KC-390: redução de custos no projeto prevê economia de US$ 42 mi

KC-390: redução de custos no projeto prevê economia de US$ 42 mi

131
40

A Força Aérea Brasileira (FAB) e a Embraer reduzem os custos do contrato de desenvolvimento da aeronave KC-390 em cerca de 42 milhões de dólares, com a reavaliação do contrato realizada em 19 de outubro.

Essa economia somente foi possível graças aos esforços conjuntos da Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (COPAC) da FAB e Embraer, que, por meio da Gerência Executiva do Projeto KC-X, efetuou análises e utilizou de forma eficaz modernas ferramentas gerenciais.

Ao oficializarem essa redução com a assinatura de um novo termo aditivo, o Presidente da COPAC Brigadeiro-do-Ar Carlos de Almeida Baptista Junior e o Vice-Presidente de Operações da Embraer Defesa e Segurança Eduardo Bonini Santos Pinto confirmam a parceria existente entre a Força Aérea e a Indústria Aeronáutica Brasileira. Parceria esta que vem, desde o início da aviação nacional, contribuindo para a criação de novas tecnologias, a geração de empregos e o desenvolvimento do Brasil.

FONTE / IMAGEM: FAB (COPAC)

VEJA TAMBÉM:

40 COMMENTS

  1. Se fosse a Embrodebecht, o orçamento original já tinha estourado, estariam fazendo aditivos, e o custo de cada aeronave não sairia por menos US$ 500 milhões.

  2. FAAs + Indústria Nacional (Desenvolvimento do projeto) + Recursos do GF (Financiamento do projeto e aquisição de lote mínimo) = Custos Reduzidos, Independência e Desenvolvimento de tecnologia, Soberânia Nacional!

    Assim deveria ser o FX, HeliX, EtcX, PX!!!

  3. “…efetuou análises e utilizou de forma eficaz modernas ferramentas gerenciais.”

    Boa notícia. Antes tarde do que nunca! Quem sabe nos outros projetos formas eficazes e modernas ferramentas de gerenciamento sejam utilizadas desde o início do projeto.

  4. Crica-se muito a opção da Embraer pelo uso de turbinas na aeronave.

    É bom alguém começar a criticar os indianos e russos, porque eles optaram por turbinas também.

  5. Vender que é bom, continua não vendendo, tem nada aí.
    Infelizmente o modelito citado acima, até agora só produziu um ambiente sem riscos, tremendamente confortável p/ a Embraer.
    Interessante não haverem filas de interessados, em montar sua própria fábrica de aviões.
    Qnto a polemica turbinas X turbohélices, tdo depende do uso que se pretende dar a aeronave.
    Se for p/ operar daquele tipo de pista, que faz a fama do C-130, além da conta da manutenção alta, teremos impacto no MTBF e baixa disponibilidade.

  6. MAD DOG – Concordo plenamente com suas palavras se nao fosse o fato de que investir em armamento no Brasil faria o povo que nem sabe o que rola pelo mundo afora ficar irado (pois aqui o que interessa é encher a barriga e ter remédio, em vez de prevenir)com os governantes( fora a corrupçao que nao deixa sobrar pra investir em educaçao e tecnologia ,o que faz nossas mentes brilhantes irem mundo afora trabalhar nos projetos dos outros ), ja teríamos caças, helis, fragatas napaoc e tudo o mais no estado da arte e de altíssemo nível de qualidade ,mas …..a realidade é outra sendo que a partir de agora temos a chance de daqui a uns trinta anos estarmos neste patamar ,SE O MUNDO NAO ACABAR ANTES é claro !!rs OBS.;Bem que uma versao artilhada como o super Hercules seria interessante ,um detalhe o aviao russo/indiano se parece demais com o kc vc nao acha?

  7. Eduardo, palpitanto seu comentário, o ideal seria que a população tivesse o minimo de discernimento da realidade para que fosse um pouco mas politizado ( não confundir com partidário ) e escolher melhor quem o representa, mas isto foi tolhido em nome da segurança nacional.
    Eu sou da opinião que uma hora as rodas se encaixam nos trilhos, e então teremos uma indústria bélica se não a melhor mas suficietemente qualificada se comparadas as outras, que bom que a Embraer tem esse projeto mesmo que o mundo acabe dia 22/12/12, o que vai frustar os nazileiberais que desejam no lugar da Embraer uma empresa que não tenha condição competir e assim passar ela em difinitivo para um banco.

