segunda-feira, outubro 18, 2021

Gripen para o Brasil

O AT-6, na visão da Lockheed Martin

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Num momento em que se discute possibilidades de negócios envolvendo a aquisição do Super Tucano pelos EUA, vale a pena dar uma olhada no seu maior concorrente, na visão de um parceiro do principal fabricante.

A Lockheed Martin  trabalha em parceria com a Hawker-Beechcraft para desenvolver o AT-6 e destaca, em seu site, a necessidade de uma alternativa ao A-10 no Afeganistão. A USAF (Força Aérea dos EUA) está consumindo horas de voo valiosas do A-10 em operações de vigilância e ataque onde o espaço aéreo não é contestado. Daí a proposta de se empregar, nessas situações, uma aeronave turboélice.

Para converter dois treinadores Hawker Beechcraft T-6 Texan em aeronaves sofisticadas de vigilância com capacidade de ataque leve, o AT 6, a Lockheed Martin incorporou à aeronave sistemas de missão do A-10C Thunderbolt II (no caso, “precision engagement mission systems”). Os computadores de missão, os data links para ampliar a consciência situacional, tecnologia de mira montada no capacete e outros sistemas fazem do AT-6, segundo a empresa, o “irmão menor” do A-10.

Pontos fortes do AT-6, segundo a empresa:

  • Plataforma capaz, acessível esustentável para desempenhar missões múltiplas: treinamento de tripulações, treinamento de armas, NetCentric operacional, ISR e ataque leve em conflitos irregulares.
  • Desenvolvimento espiral do comprovado T-6A, da USAF, e T-6B, da USN, com reforço estrutural e um motor mais poderoso de 1.600 cavalos, o  Pratt and Whitney PT6A 68D.
  • O maior alcance em sua classe, podendo acomodar 95% dos tripulantes da USAF.
  • Arquitetura de sistemas de missão “plug-and-play”, com novas capacidades integradas, nivelando as atualizações de programas de voos operacionais do T-6B e do A-10C. 
  • Pilones flexíveis e reconfiguráveis, num total de sete estações externas.
  • Longa persistência, carregando dois tripulantes e armas
  • Integração de armas de emprego geral, guiadas a laser e internas.
  • Infraestrutura logística global de uma frota crescente, que inclui mais de 600 aeronaves, e que já ultrapassou a marca de 1,2 milhão de horas de voo.
  • Atendimento à demanda de requerimentos de missões de ataque leve e de reconhecimento armado, ao redor do mundo.

 

E você, qual a sua visão? Lendo os pontos acima e vendo o vídeo, dê a sua opinião: quais os pontos fortes do Super Tucano para se contrapor a esses, além das questões econômicas e políticas? As maiores chances de conquistar uma venda estão na Força Aérea dos EUA ou na Marinha / Corpo de Fuzileiros Navais? Veja também matérias anteriores sobre esse assunto, a seguir:

FONTE / FOTOS / VÍDEO: Lockheed Martin e Aviation Week

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

12 Comments

Subscribe
Notify of
guest
12 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Rodrigo

Coisas que eu achei interessante… Vendo a quantidade de modificações para transformar o EMB312 no EMB314, que de comum manteve praticamente somente o formato básico e parte do nome. Da para deduzir, que se transtormaram o Texan em um avião de combate de verdade, grande parte das modificaçoes feitas no ST precisarão ser feitas no Texan também o que mata totalmente a vantagem da escala e da maturidade da plataforma. Neste ponto o ST está anos luz a frente dele. O resto estão em pé de igualdade, a diferença é que o ST está diariamente sendo usado em combate e… Read more »

Vader

Essas concorrências estão muito enroladas, para quem precisava de aviões “para ontem”. Não sei não, mas acho que o “timing” do ST está passando. A única vantagem do ST é que ele está pronto e já é testado em combate, com algumas boas armas já integradas. O AT-6 também será uma excelente plataforma e tem uma vantagem: o rótulo “made in USA” em seu projeto… Ninguém duvide que “uzamericanu” podem fazer um monomotor tão ou mais capaz que a Embraer. Enfim, se a pressa falar mais alto, vai dar ST. Senão, podem esquecer. Mas o que está parecendo é que… Read more »

