Home Aviação Comercial Venezuela negocia com BNDES crédito para compra de aeronaves Embraer

Venezuela negocia com BNDES crédito para compra de aeronaves Embraer

185
19

A Venezuela negociará crédito de até US$ 814 milhões com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) brasileiro para financiar a compra de 20 aviões de uso comercial da construtora Embraer, disse neste domingo o presidente Hugo Chávez.

“Estão me pedindo US$ 814 milhões pelas 20 aeronaves Embraer. Está aprovado, mas eu não vou destinar os recursos, é para processar e trabalhar o financiamento com o BNDES, do Brasil”, declarou Chávez, durante seu programa dominical, “Alô Presidente”.

“Agradecemos muito à (presidente brasileira) Dilma (Rousseff) pelo crédito que vai nos dar”, acrescentou o presidente venezuelano, assegurando que seu país “precisa contar com uma boa linha aérea”.

As aeronaves integrarão a frota da companhia estatal venezuelana Conviasa.

Chávez informou, ainda, que está em negociação a compra de quatro aeronaves Airbus 340-500 com cinco anos de uso de uma companhia estatal dos Emirados Árabes por 60 milhões de dólares cada.

“Aprovados os recursos para a aquisição destes aviões, só resta fazer o esclarecimento de crédito”, afirmou Chávez a seus ministros, presentes na transmissão do programa.

A compra de aviões da Embraer começou a ser negociada durante a vista da presidente Dilma a Caracas, em dezembro passado. Na ocasião, foi assinado um pacto de cooperação entre a Embraer e a Conviasa.

As transações comerciais entre os dois países representaram um montante de 4,686 bilhões de dólares em 2010, com superávit para o Brasil de US$ 3,021 bilhões.

FONTE: AFP/Folha

Subscribe
Notify of
guest
19 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Vader
8 anos atrás

Ihhhhh, vai dar porcaria…

Clésio Luiz
Clésio Luiz
8 anos atrás

Tomara que os EUA não venham melar mais esse negócio com a Chavilândia.

Vader
8 anos atrás

Vai melar Clésio. Por dois simples motivos: metade dos aviões da Embraer é americana, e neles há tecnologia de uso dual (civil e militar), que o Chavez poderia usar para fins outros.

Duvido muito que essa venda saia. No que aliás de certa forma será bom: não quero financiar com meu dinheiro (via BNDES) a aviação civil venezuelana.

Temos muitos problemas com a nossa pra ficar financiando a dos outros.

Corsario137
Corsario137
8 anos atrás

Caríssimo Vader, Discordo. Se a venda se concretizará ou não eu não sei, ainda que não ache que deve haver qualquer impedimento, visto que não há nada que a Venezuela vá aprender em nossa tecnologia que ela não conseguiria nos A340-500 da Emirates. Mas sim, a discordância é quanto ao financiamento via BNDES. Como você mesmo disse “temos muitos problemas” e continuaremos a tê-los se nossas empresas nacionais, principalmente as poucas geradoras de produtos de alta tecnologia como a Embraer ficarem sem vender seus produtos. Não estamos fazendo nenhum favor a Venezuela ou ao senhor Chavez, pelo contrário, estaremos viabilizando… Read more »

Mauricio R.
Mauricio R.
8 anos atrás

Pobre da Embraer o dia em que 20 ERJ’s, forem um importante negócio.

Giordani RS
8 anos atrás

“Corsario137 disse: 23 de janeiro de 2012 às 9:16 Caríssimo Vader, Não estamos fazendo nenhum favor a Venezuela ou ao senhor Chavez, pelo contrário, estaremos viabilizando um importante negócio para nossa Embraer e assim permitir que ela continue a gerar empregos e divisas para o Brasil.” $im com o meu, o teu, o no$$o dinheiro. O BNDE$ pega dinheiro do erário público e empresta a juros pra lá de especial, de pai pra filho, e daí quando um ecuador da vida se nega a pagar, fica por isso mesmo… Mas pelo menos o chavez investe bem o meu, não gasta… Read more »

antonio_nunesneto
antonio_nunesneto
8 anos atrás

O BNDES tem sido um parceiro fundamental para a EMBRAER, dando liquidez para a empresa. Paga à vista pelos aviões e recebe a prazo dos compradores. Se não fosse pela atuação do banco, boa parte das vendas dos modelos ERJ 135 a 145 bem como dos E-Jets não teriam sido realizadas. As avaliações, entretanto, possuem critérios técnicos para se realizar. Caso não haja pagamento, os aviões simplesmente são tomados de volta e direcionados a outro comprador. Se o BNDES não o fizer para a EMBRAER, a Bombardier toma o mercado, como fez no Uruguai onde a Pluna tem 13 CRJ… Read more »

antonio_nunesneto
antonio_nunesneto
8 anos atrás

Esta é a frota da Conviasa. Se a compra se concretizar, estaríamos ocupando um espaço da Bombardier.

Aircraft Active Stored Written off History On order Total Age
Airbus A340
Airbus A340-200 – 1
ATR 42/72
ATR 42 – 1
ATR 72 – 3
Boeing 737
Boeing 737-200 – 6
Boeing 737-300 – 3
Canadair Regional Jet
CRJ 700 – 3

Fonte: http://www.airfleets.net/flottecie/ConViasa.htm

Daglian
Daglian
8 anos atrás

antonio_nunesneto,

Entendo seu ponto, mas o problema é justamente a negociação com o Estado Venezuelano. Vejamos, Chaves, como atual chefe de estado daquele país, apoia discretamente as FARC e é totalmente contra os EUA. O que isso tem a ver com a venda destes aviões? Bem, quem me garante que ele irá devolver o dinheiro emprestado se apóia até terroristas?