  8. RomauBR e A. J. Camargo,

    Patrulhar a opinião de outros comentaristas não vai ajudar no debate, pelo contrário.

    Não estou aqui defendendo o Maurício R especificamente, mas todo e qualquer leitor que receba esse tipo de comentário de “patrulha”, que pode um dia atingir vocês também – e aí defenderia vocês dois desse tipo de comentário da mesma forma.

    Sugerimos debater as ideias, concorde-se ou não com elas, pois este não é um espaço para unanimidades. Eu já concordei diversas vezes e discordei outras tantas com o Maurício R e defendo o direito dele expressar suas opiniões, dentro das regras de boa convivência. E sem patrulha.

    Bom debate a todos.

  9. Isso é efeito Supremo. O TIO JOAQUIM BARBOSA, não deixa o Levandovsk pra ninguem, aí sobrou aquela “gordurinha”. Com essa raspa o FX-2 já da pra 37.

    Brincadeiras à parte, isso é gestão, onde qualquer empresa séria pratica.

    Nunão – Domingo aéreo no Musal foi fraquinho / fraquinho. Anunciada a apresentação da EDA às 10 e às 16. Voaram as 9.30 e não se apresentaram lá. Periodo matinal : Voos de acrobacias autônomas, rapel c/ PUMA da FAB, passagens de F-5 e A-1 e retorno da EDA. Visitações as sucatas e sol e calor fortes. Não vi vocês.

  10. “…reduzem os custos do contrato de desenvolvimento da aeronave…”

    Inacreditável!
    Redução de custos simplesmente não combina com o que temos lido sobre a indústria de defesa mundial, muito menos no Brasil, onde sempre cabe mais um ou outro penduricalho para aumentar o ataque aos cofres públicos.

    Parabéns!
    Principalmente a Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (COPAC) da FAB pelo esforço em controlar os custos de desenvolvimento, fase em que o projeto fica muito vulnerável às tentações de gastar mais do que é necessário.

    E porque não?
    Parabéns também a Embraer, que atende e acompanha o esforço fabiano, criando uma aeronave que atende o que é demandado, sem exageros ou ‘extras’ de valor agregado duvidoso.

    Sds,
    Ivan, o financeiro.

  11. Fernando “Nunão” De Martini disse:
    26 de outubro de 2012 às 9:11

    Parabéns pela iniciativa, Nunão. Deixei de comentar aqui exatamente pq cansei deste tipo de prática. Esta forma de atuação dos moderadores contribui para a discussão sadia de ideias.

  12. Caro Nunão,

    afirmo peremptória e veementemente que não era minha intenção patrulhar comentário(s) de ninguém, e se deu essa impressão, peço desculpas inclusive ao “patrulhado”. Concordo que todos tem direito a expressar suas idéias, sem dúvida, mas eu sinceramente não entendo o ódio que a pessoa nutre por essa empresa. Se bem que tbm não preciso entender nada, e se houve algum entrevero entre eles, que se entendam.

    Voltando ao tópico, fantásticas as soluções encontradas pela Embraer para a diminuição nos gastos com P&D.

  13. Fernando “Nunão” De Martini

    Concordo com sua moderação, no que se refere ao direito de expressão.
    No entanto, gostaria de considerar o seguinte: dentre os inúmeros locais de discussão de assuntos militares que povoam a rede, a Trilogia, na minha opinião, se destaca, justamente pelo teor dos comentários, além é claro, do esforço da equipe de redatores de nos trazer matérias inéditas e isentas de quaisquer resquícios mercadológicos.
    Não tenho pudores em confessar que não sou um especilista; sou apenas um intusiasta.
    Não obstante, minha ausência de conhecimento técnico não me impede de perceber, a perseguição sistemática que algumas empresas e até mesmo alguns escalões da FAB sofrem de alguns comentarista aqui.
    Esta visão inflexível, torna-se enfadonha, cansativa e em certo momentos ridículas!
    Foi neste sentido, que concordei hoje, com o Sr. RomauBR.
    Mas, para evitar o desvirtuamento do debate e não cair na tentação da crítica pela crítica, seguirei sua recomendação, tendo em vista ainda que prezo pela leitura diária deste informativo.

    Mas, para descontrair e finalizar (promotendo não voltar mais nesta linha de comentário):

    Quem deveria de fato reclamar sobre patrulha, com toda certeza, seria a Embraer…

    Grande abraço e obrigado!

