segunda-feira, março 8, 2021

Gripen para o Brasil

Navalhada na Defesa – aeronaves novas e revitalização de antigas em risco

Destaques

Defesa aérea da Sérvia atingiu outro F-117 durante a Operation Allied Force

A história de como um jato de ataque stealth F-117 Nighthawk da Força Aérea dos Estados Unidos foi abatido...

HENSOLDT: Sistemas antidrone e de proteção de áreas críticas e estratégicas

Nos últimos anos, a venda de drones cresceu muito no mundo. Esses objetos voadores, cada vez mais comuns em...

FAB coordena Operação Escudo Antiaéreo

Operação aconteceu de forma conjunta entre a Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea Brasileira No período...
Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

“Nas Forças Armadas, a modernização de equipamentos, a implantação de novos sistemas bélicos e até a construção de unidades habitacionais para os militares estão sob risco. Somando os projetos que podem sofrer com a tesoura, chega-se à cifra de R$ 1,96 bilhão. Na aeronáutica, o enxugamento deverá afetar a aquisição de aeronaves, dentro do programa de reaparelhamento e adequação da Força Aérea Brasileira (FAB), que tem R$ 231 milhões previstos para este ano, além da manutenção e da revitalização de aeronaves antigas, que tem R$ 320 milhões reservados na peça orçamentária.”

Clique aqui para ler o clipping completo dessa reportagem do Correio Braziliense, no Poder Naval. Todas as três forças deverão ser afetadas pelo corte, mas o texto completo está no Poder Naval por um motivo básico: o programa mais afetado deverá ser o do submarino nuclear.

FONTE: Correio Braziliense, via Notimp

- Advertisement -

12 Comments

Subscribe
Notify of
guest
12 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Baschera

Tal Pai….tal filha…..
Papai Lulla não fez nada na área de defesa, só encheu linguiça com aquele “….nunca antes na história…” e escreveu-se um monte de delírios que nunca serão realizados….deixou um buraco nas contas públicas e agora a Tia da Carabina vai cortar o pouco que sobrou…..

Que país é este…..

Acho que vou pedir cidadania egípsia…..:)

Sds.

Justin Case

Boa tarde. Como sempre nessa época, surge o CONTINGENCIAMENTO e os comentários sobre seus reflexos. Se formos procurar referências na última década, iremos encontrar essa discussão em todos os anos. Existe um orçamento proposto, que recebe uma engordada decorrente principalmente das emendas parlamentares. Neste ano, deve ter ocorrido também um inchaço originado nas promessas de campanha. Vem então um descompasso entre a expectativa de receita e o orçamento aprovado. O homem da navalha vem e contigencia a execução orçamentária à arrecadação, como é sua obrigação. No final, a arrecadação supera a expectativa, grande parte do contingenciamento é levantado, parte é… Read more »

Luis

Aí está a herança do governo Lulla. Agora, talvez só em 2015…

Antonio M

Cortes na defesa, educação, saneamento básico, estradas, ferrovias etc.

E no caso de muita coisa que poderia ser privatizada, como estradas e ferrovias, o governo ainda por cima não privatiza e não deixa privatizar!

Mas e os orçamentos das câmaras municipais, federais e senado que custam os olhos da cara ao contribuinte e mantém um monte de mordomias que não deveriam ser pagas por nós, poderiam sair perfeitamente do salário que os nobres políticos recebem? Ah ! esses orçamentos aí não cortam, não racionalizam não ………

Observador

Pois é. Sem querer ser chato (mas sendo), desde antes das eleições eu já falava que isto ia acontecer. Prometeram mundos e fundos, tudo dentro da fantasia do “Brasil-Potência”, para criar e usar o ufanismo nacional para obter votos. Também visaram o voto dos militares. Além disto, estes são lideranças na sua vizinhança e família, logo, são ótimos cabos eleitorais. Agora que garantiram a eleição, vão apagar tudo que prometeram. Investimento em Defesa não dá voto. Se até as obras do PAC estão na lista de cortes (por mais que o GF negue), por que manteriam os investimentos na área… Read more »

