quinta-feira, março 4, 2021

Gripen para o Brasil

BAE Systems anuncia que competirá no T-X da USAF com o Hawk

Destaques

Defesa aérea da Sérvia atingiu outro F-117 durante a Operation Allied Force

A história de como um jato de ataque stealth F-117 Nighthawk da Força Aérea dos Estados Unidos foi abatido...

HENSOLDT: Sistemas antidrone e de proteção de áreas críticas e estratégicas

Nos últimos anos, a venda de drones cresceu muito no mundo. Esses objetos voadores, cada vez mais comuns em...

FAB coordena Operação Escudo Antiaéreo

Operação aconteceu de forma conjunta entre a Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea Brasileira No período...
Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

A BAE Systems anunciou nesta quarta-feira, 8 de setembro, que competirá com o sistema de treinamento a jato Hawk para o programa da USAF (Força Aérea dos EUA) de uma nova família avançada de sistemas de treinamento de pilotos, que visa substituir os velhos T-38 da força.

Para atender ao programa da Advanced Pilot Training (APT) Family of Systems (FOS) da USAF, normalmente chamado de T-X, a BAE Systems se considera em boa posição, por oferecer uma solução “de prateleira” (off-the-shelf), já em serviço e de baixo risco, que também já demonstrou um custo de ciclo de vida aceitável.

Segundo a empresa, o Hawk não precisa ser desenvolvido para atender ao desejo da USAF de que o novo treinador atinja, em 2017, a capacidade operacional inicial (IOC –  Initial Operational Capability), e deverá diminuir substancialmente o custo total para treinamento de pilotos prontos para missões.

A empresa destaca também que o seu Hawk Advanced Jet Training System é mais do que uma aeronave: trata-se de um sistema que integra o treinamento real no jato com um ambiente virtual de alta fidelidade, que apoia o desenvolvimento dos pilotos. O sistema oferece aviônicos avançados, ambiente de treinamento totalmente integrado, capacidades para “debriefing” (análise pós voo) do instrutor e outras capacidades de linha de frente.

O sistema, segundo a BAE Systems, permite que o piloto treine da mesma forma que irá combater – mais do que voar, o piloto dos combates do futuro precisa entender, processar e reagir de acordo com a quantidade de informação disponível no cockpit. Assim, o sistema permite treinar em cenários de múltiplos engajamentos, situações de combate complexas, interceptações, operações com data-link e uso de sensores sintéticos.

FONTE / FOTO: BAE Systems

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

17 Comments

Subscribe
Notify of
guest
17 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Leandro

Alguém ai sabe informar se existe algum estudo na FAB (Min DEF) para uma futura substituição dos A-29 no treinamento avançado dos pilotos de caça?
Acredito que o Xavante já tenham sido desativados (já tem algum no MUSAL?) e que o F-5M realmente não é a melhor opção para isso, o Ministério da Defesa tem algum estudo em andamento e com aeronaves em análises? E quais seriam essas aeronaves?

RenanZ

hmm

Dificil uma aeronave não americana ganhar a concorrência !!!

Galileu

Tentar não custa ahahah

Clésio Luiz

Acho pouco provável que, o Hawk ganhando, ele fosse entrar em operação do jeito que está. A USAF, sendo ela uma eterna gastadora de recursos sem fundamento, iria impor uma montanha de modificações que iriam atrasar o programa em uma década, dobraria o custo inicial de compra e ainda por cima aumentaria em 50% os custos de operação… Vejam o que aconteceu por exemplo com o EH-101 naquela concorrência do helicóptero presidêncial dos Marines. Ao invés de apenas adequar a plataforma já pronta e em operação que é o Merlin, eles impuseram tantas modificações que no final a coisa tinha… Read more »

Elizabeth

Algumas considerações sobre este assunto. Na ultima grande concorrência americana de compra de aviões de treinamento, a JPATS, os concorrentes eram, Cessna 526, EMB-312H Super Tucano, FMA Pampa 2000, Aermacchi MB-339, PC-9 Mk 2, Ranger 2000, SIAI Marchetti S.211 Quando listamos estes 7 aviões vamos observar que 6 deles são projetos nascidos fora dos EUA, a exceção do Cesna 526. Porque motivo? Existem algumas características dos projetos de aviões de treinamento militar que são mais ou menos comuns mundo a fora. De uma maneira geral desenvolver (ou fabricar sob licença) um avião de treinamento militar é o primeiro passo para… Read more »

souzat19

Elizabete vc esqueceu do treinador da marinha americana, aquele q é parecido com o A4.

