domingo, dezembro 5, 2021

Gripen para o Brasil

Rafale: membros do MD Indiano levantam objeções sobre custos do ciclo de vida

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Segundo jornal Deccan Herald, devido a objeções de membros do Ministério da Defesa Indiano é possível que a data de assinatura com a Dassault seja adiada – já matéria da Flight Global de hoje traz declarações de fonte do Ministério desmentindo a notícia

Segundo reportagem publicada na segunda feira (5 de fevereiro) no jornal indiano Deccan Herald, membros do Ministério da Defesa Indiano levantaram objeções a respeito dos custos do ciclo de vida que foram computados para o Rafale, caça escolhido para negociação exclusiva no programa MMRCA (avião de combate multitarefa de porte médio). O programa MMRCA visa a aquisição de 126 aeronaves a um custo estimado de 20 bilhões de dólares, sendo considerado o maior contrato de defesa do mundo, atualmente.

Com essas objeções, poderá ser adiada a data de assinatura do contrato com a empresa fabricante do caça, a francesa Dassault Aviation.

As informações foram dadas ao jornal por duas fontes de alta patente da Força Aérea Indiana. As objeções estariam partindo de dois membros do Ministério da Defesa Indiano no Comitê de Negociação do Contrato (Contract Negotiations Committee – CNC). Eles estão questionando os baixos custos de ciclo de vida que foram empregados anteriormente a respeito do Rafale, que foi escolhido para o MMRCA em detrimento do concorrente Eurofighter Typhoon. Os representantes do Ministério acreditam que os custos foram declarados como muito mais baixos do que deveriam ser.

Uma das fontes disse que “não há unanimidade entre os membros do CNC e que, sem chegar a uma decisão unânime, a aquisição do Rafale poderia ser adiada.” Essa avaliação dos representantes do MD de que os custos do ciclo de vida do Rafale deveriam ser mais altos deriva, muito provavelmente, da histórica confiança do estabelecimento de defesa em aeronaves russas. De acordo com as fontes, as autoridades do MD no CNC “não estão satisfeitas” com a baixa avaliação do custo do ciclo de vida.

Esse desacordo vem num momento em que o comitê também deverá revisar outros itens envolvendo o Rafale, o que inclui o custo da célula, motor, aviônicos, sistemas de armas e sobressalentes, entre outros. Sabe-se que os representantes do Ministério levantaram suas objeções algum tempo depois das propostas comerciais terem sido abertas e continuaram a discordar do cálculo baixo dos custos de ciclo de vida do Rafale em reuniões recentes do comitê.

Esse posicionamento “maximalista” do Ministério é desconcertante especialmente após o Governo Indiano ter aconselhado, recentemente, às Forças Armadas que priorizassem suas aquisições capitais porque 70% dos fundos já estão comprometidos com aquisições aprovadas. Numa situação em que apenas 30% dos fundos disponíveis sobram para novas aquisições, foi dito às Forças Armadas para “não pressionar por todos os contratos.”

Nesse contexto, as fontes disseram que “seria uma tarefa difícil” para a Força Aérea Indiana pagar pelo contrato do Rafale caso ele seja assinado daqui a quatro ou cinco meses, devido aos requerimentos imediatos da Força para treinadores a jato, novos motores para os caças Jaguar e helicópteros leves e pesados.

A Dassault está no processo de iniciar discussões com os fornecedores para esclarecer melhor as várias possibilidades de compensações (offsets) e uma proposta final a respeito é esperada para abril ou maio. A empresa espera uma finalização do contrato (do Rafale) por volta do final deste ano.

Mas uma “fonte sênior” do Ministério da Defesa, menos otimista, disse que “os 30% de fundos restantes não permitirão acomodar o MMRCA e o constrangimento dos fundos deixará um grande ponto de interrogação sobre o destino deste acordo”, acrescentando que a assinatura do contrato com a Dassault Aviation está “bem longe”.

Contactado pelo jornal por telefone, o porta-voz oficial do Ministério da Defesa, Sitangshu Kar, disse que “tudo está progredindo sem problemas. Porém, eu não tenho uma atualização sobre os desenvolvimentos relacionados ao MMRCA na última quinzena.”

