domingo, setembro 26, 2021

Gripen para o Brasil

Artigo do jornal francês ‘La Tribune’ comemora as dificuldades do F-35

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Segundo o artigo, o F-35 foi criado com a pretensão de colocar vários caças no museu, incluindo o Rafale, mas as dificuldades no seu desenvolvimento podem comprometer tanto esta quanto a sua missão ‘não oficial’: sabotar a indústria aeroespacial francesa

 –

A guerra do mercado de caças esteve quente na edição do jornal francês “La Tribune” da última sexta-feira, 4 de maio. Às vésperas do segundo turno da eleição presidencial francesa, que dias depois terminou com a vitória do socialista François Hollande, opositor de Nicolas Sarkozy, o jornal trouxe uma matéria de conteúdo claramente nacionalista e antiamericano, destacando as dificuldades pelas quais vem passando o programa do F-35. Vale lembrar que no mês passado o mesmo jornal trouxe artigo sobre as frustrações de Sarkozy em conseguir vendas externas para o Rafale, que em seguidas ocasiões foi derrotado por concorrentes norte-americanos (clique aqui para ler a matéria). Segue a edição do texto assinado por Michel Cabirol, com tradução e adaptação ao português do Poder Aéreo.

No início da década passada, o F-35 da Lockheed Martin seria o caça do século XXI. Conhecido pela sigla “JSF” (Joint Strike Fighter – caça de ataque conjunto), foi apelidado por americanos arrogantes como “Just a Single Fighter” (um único caça), e inundaria o mercado mundial de aviões de combate. Os Estados Unidos planejaram produzir um total de 6.000 unidades, metade para exportação. O preço anunciado oficialmente em 2002 estava entre 31 e 35 milhões de dólares (em valores de 2002). De fato, perto de 50 milhões de dólares.

O F-35 deveria relegar todos os seus rivais a museus, incluindo o Rafale. E também tinha uma missão não oficial: sabotar a indústria aeroespacial europeia, especialmente a da França, o único outro país a dominar todas as tecnologias para desenvolver e industrializar um avião de combate, à exceção da Rússia. Segundo um especialista do Ministério da Defesa, seria para “aprimorar a vassalagem”. Em maio de 2002, Serge Dassault dava uma entrevista ao “La Tribune” dizendo: “Devemos saber que os americanos querem quebrar nossa indústria de defesa para incrementar sua dominação global, porque nós somos seus únicos competidores”.

Naquela época, o F-35 parecia bem próximo de conquistar seu objetivo de eliminar qualquer competição europeia, com a cumplicidade de diversos países da Velha Europa. No final de 2002, Grã-Bretanha, Holanda, Itália, Dinamarca, Noruega e Turquia tornaram-se parceiros do programa JSF, às custas de opções europeias (o Rafale da francesa Dassault, o Typhoon do consórcio europeu Eurofighter e o Gripen, da sueca Saab).

Em julho de 2004 o CEO da Dassault Aviation, Charles Edelstenne, disse ao “La Tribune”: “Apesar dos orçamentos europeus não serem muito ricos, os americanos ainda assim conseguiram tirar dos europeus aproximadamente 5 bilhões de dólares como participação no desenvolvimento dessa aeronave.” Em contrapartida, os EUA prometeram entregar a esses países grandes retornos tecnológicos e industriais. Alguns deles ainda estão esperando.

A chegada do F-35 ao mercado, combinada com a desativação de muitos dos F-16 da Força Aérea dos EUA para serem revendidos usados, deveria completar o esforço americano para eliminar a competição na Europa. Naquela época, os céus da Velha Europa estavam coalhados de aviões americanos, com numerosas frotas de F-16 fabricadas pela Lockheed Martin (Bélgica, Dinamarca, Noruega, Grécia, Holanda, Portugal e Turquia) e de F-18 da Boeing (Espanha, Finlândia e Suíça).

Da ascenção à decadência do programa do F-35

Mas, dez anos depois, as coisas estão mudadas. A crise financeira afetou enormemente os membros europeus do programa JSF, que estão com poucos recursos disponíveis. Ao mesmo tempo, o programa do F-35, considerado uma máquina de guerra contra a aviação militar europeia, segue num lento voo planado na direção do fracasso comercial, mostrando ser um abismo financeiro até mesmo para os EUA.