Ivan

As vezes a escolha de um parceiro é essencial para o sucesso (ou fracasso) de um negócio. Se a poderosa Lockheed/Martin está com a Hawker-Beechcraft é melhor a Embraer rever seus parceiros nos EUA. É óbvio que penso na igualmente poderosa Boeing para enfrentar a LM. É briga de ‘cachorro grande’… Em tempo: Continua acreditando que é uma medida válida ‘jogar no colo’ do presidente americano uma proposta SuperH x SuperT. Se eles concordarem faremos um bom negócio; Se não concordarem a responsabilidade será deles pelo distanciamento entre as 2 (duas) maiores economias das Américas. O que precisa ser melhor… Read more »

edcreek

Olá,

Essa concorrencia começa a pareçer a do novo “reabasteçedor” onde o que ganhou não levou…Com a desvantagem de o Super Tucano ainda não ter ganhado….
Nesse periodo os Gringos tendem a uma solução caseira, a cada mês que passa o ALX fica mais distante….Uma pena sem duvida…..

Abraços,

Antonio M

“…é melhor a Embraer rever seus parceiros nos EUA. ..”

Pois é. Me fez lembrar da “brincadeira” abaixo:

http://www.aereo.jor.br/?s=supertucano+northrop

Se a Embraer mantesse estreitos os laços com a Northrop desde a época em que fabricou partes do F5, quem sabe seria tudo mais fácil.

Nick

O mais interessante é saber que tem Super Tucanos voando com muitos sistemas exclusivos para a US Navy e USAF, ou seja ele vem sendo extensivamente testado por lá, além de já ter sido provado em combate aqui e na Colômbia.

O AT-6 é menor, mas o lobby é maior. Talvez as FAs deles tenham de engolir o AT-6 , mas eu diria que eles querem o ST , e para ontem.

[]’s

Rodrigo

Quando o desempenho técnico é semelhante…

Os gringos politicamente tendem a dar como vencedores, quem tem menos encomendas do Pentágono.

Boeing e Lockheed não correm o risco de ficarem sem carga de trabalho…

Northrop Grumman, sempre tem algo blackops em desenvolvimento…

Não sei até onde este parceiro da EMBRAER tem força política.

Gozado a charla anti-america afirmar que o ST não tem chances, devido a “solução caseira”, esquecem que o próprio Texan é estrangeiro, venceu soluções caseiras e próprio Tucano.

Mauricio R.

Vcs ficam nessa polarização ST X T-6, e se esquecem do Airtractor.
Não vejo os americanos alterando a célula do T-6, na mesma extensão que a Embraer alterou a do Tucano p/ criar o ST.
Vão trocar alguns sistemas, incorporar outros, trocaram a motorização e será somente isto.
Qnto maiores os custos de desenvolvimento que o AT-6 incorrer, maiores as chances do ST, cujo desenvolvimento já está praticamente pago.

edcreek

Olá,

Rodrigo não me considero anti-americano, mas posso dizer que a epoca era outra….

Abraços,

Rodrigo

A época era outra também quando a Dassault vendeu o Falcon e a Lixocopter o Dauphin e Lakota? O último é bem recente…. Por mais que digam que um projeto é estrangeiro, na hora da verdade ele será montado lá que é o que interessa aos gringos. Empregos por empregos o MRTT ia criaria mais empregos que o 767 que vai usar a mão de existente na Boeing. Perdeu porque a EADS é careira e ainda por cima ofereceu um produto problemático, não porque a Boeing é americana. Se você não faz parte da ala dos anti-americanos folclóricos que distorcem… Read more »

Mauricio R.

Os Falcon da USCG??? HU-25???

Estão sendo substituídos pelos CN-235(HC-144) da EADS-CASA.

Apesar de eu ter gostado da vitória do Next Gen Tanker, acho que a discussão não é por aí.
Os europeus vendem o avião completinho, 3500 pecinhas, mas ocorre que destas, 3499 são de procedência americana.

Tadeu Mendes

A pergunta que eu tenho e a seguinte:

Os ST seriam produzidos aqui (EUA), ou na Embraer em SP???

Como a palavra emprego tem um poder politico enorme para os congressistas, se os ST forem fabricados aqui, as chances de que sejam escolhidos sera bem maior.

Últimas Notícias

China testa nova capacidade espacial com míssil hipersônico

O lançamento em agosto de um foguete com capacidade nuclear que circulou o globo pegou a inteligência dos EUA...
- Advertisement -
- Advertisement -