Klevston Kstonboner

E tinha gente toda empolgadinha achando que o Super Tucano seria o escolhido para esta finalidade, depois é eu que não sei de nada.Só o tempo para mostrar toda a realidade.

Sabre

souzat19, creio que esse treinador seja uma versão do próprio Hawk inglês!

Mauricio R.

E como fica nessa figura, o T-50 sul-coreano, que é um produto sobre o qual a Lockheed tem mtos direitos???

Edu Nicácio

Senhores (e senhoras), estamos falando de quantas aeronaves afinal?

Saberiam também me dizer se aquela notícia veiculada tempos atrás, do Brasil adqurir 24 a 36 MB-346 italianos por US$ 1 bilhão, se confirmou ou não?

Abraço.

Elizabeth

Ola Mauricio Eu acredito que o T-50 sera um concorrente com grandes chances. Se seguirmos o exemplo da JPATS cada avião sera associado a uma empresa americana responsavel pela montagem em solo americano. Neste caso o T-50 deve ser o avião da LM na concorrencia. Eu só tenho minhas duvidas sobre os custos reais de hora de vôo do T-50 quando comparado a aviões menos capazes como o Hawk. O T-50 como sabem é equipado com uma turbina F-404, levando em conta a velha premissa de que até 70% do custo direto de hora de vôo é combustivel, um T-50… Read more »

Max RS

Elizabeth, Você é (ou era) de alguma arma logística? Pergunto isso, porque percebo em teus comentários que você defende idéias que enfatizam a manutenção das forças e um desenvolvimento crescente. Ou seja, uma maneira “sustentável” (essa palavras está na moda) de ver as coisas. Bacana! Eu também penso assim. Porém, quanto ao T-X da USAF terei que discordar de você. Acredito que as possibilidades do Hawk de vencer a concorrência são melhores. Se observarmos o lado logístico da situação (e conseqüentemente o custo está implícito), veremos o T-45 treinando os pilotos da marinha norte-americana. É um trunfo britânico, que seguramente… Read more »

Elizabeth

Ola MAX RS Eu não sou militar, também não sou profissional de logistica e manutenção. Sobre o Hawk eu concordo totalmente com suas palavras, é o avião certo para tempos de vacas magras. Quando falei sobre o M-346 Master ser um caça altamente indicado estava me referindo a critérios puramente técnicos associados ao desempenho do avião italiano e a sua juventude de projeto. O Hawk é favorito? Acho que sim, tem os custos menores, já é operado pelos EUA que por sua vez “devem” alguns créditos politicos a Inglaterra na ultima década e isto deve ter algum peso na decisão.… Read more »

Mauricio R.

“3) A relação de compromisso entre custo x confiabilidade do Hawk…”

Isto já pode ter sido respondido pelo desempenho do Goshawk.

Mauricio R.

Então teremos o embate direto do “novo” (M-346/T-100 Master) X “o maduro” (Hawk T 2), c/ o outro “pimpolho” (T-50) correndo por fora.

E a inepta da Embraer, amolando a Deus e a tdo o mundo c/ aquela coleção de “intenções de compra” virtual, não tem sequer produto real p/ oferecer…

Erraram feio de cinquentão!!!

Combates Aéreos

A perda dos ases iraquianos

  Muitos pilotos iraquianos de Mig-21 ganharam notoriedade durante a guerra com o Irã. O mais conhecido foi Tenente (mais...
- Advertisement -
- Advertisement -