Segundo um especialista do Ministério da Defesa, “o programa do F-35 está em dificuldades”. A implementação operacional na frota dos EUA agora está programada para 2018, contrastando com os planos originais de 2011. No final do ano passado, apenas 20% do programa de testes de voo foi realizado. Tudo isso pode trazer mais dificuldades, resultando em mais atrasos e novos cortes em encomendas por compradores, o que vai aumentar o custo unitário.

Em termos financeiros, o custo unitário mais do que dobrou, atingindo 103 milhões de dólares a preços constantes (excluindo inflação) ou 113 milhões em valores de hoje, de acordo com o Pentágono. O custo do programa agora está em 385 bilhões, um abuso financeiro que está despertando e incomodando países parceiros nos últimos meses, como Canadá, Austrália, Itália e Holanda. Os dois últimos chegaram a reduzir suas encomendas.

O jornal também destaca a controvérsia no Canadá, onde existe a possibilidade de uma competição internacional em que o Rafale francês participe:

Na quinta-feira passada, o responsável pelo orçamento no Parlamento Canadense, Kevin Page, chegou a acusar o Governo Conservador de enganar o público sobre os custos reais do programa para a aquisição do F-35. Seus comentários vêm após a publicação de um relatório preliminar da Auditoria Geral do Canadá, que em abril criticou o Ministério da Defesa por falhar em “estabelecer os custos totais ao longo do ciclo da vida” da aeronave.

O Governo Canadense anunciou, em julho de 2010, sua intenção de adquirir 65 caças F-35 para substituir sua envelhecida frota de F-18, a um custo de 8,5 bilhões de dólares canadenses, ou 16 bilhões contando-se os contratos de manutenção. Porém, tanto para Kevin Page quanto para o Auditor Geral Michael Ferguson, os custos reais de aquisição deverão exceder 25 bilhões.

Ainda assim, o artigo do jornal destaca um ponto positivo: a vitória no Japão sobre o Eurofighter Typhoon e o Boeing F-18 Super Hornet:

Do lado positivo, em dezembro de 2011 o F-35 ganhou sua primeira competição internacional real no Japão, em que competia com o F-18 Super Hornet (Boeing) e o Typhoon (Eurofighter) para uma encomenda de 42 unidades. Os primeiros quatro deverão ser comprados até 2014, mesmo ano em que outro comprador, Israel, deverá se decidir soabre a compra de 19 aeronaves.

Finalmente, a Força Aérea dos EUA, principal cliente, até o momento vem mantendo sua meta de 1.760 unidades, ao passo que a Marinha decidiu aumentar sua frota de F-18 Super Hornet às custas do F-35. Isso porque sérios problemas vêm ocorrendo com a versão de decolagem curta e pouso vertical (STOVL), que poderá até ser abandonada em 2013. Os Fuzileiros Navais dos EUA poderiam seguir a decisão da Marinha caso essa versão seja cancelada.

FONTE: La Tribune (tradução, adaptação e edição: Poder Aéreo)

FOTOS: Lockheed Martin e Dassault

NOTA DO EDITOR: a “batalha” franco-americana expressa no artigo acima é apenas mais um capítulo da verdadeira guerra pelo mercado de caças neste século XXI, em que a entrada em operação da chamada “quarta geração” de caças (entre os quais os europeus Rafale, Gripen e Typhoon) é seguida de perto pelo desenvolvimento da “quinta geração”, sendo que as duas gerações disputam os recursos e as concorrências dos mesmos países, tendo também como pano de fundo e fator complicador as ofertas de modelos usados. Mas estes não são os únicos pontos a se destacar nessa guerra. A revista Forças de Defesa número 4 traz um panorama de todas as compras diretas e concorrências de caças deste século, como se pode ver na matéria logo abaixo, com muitos outros elementos para se entender a complexidade desse mercado. Encomende já o seu exemplar para não ficar de fora desse assunto e, enquanto isso, veja algumas das diversas matérias já publicadas sobre essas batalhas aqui no Poder Aéreo, nos links a seguir.

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

28 Comments

Subscribe
Notify of
guest
28 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
asbueno

Toda empresa busca, em seu ramo, obter a supremacia em relação ao mercado. Buscar construir novos e melhores produtos é o meio “legal” para se conseguir isso. Nem sempre é possível.

Com as nações não é diferente. Elas apoiam ações de sua empresas e adotam posturas diplomáticas (e outras nem tanto) para seguirem na dianteira das atitudes que as levam mais ou menos à liderança sobre as demais. As vezes dão largos passos e outras vezes tropeçam.