Eu particularmente acredito que haverá um calote por parte da Venezuela após o recebimento dos aviões.

Vader
8 anos atrás

Prezado Antônio, mas o banco que financia a Bombardier é privado, não publico.

Corsario137
Corsario137
8 anos atrás

Prezado Mauricio R.,

Vender 20 (V-I-N-T-E) aviões não é um negócio importante? Olha, meus parabéns, você deve ser muito, mas MUITO rico mesmo. São USD $814 milhões de dólares, ou quase 1,5 bi de reais!

Corsario137
Corsario137
8 anos atrás

Vader, Cada um joga com as armas que tem. Graças ao bom Deus nós temos o BNDES. É o único dinheiro que temos a mínima garantia que será empregado em desenvolvimento. O BNDES existe e isto é fato imutável. Partindo disso, se eles tem que financiar alguém, que financiem a Embraer e seus clientes, seja lá de onde forem. Se eles financiam o Eike, a Gerdau e mais um bando de empresas privadas, porque não financiar a Embraer (?), que lembrem, também tem participação do governo através das “golden share” e dos fundos de pensão. No mais, o Canadá já… Read more »

Corsario137
Corsario137
8 anos atrás

Caro Daglian, Não faz muito sentido a Venezuela dar o calote na Embraer depois da entrega das aeronaves. Motivo 1: A PDVSA está no momento pleiteando um BOM financiamento junto ao BNDES para construção de uma refinaria em Pernambuco. Não creio que eles vão querer dar um tiro nas 4 patas. Motivo 2: No cenário hipotético de eles darem o calote, como eles farão a mautenção das aeronaves ou reposição das peças? Nos EUA? Ora, o Chavez é cretino, não burro. Fora isso, o capital não é xénofobo. O Irã apoia a AlQaeda e nem por isso a Europa ou… Read more »

uitinaxavier
uitinaxavier
8 anos atrás

Não vejo o por que de tanto motivo de alarde por parte de alguns leitores, a venda e importante se a Embraer achasse 814 milhões de dólares assim no lixo da empresa daí sim não precisa vender mas nenhum avião e cada uma que a gente vê que chega melhor nem falar, dinheiro e dinheiro em qualquer lugar a Embraer pelo jeito vai receber a vistinha e a Venezuela vai pagar pro BNDS com juros que não são baixos como muitos acham. Mas daí vão dizer a mas o BNDS não tinha que investir nas empresas brasileiras, e eu vou… Read more »

antonio_nunesneto
antonio_nunesneto
8 anos atrás

Só lembrando que os maiores bancos de financiamento do mundo não são privados e sim públicos. Vide os casos dos Eximbank Americano e Japonês, que são propriedade dos governos.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Export-Import_Bank_of_the_United_States

Onde quer que as empresas americanas e japonesas queiram entrar, eles financiam.

Entendam:
a forma de atuação do BNDES está longe de ser uma invenção brasileira. O mundo opera dessa forma, uns com mais poder de fogo e outros com menos.

DrCockroach
DrCockroach
8 anos atrás

Tem colega aqui acionista da Embraer 🙂 Cambio irrealista, custo-Brasil (que todos sofremos), etc transformam a vida da EMBRAER um inferno; mas a mao que bate tb afaga, se a EMBRAER se “comportar” bem no pais da corte real ganha um emprestimo com juros subsidiados do tesouro (eu nao ganho, o Joao, da oficina da esquina tb nao). Quando o NJ deu um cala-boca na Embraer p/ ela parar de dizer qual o resultado preferido do FX-2, a “ordem” foi obedecida de imediato; quem tem juizo obedece ou a “fonte” seca… Curioso a Venezuela na conseguir financiamento no mercado internacional…… Read more »

Vader
8 anos atrás

Bem, com tudo isso que foi dito, mais o blábláblá antiamericano de uns e outros, acho que essa venda pode bem não sair. Ou pelo menos não sair do jeito que o PT/Chavez gostariam. Ainda há um Tio Sam no mundo, com ou sem Obama. Se a aeronave contiver tecnologia militar vedada (e esse acho que deveria ser o foco da discussão), não será vendida. Ponto final. Pois a Embraer, que de burra não tem nada (como se viu no negócio dos STs para a USAF), pode até não bater de frente com a PeTralhada, mas se borra de paúra… Read more »

Requena
Requena
8 anos atrás

E lá vai a Dilmão emprestar dinheiro do povo brasileiro para os “companheiros” do partido…

Tal qual seu criador, adora fazer graça com os amigos, usando dinheiro nosso.

Agora vai você no BNDES tentar um empréstimo pra sua empresa. Veja a burocracia que é e o tanto de garantias que são necessárias.

Já com o Chaves não tem exigências.
Qualquer coisa ele fala: “La garantia soy yo”
E tudo fica certo no mundinho “rojo”…

Corsario137
Corsario137
8 anos atrás

Caro Requena, Você está mal informado. Nesse exato momento a PDVSA (companhia estatal venezuelana de petróleo) está cortando um dobrado pra conseguir um empréstimo do BNDES para investir no Brasil, veja bem, no BRASIL! Segue matéria (resumida) do Valor: http://www.valor.com.br/empresas/2492456/garantias-da-pdvsa-nao-convencem-bndes O BNDES é uma instituição séria, seus profissionais são técnicos gabaritados para a função que cumprem e lá não tem essa de ser “do partido” ou não, tem que dar garantias sim. E isso se aplica a mim, a você e a PDVSA. E volto a dizer, o BNDES não está fazendo nenhum favor a Venezuela e sim a Embraer.