Home Noticiário Internacional F-X2: Rafale no Brasil é frustração de Sarkozy, diz outro jornal francês

F-X2: Rafale no Brasil é frustração de Sarkozy, diz outro jornal francês

152
10

Contrastando com o otimismo de notícia de 10 de abril do jornal francês Les Echos, que serviu de base para reportagem da RFI (veja matéria acima desta), outro jornal do mesmo país, o La Tribune, publicou artigo com o nome “Rafale: as esperanças frustradas de Nicolas Sarkozy”, no último dia 12.

O ponto principal do texto é a expectativa frustrada do atual presidente francês e candidato à reeleição, Nicolas Sarkozy, de conseguir efetivamente assinar um contrato de venda do Rafale durante seu mandato, especialmente para os Emirados Árabes Unidos (EAU). Segundo o jornal, “há poucos dias Sarkozy ainda esperava voar para Abu Dhabi e assinar um contrato de venda de 60 dos caças da Dassault. Mas todos os esforços para conseguir essa venda, nos cinco anos desse seu primeiro mandato, foram em vão”.

O jornal ressalta como positivo, porém, o fato de que o caça foi selecionado pela Índia, ficando na “pole position”. Mas, por enquanto, nada está assinado e é difícil colocar o crédito desse sucesso à Presidência Francesa, pois Sarkozy teria intensificado erros durante visitas à Índia. O próximo presidente francês, seja Sarkozy ou outro, deverá assinar o contrato. “Quem sabe assine também contratos no Qatar ou na Malásia, se for tão obsecado quando o presidente dos últimos cinco anos”, diz o jornal.

Sobre essa obsessão, o La Tribune afirma que o desafio foi assumido por Sarkozy poucos meses após sua posse, e que ela foi desencadeada por um fracasso embaraçoso do Rafale no Marrocos. O país do Norte da África preferiu, em 2007, comprar o F-16 norte-americano, numa derrota francesa considerada impensável e uma verdadeira “afronta ao novo presidente”. É por isso, segundo o jornal, que Sarkozy lutou até o último momento, em vão, para convencer os  EAU a assinar um contrato neste primeiro trimestre de 2012. Visitas chegaram a ser agendadas para fevereiro e março, e Sarkozy estava pronto para subir num avião e assinar logo esse contrato com os EAU, país do Golfo Pérsico com o qual a França tem um acordo de defesa desde 1995. Se houver um acordo, ele “provavelmente vai ser assinado pelo próximo presidente – algo cruel para Nicolas Sarkozy, se ele não for reeleito em maio”, diz a reportagem do La Tribune.

Para vender o Rafale a todo custo, Sarkozy teria tentado de tudo, o que incluiu oferecer o caça até onde há pouca chance de sucesso, como no Kuwait e em Omã, países sob forte influência dos EUA. O presidente francês chegou mesmo a tomar iniciativas perigosas para vender o Rafale ao coronel Kaddafi, quando o líder líbio visitou Paris, em 2007. A ironia, segundo o jornal, é que “o líder líbio pelo menos pôde conhecer, antes de sua morte, toda a eficiência operacional do Rafale na campanha da Líbia.”

Já no caso da Suíça, o jornal credita a Sarkozy boa parte da responsabilidade pelo fracasso da venda do caça. Na cúpula do G20 em Cannes, o presidente denunciou “deficiências” nos esforços da Suíça para evitar ser considerada um paraíso fiscal, o que não agradou Berna. Oficialmente, a justificativa da escolha do Gripen sueco em detrimento do Rafale foi de razões orçamentárias: uma diferença de 1 bilhão de euros, para mais, no caso da oferta francesa.

O La Tribune diz que o Brasil também é um caso de esperanças frustradas, ou outro fracasso de Sarkozy. O presidente Lul, do Brasil, havia prometido selecionar o Rafale pouco antes de deixar o cargo em dezembro de 2010. Sarkozy havia investido pessoalmente no acordo e deu muito de seu tempo para conseguir a encomenda de 36 aeronaves. “No final, Lula não manteve sua palavra. Por quê? Mistério. Mas pairaram rumores de propinas, com a presença de vários intermediários franceses, que aparecem hoje no mundo dos negócios em torno do presidente da República,” afirma a reportagem do jornal francês.

