duas páginas com o AMX, comprei um exemplar e guardei-o por muitos anos, mas de raiva com nossa estagnação, acabei jogando-o fora (me arrependo).

Mauricio R.

E a mentira segue:

O M-1 Abrams consagrado em combate, na 1ª Guerra do Golfo, inferior ao protótipo do “Osório”.

Kd que mentira tem pena curta???

E a outra mentira, então…

A Embraer que não teve nem competência e menos ainda intere$$e, em desenvolver a tecnologia p/ o update dos F-5, apesar dos tais 3.500 engenheiros voltados exclusivamente a pesquisa e inovação;
desenvolvendo uma aeronave de caça!!!!
Tê cuida, FAB.

Vader

ernaniborges disse:
1 de fevereiro de 2013 às 12:05

Ernani, pelamordedeus, dá uma pesquisada lá no ForTe sobre o Osório e a Engesa. Converse com o Reginaldo Bacchi, que está sempre por lá, a maior autoridade que temos no assunto, posto que trabalhou lá, na época.

Nem o Osório era essa maravilha toda que dizem, nem foi ele que “quebrou” a Engesa. Aliás, a própria Engesa estava longe de ser uma maravilha.

Se bem que o governo (Sarney e Collor), como sempre, também tem culpa no cartório.

Sds.

ernaniborges

Vou seguir o seu conselho e pesquisar lá.
abs.

ernaniborges

Caro Vader. Todo o conhecimento (quase nada) que possuo no assunto foi adquirido lendo publicações especializadas e reportagens jornalísticas da época dos fatos. Claro que posso ter sido “iludido” por falsas verdades, mas, fui ao ForTe e o que li lá, não difere muito do que eu conhecia… ““… Vamos deixar de ser Pollyanna e encarar a realidade. A ENGESA quebrou por má administração e principalmente por absoluta falta de encomendas de seu principal cliente o Exercito Brasileiro (que não comprava por falta de verbas). …”. O comentário acima foi retirado de lá, e endossa o meu comentário de que… Read more »

Mauricio R.

“…o Osório acertou 8 de 10 tiros, contra 3 do tanque americano. Se mentiram eu não tenho como saber.”

A torre do Osório não era produto da Engesa, mas da Vickers inglesa…
A medida da capacidade do M-1:

Qntos CAT Shot os americanos não paparam em cima de Leopard, Cheiftain, Challenger e AMX-30???

Últimas Notícias

AFA realiza primeiro voo de instrução com Cadetes no T-27M

O primeiro voo de instrução da Turma Anúbis, do 4º Esquadrão do Corpo de Cadetes da Aeronáutica (CCAer), aconteceu...
- Advertisement -
- Advertisement -