Isso vale para todas as empresas e nações.

edcreek

OLá,

Nessa eu concordo com asbueno, sem duvida um empresa fica de olhos cheios quando a sua rival arega…

Assim como é inegavel os problemas tecnico financeiros que assolam o F-35 que será o projeto mais caro da historia da aviação, e a ainda quem acredita que ele será barato de comprar e operar…

Abraços,

Hamadjr

Ainda bem que a FAB não vai precisar deste F35, vai ficar com .. com …, com qual mesmo?

asbueno

Hamadjr:

o pior cenário, do ponto de vista operacional, é não vir algum caça novo.

Se bem que um TampaxPowerTurboDínamo não seria horrível, apenas ruim. Mas qual?

Marcos

Caros Hamadjr e asbueno

Na minha humilde opinião, será o T.F. “Tampão Forever”

E diga se de passagem, com quase toda certeza que, sera algo velho, seria até sonhar muito, com uns F- 16 Block, mas quem sabe o GF não queime minha lingua e dedos, e anunciem um vencedor ainda este semestre, ano ou decada.

Sds

Marcos

“Em contrapartida, os EUA prometeram entregar a esses países grandes retornos tecnológicos e industriais. Alguns deles ainda estão esperando.”

Isso serve para nós em relação ao próprio Rafale.

Mauricio R.

Bem dadas as devidas desproporções entre ambos os projetos, a Lockmart caminha, não sem alguns sobressaltos, p/ o pódio.
Enquanto a Dassault e seu incompleto e sabidamente mto caro caça de 4º geração, ou seria 4ª categoria, p/ a vala.

Dario

O desenv. do helicóptero também demandou muito tempo e poucos apostaram nesta máquina. A capacidade da indústria americana é fantástica. Aposto minhas fichas no F-35. Isso sim é desenvolvimento de tecnologia de ponta. Tem que pagar o preço ( e alto ). Enquanto isso, ” na arquibancada “, um monte de gente torcendo contra.

asbueno

O GF acenou com uma decisão para este mês.Se isso não ocorrer poderia vir mais uma longa espera ou o pior.

mesmo sem saber detalhes, o F-35 parece pagar o preço do pioneirismo.

Nick

Comemorar os atrasos e aumentos de custos do F-35 beira o ridículo para os franceses. Por outro lado, é um atestado que seu Rafale é um caça ultrapassado e só sobrevive com o atraso no F-35.

[]’s

Mauricio R.

Na verdade só sobrevive pq os franceses, não fazem parte do projeto americano.

Marcos

Quantos pedidos para o F-35?
USA, UK, Italia, Holanda, Japão, Austrália, Canadá, Israel, Turquia, Dinamarca, Noruega, Singapura… > 3000 un.

Quantos pedidos para o Rafale?
França, India… talvez EAU… talvez Brasil.
Quantos do Brasil? 36, que segundo alguns jornalistas é uma das maiores compras de caças da história do planeta.

Vader

Comparar Le Jaquê ao F-35 deveria dar cadeia. Até na França. 😉 Mas vamos lá, pontuando as mentiras e incorreções do artigo: “o único outro país a dominar todas as tecnologias para desenvolver e industrializar um avião de combate, à exceção da Rússia” Duas mentiras em uma única frase: nem a França domina toda a tecnologia para produzir aeronaves de combate, nem é a única a fazê-lo além da Rússia. “porque nós somos seus únicos competidores” A tradicional “modéstia” francesa é algo impressionante… “No final de 2002, Grã-Bretanha, Holanda, Itália, Dinamarca, Noruega e Turquia tornaram-se parceiros do programa JSF” O… Read more »

Giordani RS

E na França tudo volta a ser como era com o imperador miterrand:
Não é a França que está errada, é o Mundo!

Carcará 01

“Conhecido pela sigla “JSF” (Joint Strike Fighter – caça de ataque conjunto), foi apelidado por americanos arrogantes como “Just a Single Fighter” (um único caça)”

Olha só quem fala, simplesmente o povo reconhecidamente mais ARROGANTE e PROPOTENTE do mundo. Além de tudo, não confiáveis.

wallace

Emoção: espero que com a derrota do sarkozy o Rafale saia de cena e vença o F-18 (melhor caça) ou o Rafale (melhor aprendizagem).

