sábado, março 6, 2021

Gripen para o Brasil

Osório: um bom projeto, um mau negócio ou ambos?

Destaques

Defesa aérea da Sérvia atingiu outro F-117 durante a Operation Allied Force

A história de como um jato de ataque stealth F-117 Nighthawk da Força Aérea dos Estados Unidos foi abatido...

HENSOLDT: Sistemas antidrone e de proteção de áreas críticas e estratégicas

Nos últimos anos, a venda de drones cresceu muito no mundo. Esses objetos voadores, cada vez mais comuns em...

FAB coordena Operação Escudo Antiaéreo

Operação aconteceu de forma conjunta entre a Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea Brasileira No período...
Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Todos os detalhes da resposta a esta pergunta estão na revista Forças de Defesa número 4, que também traz uma entrevista exclusiva e reveladora com um dos engenheiros que trabalharam no projeto, Reginaldo Bacchi.  Clique aqui para sentir mais um “gostinho”, no site das Forças Terrestres, desta matéria imperdível do novo exemplar da revista.

- Advertisement -

2 Comments

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
André Lourenço

Com certeza um excelente projeto, na verdade pelo que sei da história o Brasil não apostou no projeto fechando um contrato, para completar os EUA queimaram nosso filme com os clientes.

André Lourenço

Assim como o AMX na década de 80 foi uma plataforma para Embraer ter acesso a novas tecnologias, a Engesa poderia estar em atividade, com uma boa modernização talvez não fosse preciso a compra dos Leopard.

Combates Aéreos

A perda dos ases iraquianos

  Muitos pilotos iraquianos de Mig-21 ganharam notoriedade durante a guerra com o Irã. O mais conhecido foi Tenente (mais...
- Advertisement -
- Advertisement -