  14. A. J. Camargo disse:
    26 de outubro de 2012 às 11:23

    “a perseguição sistemática que algumas empresas e até mesmo alguns escalões da FAB sofrem de alguns comentarista aqui”

    Amigo, se vc acha que aqui patrulham a FAB, precisa dar uma olhadinha nos comentários de blogs menos, hummm… qualificados, por aí.

    A FAB, seu AC e principalmente a COPAC, são chamados de burros e ladrões para baixo.

    Então, assim, a César o que é de César: aqui a gente critica a FAB e algumas empresas, sempre fundamentadamente.

    Por aí é xingamento puro e simples da esquerdalha ruminante que insiste em (tentar) tirar as duas patas dianteiras do chão.

    Sds.

  15. Eduardo Pereira – O avião Russo/ Indiano, lembra muito o nosso KC!

    Em relação aos nossos KCs, concordo plenamente com uma versão artilhada pelo menos umas 02 unidades para OEsp, mais umas 02 C-SAR, além de 08 para o 1ºGTT, 16 para o 1ºGT e um 2º GT em Manaus, mais 08 tendo como missão primária o REVO, distribuídos no 2º GT e em Manaus.
    Também concordo com uma campanha mais positiva em relação as nossas FAAs, segurança Nacional e Soberânia junto a população.

  16. “…um detalhe o aviao russo/indiano se parece demais com o kc vc nao acha?”

    Alguém já escreveu que necessidades paracidas, levam a soluções idem.
    Daí a similariedade entre os designs do MTA e do KC-390.
    Mas poderia se dizer entre o C-5 e o AN-125, ou o Il-76 e o C-17.
    Ah e por falar em Il-76 “Candid”, o mesmo empresta sua “cinturinha”, p/ a seção transversal da fuselagem do MTA russo-indiano.
    E por fim uma perguntinha, p/ aqueles que acham ser dever de tdo e qualquer um, “babar ovo” pela Embraer, antiga estatal privatizada e hoje asset de um banco de investimentos:

    Quem era a época do update dos F-5, a Embraer p/ criticar e fazer picuinhas mil, contra a Elbit e sua maneira de trabalhar???
    Sendo que a mesma não fora capaz de proporcionar a FAB, alternativa a importação de tecnologia de empresa estrangeira, necessária ao update das citadas aeronaves???

    No mais, incrível como uns _____________, que insistem em dizer “não conhecer sobre o assunto”, podem criticar a opinião alheia.
    Assim agradeço ao Nunão, por mais uma vez, tentar dar ordem ao caos!!!

    COMENTÁRIO EDITADO. FAVOR NÃO ROTULAR PEJORATIVAMENTE OUTROS COMENTARISTAS.

  17. Felizmente a democracia permite que se pense e por cosequência poder emitir uma opinião, coisa que o pensamento conservador de direita hoje enrustido de nazileberal não suporta ver sucesso em empresa de capital misto ou até mesmo na estrutura do estado, temos que defender a Embraer e outras estatais como um papel estratégico, mas essa defesa tem que vir também com a ,mudança da gestão porque até agora só serviu para moeda de troca de favorecimento partidário, e este cancer que tem extirpado.

  18. Amigos,

    A BOA notícia é a incomum redução de custos em um mundo em que encontramos constantes estouros de orçamento em nome sabe lá de que.

    O que precisamos comentar é como FAB e Embraer estão conseguindo este feito?

    Porque outros programas pelo mundo, notadamente o JSF, não conseguem controlar seus custos de desenvolvimento?

    Quais os outros casos de programa dentro do orçamento?
    Gripen e Super Hornet podem ser bons exemplos?

    Abç,
    Ivan.

  19. Caro Vader:
    Tens razão, o que se vê por aí, é puro descambo! E, é exatamente por isso, conforme disse anteriormente, que sou leitor assíduo deste.
    Abraço.

    Sr. Maurício R.
    Conforme palavra empenhada ao Sr. Fernando “Nunão” De Martini, não entrarei em discussões desta natureza.
    No entanto, reafirmo: não tenho vasto conhecimento técnico como o apresentado inúmeras vezes pelo senhor, o não me impede de perceber vosso ranço em relação a Embraer.
    Cordialmente

    A.J. Camargo

  20. Fantasticamente colocado, mestre Ivan.

    Como estão conseguindo o milagre de diminuir os custos projetados nessa f ase de projeto? Com seriedade e compromisso. Não me imiscuo na questão do F-35, mesmo pq ele “é demais pra nós” e empresa estrangeira não me diz respeito. Que será uma aeronave superlativa, disso não tenho dúvida, mas ao contrário desse exemplo tupiniquim, a que preço?

