Os donos da noite

Na Operação Coruja Verde II, aviões C-105 Amazonas lançam até paraquedistas na escuridão

Decolagem, navegação a baixa altura, lançamento de cargas e paraquedistas, pouso. As missões realizadas esta semana pelo Esquadrão Arara na Base Aérea de Manaus seriam típicas da aviação de transporte, mas na Operação Coruja Verde II as tripulações dos C-105 Amazonas fazem o treinamento em total escuridão, com o uso de Óculos de Visão Noturna.

O equipamento, também chamado de NVG (Night Vision Googles), amplifica em até 50 mil vezes a luminosidade e aproveita a luz da lua e das estrelas para que os pilotos consigam voar mesmo sem referências visuais. “Na verdade, o NVG não faz a noite virar dia. Então não é um voo diurno nem noturno, mas sim um voo com características próprias que precisam ser treinadas”, explica o Sargento Renato Fontes, do Instituto de Medicina Aeroespacial (IMAE), da Força Aérea Brasileira.

O resultado é a capacidade de realizar missões que antes eram impossíveis. “Nós passamos para uma outra fase da aviação de transporte. Nós hoje utilizamos a noite a nosso favor”, diz o Major Juraci Muniz, do Esquadrão Arara.

Ele exemplifica que com os óculos de visão noturna é possível pousar em pistas sem iluminação para realizar um resgate ou lançar paraquedistas em uma zona de conflito sem revelar a posição para o inimigo. Outra possibilidade de uso será em missões de busca de aeronaves acidentadas.

Para o Brigadeiro César Estevam, Comandante das Unidades de Transporte da FAB, o NVG dá uma nova dimensão operacional para os pilotos da Força Aérea Brasileira. “Nós não dependeremos mais do tempo. O tempo, que eu digo, fator nascer do sol e o por do sol. Nós poderemos trabalhar em qualquer momento. E isso é um avanço muito grande”, afirma.

Além do Esquadrão Arara, a FAB também opera com óculos de visão noturna nos C-105 Amazonas baseados em Campo Grande e nas unidades equipadas com helicópteros Blackhawk e caças Super Tucano. Em agosto, com o uso de NVG, a FAB realizou uma missão real de destruição de uma pista clandestina na região de fronteira do Brasil com a Colômbia.

Para realizar as missões com Óculos de Visão Noturna, os militares da FAB precisam passar por um treinamento que começa em solo. “O NVG traz algumas limitações, como a visão em tons de verde e a falta de noção de profundidade, além da redução do campo visual“, explica Sargento Fontes, do IMAE.

Por isso, o treinamento começa no solo, onde os tripulantes fazem exercícios para aprenderem a enxergar com o NVG e ajustarem corretamente o equipamento. “Nós utilizamos maquetes e outras simulações para que as limitações sejam superadas, e é sempre preciso voltar ao IMAE para manter a capacidade de voar com o NVG”, diz.

No caso do Esquadrão Arara, além dos pilotos, também utilizam o equipamento os tripulantes responsáveis pelo lançamento de cargas e de paraquedistas. O Major Juraci Muniz diz foram selecionados para a Operação Coruja Verde II aqueles com maior experiência e capacidade operacional. “Mas todos os nossos militares podem chegar ao estágio operacional de voar com o NVG, faz parte do próprio crescimento operacional”.

Antes de participar de missões como a Coruja Verde, todos os pilotos de C-105 Amazonas da FAB, tanto os de Manaus quanto os de Campo Grande, fazem treinamentos no simulador de voo. O equipamento é uma cópia exata da cabine do C-105, onde todos os procedimentos podem ser executados exatamente como na aeronave.


FONTE:
Agência Força Aérea

Tags: , ,

Quem é Guilherme Poggio

Veja os posts de Guilherme Poggio
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Sem comentários ainda.

Deixe um Comentário

Novas ideias para a Força Aérea Brasileira

Diante da crise política e econômica no Brasil e as perspectivas sombrias para os próximos anos em termos de orçamento, […]

Vídeo: acidente com helicóptero Mi-28N ‘Havoc’ na Rússia

Helicóptero de ataque Mi-28N (código da OTAN — Havoc) cai em show aéreo na competição Aviadarts na Rússia. Um dos dois pilotos […]

Índia cancela programa MMRCA mas competição deve ser retomada

O programa indiano MMRCA de caças, avaliado em US$ 20 bilhões, foi finalmente encerrado pelo governo indiano. Apesar do Rafale […]

‘Jedi Transition': pilotos americanos treinam dentro do Vale da Morte, na California

Na California existe um cânion chamado Rainbow ou Star Wars Canyon, que os pilotos gostam de chamar de “Jedi Transition”. O […]

F-35B: o caminho percorrido até o IOC dos Marines

No dia 31 de julho de 2015 o U.S. Marine Corps fez a decisão de tornar o F-35B pronto para […]

F-35B é declarado operacional pelo US Marine Corps

O U.S. Marine Corps declarou hoje a initial operational capability – IOC dos seus caças F-35B Lightning II, com um […]