Grifo

Não acho que seja (ainda) motivo para ficar preocupado com estes possíveis contingenciamentos. Eles existem desde que o mundo é mundo, e a FAB de certa forma já aprendeu a conviver com eles. Mas não deixa de ser uma boa oportunidade de rever as prioridades dentro dos programas da Força Aérea. Por exemplo, será que o programa KC-X é realmente urgente? Vale a pena comprar mais C-295 agora? Quanto ao submarino, acho que a Marinha tem que passar pelo choque da realidade e também definir prioridades que caibam dentro do orçamento. Por exemplo que é importante, submarino nuclear ou porta-aviões?… Read more »

Guilherme Poggio

Grifo disse: Quanto ao submarino, acho que a Marinha tem que passar pelo choque da realidade e também definir prioridades que caibam dentro do orçamento. Por exemplo que é importante, submarino nuclear ou porta-aviões? Para mim está claro que se quiser ter os dois vai acabar ficando sem nenhum… Apenas um detalhe par aquem não acompanha o “naval” com frequência. O primeiro submarino nuclear da nova classe francesa (Suffren) ficará pronto depois de 19 anos entre o estudo de viabilidade e a mostra de armamento. Já em um determinado país tropical, que usará o conhecimento francês para a construção do… Read more »

Rodrigo

Quem sou eu, para dizer se o CM toma santo daime ou não, para definir objetivos, prazos e valores.

Pelo que eu vi no fórums de gente que acompanha mais a turma de branco que eu, foi que o GF solicitou planos ideais.

Os planos foram apresentados conforme o solicitado.

Se são inexequíveis e causarão prejuízo no futuro, os responsáveis terão que responder no GF e no CM.

Grifo

Pelo que eu vi no fórums de gente que acompanha mais a turma de branco que eu, foi que o GF solicitou planos ideais. Caro Rodrigo, para mim a lógica de se pedir o “plano ideal” foi simples: se tudo faz parte do plano, então qualquer negócio se enquadra dentro dele. Na minha visão talvez cínica, a principal função das ENDs e PEAMBs da vida é dar guarida às mais amalucadas (e suspeitas) aquisições. Tipo, “coloca aí tudo no plano para que depois eu possa negociar”. Assim se alguém questionar porque diabos adquirir por exemplo 51 EC-725, basta apontar para… Read more »

Rodrigo

Eu tenho o hábito de me colocar no lugar dos outros.

Se o meu diretor chega e diz:

Rodrigão, pega o projeto da logística e refaz do jeito que você acha que tem que ser, sem limite de custo.

Eu refaço, o chefe aprova.

Blza!

Só que na primeira fase do projeto, a grana começa a atrasar, o orçamento ser tesourado e etc…

A culpa não é só do chefe, eu tb contribui fazendo um projeto superdimensionado.

Se tivesse feito corretamente os problemas financeiros seriam minimizados.

Vader

É senhores, os sonhos de Brasil-Potência entraram pelo cano: duraram só o suficiente para impressionar o eleitor nos últimos dois anos do governo pretérito.

É o que normalmente acontece quando se contraria a lógica e os fatos… inclusive os históricos.

Agora, dizer que não sabia que daria nisso é ser ingênuo por demais.

Observador

Vader: Isto me lembra a Lenda de Tróia e da Princesa Cassandra. Cassandra era a filha do Rei Príamo que profetizou a queda da cidade mas que ninguém levou a sério. Ela via o futuro, mas estava amaldiçoada a não conseguir mudá-lo. Você, eu e muitos outros aqui no blog sofremos da “Síndrome de Cassandra”. Sofremos por ver o desastre iminente e por não ter poderes para evitá-lo. O Grego Lula colocou o seu “Cavalo de Tróia” (Dilma) e os troianos (eleitores) o aceitaram como um presente. Agora que o cavalo está no meio da cidade, dele começam a sair… Read more »

Combates Aéreos

Guerra das Malvinas: 36 anos do desaparecimento do tenente Casco

Na Guerra das Malvinas, que completa 36 anos em 2018, o Poder Aéreo da Argentina provocou pesadas perdas à...
- Advertisement -
- Advertisement -