  21. Hamadjr disse:
    26 de outubro de 2012 às 12:47

    “temos que defender a Embraer e outras estatais” (grifei)

    Perceba como o cidadão, ao cometer o que claramente foi um ato falho, denota o erro lógico e o viés claramente ideológico dos seus comentários. E olha que nem estou a falar do “nazileberal” (WTFITS???) e do “pensamento conservador de direita” (???).

    A Embraer, em que pese a Golden Share estatal, é uma empresa PRIVADA.

    Ponham isso na cabeça de uma vez por todas: sua diretoria responde ao CONSELHO DE ACIONISTAS e APENAS a eles. A Embraer é, hoje, uma HOLDING MULTINACIONAL, com ações na New York Stock Exchange (NYSE), a bolsa de valores de Nova Iorque, onde circula o dinheiro do mundo. Se amanhã ou depois o Murdoch, o Bill Gates, o Mark Zuckerberg, qualquer outro ricaço resolver comprar 51% das ações da Embraer ele compra e ACABOU! A Embraer vai virar uma filial do “Facebook”…

    Percam essa ilusão de que a Embraer é “nacional”: não é, e faz um bom tempo.

    Ninguém, aqui ou em qualquer lugar do mundo, tem obrigação de defender a Embraer de NADA. Até porque esta sabe muito bem se defender por si própria.

    Isto posto, excelente a redução de preços anunciada. Quem sabe agora a Embraer devolve ao menos uma parte do dinheiro dos nossos impostos investido no projeto dessa aeronave pelo nosso sábio e glorioso governo…

  22. RomauBR disse:
    26 de outubro de 2012 às 14:33
    Fantasticamente colocado, mestre Ivan.

    “Que será uma aeronave superlativa, disso não tenho dúvida, mas ao contrário desse exemplo tupiniquim, a que preço?”

    Amigo, com todo o respeito, mas projetar um cargueiro utilizando a tecnologia COTS livremente disponível para aquisição no mercado é uma coisa bem diferente de se projetar um caça multimissão de 5a geração, em três versões diferentes, sendo uma delas STOVL, projetando, criando, desenvolvendo e incorporando tecnologias que simplesmente estão décadas à frente dos similares mundo afora.

    Isso só faz quem pode; inclusive financeiramente.

    Sds.

  23. Prezado Vader,

    não entrei no mérito da questão, o que fiz foi simplesmente traçar um paralelo, ainda que primário, de duas situações completamente antagônicas. De um lado tende a subir – e está subindo – vertiginosamente e meio que sem freios, ao que parece. Contrato cost plus, tecnologias sendo desenvolvidas, realmente o gasto é enorme porque precisa ser assim; pesquisa não se implementa de outro jeito.

    Projetar cargueiro COTS é a realidade pra nós, desenvolver um super caça ultramega está além de nossas potencialidades, tanto econômicas quanto intelectuais. Tenho certa raiva contida da inércia e inépcia governamental sobre tudo o que é e o que não é dito aqui na trilogia, mas isso fica pra outra hora.

    Sds

  24. Segundo os estatutos da EMBRAER é impossível um acionista deter, salvo melhor juízo, mais de 20% do seu capital. Então nenhuma empresa ou pessoa físcia estrangeira – ou nacional – pode controlá-la. De outro lado, quando da sua privatização, a União ficou com direito de veto sobre decisões de natureza estratégica.
    Então, em que pese não ser mais estatal, há certa ingerência pública na sua administração, em questões estratégicas.

  25. Nunão, estou entrando hoje no forum e concordo plenamente com sua atitude de procurar manter o debate saudável e profícuo. Justamente por isso te pergunto: será que é realmente saudável e necessário o tom que algumas pessoas usam aqui ao atacar (passou do ponto de apenas criticar) setores da classe política brasileira?

    Esclareço que não pertenço nem pretendo pertencer a qualquer partido. Isso ocorre pois passei do estágio de ingenuidade de pensar que existe direita e esquerda no Brasil. Qualquer pessoa de bom senso entende que existe situação e oposição. Nesse prisma, direita é a situação e esquerda a oposição.

    Ou alguém leva fé em partidos com siglas socialistas que se aliam a partidos de orientação neo-liberal e vice-versa? Na prática, todos não fazem nada além de defender seus próprios intere$$e$ e nada mais, ainda que com isso pratiquem verdadeiros crimes que lesam o país ano após ano. A maior prova disso é o julgamento em curso atualmente no STF tratando de crimes que dizem respeito a integrantes de um partido mas que já foram praticados por membros de outros partidos, não apenas de um.

    Exerço meus direitos e deveres de cidadão ativamente. Esse aliás é um dos principais motivos de entrar no fórum: meu interesse nos assuntos referentes à defesa do país que amo. Só acho que incomoda, e acredito que não apenas a mim, o fato que alguns aqui parecem fazer uso do espaço como espaço de propaganda de certas correntes políticas. Respeito plenamente o direito de cada um abraçar a ideologia que lhe agrade mas peço a reciprocidade de respeitarem as minhas.

  26. Mayuan, boas-vindas em nome dos editores dos sites e da revista Forças de Defesa.

    Sobre a questão que você colocou, o fato é: este não é um espaço para se fazer propaganda política.

    É fato que há um limite tênue entre uma discussão política relacionada à defesa (e que é um assunto pertinente) e a propaganda política, campanha, ataque a adversários ideológicos etc.

    A gente avisa com frequência quando esse limite é ultrapassado.

    Muitas vezes funciona, outras não. Mas não dá pra ficar em cima o tempo todo, temos mais o que fazer.

    É uma coisa que não acaba em espaço algum na internet. Deve rolar até em sites dedicados à cultura de flores na pós-modernidade ou ao debate sobre o cinema do Círculo Polar Ártico.

    Avisar sobre isso é um eterno enxugar de gelo, mas prosseguimos na promoção do debate.

  27. Nunão, muito obrigado pela resposta e pela educação que sempre demonstra. Embora esteja entrando agora já leio os fóruns tem um tempinho e sempre percebi o zelo de vocês nesse sentido. Sou um reles leitor e entusiasta do tema e meu comentário é mais mesmo no sentido construtivo de lembrar a todos que o tópico aqui é defesa e não política, menos ainda, preferências políticas. Não existem santos na política, todos tem mais contras que prós. Lugar de procurar por santo é na igreja, não no congresso. Se nos lembrarmos sempre disso, os debates aqui serão sempre mais agradáveis, respeitosos e de nível elevado. De minha parte, pretendo contribuir com minhas opiniões quando achar proveitoso e com meu silêncio quando for mais proveitoso ainda. Abraços!

  28. Mayuan disse:
    27 de outubro de 2012 às 1:22

    Então tá, você nunca antes cheirou nada aqui, e de repente, do nada, entra pra criticar os que, como eu, tem uma posição política (e não ideológica: quem tem ideologia é PeTralha; gente sensata tem princípíos) definida. Co´esse blábláblá, nhémnhémnhém, de que “ui ui ui, não existe direita e esquerda, ai ai ai”… Ah qualé, parceiro…

    Conta outra tá? Tá achando que todo mundo aqui é bobinho é? “Zé Mané”?

    Oras, acho que tu tá em site errado…

    PS: é que o Nunão é mesmo um gentleman. Um lorde. Fosse eu já te dava uma espinafrada que tu ia lembrar desse espaço aqui só na outra vida…

  29. Existem muitas ópticas para se entender esta noticia.

    A primeira coisa a ser feita é estabelecer a proporção desta relação de custos.

    Perto do contrato de desenvolvimento assinado em 2009 esta economia não chega a que 2,5% do montante (isto se considerar inflação).

    Os mais entusiastas no programa, podem argumentar que não é praxe em lugar algum do mundo, muito menos no Brasil alguém devolver dinheiro aos cofres públicos.

    Os mais céticos podem tentar buscar outras explicações, vou listar algumas, embora nenhuma delas possa ser provada com os dados disponíveis.

    1) A Embraer pode ter superestimado o custo de desenvolvimento como forma de se proteger contra estouros de custos, e agora esta devolvendo dinheiro já que os custos do programa não subiram dentro do pior cenário.

    2) Parceiras de risco injetaram dinheiro no programa, a exemplo dos ERJ e a Embraer esta devolvendo a economia colhida com este investimento.

    3) Houve mudança de escopo que geraram economias que estão sendo devolvidas.

    Novamente os entusiastas da Embraer podem dizer:

    Não importa os motivos nem importa o valor, dinheiro esta sendo economizado.

    Os céticos por sua vez argumentariam:

    E se o total injetado no programa por terceiros fosse muito maior do que os US$ 42 mi que estão sendo devolvidos.

