Home Aviação de Caça Líbia: troca de comando no destacamento sueco baseado na Sicília

Líbia: troca de comando no destacamento sueco baseado na Sicília

223
0

Na última terça-feira, 5 de julho, o site das Forças Armadas da Suécia publicou nota informando sobre a troca do contingente sueco operando missões sobra a Líbia a partir da base de Sigonella, na Sicília. Sai o FL 01, entra o FL 02.

A  cerimônia foi realizada no dia 3 de julho, quando o coronel Frederick Bergman, do destacamento FL 02, assumiu o comando. A partir da decisão do parlamento sueco, em 17 de junho, de continuar com a participação do país na missão da OTAN sobre a Líbia, foi necessário recrutar e treinar o destacamento FL 02, o que ficou sob a responsabilidade da Ala 21 da Força Aérea Sueca, em  Norrbotten. O destacamento FL 01 serviu nos últimos três meses, a partir da base da OTAN de Sigonella, na Sicília, sob o comando do coronel Stephen Wilson.

O FL 02 continuará o trabalho desenvolvido até agora pelo FL 01, buscando refinar esse trabalho e fornecer respostas para qualquer necessidade de inteligência, segundo o novo comandante.

Agora, integrantes do FL 01 partem para novos desafios. Mas não será o caso do soldado Fredrik Ohlin e de outros dois colegas seus, especializados em reabastecimento de aeronaves, que permanecerão na Sicília por mais 90 dias, servindo no FL 02. Sobre reabastecimento, vale relembrar que quando o destacamento sueco chegou à Sicília, teve que solucionar um problema relacionado ao combustível para os caças Gripen. Basicamente, o combustível disponível em Sigonella era do mesmo tipo usado no caça, porém não possuía um importante aditivo, o Stadis 450, que é um agente antiestática.

Para resolver o problema, todo um grupo de abastecimento, composto de dois caminhões-tanque, um trailer e um conteiner-tanque foi deslocado da Ala Expedicionária do ‘Nordic Battle Group’, o que incluiu o oficial especialista Karl Larsson e três soldados do pelotão de manutenção, que estavam em alerta.

O grupo não é responsável apenas pelo reabastecimento, mas também pela mistura correta de combustível e aditivo. Essa mistura pode levar horas (no mínimo quatro) em descanso antes que se possa verificar se a porcentagem está correta, medindo-se a fluidez e a condutividade elétrica. Já o reabastecimento de um Gripen leva menos tempo: perto de sete minutos.

Como recebem treinamento para transporte de produtos perigosos como combustível, os três soldados que continuarão em Sigonella também podem transportar as munições do caça. Voltando ao soldado Ohlin, ele espera ser designado para mais uma missão internacional quando deixar a FL 02, provavelmente, vai reabastecer helicópteros no Afeganistão.

FONTE / FOTOS: Forças Armadas da Suécia (tradução, adaptação e edição: Poder Aéreo)

VEJA TAMBÉM:

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments