terça-feira, dezembro 7, 2021

Gripen para o Brasil

Rafale testa com sucesso AASM contra alvo terrestre em alta velocidade

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Na segunda-feira, 2 de maio, a Safran/Sagem informou a realização de um teste bem sucedido de disparo da arma ar-solo modular AASM, por parte da agência francesa de aquisição de material de defesa DGA. O teste, realizado em 21 de abril no campo de provas de Riscarosse , foi feito a partir de uma aeronave de combate Rafale de produção, contra um alvo terrestre movendo-se a grande velocidade.

No teste, a arma foi disparada de um ângulo extremo em relação ao eixo do alvo (90°) e a uma distância superior a 15 quilômetros, segundo o informe. O impacto deu-se a um ângulo muito baixo. O alvo foi representado por um feixe de laser gerado por um iluminador no solo (montado em uma torreta), que simulava um veículo movendo-se a 80 km/h.

O teste demonstrou a capacidade da AASM guiada a laser em conseguir uma precisão de até um metro contra um alvo ágil em movimento, seja na terra ou no mar. Esse foi o valor divulgado para a precisão atingida no teste, com o uso dos algoritmos da arma para detecção e ‘escravização’ da trajetória do laser, assim como de sua manobrabilidade.

A versão de guiagem inercial/GPS/laser da AASM é equipada com uma cabeça de busca laser semi-ativa, e utiliza algoritmos para acoplar alvos fixos ou móveis durante a fase terminal. Ela deverá aprimorar a flexibilidade operacional já oferecida pela família AASM, que inclui duas versões já qualificadas para emprego no caça multitarefa Rafale: a  inercial/GPS e a inercial/GPS/infravermelho.

Ainda segundo o informe da Safran/Sagem, a versão de guiagem a laser na fase terminal deverá iniciar a procução em maior escala no final de 2012, tendo como clientes o Armée de l’air e a Marine Nationale (força aérea e marinha francesas).

FONTE: Safran/Sagem 

FOTO DO ALTO: Armée de l´air (Força Aérea Francesa)

Colaborou: ‘Just in Case’

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

18 Comments

Subscribe
Notify of
guest
18 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
joseboscojr

Um grande feito.
Alvos táticos geralmente não excedem os 30 km/h.
Um alvo a 80 km/h só se for um barco patrulha ou um veículo em auto-estrada (com certeza não seria um alvo tático típico, mas pode ser útil em ações contraterroristas).

edcreek

Olá,

Muito bom um passo muito importante, e a uma distancia consideravel de 15 Km. Seriedade é outra coisa o projeto avança com ou sem venda externa.

Abraços,

Ivan

Acredito que o Grupo Safran/Sagem está correto ao tentar tirar tudo que pode do Armement Air-Sol Modulaire – AASM, principalmente por que pode levar vários tipos de guia para uma menor quantidade de bombas.

Assim sendo, como as limitações de estoques em um porta-aviões ou mesmo em uma base no estrangeiro, é possível ter flexibilidade no tipo de guiamento mais adequado à missão.

Quanto ao emprego contra barcos rápidos (fast patrol boats), acredito que a solução Brimstone II seria mais efetiva.

Abç,
Ivan.

Nick

Boa notícia para os usuários do Rafale.

Agora só falta desenvolverem os modos GMTT / GMTI no radar AESA.

[]’s

Ivan

Entretanto é curioso (para dizer o mínimo) observar os maiores países da DesUnião Européia adotando modelos de armas guiadas completamente diferentes. É mais uma prova da falta de integração militar entre estes aliados da Europa Ocidental. A Luftwaffe integrou a Laser Joint Direct Attack Munition (JDAM Laser) da Boeing nos seus Tornados e Typhoons; A Royal Air Force integrou a Paveway IV da Raytheon nos seus tornados e Typhoons; O Armée de L’Air integrou o Armement Air-Sol Modulaire – AASM da Sagem Défense nos seus Mirage 2000D e Rafale F3. Um completo absurdo, quando deveria haver um esforço comum para… Read more »

Mauricio R.

“…e a uma distancia consideravel de 15 Km.”

Nessa distância, me ocorreram bem uns 4 ou 5 sistemas antí-aéreos, que engajariam tanto a munição como a plataforma lançadora.
A vantagem é que a maioria é russo, então o desempenho não seria assim uma “brastemp”, a pto de ameaçar o emprego da arma francesa.

Lobo

” ângulo extremo….90….15 km” quando a fabrica faz o teste sempre é esta bába.Lembra os americanos com o Bradelay e rpg romeno.Por quê não foi 0 de ângulo ? É não têm Fabrica Santa neste mundo.

edcreek

Olá, Mauricio R. a essa altura as defesas de grande distancia já teriam sido derrubadas por outras armas. Guerra é um grande jogo de xadrez. Falando somente de Rafale: primeiro vem os misseis de longo alcançe Scalpe(250-300Kms)/Apache(150Kms)/AM-39 Exocet(70KMs) para derrubar as defesas primarias e mais importantes como as principais baterias de longo alcançe e navios. Só depois vem as AASM lembrando que, o alcançe maximo chega a casa de 50Kms, inclusive com tiro real efetivo a 55Kms de distancia, como se segue abaixo: ” On 6 April 2011 it was reported that a AASM missile fired from a Dassault Rafale… Read more »