Na verdade o caça dos meus sonhos é o F-35… Mas mesmo que o Rafale não vença, não é ele que virá ao Brasil… Quem sabe com a vitória do F-18 num futuro próximo isso não mude?

wallace

Leia-se “gripen” onde está escrito “ou o Rafale (melhor aprendizagem)”

Corsario137

Como diria um certo ex-presidente: “São uns Parlapatões!”.

Groo

“o programa do F-35, considerado uma máquina de guerra contra a aviação militar europeia, segue num lento voo planado na direção do fracasso comercial, mostrando ser um abismo financeiro até mesmo para os EUA.”

“o programa do RAFALE segue num lento voo planado na direção do fracasso comercial, mostrando ser um abismo financeiro até mesmo para a França.”

ricardo_recife

Estou dando uma boas gargalhadas. Cada mais creio que os franceses não tem o menor simancol.

Países funcionam como as empresas, querem monopólio. Mas, afirmar que o objetivo é F-35 é destruir a indústria aeroespacial europeia é um demais, Inglaterra e Itália são dois dos quatro construtores do Eurofighter Typhoon e são membros do programa JSF.

O F-35 tem pelos menos 11 compradores. Além dos nove originais mais Japão e Israel. O JSF tem hoje em carteira mais de 2.000 caças encomendados.

Não nem comparar com a Jaca, não vou perder meu tempo.

Abs,

Ricardo

Fabio ASC

Seriam os franceses arrogantes?!?!?!?!

Optimus

“…segue num lento voo planado na direção do fracasso comercial, mostrando ser um abismo financeiro…” Tão falando do Rafale, não é?! 😛 Se ter mais de 2000 unidades encomendadas por 11 compradores antes de entrar em produção é um fracasso comercial, o que falar de “La poderosa Jaca”: os 126 da Índia (não confirmados ainda) depois de 10 anos e perder em todas as concorrencias é um sucesso por acaso?! “E na França tudo volta a ser como era com o imperador miterrand: Não é a França que está errada, é o Mundo!” Ora, caro Giordani – tem gente que… Read more »

Ivan

CFM International é uma joint venture entre GE (norte americana) e Snecma (francesa) para produzir os turbofans de grande sucesso comercial CFM-56. A tecnologia que a General Eletric aportou no projeto era simplesmente a usada nas turbinas F-101, usadas nos B-1 Lancer. O negócio era tão importante para a França que o Presidente Georges Pompidou solicitou diretamente ao Presidente Richard Nixon a aprovação do acordo em 1971. Pelo visto foi um bom negócio para a General Eletric, mas certamente foi um excelente negócio para a SNECMA, que teve acesso a novas tecnologias americanas e lhe deu um grande fôlego comercial.… Read more »

Ivan

Em tempo.

Três eurocanards de 4ª geração diferentes;
Três turbofans diferentes;
Três radares PESA diferentes;
Três radares AESA diferentes;
Três IRST diferentes…

… e nenhum projeto ou programa para um caça europeu ocidental furtivo de 5ª geração.

Os europeus não precisam de ninguém para
“…sabotar a indústria aeroespacial europeia…”
Faz algumas décadas que fazem isso sem ajuda.

Sds,
Ivan, o antigo.

Vader

Os europeus não precisam de ninguém para “…sabotar a indústria aeroespacial europeia…”. Faz algumas décadas que fazem isso sem ajuda. (2)

Ricardo Cascaldi

Os europeus não precisam de ninguém para “…sabotar a indústria aeroespacial europeia…”. Faz algumas décadas que fazem isso sem ajuda. (2)

Fazia tempo que não me divertia tanto lendo um post! Hehehe!

😀

Edgar

Os europeus não precisam de ninguém para “…sabotar a indústria aeroespacial europeia…”. Faz algumas décadas que fazem isso sem ajuda. (4)

http://www.aereo.jor.br/2012/04/14/industria-militar-europeia-se-aproxima-de-uma-crise/

ivanildotavares

Os europeus não precisam de ninguém para “…sabotar a indústria aeroespacial européia…”. Faz algumas décadas que faz em isso sem ajuda. (5).

GUPPY

Últimas Notícias

USAF seleciona o turbofan F130 da Rolls-Royce para o programa de remotorização do bombardeiro B-52

A Força Aérea dos EUA anunciou em 24 de setembro que deu à Rolls-Royce um contrato de US$ 500...
- Advertisement -
- Advertisement -