Os donos da noite

Na Operação Coruja Verde II, aviões C-105 Amazonas lançam até paraquedistas na escuridão

Decolagem, navegação a baixa altura, lançamento de cargas e paraquedistas, pouso. As missões realizadas esta semana pelo Esquadrão Arara na Base Aérea de Manaus seriam típicas da aviação de transporte, mas na Operação Coruja Verde II as tripulações dos C-105 Amazonas fazem o treinamento em total escuridão, com o uso de Óculos de Visão Noturna.

O equipamento, também chamado de NVG (Night Vision Googles), amplifica em até 50 mil vezes a luminosidade e aproveita a luz da lua e das estrelas para que os pilotos consigam voar mesmo sem referências visuais. “Na verdade, o NVG não faz a noite virar dia. Então não é um voo diurno nem noturno, mas sim um voo com características próprias que precisam ser treinadas”, explica o Sargento Renato Fontes, do Instituto de Medicina Aeroespacial (IMAE), da Força Aérea Brasileira.

O resultado é a capacidade de realizar missões que antes eram impossíveis. “Nós passamos para uma outra fase da aviação de transporte. Nós hoje utilizamos a noite a nosso favor”, diz o Major Juraci Muniz, do Esquadrão Arara.

Ele exemplifica que com os óculos de visão noturna é possível pousar em pistas sem iluminação para realizar um resgate ou lançar paraquedistas em uma zona de conflito sem revelar a posição para o inimigo. Outra possibilidade de uso será em missões de busca de aeronaves acidentadas.

Para o Brigadeiro César Estevam, Comandante das Unidades de Transporte da FAB, o NVG dá uma nova dimensão operacional para os pilotos da Força Aérea Brasileira. “Nós não dependeremos mais do tempo. O tempo, que eu digo, fator nascer do sol e o por do sol. Nós poderemos trabalhar em qualquer momento. E isso é um avanço muito grande”, afirma.

Além do Esquadrão Arara, a FAB também opera com óculos de visão noturna nos C-105 Amazonas baseados em Campo Grande e nas unidades equipadas com helicópteros Blackhawk e caças Super Tucano. Em agosto, com o uso de NVG, a FAB realizou uma missão real de destruição de uma pista clandestina na região de fronteira do Brasil com a Colômbia.

Para realizar as missões com Óculos de Visão Noturna, os militares da FAB precisam passar por um treinamento que começa em solo. “O NVG traz algumas limitações, como a visão em tons de verde e a falta de noção de profundidade, além da redução do campo visual“, explica Sargento Fontes, do IMAE.

Por isso, o treinamento começa no solo, onde os tripulantes fazem exercícios para aprenderem a enxergar com o NVG e ajustarem corretamente o equipamento. “Nós utilizamos maquetes e outras simulações para que as limitações sejam superadas, e é sempre preciso voltar ao IMAE para manter a capacidade de voar com o NVG”, diz.

No caso do Esquadrão Arara, além dos pilotos, também utilizam o equipamento os tripulantes responsáveis pelo lançamento de cargas e de paraquedistas. O Major Juraci Muniz diz foram selecionados para a Operação Coruja Verde II aqueles com maior experiência e capacidade operacional. “Mas todos os nossos militares podem chegar ao estágio operacional de voar com o NVG, faz parte do próprio crescimento operacional”.

Antes de participar de missões como a Coruja Verde, todos os pilotos de C-105 Amazonas da FAB, tanto os de Manaus quanto os de Campo Grande, fazem treinamentos no simulador de voo. O equipamento é uma cópia exata da cabine do C-105, onde todos os procedimentos podem ser executados exatamente como na aeronave.


FONTE:
Agência Força Aérea

Tags: , ,

Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

No comments yet.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

JASSM para os F-16 poloneses

Venda aprovada pelos EUA, ainda a ser realizada, tem valor estimado em 500 milhões de dólares e inclui 40 mísseis […]

Instalações da Augusta Westland nos EUA entregam AW139 número 200

Cliente do helicóptero produzido na linha de montagem da Philadelphia é o Japão, que tem exemplares servindo em várias agências […]

Compre agora sua revista Forças de Defesa número 11

Outra revista igual a essa, só daqui a 100 anos! A Revista Forças de Defesa 11ª edição de 140 páginas na versão impressa […]

Caças Super Hornet australianos partem para o Oriente Médio

Também seguiram aeronaves E-7A Wedgetail e KC-30A, respondendo a decisão do Governo da Austrália de se preparar para contribuir aos […]

Caça Gripen C sueco ultrapassa 2.000 horas de voo

Aeronave de matrícula 39210 foi a primeira desta versão, no mundo, a ultrapassar a marca, no início deste mês. Em […]

Nova missão de apoio aéreo francês no Iraque, sobre Bagdá

Caças voaram por cerca de duas horas sobre a região noroeste da capital iraquiana, mas não foi realizado nenhum ataque […]