quarta-feira, outubro 20, 2021

Gripen para o Brasil

Em missão sobre a Líbia, piloto da RAF completa 1.000 horas no Typhoon

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Segundo informe do Ministério da Defesa do Reino Unido veiculado em 10 de agosto, uma missão sobre a Líbia marcou a milésima hora de voo operacional em caças Typhoon para o Líder de Esquadrão Jody McMeeking, da RAF (Força Aérea Real Britânica). E, falando em horas de voo, cada surtida de um Typhoon sobre a Líbia dura, tipicamente, seis horas.

McMeeking tem, ao todo, aproximadamente 2.000 horas de voo. O piloto de 32 anos já exercia a função de instrutor e voou o Typhoon, operacionalmente, tanto na Força de Alerta Rápido do Reino Unido (UK’s Quick Reaction Alert force – QRA) e nas Falklands / Malvinas, acumulando grande conhecimento sobre a aeronave.

Segundo o piloto, o Typhoon é “um caça fantástico para voar, é incrivelmente ágil e pode carregar uma carga flexível de armamento. O cockpit é ótimo no que se refere à interação com o piloto, tanto para missões ar-ar quanto ar-superfície. A guerra aérea moderna é incrivelmente complexa. O Typhoon nos permite ganhar essa guerra por aumentar significativamente nossa consciência situacional.”

Os Typhoons da RAF que operam a partir da base italiana de Gioia del Colle são da versão FGR4. “F” refere-se a “caça” (fighter) e “GR” a ataque terrestre e reconhecimento (ground attack and reconnaissance), sendo diferentes dos modelos empregados no Reino Unido e nas Falklands/Malvinas, que são capacitados primeiramente para o combate ar-ar. 

Atualmente, seis Typhoons da RAF estão operando a partir de Gioia del Colle e  já lançaram mais de 100 armas de precisão sobre a Líbia. O contingente é de 11 pilotos, que voam todas as aeronaves (não há caças “pessoais”)

Solicitado a comparar o Typhoon com o Tornado, o piloto afirmou que  “o Typhoon está uma geração à frente do Tornado em todos os aspectos – manobrabilidade, agilidade, sensores, então uma comparação não é algo muito justo. Também é um jato fácil para se aprender a voar, mas demanda muita prática para que se aprenda a operá-lo bem, devido à enorme quantidade de informações disponíveis para o piloto. Sei que o avião teve seus detratores durante seu desenvolvimento, mas o que estamos vendo agora, nas operações, é uma prova das capacidades dessa grande aeronave.”

FONTE / FOTOS: RAF e Ministério da Defesa do Reino Unido

BATE-PAPO ONLINE: Converse com outros leitores sobre este e outros assuntos no ‘Xat’ do Poder Aéreo, clicando aqui.

- Advertisement -

25 Comments

Subscribe
Notify of
guest
25 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Celso

Eu particularmente nao acho este caça um primor de designer, porem como beleza nao se poe na mesa;……….rsrsrsrsrsr.
Ainda sera por mutios anos a espinha dorsal das FAs q o compraram e tem muito potencial para evoluir em inumeros quesitos assim como o Rafale, o SU 35 e quem sabe o Grippen NG.

Sds

flaps

Se llaman Malvinas NO Falklands.
Saludos

Mauricio R.

Os britânicos venceram, portanto as ilhas se chamam:

Falklands

Qnto ao Typhoon, precisam dar um jeito de carregar o Litening no recesso do Slammer, liberaria uma posição p/ mais LBG ou p/ a Brimstone.

Guilherme Poggio

Mauricio R. disse:

Os britânicos venceram, portanto as ilhas se chamam:

Falklands

Caro Mauricio R.

As coisas estão mudando

http://www.naval.com.br/blog/2011/06/07/oea-aprova-resolucao-de-apoio-a-argentina-sobre-as-malvinas/

Vplemes

Poggio, e desde quando opinião da oea vale alguma coisa? rsrsrs
Se servisse para algo, as “Falklands” já seriam “Malvinas” a umas boas décadas. Aquilo ali só serve como cabide de emprego de diplomatas amigos do “pudê”.

Guilherme Poggio

Vplemes,

Concordo com você que a OEA apita muito pouco. Porém, observe o parágrafo abaixo

“A administração do presidente Barack Obama também deixou claro no início de 2010 que iria apoiar as chamadas para as conversações sobre as ilhas, quando a comissão da OEA aprovou a utilização do termo “Malvinas”, em vez de “Falklands”.”

Ele foi retirado do seguinte post:

http://www.naval.com.br/blog/2011/06/15/o-reino-unido-nao-podera-fazer-nada-caso-a-argentina-retome-as-falklands/

Vplemes

Não tinha reparado antes, mas aquilo entre os motores do Typhoon é um gancho de parada?

dranuits

Se o nome fosse Malvinas o governo seria Argentino, mas como o nome é Falklands adinhem quem manda. 🙂
Los hermanos é que não são.