Nesta terça-feira, porém, matéria da Flight Global traz declaração de fonte do Ministério da Defesa Indiano desmentindo objeções

Segundo a Flight Global, a Índia confirmou que começaram as negociações finais com a Dassault para a aquisição de 126 caças Rafale, e que a Força Aérea Indiana pretende retirar seus MiG-21 de serviço a partir de 2014. Fonte do Ministério da Defesa disse que conversações estão em andamento com a Dassault, que em fevereiro conseguiu a posição de fornecedor “L1”, com a oferta de menor valor para a concorrência MMRCA. A fonte também disse que é falsa uma notícia, veiculada numa publicação indiana e baseada em fontes não divulgadas, de que aumentaram as preocupações sobre cálculos referentes aos custos do ciclo de vida do Rafale.

A posição de L1 permite que a Dassault conduza as negociações finais para o contrato com o CNC indiano. Assim que iniciadas, as negociações entre o CNC e a Dassault poderiam levar entre seis meses e um ano para serem completadas, de acordo com uma fonte da indústria. Analistas estimaram o valor do contrato entre 10 e 20 bilhões de dólares.

 

FONTES: Deccan Herald e Flight Global (tradução, adaptação e edição: Poder Aéreo)

NOTA DO EDITOR: o Poder Aéreo já havia trazido matéria dizendo que haviam questionamentos, por parte duas autoridades do Ministério da Defesa Indiano, a respeito do processo de escolha do Rafale para o MMRCA. Elas não estariam concordando com suposições não validadas e  colocaram ressalvas por escrito no documento que declarou o Rafale como vencedor. Havendo conexão entre a matéria anterior (a primeira da lista de links logo abaixo) e esta nova, pode-se supor que se trata das mesmas autoridades do Ministério e que suas ressalvas desde aquela ocasião relacionavam-se aos cálculos sobre o custo do ciclo de vida. Isso, evidentemente, se a tanto a matéria anterior quanto a recente forem verdadeiras, pois matéria veiculada hoje pela Flight Global (por volta das 11h30, quando o conteúdo sobre as objeções já estava aqui), traz declaração de uma fonte do Ministério da Defesa Indiano de que é falsa a notícia sobre o aumento das preocupações relativas ao custo do ciclo de vida.

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

10 Comments

Subscribe
Notify of
guest
10 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos

Tem uma placa de sinalização nas estradas que diz:

“Na dúvida, não ultrapasse”.

juarezmartinez

Pau que bate em Xico bate em Francisco………

Grande abraço

Marcos

O que poderia se esperar como “declaração oficial”?
Talvez um: “Há mais dúvidas do que certezas nesse proecesso, mas assim mesmo compraremos”. Óbvio que não.

edcreek

Olá,

Claro que é minimo que o governo deve fazer, porém o diferencial é agilidade com que foi dada uma resposta, iniciamente com os Ingleses tentaram desestabilizar a proposta e agora esse boato.

Em ambos os casos a resposta foi imediata, o governo Indu já demonstrou que não permitirá Boataria generalizada como ocorre em terra Brasilis, onde relatorio pré-liminar virou relatorio final sem passar pelo comando de tão forte que foram os boatos espalhamos pelos admiradores da concorrencia Sueca…

Abraços,

Vader

Os indianos que façam bom proveito do caça mais caro do mundo.

Antonio M

Por isso que este blog faz se chama jornalismo e não apenas reverberação de fontes e agências.

Parabéns e continuem assim.

Antonio M

edcreek disse:
6 de março de 2012 às 14:55

Se relatório ofical da FAB é boataria, o que será sério em nosso país?!

Dever ter sido sério o discurso do ex-presidente naquele 7 de setembro regado antecipadamente a um bom rega-bofes e os convites para autoridades irem a comes $ bebes em castelos franceses ….

Últimas Notícias

Os jatos mais avançados da Força Aérea dos EUA podem estar vulneráveis ​​devido às suas próprias armas

A Força Aérea dos Estados Unidos tem algumas das aeronaves mais sofisticadas do mundo e está desenvolvendo jatos mais...
- Advertisement -
- Advertisement -