Home Sistemas de Armas O Programa Lavi

O Programa Lavi

818
34

O Programa Lavi (Leãozinho) teve início no final dos anos 1970, quando a IAI concordou em desenvolver um caça multifunção para substituir os jatos A-4 Skyhawk e Kfir da Força Aérea Israelense.

Com uma perspectiva de fabricação de 300 caças, incluindo 60 bipostos de treinamento, o Lavi foi projetado primariamente como plataforma de ataque e apoio aéreo aproximado, e secundariamente com capacidade de superioridade aérea.

Embora Israel tenha conseguido um financiamento dos EUA para o desenvolvimento da aeronave, quase todo o trabalho do projeto foi feito localmente. Os únicos grandes envolvimentos estrangeiros foram a Pratt & Whitney, subcontratada para desenvolver o motor e a Grumman, que auxiliou no projeto e fabricação da asa feita de material composto.

O projeto resultante ficou muito similar ao F-16, embora menor e mais leve. O Lavi também tinha asas em delta e canards com sistema fly-by-wire de controle de voo, para alta manobrabilidade.

Além disso, a IAI equipou a aeronave com avançados aviônicos num glass cockpit, sistema de mira no capacete, heads-up display (HUD) e um radar multimodo pulso-Doppler. Um aspecto interessante foi o desenvolvimento inicial da versão biposto e depois a versão monoposto, com os aviônicos e sistemas ocupando o espaço do segundo assento.

Embora o Lavi tenha progredido bem nos testes e os dois protótipos tenham completado cerca de 80 voos, fatores políticos e econômicos deram fim ao projeto. Os EUA, que tinham fornecido cerca de 40% dos recursos para o desenvolvimento do novo caça, recusaram-se a permitir que certas tecnologias empregadas fossem exportadas.

Como resultado, o custo unitário do avião entrou numa espiral, muito além do que os EUA e Israel tinham previsto. Para complicar, as capacidades do Lavi ficaram muito parecidas com as do F-16 e o Congresso dos EUA temia que o caça israelense prejudicasse as exportações do caça americano.

Como resultado, o Congresso interrompeu o financiamento do projeto do Lavi, em meados da década de 1980. O governo israelense rapidamente percebeu que não poderia continuar sem o apoio americano e foi obrigado a cancelar o Lavi em agosto de 1987.

Dos cinco protótipos completados ou em construção, três foram vendidos como sucata e um foi preservado em museu. Entretanto, o terceiro protótipo B-03 foi completado usando recursos da própria IAI. A aeronave serviu como demonstrador biposto de tecnologia com uma instalação completa de aviônicos.

O Lavi TD foi usado como peça de marketing até meados dos anos 1990, quando foi convertido em veículo terrestre de testes. Aparentemente o esforço de marketing teve grande sucesso na China e a IAI acabou fornecendo assistência à Chengdu para o desenvolvimento do similar caça J-10.

 

Missão primária

Caça multifunção

Origem
Israel
Dimensões

Envergadura: 8.78 m 

Comprimento: 14.57 m 

Altura: 4.78 m 

Área alar: 33.05 metros quadrados

Capacidades

Velocidade máxima: Mach 1.85 

Carga máxima: 7.200 kg 

Alcance: 2.100 km 

Peso
Peso básico de decolagem: 9,990 kg 
Propulsão
Motor Pratt & Whitney PW1120 com empuxo de  9.344 kg 

VEJA TAMBÉM:

Subscribe
Notify of
guest
34 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Clésio Luiz
Clésio Luiz
9 anos atrás

Eu ia brincar dizendo “Lavi, o F-16 feito corretamente” mas me conti, pois acho que embora ele pudesse ter uma manobrabilidade melhor, o F-16 teria melhor carga de armas e mais alcance, que é o que importa no final das contas.

Junto com o Flanker, o F-16 é o melhor projeto de caça de 4ª geração com toda certeza.

Alexandre Galante
Reply to  Clésio Luiz
9 anos atrás

Clésio, por incrível que possa parecer, o Lavi provavelmente seria melhor que o F-16 em combate aéreo, por causa dos canards e pelo peso mais leve. O excesso de peso é que mata um caça, tanto em manobrabilidade quanto em preço. Quanto mais leve, melhor.

Nick
Nick
9 anos atrás

Realmente,

Poderiam ter “espichado” o LAVI um pouco mais para ter mais espaço para combustível interno e sistemas. Mas ae não seria Leãozinho, já seria um Leão 🙂 .

