Home Noticiário Internacional Typhoon deverá ser o único competidor europeu do F-X3 sul-coreano

Typhoon deverá ser o único competidor europeu do F-X3 sul-coreano

347
13

Como na recente concorrência japonesa, competem os fabricantes Eurofighter, Lockheed Martin e Boeing – a diferença é que, ao invés do F-18 Super Hornet, na Coreia do Sul a Boeing está oferecendo o F-15 Silent Eagle

Na quarta-feira, 14 de março, o site Aviation Week trouxe a notícia de que o Eurofighter Typhoon será o único competidor europeu a disputar com seus rivais norte-americanos a concorrência F-X3 da Coreia do Sul. A campanha do consórcio Eurofighter será liderada pela EADS CASA, na Espanha. O consórcio espera que o interesse sul-coreano em encontrar um parceiro industrial para o futuro programa KF-X poderá compensar algumas vantagens históricas dos EUA no país.

A Dassault francesa decidiu que não vai concorrer no programa, assim como a Saab sueca, que segundo a notícia não planeja fazer uma oferta para o F-X3.

O programa visa a compra de 60 caças, que deverão entrar em operação a partir de 2016. A disputa será muito parecida com a que ocorreu no Japão, quando o F-35A da Lockheed Martin venceu o Typhoon e o Boeing F/A-18E/F. Na Coreia do Sul, a diferença é que a Boeing entrou na competição com o F-15 Silent Eagle, ao invés do F/A-18E/F Super Hornet.

A Coreia do Sul diminuiu as exigências de alguns requerimentos do F-X3 para abrir as portas a aeronaves não furtivas, e expressou interesse em radares AESA (varredura eletrônica ativa). Os parceiros industriais do consórcio Eurofighter estão trabalhando nessa tecnologia, mas um caminho de modernização financiada pelo governo ainda não existe. Para o consórcio, a pressão está aumentando para conseguir encomendas externas após a derrotas no Japão e na Índia, e com a perspectiva de encerramento da linha de produção por volta de 2017.

FONTE: Aviation Week (tradução, adaptação e edição: Poder Aéreo)

FOTOS: Eurofighter, Lockheed Martin e Boeing

VEJA TAMBÉM:

Subscribe
Notify of
guest
13 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Clésio Luiz
Clésio Luiz
8 anos atrás

Muito difícil o F-15 perder essa. Vai ser mais uma concorrência onde um fornecedor que não seja americano não tem chance alguma.

Giordani RS
8 anos atrás

É por isso que o Tufão perde…colocam ele em furada…essa concorrência chega a ser até desrespeitosa, uma vez que o próximo caça sulcoreano será de procedência norte americana…todo mundo sabe, até a da$$ault sabe…menos a Eurofighter…e todo mundo sabe que a pressão do tio samuel para que seja o F-35 será(é) enorme…mas uma coisa é certa, vai começar quinze anos depois de uma concorrência de um certo “paif” e vai terminar quinze anos antes…

edcreek
edcreek
8 anos atrás

OLá,

Fazem muito bem SAAB e Dassault em não participar dessa competição falsaria, a Coreia deve até a Alma aos EUA e serão vassalos deles por um bom tempo ainda…..

Abraços,

Guilherme Poggio
Reply to  edcreek
8 anos atrás

O PIB coreano deve atropelar o PIB brasileiro em alguns anos.

Lá as Forças Armadas estão caminhando junto com o país.

Grifo
Grifo
8 anos atrás

Senhores, ia ser difícil a Dassault participar depois que na concorrência passada ela foi pega subornando um coronel da ROKAF.

http://www.flightglobal.com/news/articles/dassault-drops-south-koreans-over-f-x-scandal-144806/

No meu palpite dá Boeing e a Coréia do Sul vai ser o “launch customer” do Silent Eagle.

Mauricio R.
Mauricio R.
8 anos atrás

“Fazem muito bem SAAB e Dassault em não participar dessa competição falsaria, a…”

Com Le Jaca se enrolando sózinho, como de costume aliás, lá na Índia; o MMRCA tb será falsário???

“No meu palpite dá Boeing e a Coréia do Sul vai ser o “launch customer” do Silent Eagle.”

Assino embaixo, melhor a Eurofighter se dedicar a furar os zóio de Le Jaca na Índia, no Oriente Médio e talvez no sudeste da Ásia.

Antonio M
Antonio M
8 anos atrás

Quer dizer as nossa parcerias com a França, África e Bolivarianos nos fazem “senhores feudais” enquanto que a Coréia do Sul que nos anos 1960 estava igual ou abaixo em comparação a nossos níveis socias/econômicos em um território que cabe umas 80 vezes dentro do Brasil, se torna exportador de tecnologia e produtos finais para o mercado civil e militar, com suas multinacionais espalhadas pelo mundo, que apenas uma das suas empresas detém 50% do mercado de televisores no mundo, com uma população com alto grau de instrução e bons níveis de índices sociais são os “vassalos”. Vemos muitas distorções… Read more »

Antonio M
Antonio M
8 anos atrás

Li esse artigo ontem no “Estadão” o Forças Terrestres o publicou:

http://www.forte.jor.br/2012/03/14/visao-global-valorize-o-saber-segure-seu-petroleo/

Esse também foi a “sorte” da Coréia do Sul, investimento em ensino básico-médio público e de qualidade e hoje em dia não precisa fazer como sua “irmã do norte” que precisou trocar um programa estratégico/militar por comida. E comida “yankee” ……

Ivan
Ivan
8 anos atrás

“O programa visa a compra de 60 caças, que deverão entrar em operação a partir de 2016.”

É improvável que o F-35A Lightning II esteja disponível para um novo comprador em 2016, tendo em vista os atrasos do programa JSF, bem como a lista de espera entre os consorciados e clientes que já fecharam a compra, como Israel e Japão.

A questão é saber a real urgência deste F-X3.
Se 2016 for realmente a data limite, fica mais fácil para a Boeing e um provável Silent Eagle.

Sds,
Ivan.

Marcelo
Marcelo
8 anos atrás

Giordani RS disse:
15 de março de 2012 às 8:15

isso, até meu filho de 4 anos já sabe….
8)

Giordani RS
8 anos atrás

Antonio M disse:
15 de março de 2012 às 12:41

Mas eles não tem futebol penta campeão do mundo(sic!)… 🙁

Antonio M
Antonio M
8 anos atrás

Giordani RS disse:
15 de março de 2012 às 13:43

E mesmo assim, sediaram uma copa do mundo junto com o Japão para dividir os custos e não pagar a conta sozinhos !!!! rsrsrsrsrsrsrs !!!!

Almeida
Almeida
8 anos atrás

Edcreek, por que voce nao ___________________________________na frente da embaixada norte americana em Brasilia logo? Faz esse favor, vai. 😛

COMENTÁRIO EDITADO (APESAR DO EMOTICOM)