Que venham logo os Super Hornets depois os F-35 e não se fala mais nada……….mandem os SUs para los hermanos do norte.

dranuits

Desculpe ainda não almocei ” ADIVINHEM “

DrCockroach

Apache na Libya:

http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/africaandindianocean/libya/libya-video/8695936/British-Apache-helicopters-strike-Libya-targets.html

Mas nao deixa de ser triste, apesar de quem eles estao defendendo, ver soldados correrem por protecao.

[]s!

Mauricio R.

Sim é um gancho de parada, mas não serve p/ uso em porta-aviões, é usado em pista de pouso qndo os freios da aeronave, não são mais uma opção.

Guilherme Poggio

Mauricio R. escreveu:

Sim é um gancho de parada, mas não serve p/ uso em porta-aviões, é usado em pista de pouso qndo os freios da aeronave, não são mais uma opção.

Isso.

Assim como o gancho do F-5 e outros caças.

Mauricio R.

Se eu bem me lembro, um tal de “Pacto do Rio”, datado da época da 2ª Guerra Mundial, que versava sobre a agreção a alguma nação do continente, por potência estrangeira; tb foi devidamente implodido pela realidade imposta aos argentinos pelos britânicos.

Vplemes

Então, tá. Será que o New York Times ou o Washington Post escrevem Falklands ou Malvinas? O Obama pode falar o que quiser, mas lá não é como aqui, que o PR (Presidente da Republica, não o partido dos ladrões) manda e desmanda sem que o congresso apite. Duvido que algum dia apareça algo no congresso americano propondo apoio aos argentinos contra os ingleses. Se antes, quando só tinha cabras na ilha os ingleses foram pro pau com os argentinos para não perde-la, imagine agora que descobriram petróleo em suas aguas. Os “ermanos” podem tirar o cavalo da chuva.

Vplemes

Desculpem os erros, mas meu velho note-book parece que esta doidinho para saber quem é mais duro, ele ou a parede. rsrsrs

Almeida

Só eu olho pro Typhoon assim de frente e vejo dezenas de retornos de radar enormes?

Eu não acredito na propaganda veiculada pelos seus fabricantes que ele é quase stealth. Tudo ali parece ir contra um design stealth.

Quanto às Falklands, mandem algum argentino pisar lá e fincar uma placa escrito “Bien venido as Malvinas” que eu paro de chama-las assim. 😛

André Bueno

Se não me engano, após o conflito foi aprovada pela ONU seria composta, ou seja, Falklands/Malvinas ou vice-versa.
Apesar do Poggio ter escrito a respeito de uma decisão da OEA.

natan

parabéns ao piloto por tantas horas de voo

Yuri

Aproveitando que posso postar, gostaria de fazer mais uma observação:

Duvido muito que os EUA irão apoiar a Argentina realmente, até porque ela, recentemente, não deixou de ser uma nação de importância estratégica para os EUA? Creio que agora os americanos mal ligam para a Argentina.

Clésio Luiz

Se pararmos para pensar, essa questão do nome é uma bobagem. Vejam por exemplo o caso da Alemanha. Em português é Alemanha, em inglês Germany, e em alemão é Deutschland. E é assim com uma série de países, como Holanda, Japão e vários outros.

Sendo assim, para nós latinos será Malvinas, para os falantes da língua de Shakespeare, Falklands.

E estamos conversados.

Ivan

“Solicitado a comparar o Typhoon com o Tornado, o piloto afirmou que “o Typhoon está uma geração à frente do Tornado em todos os aspectos – manobrabilidade, agilidade, sensores, então uma comparação não é algo muito justo”.” Acredito que o Líder de Esquadrão Jody McMeeking, da RAF, é que não foi justo ao falar apenas em diferença de geração esquecendo totalmente a enorme diferença de conceito. O Tornado foi projetado como uma aeronave de ataque que foi adaptada para cumprir outras missões, sendo a versão inglesa ADV de superioridade aérea o extremo do esforço. O Typhoon foi projetado como uma… Read more »

Clésio Luiz

É verdade Ivan. Muitos caças de superioridade aérea deram ótimos caças de ataque. Mas no caso do Typhoon me parece que não houve muito esforço nessa adaptação. Por exemplo, o casulo designador esta numa posição desvantajosa, pois toma o lugar de um importante tanque de combustível. O lugar desse casulo deveria ser numa das estações de mísseis de médio alcance. No F-4 e no F-18 é assim. O outro problema é a falta de tanques de grande capacidade. Pelo porte, área alar e potencia dos motores, não há porque o Typhoon não levar tanques subalares de 2.000 litros, como o… Read more »

Mauricio R.

Talvez o Typhoon não necessite desses tanques de mto grande capacidade, devido justamente a fluidez de seu voo, fruto da alta eficiência aerodinâmica de seu design, a boa carga alar, combinada a elástica performance de sua motorização.

Últimas Notícias

Acompanhe a estreia do 1º episódio da websérie Colaboração Real 4 no YouTube

Em 21 de outubro, às 11h, estreia o primeiro episódio da quarta temporada da websérie Colaboração Real no canal...
- Advertisement -
- Advertisement -