[]’s

Alexandre Galante
9 anos atrás

Não esqueçam a lição do Tio John Boyd…

Clésio Luiz
Clésio Luiz
9 anos atrás

Foi o que eu disse no meu comentário Galante, o Lavi devia ter melhor manobrabilidade.

Vader
9 anos atrás

Bela porcaria…

Um caça não é composto só de manobrabilidade e armas.

Um caça se faz com DINHEIRO.

Essa é a verdadeira lição do F-16: se não for rentável, todo o resto soçobra.

Clésio Luiz
Clésio Luiz
9 anos atrás

(modo chato on)
Na ficha técnica, onde tem raio de ação deveria ser alcance.
(modo chato off)

Roberto F Santana
Roberto F Santana
9 anos atrás

O tópico é bem oportuno.
Eu estava pensando em dar a idéia de se criar a série “Protótipos Injustiçados”, aqui no Poder Aéreo.
Bem…o Lavi fica sendo o número 1.
Leram o meu pensamento.

GHz
GHz
9 anos atrás

Roberto F Santana disse:
19 de agosto de 2011 às 21:33

“Protótipos Injustiçados”: Avro Canada CF-105 Arrow, o maior de todos os tempos.

G-LOC
G-LOC
9 anos atrás

Os israelenses estudaram cerca de 20 configurações antes de escolher a final. O mesmo aconteceu com o Gripen. As opções são poucas e no final os caças costumam se parecer. Um exemplo é a comparação 1.44 com o J-20. Até parece que existem tantas opções assim.

Roberto F Santana
Roberto F Santana
9 anos atrás

Prezado GHz,

Sim foi um dos injustiçados,entretanto,sei pouco sobre o CF-105, somente fotos,era bem elegante.A lista desses protótipos tem um número consideravel e geralmente são aeronaves atraentes.

joseboscojr
joseboscojr
9 anos atrás

Galante, Eu não creio que sua afirmação de que “um caça com canards é mais manobrável que um sem”, seja sempre verdadeira. Claro que um caça com mesmo peso, relação de potência, com a mesma carga alar, com asa delta, sem canards ou com canards fixos, é menos manobrável que um que tenha canards móveis. Assim como um caça que tenha bocais dos motores fixos é menos manobrável que um que os tenha móveis (vetoráveis). Mas não creio que haja uma razão direta entre a manobrabilidade de um caça com uma configuração convencional, com cauda, e um com configuração delta/canard.… Read more »

Alexandre Galante
Reply to  joseboscojr
9 anos atrás

Pior que tem, Bosco. O canard aumenta incrivelmente a taxa de curva de um caça. A FAB experimentou isso no upgrade que fez quando colocou pequenos canards nos Mirage IIIE.
Nos exercícios divulgados, os “eurocanards” têm sido superiores aos seus equivalentes americanos em dogfight. Essa provavelmente a razão porque os chineses escolheram essa configuração no J-20. Mas vale dar uma pesquisada nos dados ostensivos de taxa de curva pra confirmar.

Justin Case
Justin Case
9 anos atrás

Amigos, Mesmo entre os aviões delta com canard, há diferenças. O sistema “closed coupled canard” (canard mais alto, próximo ao bordo de ataque) aumenta a capacidade de sustentação em altos ângulos de ataque. O “downwash” do canard alimenta a parte superior da raiz da asa. O Rafale e o Gripen são exemplos. Já a configuração de canard do Eurofighter (mais à frente, na linha de referência de fuselagem) não tem o mesmo efeito com relação à sustentação, mas é superior em termos de controle de vôo. Pela distância que está do CG, permite maior momento de arfagem nas manobras. Também… Read more »

Mauricio R.
Mauricio R.
9 anos atrás

Boa parte da manobridade do F-16, deve-se a instabilidade controlada do design, em oposição a estabilidade aerodiâmica das aeronaves da geração anterior.

Clésio Luiz
Clésio Luiz
9 anos atrás

O canard sempre está ajudando na sustentação da aeronave, aliviando o peso do nariz. O estabilizador está fazendo peso na cauda. Uma boa maneria para ver a taxa de curva sustentada de um caça é ver quanto tempo ele leva par dar uma curva de 360° graus. O melhor que eu já vi num F-16 foi 20 segundos. O F-22 também, a despeito do empuxo vetorado. Já o Gripen e o Rafale fazem em 17 segundos. O Mirage 2000 não tem canards e fica bem para trás, na casa de 25 segundos. Isso ocorre porque os elevons dele fazem peso… Read more »

Clésio Luiz
Clésio Luiz
9 anos atrás

“Protótipos Injustiçados”