O jornal ainda afirma que, numa noite após um jantar oferecido por Lula (nota do editor: o jornal provavelmente se refere aos antecedentes do  anúncio de início de negociações para a aquisição do Rafale, em 7 de setembro de 2009) Sarkozy teria sentido que poderia balançar a decisão brasileira “e voltar para Paris com a promessa de venda”. Assim, ele instou a equipe da Dassault e o seu chefe executivo Charles Edelstenne a refazer sua mais recente proposta, de acordo com as exigências dos brasileiros: “Bata enquanto o ferro está quente”, exigiu Sarkozy, segundo o jornal. As equipes trabalharam por toda a madrugada e o dinamismo do presidente francês foi destacado por um membro da empresa fabricante do Rafale, que creditou a ele o sucesso daquela ocasião. Mas, depois, o resultado foi outro fracasso, e só o próximo presidente é que terá a chance de assinar o contrato brasileiro.

FONTE: La Tribune (tradução, adaptação e edição: Poder Aéreo)

FOTOS: Presidência Francesa (Elysée), Força Aérea Francesa (Armée de l’air) e Agência Brasil

NOTA DO EDITOR: traduzimos esta matéria não só para fazer um contraponto à publicada logo acima, que traz notícias com visões consideravelmente diferentes por parte de outro jornal francês (e que repercutem em várias mídias brasileiras). O objetivo é que o leitor possa ter uma visão mais ampla do que é publicado a respeito do F-X2 na França, nesse momento em que os eleitores franceses estão considerando em quem vão votar para presidente. Não faltam indícios de que há boas chances do próximo presidente francês (que poderá ser o próprio Sarkozy) assinar enfim um contrato de venda do Rafale para o Brasil. Mas, até as eleições francesas, algumas notícias da mídia de lá podem estar excessivamente enviesadas para o lado positivo ou negativo dessa expectativa.

Subscribe
Notify of
guest
10 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos
Marcos
8 anos atrás

“No final, Lula não manteve sua palavra. Por quê? Mistério. Mas pairaram rumores de propinas, com a presença de vários intermediários franceses, que aparecem hoje no mundo dos negócios em torno da nova presidente.”

(rs)

LuppusFurius
LuppusFurius
8 anos atrás

Lê Jaka , o único caça anfibio do mundo !!!! Com casco especial para navegar no Mar de Lama!!!!!!!!!!!!

LuppusFurius
LuppusFurius
8 anos atrás

Se o Sapozy ganhar a eleição, será por um NARIZ….!!!!!!!!

Gilberto Rezende
Gilberto Rezende
8 anos atrás

O problema está na EXPECTATIVA que o Sarkozy não vai se reeleger nesta eleição… A decisão reticente e politicamente medrosa do governo brasileiro de só assinar DEPOIS das eleições francesas “preserva a escolha” no caso do presidente francês eleito seja outro. Mas se, apesar das atuais expectativas, acontecer a reeleição do atual presidente francês; certamente ficará uma certa mágoa política na sua futura relação pessoal com Dilma Roussef pela falta de apoio explícito do governo brasileiro. A vinculação da assinatura/decisão do FX-2 EXPLÍCITA E PUBLICAMENTE para após as eleições francesas feita pelo governo brasileiro foi a MAIOR DEMONSTRAÇÃO da falta… Read more »

Mauricio R.
Mauricio R.
8 anos atrás

“…e só o próximo presidente é que terá a chance de assinar o contrato brasileiro.”

Combinaram conosco, antes???

Grifo
Grifo
8 anos atrás

Principalmente por, aparentemente, já ter-se decidido pelo Rafale e adiar a assinatura propositalmente (ou mesmo fazendo a decisão final a posteriori) ficará SEMPRE a impressão de animosidade com Nicolas Sarkozy. Caro Gilberto, já pensou na possibilidade deste atraso pode ser justamente pelo fato da decisão não ser pelo Rafale? Havia um “compromisso” com o Sarkozy, o Sarkozy saiu, não existe mais o “compromisso”… 3) A ameaça velada da ala anti-Rafale do Comando da Aeronáutica (A.K.A Sato Boys) de municiar a oposição na reeleição caso fosse assinado o contrato com o Rafale. Sonhavam com o Serra, se ralaram, Se foi assim,… Read more »

Guilherme Poggio
Editor
8 anos atrás

Nunão

Muito boa essa sua nota no final.

Todas as notícias tem sempre mais de um lado. Cabe ao leitor avaliar cada uma delas.

Marcos
Marcos
8 anos atrás

O Rafale no FX2,

Não é só frustação do Sarkozi, é de muitos Brasileiros tambem, poderiamos ter outros Caças, mas fazer o que.