Vader

edcreek disse: 4 de maio de 2011 às 9:08 Prezado, não desinforme, o MBDA Apache é um míssil cluster antipista. Não serve para “derrubar defesa”. Aliás, não serve para nada. Por isso que constou da proposta francesa à FAB, ao contrário do SCALP-EG (que não constou)… E o Exocet é um míssil antinavio. Também não é usado para “derrubar defesa”. Já o franco-britânico SCALP-EG sim é um excelente míssil de cruzeiro. Mas custa a bagatela de 800.000 euros a peça, ou US$ 1,194 milhão de dólares cada um. Um pouco carinho para derrubar um ninho de antiaérea russo da década… Read more »

edcreek

Olá, Vader tudo é relativo não afirme com tanta certeza: 1) Um navio pode ser usado em escolta ou proteção com misseis anti-aereos. 2) Uma pista é usada lançar aeronaves tanto defensivas como ofencivas. Veja que a defesa de um pais não é constituida de baterias SAMs, essas baterias são importantes mas não unicas, muito pelo contrario. A realidade é que a França faz tantas ASSM quanto quizer na hora que quizer, não é inovadora na função é inovadora na multifunção unificando varias armas em uma, no fim deverá valer a pena. Já os outros tem que fazer pedido de… Read more »

Vader

edcreek disse: 4 de maio de 2011 às 10:44 “Um navio pode ser usado em escolta ou proteção com misseis anti-aereos” Claro, evidentemente estava a falar em ataques em terra firme. “Uma pista é usada lançar aeronaves tanto defensivas como ofencivas” Evidente. Mas imagine a FAB destruindo pista de terra do tráfico na Amazônia com um míssil que custa meio milhão de EUROS, para o tráfico reconstruir a pista em um dia, passando um simples trator em cima ou botando gente pra tapar buraco. Muito útil mesmo… Amigo, como diria Sun Tzu: “guerra é ouro e ouro é guerra”! “Veja… Read more »

joseboscojr

O uso desse tipo de armamento só é possível quando há superioridade aérea com a neutralização prévia das ameaças, quando o inimigo não dispõe de armas que possam ameaçar a aeronave (Pantsir, Tor, Buk, etc) ou quando o inimigo dispõe de armas sup-ar eficazes mas a aeronave lançadora dispõe de meios eficientes de defesa (contramedidas, tática, etc). Essa distância (15 km) para atacar um alvo tático móvel em terra é excepcional. Só para se ter uma idéia, um Maverick D precisa se aproximar a uns 6 a 8 km para fazê-lo, e é a arma guiada antitanque padrão da USAF.… Read more »

Mauricio R.

“…a essa altura as defesas de grande distancia já teriam sido derrubadas por outras armas. Guerra é um grande jogo de xadrez.” “Falando somente de Rafale: primeiro vem os misseis de longo alcançe Scalpe(250-300Kms)/Apache(150Kms)/AM-39 Exocet(70KMs) para derrubar as defesas…” E pelo visto vc tomou um cheque-mate do seu próprio comentário. Como o meu comentário é derivado do teste executao, então o mesmo pressupoe um ambiente terrestre. Assim seu Rafale, armado c/ aquela inutilidade tda, deve estar em sérios apuros procurando algum Tornado armado c/ Alarm, que possa lhe prover SEAD e depois passado o sufoco, ele mais tranquilo possa visar… Read more »

edcreek

Olá,

Mauricio R. leia o post do Bosco, sem duvida ajudará muito.

Abraços, camarada

Mauricio R.

Mau entrou em serviço e já pretendem troca-la… “France has the AASM, which has seen action in Libya, and Britain has the Brimstone, which has also seen action in Libya.” “And France has been so impressed that it is highly likely to procure some as an urgent operational requirement.” “…that “the millimetric-precision, all-weather homing head of this missile was supplemented [three years ago] with a second semi-active laser mode, putting man in the control loop in order to meet very strict rules of engagement.” “The Brimstone is much smaller than the AASM, the former weighing 48.5 kg, the latter 250kg,… Read more »

Mauricio R.
joseboscojr

É Maurício, É isso que dá quando se usa uma bomba para destruir um veículo blindado. Como ela não tem a carga moldada (HEAT) de um pequeno míssil antitanque, que direciona sua energia, uma bomba usa de força bruta pra destruir o “tanque” por “concussão” (onda de choque), daí sempre sobrar pra todo mundo em volta. Principalmente nos tempos da politicamente correta redução dos danos colaterais e da moda de guerra urbana. Vai ser interessante se essa notícia for verdadeira e se de fato vier a se tornar realidade ver um Mirage ou um Rafale integrado ao Brimstone. Eu acho… Read more »

Ivan

“Cada macaco no seu galho !!!” Em algumas oportunidades escrevi que uma combinação de armas européias interessante seria o uso combinado do ALARM, AASM e Brimstone. Cada arma tem sua finalidade. A DesUnião Européia usa 3 (três) diferentes bombas guiadas, de 3 (três) diferentes fabricantes, nas 3 (três) maiores forças aéreas. Repetindo: A Luftwaffe integrou a Laser Joint Direct Attack Munition (JDAM Laser) da Boeing nos seus Tornados e Typhoons; A Royal Air Force integrou a Paveway IV da Raytheon nos seus tornados e Typhoons; O Armée de L’Air integrou o Armement Air-Sol Modulaire – AASM da Sagem Défense nos… Read more »

Últimas Notícias

Alto oficial da Força Espacial diz que a China está desenvolvendo capacidades ‘duas vezes mais rápido’ que os EUA

Para o general David Thompson, China pode ultrapassar os EUA em capacidades espaciais em 2030 O vice-chefe de Operações Espaciais...
- Advertisement -
- Advertisement -