O Mirage 4000 dá outra boa história. O NA YB-70 também.

asbueno
asbueno
9 anos atrás

GHz: o Avro Arrow era uma aeronave fantástica. belíssimo e de ótimo desempenho para a época. Creio que teria o melhor desempenho para um caça daquela época. Vários dos engenheiros que trabalharam em seu projeto foram para a NASA e constituiram equipes de P&D, controle de missão… John Hodge foi um deles. O pior de tudo é que nenhum sobrou… http://www.avroarrow.org/ http://www.avroarrow.org/AvroArrow/index.html Clésio: o XB-70 Valkyrie foi abatido, na verdade, pelo desenvolvimento de uma nova família de mísseis soviéticos. Seu papel, então, seria reduzido. Triste foi a perda trágica de um de seus protótipos, com parte da tripulação, além da… Read more »

edcreek
edcreek
9 anos atrás

Olá,

No fim o dinheiro gasto em Israel financiou o J-10 os Gringos devem estar fulos,kkkkkk.

Importante notar que se começar a incomodar os Americanos cortam componentes e grana se necessario.

Tenho tambem uma indicação para prototipos injustiçados:
SAAB Gripen NG, ha é perai ele não é prototipo é demonstrador….

Deixa queito, kkkkkk

Abraços,

Alexandre Galante
9 anos atrás

Eu ficaria feliz se fosse possível ao Brasil adquirir os projetos do F-20, F-16XL e do Northrop A-9…rs

tplayer
9 anos atrás

Galante, no nosso caso seria ótimo o F-20, mas isso lá na década de 80 ou no máximo em 90.

Hoje vejo que o melhor para o Brasil é comprar caças de prateleira mesmo e estudar uma entrada em um projeto de 5G com outro país nas próximas décadas.

Alexandre Galante
Reply to  tplayer
9 anos atrás

Tplayer, se fazemos milagre com um F-5M, imagine com um F-20M…

Alexandre Galante
9 anos atrás

Como sonhar ainda é de graça, esse projeto também seria ótimo pra gente:

http://www.aereo.jor.br/2008/11/13/novos-angulos-do-yf-23-blackwidow-ii/

asbueno
asbueno
9 anos atrás

Ignorando todos os custos, eu ficaria contente com algo projetado nos anos 70!
Hmmm… os F-16 entrariam na lista. É, penso que o tplayer tem razão mais acima. Deveríamos ter comprado algo de prateleira, mas há dez anos atrás.
Mas os F-16 ainda batem um bolão. Os SH tb. E os futuros Gripen E/F tb de baterão…

Clésio Luiz
Clésio Luiz
9 anos atrás

@asbueno

Foi um F-104 que colidiu com o XB-70.

Outra ótima história de protótipos assassinados é do BAC TSR-2.

Clésio Luiz
Clésio Luiz
9 anos atrás

O F-20 não entrou em operação, mas o JF-17 sim. Se comparados, os dois mostram muita semelhança, especialmente no conceito.

asbueno
asbueno
9 anos atrás

Valeu Clésio.
O TSR é uma boa pedida também!

Devo ter escrito A4 pensando em um vídeo em que um tanque escapa de um… F-18 (?) e colide com um A4 chase. Este perde parte de uma das asas, se não me engano, entra em um giro mas o piloto consegue ejetar.

Alexandre Galante
9 anos atrás
Alexandre Galante
9 anos atrás

Asbueno, o vídeo do A-4 chase sendo “abatido” pelo F-18 pode ser visto aqui:

http://www.aereo.jor.br/2009/09/30/fa-18-hornet-abate-a-4-skyhawk-com-bomba/

asbueno
asbueno
9 anos atrás

Obrigado Galante, é impressionante a sequência!

Nick
Nick
9 anos atrás

Os EAU deveriam ter financiado o Block-60 sobre a plataforma F-16 XL. Seria um caça fantástico e muito mais competitivo que o F-16 C atual.

[]’s

arlindo
arlindo
9 anos atrás

Iftach Spector, em seu livro ‘Alto e Bom Som’ mete o pau no projeto Lavi, por ter capacidades parecidas demais com o F-16, que acabara de ser comprado.
Abs.

tplayer
9 anos atrás

Galante, será que não daria para comprar esse projeto nos dias de hoje?

Seria só meter os avionicos modernos do F-5M, trocar a motorização para uma mais “popular” (manutenção mais barata) e teríamos um vetor bom, nacional e quem sabe barato.

Será que alguma vez o governo considerou isso?