Home Espaço Assinado acordo que cria a Visiona Tecnologia Espacial

Assinado acordo que cria a Visiona Tecnologia Espacial

141
4

A Embraer e a Telebras assinaram nesta terça-feira um acordo para criar a Visiona Tecnologia Espacial, empresa que atuará no Programa Nacional de Atividades Espaciais (PNAE), conforme Memorando de Entendimento anunciado em novembro de 2011.

Segundo nota da empresa de telefonia enviada à imprensa, a Telebras terá 49 por cento do capital social da companhia, enquanto a Embraer terá 51 por cento.

O objetivo inicial da (nova) empresa é atuar no Satélite Geoestacionário Brasileiro, que visa atender às necessidades de comunicação satelital do Governo Federal, incluindo o Programa Nacional de Banda Larga e um amplo espectro de transmissões estratégicas de defesa, informou a estatal na nota.

Assim como a própria Embraer, a Visiona terá sede em São José dos Campos (SP) e atuará em parceria com entidades de ensino e pesquisa aeroespacial do país.

FONTE: Reuters, via bolsavalores.net

4 COMMENTS

  1. Ai, agora a Embraer “entende” de satélites, me engana que eu gosto!!!
    Nem competência e menos ainda intere$$e, tiveram em desenvolver tecnologia própria, necessitamos dos serviços da Elbit, p/ o update dos F-5.
    Agora vão fabricar satélites, junto c/ o cabidão de empregos das telecomunicações.
    Na boa, tecnologia de ERJ, Phenom, ST, não gabarita a empresa se meter no F-X 2 e menos ainda a fabricar satélites.
    Acorda, Brasil!!!

  2. Para fabricar satélites é necessário, antes de tudo, ter grande experiência em integração de sistemas complexos e este é o caso da Embraer, que não foi escolhida por acaso. No país, pouquíssimas empresas têm esse know-how e um número ainda menor tem dinheiro em caixa para a empreitada. Acredito no acordo e este primeiro satélite será o pontapé inicial para o país começar a obter autonomia na área.

  3. “Para fabricar satélites é necessário, antes de tudo, ter grande experiência em integração de sistemas complexos…”

    Competências estas plenamente desenvolvidas no LIT do INPE, mas não na empresa, cuja tecnologia limita-se a capacidade em fabricar ERJ, ST e Phenoms.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here