    O fato é que este tipo de programa é uma caixa preta, quase nada sobre ele em domínio publico permite fazer uma analise cristalina.

    Pode ser um exemplo de ética e preocupação com a nação da Embraer

    Pode ser uma jogada de relações públicas onde apenas uma parte do dinheiro é devolvida, evitando questionamentos futuros sobre a engenharia financeira do programa.

    A verdade, jamais saberemos.

  30. “Vader em 27/10/2012 as 8:12”

    Vader, como diz o Analista de Bagé, “te fresqueia”.

    É sabadão, faça como eu, leia os comentários tomando uma cerveja gelada, sem entrar de carrinho nos outros, por favor.

    Troco de bom grado qualquer elogio à minha pessoa por comentários mais civilizados entre os debatedores. O Mayuan tem direito à opinião dele, você tem o direito à sua, simples assim. Debatam os assuntos, ao invés de debater os debatedores.

    Deem as mãos, façam uma grande ciranda no gramado sob o sol desta Era de Aquário (não esqueçam do protetor solar por causa do buraco do ozônio) e cantem pela Paz Mundial.

    Saudações!

  31. hehehe…

    Se vcs acham que existe patrulhamento entre comentaristas aqui? Isso não é nada perto do “patrulhamento” que existe em cima do Poder Aéreo nos outros blogs – principalmente por “ex-comentaristas” – que a cada 3 comentários, pelo menos um tem q citar o tal do “blog-dos-sueco-americanos-de-extrema-direita-que-tem-a-ousadia-de-elogiar-Gripen-e-F-18”.. Teve comentarista que se deu ao trabalho de anotar os dias e horários que o pessoal comentava aqui pra provar pros outros como o PA tava “mal das pernas”… kkkkkkkkkkk… Ri demais… 😛

    Nada mais chato do que uma pessoa que vive falando mal da ex… mas vive catando o que ela ta fazendo.. kkkkkk… Froid explica! 😉

  32. Fernando “Nunão” De Martini disse:
    27 de outubro de 2012 às 12:58

    OK Nunão, foi a ressaca… ela deixa a gente meio ácido…

    _____________

    Optimus disse:
    27 de outubro de 2012 às 15:55

    Hehehehe, perdi isso, rsrs…

    Mas com que então é o PA que tá “mal das pernas”???

    Sem deméritos, acho muito justo que os leitores paguem pelo que consomem. Mas não vejo o PA pedindo doação de ninguém pra se manter no ar, hehehehe…

    Sds.

  33. Vader e Optimus,

    Não vejo demérito algum que um site peça doação a seus leitores para se manter no ar, se necessário.

    Já fizemos isso no passado, porque os custos de servidores crescem conforme o fluxo de leitores cresce.

    Nosso atual custo nesse sentido ultrapassa e muito o que seria possível cobrir somente por doações, dada a nossa experiência em relação aos leitores que realmente podem ajudar nisso. Ainda assim, temos casos de leitores que querem contribuir com doações até hoje.

    A diferença é que há muito tempo deixamos de pedir, porque viabilizamos outras formas de receita, potencializando junto a anunciantes a nossa audiência conquistada com muito trabalho duro, diário (público total que não pode ser comparado ao universo de comentaristas, como no exemplo bizarro do sujeito mostrado pelo Optimus – os comentaristas são uma parcela muito muito muito pequena, apesar de ainda mais fiel, do público leitor).

    De resto, boa sorte aos demais sites, e viva a livre concorrência, dentro da ética.

  34. MiLord Vader, Optimus (Prime ???),

    Denominamos “doação” uma contribuição pecuniária com um blog que nos interessa por falta de outro termo que melhor defina esta ação.

    Eu mesmo já contribui e faria novamente (possivelmente o farei) com grande satisfação, sabendo inclusive que seria em meu benefício, pois são estes blogueiros idealistas, jornalistas ou não, que abrem um espaço democrático para que eu, vcs e todos os demais entusiastas possam compartilhar conhecimento, opniões e até mesmo sonhos.

    Garanto que o “pouco, muito pouco, pouco mesmo” que desembolsei não paga nem mesmo a centésima parte do que recebi em conhecimento e diversão.

    Obviamente tenho minha preferência (que ninguém percebeu…rsrsrs), mas visito regularmente outras casas e, quando dispor de mais tempo, pretendo participar um pouco mais.

    Assim sendo, acredito que contribuir é doar em causa própria.

    Abç,
    Ivan, o Antigo.

LEAVE A REPLY